Discussão Sobre O Conceito De Educação

Publicado em: 28/07/2009 |Comentário: 4 | Acessos: 40,092 |

A Educação é um conceito que vem sendo desenvolvida e discutida ao longo dos séculos pela sociedade, pois o homem, sempre buscou uma melhor forma para poder de se relacionar com os outros.

No período da Grécia antiga, os poetas é que eram os educadores da cidade, e através das declamações dos poemas, se passava a historia dos seus ancestrais, e os filósofos queriam ter essa influencia na educação da cidade, pois a filosofia tinha uma forte ligação com a política, e a melhor maneira de forma os cidadãos bons comprometido com a pólis porque segundo SOARES (2002) diz:

“A Filosofia é filha da pólis e, em conseqüência, a Filosofia é a Política, de modo que, na impossibilidade de se separar estas duas instâncias intimamente ligadas, dispõe, com o resultado da práxis. Esta, por sua vez, torna-se o elemento pelo qual a teoria se concretiza. Não basta, contudo, somente o envolvimento nas e com as questões que caracterizam o cotidiano da pólis para se atingir este estágio político, mas antes, é necessário submeter-se a um gradativo e sistemático processo de aprofundamento, de modo que se veja claramente onde estão assentadas tais questões. Tal processo não é outro senão o da Educação”. (SOARES 2002 p 192-193)

 O filosofo grego Platão (2003) em seu livro a Republica vai fazendo uma apresentação de como seria uma cidade ideal para ele e como devia ser a formação dos seus cidadãos de acordo com o pensamento da paidéia grega, pois para Platão a pólis devia ser governada pelos guardiões filósofos que eram responsável pela educação da cidade sua principal função era de administrar a cidade, e para isso precisava ter algumas qualidades como pode ser visto na citação a seguir.

“(...) os nossos guardiões, isentos de todos outros ofícios, devem ser os artíficies muito de liberdade do Estado, e de nada mais devem ocupar que não diga respeito a isso, não hão de fazer ou imitar qualquer coisa. Se imitarem, que imitem o que lhes convém desde a infância: coragem, sensatez, pureza, liberdade e todas as qualidades dessa espécie. Mas a baixeza, não devem praticá-la nem ser capaz de a imitar, nem nenhum dos outros vícios, a fim de que, partindo da imitação passem ao gozo da realidade”. (PLATÃO 2003 395a – e p 86-87)

 Após definir qual é a função dos guardiões da polis, em seguida vai construir um modelo do que seria para o homem ideal, vai contestar o conceito da Paidéia grega feita por Homero e Hesíodo, onde estes iniciavam primeiro pela ginástica e depois a música Platão iria dizer ao contrario.

“Uma vez definida a natureza dos guardiões, Platão passa, em seguida, a buscar o meio, pelo qual ira forjar este modelo de homem. Ora, a paidéia grega, assentada particularmente em Hesíodo, em Homero e nos trágicos, tem ensinado, até, então, que deve sempre iniciar-se pela ‘ginástica para o corpo e a alma’. (...) Convém, de inicio, porém, deter-se primeiro na música, nas artes das Musas, e só depois examinar os benefícios que a ginástica pode proporcionar à formação harmoniosa. É que Platão compreende que as artes das Musas desempenha o papel decisivo no que as artes das Musas desempenha papel decisivo no que concerne ao ‘plasmar das almas’ ” . (SOARES 2002 p 194)  

 Para Aristóteles (2004) vê a importância da educação para formação de uma boa cidade, com Platão a importância da educação física na formação dos seus cidadãos, por isso a grande importância do papel do legislador, no momento da formação da família, para que a cidade consiga chegar ao meio termo, para o melhor funcionamento.

“Se portanto o primeiro dever do legislador é garantir as crianças em educação uma organização física o mais possível robusta deve, antes disso preocupar-se com o casamento com as qualidades que os esposos precisam trazer para a união”. (Aristóteles 2004 p 148)  

 Segundo o Filósofo o legislador é que tem o papel principal na formação da educação na educação da polis, principalmente para não forma cidadãos covardes, mas corajosos, para a defesa da sua cidade, igualmente como Platão trabalha na sua idéia de educação.

O pensador francês o barão de MONTESQUIEU (2004) em seu celebre livro o “Espírito das Leis” vai dizendo que para sistema de governo existe um determinado tipo educação, para a manutenção da forma de governo, e sua importância na preparação dos cidadãos para participar do governo como mostra na citação a seguir.

“As leis da educação são as primeiras que recebemos. E como elas nos preparam para sermos cidadãos, cada família particular deve ser governada em conformidade com o plano da grande família que compreende todas as demais. Se o povo em geral tem um principio, as partes que compõem, isto é, as famílias também terão. As leis da educação serão, portanto, diferentes em cada tipo de governo. Nas monarquias terão a honra; na república, a virtude; no despotismo, o medo”.  (MONTESQUIEU 2004 p.44)

 E MONTESQUIEU (2004) inicia descrevendo de como deve ser desenvolvida o objetivo da educação em uma monarquia, que para ele o mais importante é que seus súditos cultivem o hábito de agradar uns aos outros, pois agindo desse modo possam manter essa forma de governo para a posteridade.

“(...) a educação em uma monarquia requer nas maneiras uma certa polidez. Os homens, nascidos para viver em sociedade, nasceram também para agradar uns aos outros, e aqueles que não observasse as conveniências, ofendendo àqueles com que convivesse, desacreditar-se a ponto de se tornar incapaz de praticar qualquer bem. (...) É por causa do nosso orgulho que somos polidos: sentimo-nos lisonjeados de possuir boas maneiras que demonstram que não nos encontramos nas camadas mais baixas, e que não convivemos com essa espécie de gente que desdenhou”.   (MONTESQUIEU 2004 p.45)

 Em seguida MONTESQUIEU (2004) apresenta como é a forma da educação em um governo despótico que o principal objetivo é de implantar o medo em seus cidadãos, para que estes não questionem a ordem estabelecida como pode ser ver na citação a seguir.

“(...). É mister que a educação, nesses Estados seja servil. Constituirá um bem havê-la recebido sob essa forma, mesmo no comando, pois aí ninguém será um tirano, sem que seja escravo. A extrema obediência supõe a ignorância naquele que obedece; igualmente supõe ignorância naquele que comanda; este não terá que deliberar, de duvidar nem de raciocinar; não deve senão querer”.   (MONTESQUIEU 2004 p.47)

Por fim MONTESQUIEU (2004) mostra como é a educação em um governo republicano que ele compara um pouco as cidades-estados gregas, em que a virtude é o objetivo principal dessa forma de governo, como uma maneira de se manter ainda viva para as futuras gerações.

“É no governo republicano que precisamos de todo o poder da educação. (...) Podemos definir essa virtude como amor a leis e a pátria. Esse amor, sempre requerendo a supremacia do interesse público sobre o interesse privado, produz todas as virtudes individuais, as quais nada são supremacia. Esse amor é singular afeto às democracias. Somente nessas o governo é confiado aos cidadãos. Ora o governo é como todas as coisas do mundo para conservá-los é preciso amá-los” (MONTESQUIEU 2004 p.48-49)

 Montesquieu, igualmente como Platão e Aristóteles vão defender a idéia é de suma importância da educação para a formação dos seus cidadãos, e como esses são educados, vão ter maior zelo, ou não pela sua cidade, e na escolha de seus governantes.

O sociólogo francês Émile DURKHEIM (1978) vai apresentar um conceito diferente do que foi apresentado pelos teóricos filósofos anteriores, onde se baseia o conceito de educação na perfeição, pois para o sociólogo esse conceito vai mudando com o decorrer do tempo, por isso para ele a educação é um fato social.

“A educação é a ação exercida pelas gerações adultas, sobre as gerações que não se encontrem ainda preparada para a vida social; tem por objetivo suscitar e desenvolver, na criança, certo número de estados físicos intelectuais e morais, reclamados pela sociedade política, particularmente, se destine”. (DURKHEIM 1978 p. 41)

De acordo com o conceito defendido por DURKHEIM a educação consiste como um meio de socialização as novas gerações, por isso que para ele considera como um fato social, pois ela não é feita individualmente, como os filósofos imaginavam, mas é o coletivo faz essa formação para as novas gerações.

Segundo DEMO (1996) a educação não é somente uma ação de treinar o estudante, a exercer uma atividade, mas defende a idéia que o educando vai construindo a sua autonomia por meio da pesquisa

 “Educação não é só ensinar, instruir, treinar, domesticar, é, sobretudo formar a autonomia do sujeito histórico competente, uma vez que, o educando não é o objetivo de ensino, mas sim sujeito do processo, parceiro de trabalho, trabalho este entre individualidade e solidariedade”. (DEMO 1996 p 16)

             Outro educador FREIRE (1996) diz que educação não deve ser uma mera transmissão de conhecimento, mas criar uma possibilidade do educando construir o seu próprio conhecimento baseado com o conhecimento que ele trás de seu dia-a-dia familiar.

“As condições ou reflexões até agora feitas vêm sendo desdobramento de um primeiro saber inicialmente apontado como necessário a formação docente, numa perspectiva progressista. Saber ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua própria produção ou a sua construção”. (FREIRE 1996 p 47)

Após a discussão sobre a educação pode se perceber que os vários autores que trataram sobre esse conceito, como de suma importância para a transformação da realidade, e dependendo do ponto de vista, vai se trilhando um caminho para o aperfeiçoamento do ser humano, e como este pode conviver melhor com o outro.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

ARISTÓTELES. A Política. São Paulo, Martin Claret .2004.

DEMO, Pedro. Educar pela Pesquisa. Campinas/SP, Ed. Autores Associados, 1996.

DURKHEIM, Émilie. Educação e Sociologia. 1958-1917. São Paulo: Melhoramento [Rio de Janeiro] Fundação Nacional de Material Escolar, 1978.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 34°ed. São Paulo. Ed. Paz e Terra, 1996.

MONTESQUIEU. O Espírito das Leis. São Paulo Martin Claret, 2004.

SOARES, Antonio Jorge. Dialética, Educação e Política: Uma releitura de Platão. 2°ed. São Paulo Editora Cortez 2002. 

PLATÃO. A República. São Paulo Martin Claret 2003.

 

Avaliar artigo
5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 17 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/discussao-sobre-o-conceito-de-educacao-1076336.html

    Palavras-chave do artigo:

    educacao

    ,

    autonomia

    ,

    participacao politica

    Comentar sobre o artigo

    Ana Paula Pinto

    A análise da participação e dos direitos à juventude brasileira na atualidade se impõe como necessidade perante o grande contingente jovem e à situação de vulnerabilidade que se encontra grande parte desse contingente. Para enfrentar tal quadro os programas sociais dos governos, especificamente o Projovem no Brasil, tem sido uma das alternativas apontadas para estimular o protagonismo juvenil. sendo assim, procuramos apreender as perspecções política dos participantes do Projovem Adolescente.

    Por: Ana Paula Pintol Educaçãol 27/12/2010 lAcessos: 2,700 lComentário: 2
    marlucia pontes gomes de jesus

    Este artigo foi o artigo inaugural do blog Damarlu Educação (www.damarlueducar.blogspot.com) publicado no dia 6 de janeiro de 2010. Trata da importância dos conselhos municipais de educação, do seu funcionamento e de orientações para a sua implantação.

    Por: marlucia pontes gomes de jesusl Educaçãol 27/04/2011 lAcessos: 1,335
    Alexandre Penante

    AVANÇOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NO ESTADO DO PARÁ PELA SEDUC

    Por: Alexandre Penantel Educação> Ciêncial 17/01/2011 lAcessos: 1,162 lComentário: 1
    Antonio Carlos Machado

    Neste artigo discutiremos a presença das Tecnologias Educacionais de Informação e Comunicação para o eficaz processo de ensino-aprendizagem para a Educação de Jovens e Adultos (EJA) no caráter de inclusão digital, cujo objetivo investigar as ações desenvolvidas no cotidiano escolar, que visem à inserção dos alunos da EJA dentro desse novo contexto de mudanças sociais e do avanço da tecnologia, de forma a garanti-lo sua inclusão no mundo digital e no mercado de trabalho.

    Por: Antonio Carlos Machadol Educação> Educação Onlinel 03/12/2011 lAcessos: 1,084

    O presente trabalho tem como propósito apresentar um estudo através de uma análise bibliográfica sobre a incorporação das tecnologias da informação e da comunicação na educação básica. Apontando algumas reflexões e discussões acerca do uso das tecnologias no cotidiano e nas práticas pedagógicas dos professores de educação básica.

    Por: Patricia Coelhol Educação> Educação Onlinel 24/08/2010 lAcessos: 4,686 lComentário: 1
    Ana Paula Pinto

    pretende-se colocar em discussão a pauta sobre a política, o seu reflexo na juventude em seu processo de participação na sociedade. Buscamos problemizar numa perspectica teórica , a compreensão sobre o que de fato é a política, resgatando as categorias, como sociedade civil, Estado, democracia, políticas. Por fim, problematizaremos a importância da educação política da juventude, visto que a educação pode ser usada como instrumento que possibilita a construção de uma nova sociabilidade.

    Por: Ana Paula Pintol Educaçãol 03/01/2011 lAcessos: 1,703

    Este artigo tem como objetivo refletir sobre o conceito de políticas públicas, e questionar o conceito existe que somente o Estado pode elaborar políticas públicas, e não um grupo de cidadãos que sabe a necessidade de sua comunidade, mais do que o Estado instituição.

    Por: Vicente Vagner Cruzl Notícias & Sociedade> Polítical 04/02/2009 lAcessos: 122,395 lComentário: 15
    Valmôr Scott Junior

    As pessoas com necessidades especiais carecem de inclusão efetiva pela educação. Antes de se pensar em discutir a inclusão, é preciso entender seus pressupostos: direito à educação e cidadania. O presente trabalho possui como objetivos: (inter)relacionar direito à educação (legislação básica federal), cidadania e políticas educacionais de inclusão, sendo referência as pessoas com necessidades especiais e refletir sobre políticas educacionais destinadas para estes sujeitos.

    Por: Valmôr Scott Juniorl Educação> Ciêncial 19/07/2010 lAcessos: 1,535
    EDINALVA COSTA DE ANDRADE

    O Gestor na Educação Infantil, atualmente é visto sob um novo paradigma,baseado na visão global do conhecimento.Assim sob o novo perfil, não se preocupa somente com a parte burocrática do ensino, como em todo o contexto que se situa o ensino a a aprendizagem.Deve ser um mediador de um trabalho democrático.Como gestor na educação infantil,ser conhecedor das novas perspectivas da organização dos espaços pedagógicos desse nível de ensino. Conhecedor da criança na sua faixa etária, 0 a 6 anos.

    Por: EDINALVA COSTA DE ANDRADEl Educação> Educação Infantill 20/11/2014
    Victor Hugo Oliveira dos Anjos

    Como trabalho de conclusão do Técnico em Gestão de Políticas Públicas é pertinente estudar a mobilização da sociedade civil para reivindicação de seus direitos e participação na criação de políticas públicas por meio das associações de bairro, a fim de entender a contribuição popular neste processo. Assim, investigar o papel das associações de bairro como mediador entre a população e o Estado é relevante para a compreensão da democratização dos agentes públicos e da efetivação dos direitos.

    Por: Victor Hugo Oliveira dos Anjosl Negóciosl 13/10/2014 lAcessos: 31

    Com o advento da globalização, a educação é tida como o maior recurso de que se dispõe para enfrentar essa nova estruturação mundial. Objetiva-se evidenciar a importância dos alunos encontrarem na escola não só evidências de seu próprio mundo, mas também aparato capaz de os "cunharem" para uma participação social plena e não "fatiada", como sugere o estudo por disciplinas. Jovens e adultos, público cada vez mais informatizado, exige que as disciplinas deixem de ser apresentadas de forma isolada.

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    A expressão artística faz parte da história humana desde os tempos mais remotos. Sendo assim, a Arte é um dos modos de conhecimento ao qual os estudantes devem também ter acesso, assumindo-se como sujeitos capazes de apreciação estética e criação artística, articuladas aos processos e mediações da cultura contemporânea. Diante das mudanças pelas quais o ensino-aprendizagem de Arte passou, vê-se a necessidade de discorrer a respeito da presença desta disciplina no currículo escolar, revendo sua i

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    Sabe-se que a educação é responsável pela formação do aluno enquanto cidadão, de maneira a prepará-lo para a vida em sociedade, para que saiba atuar criticamente nesse meio. Assim, a escola inclusiva busca complementar a formação do aluno por meio das relações de convivência, uma vez que conviver com o diferente é parte desse processo de formação, até porque, como já mencionamos, é na escola que o aluno desenvolve seus aspectos cognitivos, motores e psicológicos.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    As revela à existência de ações políticas e sociais que possam concretizar e promover a efetividade da inclusão social da pessoa com necessidade educacional especial. Vejo que a sociedade deve compreender como se dá o processo de ensino-aprendizagem da criança com Síndrome de Down na Educação Básica, as dificuldades enfrentadas e as possibilidades e mecanismos de reconhecimento e aceitação dessas limitaçõ

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    No processo de inclusão a escola propõe a conviver com o "diferente", aceitá-lo, auxiliá-lo, e muitas vezes aprender algo com essas crianças. Entretanto para oferecer uma inclusão verdadeira é preciso entender as particularidades das crianças, mediar a socialização de forma que todos trabalham para o aprendizado de cada uma delas, em benefício de todos. Pretendo contribuir com as discussões éticas e educacionais que envolvem a formação da criança Down por meio da educação.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    A educação escolar é um dos contextos em que a criança aprende e desenvolve-se nos aspectos cognitivos, emocional e social. Por isso a necessidade de incluir a criança com necessidades especiais na escola, pois atender a todos é parte do processo educativo, por isso a diversidade cultural e outras questões sociais precisam ser vivenciadas também em sala de aula.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    Apresento algumas características que identificam a criança Down, o conceito de Educação Inclusiva e Educação básica, e da diversidade na educação. Relacionam-se aspectos positivos da inclusão da criança Down na Educação Básica e como deve acontecer essa inclusão, enumerando as dificuldades no processo de inclusão da criança Down na Educação Básica. Conceitua-se a Síndrome de Down e sua identificação, bem como o tratamento e a motivação para inserir a criança com deficiência na Educação Básica.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    O estudo realizado teve como foco principal compreender os avanços no processo de construção do conhecimento dos alunos de uma turma de 3º ano, através dos jogos matemáticos, priorizando, desse modo, a ludicidade no ensino. A pesquisa foi desenvolvida durante o estágio realizado pela acadêmica e pesquisadora junto a uma turma de 3º ano.

    Por: Luziane Da Silva Costal Educaçãol 15/12/2014 lAcessos: 11

    A presente resenha apresenta os principais pontos trabalhado por Montesquieu sobre o que ele entende sobre o Espírito das Leis.

    Por: Vicente Vagner Cruzl Notícias & Sociedade> Polítical 09/05/2011 lAcessos: 9,436

    O presente texto visa discutir a construção do método fenomenológico elaborado pelo filosofo alemão Edmund Husserl, e como esse método pode ser aplicado na parte metodológica do professor no momento em que elabora sua didática em sala de aula. Por isso a importância de conhecer esse método pelos professores de qualquer área do conhecimento como uma possibilidade da utilização esse método para melhor elaborar a sua didática e possibilitar a construção do conhecimento do discente.

    Por: Vicente Vagner Cruzl Educaçãol 07/09/2010 lAcessos: 1,371

    O sociólogo Carlos Benedito Martins apresenta o que é Sociologia, e mostra o seu conceito contraditório sobre essa ciência, que abre para a diversidade de interpretação.

    Por: Vicente Vagner Cruzl Notícias & Sociedade> Cotidianol 17/07/2010 lAcessos: 17,592

    A presente resenha mostra a visão do Antropologo Carlos Brandão sobre o que ele pensa sobre a educação.

    Por: Vicente Vagner Cruzl Educação> Ensino Superiorl 06/06/2010 lAcessos: 13,496 lComentário: 1

    O presente texto visa apresentar as idéias centrais debatida por ZUIN sobre o seu livro o trote na universidade em que por ocasião do ingresso de muitos jovens na universidade teve vários trotes em que levaram vários calouros à morte. O trote universitário que antes devia ser um rito de passagem para que os jovens calouros se tornem amigo dos veteranos em que conhecem uma nova forma de socialização com os outros (veteranos) se torna um rito de passagem marcado pela violência física e moral.

    Por: Vicente Vagner Cruzl Educação> Ensino Superiorl 01/04/2010 lAcessos: 956

    A presente resenha do livro faz uma reflexão sobre de como a didática do professor ajuda reproduzir a hostilidade entre professor e aluno. E isso mostra-se presente nas comunidades do orkut. A resenha contribui para a reflexão dos professores e que estes precisam revisar sua atitude diante de sala de aula.

    Por: Vicente Vagner Cruzl Educação> Ensino Superiorl 31/03/2010 lAcessos: 1,387

    A presente resenha apresenta um texto que é pouco conhecido dos leitores brasileiros sobre o tratado sobre a Educação, que não afasta muito da sua tese do imperativo categorico, em que mostra como os pais devem educar os seus filhos. Uma leitura essencial para todos aqueles que fazem licenciatura.

    Por: Vicente Vagner Cruzl Educaçãol 11/01/2010 lAcessos: 1,435

    O presente texto visa apresentar a resenha de um livro escrito por Fernando Henrique Cardoso falando sobre sua experiencia política, e diz o que é necessário que o jovem faça para se transforma um bom político.

    Por: Vicente Vagner Cruzl Notícias & Sociedade> Polítical 30/12/2009 lAcessos: 2,001 lComentário: 1

    Comments on this article

    1
    Regilene Cardoso 29/05/2011
    A educação é o que move o mundo...... Nossos intelectuais, seja na área da educação, da saúde ou de de qualquer outro espaço profissional, foram e são formados por meio do ensino, profissionalmento no âmbito escolar e seu cáracter na escola da vida, seu convívio com o outro é a essencia de uma boa vivência.
    1
    josé costa 19/02/2011
    PARA QUE POSSAMOS TER UM ENSINO D GUALIDADE AS ALTORIDADES RESPONSÁVEIS PRECISAM INVESTI BASTANTE NA QUESTÃO DO PIB NA EDUCAÇÃO ( PNAE buscar mais investimentos)MELHORAR A REENUMERAÇÃO DO EDUCADOR!
    0
    sh 06/10/2010
    existem autores citados no texto que nao estao presentes nas referencias bibliograficas!! isso é importante
    1
    nadyhendson 20/08/2010
    É bem interessante essas discursão sobre educação, só felto falar sobre outros autores como Severino, Marilena, Magda.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast