Modalidades Da Avaliação

Publicado em: 30/11/2009 |Comentário: 0 | Acessos: 6,314 |

Avaliação Diagnóstica

Na visão da avaliação diagnóstica, a concepção de educação passa a ver o educando como sujeito de sua própria aprendizagem. Nessa perspectiva, a avaliação não pode centrar-se nos produtos, mas sim no processo, em primeiro plano, sem comparação com padrões externos. O foco deixa de ser apenas o aluno.

A avaliação diagnóstica é muito complexa, já que envolve uma rede de relações em que estão incluídos aquele que ensina e aquele que aprende. Essa avaliação é utilizada por quem acredita que a pessoa humana é sempre capaz de crescer.

Pois, segundo Luckesi (1995):

Constitui-se num momento dialético do processo de avançar no desenvolvimento da ação, do crescimento para a competência, pois como diagnóstico ela será sempre um momento dialético do senso do estágio em que se está e a de sua distância em relação a perspectiva que está colocada como ponto a ser atingido à frente.

Um dos propósitos da avaliação com função diagnóstica é informar o professor sobre o nível de conhecimentos e habilidades de seus alunos, antes de iniciar o processo ensino-aprendizagem, para determinar o quanto progrediram depois de um certo tempo. No início do período letivo ele precisa fazer uma avaliação diagnóstica da classe, para verificar o que os alunos aprenderam ao longo dos períodos anteriores, isto é, qual a bagagem cognitiva que eles estão levando para aquela série.

A avaliação também auxilia a equipe técnica da escola no que se refere à formação e remanejamento das classes.

Assim, percebe-se que a avaliação diagnóstica, rapidamente se divulgou na literatura pedagógica brasileira, em especial na área de didática e formação de educadores, foi uma cunhada por Luckesi (1984), para nomear sua teoria sobre a avaliação da aprendizagem. Sua abordagem processual e qualitativa deveria pautar todos os procedimentos avaliativos, garantindo que a avaliação fosse um processo contínuo, compartilhado, sistemático e efetivamente democrático, comprometido com as aprendizagens do educandos.

Avaliação Formativa

Outra forma de avaliação é a formativa, com função de controle, sua realização é no decorrer do ano letivo, com a intenção de verificar se os educandos estão alcançando os objetivos previstos, isto é, os resultados obtidos durante o desenvolvimento das atividades propostas.

A avaliação formativa constrói-se num processo compartilhado, dialógico, formativo por excelência tanto para professores como para alunos, e isto toca numa questão política de organização da escola, de gestão dos processos pedagógicos e, sobretudo, de gestão das políticas públicas de educação curriculares, de avaliação, entre outras.A função da avaliação numa visão mais restrita seria: recolher informações nos objetivos, utilizando instrumentos válidos e precisos, interpretar informações recolhidas com base em critérios preestabelecidos, identificando objetivos atingidos e não atingidos, planejar atividades de recuperação para os alunos que não atingiram os critérios estabelecidos.

Assim, a avaliação formativa numa visão mais ampla visa buscar a compreensão e o funcionamento cognitivo do aluno face da tarefa proposta. Nesse sentido, determina se o educando tem domínio gradativo de cada etapa da instrução, antes de caminhar para a etapa seguinte do processo de ensino e aprendizagem. É nessa modalidade de avaliação que o aluno percebe seus erros e acertos e encontra estímulo para um estudo sistematizado. A avaliação formativa propicia orientar tanto o aluno no estudo como o professor no trabalho, pois pode ser utilizada como um recurso de ensino e como uma fonte de motivação.

Avaliação Somativa

A avaliação somativa, tem função classificatória, sua realização é no final de um curso, período letivo ou unidade de ensino, e consiste em classificar os alunos de acordo com os níveis de aproveitamento previamente estabelecidos, geralmente tendo em vista sua promoção de uma série para outra.

É uma visão mecanicista de educação, onde o professor é o dono do saber e os alunos passivamente acatam suas verdades, bem como as dos livros didáticos e das apostilas utilizadas.

A avaliação recai sobre os acertos, onde é estimulada a competição. O aluno estuda apenas para obter resultados convenientes, para “ passar de ano”.

Nesse caso, utiliza-se a avaliação classificatória, comparada por Gandim (1987) aquela feita pelo agricultor que separa, ao final da colheita, as laranjas boas das ruins, referindo-se apenas ao passado, sem a possibilidade de um diagnóstico para melhorá-las.

Diante do relato exposto pelo autor acima, pode-se afirmar que a avaliação somativa consiste em atribuir ao aluno uma nota ou conceito final para fins de promoção. Tradicionalmente, é com essa função que a avaliação tem sido mais usada na escola. A mesma supõe uma comparação, pois o aluno é classificado segundo o nível de aproveitamento e rendimento alcançado, geralmente em comparação com os demais colegas, isto é com o grupo classe.

Apresenta-se o seguinte quadro de forma esquematizada entre as três modalidades de avaliação, segundo a autora Haydt (sd):

MODALIDADES E FUNÇÕES DA AVALIAÇÃO

MODALIDADE

FUNÇÃO

PROPÓSITO

(para que serve)

ÉPOCA

(quando aplicar)

Diagnóstica

Diagnosticar

Verificar a presença ou ausência de pré-requisitos para novas aprendizagens.

Detectar dificuldades específicas de aprendizagem, tentando identificar suas causas.

Início do ano ou período letivos, ou início de uma unidade de ensino.

Formativa

Controlar

Constatar se os objetivos estabelecidos foram alcançados pelos alunos.

Fornecer dados para aperfeiçoar o processo de ensino e aprendizagem.

Durante o ano letivo, isto é, ao longo do processo de ensino e aprendizagem.

Somativa

Classificar

Classificar os resultados de aprendizagem alcançados pelos alunos, de acordo com níveis de aproveitamento estabelecidos.

Ao final de um ano ou semestre letivos, ou ao final de uma unidade de ensino.

Analisando o quadro, pode-se destacar que a avaliação não deve ser usada somente como forma de ameaça ou castigo para alunos indisciplinados, ou para preencher a aula quando o professor não tiver tido tempo para prepará –la, pois a mesma é um processo e como tal ela deve ser encarada. Sendo que a mesma deve fazer parte da rotina da sala de aula usando-a periodicamente como uns dos aspectos integrantes do processo ensino-aprendizagem.

Ao fazer uso conjugado da três modalidades da avaliação e suas respectivas funções como diagnosticar, controlar e classificar o professor estará garantido a eficácia do seu ensino e a eficiência da aprendizagem.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/modalidades-da-avaliacao-1521293.html

    Palavras-chave do artigo:

    avaliacao modalidades

    Comentar sobre o artigo

    Este artigo teve como finalidade investigar as dificuldades dos docentes do IFAC no tocante à avaliação do ensino-aprendizagem na modalidade PROEJA, como forma de auxiliar na orientação da prática pedagógica. Estuda os critérios avaliativos utilizados em sala de aula e sua relação com o planejamento de ensino global da Instituição. A pesquisa foi enriquecida com o trabalho de campo através de entrevistas semi-estruturadas e análise documental do projeto político-pedagógico dos cursos técnicos.

    Por: Gilmara Amorim de Moraesl Educação> Ensino Superiorl 01/12/2012 lAcessos: 155
    marlucia pontes gomes de jesus

    O texto discute a recomendação do Conselho Nacional de educação de que os alunos do ensino fundamental não sejam retidos nos dois primeiros anos de estudos, principalmente levando em consideração a grande rejeição da progressão continuada por professores e até mesmo pela população. Nesse contexto, faz uma distinção entre progressão continuada e progressão automática, procurando demonstrar a importância da recuperação contínua para que a sua adoção tenha sucesso.

    Por: marlucia pontes gomes de jesusl Educaçãol 25/07/2011 lAcessos: 1,819

    Este texto tem por objetivo mostrar ao professor que não se deve apenas aprovar ou reprovar o aluno mas sim servir como base para o professor descobrir as dificuldades do aluno e procurar técnicas diferenciadas para ajudar o aluno na aprendizagem.

    Por: João do Rozario Limal Educaçãol 11/04/2008 lAcessos: 96,233 lComentário: 7
    Clecia Pacheco

    O presente trabalho busca fazer uma demonstração dos aspectos teóricos da avaliação no processo de ensino e aprendizagem, destacando sua evolução ao longo dos tempos, o fator nota na avaliação, os princípios básicos e finalidades da avaliação, bem como as suas funções no processo de ensino e aprendizagem.

    Por: Clecia Pachecol Educação> Ensino Superiorl 12/10/2010 lAcessos: 6,570
    Pr. Suedem Medeiros

    Avaliar é dinamizar oportunidades de auto-reflexão, num acompanhamento permanente do professor. O professor deve assumir a responsabilidade de refletir sobre toda a produção do conhecimento do aluno, promovendo o movimento, favorecendo a iniciativa e a curiosidade no perguntar e no responder, construindo assim, novos saberes junto com o aluno.

    Por: Pr. Suedem Medeirosl Educação> Ensino Superiorl 03/12/2009 lAcessos: 7,988

    A avaliação institucional é um processo de criação de cultura, de busca contínua de atualização e de auto-superação pelos autores-sujeitos e de auto-regulação institucional, ao nível das estruturas de poder e do sistema, assegurando, assim, sintonia com as mudanças operadas na economia, nas ciências e na tecnologia. Uma concepção ampla de avaliação deve assegurar a articulação entre os sistemas de ensino, por meio do Sistema nacional de educação, bem como agregar indicadores institucionais, t

    Por: marcia simanl Educação> Ensino Superiorl 17/04/2011 lAcessos: 902

    Este artigo apresenta uma experiência do uso de instrumentos de avaliação na formação continuada para professores na modalidade a distância. Analisa o desenvolvimento e uso de instrumentos para avaliar o ambiente de aprendizagem da sala de aula a partir da perspectiva do aluno. Discorre sobre a avaliação, sua forma e importância, contextualiza sua aplicação nos “Cursos de Formação para Professores-tutores em EaD” promovidos pela Secretaria de Estado da Educação do Paraná (SEED). Trata do conceit

    Por: Marco Antonio Amarall Educação> Educação Onlinel 02/02/2010 lAcessos: 2,788 lComentário: 1

    Este artigo tem por objetivo levar os educadores a refletirem sobre a abordagem do sistema de avaliação do ensino e aprendizagem nas instituições escolares públicas e privadas a perceberem que não podem simplesmente medir e transformar de zero a cem a aprendizagem dos educandos. Para tanto utilizamos a pesquisa bibliográfica. Palavras – chave: Educação, Avaliação Escolar, Ensino – Aprendizagem.

    Por: João do Rozario Limal Educaçãol 01/04/2008 lAcessos: 163,101 lComentário: 3

    Este artigo tem como objetivo mostrar métodos avaliativos, conteúdos e concepções pedagógicas a respeito do tema avaliação na educação física escolar, não esquecendo das tendências da educação física escolar atual, ou seja, tem por objetivo maior mostrar as faces da educação física escolar e também que a educação física não se preocupa somente com cultura corporal e sim também com a formação do individuo enquanto pessoa.

    Por: clovis artur do n. juniorl Esportel 04/09/2012 lAcessos: 132

    Com o advento da globalização, a educação é tida como o maior recurso de que se dispõe para enfrentar essa nova estruturação mundial. Objetiva-se evidenciar a importância dos alunos encontrarem na escola não só evidências de seu próprio mundo, mas também aparato capaz de os "cunharem" para uma participação social plena e não "fatiada", como sugere o estudo por disciplinas. Jovens e adultos, público cada vez mais informatizado, exige que as disciplinas deixem de ser apresentadas de forma isolada.

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    A expressão artística faz parte da história humana desde os tempos mais remotos. Sendo assim, a Arte é um dos modos de conhecimento ao qual os estudantes devem também ter acesso, assumindo-se como sujeitos capazes de apreciação estética e criação artística, articuladas aos processos e mediações da cultura contemporânea. Diante das mudanças pelas quais o ensino-aprendizagem de Arte passou, vê-se a necessidade de discorrer a respeito da presença desta disciplina no currículo escolar, revendo sua i

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    Sabe-se que a educação é responsável pela formação do aluno enquanto cidadão, de maneira a prepará-lo para a vida em sociedade, para que saiba atuar criticamente nesse meio. Assim, a escola inclusiva busca complementar a formação do aluno por meio das relações de convivência, uma vez que conviver com o diferente é parte desse processo de formação, até porque, como já mencionamos, é na escola que o aluno desenvolve seus aspectos cognitivos, motores e psicológicos.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    As revela à existência de ações políticas e sociais que possam concretizar e promover a efetividade da inclusão social da pessoa com necessidade educacional especial. Vejo que a sociedade deve compreender como se dá o processo de ensino-aprendizagem da criança com Síndrome de Down na Educação Básica, as dificuldades enfrentadas e as possibilidades e mecanismos de reconhecimento e aceitação dessas limitaçõ

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    No processo de inclusão a escola propõe a conviver com o "diferente", aceitá-lo, auxiliá-lo, e muitas vezes aprender algo com essas crianças. Entretanto para oferecer uma inclusão verdadeira é preciso entender as particularidades das crianças, mediar a socialização de forma que todos trabalham para o aprendizado de cada uma delas, em benefício de todos. Pretendo contribuir com as discussões éticas e educacionais que envolvem a formação da criança Down por meio da educação.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    A educação escolar é um dos contextos em que a criança aprende e desenvolve-se nos aspectos cognitivos, emocional e social. Por isso a necessidade de incluir a criança com necessidades especiais na escola, pois atender a todos é parte do processo educativo, por isso a diversidade cultural e outras questões sociais precisam ser vivenciadas também em sala de aula.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    Apresento algumas características que identificam a criança Down, o conceito de Educação Inclusiva e Educação básica, e da diversidade na educação. Relacionam-se aspectos positivos da inclusão da criança Down na Educação Básica e como deve acontecer essa inclusão, enumerando as dificuldades no processo de inclusão da criança Down na Educação Básica. Conceitua-se a Síndrome de Down e sua identificação, bem como o tratamento e a motivação para inserir a criança com deficiência na Educação Básica.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    O estudo realizado teve como foco principal compreender os avanços no processo de construção do conhecimento dos alunos de uma turma de 3º ano, através dos jogos matemáticos, priorizando, desse modo, a ludicidade no ensino. A pesquisa foi desenvolvida durante o estágio realizado pela acadêmica e pesquisadora junto a uma turma de 3º ano.

    Por: Luziane Da Silva Costal Educaçãol 15/12/2014 lAcessos: 11
    SANDRA VAZ DE LIMA

    Empreendedores são pessoas que desejam participar ativamente da construção de um mundo novo, não apenas como expectadores, mas como atores das mudanças globais da atualidade. De modo geral a pesquisa busca conhecer as ações dos empreendedores nas organizações e dessa forma, saber como eles podem e devem contribuir para o crescimento e desenvolvimento. Especificamente buscou-se: diagnosticar o perfil "empreendedor"; identificar os desafios que a administração propõe ao gestor público.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 20/08/2013 lAcessos: 172
    SANDRA VAZ DE LIMA

    A Educação Especial é uma modalidade da Educação Básica, fundamentada no princípio da atenção à diversidade. Integram-se o Ensino Regular e a Educação Especial numa concepção da Educação Inclusiva, buscando a participação e permanência de todos os alunos na escola, numa educação de qualidade, onde o atendimento as pessoas com necessidades especiais não requer um ambiente especifico e único, mas sim necessita de recursos físicos, humanos e materiais para que seja possível atender a todos, adaptan

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 2,380
    SANDRA VAZ DE LIMA

    A Tecnologia Educacional é entendida como a área que estuda a aplicação das Tecnologias da Informação e Comunicação - TIC - na educação, a partir de um embasamento da didática, psicologia da aprendizagem e desenvolvimento tecnológico. Assim, as alterações no sistema educativo visam levar em conta as diferenças pessoais, estilos cognitivos, ritmos de aprendizagem, afinidades, áreas de interesse, estratégias de pensamento e motivação.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 178
    SANDRA VAZ DE LIMA

    Não existe uma única concepção sobre a EaD, pois o conceito evoluiu ao longo do tempo, influenciado pelo avanço das tecnologias da informação e da comunicação. Além disso, a concepção de educação a distância pode variar conforme o autor, sua base teórico-conceitual e sua concepção do que significam educação, ensino e aprendizagem.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 192
    SANDRA VAZ DE LIMA

    A expectativa é ao mesmo tempo ligada a pessoa e ao interpessoal, também a expectativa se realiza no hoje, e futuro presente, voltado para o ainda-não, para o não experimentado, para o que apenas pode ser previsto. Assim, percebe-se que a expectativa é um sentimento que surge diante de novidades, do diferente.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 96
    SANDRA VAZ DE LIMA

    Com os anos as análises históricas sofreram inúmeras mudanças, tendo historiadores como Jules Michelet que se preocupavam com histórias nacionais, espírito do povo, representando heróis. Tal autor chamou a atenção por identificar um agente sem rosto – o povo, as massas, como personagem da história e como protagonista dos acontecimentos.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 192
    SANDRA VAZ DE LIMA

    Conforme o texto "Correntes, campos temáticos e fontes", a escrita e a leitura são indivisíveis e estão contidas no texto, permitindo a comunicação e veicula representações, onde o historiador pergunta sobre quem fala e de onde fala, discutindo sobre ela. As relações entre essas instancias não são diretas nem reflexas, mas sim intermediadas pelo discurso narrativo, e para o entendimento da História Cultural pode ser o da metáfora, pois o discurso explica, fala de algo que se percebe e se entende

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 223
    SANDRA VAZ DE LIMA

    Entende-se que a História é construída conforme as práticas, as culturas de um determinado povo, uma organização social, onde o habitus integra os espaços de experiências, funcionando a cada momento vivido como matriz de sensações.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 74
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast