O Adolescente E A Mídia

Publicado em: 09/04/2008 |Comentário: 3 | Acessos: 23,669 |

O ADOLESCENTE E A MÍDIA

Por: Sonia das Graças Oliveira Silva

A adolescência é uma fase idealizada na nossa cultura e, sem dúvida refere-se à fase de conflitos, crises, dúvidas e angústias. Muitos pais planejam ocupar completamente o tempo de seus filhos, pensando em não sobrar espaços para os vícios, maus hábitos e coisas assim e para isso instalam verdadeiro regime militar, que antes não era exigido. Ou de tão difícil que acham aproximar-se do adolescente, preferem afastar-se e esperar a fase passar. O adolescente é alguém que está saindo da infância e ainda não chegou a idade adulta. É um ser em crise, em conflito. Esse momento é absolutamente necessário como etapa evolutiva. Não dá para se evitar. E no meio desse turbilhão de idéias e transformações, o jovem vai estabelecendo sua identidade. A instabilidade emocional, as tristezas ocasionais, os rompantes de ódio, as contestações, são parte do caminho para o crescimento. E em meio a tantos sentimentos diferentes emerge a mídia, a televisão, a internet, os videogames e esta vasta tecnologia digital, com telas coloridas, sinalizando a modernidade e o futuro.

É difícil pensar a sociedade sem trazer à cena os meios de comunicação social. Eles são presenças constantes onde quer que a vida aconteça. Refletir a esse respeito desenrola inúmeros fios de redes, nas quais se mesclam os relacionamentos sociais e tantas outras questões ligadas à sociedade e a nós mesmos. É real reconhecer que pela mídia eletrônica, especialmente pela televisão, o adolescente ingressa numa esfera pública que é comum ao adulto. Eles se configuram como um público que tem acesso aos temas da mídia, e é alvo de suas comunicações.
A mobilização da sociedade sobre o assunto nunca foi tão urgente, pois é visto que a audiência a qualquer custo está minando a qualidade e o estímulo a produções infanto-juvenis. Felizmente já podemos sentir que muitos pais e vários especialistas, assim como profissionais de mídia, mantêm uma preocupação em buscar a qualidade.
Neste contexto, torna-se fundamental fornecer subsídios para que os jovens questionem as ideologias que norteiam a produção midiática e estejam conscientes dos fatores que influenciam seu conteúdo. É preciso também que a juventude conheça as possibilidades de interagir com essas produções.
Na medida em que, os jovens de gerações recentes estão fortemente expostos às mensagens veiculadas pela televisão, torna-se fundamental discutir a leitura desse meio, tendo em vista suas múltiplas possibilidades de influência sobre o desenvolvimento adolescente.
A TV criada de forma a aproveitar ao máximo os conhecimentos gerados pelos outros meios de comunicação, como o cinema e o rádio, chega aos cinqüenta anos como uma fonte de estudos extensa e desafiadora.
Partindo da verdade de que a televisão é entretenimento, o jovem procura uma programação que o mantenha atento diante da tela. Ele quer sentir emoções, sem pedir por elas. Ele quer se sentir informado, sem se sentir ignorante. Ele quer aprender sem se sentir em uma escola. Sendo a TV formadora de opinião e de comportamento, ela reúne a velocidade da informação ao fascínio de suas imagens e integra todas as regiões do país, apesar de suas diferenças sociais, econômicas e culturais.

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 14 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/o-adolescente-e-a-midia-382507.html

    Palavras-chave do artigo:

    adolescente

    ,

    midia

    ,

    pais

    Comentar sobre o artigo

    Cleyton Douglas Vital

    A televisão é um meio eficaz de divulgar a mensagem, a um grande número de pessoas. O problema está em definir que tipo de mensagens, e para quem. Na prática, é qualquer mensagem para qualquer pessoa que esteja em frente ao aparelho de TV. E isto se torna preocupante, à medida que observamos que grande parte do público que assiste à televisão é formada por crianças e adolescentes, que são, justamente, os indivíduos mais vulneráveis nesse processo.

    Por: Cleyton Douglas Vitall Educação> Ciêncial 21/06/2010 lAcessos: 585
    SONIA OLIVEIRA SILVA

    Não há como negar que as mídias tenham potencial para impactar significativamente seus públicos. Atualmente, várias crianças e adolescentes estão conectados com algum meio de comunicação durante boa parte de seu tempo, mas nem sempre expostos a conteúdos que se consideram recomendáveis.

    Por: SONIA OLIVEIRA SILVAl Educaçãol 09/04/2008 lAcessos: 2,190

    O objetivo deste estudo foi verificar como a mídia influencia o desenvolvimento moral da criança, quando da sua exposição nos meios de comunicação a partir de uma denúncia não verídica de violência sexual em uma escola infantil do município de Vila Velha, Espírito Santo. Trata de um estudo descritivo, desenvolvido na Unidade Municipal de Educação Infantil "José Silvério Machado", Jardim Marilândia, Vila Velha, ES. Participaram do estudo 10 professores.

    Por: ADRIANA CHAGAS MEIRELES ZURLOl Educaçãol 28/08/2014 lAcessos: 47

    Grande parte dos estudos nesse campo procurou investigar se existia associação entre as histórias sobre suicídio que aparecem na mídia e o aumento do índice de suicídio na população em geral.

    Por: Wagner Paulonl Lar e Família> Adolescentesl 27/12/2009 lAcessos: 456
    Ana Paula Pinto

    A análise da participação e dos direitos à juventude brasileira na atualidade se impõe como necessidade perante o grande contingente jovem e à situação de vulnerabilidade que se encontra grande parte desse contingente. Para enfrentar tal quadro os programas sociais dos governos, especificamente o Projovem no Brasil, tem sido uma das alternativas apontadas para estimular o protagonismo juvenil. sendo assim, procuramos apreender as perspecções política dos participantes do Projovem Adolescente.

    Por: Ana Paula Pintol Educaçãol 27/12/2010 lAcessos: 2,700 lComentário: 2
    Idalina Gonçalves Fernandes

    Este artigo tem a intenção de orientar professores e pais, quanto o abuso sexual e a violência contra crianças e adolescentes e sua influência no meio educacional, principalmente no estado do Espírito Santo. Pois o índice de crianças e adolescentes violentados e abusados sexualmente é altissimo para um Estado tão pequeno.

    Por: Idalina Gonçalves Fernandesl Educação> Ensino Superiorl 31/07/2010 lAcessos: 1,355 lComentário: 23

    O escopo do presente artigo é informar, na medida do possível, sobre a interrupção do processo gestatório por adolescentes com o emprego do medicamento cytotec®, como um grave problema de saúde pública brasileiro e como o enfermeiro pode contribuir para amenizar tal problema. Foge ao objetivo proposto enfocar os aspectos jurídicos, éticos, morais, as implicações de índole religiosa, a licitude, a conveniência ou mesmo a necessidade da prática do aborto.

    Por: Ednaldo Cavalcante de Araújol Educaçãol 19/04/2009 lAcessos: 2,109 lComentário: 2
    Elizandra Souza

    O trabalho de crianças na mídia deve levar em consideração a questão do quanto ter responsabilidade e assumir compromissos ainda na infância, se as condições oferecidas estão adequadas, seguras e que se leve em consideração a sua idade, então não haverá problema.

    Por: Elizandra Souzal Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 26/02/2011 lAcessos: 245
    SANDRA VAZ DE LIMA

    Os materiais impressos podem e devem mediar a aprendizagem, pois permitem envolver os alunos em situações concretas de estudo, cuja realização implica a aprendizagem de procedimentos, valores e atitudes característicos do ofício de estudante.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 07/04/2011 lAcessos: 1,618

    Com o advento da globalização, a educação é tida como o maior recurso de que se dispõe para enfrentar essa nova estruturação mundial. Objetiva-se evidenciar a importância dos alunos encontrarem na escola não só evidências de seu próprio mundo, mas também aparato capaz de os "cunharem" para uma participação social plena e não "fatiada", como sugere o estudo por disciplinas. Jovens e adultos, público cada vez mais informatizado, exige que as disciplinas deixem de ser apresentadas de forma isolada.

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    A expressão artística faz parte da história humana desde os tempos mais remotos. Sendo assim, a Arte é um dos modos de conhecimento ao qual os estudantes devem também ter acesso, assumindo-se como sujeitos capazes de apreciação estética e criação artística, articuladas aos processos e mediações da cultura contemporânea. Diante das mudanças pelas quais o ensino-aprendizagem de Arte passou, vê-se a necessidade de discorrer a respeito da presença desta disciplina no currículo escolar, revendo sua i

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    Sabe-se que a educação é responsável pela formação do aluno enquanto cidadão, de maneira a prepará-lo para a vida em sociedade, para que saiba atuar criticamente nesse meio. Assim, a escola inclusiva busca complementar a formação do aluno por meio das relações de convivência, uma vez que conviver com o diferente é parte desse processo de formação, até porque, como já mencionamos, é na escola que o aluno desenvolve seus aspectos cognitivos, motores e psicológicos.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    As revela à existência de ações políticas e sociais que possam concretizar e promover a efetividade da inclusão social da pessoa com necessidade educacional especial. Vejo que a sociedade deve compreender como se dá o processo de ensino-aprendizagem da criança com Síndrome de Down na Educação Básica, as dificuldades enfrentadas e as possibilidades e mecanismos de reconhecimento e aceitação dessas limitaçõ

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    No processo de inclusão a escola propõe a conviver com o "diferente", aceitá-lo, auxiliá-lo, e muitas vezes aprender algo com essas crianças. Entretanto para oferecer uma inclusão verdadeira é preciso entender as particularidades das crianças, mediar a socialização de forma que todos trabalham para o aprendizado de cada uma delas, em benefício de todos. Pretendo contribuir com as discussões éticas e educacionais que envolvem a formação da criança Down por meio da educação.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    A educação escolar é um dos contextos em que a criança aprende e desenvolve-se nos aspectos cognitivos, emocional e social. Por isso a necessidade de incluir a criança com necessidades especiais na escola, pois atender a todos é parte do processo educativo, por isso a diversidade cultural e outras questões sociais precisam ser vivenciadas também em sala de aula.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    Apresento algumas características que identificam a criança Down, o conceito de Educação Inclusiva e Educação básica, e da diversidade na educação. Relacionam-se aspectos positivos da inclusão da criança Down na Educação Básica e como deve acontecer essa inclusão, enumerando as dificuldades no processo de inclusão da criança Down na Educação Básica. Conceitua-se a Síndrome de Down e sua identificação, bem como o tratamento e a motivação para inserir a criança com deficiência na Educação Básica.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    O estudo realizado teve como foco principal compreender os avanços no processo de construção do conhecimento dos alunos de uma turma de 3º ano, através dos jogos matemáticos, priorizando, desse modo, a ludicidade no ensino. A pesquisa foi desenvolvida durante o estágio realizado pela acadêmica e pesquisadora junto a uma turma de 3º ano.

    Por: Luziane Da Silva Costal Educaçãol 15/12/2014 lAcessos: 11
    SONIA OLIVEIRA SILVA

    O professor (dirijo-me de forma genérica, pensando em professor ou professora) que trabalha direto com crianças precisa ter uma competência polivalente. Isso significa dizer que deverá trabalhar com conteúdos de naturezas diversas, que abrangem desde cuidados básicos essenciais até conhecimentos específicos provenientes das diversas áreas do conhecimento.

    Por: SONIA OLIVEIRA SILVAl Educação> Ciêncial 11/07/2008 lAcessos: 354,981 lComentário: 17
    SONIA OLIVEIRA SILVA

    A participação dos pais na educação dos filhos deve ser constante e consciente. A vida familiar e escolar se completa.

    Por: SONIA OLIVEIRA SILVAl Educação> Ciêncial 11/07/2008 lAcessos: 341,258 lComentário: 29
    SONIA OLIVEIRA SILVA

    O papel fundamental da educação no desenvolvimento das pessoas e das sociedades amplia-se ainda mais no despertar do novo milênio e aponta para a necessidade de se construir uma escola voltada para a formação de cidadãos (PCNs, 1998

    Por: SONIA OLIVEIRA SILVAl Educação> Ciêncial 11/07/2008 lAcessos: 400,952 lComentário: 13
    SONIA OLIVEIRA SILVA

    Sabemos que o papel dos pais na vida de um filho é único. O espaço destinado ao pai ou à mãe é algo singular na vida de qualquer ser humano. O papel de pai e de mãe exige primeiramente uma reflexão. Considere-se que o filho não solicitou sua existência aos pais, ao contrário, por ação dos pais e influência divina forma-se um novo ser, a terceira pessoa de uma relação.

    Por: SONIA OLIVEIRA SILVAl Educação> Ciêncial 09/07/2008 lAcessos: 1,120
    SONIA OLIVEIRA SILVA

    A televisão, a criança, a escola e o lar são alguns temas muito debatidos na atualidade e objeto de grande polêmica. São necessárias várias reflexões e muita pesquisa. É nesse contexto que se insere a questão de como a criança pensa a TV

    Por: SONIA OLIVEIRA SILVAl Educação> Ciêncial 09/07/2008 lAcessos: 5,480 lComentário: 2
    SONIA OLIVEIRA SILVA

    O que Sassaki imaginou para um futuro breve é que todas as pessoas acreditassem no paradigma da inclusão social como o caminho ideal para se construir uma sociedade para todos, e que todos por ela lutassem para que, juntos na diversidade humana, todos pudessem cumprir seus deveres de cidadania e gozar dos direitos civis, políticos, econômicos, sociais, culturais e de desenvolvimento.

    Por: SONIA OLIVEIRA SILVAl Educação> Ciêncial 09/07/2008 lAcessos: 85,976 lComentário: 1
    SONIA OLIVEIRA SILVA

    O tema “Televisão e Criança” tem sido objeto de controvérsias e carência de solução, e através de reflexão e pesquisa, tento mostrar o quanto a criança, pequeno telespectador, está inserida no ambiente televisivo. Analisando se existe saída para pais e educadores diante de tanta informação boa e má, concluí que não há mal intrínseco à TV, mas sim no uso que se faz dela. O desafio é fazer a criança descobrir outros prazeres, além da televisão.

    Por: SONIA OLIVEIRA SILVAl Educação> Ciêncial 09/07/2008 lAcessos: 101,644 lComentário: 15
    SONIA OLIVEIRA SILVA

    De modo geral a família é o primeiro grupo de pessoas com quem a criança tem contato assim que nasce. Sabe-se que o bebê logo apresenta suas preferências, seus gostos e suas diferenças individuais, então ao se integrar na família que já tem os seus hábitos, regras e seu modo próprio de viver, a criança aprenderá a se comportar e a modificar suas preferências, comunicando-se então, com esta família.

    Por: SONIA OLIVEIRA SILVAl Educação> Ciêncial 09/07/2008 lAcessos: 1,729

    Comments on this article

    -1
    anônimo 04/11/2010
    oii tuudo beem ? aki é sala de chat? obrigada
    1
    anonimo 06/12/2009
    acho que deviam meter coisas mais importantes e separar por topicos
    0
    valquiria 24/09/2009
    este artigo e muito importante pra desenvolver o aprendizado de muitas pessoas.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast