Estudo do livro: Conversas com quem gosta de ensinar (Rubem Alves)

Publicado em: 24/06/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 3,763 |

 

Estudo do livro: Conversas com quem gosta de ensinar (Rubem Alves)


Elisandra Cristina Gonzales

Fernando Henrique Castilheri de Lima

 

A sociedade atual, conforme discutimos, nos apresenta um modelo de sociedade, religião, família, pautado na individualidade. Este modelo, fatalmente, nos levará à crise, ao caos, pois cada vez menos somos capazes de nos colocar no lugar do outro ou até mesmo de pensarmos e refletirmos sobre como as nossas ações hoje, no presente, sendo estas conscientes ou não, influenciarão positiva e/ou negativamente as futuras gerações.

Neste contexto, nós como professores ou educadores, somos levados a pensar sobre nossa prática diária e na maneira pela qual estamos liderando, influenciando, conduzindo ações, comportamentos e mentalidades.

Segundo Rubem Alves, há milhões de professores, haja vista que "professor é uma profissão". "Educador, ao contrário, não é profissão e sim vocação. E toda vocação nasce de um grande amor, de uma grande esperança."

Ser professor, nos dias de hoje, é muito mais do que simplesmente apresentar algum tipo de conhecimento ("dar aula") a um grupo de alunos. Hoje o papel desempenhado por um professor/educador extrapola em muito os limites da sua sala de aula. Suas atribuições encontram-se no mesmo nível de importância antes destinado, com exclusividade, à família.

Ser educador em nosso tempo não é uma tarefa fácil. Requer que acreditemos e que lutemos apesar de todas as adversidades – e que são muitas. Ser educador é procurar uma luz no fim do túnel, é ter convicções e mantê-las, ter esperança que o pouco ou muito que temos em mãos é fundamental para a formação pessoal e social de cada um de nossos alunos.

"Profissões e vocações são como plantas. Viscejam e florescem em nichos ecológicos, naquele conjunto precário de situações que as tornam possíveis e – quem sabe? - necessárias. Destruído este habitat, a vida vai se encolhendo, murchando, fica triste, mirra, entra para o fundo da terra, até sumir."

Assim, o autor nos desafia a refletir: será que é interessante para a sociedade atual que hajam educadores para desempenharem sua real função social ou econômica? Ou será que o ideal é que sejamos todos eucaliptos? – "enfileirados, em permanente posição de sentido, preparados para o corte e para o lucro."

Em nossa sociedade capitalista, assim como os produtos que utilizamos em nosso dia a dia não são mais fabricados para serem resistentes, duráveis haja vista que o que financia o capitalismo é a constante venda de produtos novos, também os "professores são entidades descartáveis".

Já o educador – velhas árvores, jequitibás – valoriza as relações que o liga aos alunos, a interioridade de cada um e pauta suas ações concebendo que o ensino é um acontecimento social onde sua "função" é compartilhar significados com os alunos.

"Eucaliptos não se transformarão em jequitibás a menos que em cada eucalipto haja um jequitibá adormecido".

Em nosso dia a dia, em sala de aula, principalmente para nós, professores/educadores de Matemática, o grande desafio é aproximar o conteúdo da vivência dos alunos, tentando fugir do conceito de "idéias inertes" – que são idéias meramente recebidas, sem nenhum poder que as relacione com a vida – buscando a ludicidade, o prazer e a aplicabilidade do que é aprendido.

O que dificulta o processo educativo é o desânimo dos profissionais da educação, a falta de participatividade dos pais e da comunidade na vida acadêmica dos filhos. Enquanto "as pessoas não forem capazes de ouvir, entender, amar e lutar juntas" pelos mesmos objetivos, objetivos comuns que interessam a toda sociedade, fatalmente estaremos a mercê do controle do Estado e de instituições – e conseqüentemente do fracasso educacional.

Cabe a cada um de nós refletir que tipo de educação, educadores e educandos queremos contribuir para formar.

"Será verdade que a educação é um processo pelo qual a educação atualiza suas potencialidades ou exatamente o inverso, um processo pelo qual a sociedade leva o indivíduo a domesticar estas mesmas potencialidades, transformando-as em pensamentos e comportamentos socialmente aceitos? A educação que promovemos transforma ou reproduz a sociedade?"

Certamente, se cada professor refletir sobre sua real vocação e conscientizar-se da complexidade que envolve o processo educativo, será um profundo começo de transformação social na educação. Refletir sobre a prática educativa individual, de cada professor, é o passo inicial para o começo de mudança. Somente a intersecção e união entre trabalho (empenho, luta, dedicação), aprendizado, prazer é que resultarão na excelência educacional.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 3 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/estudo-do-livro-conversas-com-quem-gosta-de-ensinar-rubem-alves-2723628.html

    Palavras-chave do artigo:

    educacao

    ,

    rubem alves

    ,

    sociedade

    Comentar sobre o artigo

    RESUMO O presente artigo tem por finalidade realizar um relato do sentimento de infância no decorrer dos anos e do lúdico, bem como verificar os pressupostos teóricos que abordam sobre o lúdico na educação infantil. Objetiva também verificar a importância do professor trabalhar o lúdico na educação infantil, verificando a relevância que a ludicidade apresenta nesta fase da criança tanto em seu universo infantil quanto na vida escolar.

    Por: Liliane Cristina Fedrigol Educaçãol 01/12/2014 lAcessos: 87

    O objetivo deste estudo foi conhecer como se insere e desenvolve a educação ambiental na educação infantil em escolas públicas de dois municípios no Estado do Espirito Santo, Brasil. Trata de um estudo descritivo quantitativo. O universo da pesquisa foi 58 professores de Educação Infantil. O instrumento de coleta de dados foi um questionário de autopreenchimento com 13 perguntas objetivas sobre educação ambiental na comunidade escolar. Solicitou-se a assinatura do termo de consentimento livre e

    Por: DANIELE DE ALMEIDA NUNESl Educação> Educação Infantill 28/08/2014 lAcessos: 48
    ÁUREA MARIA SOARES LIMA

    A ludicidade na educação infantil é de suma importância para o processo de ensino-aprendizagem. Haja vista, compreende-se que o lúdico é uma ferramenta pedagógica que facilita a prática do professor e o desenvolvimento cognitivo dos alunos. Em decorrência desta colocação o presente artigo cujo tema a importância do lúdico na educação infantil, tem como justificativa trazer para a discussão e debate no âmbito educacional a relevância que as atividades lúdicas têm para o processo de ensino e apren

    Por: ÁUREA MARIA SOARES LIMAl Educação> Educação Infantill 13/02/2015 lAcessos: 32
    Wanda Denise Calvente

    Saber o que é educação, de quem é a obrigação de educar, o que pensam os autores, o que fazer para melhorar a educação? São perguntas que todos fazem, mas as respostas nem sempre modificam o quadro atual.

    Por: Wanda Denise Calventel Educaçãol 07/03/2010 lAcessos: 996
    Idalina Gonçalves Fernandes

    A educação em nosso país necessita ser trabalhada, observando outros princípios como a virtualidade, considerando que as relações com os alunos, o ensino aprendizagem se dissociam cada vez mais da presença física, cujos limites de espaço e tempo servem como subterfúgio, como antiquados rituais, velhas metodologias de ensino, contraproducentes, frente às atuais exigências de autonomia, flexibilidade e criatividade com as quais os alunos são bombardeados.

    Por: Idalina Gonçalves Fernandesl Educaçãol 06/12/2014 lAcessos: 18
    Paulo Rogério Araújo

    O presente estudo, pela análise da obra literária de Bartolomeu Campos de Queirós, baseado em sua autobiografia – recortes de memórias de um menino – e dialogando com teóricos como Wallon e Vygotsky, traz uma pesquisa bibliográfica abordando elementos que auxiliam os professores em sala de aula, como a afetividade, o carinho e o respeito, visando trazer contribuições presentes na obra como um todo.

    Por: Paulo Rogério Araújol Educação> Ensino Superiorl 08/10/2011 lAcessos: 1,129
    ELISON FERREIRA ALVES

    Resumo: O presente artigo visa refletir a importância que o trabalho docente deve ter na sociedade de modo geral, tendo como referência a realidade social, política, econômica e cultural de um determinado contexto histórico no qual o educador participa efetivamente no processo de construção do conhecimento. O valor pedagógico da interação humana é ainda mais evidente, pois, é por intermédio da relação professor - aluno que o conhecimento vai sendo construído. Este apoia-se em teóricos renomados

    Por: ELISON FERREIRA ALVESl Educação> Línguasl 24/02/2012 lAcessos: 577
    Wilian Junior

    O presente artigo tem por finalidade discutir as relações entre o ensino de Geografia e História. A quem acredite que são duas disciplinas desvalorizadas nas escolas, porém, temos certeza da extrema importância de cada uma delas, quando devidamente trabalhadas podem contribuir para a formação e compreensão dos seres humanos: seu espaço, suas sociedades construídas historicamente e as dinâmicas envolvidas nos processos temporais.

    Por: Wilian Juniorl Educação> Ensino Superiorl 21/01/2011 lAcessos: 2,016

    O tema abordado no artigo foi resultado de pesquisas realizadas na tentativa de compreender a importância do pedagogo social nas ONGs. Ao finalizar a pesquisa percebemos a importância deste profissional nas organizações não governamental, pois, ele é um interventor na elaboração de projetos sociais e voluntários, como: educação, cultura, esporte, lazer e outros, buscando mecanismos metodológicos para que a ONG alcance os objetivos propostos perante a sociedade. Com isso, o pedagogo social é um a

    Por: Márcio Josél Educação> Ensino Superiorl 01/06/2012 lAcessos: 2,399
    leticia dos santos geraldo

    A essência do Construtivismo nasceu fundamentalmente da teoria da Epistemologia Genética de Jean Piaget. A hermenêutica do construtivismo designa-se hoje, a buscar, conhecer, métodos pedagógicos, sendo utilizada como determinados aspectos para a aprendizagem, pois se popularizou como "método construtivista".O objetivo deste trabalho é mostrar o real objetivo da prática construtivista e o que ela pode mudar no meio educacional.

    Por: leticia dos santos geraldol Educaçãol 11/04/2015
    Joseléia Graciano da Silva

    O presente trabalho tem por objetivo refletir sobre as contribuições do processo educativo escolar no sistema prisional, de modo a abordar a funcionalidade da escola nesse espaço singular, apontando não só o caráter legal do atendimento em educação por parte das instituições prisionais, mas também os fatores que motivam os sentenciados/detentos a procurarem a escola no presídio.

    Por: Joseléia Graciano da Silval Educaçãol 10/04/2015
    Joseléia Graciano da Silva

    Nell. Direção: Michael Apted. Produção: Renee Missel e Jodie Foster. Interprétes:Jodie Foster,Liam Neeson e Natasha Richardson e outros. Roteiro: William Nicholson e Mark Handley, 1994. (115 min).

    Por: Joseléia Graciano da Silval Educaçãol 10/04/2015
    Carlos Henrique Araújo

    Tudo ruiu como um castelo feito de cartas já no final de 2014. Com o ajuste fiscal, ficou absolutamente claro de que os programas sociais seriam essencialmente afetados. O MEC sofreu o maior corte financeiro de sua história. Segundo analistas, o ministério da Pátria Educadora teria seu orçamento diminuído em sete bilhões de reais anuais.

    Por: Carlos Henrique Araújol Educaçãol 02/04/2015 lAcessos: 17
    Elaine Peres da Silva

    É indispensável ao desenvolvimento do ser humano o trabalho de sensibilização diante da sociedade, começando pela própria escola, o local de aprendizagem e formação do indivíduo. É preciso que o estudante, enquanto cidadão perceba a importância de sua participação nas questões que envolvem o meio ambiente, desde então, as pequenas ou grandes atitudes podem amenizar, mesmo que parcialmente, a contaminação da natureza.

    Por: Elaine Peres da Silval Educaçãol 27/03/2015 lAcessos: 18
    Fernando Corrêa manarim

    afirmamos que existem outras formas de jogar xadrez além da competição, ou seja, que o xadrez é uma ferramenta que pode trabalhar o praticante pedagógica e terapeuticamente, ensinando a se conhecer, conhecer os outros e conhecer o mundo a qual pertence. Isso pode ser comprovado na Lenda de criação do xadrez, conhecida como a Lenda de Lahur Sessa, lenda que pode ser encontrada na obra de Malba Tahan, "O Homem que calculava".

    Por: Fernando Corrêa manariml Educaçãol 16/03/2015 lAcessos: 12

    1. Por que o regime de ciclos e a progressão continuada são tão criticados? 2. Qual a real eficácia da progressão continuada e quais são os problemas gerados por esta prática? 3. Quais suas implicações políticas? 4. Quais os aspectos negativos deste sistema? 5. Qual o papel do professor, do coordenador e supervisor escolar? 6. Qual a importância da avaliação neste processo?

    Por: EULER DE CASTRO SANTOSl Educaçãol 15/03/2015 lAcessos: 18

    RESUMO A violência é sem duvida, além de uma das grandes preocupações da sociedade, o grande problema a ser enfrentado, principalmente na dura realidade das escolas públicas do Brasil. Atinge a todos na escola, contudo a grande vitima deste problema é o professor, cada vez mais desmotivado e que se encontra quase sempre acuado e de mãos atadas diante do problema. Ocorre de maneira velada e de diversos modos, sendo, obviamente causada pela falta de limites e de ações efetivas para enfrentar o pro

    Por: EULER DE CASTRO SANTOSl Educaçãol 15/03/2015 lAcessos: 19

    O artigo trata da história das mulheres e da matemática através dos tempos, bem como seus percalços e suas conquistas em busca da igualdade de direito de estudar e se desenvolver cientificamente em sociedades predominantemente restritas a uma minoria privilegiada.

    Por: Elisandra Cristina Gonzalesl Educação> Ensino Superiorl 02/06/2010 lAcessos: 4,140
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast