Não Se Cuida De Educação Neste País, Por Américo Menezes*

Publicado em: 03/08/2009 |Comentário: 0 | Acessos: 205 |

Comunicado importante para professores

O fenômeno que ocorre na atualidade de profundo descaso pelo problema da Educação em nosso País tem uma evidência que era para se sair fazendo protestos públicos, com faixas e gritaria nas ruas, segundo a moda já muito vulgarizada.

Falar em Educação, propriamente dita, não é falar em Instrução, pois há grande diferença entre uma e outra.

Instruir é uma tarefa que não é fácil, mas educar é outra, e mais difícil, bem como mais importante. A primeira desvantagem na execução dessas duas tarefas importantíssimas para a nacionalidade é a confusão que se faz entre as duas, que poderiam ser executadas ao mesmo tempo, uma beneficiando a outra, como acontece em colégio de cunho religioso, muitas vezes.

A Instrução e a Educação podem andar de mãos dadas, ambas desfrutando do mesmo grau de atenção, a primeira facilitando a segunda, e vice-versa.

Na capa dos livros, em títulos, noticiários e denominações de atividades relativas ao problema educacional, usa-se muito a palavra Educação, mas Educação mesmo, que é a parte da qual se devia cuidar com prioridade, fica inteiramente de lado, só se cuidando de Instrução, que é geralmente deficiente.

Quantas campanhas podem ser feitas em benefício deste imenso Brasil no plano da Educação! Em favor do aprimoramento do caráter do cidadão brasileiro, moço ou velho, dando ótimos resultados e do qual tanto se precisa! A Educação não tem limite de idade, isso é uma verdade incontestável perante qualquer pedagogo evoluído. Perguntasse isso a Anísio Teixeira, grande Mestre da nossa Educação que sobre essa, em seu magnífico compêndio intitulado Educação Progressiva deu a maravilhosa definição de o que é Educação: “É ir e vir com segurança, pensar com clareza, querer com firmeza, executar com tenacidade.” A pessoa que conseguir assimilar esse ensinamento, seja lá de que idade for, terá dado um grande passo à frente, um grande passo educacional.

Dever-se-ia fazer campanhas educativas como a feita para esclarecer sobre o HIV – o desempenho dela no Brasil foi considerado como um dos que teve os melhores resultados mundiais.

John Dewey, o maior pedagogo americano ou um dos maiores, diz: “Quando cresce, então, a vida? – cresce à medida que aumentamos o conteúdo de nossa experiência, alargando-lhe o sentido, enriquecendo-a com idéias novas, novas distinções e novas percepções; e à medida que aumentamos o nosso controle dessa experiência”.

Citemos mais um dentre tantos pedagogos: Monsenhor Pedro Anísio, notável e esquecido nessa área, lá da Paraíba, com seu excelente Tratado de pedagogia, Civilização Brasileira S.A. da Biblioteca Brasileira de Cultura, 2ª edição, dirigida por Alceu Amoroso Lima (Tristão de Athayde) – 1893-1983- proeminente escritor nosso, crítico literário que prefaciou o Tratado de pedagogia e nesse assegurou que o seu autor “saiu-se bem, de tal forma bem que creio poder afirmar não existir em nossas terras, até hoje, nenhuma obra do alcance desta em matéria de Educação.” Disse também: “Em nenhum setor a cultura moderna, e muito particularmente da nossa cultura brasileira, é tão necessária uma palavra de ordem e bom senso como no setor pedagógico”.

Quantas lições maravilhosas dadas nessa Pedagogia aos conterrâneos brasileiros, quanta Educação dada ao Brasil e que não se aprendeu! Especialmente na parte de Ética ou Moral.

Portanto, é verdade: “Não se cuida mesmo de Educação em nosso Brasil”. Há muito tempo.

O Japão, arrasado pela 2ª Guerra Mundial, com a Educação a que se impôs, em pouco tempo, se tornou um dos maiores Países do mundo! Grande exemplo a ser copiado.

Por que os dirigentes dos governos que se passam, no setor da Educação, não têm o gosto de querer pô-la em prática? – É um desprezo governamental.

Não se realiza a educação do nosso povo porque não há iniciativa nesse sentido. Só nessa área de campanhas muito se podia fazer de eficiente e proveitoso, até por empresas particulares que dispõem de muitos recursos, estimuladas por dispositivos de lei nesse sentido, gratificando-as ou premiando-as, como se fazem campanhas em favor da saúde pública.

Um jornalista de televisão, citemos seu nome: Boris Casoy, muito ouvido, fez uma grande campanha contra o vício de fumar, muito meritória, que produziu resultado inegavelmente positivo. Parece que não cobrou nada por fazê-la. Por que não se faz trabalho semelhante, educativo, contra a violência ou contra a corrupção? Um nome de realce, para o bem do Brasil, da Política ou das Letras caberia essa iniciativa. Em pouco tempo poderia ficar até célebre.

Mas, a Escola, desde a primária, desde a pré-primária até a mais graduada, a Universidade poderia ter essa incumbência diretamente. Um Professor loquaz, de renome, com pendores para o mister, para isso especialmente designado, mesmo nas Universidades, através de palestras periódicas, em pouco tempo, atingiria às raias do sucesso.

A Escola, a Família e a Igreja, todavia, são os maiores veículos ou ambientes para o trabalho educacional. A Escola, especialmente na etapa do Ensino Médio, o professor, com preparação especial, diplomado em Pedagogia, bem remunerado, teria a tarefa especial de ministrar lições de Moral ou Ética.

Não há, nem existe regulamentação oficial, nenhuma nesse sentido.

Não se cuida de Educação propriamente dita neste País. Essa é a triste realidade.

A Revolução Educacional de um povo, altamente positiva, pode processar-se desde que se tenha o propósito de fazê-lo e que se tenha compreensão para executá-la por meios eficientes. As campanhas educacionais, inclusive pela televisão, como muitas outras que são feitas com resultados muito positivos, também podiam ser realizadas sob regulamentação do Governo. Essa regulamentação oficial seria passo fundamental, a cargo da vasta estrutura administrativa que já existe no País relativa à Educação. Só o Conselho Nacional da Educação, CNE, órgão de alto nível, composto por figuras cuidadosamente selecionadas e, em seguida, nomeadas pelo Presidente da República, com facilidade, podia elaborar o Plano Fundamental da Educação Nacional – PFEN, como tantos outros planos com amplitude nacional que são elaborados e postos em prática neste País. A Educação tem o seu Ministério com muitos técnicos que poderiam se incumbir do bem-vindo plano. O que falta é iniciativa, ou então, coragem para enfrentar o problema. Todos os Estados da Federação têm sua Secretaria da Educação, órgão quase sempre bem estruturado. Até uma dessas Secretarias de um Estado, por exemplo, de São Paulo, podia idealizar e pôr em prática seu Plano Fundamental de Educação, uma vez que seria, grande benefício, sem dúvida, para os seus coestaduanos, além de ser dignamente imitado por outros Estados. Que se precisa de Educação nesse nosso grande Brasil corrupto e violento é evidente e incontestável.

Não há pessoa de bom nível cultural ou não que deixe de reconhecer essa verdade. Peçamos a Deus, então, por um Plano Nacional de Educação quanto antes. Por isso se fez o livro Educação Nacional – Formação do Caráter. É um Grande e Sincero Apelo. Veemente!

*Américo Menezes, Professor Catedrático, Advogado, Procurador Federal, ex-diretor de dois educandários no Espírito Santo, Escritor.

Serviço

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/nao-se-cuida-de-educacao-neste-pais-por-americo-menezes-1094701.html

    Palavras-chave do artigo:

    educacao

    ,

    brasil

    ,

    pais

    Comentar sobre o artigo

    Neste dia estava prevista a palestra de Domingos Gomes Aguiar Filho, Deputado Estadual e Presidente da Assembléia Legislativa do Estado do Ceará. Na ocasião haveria explanação sobre o Poder Legislativo Estadual. Fica nos devendo o deputado em alusão, que por motivos particulares não pôde comparecer ao Quartel do Comando Geral da Polícia Militar (QCG) para falar sobre o assunto epigrafado. Para substituí-lo foi convidado o general Torres de Mello, que nos brindou com uma excelente palestra.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Notícias & Sociedade> Polítical 03/12/2008 lAcessos: 899
    marlucia pontes gomes de jesus

    O artigo faz uma retrospectiva do analfabetismo no Brasil desde o Império até os dias atuais.

    Por: marlucia pontes gomes de jesusl Educaçãol 17/04/2011 lAcessos: 4,475
    André Reis

    Este trabalho traz um estudo da matéria educação em todas as Constituições brasileiras considerando o cenário social, econômico e político de cada período. A finalidade deste artigo é proporcionar um entendimento de como o assunto se desenvolveu até culminar na atual Constituição - cuja temática educacional é tratada como direito fundamental e incluída no rol de direitos sociais.

    Por: André Reisl Direito> Doutrinal 18/01/2011 lAcessos: 1,428
    marlucia pontes gomes de jesus

    O artigo trata da evolução da Eja no Brasil e, em especial, no Estado do Espírito Santo, focalizando a questão da necessidade da oferta de uma educação de qualidade.

    Por: marlucia pontes gomes de jesusl Educaçãol 18/04/2011 lAcessos: 2,219
    marlucia pontes gomes de jesus

    O artigo faz uma retrospectiva da educação profissional no Brasil sobre o prisma do seu objetivo inicial que era o de "atender aos desvalidos da sorte", direcionando o tema para a situação no Espírito Santo, utilizando artigo do presidente do Conselho Estadual de Educação.

    Por: marlucia pontes gomes de jesusl Educaçãol 18/02/2012 lAcessos: 248
    Wanderson Militão

    Nos dias atuais, muito tem se falado em relação aos cursos de licenciaturas criados pelo governo federal com a implantação dos Institutos Federais (IF's). Busca-se mostrar a situação do Licenciando no país. O início precoce na profissão, as conseqüências de uma fraca base no ensino médio e a busca do governo em reverter o quadro da situação no Brasil.

    Por: Wanderson Militãol Educação> Ensino Superiorl 07/08/2011 lAcessos: 159 lComentário: 1

    Os avanços de educação especial no Brasil parecem ter sido marcados pós-movimento da sociedade inclusiva, especialmente com a divulgação da Declaração de Salamanca (1994):

    Por: Thais Milene Souza Lopesl Educaçãol 04/12/2010 lAcessos: 1,698
    Valdec Romero Castelo Branco

    Em um país com dimensões continentais pode-se afirmar que, a médio e longo prazo, é inviável pressupor que o desenvolvimento econômico e social se dará sem o desenvolvimento simultâneo de uma indústria competitiva. Em uma economia mundial cada vez mais internacionalizada podemos afirmar que a perda de competitividade das empresas brasileiras, traz como conseqüência à destruição das suas condições de sobrevivência, promovendo um processo de desindustrialização nacional.

    Por: Valdec Romero Castelo Brancol Educaçãol 20/07/2010 lAcessos: 1,172

    A legislação atual acentua cada vez a Educação como indicador de desenvolvimento social e econômico do país. Nesse cenário, a Educação Infantil brasileira, considerada primeira etapa da Educação Básica, vem conquistando destaque e intensas transformações, em busca de qualidade e acesso a todos que dela precisam.

    Por: Daniela Feltrinl Educação> Educação Infantill 21/11/2011 lAcessos: 463

    Com o advento da globalização, a educação é tida como o maior recurso de que se dispõe para enfrentar essa nova estruturação mundial. Objetiva-se evidenciar a importância dos alunos encontrarem na escola não só evidências de seu próprio mundo, mas também aparato capaz de os "cunharem" para uma participação social plena e não "fatiada", como sugere o estudo por disciplinas. Jovens e adultos, público cada vez mais informatizado, exige que as disciplinas deixem de ser apresentadas de forma isolada.

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    A expressão artística faz parte da história humana desde os tempos mais remotos. Sendo assim, a Arte é um dos modos de conhecimento ao qual os estudantes devem também ter acesso, assumindo-se como sujeitos capazes de apreciação estética e criação artística, articuladas aos processos e mediações da cultura contemporânea. Diante das mudanças pelas quais o ensino-aprendizagem de Arte passou, vê-se a necessidade de discorrer a respeito da presença desta disciplina no currículo escolar, revendo sua i

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    Sabe-se que a educação é responsável pela formação do aluno enquanto cidadão, de maneira a prepará-lo para a vida em sociedade, para que saiba atuar criticamente nesse meio. Assim, a escola inclusiva busca complementar a formação do aluno por meio das relações de convivência, uma vez que conviver com o diferente é parte desse processo de formação, até porque, como já mencionamos, é na escola que o aluno desenvolve seus aspectos cognitivos, motores e psicológicos.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    As revela à existência de ações políticas e sociais que possam concretizar e promover a efetividade da inclusão social da pessoa com necessidade educacional especial. Vejo que a sociedade deve compreender como se dá o processo de ensino-aprendizagem da criança com Síndrome de Down na Educação Básica, as dificuldades enfrentadas e as possibilidades e mecanismos de reconhecimento e aceitação dessas limitaçõ

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    No processo de inclusão a escola propõe a conviver com o "diferente", aceitá-lo, auxiliá-lo, e muitas vezes aprender algo com essas crianças. Entretanto para oferecer uma inclusão verdadeira é preciso entender as particularidades das crianças, mediar a socialização de forma que todos trabalham para o aprendizado de cada uma delas, em benefício de todos. Pretendo contribuir com as discussões éticas e educacionais que envolvem a formação da criança Down por meio da educação.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    A educação escolar é um dos contextos em que a criança aprende e desenvolve-se nos aspectos cognitivos, emocional e social. Por isso a necessidade de incluir a criança com necessidades especiais na escola, pois atender a todos é parte do processo educativo, por isso a diversidade cultural e outras questões sociais precisam ser vivenciadas também em sala de aula.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    Apresento algumas características que identificam a criança Down, o conceito de Educação Inclusiva e Educação básica, e da diversidade na educação. Relacionam-se aspectos positivos da inclusão da criança Down na Educação Básica e como deve acontecer essa inclusão, enumerando as dificuldades no processo de inclusão da criança Down na Educação Básica. Conceitua-se a Síndrome de Down e sua identificação, bem como o tratamento e a motivação para inserir a criança com deficiência na Educação Básica.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    O estudo realizado teve como foco principal compreender os avanços no processo de construção do conhecimento dos alunos de uma turma de 3º ano, através dos jogos matemáticos, priorizando, desse modo, a ludicidade no ensino. A pesquisa foi desenvolvida durante o estágio realizado pela acadêmica e pesquisadora junto a uma turma de 3º ano.

    Por: Luziane Da Silva Costal Educaçãol 15/12/2014 lAcessos: 11

    Se assim o for, também, algo que pela ´´Lei dos Improváveis`` versus ´´Os Contras Rebaixados nas Pesquisas``, esses não causarão tamanhos rumores por mais ou menos uns quinze dias na liderança dos escândalos dos noticiários. Tiriricas. Eles somem por um tempo – mas não por muito tempo!

    Por: Celso Fernandesl Notícias & Sociedade> Cotidianol 06/03/2014 lAcessos: 20

    Quem chegar primeiro, chega primeiro e ai de qual Vossa Excelência chegar por último na corrida do saco e disser que ouve trapaça na hora da largada.

    Por: Celso Fernandesl Notícias & Sociedade> Cotidianol 06/12/2013 lAcessos: 38

    Resta saber, como se operacionalizaria tal ressarcimento. A quem deverá ser apresentada a conta, caso as eminências togadas declarem insuficientes os índices aplicados na salada de Planos fracassados.

    Por: Celso Fernandesl Notícias & Sociedade> Polítical 06/12/2013 lAcessos: 11

    De repente, a ´´Fazenda``, os ´´Big Brothers``, o esperam para uma contra-espionagem relâmpago. Isso tudo muito além das cobras, lagartos e pererecas 24 horas de plantão, que fique bem claro.

    Por: Celso Fernandesl Notícias & Sociedade> Cotidianol 22/11/2013 lAcessos: 14

    Nada como a estridência de um espetáculo para determinar uma opção política. Um espetáculo de ópera-bufa protagonizado por um candidato comunicador e pronto, muda o destino de um país. A

    Por: Celso Fernandesl Notícias & Sociedadel 22/11/2013 lAcessos: 25

    Enfatizando a anedota, como diria um bom filósofo nível copydesk, é que às vezes precisamos sentir medo. Medo até de não sentir medo. Senão o sexto sentido, (...).

    Por: Celso Fernandesl Notícias & Sociedade> Cotidianol 22/08/2013 lAcessos: 29

    Tudo uma questão de vontade política. Assim, para se chegar a um superávit primário do tamanho prometido, bastaria eliminar dos cálculos investimentos benditos. Como corolário: Se isso não fosse suficiente, poderiam ser adicionados variáveis ‘dummy'.

    Por: Celso Fernandesl Notícias & Sociedade> Polítical 22/08/2013 lAcessos: 36

    Filosofar muito no jogo do bafo, hã?, para que, e ainda bem que com essa investida de mudanças todas na ortografia, as aspas ainda podem correr livremente, soltas, ´´sem censura``, uma vez passado o escanteio do adiante.

    Por: Celso Fernandesl Notícias & Sociedade> Cotidianol 06/07/2013 lAcessos: 32
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast