O Brasil do Desemprego: as inter-relações entre a economia, a educação e a demografia

Publicado em: 20/07/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 1,172 |

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)

 

(Câmera Brasileira do Livro, SP, Brasil)

 Castelo Branco, Valdec Romero.

O Brasil do Desemprego: as inter-relações entre a economia, a educação e a demografia /Valdec Romero Castelo Branco. – São Bernardo do Campo, SP: VRCB, 2002.

Bibliografia

 1. Brasil – Condições econômicas 2. Brasil – População 3. Demografia – Brasil 4. Desemprego – Brasil 5. Educação – Brasil I. Título.

02-5304 CDD-338.981

_____________________________________________________________

Índices para catálogo sistemático:

 1. Brasil: Política econômica 338.981

Obtenha cópia do livro em versão PDF gratuitamente no site https://sites.google.com/site/profvaldec

SUMÁRIO

Resumo                                                                                                                         

Introdução                                                                                                                     

1. ASPECTOS SOBRE A ECONOMIA BRASILEIRA                                           

1.1 Modernização ou sucateamento                                                                   

1.2 O país da desigualdade                                                                                  

1.3 O plano real e a estabilização                                                                        

1.4 As crises econômicas externas                                                                     

1.5 Os mitos da "globalização"                                                                             

1.6 O neoliberalismo                                                                                              

1.7 O Brasil está em um beco sem saída?                                                         

2. A QUESTÃO EDUCACIONAL                                                                              

2.1 Estado, economia e educação                                                                      

2.2 Qualidade do ensino no Brasil                                                                      

2.3 Estado, educação e desenvolvimento econômico                                    

2.4 O processo de elaboração do pensamento                                                 

2.4.1 A educação pelo pensamento: um novo paradigma                             

2.4.2 Curiosidade, a crítica e a inovação                                                            

2.5 O desenvolvimento da industrialização no Brasil                                      

2.6 As transformações tecnológicas e o ensino brasileiro                              

2.6.1 A importância do trabalho social                                                                

2.6.2 A alienação, a gravidez e a Aids entre os jovens                                    

2.6.3 Os jovens, o emprego e a escola                                                               

2.6.4 MOVA um projeto articulado que deu certo                                             

2.7 o Estado, as empresas e a educação                                                           

2.7.1 A escolarização de adultos                                                                         

2.8 A desigualdade social no Brasil                                                                    

3. A QUESTÃO DO DESNPREGO                                                                           

3.1 A ideologia do trabalho                                                                                   

3.2 Da revolução industrial a revolução da informática                                  

3.3 As transformações no emprego                                                                    

3.4 As empresas e a falta de acesso a novas tecnologias                              

3.5 O mercado de trabalho no Brasil                                                                   

3.5.1 crescimento econômico, emprego e distribuição de renda                   

3.5.2 Mutações no mundo do trabalho                                                               

3.5.3 Demissões temporárias                                                                               

3.5.4 A globalização e a dependência econômica                                           

3.6 Inserção ou não do Brasil na ALCA?                                                           

3.6.1 A Cúpula de Miami                                                                                       

3.6.2 A favor ou contra a ALCA                                                                            

3.6.3 A Cúpula de Quebec                                                                                    

3.6.4 Economia de Escala                                                                                    

3.6.5 O Mercosul e a ALCA                                                                                   

4. Retrato de uma pesquisa: o ABC Paulista                                                         

4.1 A industrialização, a desindustrialização e o desemprego no ABC       

4.1.1 O ABC como motor do crescimento industrial                                         

4.1.2 Custo ABC: como reverter esse processo                                                

4.1.3 Desenvolvimento social e urbano no ABC                                              

4.2 As transformações na região do ABC                                                          

5. A QUESTÃO DEMOGRÁFICA                                                                              

5.1 O grande desafio da explosão demográfica                                                

5.2 Economia da educação e o desenvolvimento econômico                       

5.3 A demografia e a relação com o desemprego                                            

5.3.1 Crescimento econômico brasileiro e a globalização                              

5.3.2 Crescimento e poupança externa                                                              

5.4 A PEA, o desemprego e o subemprego                                                       

5.4.1 Aborto e adolescência                                                                                  

5.4.2 O trabalho após os 40 anos, os aposentados e pensionistas               

5.4.3 O crescimento populacional e as famílias de baixa renda                    

5.5 A demografia e a educação                                                                           

5.5.1 Crescimento econômico e poupança interna                                         

5.6 As migrações e o setor agrícola                                                                     

5.6.1 A redistribuição espacial da população

5.6.2 Planejamento familiar, a educação e o trabalho infantil                       

5.6.3 Estabilidade da economia, investimento e políticas sociais                 

6. Retrato de uma pesquisa                                                                                       

6.1 Planejamento familiar, os contraceptivos e suas utilizações                  

6.2 Analisando os resultados                                                                               

6.2.1 O desemprego e o trabalho informal                                                         

6.3 As empresas, programas de qualidade e o desemprego                          

Considerações Finais                                                                                                 

Bibliografia

INTRODUÇÃO

 As crises, a partir de 1980, levaram o país a adotar políticas de estabilização macroeconômica, levando ao arrefecimento no dinamismo do capitalismo brasileiro associado às mudanças na conjuntura econômica mundial.

O cenário econômico internacional desfavorável, a partir desta década, contribuiu para afastar o Brasil do caminho do crescimento via o mercado interno, tornando as autoridades governamentais reféns dos processos de hiperinflação e de transferências de recursos para o exterior, via o pagamento dos juros do endividamento externo e o seu estado de subordinação às agências multilaterais de crédito.

Em 1990 com a adoção da retórica liberalizante, com maior ênfase, várias medidas foram adotadas no país, levando a uma grande discussão em torno de três importantes fatores: abertura econômica; reestruturação da indústria nacional; fenômenos estruturais de longo prazo.

Entramos no século XXI sem termos resolvido dois problemas crônicos no Brasil a fome e o desemprego, por falta de vontade política. Pior nos tornamos reféns do monopólio norte-americano ao adotarmos a ilusão do livre mercado.

A inconseqüente abertura comercial e financeira vem favorecendo bancos e grandes empresas transnacionais com injustificáveis favores à custa do dinheiro público. Acompanhado de uma política cambial desastrosa, do aperto monetário via taxas de juros estratosféricas, explosão da dívida pública, consequëntemente uma brutal elevação do déficit público.

O governo foi incapaz de formular uma política geradora de empregos, pelo contrário, a política macroeconômica de estabilização adotada deu continuidade aos baixos índices de crescimento econômico, agravando o quadro de desocupação da mão-de-obra no país.

O Plano Real estruturou-se no real valorizado, em reservas internacionais altas, na política monetária restritiva com taxas de juros proibitivas ao crescimento da economia. Esses remédios amargos tiveram uma única finalidade combater a inflação.

O poder político, por interesses particulares, não tornam o Estado um prestador de serviços públicos de qualidade, um agente de fomento da atividade econômica, um defensor do país nas questões externas, capaz de defender os interesses da sociedade brasileira.

A educação pelo pensar ou aprender a aprender são referências indispensáveis para quem deseja tornar o processo de ensino e aprendizagem um ato transformacional e não apenas transacional, portanto a educação deve ser mais encantadora e eficaz.

A educação deve se transformar em um desejo contínuo pelo aprender. Isso nos levará ao aprendizado verdadeiro, diferentemente do processo de memorização mecânica e superficial de informações sem qualquer propósito, a não ser o de acumular dados, sem saber a sua finalidade.

As profundas transformações tecnológicas e econômicas pelas quais vem passando o mundo deverão, necessariamente, ser acompanhadas também por mudanças radicais em todos os setores da educação no país.

É inevitável e urgente a adoção de um programa de educação formal e profissional que qualifique o trabalhador à nova realidade mundial e às necessidades das empresas, para tanto, não basta "adestrar" os trabalhadores, preparados para executarem as mesmas tarefas durante anos, como nas visões taylorista.

O papel da educação no Brasil é criar condições de preparar a próxima geração para assumir responsabilidades na criação de uma sociedade civil responsável e solidária, levando a exercer plenamente a cidadania.

O Estado precisa propiciar educação aos jovens, prolongando sua entrada no mercado de trabalho, fazendo-os permanecerem o maior tempo possível na escola, a fim de ingressarem nesse mercado cada vez mais competitivo e exigente.

O equacionamento do problema populacional no país engloba um planejamento familiar baseado na ampliação do ensino formal, na consciência das famílias quanto ao número de filhos que querem ter, na alfabetização de adultos, no acesso à cultura e lazer, fatores que certamente representarão uma diminuição no distanciamento cada vez maior entre ricos e pobres.

A atual crise em que passa a região do ABC tem, entre vários motivos, o esgotamento do processo de industrialização focada fundamentalmente nas indústrias do setor automobilístico, que a partir dos anos de 1980 passam por um complexo processo de transformações.

Alteração combinada com a e desaceleração do crescimento industrial, essencialmente ligada ao longo período de estagnação econômica e de inflação descontrolada, com a redução do ritmo do crescimento industrial, fator esse que veio a contribuir decisivamente para a alteração do perfil econômico da região do ABC, com o crescimento do setor terciário, principalmente as atividades comerciais e de serviços.

Ao analisarmos a relação entre demografia e mercado de trabalho, devemos considerar duas questões importantíssimas ao processo econômico, porém, com relativa diferenciação: 1. deve-se procurar estabelecer de que maneira incide o crescimento da população sobre o emprego; 2. até que ponto se pode explicar o comportamento da taxa de natalidade no país.

A população numerosa e concentrada aumenta a demanda por empregos, mas na contramão, as empresas em virtude do novo contexto competitivo, investem mais recursos na automação do setor produtivo, ampliando a competitividade, reduzindo a utilização de mão-de-obra.

Considerando o atual contexto da economia brasileira, não nos resta alternativa senão juntarmos esforços para integrar o Brasil à economia mundial, mas deve-se ressaltar que esta integração deve ocorrer sem colocar em risco a soberania nacional, sem tornar o país refém do capital externo.

Nos capítulos a seguir trataremos da questão do desemprego no Brasil e suas inter-relações com o emprego, a educação e a demografia.

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/o-brasil-do-desemprego-as-inter-relacoes-entre-a-economia-a-educacao-e-a-demografia-2866121.html

    Palavras-chave do artigo:

    educacao demografia desemprego globalizacao

    Comentar sobre o artigo

    Valdec Romero Castelo Branco

    O trabalho procura destacar a atualidade do questionamento do padrão sistêmico de integração econômica difundido no pós-Segunda Guerra – a globalização. Discute-se os problemas do baixo dinamismo econômico no País na década de 1980 e 1990 e suas repercussões sobre os níveis de emprego. trata-se, também, do problema da educação como fator-chave na explicação da exclusão social no País. Na última parte analisa a questão demográfica e a sua inter-relação com a família.

    Por: Valdec Romero Castelo Brancol Educaçãol 20/07/2010 lAcessos: 3,510

    Nosso trabalho insere-se na área de Sociologia, e na subárea de Demografia. Queremos abordar de forma crítica construtiva o texto Das causas às conseqüências econômicas da transição demográfica no Brasil, de Paulo de Tarso Almeida Paiva e Simone Wajnman, que trata sobre a transição demográfica no Brasil e suas relações com o crescimento econômico, desenvolvimento econômico e políticas públicas.

    Por: FERNANDO ANTONIO DA SILVAl Educação> Ensino Superiorl 05/12/2011 lAcessos: 373
    Escritorcampos

    Não basta ser executivo à troglodita de terceiro milênio. Pois, ainda existem os empresários renitentes, que teimam em anotar suas operações fundamentais em suas antigas e amarfanhadas cadernetas pessoais. Gerir uma empresa está muito além dessa simplicidade, até os mais atualizados em­presários se desatualizam a cada minuto que passa.

    Por: Escritorcamposl Marketing e Publicidade> Marketing Internacionall 04/03/2010 lAcessos: 217

    Com o advento da globalização, a educação é tida como o maior recurso de que se dispõe para enfrentar essa nova estruturação mundial. Objetiva-se evidenciar a importância dos alunos encontrarem na escola não só evidências de seu próprio mundo, mas também aparato capaz de os "cunharem" para uma participação social plena e não "fatiada", como sugere o estudo por disciplinas. Jovens e adultos, público cada vez mais informatizado, exige que as disciplinas deixem de ser apresentadas de forma isolada.

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    A expressão artística faz parte da história humana desde os tempos mais remotos. Sendo assim, a Arte é um dos modos de conhecimento ao qual os estudantes devem também ter acesso, assumindo-se como sujeitos capazes de apreciação estética e criação artística, articuladas aos processos e mediações da cultura contemporânea. Diante das mudanças pelas quais o ensino-aprendizagem de Arte passou, vê-se a necessidade de discorrer a respeito da presença desta disciplina no currículo escolar, revendo sua i

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    Sabe-se que a educação é responsável pela formação do aluno enquanto cidadão, de maneira a prepará-lo para a vida em sociedade, para que saiba atuar criticamente nesse meio. Assim, a escola inclusiva busca complementar a formação do aluno por meio das relações de convivência, uma vez que conviver com o diferente é parte desse processo de formação, até porque, como já mencionamos, é na escola que o aluno desenvolve seus aspectos cognitivos, motores e psicológicos.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    As revela à existência de ações políticas e sociais que possam concretizar e promover a efetividade da inclusão social da pessoa com necessidade educacional especial. Vejo que a sociedade deve compreender como se dá o processo de ensino-aprendizagem da criança com Síndrome de Down na Educação Básica, as dificuldades enfrentadas e as possibilidades e mecanismos de reconhecimento e aceitação dessas limitaçõ

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    No processo de inclusão a escola propõe a conviver com o "diferente", aceitá-lo, auxiliá-lo, e muitas vezes aprender algo com essas crianças. Entretanto para oferecer uma inclusão verdadeira é preciso entender as particularidades das crianças, mediar a socialização de forma que todos trabalham para o aprendizado de cada uma delas, em benefício de todos. Pretendo contribuir com as discussões éticas e educacionais que envolvem a formação da criança Down por meio da educação.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    A educação escolar é um dos contextos em que a criança aprende e desenvolve-se nos aspectos cognitivos, emocional e social. Por isso a necessidade de incluir a criança com necessidades especiais na escola, pois atender a todos é parte do processo educativo, por isso a diversidade cultural e outras questões sociais precisam ser vivenciadas também em sala de aula.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    Apresento algumas características que identificam a criança Down, o conceito de Educação Inclusiva e Educação básica, e da diversidade na educação. Relacionam-se aspectos positivos da inclusão da criança Down na Educação Básica e como deve acontecer essa inclusão, enumerando as dificuldades no processo de inclusão da criança Down na Educação Básica. Conceitua-se a Síndrome de Down e sua identificação, bem como o tratamento e a motivação para inserir a criança com deficiência na Educação Básica.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    O estudo realizado teve como foco principal compreender os avanços no processo de construção do conhecimento dos alunos de uma turma de 3º ano, através dos jogos matemáticos, priorizando, desse modo, a ludicidade no ensino. A pesquisa foi desenvolvida durante o estágio realizado pela acadêmica e pesquisadora junto a uma turma de 3º ano.

    Por: Luziane Da Silva Costal Educaçãol 15/12/2014 lAcessos: 11
    Valdec Romero Castelo Branco

    O objetivo deste artigo é caracterizar as inter-relações entre gestão ambiental, o papel e a importância da administração estratégica de Recursos Humanos como agente fomentador da educação ambiental. O tema abordado é significativamente amplo, complexo e polêmico, visto que envolvem uma série de variáveis sócio-econômico, cultural, ambiental, entre outras. As empresas estão conscientes da realidade ambiental, do papel e da importância do departamento de Recursos Humanos.

    Por: Valdec Romero Castelo Brancol Educação> Ensino Superiorl 22/12/2010 lAcessos: 1,700
    Valdec Romero Castelo Branco

    O trabalho procura destacar a atualidade do questionamento do padrão sistêmico de integração econômica difundido no pós-Segunda Guerra – a globalização. Discute-se os problemas do baixo dinamismo econômico no País na década de 1980 e 1990 e suas repercussões sobre os níveis de emprego. trata-se, também, do problema da educação como fator-chave na explicação da exclusão social no País. Na última parte analisa a questão demográfica e a sua inter-relação com a família.

    Por: Valdec Romero Castelo Brancol Educaçãol 20/07/2010 lAcessos: 3,510
    Valdec Romero Castelo Branco

    As mudanças nas organizações contemporâneas são inevitáveis e determinam um grande desafio aos seus líderes, exigindo deles a elaboração e implementação de estratégias, adaptações, reestruturação profissional e empresarial e uma nova postura na forma de gerir os recursos humanos da empresa. Os líderes tradicionais, na maioria das vezes, não conseguem maximizar as ações do grupo, pois não valorizam o conhecimento, a curiosidade e a motivação.

    Por: Valdec Romero Castelo Brancol Negócios> Gestãol 20/07/2010 lAcessos: 368
    Valdec Romero Castelo Branco

    Uma das exigências impostas pelo novo paradigma, a partir de 1990, é a gestão empresarial voltada à produção de bens e serviços utilizando uma mão de obra extremamente qualificada. Por isso o profissional precisa aprender a gerenciar sua carreira. A proposta desse livro é apresentar uma série de informações que o auxiliará na transformação da sua vida profissional em uma carreira de sucesso.

    Por: Valdec Romero Castelo Brancol Carreira> Entrevistasl 20/07/2010 lAcessos: 346
    Valdec Romero Castelo Branco

    Hoje em dia quem procura uma oportunidade tem que se diferenciar em relação aos seus concorrentes. É importante que você se sobressaia na comunicação, e o currículo é sua apresentação perante a empresa. O currículo deve conter apenas o essencial, ou seja, aquilo que possa ajudar direta ou indiretamente no processo seletivo.

    Por: Valdec Romero Castelo Brancol Carreira> Entrevistasl 20/07/2010 lAcessos: 4,280
    Valdec Romero Castelo Branco

    Nesse artigo analisa-se o processo de avaliação, não pela visão de um especialista em pedagogia. A escola deve incorporar uma nova realidade, caracterizando-se pela capacidade de gerir relacionamentos interpessoais com os alunos, os pares, os superiores e a comunidade e, não apenas formadora de mão de obra para esse ou aquele segmento de mercado.

    Por: Valdec Romero Castelo Brancol Educação> Ensino Superiorl 20/07/2010 lAcessos: 1,267
    Valdec Romero Castelo Branco

    Este artigo apresenta uma investigação sobre as inter-relações entre o papel da Universidade Corporativa, a aprendizagem organizacional e o meio ambiente, apoiada em uma nova práxis pedagógica, caracterizada por meio de um processo ensino e aprendizagem mais consistente, reflexivo e continuado. Para os profissionais envolvidos no processo de ensino corporativo, o aprimoramento ocorre com a aplicação de inúmeras ações e instrumentos para ampliar e aperfeiçoar as práticas pedagógicas na empresa.

    Por: Valdec Romero Castelo Brancol Negócios> Gestãol 20/07/2010 lAcessos: 996
    Valdec Romero Castelo Branco

    Este artigo tem por objetivo analisar a incumbência do ensino corporativo, a aprendizagem organizacional, a gestão do conhecimento como um grande desafio empresarial contemporâneo. O princípio que pauta essa modalidade de ensino e aprendizagem, leva em consideração as recentes transformações causadas pelo processo de internacionalização das economias em curso, determinam novos valores, alta competitividade e desempenho entre as nações, empresas e profissionais.

    Por: Valdec Romero Castelo Brancol Negócios> Gestãol 20/07/2010 lAcessos: 4,649
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast