Inclusão? Só Se For Com Aprendizagem!

Publicado em: 20/01/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 1,247 |

1- INTRODUÇÃO

Cada vez mais se discute o paradigma da inclusão escolar. Além da sistematização do aporte teórico sobre o ensino educação especial, dados obtidos em diversos documentos oficiais do MEC (PCN’s, 2000) e nos conteúdos do programa da Secretaria Estadual de Educação, especialmente as habilidades e competências, analisou-se in loco o objeto de estudo, observando informalmente alunos surdos incluídos, a fim de estabelecer um contato mais próximo entre as diversas barreiras da inclusão: Atitudes negativas em relação à deficiência por sujeitos que tem atuado na educação dos surdos; pois essa tem sido uma das principais dificuldades para que as escolas adotem a inclusão efetivamente, não só pelo imperativo moral e legal, como também pelo desempenho acadêmico do aluno surdo, tanto quanto de qualquer outro.

2- PROBLEMA

Muitas dificuldades são encontradas para a inclusão de surdos no ensino regular.

De forma substancial, no final da década de 90 no Brasil há um crescente estímulo ao uso de sinais, enquanto Língua oficial da comunidade surda brasileira (e de cada país). Hoje em dia a lei garante a LIBRAS como primeira língua da comunidade surda sendo seguida pela Língua portuguesa. (GOLDFELD, 2002)

Hoje o Movimento de inserção, educação, inclusão do surdo é o denominado Bilingüismo, que justamente estimula as duas formas de comunicação do surdo, de modo complementar: a fala/leitura labial e o uso da LIBRAS. 

3.- OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Compreender a importância do ensino de LIBRAS para os sujeitos com surdez incluídos no ensino regular.

Compreender o papel do professor inclusivo do ensino regular, não-especializado em Deficiência Auditiva, e que portanto, não domina LIBRAS, na inclusão do surdo.

Entender o paradigma da inclusão dos surdos na perspectiva histórica do oralismo e do bilingüismo.

4- JUSTIFICATIVA

Estamos com os dias contados segundo a lei federal de número 10.436 de 24 de abril de 2002, no que concerne ao domínio da LIBRAS no contexto da escola inclusiva. Por estarmos a caminho do profissionalismo educacional precisamos dominar a Língua Brasileira de Sinais para a facilitação da comunicação com pessoas surdas, bem como a ensinar aos demais alunos a forma adequada de fazê-la, por meio da língua natural dos surdos que é composta de gestos e expressões.

5- FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

5.1- LIBRAS: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS

Muitas pessoas acreditam que as línguas de sinais são somente um conjunto de gestos que interpretam as línguas orais. Acredita-se também que somente existe uma língua de sinais no mundo, mas assim como as pessoas ouvintes em países diferentes falam diferentes línguas, também as pessoas surdas por toda parte do mundo que estão inseridas em “culturas surdas”, possuem suas próprias línguas, existindo portanto, muitas línguas de sinais diferentes, como: língua de sinais francesa, chilena, portuguesa, americana, argentina, venezuelana, japonesa, chinesa. O estudo dos surdos mostra-nos que boa parte do que é distintivamente humano em nós é a capacidade de linguagem e pensamento. Essa mudança alterou na postura tanto do aluno surdo como em toda equipe pedagógica da escola inclusiva.

Os sinais são formados à partir da combinação do movimento das mãos com um determinado formato em um determinado lugar, podendo este lugar ser uma parte do corpo ou um espaço em frente ao corpo.

A lei nº 10.436 de 24 de abril de 2002, dispões a LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais reconhecendo a mesma como meio legal de comunicação e expressão da comunidade surda do país. Nenhum ano foi desperdiçado até agora pela maioria dos países. A inclusão social depende da igualdade ou das diferenças?

As duas coisas. Cabe ao professor reconhecer essa nova função e lutar pelos necessários recursos para participar do planejamento e complementações das tarefas dos alunos com necessidades educacionais especiais. A aprendizagem da LIBRAS implica além das relações didáticas efetivas, traduzidas na presença, no mínimo, do intérprete na sala de aula inclusiva, mesmo que exista um único aluno surdo sequer, e ainda: o despertar as emoções, reflexões dos valores por outros jeitos de pensar/agir através da língua de sinais. Nesse sentido é importante a família priorizar quanto mais cedo conseguir, questões relacionadas à aquisição de desenvolvimento da linguagem oral, concomitantemente ao aprendizado da Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS.

Algumas investigações atuais acerca da inclusão dos surdos, abordam a compreensão da língua portuguesa como segunda língua e a língua brasileira de sinais como língua materna da comunidade surda, conforme já citado, e a partir disso aprofundam análises no aprendizado da leitura e escrita da língua portuguesa pelo surdo, bem como a interpretação por parte destes. Isto tem se constituído uma das maiores mazelas na inclusão do surdo: o ensino aprendizagem da língua portuguesa, assunto que deverá ser abordado e estudado cada vez mais pelos pesquisadores do tema.

BIBLIOGRAFIA

GOLDEFELD, Márcia. A criança surda. São Paulo: Plexus editora, 2002.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/inclusao-so-se-for-com-aprendizagem-1752007.html

    Palavras-chave do artigo:

    libras ensino de lingua portuguesa para surdos inclusao

    Comentar sobre o artigo

    Com a inclusão de deficientes auditivos nas escolas regulares, põe-se a questionar sobre a qualificação dos profissionais da educação em letras, sabendo-se que a língua portuguesa, por ser a língua pátria, e a de maior importância para a vivência, é uma forma de uma melhor inserção de conhecimentos e de adaptação. Buscam-se assim formas de melhor preparar estes profissionais para o convívio e o ensino qualificados destes cidadãos.

    Por: JAQUELINE BERNARDI TRENTINIl Educação> Ensino Superiorl 09/10/2012 lAcessos: 222
    Elisangela de Jesus

    Esta pesquisa foi realizada pela necessidade do mundo atual de alfabetização dos deficientes auditivos para uma melhor comunicação com a sociedade ouvinte, de forma, a garantir a socialização e a preparação para a vida profissional. Diante da evidencia que o problema da alfabetização de alunos surdos na escola existe e que os educadores não sabem como agir com essa dificuldade, considera-se importante que exista um estudo que mostre como trabalhar com alunos portadores de deficiência auditiva.

    Por: Elisangela de Jesusl Educação> Educação Infantill 22/06/2011 lAcessos: 7,274

    O presente trabalho visa contribuir para as discussões em torno da importância das línguas de sinais na formação do indivíduo surdo. Para tanto, pretende abordar como o surdo é visto na sociedade ouvinte, qual a importância da Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) para a formação do sujeito surdo, como se dá o processo de aquisição da LIBRAS e qual o resultado de um retardamento nesse processo de aquisição.

    Por: Tathiany Andradel Educação> Línguasl 14/10/2008 lAcessos: 2,211 lComentário: 3

    Dalva Aparecida Lira de Araújo RESUMO: O presente artigo tem por objetivo conhecer os métodos usados pelos professores que atuam nas escolas inclusivas de ensino fundamental e que trabalham com crianças com deficiência auditiva e nunca freqüentaram um curso de libras (Língua Brasileira de Sinais). Trata-se de um estudo bibliográfico onde se conclui que a Libras ainda seja um tabu para muitos professores que ainda não tiveram a oportunidade de conhecê-la dentro da unidade escolar em que atua.

    Por: Dalva Aparecida Lira de Araújol Educação> Ensino Superiorl 21/09/2010 lAcessos: 1,134
    Inez Kwiecinski

    A ação docente para trabalhar com os surdos deve ser criativa, responsável e interativa. O Decreto º 5626 de 22/12/05, trata da inclusão da LIBRAS como disciplina curricular nos cursos de formação de professores, entretanto grande número de professores se mostram inadequadamente preparados para absorver esta preparação, seja por desconhecem ou por não se considerarem com habilidades adequadas para o uso desta língua.

    Por: Inez Kwiecinskil Educação> Línguasl 24/10/2010 lAcessos: 1,089 lComentário: 1

    O presente artigo tem como proposta trazer temas questionadores e atualizados com relação á Deficiência Auditiva. No passado, costumava-se achar que a surdez era acompanhada por algum tipo de déficit de inteligência. Entretanto, com a inclusão dos surdos no processo educativo, compreendeu-se que eles, em sua maioria, não tinham a possibilidade de desenvolver a inteligência em virtude dos poucos estímulos que recebiam e que isto era devido à dificuldade de comunicação entre surdos e ouvintes.

    Por: LUCIANA DE SOUSA SANTOSl Educação> Ensino Superiorl 01/11/2012 lAcessos: 247

    A língua de sinais tem como objetivo promover a comunicação entre as pessoas surdas e ouvintes. A Libras, após anos de lutas, foi oficialmente reconhecida como segunda língua oficial do país, com a promulgação da Lei nº 10.436/02 e do Decreto n° 5.626/05, que propõe alterações nos currículos dos cursos de licenciaturas e Fonoaudiologia, como isso a pessoa surda passa a ganhar mais espaço na sociedade como cidadão.

    Por: JOSÉ CLÉCIO SILVA DE SOUZAl Educação> Línguasl 13/06/2012 lAcessos: 392
    Tania Maria da Silva Nogueira

    A Educação Integral aponta para a formação do individuo sob vários aspectos, inclusive a construção de valores que o acompanharão vida afora, dentro e fora da escola, conceitos que oportunizarão aluno interagir com o mundo, com a sociedade da qual ele faz parte, com o outro e com a cultura da qual interage através de construções historicamente formuladas

    Por: Tania Maria da Silva Nogueiral Educaçãol 01/09/2013 lAcessos: 64
    Laine Reis Araújo

    Reflexão sobre as contribuições da Lei 10.436 de LIBRAS é o tema de pesquisa deste artigo. Buscou-se, com base nos preceitos constitucionais e legais atinentes à matéria, elucidar o que a lei 10.436 representa contribuindo para que o tema seja conhecido e entendido, especialmente, dentro do contexto em que se inserem os surdos na sociedade atual. A lei 10.436 contribui diretamente para a fomentação de politicas de inclusão do surdo ao observar suas necessidades especiais.

    Por: Laine Reis Araújol Direito> Legislaçãol 04/03/2012 lAcessos: 8,568

    Com o advento da globalização, a educação é tida como o maior recurso de que se dispõe para enfrentar essa nova estruturação mundial. Objetiva-se evidenciar a importância dos alunos encontrarem na escola não só evidências de seu próprio mundo, mas também aparato capaz de os "cunharem" para uma participação social plena e não "fatiada", como sugere o estudo por disciplinas. Jovens e adultos, público cada vez mais informatizado, exige que as disciplinas deixem de ser apresentadas de forma isolada.

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    A expressão artística faz parte da história humana desde os tempos mais remotos. Sendo assim, a Arte é um dos modos de conhecimento ao qual os estudantes devem também ter acesso, assumindo-se como sujeitos capazes de apreciação estética e criação artística, articuladas aos processos e mediações da cultura contemporânea. Diante das mudanças pelas quais o ensino-aprendizagem de Arte passou, vê-se a necessidade de discorrer a respeito da presença desta disciplina no currículo escolar, revendo sua i

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    Sabe-se que a educação é responsável pela formação do aluno enquanto cidadão, de maneira a prepará-lo para a vida em sociedade, para que saiba atuar criticamente nesse meio. Assim, a escola inclusiva busca complementar a formação do aluno por meio das relações de convivência, uma vez que conviver com o diferente é parte desse processo de formação, até porque, como já mencionamos, é na escola que o aluno desenvolve seus aspectos cognitivos, motores e psicológicos.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    As revela à existência de ações políticas e sociais que possam concretizar e promover a efetividade da inclusão social da pessoa com necessidade educacional especial. Vejo que a sociedade deve compreender como se dá o processo de ensino-aprendizagem da criança com Síndrome de Down na Educação Básica, as dificuldades enfrentadas e as possibilidades e mecanismos de reconhecimento e aceitação dessas limitaçõ

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    No processo de inclusão a escola propõe a conviver com o "diferente", aceitá-lo, auxiliá-lo, e muitas vezes aprender algo com essas crianças. Entretanto para oferecer uma inclusão verdadeira é preciso entender as particularidades das crianças, mediar a socialização de forma que todos trabalham para o aprendizado de cada uma delas, em benefício de todos. Pretendo contribuir com as discussões éticas e educacionais que envolvem a formação da criança Down por meio da educação.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    A educação escolar é um dos contextos em que a criança aprende e desenvolve-se nos aspectos cognitivos, emocional e social. Por isso a necessidade de incluir a criança com necessidades especiais na escola, pois atender a todos é parte do processo educativo, por isso a diversidade cultural e outras questões sociais precisam ser vivenciadas também em sala de aula.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    Apresento algumas características que identificam a criança Down, o conceito de Educação Inclusiva e Educação básica, e da diversidade na educação. Relacionam-se aspectos positivos da inclusão da criança Down na Educação Básica e como deve acontecer essa inclusão, enumerando as dificuldades no processo de inclusão da criança Down na Educação Básica. Conceitua-se a Síndrome de Down e sua identificação, bem como o tratamento e a motivação para inserir a criança com deficiência na Educação Básica.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    O estudo realizado teve como foco principal compreender os avanços no processo de construção do conhecimento dos alunos de uma turma de 3º ano, através dos jogos matemáticos, priorizando, desse modo, a ludicidade no ensino. A pesquisa foi desenvolvida durante o estágio realizado pela acadêmica e pesquisadora junto a uma turma de 3º ano.

    Por: Luziane Da Silva Costal Educaçãol 15/12/2014 lAcessos: 11
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast