Imagem De Professor

Publicado em: 26/04/2008 |Comentário: 0 | Acessos: 14,299 |

Imagem de professor

Há algum tempo venho me digladiando com um inimigo que não é facilmente identificável. Cheguei a pensar que encarnava dom Quixote, fazendo carga contra moinhos de vento, como quem deseja vencer um dragão; e nem tinha um Sancho Pança para me fazer companhia.
Mas minha batalha não é quixotesca. O dragão existe... e é cruel. Só que não anda por aí devorando donzelas nem enfrentando príncipes encantados. Esse dragão é meio indefinido na sua caracterização, mas muito eficiente em sua ação... nociva ação. Não é transgênico nem mutante, mas manifesta-se de varias formas.
Estou me referindo ao dragão que há algum tempo vem matando a imagem do professor. Como isso se manifesta?
Respondo: nas políticas de desincentivo à carreira de professor; em políticas salariais que retiram não o poder de compra – que isso os trabalhadores já perderam, faz tempo – mas a possibilidade de aquisição de ingrediente inovadores como livros e cursos de atualização; em legislação que retira (pelo menos na interpretação feita por muitos) a autoridade do professor, dando superpoderes a outros; na agressão física, verbal e institucional que muitos colegas têm sofrido; na desvalorização generalizada desse personagem, sem o qual nenhum imbecil, tirano ou santo conseguiria chegar aos postos de comando: no mundo dos negócios, na política, na sociedade...
O fato é que me sentia sozinho nessa cruzada. Então comecei a ler com mais atenção as manifestações que ocorrem aqui e ali. Foi assim que há alguns dias meus olhos viram uma chamada em um artigo de opinião, assinado pelo sociólogo Marcelo Coelho, na revista Carta na Escola. Só o título já era desafiador: “O status do professor em colapso”. E do ladinho a chamada: “Se autoritarismo e educação não combinam, não vejo como haver educação sem um mínimo de respeito à autoridade”
Para ilustrar sua opinião o sociólogo faz alguns comentários contra o autoritarismo, mas a favor da preservação da autoridade do professor e de sua pessoa, constantemente ameaçados. Diz que “não faltam exemplos – quem trabalha na rede pública ou na particular sabe melhor do que eu – de professores espancados e ameaçados de morte pelos alunos, quando não intimidados pelos pais de alunos ou pelos traficantes que dominam o local”. Isso que ele fala é uma constante em ascensão não só nos grandes centros mas também aqui ao nosso redor. Se você é professor sabe do que estou falando; se não é, veja os noticiários ou procure ouvir o que professores andam falando e como andam falando de seus medos... A evidencia essa tendência de desrespeito que gera o medo oriundo de um histórico de agressões, manifesta-se de duas formas: no crescente abandono da profissão, por parte de profissionais já formados; e na diminuição da procura por cursos de licenciatura, por parte dos candidatos nos vestibulares.

É evidente que em nossa profissão, como em qualquer outra, existem profissionais medíocres. Entre os médicos quantos são os exemplos de falta de profissionalismo ou de ação mercenária. Tanto que se fez necessário uma legislação impedindo a omissão de assistência por falta de pagamento; entre os advogados os exemplos de ação de profissional mau caráter também podem ser enumerados; entre dentistas, entre os contabilistas, entre os políticos, então, os noticiários não dão descanso... por isso não vou dizer que não convivamos com péssimos exemplos de professores. Mas isso não significa que todos os professores são mercenários; da mesma forma que, por eu ter recebido péssimo atendimento de algum médico ou enganado por um advogado, posso sair por ai dizendo que todos são larápios.
O que nos falta, então? A nós professores falta nos deixarem trabalhar.
E se quisermos continuar fazendo comparações, podemos dizer que a pedra preciosa que são os estudantes já é preciosa ao sair de casa. Em nossas mãos deverá receber aquele polimento que a ajudará brilhar. Mas esse brilho já lhe é implícito pela educação trazida do lar. De onde vem esse brilho que nós podemos evidenciar? De algo que vem de casa: dos valores éticos e posturas morais, da educação aprendida no lar, do respeito a si e ao outro, dos limites e concessões estabelecidos pela família, da seriedade com que pais e mães tratam seus filhos. Não podemos transformar um pedregulho num diamante, mas podemos transformar um diamante numa jóia preciosa com valor incalculável. Nós só agregamos valores ao valor que nos é entregue.
Sendo assim, para resgatarmos a autoridade do professor, com a qual ele poderá melhor desempenhar sua função é fazer com que cada instituição cumpra o seu papel para que todos construamos uma sociedade mais habitável. Escola não é casa de correção, mas espaço de ensino. Se os responsáveis pelos delinqüentes fizessem seu trabalho de coibição e correção sobraria espaço, nas escolas e na ação do professor, para desenvolver melhor seu trabalho; se as famílias estabelecerem os limites do que pode e não pode em relação ao outro, o professor poderá exercer melhor seu papel de lapidador de jóias raras. Mas não é o que ocorre. Pelo fato de outras instituições não fazerem aquilo para o que existem, acabam jogando todas as responsabilidades para a escola. E quem leva a chicotada é o professor.
O dragão está solto. Mas não estou só, contra ele. Não sou um novo dom Quixote, nem um vingador solitário. Eu e meus colegas somos professores querendo fazer aquilo que sabemos melhor do que ninguém: ajudar nossos alunos a aprender.

Neri de Paula Carneiro – Mestre em Educação
Filósofo, Teólogo, Historiador
Outras reflexões do professor Neri:
http://falaescrita.blogspot.com/
http://ideiasefatos.spaces.live.com
http://www.webartigos.com/
http://www.artigonal.com/

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/imagem-de-professor-397329.html

    Palavras-chave do artigo:

    educacao

    ,

    relacoes familiares

    ,

    comportamento social

    Comentar sobre o artigo

    ALESSANDRA MESQUITA

    A sexualidade é um componente imprescindível à formação da identidade do indivíduo, portanto, é relevante compreender o termo sexualidade em todas as suas vertentes e com total isenção de preconceitos dos educadores. Identificar o nível de conhecimento dos adolescentes sobre sexualidade, discutir medidas de prevenção para redução de abuso sexual, gravidez precoce e das Doenças Sexualmente Transmissíveis – DST's através de atividades educativas que favoreçam o aprendiazado dos adolescentes.

    Por: ALESSANDRA MESQUITAl Saúde e Bem Estarl 28/12/2010 lAcessos: 1,638
    José Bittencourt da Silva

    O presente artigo objetiva debater outros aspectos da condição humana e social imprescindíveis ao desenvolvimento, como a idéia de capital social, que tem sido posta como elemento capaz de produzir na sociedade a qualidade histórica indispensável ao seu auto-melhoramento. Neste contexto, a Educação é apresentada como a mais importante aliada na formação de sentimentos coletivos em detrimento de condutas individualistas e anti-éticas. Para tanto, fundamentou-se o artigo em pesquis bibliográfica.

    Por: José Bittencourt da Silval Educaçãol 04/09/2009 lAcessos: 2,372
    Garcia,Alessandra A. de M.

    Este artigo é resultado de uma pesquisa etnográfica voltada para problematizar a educação sexual na educação básica, especialmente com alunos de 3º e 2º Ciclo . Propusemos como objetivo compreender, analisar e interpretar de que modo o sexo e a sexualidade se constituintes da personalidade é tratado no processo de escolarização, observando a idade entre 10 e 14 anos. A coleta de dados foi realizada no ano de 2010 e em uma escola estadual do município de Sinop, Mato Grosso.

    Por: Garcia,Alessandra A. de M.l Educaçãol 15/11/2011 lAcessos: 456

    Este trabalho foi elaborado com a intenção de um melhor aprendizado, de melhores experiências e capacitação de produção de aprendizagem do curso de Pedagogia a distância. Com essas experiências, que serão levantadas nas respectivas disciplinas no que se refere aos fundamentos da educação.

    Por: Geórgea Daniela Araujo Bergl Educação> Ensino Superiorl 30/01/2012 lAcessos: 6,313
    Agta Amorim

    Este artigo tem por objetivo compreender como a política do Sistema Único da Assistência Social tem refletido na Instituição de Acolhimento de Crianças e Adolescentes (Casa-Lar) e assim identificar como o assistente social atua neste território. Mesmo que se trate de uma política voltada à um publico em vulnerabilidade social, as crianças tem sido assistidas em sua integralidade, buscando reintegrá-las a um lar que possa amá-las e respeitá-las como crianças e adolescentes portadoras de direi

    Por: Agta Amoriml Lar e Família> Adolescentesl 05/09/2014 lAcessos: 50
    Marcelo Gomes González

    O Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil é um documento que equivale aos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs), já que foi criado pelo MEC em 1998. No entanto, há um debate ferrenho entre as grandes esferas da administração é o fato desse nível de ensino compor a Educação Básica, mas ser posta de forma facultada, fazendo com que, muita das vezes, não seja cursada pela criança, que fica com um ensino deficitário na base do conhecimento.

    Por: Marcelo Gomes Gonzálezl Educação> Educação Infantill 17/10/2012 lAcessos: 666

    Este trabalho científico contempla de maneira sucinta a Educação Inclusiva e a importância do psicopedagogo na área social e educacional, em especial a inclusão das crianças e adolescentes no âmbito da educação do Ensino Infantil ao Ensino Superior como também as questões de fazer valer à integração das leis na educação e da concepção da Psicopedagogia na formação das pessoas com necessidades especiais no âmbito escolar e social, utilizando a Prática pedagógica, da afetividade, da dedicação e do

    Por: Maria Ivanilda Campos Pinheirol Educação> Educação Infantill 02/12/2011 lAcessos: 2,448

    O trabalho ressalta algumas considerações sobre o conceito de Infância; A singularidade de atendimento na Educação Infantil; Traço algumas nuances imprescindíveis na organização do Espaço e do tempo na Educação Infantil; E por último analiso a contribuição da organização dos espaços para o desenvolvimento, a adaptação e autonomia da criança na Educação Infantil.

    Por: Simone Barbosa de Limal Educação> Educação Infantill 15/10/2013 lAcessos: 64

    A educação como arte suprema no processo cognitivo consolida a prática da convivência através de metodologias flexíveis e participativas na construção civil, elevando em alto nível as atividades comportamentais entre os funcionários, integrando-os na cultura e filosofia da empresa. Estas organizações empresariais, fruto dos anseios de uma ética profissional de caráter humanístico, facilitam a eficácia dos serviços, mão-de-obra e satisfação pessoal de todos os seus partícipes. Ao privilegiar a ab

    Por: Aparecido Fujimotol Educação> Ensino Superiorl 09/07/2008 lAcessos: 44,711 lComentário: 9

    O presente texto não tem a pretensão de esgotar os conhecimentos sobre a relação Estado-Sociedade, bem pelo contrario, tal tema é bastante amplo e complexo, sendo impossível conceituar o mesmo em poucas palavras, ate mesmo por que se trata de pontos de vistas distintos sobre o mesmo assunto

    Por: Robson Stigarl Educação> Ensino Superiorl 22/03/2010 lAcessos: 3,839

    Com o advento da globalização, a educação é tida como o maior recurso de que se dispõe para enfrentar essa nova estruturação mundial. Objetiva-se evidenciar a importância dos alunos encontrarem na escola não só evidências de seu próprio mundo, mas também aparato capaz de os "cunharem" para uma participação social plena e não "fatiada", como sugere o estudo por disciplinas. Jovens e adultos, público cada vez mais informatizado, exige que as disciplinas deixem de ser apresentadas de forma isolada.

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    A expressão artística faz parte da história humana desde os tempos mais remotos. Sendo assim, a Arte é um dos modos de conhecimento ao qual os estudantes devem também ter acesso, assumindo-se como sujeitos capazes de apreciação estética e criação artística, articuladas aos processos e mediações da cultura contemporânea. Diante das mudanças pelas quais o ensino-aprendizagem de Arte passou, vê-se a necessidade de discorrer a respeito da presença desta disciplina no currículo escolar, revendo sua i

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    Sabe-se que a educação é responsável pela formação do aluno enquanto cidadão, de maneira a prepará-lo para a vida em sociedade, para que saiba atuar criticamente nesse meio. Assim, a escola inclusiva busca complementar a formação do aluno por meio das relações de convivência, uma vez que conviver com o diferente é parte desse processo de formação, até porque, como já mencionamos, é na escola que o aluno desenvolve seus aspectos cognitivos, motores e psicológicos.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    As revela à existência de ações políticas e sociais que possam concretizar e promover a efetividade da inclusão social da pessoa com necessidade educacional especial. Vejo que a sociedade deve compreender como se dá o processo de ensino-aprendizagem da criança com Síndrome de Down na Educação Básica, as dificuldades enfrentadas e as possibilidades e mecanismos de reconhecimento e aceitação dessas limitaçõ

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    No processo de inclusão a escola propõe a conviver com o "diferente", aceitá-lo, auxiliá-lo, e muitas vezes aprender algo com essas crianças. Entretanto para oferecer uma inclusão verdadeira é preciso entender as particularidades das crianças, mediar a socialização de forma que todos trabalham para o aprendizado de cada uma delas, em benefício de todos. Pretendo contribuir com as discussões éticas e educacionais que envolvem a formação da criança Down por meio da educação.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    A educação escolar é um dos contextos em que a criança aprende e desenvolve-se nos aspectos cognitivos, emocional e social. Por isso a necessidade de incluir a criança com necessidades especiais na escola, pois atender a todos é parte do processo educativo, por isso a diversidade cultural e outras questões sociais precisam ser vivenciadas também em sala de aula.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    Apresento algumas características que identificam a criança Down, o conceito de Educação Inclusiva e Educação básica, e da diversidade na educação. Relacionam-se aspectos positivos da inclusão da criança Down na Educação Básica e como deve acontecer essa inclusão, enumerando as dificuldades no processo de inclusão da criança Down na Educação Básica. Conceitua-se a Síndrome de Down e sua identificação, bem como o tratamento e a motivação para inserir a criança com deficiência na Educação Básica.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    O estudo realizado teve como foco principal compreender os avanços no processo de construção do conhecimento dos alunos de uma turma de 3º ano, através dos jogos matemáticos, priorizando, desse modo, a ludicidade no ensino. A pesquisa foi desenvolvida durante o estágio realizado pela acadêmica e pesquisadora junto a uma turma de 3º ano.

    Por: Luziane Da Silva Costal Educaçãol 15/12/2014 lAcessos: 11

    Sugestões com técnicas de estudo e leitura. Texto destinado a estudantes do ensino médio. pode ser aproveitado por todo leitor

    Por: NERI P. CARNEIROl Educação> Ciêncial 10/08/2014 lAcessos: 21

    A III Conferencia Nacional da Cultura nos propõe algumas reflexões não só sobre cultura, mas principalmente sobre o direito à cultura

    Por: NERI P. CARNEIROl Educaçãol 07/07/2013 lAcessos: 43

    Percebeste o crescimento da violência em nossa sociedade? para minimizar a violência nos tornamos mais violentos. Isso não é novo, apenas evidencia uma característica do ser humano: a crueldade que produz violência. Produz situações de maldade e age violentamente de forma intencional. Não falo apenas pelo que fazem os bandidos, mas também a partir dos tiros da polícia, institucionalisando a violência. Maquiavel e Nietzsche, comentam isso.

    Por: NERI P. CARNEIROl Educaçãol 12/10/2009 lAcessos: 463

    Faço aqui um manifesto ecológico em favor das sacolas de plástico. E não estou louco – a não ser de ira contra os aproveitadores!!! Um equívoco está se alastrando: a necessidade de por fim às sacolas plásticas, no comércio. Isso é engodo em nome do lucro.

    Por: NERI P. CARNEIROl Educaçãol 09/10/2009 lAcessos: 720 lComentário: 1

    Para nós que as enfrentamos ou sofremos suas conseqüências, as crises, catástrofes, cataclismos, tragédias, ou grandes acidentes – depende de como as queiramos denominar – não são bem vindas. Mas as tragédias são o prato principal, do qual se nutre a imprensa e são esperadas ou buscadas – ou fabricadas – para deleite do sensacionalismo, principalmente televisivo. Exemplo típico está ocorrendo agora.

    Por: NERI P. CARNEIROl Educação> Ciêncial 11/05/2009 lAcessos: 391

    No livro de Atos dos Apóstolos encontramos uma das passagens mais controvertidas, discutidas e, ao mesmo tempo, belas, do Novo testamento. Trata-se At, 2,1-11 que se popularizou como fundamentação para a festa do Pentecostes.

    Por: NERI P. CARNEIROl Religião & Esoterismo> Religiãol 22/01/2009 lAcessos: 1,109 lComentário: 2

    Em se tratando de estudos bíblicos nem tudo são certezas e unanimidade. Existem contradições em relação às opiniões e conclusões. Uma delas é em relação a Lucas e à autoria do evangelho de Lucas e os Atos dos Apóstolos. A tradição cristã atribui tanto o texto do quarto Evangelho como o de Atos dos Apóstolos a Lucas, médico mencionado por Paulo em 2Tm 4,11; Cl 4,14 e Fm 24. Alguns autores, entretanto, preferem dizer que ambos são personagens distintos

    Por: NERI P. CARNEIROl Religião & Esoterismo> Religiãol 22/01/2009 lAcessos: 4,248

    A historicidade da Bíblia é, muitas vezes, colocada como argumento de fé. Muitas vezes a Bíblia é usada de forma definitiva, sem considerar elementos simbólicos e textuais que não podem ser desconsiderados. Se for encarada dessa forma tanto a fé como a razão tem que se submeter a algumas contradições textuais que estão presentes no texto bíblico.

    Por: NERI P. CARNEIROl Religião & Esoterismo> Religiãol 22/01/2009 lAcessos: 1,736 lComentário: 1
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast