Educação E Inclusão: Escola Aberta Para Todos

13/10/2009 • Por • 4,603 Acessos

Educação e Inclusão: Escola Aberta para Todos 


Educação, Inclusão, Desenvolvimento,  Comunidade Extra Escolar


Este artigo tem como finalidade analisar as situações que envolvem aprendizagem, diversidade, inclusão, e o significado do  programa Escola da Família, desenvolvido aos finais de semana em escolas estaduais no estado de São Paulo que se localizam em areas de altas taxas de criminalidade e desigualdade socio-economica. A proposta é direcionada também a compreender a importância deste projeto para crianças, adolescente e a comunidade envolvida.

O artigo visa observar o cotidiano dessas pessoas, o perfil dessa comunidade que aqui vamos denominar comunidade extra escolar, e suas ligações para com o programa. Veremos que o programa em si é importante para a comunidade escolar formal, alunos professores e funcionarios geráis da institução de ensino, mas também é vital no sentido de gerar inclusão social e educacional inserindo a família neste cotidiano escolar, possibilitando um maior acompanhamento interno e extra-escolar na vida de seus filhos. Veremos que a aplicação do programa Escola da Família na instituição formal de ensino, ao desenvolver suas atividades apresenta alguns instrumentos que faz com que a comunidade escolar e\extra escolar em seu todo, seja inserida de maneira que, sua participação seja benéfica para ambas as partes.

Alguns destes dispositivos são as oficinas, desenvolvidas, que funcionam com o intuito levar inclusão para crianças e jovens, que não teriam acesso a estes projetos, com caráter pedagógico, sempre estimulando e desenvolvendo o raciocínio e a autonomia daqueles que participam.

Foi realizado um estudo com participantes do projeto Escola da Família, desenvolvido especificamente em escolas da cidade de Campinas. No decorrer da pesquisa foram acompanhados quatro projetos, a oficina de Jogos, oficina de desenho e pintura, oficina de esportes, e o projeto espanhol na escola, essas oficinas acontecem todos os sábados e domingos e são divididas por horários, sua finalidade é levar inclusão e desenvolvimento e lazer, neste contexto trazem a comunidade extra escolar para dentro da escola, sendo assim moradores e pais que antes eram ausentes passam aconhecer melhor a escola, entendendo seu funcionamento. A análise contou com o estudo das teorias acadêmicas que estão presente na refrencia bibliografica deste artigo, entrevistas realizadas com aqueles de desenvolvem e monitoram os projetos, e observações feitas nas oficinas em funcionamento, e a opnião daqueles que participam e se benefifiam do projeto.

Foi observada a realização de desenho e pinturas de temas livres e variados, respeitanto a autonomia e criatividade do participante, a realização de jogos matemáticos e de raciocínio como xadrez, dama entre outros, o desenvolvimento esportivo trabalhando o respeito para com seu companheiro e o estimulo à coletividade levando em conta todas as diferênças , e por fim as aulas de espanhol que são realizadas para a toda a comunidade extra escolar.

Participam das oficinas aproximadamente 160 pessoas por final de semana, que dentro do projeto estão definidas em alunos da escola, alunos que já deixaram essa escola, e a população do bairro seja ela pais ou outros frequentadores, os trabalhos começam as 09h00h e terminam as 17:00h, neste período existe um intercâmbio para que todos possam participar de todas as oficinas aqueles que estavam inicialmente nos jogos, ao findarem as as atividades vão para a oficina de desenho e pintura, e posteriormente vão para oficina de esportes, das 15:00 as 16:30, é realizado o projeto espanhol na escola atendendo adolescentes que já estão no ensino médio e moradores do bairro que buscam um segundo idioma.

As oficinas começam com a apresentação das atividades pelo monitor em seqüencia são separados os grupos e assim se dão inicio as atividades, o que facilmente pode-se notar é a naturalidade do decorrer das atividades, a adesão de cada participante nas oficinas, existem participantes fiéis que todos os sábados e domingos estão na escola para participar das atividades e se engajam nos projetos, com extrema dedicação, os relatos dos monitores e dos paricipantes mostram que o programa tem uma grande influência na vida dos particionares, as oficinas na sua maioria são realizadas de forma lúdicas, porem, acresentam, conceitos de cidadania, organização respeito ao próximo e suas diferenças respeito à escola como instituição formal e também lugar de lazer e integração com a comunidade.

Com base nas teorias acadêmicas, que pautaram o trabalho de campo e a constituição deste artigo, fica evidente o emprego direto e indireto, de teorias, Piagetianas, de Vygotsky e Wallon, na metodologia de trabalho realizada nas atividades que presenciei nas oficinas. 

Os resultados obtidos na pesquisa de campo, refletem o desenvolvimento dos participantes dos projetos, fica nítido, que a interação dos alunos nas oficinas são fundamentais para o êxito do projeto, fundamentado pela teoria piagetiana, pode-se colocar que existiu de fato uma relação entre organismo e meio, ou seja, as relações de troca, adaptações ao meio e ao mesmo tempo assimilação, sendo aplicada nestas atividades noções de quantidade, número, tempo, espaço, velocidade, movimento, mensuração, lógica,e probabilidade, ligando na pratica o conhecer, a organizar, estruturar, explicando a realidade a partir daquilo que se vivencia nas experiências com os objetos do conhecimento.

Os participantes destes projetos em sua maioria são oriundos de familias humildes, e colo foi relatado anteriormente, eles residem em bairros dados pelas estatísticas como, de classe econômica inferior e com altos níveis de violência, entre alguns adolescentes, e até crianças é normal e convivem em seu cotidiano com o tráfico de drogas entre outros, delitos e contravenções, e a principio a chegada destes alunos no projeto era vista com desconfiança por parte da escola e também até mesmo por parte deles mesmo para com a escola, entretanto com o decorrer do projeto e das oficinas os participantes vão se adaptando ao meio assim como os monitores, segundo Vygotsky, isso é típico ao homem, pois desde seu nascimento a criança tem uma interação com um mundo humano e as gerações que a precederam, essa constante interação com os adultos, passam para as crianças seu modo de viver, de dizer e fazer as coisas e de pensar, porem, o que se pode constatar é que essa convivência com outros estímulos, que obtém no projeto, podem também influenciar suas vidas, e influenciar de maneira positiva, levando conhecimentos diferentes, de diferentes meios que talvez esses participantes não teriam a oportunidade de conhecer, ou aprender, nota-se também uma maneira de expressar seu dia-dia e sua vida nas oficinas de desenho e pintura, através dos signos.

Ao final da pesquisa de campo, pude constatar, que os projetos e oficinas analisados, direta ou indiretamente, usam praticas pedagógicas em suas realizações e que a metodologia trabalhada em sala de aula, é de fato em algumas ocasiões aplicada na pratica, e assim possibilitam para aqueles que estão ligados ao programa e suas atividades nas oficinas o conhecimento, desenvolvimento, e contribuem para uma significativa melhora nas matérias curriculares na escola em período formal, possibilitando também a inclusão destas crianças e jovens a um conhecimento novo,ou simplesmente diferente do conhecimento que tem em seu circulo social e educacional, e ressalto que muitos não teriam a oportunidade de ter acesso a outras leituras e perspectivas de vida e de organização social.

O projeto Escola da Família, em sua amplitude hoje é fundamental para os bairros onde existem escola no programa pois muitas vezes consegue trazer para a escola uma participação, que a escola em horário letivo e como instituição formal não consegue. Essa participação e engajamento de crianças, adolescentes, jovens e comunidade extra escolar, se reflete em escolas mais cuidadas sem pixações e depredações, pois os jovens que pixam e praticam atos de vandalismo também freqüentam a escola durante o projeto, e não fazem mal a um lugar que é destinado a eles como lazer, e entreterimento, o projeto, colocando os pais e a comunidade dentro da escola desperta o interesse de acompanhamento do filho na escola em período formal e não formal, gerando assim um interesse maior pela educação.

Sob essa perspectiva pode-se concluir então que com o projeto Escola da Família, a comunidade desperta realmente para participar e cuidar de um bem que é publico, e se conscientiza que o investimento seja ele de qualquer maneira a esse bem irá lhes trazer grandes benefícios, por isso podemos colocar a comunidade extra escolar como grande gerador do incentivo a educação em que se tem uma participação e interação entre educador e educando, afastando cada vez mais o fantasma da educação bancaria e o educador como centro único e indescritível do saber, e podemos colocar a escola representada pelo programa escola da família realmente como um agente de transformação educacional e social, cumprindo sua parcela para no presente construirmos com responsábilidade um futuro melhor, porem ainda temos uma parcela importante a se cumprir, o estado pode e deve investir mais nestes programas construindo nestas areas centros educacionais e esportivos que possam agregar ainda mais pessoas, afastando de vez o assédio do crime, que é muito presente entre os adolescentes, tão presente e real que ao fim desta pesquisa, pude acompanhar dois jovens que antes frequentaram este programa  se entregarem ao crime, ao tráfico de drogas.     

Referências Bibliográficas:

VYGOTSKY, Lev. A formação social da mente, São Paulo Livraria Martins Fontes Editora, 1991

WALLON Hanri. Psicologia e Educação Infantil. Lisboa

http://www.webartigos.com/articles/16115/1/educacao-e-inclusao-escola-aberta-para-todos/pagina1.html

http://resumosdehistoria.spaceblog.com.br/

Perfil do Autor

Andre Benitez

Acadêmico de História Pontifícia Universsidade Católica de Campinas PUCCAMP.