Números Romanos

Publicado em: 02/01/2009 |Comentário: 33 | Acessos: 50,305 |

Números Romanos



Creio que todos já nos deparamos com textos em que aparecem números usando o que são chamados de Algarismos Romanos. Os professores de história, com certeza, além de suas leituras serem freqüentadas por esse sistema numérico, vêm seus alunos com algumas dificuldades na leitura quando precisam identificar os séculos. Além dos séculos, vários outros textos e objetos são sinalizados com algarismos romanos, como artigos de contratos, de leis, capítulos de livros e seus respectivos sumários...


No caso dos professores de história creio que a dificuldade com os números seja de duas naturezas: a identificação dos séculos assinalados com algarismos romanos e o entendimento dos números negativos para a identificação das datas antes de Cristo. Não vamos nos deter nesta segunda dificuldade. Deixemos que outros colegas nos ajudem a melhor orientar nossos alunos e vamos ao que, aqui, nos interessa.


Primeiramente devemos destacar que o nosso atual sistema numérico, o indo-arábico, é formado por dez símbolos seqüenciais aos quais denominamos de: zero (0), um (1), dois (2), três (3), quatro (4), cinco (5), seis (6), sete (7), oito (8) e nove (9).


Entretanto, não podemos nos esquecer que esses sinais, aos quais chamamos de números, são apenas símbolos que representam uma idéia de quantidade. O símbolo 3 representa uma quantidade convencionada e quando nos referimos a essa quantidade usamos o símbolo 3 ou a palavra três. Noutras palavras: isso que chamamos de número, na realidade é um símbolo convencionado e não o número mesmo. Podemos acrescentar que nesse universo das quantidades e grandezas somos limitados pelos símbolos. Temos a idéia da grandeza ou da quantidade, mas não nos relacionamos com elas e sim com os símbolos que convencionamos para nos referir a essas realidades. Quando falamos: “tenho cinco amigos”, nos referimos aos amigos e não ao 5; ou seja tenho os amigos e não o 5. Se disser que adquiri 1 carro posso mostrar o carro mas não o 1... Além disso os símbolos 5 e 1 não são os amigos nem o carro!


Outro aspecto a ser mencionado é que o nosso sistema numérico é diferente daquele usado pelos antigos gregos e romanos, que usavam letras para designar quantidades. Ou seja esses povos usavam outros símbolos. O sistema que usamos, com os símbolos que conhecemos, ao que tudo indica, originou-se na Índia; e a partir do século IX, em plena idade média, foi difundido por Mohammed-al-Khowarizmi (o nome desse algebrista, na pronuncia latinizada virou algarismo). Esse sistema, ou os símbolos usados, chegou à Europa, provavelmente, com as caravanas comerciais que plantaram as sementes do renascimento.


Vale lembrar que, nesse período a igreja proibia qualquer elemento de origem pagã ou dos “infiéis” (como eram chamados os muçulmanos). Mesmo assim o sistema indo-arábico se difundiu pela Europa, principalmente por causa de sua praticidade em relação aos algarismos romanos, usados na Europa medieval. Imagine a dificuldade em se fazer uma operação de divisão, com algarismos romanos!


Podemos dizer que a demora da Europa utilizar os símbolos indo-arábicos se deve ao fato de que, durante o período medieval, praticamente não existirem relações comerciais, no velho continente. Havendo pouca relação comercial havia pouca utilização de números, portanto os velhos números romanos permaneciam. Mas na medida em que o comércio foi se fortalecendo e o mundo renascentista se impondo, nasceram outras necessidades. Entre elas a utilização de sistemas mais práticos e eficientes para as anotações e operações contábeis.


Existe um livreto “Matemática: a utilidade dos números em nossa vida”, da coleção “fique por dentro”, editado pela editora Gold, publicado em 2001, que traz várias curiosidades sobre vários aspectos da matemática. Entre eles algumas curiosidades sobre os Algarismos Romanos. O livro, de litura agradável, não tem um autor, mas três editores de texto: Fábio Bahr, Luciana Coutinho e Sérgio Yamasaki.


Na oitava página os editores afirmam que atualmente em alguns textos “os sinais que identificam os séculos são diferentes dos símbolos com os quais fazemos conta” e explicam: “esses símbolos, em forma de letras, são chamados de números romanos”.


Vamos conhecer um pouco mais sobre os algarismos romanos e sua correspondência com os símbolos indo-arábico. Devemos destacar que o livreto em questão não diz, mas precisa ser notado, que no sistema numérico romano não havia um símbolo para o Zero (0). A ordem era: 1=1; II=2; III=3; IV=4; V= 5; VI=6; VII=7; VIII=8; IX=9; X= 10. Além desses acrescenta-se os símbolos L=50; C=100; D=500; M=1000


Estes símbolos são combinados com outros para formar os valores pretendidos.


Ainda desse livreto é que nos vem a seguinte afirmação: “À primeira vista, o sistema numérico romano parece um tanto complicado. Mas, se você conhecer algumas regras básicas, verá que ele é bem mais fácil do que parece. A primeira delas é que as letras I, X, C e M podem ser repetidas no máximo 3 vezes.” Consequentemente as letras V, L e D, não se repetem, mas podem ser precedidas ou sucedidas por outras letras/números.


1=I; 2=II; 3=III


10=X; 20= XX; 30=XXX


100= C; 200=CC; 300 =CCC


1000=M; 2000=MM; 3000=MMM


A outra dica para se ler e escrever os algarismos romanos é que se colocarmos algarismos menores do lado esquerdo de outros maiores devemos fazer uma subtração para chegarmos ao seu valor. E quando os algarismos menores são colocados à direita, deve-se fazer uma adição, para se chegar ao valor escrito, como no exemplo:


Símbolos menores à esquerda: IV= 4(5-1); IX=9(10-1); XL= 40(50-10); XC=90(100-10); CD=400(500-100); CM=900(1000-100).


Símbolos menores à direita: VI=6(5+1); XI=11(10+1); LC=60(50+10); CX=110(100+10); DC=600(500+100); MC=1100(1000+100)


Essas são apenas algumas informações sobre os algarismos romanos. Vale a pena reaprendê-los, pois mesmo com a praticidade do nosso sistema numérico, eles continuam sendo largamente usados.


Neri de Paula Carneiro – Mestre em Educação, Filósofo, Teólogo, Historiador.


Leia mais: <http://www.webartigos.com/authors/1189/Neri-de-Paula-Carneiro>;  <www.brasilescola.com.br>




Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 47 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/numeros-romanos-706444.html

    Palavras-chave do artigo:

    educac ao matematica filosofia da matematica

    ,

    algarismos romanos

    Comentar sobre o artigo

    leticia dos santos geraldo

    A essência do Construtivismo nasceu fundamentalmente da teoria da Epistemologia Genética de Jean Piaget. A hermenêutica do construtivismo designa-se hoje, a buscar, conhecer, métodos pedagógicos, sendo utilizada como determinados aspectos para a aprendizagem, pois se popularizou como "método construtivista".O objetivo deste trabalho é mostrar o real objetivo da prática construtivista e o que ela pode mudar no meio educacional.

    Por: leticia dos santos geraldol Educaçãol 11/04/2015
    Joseléia Graciano da Silva

    O presente trabalho tem por objetivo refletir sobre as contribuições do processo educativo escolar no sistema prisional, de modo a abordar a funcionalidade da escola nesse espaço singular, apontando não só o caráter legal do atendimento em educação por parte das instituições prisionais, mas também os fatores que motivam os sentenciados/detentos a procurarem a escola no presídio.

    Por: Joseléia Graciano da Silval Educaçãol 10/04/2015
    Joseléia Graciano da Silva

    Nell. Direção: Michael Apted. Produção: Renee Missel e Jodie Foster. Interprétes:Jodie Foster,Liam Neeson e Natasha Richardson e outros. Roteiro: William Nicholson e Mark Handley, 1994. (115 min).

    Por: Joseléia Graciano da Silval Educaçãol 10/04/2015
    Carlos Henrique Araújo

    Tudo ruiu como um castelo feito de cartas já no final de 2014. Com o ajuste fiscal, ficou absolutamente claro de que os programas sociais seriam essencialmente afetados. O MEC sofreu o maior corte financeiro de sua história. Segundo analistas, o ministério da Pátria Educadora teria seu orçamento diminuído em sete bilhões de reais anuais.

    Por: Carlos Henrique Araújol Educaçãol 02/04/2015 lAcessos: 17
    Elaine Peres da Silva

    É indispensável ao desenvolvimento do ser humano o trabalho de sensibilização diante da sociedade, começando pela própria escola, o local de aprendizagem e formação do indivíduo. É preciso que o estudante, enquanto cidadão perceba a importância de sua participação nas questões que envolvem o meio ambiente, desde então, as pequenas ou grandes atitudes podem amenizar, mesmo que parcialmente, a contaminação da natureza.

    Por: Elaine Peres da Silval Educaçãol 27/03/2015 lAcessos: 18
    Fernando Corrêa manarim

    afirmamos que existem outras formas de jogar xadrez além da competição, ou seja, que o xadrez é uma ferramenta que pode trabalhar o praticante pedagógica e terapeuticamente, ensinando a se conhecer, conhecer os outros e conhecer o mundo a qual pertence. Isso pode ser comprovado na Lenda de criação do xadrez, conhecida como a Lenda de Lahur Sessa, lenda que pode ser encontrada na obra de Malba Tahan, "O Homem que calculava".

    Por: Fernando Corrêa manariml Educaçãol 16/03/2015 lAcessos: 12

    1. Por que o regime de ciclos e a progressão continuada são tão criticados? 2. Qual a real eficácia da progressão continuada e quais são os problemas gerados por esta prática? 3. Quais suas implicações políticas? 4. Quais os aspectos negativos deste sistema? 5. Qual o papel do professor, do coordenador e supervisor escolar? 6. Qual a importância da avaliação neste processo?

    Por: EULER DE CASTRO SANTOSl Educaçãol 15/03/2015 lAcessos: 18

    RESUMO A violência é sem duvida, além de uma das grandes preocupações da sociedade, o grande problema a ser enfrentado, principalmente na dura realidade das escolas públicas do Brasil. Atinge a todos na escola, contudo a grande vitima deste problema é o professor, cada vez mais desmotivado e que se encontra quase sempre acuado e de mãos atadas diante do problema. Ocorre de maneira velada e de diversos modos, sendo, obviamente causada pela falta de limites e de ações efetivas para enfrentar o pro

    Por: EULER DE CASTRO SANTOSl Educaçãol 15/03/2015 lAcessos: 19

    Sugestões com técnicas de estudo e leitura. Texto destinado a estudantes do ensino médio. pode ser aproveitado por todo leitor

    Por: NERI P. CARNEIROl Educação> Ciêncial 10/08/2014 lAcessos: 31

    A III Conferencia Nacional da Cultura nos propõe algumas reflexões não só sobre cultura, mas principalmente sobre o direito à cultura

    Por: NERI P. CARNEIROl Educaçãol 07/07/2013 lAcessos: 52

    Percebeste o crescimento da violência em nossa sociedade? para minimizar a violência nos tornamos mais violentos. Isso não é novo, apenas evidencia uma característica do ser humano: a crueldade que produz violência. Produz situações de maldade e age violentamente de forma intencional. Não falo apenas pelo que fazem os bandidos, mas também a partir dos tiros da polícia, institucionalisando a violência. Maquiavel e Nietzsche, comentam isso.

    Por: NERI P. CARNEIROl Educaçãol 12/10/2009 lAcessos: 466

    Faço aqui um manifesto ecológico em favor das sacolas de plástico. E não estou louco – a não ser de ira contra os aproveitadores!!! Um equívoco está se alastrando: a necessidade de por fim às sacolas plásticas, no comércio. Isso é engodo em nome do lucro.

    Por: NERI P. CARNEIROl Educaçãol 09/10/2009 lAcessos: 724 lComentário: 1

    Para nós que as enfrentamos ou sofremos suas conseqüências, as crises, catástrofes, cataclismos, tragédias, ou grandes acidentes – depende de como as queiramos denominar – não são bem vindas. Mas as tragédias são o prato principal, do qual se nutre a imprensa e são esperadas ou buscadas – ou fabricadas – para deleite do sensacionalismo, principalmente televisivo. Exemplo típico está ocorrendo agora.

    Por: NERI P. CARNEIROl Educação> Ciêncial 11/05/2009 lAcessos: 398

    No livro de Atos dos Apóstolos encontramos uma das passagens mais controvertidas, discutidas e, ao mesmo tempo, belas, do Novo testamento. Trata-se At, 2,1-11 que se popularizou como fundamentação para a festa do Pentecostes.

    Por: NERI P. CARNEIROl Religião & Esoterismo> Religiãol 22/01/2009 lAcessos: 1,120 lComentário: 2

    Em se tratando de estudos bíblicos nem tudo são certezas e unanimidade. Existem contradições em relação às opiniões e conclusões. Uma delas é em relação a Lucas e à autoria do evangelho de Lucas e os Atos dos Apóstolos. A tradição cristã atribui tanto o texto do quarto Evangelho como o de Atos dos Apóstolos a Lucas, médico mencionado por Paulo em 2Tm 4,11; Cl 4,14 e Fm 24. Alguns autores, entretanto, preferem dizer que ambos são personagens distintos

    Por: NERI P. CARNEIROl Religião & Esoterismo> Religiãol 22/01/2009 lAcessos: 4,260

    A historicidade da Bíblia é, muitas vezes, colocada como argumento de fé. Muitas vezes a Bíblia é usada de forma definitiva, sem considerar elementos simbólicos e textuais que não podem ser desconsiderados. Se for encarada dessa forma tanto a fé como a razão tem que se submeter a algumas contradições textuais que estão presentes no texto bíblico.

    Por: NERI P. CARNEIROl Religião & Esoterismo> Religiãol 22/01/2009 lAcessos: 1,743 lComentário: 1

    Comments on this article

    -1
    Anna 25/08/2011
    Como eram feitas as quatro operações basicas com numeros romanos antigamente??
    Ajuuuuuuuuuuuuuda, para um trabalho para AMANHÃ O.O
    -1
    natalia 18/08/2011
    eu achei super tamtamtam
    -1
    ana 24/05/2011
    nao sei se esa foi a intencao dos direitos do programas de televisao ou qualquer outra coisa vc escreveu como um professor proficional de geografia
    -7
    bilu 07/04/2011
    NAUM ACHEI O SIGNIFICADO DO NUMERO 2009
    1
    marina 01/03/2011
    nao gostei!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    -2
    nuna 17/02/2011
    orrivel
    -5
    EDUARDA 21/01/2011
    NAUM ACHEI O SIGNIFICADO DO NUMERO 19
    -2
    rodrigo amaral de souza 30/11/2010
    queria que voceis me encinacem... mais um pouco.....
    3
    Paolla 04/11/2010
    Não gostei muito desse site não,não tem nada a v com que eu procuro.AFF
    0
    byanka 19/08/2010
    olha e muito bom numeros romanos porque e muito facil então eu digo vamos praticar mais numeros romanos
    2
    giovanni 16/08/2010
    oi, boa tarde, essa afirmação de que os os numerais romanos é algarismo é pura mentira, como al-karismi criou esse sistema de numeração romana, se os numeros que ele trabalhou foi com 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, e logo depois introduziu esse zero, e a esse conjunto por seus estudos e aprefiçoamento deram esse nome em sua homenagem aos novos numeros da índia, e os numerais romanos era I, V , X, L, D, C e M, impossivel al-karismi ter inventado e aperfeiçoado esse sistema se existe há seculos antes de ele ter nascido. o certo é romanos numerais e algarimos os novos simbolos utilizados por nos ate hoje. Essa é a minha opinião por meus estudos em historia nessa fase da matematica.
    -6
    vitória 23/06/2010
    como se faz o numero 10?
    0
    EDINHO 12/06/2010
    MUITO BOM
    0
    Mariia 31/05/2010
    Eu num tô encontrando o que quero será q alguem pode me ajudar ?
    4
    Giovanna Mathews Brookes 19/05/2010
    Quem quiser saber a história dos número, acesse o Youtube.com e coloque lá em cima: A história do número 1!!!
    0
    sthefanie 03/05/2010
    quero os numeros romanos de 1 a 90000000
    -2
    maria edoarda 22/04/2010
    deveria ter aonde são usados os numeros romanos
    -2
    ryan 21/04/2010
    vingança da natureza!
    -1
    karen 15/04/2010
    sou sex
    3
    thais 12/04/2010
    muito obrigado vcs me ajudaram muitoooooooooooooo
    -3
    david emanuel 11/03/2010
    ei valeu pela força q midero valeu mesmo
    -8
    luiz felipe 05/03/2010
    quero sa ber como eles transavam
    -3
    CAMILA 08/02/2010
    NUMEROS ROMANOS
    -3
    kadri 05/11/2009
    adorei♥
    2
    teca 26/10/2009
    a explicação é mt boa,e mt interessante, mas queria saber a história dos números...
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast