Imagem De Professor

26/04/2008 • Por • 14,314 Acessos

Imagem de professor

Há algum tempo venho me digladiando com um inimigo que não é facilmente identificável. Cheguei a pensar que encarnava dom Quixote, fazendo carga contra moinhos de vento, como quem deseja vencer um dragão; e nem tinha um Sancho Pança para me fazer companhia.
Mas minha batalha não é quixotesca. O dragão existe... e é cruel. Só que não anda por aí devorando donzelas nem enfrentando príncipes encantados. Esse dragão é meio indefinido na sua caracterização, mas muito eficiente em sua ação... nociva ação. Não é transgênico nem mutante, mas manifesta-se de varias formas.
Estou me referindo ao dragão que há algum tempo vem matando a imagem do professor. Como isso se manifesta?
Respondo: nas políticas de desincentivo à carreira de professor; em políticas salariais que retiram não o poder de compra – que isso os trabalhadores já perderam, faz tempo – mas a possibilidade de aquisição de ingrediente inovadores como livros e cursos de atualização; em legislação que retira (pelo menos na interpretação feita por muitos) a autoridade do professor, dando superpoderes a outros; na agressão física, verbal e institucional que muitos colegas têm sofrido; na desvalorização generalizada desse personagem, sem o qual nenhum imbecil, tirano ou santo conseguiria chegar aos postos de comando: no mundo dos negócios, na política, na sociedade...
O fato é que me sentia sozinho nessa cruzada. Então comecei a ler com mais atenção as manifestações que ocorrem aqui e ali. Foi assim que há alguns dias meus olhos viram uma chamada em um artigo de opinião, assinado pelo sociólogo Marcelo Coelho, na revista Carta na Escola. Só o título já era desafiador: “O status do professor em colapso”. E do ladinho a chamada: “Se autoritarismo e educação não combinam, não vejo como haver educação sem um mínimo de respeito à autoridade”
Para ilustrar sua opinião o sociólogo faz alguns comentários contra o autoritarismo, mas a favor da preservação da autoridade do professor e de sua pessoa, constantemente ameaçados. Diz que “não faltam exemplos – quem trabalha na rede pública ou na particular sabe melhor do que eu – de professores espancados e ameaçados de morte pelos alunos, quando não intimidados pelos pais de alunos ou pelos traficantes que dominam o local”. Isso que ele fala é uma constante em ascensão não só nos grandes centros mas também aqui ao nosso redor. Se você é professor sabe do que estou falando; se não é, veja os noticiários ou procure ouvir o que professores andam falando e como andam falando de seus medos... A evidencia essa tendência de desrespeito que gera o medo oriundo de um histórico de agressões, manifesta-se de duas formas: no crescente abandono da profissão, por parte de profissionais já formados; e na diminuição da procura por cursos de licenciatura, por parte dos candidatos nos vestibulares.
É evidente que em nossa profissão, como em qualquer outra, existem profissionais medíocres. Entre os médicos quantos são os exemplos de falta de profissionalismo ou de ação mercenária. Tanto que se fez necessário uma legislação impedindo a omissão de assistência por falta de pagamento; entre os advogados os exemplos de ação de profissional mau caráter também podem ser enumerados; entre dentistas, entre os contabilistas, entre os políticos, então, os noticiários não dão descanso... por isso não vou dizer que não convivamos com péssimos exemplos de professores. Mas isso não significa que todos os professores são mercenários; da mesma forma que, por eu ter recebido péssimo atendimento de algum médico ou enganado por um advogado, posso sair por ai dizendo que todos são larápios.

O que nos falta, então? A nós professores falta nos deixarem trabalhar.
E se quisermos continuar fazendo comparações, podemos dizer que a pedra preciosa que são os estudantes já é preciosa ao sair de casa. Em nossas mãos deverá receber aquele polimento que a ajudará brilhar. Mas esse brilho já lhe é implícito pela educação trazida do lar. De onde vem esse brilho que nós podemos evidenciar? De algo que vem de casa: dos valores éticos e posturas morais, da educação aprendida no lar, do respeito a si e ao outro, dos limites e concessões estabelecidos pela família, da seriedade com que pais e mães tratam seus filhos. Não podemos transformar um pedregulho num diamante, mas podemos transformar um diamante numa jóia preciosa com valor incalculável. Nós só agregamos valores ao valor que nos é entregue.
Sendo assim, para resgatarmos a autoridade do professor, com a qual ele poderá melhor desempenhar sua função é fazer com que cada instituição cumpra o seu papel para que todos construamos uma sociedade mais habitável. Escola não é casa de correção, mas espaço de ensino. Se os responsáveis pelos delinqüentes fizessem seu trabalho de coibição e correção sobraria espaço, nas escolas e na ação do professor, para desenvolver melhor seu trabalho; se as famílias estabelecerem os limites do que pode e não pode em relação ao outro, o professor poderá exercer melhor seu papel de lapidador de jóias raras. Mas não é o que ocorre. Pelo fato de outras instituições não fazerem aquilo para o que existem, acabam jogando todas as responsabilidades para a escola. E quem leva a chicotada é o professor.
O dragão está solto. Mas não estou só, contra ele. Não sou um novo dom Quixote, nem um vingador solitário. Eu e meus colegas somos professores querendo fazer aquilo que sabemos melhor do que ninguém: ajudar nossos alunos a aprender.

Neri de Paula Carneiro – Mestre em Educação
Filósofo, Teólogo, Historiador
Outras reflexões do professor Neri:
http://falaescrita.blogspot.com/
http://ideiasefatos.spaces.live.com
http://www.webartigos.com/
http://www.artigonal.com/

Perfil do Autor

NERI P. CARNEIRO

Concluí mestrado em Educação (UFMS), especialização em Educação (UNESC-Cacoal-RO), especialização em Metodologia do Ensino Superior...