Estudo do livro: Conversas com quem gosta de ensinar (Rubem Alves)

Publicado em: 24/06/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 3,508 |

 

Estudo do livro: Conversas com quem gosta de ensinar (Rubem Alves)


Elisandra Cristina Gonzales

Fernando Henrique Castilheri de Lima

 

A sociedade atual, conforme discutimos, nos apresenta um modelo de sociedade, religião, família, pautado na individualidade. Este modelo, fatalmente, nos levará à crise, ao caos, pois cada vez menos somos capazes de nos colocar no lugar do outro ou até mesmo de pensarmos e refletirmos sobre como as nossas ações hoje, no presente, sendo estas conscientes ou não, influenciarão positiva e/ou negativamente as futuras gerações.

Neste contexto, nós como professores ou educadores, somos levados a pensar sobre nossa prática diária e na maneira pela qual estamos liderando, influenciando, conduzindo ações, comportamentos e mentalidades.

Segundo Rubem Alves, há milhões de professores, haja vista que "professor é uma profissão". "Educador, ao contrário, não é profissão e sim vocação. E toda vocação nasce de um grande amor, de uma grande esperança."

Ser professor, nos dias de hoje, é muito mais do que simplesmente apresentar algum tipo de conhecimento ("dar aula") a um grupo de alunos. Hoje o papel desempenhado por um professor/educador extrapola em muito os limites da sua sala de aula. Suas atribuições encontram-se no mesmo nível de importância antes destinado, com exclusividade, à família.

Ser educador em nosso tempo não é uma tarefa fácil. Requer que acreditemos e que lutemos apesar de todas as adversidades – e que são muitas. Ser educador é procurar uma luz no fim do túnel, é ter convicções e mantê-las, ter esperança que o pouco ou muito que temos em mãos é fundamental para a formação pessoal e social de cada um de nossos alunos.

"Profissões e vocações são como plantas. Viscejam e florescem em nichos ecológicos, naquele conjunto precário de situações que as tornam possíveis e – quem sabe? - necessárias. Destruído este habitat, a vida vai se encolhendo, murchando, fica triste, mirra, entra para o fundo da terra, até sumir."

Assim, o autor nos desafia a refletir: será que é interessante para a sociedade atual que hajam educadores para desempenharem sua real função social ou econômica? Ou será que o ideal é que sejamos todos eucaliptos? – "enfileirados, em permanente posição de sentido, preparados para o corte e para o lucro."

Em nossa sociedade capitalista, assim como os produtos que utilizamos em nosso dia a dia não são mais fabricados para serem resistentes, duráveis haja vista que o que financia o capitalismo é a constante venda de produtos novos, também os "professores são entidades descartáveis".

Já o educador – velhas árvores, jequitibás – valoriza as relações que o liga aos alunos, a interioridade de cada um e pauta suas ações concebendo que o ensino é um acontecimento social onde sua "função" é compartilhar significados com os alunos.

"Eucaliptos não se transformarão em jequitibás a menos que em cada eucalipto haja um jequitibá adormecido".

Em nosso dia a dia, em sala de aula, principalmente para nós, professores/educadores de Matemática, o grande desafio é aproximar o conteúdo da vivência dos alunos, tentando fugir do conceito de "idéias inertes" – que são idéias meramente recebidas, sem nenhum poder que as relacione com a vida – buscando a ludicidade, o prazer e a aplicabilidade do que é aprendido.

O que dificulta o processo educativo é o desânimo dos profissionais da educação, a falta de participatividade dos pais e da comunidade na vida acadêmica dos filhos. Enquanto "as pessoas não forem capazes de ouvir, entender, amar e lutar juntas" pelos mesmos objetivos, objetivos comuns que interessam a toda sociedade, fatalmente estaremos a mercê do controle do Estado e de instituições – e conseqüentemente do fracasso educacional.

Cabe a cada um de nós refletir que tipo de educação, educadores e educandos queremos contribuir para formar.

"Será verdade que a educação é um processo pelo qual a educação atualiza suas potencialidades ou exatamente o inverso, um processo pelo qual a sociedade leva o indivíduo a domesticar estas mesmas potencialidades, transformando-as em pensamentos e comportamentos socialmente aceitos? A educação que promovemos transforma ou reproduz a sociedade?"

Certamente, se cada professor refletir sobre sua real vocação e conscientizar-se da complexidade que envolve o processo educativo, será um profundo começo de transformação social na educação. Refletir sobre a prática educativa individual, de cada professor, é o passo inicial para o começo de mudança. Somente a intersecção e união entre trabalho (empenho, luta, dedicação), aprendizado, prazer é que resultarão na excelência educacional.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 3 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/estudo-do-livro-conversas-com-quem-gosta-de-ensinar-rubem-alves-2723628.html

    Palavras-chave do artigo:

    educacao

    ,

    rubem alves

    ,

    sociedade

    Comentar sobre o artigo

    O objetivo deste estudo foi conhecer como se insere e desenvolve a educação ambiental na educação infantil em escolas públicas de dois municípios no Estado do Espirito Santo, Brasil. Trata de um estudo descritivo quantitativo. O universo da pesquisa foi 58 professores de Educação Infantil. O instrumento de coleta de dados foi um questionário de autopreenchimento com 13 perguntas objetivas sobre educação ambiental na comunidade escolar. Solicitou-se a assinatura do termo de consentimento livre e

    Por: DANIELE DE ALMEIDA NUNESl Educação> Educação Infantill 28/08/2014 lAcessos: 18
    Wanda Denise Calvente

    Saber o que é educação, de quem é a obrigação de educar, o que pensam os autores, o que fazer para melhorar a educação? São perguntas que todos fazem, mas as respostas nem sempre modificam o quadro atual.

    Por: Wanda Denise Calventel Educaçãol 07/03/2010 lAcessos: 984
    Paulo Rogério Araújo

    O presente estudo, pela análise da obra literária de Bartolomeu Campos de Queirós, baseado em sua autobiografia – recortes de memórias de um menino – e dialogando com teóricos como Wallon e Vygotsky, traz uma pesquisa bibliográfica abordando elementos que auxiliam os professores em sala de aula, como a afetividade, o carinho e o respeito, visando trazer contribuições presentes na obra como um todo.

    Por: Paulo Rogério Araújol Educação> Ensino Superiorl 08/10/2011 lAcessos: 931
    ELISON FERREIRA ALVES

    Resumo: O presente artigo visa refletir a importância que o trabalho docente deve ter na sociedade de modo geral, tendo como referência a realidade social, política, econômica e cultural de um determinado contexto histórico no qual o educador participa efetivamente no processo de construção do conhecimento. O valor pedagógico da interação humana é ainda mais evidente, pois, é por intermédio da relação professor - aluno que o conhecimento vai sendo construído. Este apoia-se em teóricos renomados

    Por: ELISON FERREIRA ALVESl Educação> Línguasl 24/02/2012 lAcessos: 506
    Wilian Junior

    O presente artigo tem por finalidade discutir as relações entre o ensino de Geografia e História. A quem acredite que são duas disciplinas desvalorizadas nas escolas, porém, temos certeza da extrema importância de cada uma delas, quando devidamente trabalhadas podem contribuir para a formação e compreensão dos seres humanos: seu espaço, suas sociedades construídas historicamente e as dinâmicas envolvidas nos processos temporais.

    Por: Wilian Juniorl Educação> Ensino Superiorl 21/01/2011 lAcessos: 1,903

    O tema abordado no artigo foi resultado de pesquisas realizadas na tentativa de compreender a importância do pedagogo social nas ONGs. Ao finalizar a pesquisa percebemos a importância deste profissional nas organizações não governamental, pois, ele é um interventor na elaboração de projetos sociais e voluntários, como: educação, cultura, esporte, lazer e outros, buscando mecanismos metodológicos para que a ONG alcance os objetivos propostos perante a sociedade. Com isso, o pedagogo social é um a

    Por: Márcio Josél Educação> Ensino Superiorl 01/06/2012 lAcessos: 1,904
    Rogério Ferreira Leite

    Este trabalho contém as premissas básicas para que o educador atinja plenamente o objetivo de proporcionar aos seus alunos uma formação adequada às exigências do século XXI.(PARTE 1)

    Por: Rogério Ferreira Leitel Educação> Ciêncial 15/07/2010 lAcessos: 12,956
    MOISÉS PEIXOTO

    O que é isso: evangélico? A proposta desse artigo é refletir sobre a confusão que este adjetivo gera entre os cristianismos existente em nossa sociedade e , de modo geral, em todos seus segmentos. Uma coisa é certa: ser evangélico não tornou ninguém e nem a sociedade melhor até agora, tanto como as demais expressões da religiosidade humana.

    Por: MOISÉS PEIXOTOl Notícias & Sociedade> Cotidianol 23/07/2010 lAcessos: 298 lComentário: 1
    SONIA OLIVEIRA SILVA

    Quando se fala em educação infantil, obrigatoriamente pensa-se em infância. Época de muitos momentos que passam uns bons, outros ruins; alguns muito marcantes, talvez por terem causado algum trauma e tem também aqueles momentos que foram totalmente esquecidos, perdidos na memória.

    Por: SONIA OLIVEIRA SILVAl Educação> Ciêncial 09/07/2008 lAcessos: 1,299

    Depressão é uma doença psiquiátrica, crônica e recorrente, que altera o humor e costuma estar associada com baixa autoestima e culpa, e normalmente traz consigo distúrbios do apetite (comer demais, ou praticamente nada), e de sono (dormir demais, ou quase nada), entretanto um dos aspectos mais nocivos é a falta de perspectivas, um sentimento de ausência de futuro, de impossibilidade de solução dos problemas, que muitas vezes leva até ao suicídio.

    Por: Central Pressl Educaçãol 31/10/2014

    O presente artigo discorre contribuição da literatura infantil no desenvolvimento social, emocional e cognitivo da criança.

    Por: neide figueiredo de souzal Educaçãol 29/10/2014

    Faz-se necessário que a avaliação seja orientada pela lógica da continuidade dos processos de formação.

    Por: neide figueiredo de souzal Educaçãol 29/10/2014
    Erineia nascimento da Silva

    O lúdico proveniente da palavra latina "ludus" que significa jogos. Que segundo DANTAS, 1988, representa liberdade para brincar livremente, gratuitamente, prazerosamente. Tornando a brincadeira uma expressão máxima do lúdico, desde da antiga Roma e Grécia em períodos remotos da civilização ocidental utilizava os brinquedos na educação com base nas idéias de Platão e Aristóteles.

    Por: Erineia nascimento da Silval Educaçãol 28/10/2014
    Sebastiana Braga

    A formação profissional não consiste apenas em ouvir palestra ou fazer determinados cursos. Pelo contrario, ela é um processo continuo e progressivo, onde através da aprendizagem se acumula conhecimento e este por sua vez vai sendo transformado em práticas bem sucedidas. Dessa forma deve ser pensado numa multiplicidade de saberes que através de um projeto para formação continuada que se complemente e que aborde um tema central a todas as áreas no intuito do melhoramento do ensino aprendizagem.

    Por: Sebastiana Bragal Educaçãol 27/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Sei o quanto. Tudo isso não significa nada. Apesar da interminável beleza dos universos. Contínuos. Sei do insignificado das coisas. Do delírio dos deuses. Das franquezas das razões não lógicas. A metafísica não indutiva.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educaçãol 25/10/2014
    Amanda Souza Machado

    Este trabalho é uma continuação das discussões, pesquisas e reflexões ocorridas durante a elaboração do artigo científico sobre como os educadores exploram as fantasias das crianças, produzidas a partir dos programas de televisão. O artigo propõe-se a apresentar as influências da TV no imaginário das crianças e qual é o papel dos educadores neste momento.

    Por: Amanda Souza Machadol Educaçãol 23/10/2014

    O presente artigo é um estudo bibliográfico que tem como objetivo principal abordar conceitos educacionais e metodologias desenvolvidas em sala de aula usando o lúdico como alternativa de metodologia. O trabalho justifica-se pela necessidade de se entender e adequar a aprendizagem às atuais demandas da educação é necessário conhecer alguns caminhos já percorridos pelo ensino e que se levam a uma redefinição dos objetivos, conteúdo e metodológicos.

    Por: Graciele de Miranda Oliveiral Educaçãol 21/10/2014 lAcessos: 14

    O artigo trata da história das mulheres e da matemática através dos tempos, bem como seus percalços e suas conquistas em busca da igualdade de direito de estudar e se desenvolver cientificamente em sociedades predominantemente restritas a uma minoria privilegiada.

    Por: Elisandra Cristina Gonzalesl Educação> Ensino Superiorl 02/06/2010 lAcessos: 4,056
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast