Intervenções Pedagógicas Nas Dificuldades De Aprendizagem

Publicado em: 09/09/2009 |Comentário: 104 | Acessos: 19,869 |

INTERVENÇÕES PEDAGÓGICAS NAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM

PROFª IARA SILVIA ARFELLI MARTINS

Não há dúvidas que, para “o fazer” cotidiano dos professores, constitui um importante problema abordar o desafio colocado por um considerável número de alunos que, sem deficiência mental, nem sensorial, nem privação ambiental, não alcançam rendimentos inicialmente esperados em suas aprendizagens.

 

O que são realmente as dificuldades de aprendizagem?

A literatura sobre as dificuldades de aprendizagem se caracteriza por um conjunto desestruturado de argumentos contraditórios.

Apesar do conceito de dificuldades de aprendizagem apresentar diversas definições e ainda ser um pouco ambíguo, é necessário que tentemos determinar à que fazemos referência com tal expressão ou etiqueta diagnóstica, de modo que se possa reduzir a confusão com outros termos tais como “necessidades educativas especiais”, “inadaptações por déficit socioambiental” etc.,.

Podemos assinalar como elementos de definição mais relevantes:

                  A criança com transtornos de aprendizagem tem uma linha desigual em seu desenvolvimento.

                  Seus problemas de aprendizagem não são causados por pobreza ambiental.

                  Os problemas não são devidos a atraso mental ou transtornos emocionais.

Em síntese, só é procedente falar em dificuldades de aprendizagem quando fazemos referência a alunos que:

                  Têm um quociente intelectual normal, ou muito próximo da normalidade, ou ainda, superior.

                  Seu ambiente sócio familiar é normal.

A literatura sobre as dificuldades de aprendizagem se caracteriza por um mero acaso sobre a Teoria do Déficit.

                  Não apresentam deficiências sensoriais nem afecções neurológicas significativas.

                  Seu rendimento escolar é manifesto e reiteradamente insatisfatório.

O que podemos observar, de modo geral, em alunos com dificuldades de aprendizagem incluem problemas mais localizados nos campos da conduta e da aprendizagem, dos seguintes tipos:

Atividade motora: hiperatividade ou hipoatividade, dificuldade de coordenação…..,

Atenção: baixo nível de concentração, dispersão…,

Área matemática: problemas em seriações, inversão de números, reiterados erros de cálculo …,

Área verbal: problemas na codificação/ decodificação simbólica, irregularidades na lectoescrita, disgrafías …,

Emoções: desajustes emocionais leves, baixa auto-estima …,

Memória: dificuldades de fixação …,

Percepção: reprodução inadequada de formas geométricas, confusão entre figura e fundo, inversão de letras …,

Sociabilidade: inibição participativa, pouca habilidade social, agressividade.

Bem, e daí? Somos professores e os alunos estão em nossas escolas, em nossas classes. O que fazer?

Assumamos com todos os nossos conhecimentos, com toda nossa dedicação, os princípios da normalização e individualização do ensino, optando pela compreensão ao invés da exclusão. Esta é uma visão que tenta superar a concepção patológica tradicional dos problemas escolares que se apóia em enfoques clínicos centrados nos déficits dos alunos e em tratamentos psico-terapêuticos em anexo aos processos escolares.

Partindo da realidade plenamente constatada que todos os alunos são diferentes, tanto em suas capacidades, quanto em suas motivações, interesses, ritmos evolutivos, estilos de aprendizagem, situações ambientais, etc. , e entendendo que todas as dificuldades de aprendizagem são em si mesmas contextuais e relativas, é necessário colocar o acento no próprio processo de interação ensino/aprendizagem.

Sabemos que este é um processo complexo em que estão incluídas inúmeras variáveis: aluno, professor, concepção e organização curricular, metodologias, estratégias, recursos. Mas, a aprendizagem do aluno não depende somente dele, e sim do grau em que a ajuda do professor esteja ajustada ao nível que o aluno apresenta em cada tarefa de aprendizagem. Se o ajuste entre professor e aprendizagem do aluno for apropriado, o aluno aprenderá e apresentará progressos, qualquer que seja o seu nível.

É óbvio a grande dificuldade que os professores sentem quando se deparam com alunos que se lhes apresenta como com “dificuldades de aprendizagem”. Nessa altura do texto, coloco “dificuldades de aprendizagem” entre aspa, pois, muitas vezes me pergunto, se estas dificuldades são de ensino ou de aprendizagem. Ambas estão juntas, é difícil dizer qual das duas tem mais peso.

O que acontece quando o docente se esquece que a escola é um universo heterogêneo, tal como a sociedade? Devemos ter em mente que nem todos aprendem da mesma maneira, que cada um aprende a seu ritmo e em seu nível. Precisamos criar novos contextos que se adaptem às individualidades dos alunos, partindo do que cada um sabe, de suas potencialidades e não de suas dificuldades.

Didática: fator de prevenção

De acordo com Blin (2005) sem subestimar o efeito de fatores externos à escola, variadas pesquisas sobre a eficácia do ensino têm demonstrado a influência dos professores e da maneira como conduzem a ação pedagógica, não somente sobre a forma como se dá a aprendizagem dos alunos, mas também sobre o modo com que se comportam em aula. O conhecimento dos processos associados ao ato de aprender e uma prática didática capaz de facilitá-los pode minimizar grande parte dos problemas e dos rótulos colocados nos alunos com “dificuldades de aprendizagem”.

—"Ora, é impossível dar  mais atenção para alguns alunos, com as classes lotadas e com o programa que tem de ser igual para todos. Somos cobrados pelos pais, principalmente os das escolas particulares". (uma professora de 4ª série do E.F I)

Segundo Perrenoud (2001) pode-se duvidar que, mesmo em uma classe tradicional em que se pratica o ensino frontal, que o professor se dirija constantemente a todos os alunos, que cada um deles receba a mesma orientação, as mesmas tarefas, os mesmos recursos. E, coloca três motivos para isto:

                  O professor interage seletivamente com os alunos e, por isso, alguns têm, mais que outros, a experiência de serem ouvidos ou questionados, felicitados ou repreendidos. Pergunta ele: quanto à comunicação não verbal, como ela poderia ser padronizada?

                  Mesmo nessas classes tradicionais, muitas vezes o trabalho é realizado em grupos, e o professor circula como um recurso para atender os alunos.

                  A diversidade dos ritmos de trabalho pode levar ao enriquecimento ou ao empobrecimento das tarefas. Assim, sempre há aqueles que terminam primeiro e têm tempo para brincar, ler, enquanto outros demoram para terminar e é preciso esperá-los.

Coloca ainda o autor: "Se considerarmos o currículo real como uma série de experiências, chegaremos, grosso modo, a uma conclusão evidente: o currículo real é personalizado, dois indivíduos nunca seguem exatamente o mesmo percurso educativo, mesmo se permanecerem de mãos dadas durante anos".

O que Perrenoud deixa claro, é que individualização de itinerários educativos é possível para os professores, pois ao invés de uma individualização deixada ao acaso, "pode ser feita uma individualização deliberada e pertinente dos aos projetos e às necessidades diferentes dos indivíduos".(obra citada)

Alunos que reprovam vários anos na mesma série são mais comuns do que se pode imaginar. Essas crianças sentem que a escola não foi feita para eles e se evadem. Segundo Freire (1999, p.35), “os alunos não se evadem da escola, a escola é que os expulsa”.  Quem realmente falhou, o aluno ou a escola? Esses alunos reprovados retornarão no ano seguinte?

Uma criança curiosa que está descobrindo o mundo e suas possibilidades não progrediu nada em um ano, dois ou três. . . Isto nos faz questionar o atual sistema de ensino, pois, parece-nos que busca uma produção em série e com isso apenas evidencia as diferenças sem nada fazer por elas.

Vários autores, como Sara Pain, Alicia Fernández, Maria Lucia Weiss, chamam atenção para o fato de que a maior percentual de fracasso na produção escolar, de crianças encaminhadas a consultórios e clínicas, encontram-se no âmbito do problema de aprendizagem reativo, produzido e incrementado pelo próprio ambiente escolar. (WEISS et. al, 1999, p.46)

É importante considerar que a escola deve valorizar os muitos saberes do aluno, e que seja oportunizado a ele demonstrar suas reais potencialidades. A escola tem valorizado apenas o conhecimento verbal e matemático, deixando de fora tantos conhecimentos importantes para sociedade.

O sentimento de pertença deve ser estimulado, alguém acuado, jamais vai demonstrar as potencialidades que possui. Tornando o ambiente escolar acolhedor, aceitando a criança como ela é, oferecendo meios para que se desenvolva, já é uma garantia de dar certo o trabalho em sala de aula.

É necessário que os profissionais da educação adotem uma postura ética em relação ao aluno, que assim como eles convivem em uma sociedade excludente.

Portanto, diversificar as situações de aprendizagem é adaptá-las às especificidades dos alunos, é tentar responder ao problema didático da heterogeneidade das aprendizagens, que muitas vezes é rotulada de dificuldades de aprendizagens. percursos educativos às diferentes características, às possibilidades,de todos os alunos.

Bibliografia:

Blin, Jean-François. Classes difíceis: ferramentas para prevenir e administrar os problemas escolares. Porto Alegre: Artmed, 2005.

Lacasa, P. & Guzmán, S. (1997). Dónde situar las dificultades de aprendizaje? Transformar las aulas para superarlas. Cultura y Educación, 8, 27-48.

FREIRE, Paulo. A Educação na Cidade. São Paulo, SP: Cortez, 3ª ed,1999.

Perrenoud, Philippe. A pedagogia na escola das diferenças: fragmentos de uma sociologia do fracasso. Porto Alegre: Artmed Editora, 2001.

WEISS, Alba Maria Lemme, CRUZ, Maria Lúcia R. A Informática e os Problemas Escolares de Aprendizagem. Rio de Janeiro: Ed. DP&A, 1999.

                   

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 10 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/intervencoes-pedagogicas-nas-dificuldades-de-aprendizagem-1214571.html

    Palavras-chave do artigo:

    aprendizagem

    ,

    crianca

    ,

    intervencoes pedagogicas

    Comentar sobre o artigo

    A educação nos dias atuais tem se transformado num viés de expectativa e de importância fundamental para o ser humano. É de suma importância, que os profissionais em educação (psicopedagogos) não percam o azimute direcional, nem a vontade intrínseca da especialização, para lidar com problemas de vários matizes que surgem como sementes prósperas num terreno fértil, antes árido de conhecimentos.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Educação> Ensino Superiorl 01/05/2011 lAcessos: 1,204
    Clecia Pacheco

    O presente trabalho busca fazer uma demonstração dos aspectos teóricos da avaliação no processo de ensino e aprendizagem, destacando sua evolução ao longo dos tempos, o fator nota na avaliação, os princípios básicos e finalidades da avaliação, bem como as suas funções no processo de ensino e aprendizagem.

    Por: Clecia Pachecol Educação> Ensino Superiorl 12/10/2010 lAcessos: 6,615
    Evilasio Ferreira de Sousa

    O presente artigo busca apresentar e discutir as diferentes concepções que norteiam a prática avaliativa, buscando o aprofundamento teórico e uma reflexão constante sobre a prática pedagógica, o que implica num redimensionamento também da forma de se avaliar. Numa tentativa de umas a ter uma avaliação qualitativa, baseada em uma relação democrática. A pesquisa foi feita de natureza descrita, do tipo bibliográfico. Com referenciais teóricos para fundamentos a nossa pesquisa, valemo-nos de autores

    Por: Evilasio Ferreira de Sousal Educação> Educação Onlinel 29/09/2011 lAcessos: 502

    O presente artigo, fruto de pesquisa desenvolvida em nível de mestrado junto PPGE da FACED/UFBA, tem como foco principal à ação pedagógica na área de Educação Especial, fazendo um recorte sobre as possibilidades e perspectivas da capoeira para pessoas com deficiência visual. Neste sentido apresentamos algumas reflexões e diálogos com autores da área, que apontam para as nuances da temática de investigação, a partir da analise do ritual da capoeira.

    Por: Jean Adriano Barros da Silval Educação> Ciêncial 28/09/2008 lAcessos: 1,531 lComentário: 1
    GUTEMBERG MARTINS DE SALES

    O artigo discute as causas sobre as dificuldades de aprendizagem apontando a dislexia como uma das principais provedoras de dificuldades. Iniciou-se apresentando a origem do problema relativo às dificuldades de aprendizagem vista pela psicanálise, a partir daí apresentou-se os problemas que interferem na alfabetização, argumentou-se segundo as teorias dos vários autores pesquisados, sobre as dificuldades na leitura, além de dissertar sobre algumas concepções pedagógicas sobre alfabetização.

    Por: GUTEMBERG MARTINS DE SALESl Educação> Educação Infantill 15/05/2014 lAcessos: 161

    Este trabalho científico contempla de maneira sucinta a Educação Inclusiva e a importância do psicopedagogo na área social e educacional, em especial a inclusão das crianças e adolescentes no âmbito da educação do Ensino Infantil ao Ensino Superior como também as questões de fazer valer à integração das leis na educação e da concepção da Psicopedagogia na formação das pessoas com necessidades especiais no âmbito escolar e social, utilizando a Prática pedagógica, da afetividade, da dedicação e do

    Por: Maria Ivanilda Campos Pinheirol Educação> Educação Infantill 02/12/2011 lAcessos: 2,521
    GUTEMBERG MARTINS DE SALES

    O interesse em pesquisar a forma como a intervenção psicopedagógica pode contribuir para a prevenção do fracasso escolar na alfabetização é devido à desatenção que tem sofrido o ensino da leitura e da escrita, e o baixo rendimento escolar, nas primeiras séries do Ensino Fundamental; e também, devido à importância do trabalho psicopedagógico preventivo que se baseia principalmente na observação e análise profunda de uma situação concreta, no sentido de detectar possíveis perturbações no processo.

    Por: GUTEMBERG MARTINS DE SALESl Educação> Educação Infantill 28/12/2012 lAcessos: 306
    josé irlan das graças souza

    Esta pesquisa tem como objetivo geral analisar a pratica pedagógica dos professores de Educação Física com deficiência. Acreditamos ser de suma importância pesquisar sobre a inclusão profissional de um professor com deficiência e as dificuldades enfrentadas por ele. De que forma o professor de Educação Física com deficiência exerce sua prática pedagógica.

    Por: josé irlan das graças souzal Educação> Ciêncial 06/05/2010 lAcessos: 603

    O presente artigo faz uma abordagem considerando o contexto da importância do processo ensino aprendizagem tendo em vista o desenvolvimento infantil com o objetivo da aquisição do conhecimento.

    Por: Edlene Maria da Silval Educação> Educação Infantill 09/11/2011 lAcessos: 6,224

    Este artigo é um relato da experiência de ensino e aprendizagem que foi desenvolvido com alunos da terceira fase do primeiro ciclo do ensino fundamental da Escola Municipal "José Evaristo Costa", situada na Rua: José Caleira Vila, S/N, Bairro: São Francisco, CEP: 78260-000, Tel: (65) 3261 – 2291 na cidade de Araputanga-MT, por duas professoras alfabetizadoras em formação no PNAIC, Programa Nacional de Alfabetização na Idade Certa. A sequência foi realizada no ano de 2013 e teve uma duração de

    Por: Silvana Bento de Melo Couto.l Educaçãol 30/01/2015
    CLEBERSON EDUARDO DA COSTA

    Existem muitas formas de desumanização e, uma delas, talvez a mais crucial, seja aquela que está sistematizada no desrespeito às diferenças, na medida em que esse desrespeito - no sentido micro - leva o indivíduo para longe da sua capacidade de coexistir e, consequentemente, para longe da possibilidade de aprendizagem, crescimento e desenvolvimento pessoal; no sentido macro, leva a sociedade para xenofobismos, nacionalismos exacerbados, genocidismos, biocidismos, apartheids, etc.

    Por: CLEBERSON EDUARDO DA COSTAl Educaçãol 22/01/2015
    Magno Fernando A. Nazaré

    Esse artigo busca analisar e compreender as implicações dessa remuneração para o trabalho docente. Para tanto, foi realizada uma pesquisa de caráter bibliográfico-documental com base em pesquisas relacionadas à remuneração docente e documentos relativos à temática elaborados por organismos internacionais.

    Por: Magno Fernando A. Nazarél Educaçãol 20/01/2015
    Jaqueline de Andrade

    O presente artigo tem como pretensão abordar de forma clara e objetiva a importância da boa relação entre professor e aluno em busca de uma aprendizagem significativa. Sabe-se que a afetividade inevitavelmente faz parte do trabalho docente.

    Por: Jaqueline de Andradel Educaçãol 20/01/2015

    Vivemos em um um país, que demonstra abertamente, que toda sociedade convive pacificamente e não há preconceito ou discrimanação racial, vendemos a ideia que no Brasil existe a Democracia Racial, onde negros e brancos, se relacionam amigavelmente sem qualquer preconceito ou discrimanação. Porém observamos que, o que existe de fato, é o mito da Democracia Racial, ou seja, uma falsa ideia que brancos e negros vivem harmonicamente. Neste sentido, vamos relatar brevemente sobre algumas expressões.

    Por: Simone Marial Educaçãol 17/01/2015 lAcessos: 16
    Instituto Fisiomar

    Profissionais com qualificação saem na frente no mercado de trabalho e principalmente qualificação técnica. O curso técnico é um bom investimento, pois é um investimento barato, de curto prazo e que dá um excelente retorno. Uma Instituição séria que temos em Santa Catarina é o Instituto Fisiomar, com Cursos Técnicos de Segurança do Trabalho, Petróleo e Gás, Estética, Massoterapia e Podologia.

    Por: Instituto Fisiomarl Educaçãol 08/01/2015

    Considerando que a Educação deve ser voltada para a construção da cidadania, para o desenvolvimento das potencialidades do educando e a preparação para o trabalho, como diz na LDB – Lei nº 9394/96 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação), pensa-se que escola deve ser tida em nossa sociedade como oportunidade para o desenvolvimento, não só permitindo possibilitar ao educando estudar conteúdos, mas também dele ampliar relações com o outro, portanto devendo ser de qualidade.

    Por: nilda flores schutzl Educaçãol 30/12/2014
    Jaguaracy Conceição

    Esse texto tem como base a entrevista publicada na Revista Nova Escola de dezembro de 2014 e que traz como título: "A escola é a estrutura estável de quem vive numa família instável". Nela o sociólogo francês Bernard Lahire diz que o meio social é crucial ao desenvolvimento das crianças, pois sozinhas elas não conseguem superar as dificuldades que se deparam.

    Por: Jaguaracy Conceiçãol Educaçãol 23/12/2014 lAcessos: 24
    Iara Silvia Arfelli Martins

    O trabalho tem como objetivo avaliar o comportamento dos alunos de curso técnico de Enfermagem, traçando um paralelo entre a inteligência e comportamento em sala de aula.

    Por: Iara Silvia Arfelli Martinsl Educação> Ensino Superiorl 13/08/2011 lAcessos: 356
    Iara Silvia Arfelli Martins

    O presente artigo abrangerá o tema sobre avaliação e o percurso que o professor deverá percorrer para atingir o seu objetivo pretendido. Pensando a Avaliação em forma de recurso e não de produto final. Devemos então compreender a prova como mais um dos instrumentos a serem utilizados no processo de avaliação e não como produto final ou determinante de conceitos.

    Por: Iara Silvia Arfelli Martinsl Educação> Ensino Superiorl 25/07/2011 lAcessos: 270 lComentário: 11
    Iara Silvia Arfelli Martins

    Este levantamento diz respeito às Inteligências múltiplas e a Neurolinguistica, abordando assim a visão de inteligência que aprecia os processos mentais e o potencial humano a partir do desempenho das pessoas, em diferentes campos do saber, não de maneira simplista, visto os mistérios da mente humana.

    Por: Iara Silvia Arfelli Martinsl Educação> Ensino Superiorl 04/07/2010 lAcessos: 1,106
    Iara Silvia Arfelli Martins

    Este estudo tem por objetivo mostrar através de revisão da literatura a visão sobre inteligência múltipla proposta por Dr. Howard Gardner. A teoria de Gardner capacita nós professores em diferentes modos de atuar. Com base nas teorias de Gardner conseguimos avaliar vários pontos das inteligências, não somente os dois pontos cobrados pela sociedade, que são a lingüística e a lógica.

    Por: Iara Silvia Arfelli Martinsl Educação> Ensino Superiorl 04/07/2010 lAcessos: 1,587
    Iara Silvia Arfelli Martins

    A temática educação tem extrema importância na sociedade atual, podemos observar muitos profissionais inclusive da área da saúde estão adentrando a área educacional cada vez mais tendo que relacionar a teórica com a prática, por encontrarmos problemas nessa questão, levamos essa reflexão para a teoria das inteligências múltiplas,ou seja, capacidades humanas diferenciadas.

    Por: Iara Silvia Arfelli Martinsl Educação> Ensino Superiorl 04/07/2010 lAcessos: 675
    Iara Silvia Arfelli Martins

    Para Gardner, inteligência é a capacidade para resolver problemas ou elaborar produtos que sejam valorizados em um ou mais ambientes culturais ou comunitários; que na verdade são talentos, capacidades e habilidades mentais, sendo chamadas de Inteligências Múltiplas. Este estudo, de revisão de literatura, teve por objetivo analisar separadamente sete teorias das inteligências múltiplas segundo Gardner.

    Por: Iara Silvia Arfelli Martinsl Educação> Ensino Superiorl 04/07/2010 lAcessos: 3,836
    Iara Silvia Arfelli Martins

    No inicio da década de 1980, Howard Gardner causou forte impacto na área educacional com a divulgação da sua teoria das inteligências múltiplas. Até então, o padrão mais aceito para a avaliação de inteligência eram os testes de QI (quociente de inteligência), criados nos primeiros anos do século 20 pelo psicólogo francês Alfred Binet (1857-1911). A inteligência na visão tradicional é conceituada como a capacidade de responder a testes de inteligência, o Q.I, que media, basicamente, a capacidade

    Por: Iara Silvia Arfelli Martinsl Educaçãol 04/07/2010 lAcessos: 1,865 lComentário: 1
    Iara Silvia Arfelli Martins

    Esse texto fala sobre a construção do conheimento realizada pelo aluno, onde o professor deve fazer boas intervenções e deicar por conta do seu aluno o papel de construir a sua aprendizagem de forma prazerosa, sem impor a ele nenhum conceito pré estabelecido.

    Por: Iara Silvia Arfelli Martinsl Educaçãol 02/11/2009 lAcessos: 3,026 lComentário: 7

    Comments on this article

    2
    Maria José Guedes 09/10/2011
    Profª Iara
    Lí o texto e me deparei com muitas perguntas acerca do fazer docente.
    * dificuldade: do aluno ou minha em não compreendê-lo?
    * fracasso escolar: do aluno ou da escola que não soube oferecer a ele o que ele precisava?
    * todos aprendem do mesmo modo e ao mesmo tempo?
    É certo que a dúvida serve para abalar as estruturas psíquicas já sedimentadas em busca de outras respostas possíveis e satisfatórias.Pena que esse processo não seja tão simples assim, além do que muito penoso.
    Estas são questões fundamentais que devem ser discutidas pelo coletivo escolar em busca de respostas que modifique a postura em busca do verdadeiro aprendizado.
    Até breve. Profª. Zezé.
    0
    CILENE CORREA DE OLIVEIRA 20/08/2011
    LI O TEXTO, TUDO MUITO BEM COLOCADO ADOREI.
    1
    Daisy M.S.Romanini 20/08/2011
    Estou lendo seu artigo.
    0
    Daisy 19/08/2011
    Bom dia Iara, estou lendo seu texto, beijos.
    0
    Karina Paula Barelli 17/08/2011
    Olá Iara, li o seu texto e achei muito interessante, um ótimo artigo!!!
    Obrigada, bjos!!!Karina
    0
    Andreza 17/08/2011
    Ok
    0
    maria neusa dos santos (Pós graduação facita 2011) 16/08/2011
    Bom dia Iara acabei de ler o artigo, muito bom!!! Bjuss
    0
    Ana Elisa Rodrigues de Lima 12/08/2011
    Muito bom seu comentário!
    Beijos...
    Ana Elisa
    0
    VILMA E.S. SERAVO 11/08/2011
    Oi professora ,boa tarde,acabei de pegar seu texto.
    Gostei, muito interessante,nos leva a reflexão.
    Obrigada, bjs, Vilma
    0
    Edmea A. Milaus Sahão 08/08/2011
    Adorei o texto relata o nosso dia-a-dia na sala de aula

    Beijos Edmea
    0
    Dayane Ap. G. Oliveira 07/08/2011
    Oi Iara! O texto é muito bom ... adorei a frase de Paulo Freire “Os alunos não se evadem da escola, a escola é que os expulsa”. ( Freire, 1999, p.35). BjOs e tdo de Bom! =)
    0
    Tainara Casetta Nori 02/08/2011
    Olá Iara, passei por aqui e com certeza achei ótimo.
    Bjos até um dia
    0
    Andréia (Pós Facita) 22/07/2011
    Olá Iara. Adorei o texto, pois está presente na realidade das salas de aula.
    0
    Nadia Correa (Pós-graduação, Facita/2011) 20/07/2011
    Boa noite!Li, imprimi e achei ótimo!Parabéns!bjo
    0
    jailton 17/07/2011
    bom dia,boa semana e que Deus te abençoe.li e imprimi o artigo,muito interessante e bom . gostei.
    0
    Marta Aparecida Palhares Brunaldi 16/07/2011
    Gostei Muito do seu artigo. Parabéns pelo artigo e pelas aulas. è muito bom ter pessoas como vc no meio educacional.
    1
    Rosemary (pós facita) 16/07/2011
    Gostei muito do texto e deste site. Interessantissímo para quem gosta de aprender e se atualizar.Parabéns
    0
    Rosimeire R Granucci( Pos Graduação Facita 2011) 12/07/2011
    Oi Iara acabei de ler o texto e achei otimo!!!!!
    0
    Ana Claudia Ap Albrechet(Pós Graduação Facita 2011 12/07/2011
    Olá Iara acabei de ler o artigo,muito bom! Bjusss....
    0
    Danieli Vieira Ribeiro (Pós Graduação FACITA 2011) 11/07/2011
    Olá Iara. Já li o texto, muito bom. Bjussss
    0
    Isabel Cristina Furlan(Pos-graduacao-Facita-2011) 07/07/2011
    Ja li e gostei muito do artigo...bjs
    0
    Cinara E. Renesto da Silva (Especialização - Itápo 06/07/2011
    Olá Iara. Já li o texto e ele é ótimo.
    0
    Ana Carolina Martins (psicocatanduva) 11/04/2011
    Professora, a importancia não está apenas no tema abordado mas sim na sua capacidade de nos transmitir de maneira tão suave. O auxílio na prática pedagógica é muito importante, e a ressalva de que alunos não são todos iguais e muito menos como sempre sonhamos é o que nos faz despertar para a heterogeinidade que deve gerar, necessariamente, a diversidade educacional.
    Parabéns pelo conhecimento, abraços.
    1
    claudia 21/10/2010
    li,gostei republiqueio artigos.
    0
    Edilaine (curso 180 em Catanduva) 19/10/2010
    Olá Iara, seu texto é bem pertiente para os dia atuais, já que a dificuldade de aprendizagem é algo concreto na vida de qualquer educador. Porém essas dificuldades são diagnosticados de maneira errônea.
    Este texto veio nos fazer refletir como estamos trabalhando com nossos alunos, já que todos tem a mesma oportunidade de aprender, só nos basta respeitar o tempo de cada um, pois somos seres humanos diferentes um dos outros, aprendemos de maneiras diferentes em tempos diferentes.
    Obrigada, pelo prazer da leitura....
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast