Educação De Jovens E Adultos (Eja) No Brasil

Publicado em: 17/07/2009 |Comentário: 11 | Acessos: 115,397 |

1.      INTRODUÇÃO

 A educação possibilita ao individuo jovem e adulto retomar seu potencial, desenvolver suas habilidades, confirmar competências adquiridas na educação extra-escolar e na própria vida, com vistas a um nível técnico e profissional mais qualificado. Também é oferecido pelos sistemas de ensino cursos e exames supletivos, que compreenderão a base nacional comum do currículo, habilitando assim progressivamente os estudos em caráter regular.

A educação de Jovens e Adultos representa uma possibilidade que pode contribuir para efetivar um caminho e desenvolvimento de todas as pessoas, de todas as idades. Planejar esse processo é uma grande responsabilidade social e educacional, cabendo ao professor no seu papel de mediar o conhecimento, ter uma base sólida de formação.

A educação de adultos torna-se mais que um direito: é a chave para o século XXI; é tanto conseqüência do exercício da cidadania como condição para uma plena participação na sociedade. Além do mais, é um poderoso argumento em favor do desenvolvimento ecológico sustentável, da democracia, da justiça, da igualdade entre os sexos, do desenvolvimento socioeconômico e científico, além de um requisito fundamental para a construção de um mundo onde a violência cede lugar ao diálogo e à cultura de paz baseada na justiça. (Declaração de Hamburgo sobre a EJA).

O principal objetivo da Educação de Jovens e Adultos é: de auxiliar cada individuo a tornar-se tudo aquilo que ele tem capacidade para ser. Durante vários anos foram desenvolvidos projetos para a alfabetização de Jovens e adultos, destaca-se, portanto, alguns deles: O Mobral – Movimento Brasileiro de Alfabetização, de 1967-1985; fundação Educar, de 1986-1990 e o Programa Brasil Alfabetizado, de 2003 até o momento atual.

Na Constituição Federal de 1988 e a LDB, confere aos municípios a responsabilidade do Ensino Fundamental, e estabelece que aos sistemas de ensino cabe assegurar gratuitamente aos jovens e adultos, que não puderam efetuar os estudos na idade regular, oportunidades educacionais apropriadas, considerando as características do aluno, seus interesses, condições de vida e de trabalho. Também cabe a esses sistemas de ensino, viabilizar e estimular o acesso e a permanência do trabalhador na escola, mediante ações integradas e complementares entre os diversos setores das esferas públicas.

 

  1. EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

  

A educação de jovens e adultos (EJA) é vista como uma forma de alfabetizar quem não teve oportunidade de estudar na infância ou aqueles que por algum motivo tiveram de abandonar a escola.

Por conseguinte, se faz necessário hoje a capacitação continuada em todas as fases da vida, e não somente durante a infância e a juventude.

O processo de educação no indivíduo tem três dimensões sendo estes: a individual, a profissional e a social. A primeira considera a pessoa como um ser incompleto, que tem a capacidade de buscar seu potencial pleno e se desenvolver, aprendendo sobre si mesmo e sobre o mundo. Na profissional, está incluída a necessidade de todas as pessoas se atualizarem em sua profissão, todos precisam se atualizar. No social (sendo este, a capacidade de viver em grupo), um cidadão, para ser ativo e participativo, necessita ter acesso a informações e saber avaliar criticamente o que acontece. (IRELAND, 2009, p. 36).

Desta forma, não basta somente capacitação dos alunos para futuras habilitações nas especializações tradicionais. Trata-se de ter em vista a formação destes para o desenvolvimento amplo do ser humano, tanto para o mercado de trabalho, mas também para o viver em sociedade.

                                                  

2.1 A história da Educação de Jovens e adultos no Brasil

 

 Para se ter alguma noção de como a Educação de Jovens e adultos aconteceu no Brasil, se faz necessário um retrospecto da história das últimas quatro décadas da ação do Estado no campo da EJA. Sendo estes: “Fundação Mobral (1967 – 1985), da Fundação Nacional para Educação de Jovens e Adultos – Fundação Educar (1986 – 1990) e do Programa Brasil Alfabetizado (2003 – atual)” (SUZUKI, 2009, p. 16).

Como ponto de partida é o Movimento Brasileiro de Alfabetização – Fundação Mobral foi criado no período da ditadura militar para responder às necessidades do Estado autoritário.

O Mobral – Movimento Brasileiro de Alfabetização, criado em 1967  (embora só inicie suas atividades em 1969) e funcionando com uma estrutura paralela e autônoma em relação ao Ministério da Educação, reedita uma campanha em âmbito nacional conclamando a população a fazer a sua parte: “você também é responsável, então me ensine a escrever, eu tenho a minha mão domável, eu sinto a sede do saber”. O Mobral surge com força e muitos recursos. Recruta alfabetizadores sem muitas exigências: repete-se, assim, a despreocupação com o fazer e o saber docentes – qualquer um que saiba ler e escrever pode também ensinar. Qualquer um, de qualquer forma e ganhando qualquer coisa (GALVAO; SOARES, 2004, p. 45-46).

 Desta maneira, foram recrutados pessoas que sabiam ler e escrever para ensinar quem não sabia ler ou escrever. Essas pessoas muitas vezes só tinham este conhecimento, na maioria das vezes não tinha nenhum grau de escolaridade.

O Mobral foi extinto em 1985, surgindo desta forma a Fundação Educar, que desempenhou um papel relevante na atuação do Ministério da Educação junto a Prefeituras municipais e organizacionais da sociedade civil, com destaque nos movimentos sociais e populares.

Mudanças significativas foram perceptíveis na condução da formação do educador e na concepção político-pedagógico do processo de ensino-aprendizagem. O período foi marcado pelos conflitos entre Estado e Movimentos Sociais originários pelo atraso no repasse dos recursos e na defesa da autonomia dos movimentos na condução dos processos pedagógicos. (FARIAS, 2006, p. 16).

 No ano de 1990, sendo este ano Internacional da Alfabetização   aconteceu o contrário, ao invés do Governo de Fernando Collor de Mello dar prioridade a Educação simplesmente aboliu a Fundação Educar, sendo que não criou nenhuma outra instância que assumisse suas funções. Desta forma, a partir deste ano o Governo ausenta-se como articulador e indutor de uma política de alfabetização de jovens e adultos no Brasil. Em 2002, na gestão do governo de Luís Inácio Lula da Silva, foi criado o Programa Brasil Alfabetizado e das Ações de continuidade da EJA.

Conclusão

Considerando a trajetória da EJA no Brasil, este tem sido pautado por campanhas ou movimentos desenvolvidos, a partir da administração federal, com envolvimento de organizações da sociedade civil, visando à realização de propostas ambiciosas de eliminação do analfabetismo e formação de mão-de-obra, em curtos espaços de tempo.

Nos dias de hoje a alfabetização não visa somente à capacitação do aluno para o mercado de trabalho é também necessário que a escola desenvolva no aluno suas capacidades, em função de novos saberes que se produzem e que demande um novo tipo de profissional, que o educando obtenha uma formação indispensável para o exercício da cidadania.

 

REFERÊNCIAS

 

FARIAS, Adriana Medeiros. Alfabetização e educação popular no contexto das politicas públicas. In: Simpósio Estadual de Alfabetização de Jovens, Adultos e Idosos, 1., 2006, Pinhão. Anais... Curitiba: SEED/PR, 2006. p. 14-21.

GALVÃO, Ana Maria de Oliveira; SOARES, Leôncio José Gomes. História da alfabetização de adultos no Brasil. In: ALBUQUERQUE, Eliane Borges Correia de; LEAL, Telma Ferraz. Alfabetização de jovens e adultos: em uma perspectiva de letramento. Belo Horizonte: Autêntica, 2004, p. 27-58.

IRELAND, Timothy. A EJA tem agora objetivos maiores que a alfabetização. Nova escola. São Paulo. N. 223, p. 36 – 40, 2009.

SUZUKI, Juliana Telles Faria. Tecnologias em educação: pedagogia/ Juliana Telles Faria Suzuki, Sandra Reis Rampazo. São Paulo. Pearson Education do Brasil, 2009.

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 46 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/educacao-de-jovens-e-adultos-eja-no-brasil-1046328.html

    Palavras-chave do artigo:

    educacao historia e aprendizagem

    Comentar sobre o artigo

    Hilton Andrade dos Santos

    A presente obra é uma síntese de tudo que foi aprendido em sala de aula, na disciplina Família e Aprendizagem, onde o trabalho acadêmico foi apenas um meio de desenvolver e aplicar tudo o que foi ensinado pela professora Michele Pereira, UNIABEU, que serviu de mediadora no processo ensino e aluno, por conseguinte ressonou em conceitos imprescindíveis na formação destes discentes em formação técnico e profissional, na área de psicopedagogia. O caso apresentado é real e os nomes foram alterados.

    Por: Hilton Andrade dos Santosl Educação> Ensino Superiorl 02/04/2011 lAcessos: 5,881
    Alessandro Neves de Araujo

    O programa visa a um grau adicional, pois levanta a questão da relação entre a história e a história da criação da própria história. Isto é, levantar questões do tipo encontrado na sociologia da literatura com arte e história. Ao mesmo tempo, pela introdução da noção de versões e interpretações, os alunos começam a descobrir como as tradições culturais são formadas e como os trabalhos de arte são transmitidos de geração em geração. Finalmente, deixando de contar, formular a história.

    Por: Alessandro Neves de Araujol Educação> Educação Infantill 09/02/2013 lAcessos: 55
    Alan Nilson paim de oliveira

    Este artigo leva em consideração o desenvolvimentoal da Educação Física e o perfil do profissional.

    Por: Alan Nilson paim de oliveiral Educação> Ensino Superiorl 12/09/2011 lAcessos: 191
    Gilson Silva de Lima

    Este artigo de opinião apresenta um breve comentário em relação aos jogos e as novas técnicas de ensino e aprendizagem em Educação Matemática.

    Por: Gilson Silva de Limal Educação> Ciêncial 15/05/2014 lAcessos: 73
    Elizabete Rosa

    Este artigo apresenta um estudo sobre as Tecnologias da Informação no Ensino de História e Geografia. A sociedade do século XIX está inserida num contexto em que as novas tecnologias da informação se fazem presentes no cotidiano das pessoas. Entender que a preparação do aluno para exercer direitos e cumprir deveres nesse contexto, implica na formação adequada desse indivíduo, fazendo uso do que lhe seja disponível em termos de tecnologias.

    Por: Elizabete Rosal Educação> Ensino Superiorl 29/12/2011 lAcessos: 602
    Alex-Sandro Pinheiro Cardoso

    O presente artigo refere-se a importância do ensino de História e Geografia nas escolas, pois as disciplinas tendem a proporcionar reflexões e criar criticidade no pensamento do aluno. A história e geografia são correlatas e influenciáveis uma pela outra. A abordagem bibliográfica, pretende-se enfocar as transformações da sociedade educacional e os reflexos no cotidiano entre educando e educador. Criando um paralelo entre o que se pede e o que se faz no processo da gestão no dia a dia escolar.

    Por: Alex-Sandro Pinheiro Cardosol Educaçãol 03/07/2009 lAcessos: 5,610 lComentário: 1
    Carla Cardoso Gomes

    O presente artigo é resultado de uma pesquisa para a obtenção do título de graduada do curso de Pedagogia pela Faculdade Evangélica Cristo Rei – FECR, realizada com alunos do Ensino Fundamental I, da Escola Municipal de Ensino Fundamental Monsenhor José Borges. O objetivo dessa pesquisa é explicitar a concepção de leitura realizada por alunos do 4º Ano do Ensino Fundamenta I e também do professor.

    Por: Carla Cardoso Gomesl Educação> Educação Infantill 05/08/2014 lAcessos: 119
    Clecia Pacheco

    O presente trabalho busca fazer uma demonstração dos aspectos teóricos da avaliação no processo de ensino e aprendizagem, destacando sua evolução ao longo dos tempos, o fator nota na avaliação, os princípios básicos e finalidades da avaliação, bem como as suas funções no processo de ensino e aprendizagem.

    Por: Clecia Pachecol Educação> Ensino Superiorl 12/10/2010 lAcessos: 6,647
    Wilian Junior

    O presente texto que insere-se no campo da reflexão sobre o ensino de História na Educação de Jovens e Adultos (EJA), tem por finalidade analisar e discutir quatro aspectos básicos para a compreensão da disciplina na EJA: a)- Ensino de História como objeto de pesquisa; b) - Aspectos históricos da EJA; c) - O papel do professor; d) - O ensino de História na EJA.

    Por: Wilian Juniorl Educação> Ensino Superiorl 21/01/2011 lAcessos: 1,914

    As constantes transformações nas áreas econômicas, política, social, tecnológicas e culturais da sociedade atual têm forçado a escola a modificar seus objetivos, adequando-os ás exigências do mercado de trabalho e do trabalhador. O homem solicitado pela sociedade informatizada precisa ser mais flexível, deve possuir educação geral, com novas habilidades cognitivas, capacidade de dominar a tecnologia e de aprender. E a escolarização tem sido um requisito de inclusão nessa sociedade.

    Por: Darci Martinsl Educação> Educação Infantill 22/10/2012 lAcessos: 253
    Didasko Centro Educacional

    Sempre vemos muita gente com muitas dúvidas sobre a funcionalidade do ENEM,segue explicativo.

    Por: Didasko Centro Educacionall Educaçãol 26/02/2015
    Genilda Vieira Rodrigues

    Este artigo tem por objetivo apresentar estudos aprofundados sobre a educação inclusiva dando ênfase à questão envolvida no que se refere ao trabalho do professor com alunos portadores de deficiência. No decorrer da produção serão expostos conceitos de Educação Especial e Educação Inclusiva pontuando o saber fazer e o aprender diante das dificuldades encontradas em trabalhar com alunos portadores de necessidades especiais, ressaltando ainda mostrar alguns dos recursos e as estratégias utilizados

    Por: Genilda Vieira Rodriguesl Educaçãol 21/02/2015

    Propriedade vocabular é muito importante na hora de redigir o texto, uma vez que saber empregar as palavras mais adequadas no momento enriquece muito o conteúdo do texto e, além disso, torno-o mais clara e objetivo. Mesmo que o texto seja um mero exercício escolar, antes de construí-lo, pergunte-se: para quem escrevo? O tipo de receptor determina a forma de sua mensagem. Um panfleto dirigido a crianças precisa ter uma linguagem fácil, direta, sem rebuscamento.

    Por: Professor Leol Educaçãol 19/02/2015

    Quando se ouve falar em educação, pensamos em escola, em educação formal. E quando o assunto é família temos vários pensamentos. Educação e Família são dois temas bastante complexos, porque educação é muito mais que escolarização, letramento e formação, sendo que família é a instituição mais antiga da sociedade e sofre constantes transformações. Ambas tem a função de socializar e transformar o homem biológico em um ser social.

    Por: Alexandrina M. P. de Fariasl Educaçãol 16/02/2015

    Propostas Pedagógica e a Participação da Família no Resultado. A progressão escola é um instrumento que pode mudar a realidade desses estudantes que estão fora da faixa etária escolar. Determinadas escolas contemplam dentro do seu projeto político pedagógico, o sistema de progressão. Para que funcione a progressão em uma escola é necessário que haja engajamento por parte dos docentes, dos estudantes e da família. É importante ressaltar, que a família também tem um papel fundamental...

    Por: Elonir dutra terral Educaçãol 13/02/2015

    Diante dos agravos causados pela violência doméstica, tais entraves se estendem também ao processo educacional da criança e adolescente. Por outro lado, esta situação nem sempre é conhecida pelos seus educadores no campo acadêmico, causando assim uma lacuna no campo da avaliação pedagógica que, muitas vezes, abrangem somente o campo intelectual. Este trabalho tem por objetivo fazer uma análise sobre os impactos da violência doméstica no processo ensino-aprendizagem.

    Por: Jiane Martins Soaresl Educaçãol 12/02/2015
    ÁUREA MARIA SOARES LIMA

    A educação é um direito humano substancial, e como tal, precisa ser garantido universalmente. As conquistas das mulheres brasileiras em relação á educação, vêm crescendo consideravelmente e com isso, reduzindo significativamente o analfabetismo. O número de mulheres no mercado de trabalho cresceu gradativamente e isso ocorreu devido à determinação para conquistar seu espaço, milímetro a milímetro, dentro e fora de casa, e especialmente do empenho em subir novos degraus de instrução.

    Por: ÁUREA MARIA SOARES LIMAl Educaçãol 10/02/2015 lAcessos: 11
    ÁUREA MARIA SOARES LIMA

    O direito de trabalhar, obter formação intelectual e de atuar no cenário político do País, nem sempre foi concedido às mulheres. As mulheres que queriam reverter esta situação, buscando conquistar funções que tradicionalmente não lhes cabiam, devido à sociedade patriarcal, eram ridicularizadas e até difamada. A luta das mulheres brasileiras pelo reconhecimento de seus direitos políticos e civis é secular; a emancipação feminina nas ultimas décadas do séc. XIX era vista pelos mais diversos setore

    Por: ÁUREA MARIA SOARES LIMAl Educaçãol 10/02/2015 lAcessos: 16
    Andréia Maciel da Silva

    Estamos vivendo em uma sociedade em que o ensino da saúde tem sido um desafio para a educação no que se refere à possibilidade de garantir uma aprendizagem efetiva e transformadora de atitudes e hábitos de vida, pois, a escola tem em mão formar cidadãos preocupados com as degradações ambientais, que procure valorizar cada ser humano, sendo, deste modo, que a escola é a principal formadora de pessoas para uma vida saudável.

    Por: Andréia Maciel da Silval Educaçãol 20/07/2009 lAcessos: 4,429
    Andréia Maciel da Silva

    A sociedade atual está diante de uma era tecnológica, onde o profissional da educação deve a cada dia se atualizar mais e mais, quebrar aquele velho paradigma que traz consigo durante anos, procurando rever seus conceitos e se capacitar para a aquisição de conhecimento necessário para essa nova sociedade que já está em campo há alguns anos. Sendo que o professor nessa sociedade deve ser capaz de desenvolver bem os seus conteúdos e também manusear bem as ferramentas tecnológicas.

    Por: Andréia Maciel da Silval Educaçãol 20/07/2009 lAcessos: 4,436 lComentário: 1

    Comments on this article

    4
    Crystielly 14/10/2011
    Eu conhecia pouca sobre o Eja. Mais agora com trabalhos de Faculdade estou me enteressando cada vez mais, e prentendo em breve fazer parte do grupo de pessoas que trabalham a favor desse novo modo ensino.
    6
    Euzeni Carvalho 18/09/2011
    Oi, faço curso Pedagogia e estou fazendo trabalho ( resenha ) sobre o EJA , pois só descobri o que era o EJA depois que entrei na Faculdade, não tinha conhecimento. Agora tenho um pouco de dificuldade em fazer trabalho. Mas está sendo interessante .
    4
    jailda 23/07/2011
    gosto de trabalhar com esse púlblico
    pois ñ só ensino, más também ganho esperiencia, trabalhando com a realidade do educando. Assim posso enrriquecer meu aprendizado, conhecendo a realidade de cda um.
    3
    marilene fernandes 14/12/2010
    quero saber um local para eu me madricular, no centro de curituba, ou no bairro novo mundo. obriga bjios
    2
    mary 11/09/2010
    A educação de jovens e adultos é um privilégio para as pessoas que de uma forma ou de outra não puderam terminar seus estudos.
    Parei de estudar no final do ano 2007 e fiquei 6 meses sem ir a escola. No meio do ano me matriculei e fui fazer o EJA. Que hoje graças à Deus estou na faculdade e sou muito grata por ter estudade desta forma pois aprendi a valorizar os estudos com muito mais valor e é por isso que devemos contribuir para uma educação voltada para a realidade do meiko em que se vive.
    1
    Marcone Chagas da Silva 01/09/2010
    Estamos na era da informatização digitalizada da tecnologia, isto ajudará a romper as difilcudades que bloqueava as células do conhecimento.
    2
    THALES 25/06/2010
    EU GOS TO DESSE TIPO DE APRENDER
    2
    FRAN 22/06/2010
    Boa dia!! Sou estudante do EJA estou cursando o ensino médio. Tenho 32 anos parei de estudar com 15 anos, fiquei grávida. Bom hoje tenho minha vida estabilizada e quis voltar a estudar. Estou horrorizada com o ensino. Quero muito entrar pra uma faculdade, mas com o ensino do EJA vai ser impossível. Fico muito triste por isso, sei que quando terminar o EJA terei que pagar um cursinho particular. Nosso ensino deixa muito a desejar.
    5
    flavia da silva azevedo 02/05/2010
    faço faculdade de pedagogia, tenho um projeto de Eja onde estamos fazendo um estudo dirigido sobre Andragogia
    8
    adriana beatriz severo 16/03/2010
    estou voltando a estudar meu marido tambem gostaria de terminar o ensino fundamental quando vai ter provas da sec 2010
    5639
    4
    ediberto chagas da silva 12/12/2009
    eu estudei ate a segunda serie primaria eramos em 6 irmâos fomos por muito tempo misseravel de passar fome tudo que a gente tinha era ganhado se tinha comida alguem deu se tinha roupas foi alguem que deu como a gente passa muita fome eu nâo conseguia acompanhar os outros alunos sempre com dor de cabeça estomago ruim tontura porque muitas das vezes nâo jantava porque nâo tinha comida ai eu nâo quis mais ir a escola a minha reluto muito comigo mas ao mesmo tempo ela sabia que saco vazio nâo para em pè aos 12 anos de idade arrumei um trabalho e foi ai que começou a nesecidade de estudar sofri um pouco mas perto do eu ja avia passado era facil terminei meus estudo pena que a minha mamâe nâo e mais viva pra ela ver que o antigo mobral salvo a minha vida e vez de mim um homem formado muito obriga a instituiçâo fumec campinas
    6
    Raimunda 21/09/2009
    Boa noite!trabalhei no projeto minerva,mobral era um sistema diferente de hoje,eu fazia um trabalho tão edificante,os alunos não faltavam as aulas mesmo cansados do trabalho,na epoca estava gravida mas não faltava , quando terminaram os cursos ficamos com saudade e senti muita falta dos alunos,fiquei feliz porque contribuir para a transformação de um ser melhor.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast