Estimulando a comunicação: a importância e aquisição da comunicação para crianças portadoras de Múltipla Deficiência (I)

Publicado em: 22/09/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 823 |

Deficiência múltipla é o termo usado para classificar a condição do individuo que é portador de mais de uma deficiência associadas. Segundo a Política Nacional de Educação Especial do Ministério da Educação (1994), múltipla deficiência é "a associação, no mesmo individuo de duas ou mais deficiências primárias... com comprometimentos que acarretam atrasos no desenvolvimento global e capacidade adaptativa." (p.15).

A múltipla deficiência pode se manifestar por combinações entre deficiências física, intelectual e sensorial. Essas associações trazem prejuízos sociais e educativos, já que muitas vezes, o indivíduo será privado de uma percepção integral do mundo que o rodeia e com isso terá poucas possibilidades de interagir com seu meio social.

O indivíduo portador de múltipla deficiência terá seu comprometimento agravado, ou não, dependendo do grau de cada deficiência e da forma de suas associações. Portanto o individuo que tiver em associação a deficiência sensorial, pode estar mais alienado de seu meio físico e social que outro, cuja associação envolve deficiência física e intelectual. Segundo Nunes (2001), os sentidos da visão e audição, são os principais canais para se receber e interpretar informações externas, sendo assim, quando há uma deficiência sensorial associada, o indivíduo possui menos capacidade de interagir com o ambiente do qual participa.

O contato humano é essencial para toda criança, estar com pessoas diferentes, crianças de mesma idade, menores ou maiores, estimula o conhecimento social e auxilia na formação da identidade infantil.  Para Vygotsky, a criança precisa do "outro", seja ele adulto ou criança, para se perceber como individuo e se desenvolver social e intelectualmente. Imitar, observar, interagir e se divertir com outros, são elementos que conduzem naturalmente a criança a uma formação de pertencimento a seu grupo social.

Considerando-se o desenvolvimento de um bebê sem deficiência, percebe-se que, por volta de dois anos este já é capaz de interagir plenamente com seu meio social, utilizando sua capacidade sensorial e suas habilidades motoras e de locomoção. O bebê com múltipla deficiência não possui as mesmas capacidades ou habilidades, porém, por meio da estimulação sensorial e precoce, podem-se obter bons resultados, no sentido de minimizar as limitações e ampliar a autonomia.

Além de habilidades motoras e sensoriais, para que haja interação social, é necessário que o bebê aprenda uma forma de comunicação entendível à maioria, o que geralmente corresponde a língua falada em seu grupo social. A comunicação, segundo Blaha (2001), possui funções, ou seja, razões para acontecer, entre elas estão a necessidade de dar e receber informações, aceitar algo oferecido, ou não e compartilhar descobertas, experiências. Desde cedo a comunicação se estabelece, pois o bebê é capaz de perceber que suas reações podem ser comunicativas para seus pais e pessoas mais próximas. Expressões faciais, que reconhece nos adultos, o choro, balbucios, gritos e sorrisos, tudo o que faz é interpretado pelos adultos mais próximos, e assim lhe trazem alívio e aconchego. Através da comunicação, a criança pode adquirir maior independência, diminuir frustrações, entender seu mundo e criar amizades. Por isso pode-se dizer que a comunicação, na infância, é a chave da aprendizagem.

Muitas vezes o portador de múltipla deficiência, não possui uma forma de perceber sinais comunicativos, seja por terem em associação a deficiência sensorial, seja por falta de oportunidades. Quando o adulto tende a sempre se antecipar, quanto às necessidades da criança, ele tira dela a oportunidade de "protestar" para pedir algo ou demonstrar incômodo, adquirir independência, fazer escolhas e interagir com outros.

Para se estimular e desenvolver formas comunicativas, em portadores de múltipla deficiência, deve-se ter em conta quais são as reais capacidades e limitações do indivíduo, a necessidade que todo ser humano tem de se comunicar e a importância desta para o desenvolvimento cognitivo e pessoal. Para compreender como isto irá ocorrer, é necessário conhecer como se dá a comunicação.

A comunicação possui duas funções básicas, a receptiva e a expressiva. A função receptiva, diz respeito às informações recebidas através da atenção dada a seus pares comunicativos. Para a criança portadora de múltipla deficiência, com deficiência sensorial ou intelectual (dependendo de seu grau de comprometimento), a recepção de informações do meio fica impedida ou diminuída, pela falta de compreensão ou pela impossibilidade de ver, ouvir. Para que esta criança possa receber de forma mais completa as informações de seu meio, ela precisara ser estimulada a perceber o significado dos objetos e toques que lhe são propostos.

Na função expressiva, respondemos aos estímulos do nosso meio por interações com pares comunicativos. Esta depende da primeira, já que não entendendo ou não recebendo de forma completa a informação a resposta dada será incoerente ou incompleta. No caso da criança portadora de múltipla deficiência, a incapacidade de ouvir ou falar diminui também suas formas de expressar-se de forma entendível ou convencional.

Dentre as estratégias mais usadas na estimulação da comunicação, ou respostas comunicativas, estão as antecipações de acontecimentos, o uso de objetos de referência e o sistema de calendário.

Percebendo-se a grande importância social e de aprendizagem que a comunicação possui para o ser humano, entende-se como imprescindível a estimulação e o ensino de formas alternativas de comunicação aos portadores de múltipla deficiência.

 

Bibliografia:

ALSOP, Linda. Un Manual de Recursos para Compreender e Interactuar com Infantes, Parvulos y Niños Pré-escolares com sordoceguera. SKI*HI Institute Department of Communicative Disorders, Utah State University Logan.

BLAHA, Robbie. Calendários, para estudintes com multiples discapacidades incluído sordoceguera. Córdoba: ROTAGRAF, 2003.

CARVALHO, Erenice Natália Soares de. Programa de Capacitação de Recursos Humanos do Ensino Fundamental: Deficiência Múltipla, volumes I, II. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2000.

NUNES, Clarisse. Aprendizagem Activa na criança com multideficiencia. Lisboa: Ministério da Educação, Departamento da Educação Básica, 2001.

SERPA, Ximena. Manual para pais de surdocegos e Múltiplos deficientes Sensoriais. São Paulo: Liotti Del Arcom, 2002.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/estimulando-a-comunicacao-a-importancia-e-aquisicao-da-comunicacao-para-criancas-portadoras-de-multipla-deficiencia-i-3318593.html

    Palavras-chave do artigo:

    múltipla deficiência

    ,

    comunicação receptiva

    ,

    comunicação expressiva

    Comentar sobre o artigo

    Este trabalho tem como ponto de partida a coleta de informações a cerca da deficiência. Partindo do histórico das deficiências, buscou-se fazer um retrospecto histórico, abrangendo como foco a Deficiência Intelectual. Tendo assim como objetivo compreender a importância do jogo enquanto atividade lúdica, no desenvolvimento e aprendizagem da criança com Deficiência Intelectual.

    Por: Carina Heil Albrechtl Educaçãol 09/09/2010 lAcessos: 7,999 lComentário: 4
    GUTEMBERG MARTINS DE SALES

    O artigo discute as dificuldades de aprendizagem sintetizando a dislexia como uma das principais causas. A caracterização da pesquisa se deu por meio de pesquisa bibliográfica sobre dificuldades de aprendizagem e dislexia, apresentando os distúrbios de e na leitura, escrita e articulação. Dissertando-se sobre a origem dos problemas relativos às dificuldades de aprendizagem na visão da psicanálise, apresentaram-se os problemas que interferem na alfabetização.

    Por: GUTEMBERG MARTINS DE SALESl Educação> Educação Infantill 22/05/2014 lAcessos: 100

    O artigo trata do tema ALFABETIZAÇÃO, focando as dificuldades no aprendizado das letras e sons. Toma como referência as autoras Emília Ferreiro 2001) e Magda Soares (2003) que assinalam as dificuldades da criança em processo de alfabetização e propõem uma prática pedagógica consciente da realidade da criança. O estudo tem intenção autobiográfica peritindo uma reflexão sobre a prática do pesquisador-alfabetizador, garantindo a busca de novas abordagens e procedimentos.

    Por: Geraldo Francisco dos Santosl Educação> Educação Infantill 22/04/2011 lAcessos: 6,389

    Com o advento da globalização, a educação é tida como o maior recurso de que se dispõe para enfrentar essa nova estruturação mundial. Objetiva-se evidenciar a importância dos alunos encontrarem na escola não só evidências de seu próprio mundo, mas também aparato capaz de os "cunharem" para uma participação social plena e não "fatiada", como sugere o estudo por disciplinas. Jovens e adultos, público cada vez mais informatizado, exige que as disciplinas deixem de ser apresentadas de forma isolada.

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    A expressão artística faz parte da história humana desde os tempos mais remotos. Sendo assim, a Arte é um dos modos de conhecimento ao qual os estudantes devem também ter acesso, assumindo-se como sujeitos capazes de apreciação estética e criação artística, articuladas aos processos e mediações da cultura contemporânea. Diante das mudanças pelas quais o ensino-aprendizagem de Arte passou, vê-se a necessidade de discorrer a respeito da presença desta disciplina no currículo escolar, revendo sua i

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    Sabe-se que a educação é responsável pela formação do aluno enquanto cidadão, de maneira a prepará-lo para a vida em sociedade, para que saiba atuar criticamente nesse meio. Assim, a escola inclusiva busca complementar a formação do aluno por meio das relações de convivência, uma vez que conviver com o diferente é parte desse processo de formação, até porque, como já mencionamos, é na escola que o aluno desenvolve seus aspectos cognitivos, motores e psicológicos.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    As revela à existência de ações políticas e sociais que possam concretizar e promover a efetividade da inclusão social da pessoa com necessidade educacional especial. Vejo que a sociedade deve compreender como se dá o processo de ensino-aprendizagem da criança com Síndrome de Down na Educação Básica, as dificuldades enfrentadas e as possibilidades e mecanismos de reconhecimento e aceitação dessas limitaçõ

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    No processo de inclusão a escola propõe a conviver com o "diferente", aceitá-lo, auxiliá-lo, e muitas vezes aprender algo com essas crianças. Entretanto para oferecer uma inclusão verdadeira é preciso entender as particularidades das crianças, mediar a socialização de forma que todos trabalham para o aprendizado de cada uma delas, em benefício de todos. Pretendo contribuir com as discussões éticas e educacionais que envolvem a formação da criança Down por meio da educação.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    A educação escolar é um dos contextos em que a criança aprende e desenvolve-se nos aspectos cognitivos, emocional e social. Por isso a necessidade de incluir a criança com necessidades especiais na escola, pois atender a todos é parte do processo educativo, por isso a diversidade cultural e outras questões sociais precisam ser vivenciadas também em sala de aula.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    Apresento algumas características que identificam a criança Down, o conceito de Educação Inclusiva e Educação básica, e da diversidade na educação. Relacionam-se aspectos positivos da inclusão da criança Down na Educação Básica e como deve acontecer essa inclusão, enumerando as dificuldades no processo de inclusão da criança Down na Educação Básica. Conceitua-se a Síndrome de Down e sua identificação, bem como o tratamento e a motivação para inserir a criança com deficiência na Educação Básica.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    O estudo realizado teve como foco principal compreender os avanços no processo de construção do conhecimento dos alunos de uma turma de 3º ano, através dos jogos matemáticos, priorizando, desse modo, a ludicidade no ensino. A pesquisa foi desenvolvida durante o estágio realizado pela acadêmica e pesquisadora junto a uma turma de 3º ano.

    Por: Luziane Da Silva Costal Educaçãol 15/12/2014 lAcessos: 11
    Amanda de A. Soares Barbosa

    Uma breve análise pelas fases, indicadas historicamente, vivenciadas pela sociedade na convivência com a pessoa deficiente. Desde a exclusão até a inclusão, uma breve descrição dos fatos e movimentos ocorridos.

    Por: Amanda de A. Soares Barbosal Educaçãol 30/05/2012 lAcessos: 121
    Amanda de A. Soares Barbosa

    As políticas públicas que regulamentam e orientam a educação especial estão muito distantes da nossa realidade, uma breve análise sobre estas distâncias é relatada neste artigo.

    Por: Amanda de A. Soares Barbosal Educaçãol 30/05/2012 lAcessos: 270
    Amanda de A. Soares Barbosa

    As adaptações a serem realizadas para atender aos alunos com deficiência no ensino regular nem sempre são eficazes ou registradas, por falta de informações claras sobre o assunto. Para auxiliar nesta demanda é que este trabalho foi construído.

    Por: Amanda de A. Soares Barbosal Educaçãol 06/06/2011 lAcessos: 825 lComentário: 3
    Amanda de A. Soares Barbosa

    Este é o segundo de cinco eixos adaptados com o objetivo de adaptar o ensino de alunos com necessidades especiais em escolas regulares.Para o aluno com deficiência a construção da identidade e autonomia, dentro de suas capacidades, é imprescindível para que este se sinta completo e participe ativamente de sua comunidade. Este artigo visa o envolvimento da escola e família em busca deste objetivo. Este material pode ser base para o ensino de alunos do pŕimeiro ao quinto ano.

    Por: Amanda de A. Soares Barbosal Educaçãol 26/10/2010 lAcessos: 742 lComentário: 2
    Amanda de A. Soares Barbosa

    Dentre as estratégias mais usadas na estimulação da comunicação, ou respostas comunicativas, estão as antecipações de acontecimentos, o uso de objetos de referência e o sistema de calendário. Cada estratégia desenvolve habilidades comunicativas necessárias para a interação social da criança portadora de múltipla deficiência. O uso de formas alternativas de comunicação devem ser planejadas e preparadas, de forma acessível à criança, tendo em consideração suas habilidades motoras e intelectuais. A

    Por: Amanda de A. Soares Barbosal Educaçãol 22/10/2010 lAcessos: 726
    Amanda de A. Soares Barbosa

    O material bibliográfico exposto se destina aos professores da educação especial, cuidadoras de alunos com necessidades educativas especiais e pedagogos que lidam com esse público, em escolas de ensino regular.Baseado nos sete eixos do currículo de creche, exposto na revista Nova Escola. Se trata de uma tentatiovva de auxiliar na adaptação do currículo para alunos com necessidades eeducativas especiais. Este é o primeiro de cinco eixos produzidos.

    Por: Amanda de A. Soares Barbosal Educaçãol 21/10/2010 lAcessos: 405
    Amanda de A. Soares Barbosa

    O sujeito portador de surdocegueira se vê muitas vezes impossibilitado de comunicar de forma efetiva com sua família e comunidade, a comunicação adaptada se torna então a única forma de realizá-lo com eficiência. Neste artigo está descrito o início de um projeto para ampliar as possibilidades de exprssão de sentimentos e desejos de uma aluna especial, surdocega congênita.

    Por: Amanda de A. Soares Barbosal Educaçãol 17/09/2010 lAcessos: 453
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast