Formação Continuada

Publicado em: 18/07/2010 |Comentário: 1 | Acessos: 475 |

A formação continuada é necessária e de fundamental importância em todas as profissões e com a docência não deve ser diferente. Assim, é de fundamental importância que o(a) docente seja o(a) responsável pela sua formação contínua.

O avanço tecnológico vem fazendo com  que as novas gerações adquiram conhecimentos que grande parte dos(as) docentes não possuem. Apesar disso, há no seio do corpo docente quem espera o aperfeiçoamento via poder público. É evidente que não pode ser negada a responsabilidade do poder público na formação continuada, conforme preceitua o Art. 67 da Lei Nº 9.394/96, Lei de Diretrizes e Bases (LDB), assim expresso: "Os sistemas de ensino promoverão a valorização dos profissionais de educação, assegurando-lhes, inclusive nos termos dos estatutos e dos planos de carreira do magistério público:

I - ...

II - aperfeiçoamento profissional continuado, inclusive com licenciamento periódico, remunerado para esse fim;

III - ...

IV - progressão funcional baseada na titulação ou habilitação e na avaliação do desempenho;" (LDB, 1996).

É sabido que o poder público não mostra vontade e decisão de promover as necessárias capacitações para que haja o aperfeiçoamento docente. resta-nos então, sermos os(as) responsáveis pelo nosso aperfeiçoamento, pois se assim não o fizermos permaneceremos estagnados no tempo. Porém o que mais causa perplexidade, é observarmos que há docentes que zombam dos(as) que buscam o auto-aprefeiçoamento.

Perrenoud (2000) nos fala que o ofício de professor está em transformação. Ora, para que essa transformação realmente ocorra é necesário que novos conhecimentos sejam adquiridos, a fim de que se possa acompanhar a evolução constante da tecnologia.

De acordo com Perrenoud(2000) a autoformação é resultado de uma reflexão, devida a um projeto - pessoal ou coletivo - do que uma probabilidade clara da instituição(Perrenoud, 2000 p. 179). O que está explicitado, só reforça o nosso argumento de que deve o o(a) docente responsabilizar-se pelo seu aperfeiçoamento constante.

No início desse artigo fizemos alusão ao avanço tecnológico. Como então avançar no uso das novas tecnologias, sem capacitação para tal mister? Perrenoud(2000) cita duas declarações que são atribuídas a Patrick Mendelsohn, responsável pela unidade das Tecnologias da Formação na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Genebra: "As crianças nascem em uma cultura em que se clica, e o dever dos professores é inserir-se no universo de seus alunos"; "Se a escola ministra um ensino que aparentemente não é mais útil para uso externo, corre um risco de desqualificação. Então, como vocês querem que as crianças tenham confiança nela?"

Cremos que essa desqualificação já ocorre nos dias atuais. Não sei se podemos classificar de desqualificação, mas, observa-se que grande parte do corpo discente não se sente atraída pela escola.

Perrenoud nos mostra que a escola não pode ignorar o que se passa no mundo. Dessa forma, utilizar as Novas Tecnologias da Informação e da Comunicação(NTCI) é de fundamental importância para uma nova maneira de pensar, de decidir e de trabalhar.

Tem-se observado a grande batalha travada entre direção, docentes e discentes a respeito do celular, sendo que há estados que já legislam com o fito de proibir o seu uso em sala de aula. Perguntamos: é essa a medida mais acertada ou deve-se aproveitar o celular como ferramenta de ensino e aprendizado na sala de aula? Há uma Operadora de Celular, que promove capacitação para que o aparelho seja utilizado como ferramenta para a produção de vídeos, fotos e textos. Relatam docentes que já passaram por essa capacitação, que os resultados tem sido satisfatórios e os(as) discentes aprovaram a idéia.

Observa-se então, que uma melhor qualificação profissional, poderá promover uma melhor educação, bem coomo servirá para a ascenção docente.

Encerraremos esse artigo com uma citação de Perrenoud: "O exercício e o treino poderiam bastar para manter competências essenciais se a escola fosse um mundo estável. Ora, exerce-se o ofício em contextos inéditos, diante de públicos que mudam, em referência a programas repensados, supostamente baseados em novas abordagens e novos paradigmas. Daí a necessidade de uma formação contínua, que em italiano se chama aggiornamento, o que ressalta o fato de que os recursos cognitivos mobilizados pelas competências devem ser atualizados, adaptados a condições de trabalho em evolução". (Perrenoud, 2000 p. 155/156)

Referências

PERRENOUD, Ph. 10 Novas Competências para Ensinar. Porto Alegre: ARTMED Editora, 2000.

BRASIL, Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases. Brasilia. 1996

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/formacao-continuada-2850605.html

    Palavras-chave do artigo:

    formacao

    ,

    avanco

    ,

    novas tecnologias

    Comentar sobre o artigo

    Leudimila Parcianello

    A cada dia novas ferramentas tecnológicas são criadas para benefício da sociedade. Na educação ela ganha força na intenção de facilitar o processo de ensino e aprendizagem, mas também pode tornar-se um vilão entre os docentes, quando não estimulados a conhecerem, entenderem e usufruírem dos seus benefícios. Professores da licenciatura são os principais alvos do uso dessas novas ferramentas. Contudo, quantos deles as conhecem? A instituição de ensino dispõe desses recursos? Incentiva seu uso?

    Por: Leudimila Parcianellol Educação> Ensino Superiorl 17/07/2011 lAcessos: 1,237
    shirleidy de sousa freire

    Este artigo enfoca informações referentes às práticas pedagógicas no âmbito da sociedade atual, a chamada sociedade da informação e do conhecimento, uma sociedade pautada no uso das novas tecnologias da informação. Faz referência ao papel do professor nesse contexto, como este profissional pode agir no sentido de aliar as novas tecnologias às metodologias utilizadas em sala de aula, como forma de melhorar os processos de ensino e de aprendizagem. Enfoca ainda o papel da família nesse contexto.

    Por: shirleidy de sousa freirel Educaçãol 16/06/2011 lAcessos: 2,809

    Apresentamos um material didático concebido para o ensino de dinâmica dos fluidos, que inclui conteúdos em geral não tratados no ensino médio, produzido de forma a contemplar o contexto dos alunos de cursos técnicos em agricultura e zootecnia. O hipertexto utiliza recursos tecnológicos como vídeos, animações em Flash, Applets Java, figuras, textos e atividades práticas. Foi desenvolvido em dois módulos didáticos, cada módulo com três momentos pedagógicos distintos, que trataram de fluidos que...

    Por: Rafhael Brum Werlangl Educaçãol 02/12/2008 lAcessos: 18,673 lComentário: 1
    Francisco Ivanilson da Costa

    A escola, sendo o âmago das tranformações sociais, deve estar "sintonizada" com as mudanças socioculturais da sociedade. Não pode parar no tempo e ignorar o surgimento de novas formas de ensinar e aprender na Era Digital.

    Por: Francisco Ivanilson da Costal Educação> Educação Onlinel 10/12/2011 lAcessos: 870
    Antonio Carlos Machado

    Neste artigo discutiremos a presença das Tecnologias Educacionais de Informação e Comunicação para o eficaz processo de ensino-aprendizagem para a Educação de Jovens e Adultos (EJA) no caráter de inclusão digital, cujo objetivo investigar as ações desenvolvidas no cotidiano escolar, que visem à inserção dos alunos da EJA dentro desse novo contexto de mudanças sociais e do avanço da tecnologia, de forma a garanti-lo sua inclusão no mundo digital e no mercado de trabalho.

    Por: Antonio Carlos Machadol Educação> Educação Onlinel 03/12/2011 lAcessos: 1,084

    Este artigo constituiu-se a partir da necessidade de conhecer um pouco mais acerca do uso das novas tecnologias da informação e comunicação no ensino-aprendizagem em Nível Superior. A partir das percepções acerca dos modos como a criatividade se faz necessária a inserção de recursos computacionais que, atrelados às tecnologias tradicionais, possam potencializar os mecanismos de ensino-aprendizagem em diversos níveis de uso no ensino Superior.

    Por: moises lucasl Educação> Ensino Superiorl 14/07/2011 lAcessos: 682

    RESUMO Este artigo é uma proposta de reflexão sobre a prática e a valorização da atual sociedade, onde o professor precisa se adaptar as mudanças sociais. Nesse sentido, serão apresentados sugestões aos educadores e a todos que se interessarem a respeito da educação atual que se transforma a cada dia, devido às novas tecnologias que trouxeram benefícios à sociedade. O enfoque principal se dá em torno da escola e do professor e nesse cenário inovador causado pelos grandes fluxos de informações

    Por: Adriana Spindola De Ataidesl Educação> Ensino Superiorl 13/09/2009 lAcessos: 1,709 lComentário: 1

    O presente trabalho tem como propósito apresentar um estudo através de uma análise bibliográfica sobre a incorporação das tecnologias da informação e da comunicação na educação básica. Apontando algumas reflexões e discussões acerca do uso das tecnologias no cotidiano e nas práticas pedagógicas dos professores de educação básica.

    Por: Patricia Coelhol Educação> Educação Onlinel 24/08/2010 lAcessos: 4,686 lComentário: 1
    Daniel Motta

    A revista Nova Escola é uma publicação de periodicidade mensal, criada em 1986 pela Fundação Victor Cívita. A revista é voltada à comunidade de professores do ensino fundamental. Entre suas editorias, ela aborda diversos assuntos da área educacional, sob as mais variadas formas de textos jornalísticos: entrevistas com especialistas, artigos, relatos de experiências, idéias para sala de aula e seções destinadas a divulgação de trabalhos desenvolvidos em diferentes comunidades do país.

    Por: Daniel Mottal Educação> Ensino Superiorl 05/11/2010 lAcessos: 4,576 lComentário: 1

    Com o advento da globalização, a educação é tida como o maior recurso de que se dispõe para enfrentar essa nova estruturação mundial. Objetiva-se evidenciar a importância dos alunos encontrarem na escola não só evidências de seu próprio mundo, mas também aparato capaz de os "cunharem" para uma participação social plena e não "fatiada", como sugere o estudo por disciplinas. Jovens e adultos, público cada vez mais informatizado, exige que as disciplinas deixem de ser apresentadas de forma isolada.

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    A expressão artística faz parte da história humana desde os tempos mais remotos. Sendo assim, a Arte é um dos modos de conhecimento ao qual os estudantes devem também ter acesso, assumindo-se como sujeitos capazes de apreciação estética e criação artística, articuladas aos processos e mediações da cultura contemporânea. Diante das mudanças pelas quais o ensino-aprendizagem de Arte passou, vê-se a necessidade de discorrer a respeito da presença desta disciplina no currículo escolar, revendo sua i

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    Sabe-se que a educação é responsável pela formação do aluno enquanto cidadão, de maneira a prepará-lo para a vida em sociedade, para que saiba atuar criticamente nesse meio. Assim, a escola inclusiva busca complementar a formação do aluno por meio das relações de convivência, uma vez que conviver com o diferente é parte desse processo de formação, até porque, como já mencionamos, é na escola que o aluno desenvolve seus aspectos cognitivos, motores e psicológicos.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    As revela à existência de ações políticas e sociais que possam concretizar e promover a efetividade da inclusão social da pessoa com necessidade educacional especial. Vejo que a sociedade deve compreender como se dá o processo de ensino-aprendizagem da criança com Síndrome de Down na Educação Básica, as dificuldades enfrentadas e as possibilidades e mecanismos de reconhecimento e aceitação dessas limitaçõ

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    No processo de inclusão a escola propõe a conviver com o "diferente", aceitá-lo, auxiliá-lo, e muitas vezes aprender algo com essas crianças. Entretanto para oferecer uma inclusão verdadeira é preciso entender as particularidades das crianças, mediar a socialização de forma que todos trabalham para o aprendizado de cada uma delas, em benefício de todos. Pretendo contribuir com as discussões éticas e educacionais que envolvem a formação da criança Down por meio da educação.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    A educação escolar é um dos contextos em que a criança aprende e desenvolve-se nos aspectos cognitivos, emocional e social. Por isso a necessidade de incluir a criança com necessidades especiais na escola, pois atender a todos é parte do processo educativo, por isso a diversidade cultural e outras questões sociais precisam ser vivenciadas também em sala de aula.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    Apresento algumas características que identificam a criança Down, o conceito de Educação Inclusiva e Educação básica, e da diversidade na educação. Relacionam-se aspectos positivos da inclusão da criança Down na Educação Básica e como deve acontecer essa inclusão, enumerando as dificuldades no processo de inclusão da criança Down na Educação Básica. Conceitua-se a Síndrome de Down e sua identificação, bem como o tratamento e a motivação para inserir a criança com deficiência na Educação Básica.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    O estudo realizado teve como foco principal compreender os avanços no processo de construção do conhecimento dos alunos de uma turma de 3º ano, através dos jogos matemáticos, priorizando, desse modo, a ludicidade no ensino. A pesquisa foi desenvolvida durante o estágio realizado pela acadêmica e pesquisadora junto a uma turma de 3º ano.

    Por: Luziane Da Silva Costal Educaçãol 15/12/2014 lAcessos: 11
    Jaguaracy Conceição

    O Art. 26 - A da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional foi acrescido pela Lei nº 10.639/03 e com redação da Lei nº 11.645/08. De acordo com esse artigo todos os estabelecimentos de ensino fundamental e médio, públicos e privados são obrigados a estudar a história e cultura afro-brasileira e indígena.

    Por: Jaguaracy Conceiçãol Educaçãol 23/11/2014 lAcessos: 28
    Jaguaracy Conceição

    A cada Avaliação de final de Unidade um "tsunami" de notas baixas devasta a caderneta de rendimentos das turmas. Emerge daí uma série de especulações. Para o(a) discente e sua família a culpa é do(a) docente que não sabe ensinar; para o(a) docente a culpa é do corpo discente e da família que não acompanha a aprendizagem dos filhos.

    Por: Jaguaracy Conceiçãol Educação> Ciêncial 02/05/2014 lAcessos: 34
    Jaguaracy Conceição

    O objetivo deste texto é estimular a procura pela melhoria da Avaliação Integrada que vem sendo implantada em algumas escolas. Para tal partiu-se de um acompanhamento feito por um docente de Educação Física em relação à área de Linguagens (Língua Portuguesa, Língua Inglesa, Arte e Educação Física).

    Por: Jaguaracy Conceiçãol Educaçãol 23/12/2013 lAcessos: 78
    Jaguaracy Conceição

    O presente texto tem o intuito de incitar os docentes a uma reflexão sobre a prática avaliativa, vez que, tem sido constatado que o que estamos fazendo é Verificação e não Avaliação. Sabemos que avaliação faz parte do processo ensino-aprendizagem e não pode continuar legitimando o fracasso discente.

    Por: Jaguaracy Conceiçãol Educaçãol 27/06/2013 lAcessos: 60
    Jaguaracy Conceição

    Se a Educação fosse um ser humano poderia haver uma feijoada ou churrasco fazendo "link" com cervejas geladas para prestigiar a efeméride. Como a realidade da Educação em nosso país é bastante controversa, a data poderá passar em brancas nuvens e quiça, tenha algo a festejar. Deixemos de lado comemorações e tais e vamos falar sério sobre Educação, nos reportando ao que explicita a Constituição da República Federativa do Brasil.

    Por: Jaguaracy Conceiçãol Educaçãol 28/04/2013 lAcessos: 21
    Jaguaracy Conceição

    A Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, no seu Capítulo III trata DA EDUCAÇÃO, CULTURA E DO DESPORTO e a Seção I Da Educação. É possível perceber que ela vem sendo constantemente desrespeitada inclusive pelas autoridades públicas que detém o poder de administrar.

    Por: Jaguaracy Conceiçãol Educaçãol 15/04/2013 lAcessos: 37
    Jaguaracy Conceição

    Cotidianamente lemos, assistimos, ouvimos críticas à Escola Pública. As pessoas que fazem as críticas não têm a mínima preocupação em buscar os fatores que fazem com que ela não funcione a contento. Esses fatores são os mais variados possíveis e englobam o Governo, o corpo docente e o discente e a família.

    Por: Jaguaracy Conceiçãol Educaçãol 09/03/2013 lAcessos: 51
    Jaguaracy Conceição

    O Art. 3º da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional(LDBEN) estabelece os princípios que devem ser ministrados pelo ensino. O seu inciso I nos mostra o seguinte: "igualdade de condições para o acesso e permanência na escola".

    Por: Jaguaracy Conceiçãol Educaçãol 03/02/2013 lAcessos: 57

    Comments on this article

    0
    Frances Reis 28/07/2010
    É BOM LER UM ARTIGO COMO ESSE, POIS EVIDENCIA A NECESSIDADE PARTICULAR DO PROFESSOR PARA COM SEU APERFEIÇOAMENTO, NÃO MINIMIZO A RESPONSABILIDADE GOVERNAMENTAL, MAS SALIENTANDO QUE O QUERER INDIVIDUAL É O PRIMEIRO PASSO E CADA EDUCADOR SABE E CONHECE SUAS REAIS NECESSSIDADES QUE POR MUITAS VEZES NADA INTERESSA AO ESTADO... NÃO NOS CABE ALMEJAR POR CONSCIÊNCIA DE NENHUM SISTEMA SE A NOSSA ESTÁ TÃO PEQUENA.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast