Linguagem e cultura popular: a família como a principal formuladora

Publicado em: 19/06/2012 |Comentário: 0 | Acessos: 1,573 |

INTRODUÇÃO

A linguagem em sua diversa forma de se apresentar, permite ao ser humano expressar qualquer pensamento, o que faz dela a base de todo o conhecimento. Apesar disso, a ciência que a estuda, a linguística, é pouco conhecida, embora tenha sido a primeira disciplina de humanidades a ganhar status científico. Conhecer um pouco da história e da importância da linguagem na família e em outras instituições em que é trabalhada essa temática é o objetivo deste trabalho.

 A linguagem é tão importante que, sem ela, não seríamos capazes de pensar, pois todo pensamento estrutura-se na forma de alguma linguagem, seja ela verbal, visual, gestual, etc. O filósofo grego Parmênides (535-450 a.C.) já dizia que "ser e pensar são uma só e a mesma coisa", ideia reafirmada pelo filósofo francês René Descartes (1596-1650) na famosa frase "penso, logo existo".

Quando se debate a questão da linguagem, a primeira pergunta é: "Por que o homem fala?" Na verdade, todos os animais usam alguma forma de linguagem, mas os diversos ruídos que produzem só expressam ideias genéricas de sentimentos, como fome, dor ou medo. O homem é o único a usar uma linguagem articulada, capaz de expressar todas as formas de pensamento, inclusive conceitos abstratos.

Várias teorias tentam explicar como o homem passou de grunhidos isolados a um sistema de elementos articulados (as palavras) que se combinam por um conjunto de regras (a gramática), formando conceitos complexos. A explicação mais recente é a "teoria da torre de Babel", inspirada na lenda bíblica segundo a qual, no princípio, todos os homens falavam a mesma língua, que teria sido confundida por Deus como castigo à ambição humana de atingir o céu construindo uma torre.

O trabalho se apresenta em etapa a primeira aborda os primeiros interesses em estudar essa linguagem, por que os autores como Rousseau pesquisou a importância da mesma para o desenvolvimento do homem? Por que no inicio os conceitos dos homens começou a crescer e entre eles se estabeleceu uma relação, mas próxima, antes essa linguagem era transmitida de outra forma.

Na segunda é trabalhado o processo de linguagem como identificação. Assim como a nossa cultura essa passa por muitas mudanças na sociedade, processo esse que vai de acordo com a convivência. O homem usa a linguagem para diversos fatores dentre ele para sua sobrevivência, por que sem ela não havia a interação entre em si.

A terceira vai apresentar a família como aspecto relevante na transmissão dessa linguagem, mesmo tendo outros ares é nela que se terá o primeiro contato autores como Vygotsky, Ochs, dentre outros vão estar presente nesse trabalho. Por fim teremos a discursão e a importância dessa temática para a sociedade.

  1. 1.       A CONSTRUÇÃO DA LINGUAGEM

O homem é o único animal capaz de se comunicar através da linguagem, e pensar antes de agir. O interesse pela linguagem se apresenta na Grécia no interior da filosofia, muitos conceitos surgem para tentar explicar o surgimento da linguagem.

Na busca pela sobrevivência, os organismos vivos precisam desempenhar algumas atividades de modo a garantir, essencialmente, condições de nutrição, reprodução e de proteção do perigo. Sabe-se também que essas condições só podem ser obtidas a partir do conhecimento, mínimo que seja, do meio ambiente em que se vive.

A linguagem propriamente dita só teria começado "quando as ideias dos homens começaram a estender-se e a multiplicar-se, e se estabeleceu entre eles uma comunicação mais íntima, procuraram sinais mais numerosos e uma língua mais extensa; multiplicaram as inflexões de voz e juntaram-lhes gestos que, por sua natureza, são mais expressivos e cujo sentido depende menos de uma determinação anterior". (Jean Jacques Rousseau, "Discurso sobre a Origem e os Fundamentos da Desigualdade entre os Homens").·.

Já o filósofo e psicólogo americano George Herbert Mead (1863-1931), contrariamente a Rousseau, afirmava que a linguagem gestual precedeu a linguagem falada. A necessidade de combinarem certos gestos para coordenarem suas ações durante as caçadas ou fugas de outros animais levou os homens a desenvolverem certos gestos comuns que se repetiam.

            O surgimento da linguagem atende muitos conceitos, as primeiras explicações sobre a origem da linguagem têm seus fundamentos na religião. Deus teria dado a Adão uma língua e a capacidade de nomear tudo o que existe. Apenas uma língua, em que cada palavra teria apenas um significado. São explicações que atendem as necessidades da época.

Havia a necessidade de referir-se aos próprios instrumentos que o homem havia criado. Em seguida, era preciso criar formas para transmitir as intenções relativas à organização das atividades.  Pode-se dizer, portanto, que os seres humanos criaram a linguagem para tentar se entender. Será que conseguiram?

A linguagem assim como a sociedade passa por muitas modificações, cada cultura adapta – se ao seu ambiente. Na espécie humana, as formas de atividade e de organização desenvolveram-se de maneira tão diversa e complexa justamente porque deram origem à linguagem.

 A diferença entre a linguagem dos homens e a dos outros animais parece estar na capacidade que os primeiros têm de negociar sobre as atividades que desempenham. Nas demais espécies, o conhecimento dos indivíduos a respeito do meio ambiente e do outro inclui a capacidade de reagir ao sinal que emitem.

Porém, não há aquilo que entre os homens se convencionou chamar de "conversação". E como surgiu a conversação? Acredita-se que o homem, por ter criado e desenvolvido instrumentos que ampliaram sua capacidade de ação, passou a sentir a necessidade de discutir com seus semelhantes a respeito da divisão das tarefas no interior de uma comunidade.

Havia a necessidade de estabelecer qual atividade deveria caber a este ou aquele indivíduo, de posse deste ou daquele instrumento. Não é difícil imaginar que essa distribuição de funções gerasse controversas no seio da coletividade e que, para se chegar a um acordo, fosse preciso negociar.

Até hoje o surgimento dessa linguagem ainda é questionada e pesquisada. Um dos principais instrumentos que o homem aprendeu a usar para conhecer, explicar, entender e ver os aspectos relevantes de sua existência.

Chomsky define o conjunto de princípios e regras que determinam o uso da linguagem como "gramática universal". Trata-se de um sistema de princípios, condições e regras que são elementos ou propriedades de todas as línguas humanas. Esse sistema seria o resultado de um longo processo de evolução biológica, que constituiria a essência da linguagem humana (SILVA, 2008).

3.  A LINGUAGEM COMO PROCESSO DE INDENTIFICAÇÃO

           

Para Vygotsky, a história da sociedade e o desenvolvimento do homem estão totalmente ligados, de forma que não seria possível separá-los. 

Os seres humanos podem comunicar-se de várias maneiras distintas, como por exemplo, através de gestos, escrita, códigos, telefone, email, seja de qualquer lugar do mundo as pessoas conseguem se comunicar. Acreditamos que toda e qualquer comunicação tem como objetivo transmitir algum tipo de mensagem.

O papel central atribuído à linguagem numa e noutra ideologia explica-se por sua fundamental importância no contexto cultural: a linguagem é, ao mesmo tempo, o principal produto da cultura, e é o principal instrumento para sua transmissão. Por isso, o confronto ou comparação entre culturas - que é, em essência, o que esta presente tanto na ideologia da deficiência cultural quanto na ideologia das diferenças culturais - é, básica e primordialmente, um confronto ou comparação entre os usos da língua numa ou noutra cultura. (SOARES – 2001, p. 16)

           

A sociedade é feita de cultura. A cultura produz sociedade, assim como a língua. Cultura é todo fazer humano que pode ser transmitido de geração a geração. A língua é, portanto, um elemento da cultura de um povo. Formamos as pessoas, e consequentemente, somos formados por língua.

A língua tem poder sobre toda a sociedade, pois nenhuma sociedade sobrevive sem Linguagem, levando em consideração que o ser humano é, por natureza, um ser social. A informação e até a própria sobrevivência do homem dependem dessa, que é realizada através da língua. A língua tem formação psicológica, antropológica, sociológica, como já foi dito, e também científica, por meio da linguística, ciência instaurada por Ferdinand de Saussure.

A linguagem como identificação se da no ventre da mãe, pois a criança é capaz de identificar sua genitora ao nascer esse vinculo vai se tornando mais forte, seu desenvolvimento começa adaptar-se ao meio. 

Para Vygotsky, a aquisição da linguagem passa por três fases: a linguagem social, que seria esta que tem por função denominar e comunicar, e seria a primeira linguagem que surge. Depois teríamos a linguagem egocêntrica e a linguagem interior, intimamente ligada ao pensamento. Portanto a língua é o meio de locomoção, formação, e desenvolvimento da sociedade, aliada a outros fatores.

 Vivemos num mundo globalizado, o mundo do desenvolvimento. Se o desenvolvimento depende diretamente da língua, será que chegaríamos ao nível de desenvolvimento onde nos encontramos?A sociedade entendendo suas necessidades e procurando saná-las criou muitas mudanças na forma de ver a linguagem.

 Tudo isso seria possível sem a existência da língua? Não. Pois há um fator que forma a sociedade: o homem. E há um elo entre o homem e seu habitat, algo que liga os homens: a língua.

"O homem é por natureza um animal social [...] Como costumamos dizer, a natureza não faz nada sem um propósito, e o homem é o único entre os animais que tem o dom da fala. Na verdade, a simples voz pode indicar a dor e o prazer, os outros animais a possuem ( sua natureza foi desenvolvida somente até o ponto de ter sensações do que é doloroso ou agradável e externa – las entre si), mas a fala tem a finalidade de indicar o conveniente e o nocivo" (ARISTOTELES, 1997)

4. A FAMILIA COMO PROCESSO PRINCIPAL DA LINGUAEM

            A linguagem se dá de várias formas, mas é necessário considerar todo o contexto que a cerca, para a partir de então pensarmos como ensinar o uso desses códigos tanto linguísticos como gráficos, lembrando que estes mesmos dispõe de outros modelos de diálogo como por exemplo a expressão corporal.

 A família tem um papel especial para transmitir essa linguagem para a criança, pois é o primeiro contato que se tem no meio, a partir de então essa principal relação passa até outros vínculos como a escola, nessa passa a adquirir domínios básicos para realizar uma linguagem de acordo com as normas criadas.

 Nem uma linguagem é errada como já citado nesse trabalho ela vai se desenvolvendo de acordo com a convivência. Vale lembrar que a escola precisa repensar essa linguagem como metodologia a ser explorada e conhecer melhor a cultura para que se trabalhe de maneira qualitativa o ensino da mesma. Visto que este é um campo amplo a se estudado para que cada dia mais possa aprimorar essa linguagem não mudando de forma forçada, mas aprimorando.

A organização da linguagem reflete, portanto, não uma situação espelhar, mas um processo complexo, sociocultural mente abrangente e, ao mesmo tempo, reflexivo, por estar ligado a visões locais, como pensar, sentir e, principalmente, interagir. Dessa forma, estão integradas aqui propriedades locais e universais da linguagem, que resulta numa organização que extrapola o local, levando a uma relação estreita entre ideologia local sobre emoção, pessoa etc., e recursos gramaticais, dando origem a "um modelo culturalmente organizado de meios-fios do desenvolvimento gramatical" (OCHS E SCHIEFFELIN, 1997, p. 7).

Cada cultura apresenta formas distintas para lidar com a realidade da linguagem. Em algumas culturas, há uma intervenção mais direta dos pais, participando e interagindo com a criança, ajudando-a a proceder na linguagem de forma correta, buscando identificar as relações entre a intenção da criança e diferentes situações, através do processo de reformulação.

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

            A linguagem tem sido sempre a principal marca da identidade de um povo e é o que o faz lutar por sua liberdade. Mais do que isso, não se pode esquecer que todo desentendimento humano, entre pessoas ou entre grupos, decorre antes de tudo de falhas entre essa interação do homem com a linguagem quando se expressa. A linguagem, não é apenas interessante e fascinante, mas, sobretudo imprescindível para a sobrevivência humana.

A partir do momento que nascemos à linguagem, cultura e a família já faz parte do nosso viver. Ela se transforma de acordo com o crescimento e os conhecimentos que são adquiridos durante esse percurso.

Como a linguagem já existem desde a idade da pedra e muito se evoluiu até hoje, não podemos deixar que ela perda seu real significado, mas sim que continue se transformando cada vez mais para o nosso bem.

Existe uma semelhança muito grande entre a linguagem e a cultura, pois linguagem também é cultura, isso porque o homem pensa, raciocina, transforma, produz histórias através de sinais, escrita, símbolos; apenas o que muda é a forma da linguagem (fala) devido aos fatores geográficos e regionais.

Cultura e linguagem são raízes que devem ser respeitadas, trabalhadas no meio social, na família e nas escolas principalmente, pelo fato dos povos terem vindos de lugares diferentes, mostrar as diferentes línguas e formas de comunicação entre o ser humano.

Devemos nos conscientizar que cultura é uma herança adquirida de nossos antepassados e que devem ser respeitada sempre, pois somos usuários dela, e dependemos dela para crescer e progredir.

           

           

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

DEL RÉ, A. Aquisição da linguagem: uma abordagem psicolinguística. São Paulo: Contexto, 2006.

BARDARI, Sérsi. O surgimento da linguagem. Disponível em: <http://sersibardari.com.br/wp-content/uploads/2010/07/4-Surgimento-da-linguagem.pdf>. Acesso em: 16 junho 2012

 APARECIDA Mônica. Linguagem, um processo de comunicação. Disponível em: <http://www.recantodasletras.com.br/artigos/2393721> Acesso em: 12 junho 2012

SOARES, Magda – Linguagem Escolas – Uma perspectiva social, Ed. Ática, 17ª Edição, 7 ª Impressão, 2001.

MALMBERG, B. A língua e o homem. Introdução aos problemas gerais da lingüística, Rio de Janeiro, Nórdica/São Paulo, Duas Cidades, 1976.

HILL, A. A. (org.) Aspectos da lingüística moderna, São Paulo, Cultrix/EDUSP, 1974.

MARIA, Anna. A linguagem e a formação da consciência: uma perspectiva Histórica Cultural. Disponível em: <http://www.unimep.br/~ampadilh/a-linguagem-e-a-formacao.pdf>

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 4 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/linguagem-e-cultura-popular-a-familia-como-a-principal-formuladora-5994292.html

    Palavras-chave do artigo:

    cultura

    ,

    interacao

    ,

    homem

    Comentar sobre o artigo

    Marineide Pinheiro dos Santos

    O artigo analisa a constituição histórica da cultura como objeto das ciências sociais, em termos de cultura popular, cultura de massa, compara os processos da sociologia segundo seus diferentes contextos nacionais ou regionais, abordando os modos como a disciplina torna-se autônoma por meio da especialização de tarefas em concorrência com outras disciplinas. A retomada da unidade interpretativa e uma revisão conceitual para a abordagem dos "objetos globais" e definidos como os principais desafio

    Por: Marineide Pinheiro dos Santosl Educação> Ensino Superiorl 18/07/2013 lAcessos: 65

    A temática enunciada no título envolve conceitos que, embora se relacionem, são completamente distintos. E isso já é um primeiro problema: trata-se de ver a sociedade e a cultura a partir da ótica da sociologia, da antropologia ou da filosofia? Trata-se de frisar que a sociologia, ou a filosofia, têm uma palavra a respeito da sociedade e outra sobre a cultura? É a sociedade que produz a cultura ou a sociedade já é uma manifestação cultural?

    Por: NERI P. CARNEIROl Educaçãol 20/04/2008 lAcessos: 325,643 lComentário: 11

    O presente trabalho visa abordar a importância da Interação entre Escola e Família no Processo Pedagógico para uma educação de qualidade, sobre as atuações dos profissionais em educação e o que eles tem feito para que ocorra essa interação e sobre sugestões para que ambas as partes, tanto a escola quanto a família, alcancem um objetivo em comum.

    Por: Arlete Luiza de Souzal Educação> Educação Infantill 02/11/2014 lAcessos: 51
    CARLEIAL. Bernardino Mendonça

    Quando ainda não existia o papel, o homem já se preocupava em deixar gravados o seu pensamento e as suas idéias. A escrita tornou-se uma necessidade dos nossos ancestrais, desde épocas mais remotas. Por volta de 45.000 anos, antes de Cristo, o homem registrava a sua imaginação por meio de símbolos, em desenhos nas pedras e paredes das cavernas.

    Por: CARLEIAL. Bernardino Mendonçal Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 12/09/2010 lAcessos: 760
    Michely Matias Lopes

    Esta obra tem como finalidade mostrar como os aspectos culturais, sociais, políticos e afetivos influenciam na prática da Educação Física escolar. E para fundamentar essa afirmação, trazemos ao longo do texto os conceitos que apontam para essa importância. As atividades com finalidades de lazer, expressão de sentimentos, afetos e emoções, manutenção da saúde e da qualidade de vida, atualmente são consideradas fundamentais para o desenvolvimento da cultura corporal.

    Por: Michely Matias Lopesl Educaçãol 30/10/2009 lAcessos: 16,608 lComentário: 5

    O artigo propõe uma reflexão sobre o uso do conceito de cultura como manutenção de certos costumes e hábitos e inferiorização de outros, diferenciando o que é ou não verdadeiro, o que é bom e o que é mau, o que deve ou não ser valorizado. Após a reflexão teórica pretende-se possibilitar a conscientização o valor das diferentes expressões culturais, reconhecendo que não há formas culturais melhores ou piores, mas diferentes. Deste modo, espera-se que o educador paute sua prática com respeito às d

    Por: Bruno Carrascol Educaçãol 21/02/2013 lAcessos: 118
    Escritorcampos

    Aqui vai uma síntese da cultura organizacional ao estudante, que necessite de descre­ver sobre o assunto tão em voga no momento.

    Por: Escritorcamposl Educação> Ensino Superiorl 05/05/2010 lAcessos: 2,705 lComentário: 1
    Douglas Barraqui

    O presente artigo vem apresentar a história ambiental – sua origem, métodos, conceitos, temas e fontes –; traçar um panorama de como ela está sendo feita no Brasil e; enquanto disciplina produtora do conhecimento histórico, destacar sua importância como uma ferramenta fundamental e necessária para trazer a natureza de volta aos braços do homem, tanto em termos de formação de uma consciência ecológica quanto em termos de tomada de ação propriamente dita.

    Por: Douglas Barraquil Ciênciasl 29/10/2009 lAcessos: 1,266
    Júlio César dos Anjos

    O presente texto trás a historicidade da cultura dentro do âmbito das artes. Seu conceito empregado como sentido tecnológico de interação entre o público e a arte; Sua jornada surgida na aurora da humanidade; Como a sua tecnologia irá se comportar diante da interação arte e publico, tal como a localização do artista nesse processo.

    Por: Júlio César dos Anjosl Arte& Entretenimento> Artel 23/01/2012 lAcessos: 154

    Com o advento da globalização, a educação é tida como o maior recurso de que se dispõe para enfrentar essa nova estruturação mundial. Objetiva-se evidenciar a importância dos alunos encontrarem na escola não só evidências de seu próprio mundo, mas também aparato capaz de os "cunharem" para uma participação social plena e não "fatiada", como sugere o estudo por disciplinas. Jovens e adultos, público cada vez mais informatizado, exige que as disciplinas deixem de ser apresentadas de forma isolada.

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    A expressão artística faz parte da história humana desde os tempos mais remotos. Sendo assim, a Arte é um dos modos de conhecimento ao qual os estudantes devem também ter acesso, assumindo-se como sujeitos capazes de apreciação estética e criação artística, articuladas aos processos e mediações da cultura contemporânea. Diante das mudanças pelas quais o ensino-aprendizagem de Arte passou, vê-se a necessidade de discorrer a respeito da presença desta disciplina no currículo escolar, revendo sua i

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    Sabe-se que a educação é responsável pela formação do aluno enquanto cidadão, de maneira a prepará-lo para a vida em sociedade, para que saiba atuar criticamente nesse meio. Assim, a escola inclusiva busca complementar a formação do aluno por meio das relações de convivência, uma vez que conviver com o diferente é parte desse processo de formação, até porque, como já mencionamos, é na escola que o aluno desenvolve seus aspectos cognitivos, motores e psicológicos.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    As revela à existência de ações políticas e sociais que possam concretizar e promover a efetividade da inclusão social da pessoa com necessidade educacional especial. Vejo que a sociedade deve compreender como se dá o processo de ensino-aprendizagem da criança com Síndrome de Down na Educação Básica, as dificuldades enfrentadas e as possibilidades e mecanismos de reconhecimento e aceitação dessas limitaçõ

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    No processo de inclusão a escola propõe a conviver com o "diferente", aceitá-lo, auxiliá-lo, e muitas vezes aprender algo com essas crianças. Entretanto para oferecer uma inclusão verdadeira é preciso entender as particularidades das crianças, mediar a socialização de forma que todos trabalham para o aprendizado de cada uma delas, em benefício de todos. Pretendo contribuir com as discussões éticas e educacionais que envolvem a formação da criança Down por meio da educação.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    A educação escolar é um dos contextos em que a criança aprende e desenvolve-se nos aspectos cognitivos, emocional e social. Por isso a necessidade de incluir a criança com necessidades especiais na escola, pois atender a todos é parte do processo educativo, por isso a diversidade cultural e outras questões sociais precisam ser vivenciadas também em sala de aula.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    Apresento algumas características que identificam a criança Down, o conceito de Educação Inclusiva e Educação básica, e da diversidade na educação. Relacionam-se aspectos positivos da inclusão da criança Down na Educação Básica e como deve acontecer essa inclusão, enumerando as dificuldades no processo de inclusão da criança Down na Educação Básica. Conceitua-se a Síndrome de Down e sua identificação, bem como o tratamento e a motivação para inserir a criança com deficiência na Educação Básica.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    O estudo realizado teve como foco principal compreender os avanços no processo de construção do conhecimento dos alunos de uma turma de 3º ano, através dos jogos matemáticos, priorizando, desse modo, a ludicidade no ensino. A pesquisa foi desenvolvida durante o estágio realizado pela acadêmica e pesquisadora junto a uma turma de 3º ano.

    Por: Luziane Da Silva Costal Educaçãol 15/12/2014 lAcessos: 11
    Maria Raichelda Freitas Silva

    Este artigo tem como temática "A nova Paróquia da Imaculada Conceição em Crateús". E Apresenta aspectos relevantes da igreja como instrumento fundamental para o crescimento de tantas paróquias, capaz de influenciar crianças, Adolescentes, jovens e adultos nos aspectos éticos, morais e sociais através de representantes dessas instituições como padres, Pisbos e seguidores. Os avanços desses espaços em todo país é visível.

    Por: Maria Raichelda Freitas Silval Educaçãol 19/06/2012 lAcessos: 97
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast