Geometria

26/11/2009 • Por • 1,091 Acessos

GEOMETRIA

        “ O USO DA GEOMETRIA NA VIDA DOS ALUNOS “

 

  A palavra Geometria significa, em grego, medir a terra. Os agrimensores egípcios ( 2000 a.C ) recorriam à Geometria para determinar a área de seus campos e para delimitar suas terras quando as cheias anuais do Nilo apagavam marcas anteriores.

                         Por volta de 600 a.C., filósofos e matemáticos gregos, entre eles Tales e Pitágoras, passaram a sistematizar os conhecimentos geométricos da época. Foi, porém, com o matemático grego Euclides ( por volta de 300 a.C.) que a Geometria realmente se desenvolveu, fazendo da cidade egípcia de Alexandria, onde ele vivia, o centro mundial da Geometria. Para Euclides, a Geometria era uma ciência dedutiva cujo desenvolvimento partia de hipóteses básicas: os axiomas ou postulados.

                         Sistematizando os conhecimentos que outros poços antigos haviam adquirido de forma desordenada através do tempo, Euclides deu-lhes ordem lógica, estudando a fundo as propriedades figuras geométricas, as áreas e os volumes.

                         Situar-se, reconhecer a posição dos objetos no espaço, saber orientar-se são competências particularmente importantes. No entanto, são poucos freqüentes, mas são atividades que contribuem para desenvolver tais competências.

                          A capacidade de visualizar é fundamental na geometria, tanto no sentido de captar e interpretar as informações visuais, como no de expressar as imagens mentais por meio de representações, gráficas ou não.

                         Há algum tempo, recomenda-se o estudo de simetria no Ensino Fundamental. Essa indicação justifica-se pela inegável importância do conceito, tanto no campo científico, como nas demais atividades humanas. Simetria é, sem dúvida, um dos princípios básicos para a formulação de modelos matemáticos para os fenômenos naturais. Do ponto de vista matemático, mas não formal, o conceito de simetria envolve três noções básicas: um conjunto de elementos; uma transformação “interna” desse conjunto em si mesmo; a existência de um subconjunto desse conjunto maior, que fica invariante quando submetido a tal transformação. Os exemplos maios simples da simetria surgem, na geometria, nos casos em que o conjunto é o plano, a transformação é uma de suas isometrias e o subconjunto em causa é a figura simétrica em relação a tal isometria.

                        Assim, a Geometria é constantemente aplicada na vida prática: nos projetos de edifícios, pontes, estadas, carros e aviões; na navegação aérea e marítima; na balística; no cálculo do volume de areia, cimento e água, nos moldes de costura.

 

                                REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

GIOVANI & BONJORNO. Matemática Completa. 2ª Série, ensino

    Médio, p. 214, PNLEM 2009/2010/2011, Ministério de Educação.

 

Guia de Livros Didáticos. PNLD 2008. Matemática.

 

Programa Gestão da Aprendizagem Escolar Gestar II. COFES/

   DIPRO/FNDE/MEC

Perfil do Autor

ernandes magalhaes