O Brasil do Desemprego: as inter-relações entre a economia, a educação e a demografia

20/07/2010 • Por • 1,209 Acessos

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)

 

(Câmera Brasileira do Livro, SP, Brasil)

 Castelo Branco, Valdec Romero.

O Brasil do Desemprego: as inter-relações entre a economia, a educação e a demografia /Valdec Romero Castelo Branco. – São Bernardo do Campo, SP: VRCB, 2002.

Bibliografia

 1. Brasil – Condições econômicas 2. Brasil – População 3. Demografia – Brasil 4. Desemprego – Brasil 5. Educação – Brasil I. Título.

02-5304 CDD-338.981

_____________________________________________________________

Índices para catálogo sistemático:

 1. Brasil: Política econômica 338.981

Obtenha cópia do livro em versão PDF gratuitamente no site https://sites.google.com/site/profvaldec

SUMÁRIO

Resumo                                                                                                                         

Introdução                                                                                                                     

1. ASPECTOS SOBRE A ECONOMIA BRASILEIRA                                           

1.1 Modernização ou sucateamento                                                                   

1.2 O país da desigualdade                                                                                  

1.3 O plano real e a estabilização                                                                        

1.4 As crises econômicas externas                                                                     

1.5 Os mitos da "globalização"                                                                             

1.6 O neoliberalismo                                                                                              

1.7 O Brasil está em um beco sem saída?                                                         

2. A QUESTÃO EDUCACIONAL                                                                              

2.1 Estado, economia e educação                                                                      

2.2 Qualidade do ensino no Brasil                                                                      

2.3 Estado, educação e desenvolvimento econômico                                    

2.4 O processo de elaboração do pensamento                                                 

2.4.1 A educação pelo pensamento: um novo paradigma                             

2.4.2 Curiosidade, a crítica e a inovação                                                            

2.5 O desenvolvimento da industrialização no Brasil                                      

2.6 As transformações tecnológicas e o ensino brasileiro                              

2.6.1 A importância do trabalho social                                                                

2.6.2 A alienação, a gravidez e a Aids entre os jovens                                    

2.6.3 Os jovens, o emprego e a escola                                                               

2.6.4 MOVA um projeto articulado que deu certo                                             

2.7 o Estado, as empresas e a educação                                                           

2.7.1 A escolarização de adultos                                                                         

2.8 A desigualdade social no Brasil                                                                    

3. A QUESTÃO DO DESNPREGO                                                                           

3.1 A ideologia do trabalho                                                                                   

3.2 Da revolução industrial a revolução da informática                                  

3.3 As transformações no emprego                                                                    

3.4 As empresas e a falta de acesso a novas tecnologias                              

3.5 O mercado de trabalho no Brasil                                                                   

3.5.1 crescimento econômico, emprego e distribuição de renda                   

3.5.2 Mutações no mundo do trabalho                                                               

3.5.3 Demissões temporárias                                                                               

3.5.4 A globalização e a dependência econômica                                           

3.6 Inserção ou não do Brasil na ALCA?                                                           

3.6.1 A Cúpula de Miami                                                                                       

3.6.2 A favor ou contra a ALCA                                                                            

3.6.3 A Cúpula de Quebec                                                                                    

3.6.4 Economia de Escala                                                                                    

3.6.5 O Mercosul e a ALCA                                                                                   

4. Retrato de uma pesquisa: o ABC Paulista                                                         

4.1 A industrialização, a desindustrialização e o desemprego no ABC       

4.1.1 O ABC como motor do crescimento industrial                                         

4.1.2 Custo ABC: como reverter esse processo                                                

4.1.3 Desenvolvimento social e urbano no ABC                                              

4.2 As transformações na região do ABC                                                          

5. A QUESTÃO DEMOGRÁFICA                                                                              

5.1 O grande desafio da explosão demográfica                                                

5.2 Economia da educação e o desenvolvimento econômico                       

5.3 A demografia e a relação com o desemprego                                            

5.3.1 Crescimento econômico brasileiro e a globalização                              

5.3.2 Crescimento e poupança externa                                                              

5.4 A PEA, o desemprego e o subemprego                                                       

5.4.1 Aborto e adolescência                                                                                  

5.4.2 O trabalho após os 40 anos, os aposentados e pensionistas               

5.4.3 O crescimento populacional e as famílias de baixa renda                    

5.5 A demografia e a educação                                                                           

5.5.1 Crescimento econômico e poupança interna                                         

5.6 As migrações e o setor agrícola                                                                     

5.6.1 A redistribuição espacial da população

5.6.2 Planejamento familiar, a educação e o trabalho infantil                       

5.6.3 Estabilidade da economia, investimento e políticas sociais                 

6. Retrato de uma pesquisa                                                                                       

6.1 Planejamento familiar, os contraceptivos e suas utilizações                  

6.2 Analisando os resultados                                                                               

6.2.1 O desemprego e o trabalho informal                                                         

6.3 As empresas, programas de qualidade e o desemprego                          

Considerações Finais                                                                                                 

Bibliografia

INTRODUÇÃO

 As crises, a partir de 1980, levaram o país a adotar políticas de estabilização macroeconômica, levando ao arrefecimento no dinamismo do capitalismo brasileiro associado às mudanças na conjuntura econômica mundial.

O cenário econômico internacional desfavorável, a partir desta década, contribuiu para afastar o Brasil do caminho do crescimento via o mercado interno, tornando as autoridades governamentais reféns dos processos de hiperinflação e de transferências de recursos para o exterior, via o pagamento dos juros do endividamento externo e o seu estado de subordinação às agências multilaterais de crédito.

Em 1990 com a adoção da retórica liberalizante, com maior ênfase, várias medidas foram adotadas no país, levando a uma grande discussão em torno de três importantes fatores: abertura econômica; reestruturação da indústria nacional; fenômenos estruturais de longo prazo.

Entramos no século XXI sem termos resolvido dois problemas crônicos no Brasil a fome e o desemprego, por falta de vontade política. Pior nos tornamos reféns do monopólio norte-americano ao adotarmos a ilusão do livre mercado.

A inconseqüente abertura comercial e financeira vem favorecendo bancos e grandes empresas transnacionais com injustificáveis favores à custa do dinheiro público. Acompanhado de uma política cambial desastrosa, do aperto monetário via taxas de juros estratosféricas, explosão da dívida pública, consequëntemente uma brutal elevação do déficit público.

O governo foi incapaz de formular uma política geradora de empregos, pelo contrário, a política macroeconômica de estabilização adotada deu continuidade aos baixos índices de crescimento econômico, agravando o quadro de desocupação da mão-de-obra no país.

O Plano Real estruturou-se no real valorizado, em reservas internacionais altas, na política monetária restritiva com taxas de juros proibitivas ao crescimento da economia. Esses remédios amargos tiveram uma única finalidade combater a inflação.

O poder político, por interesses particulares, não tornam o Estado um prestador de serviços públicos de qualidade, um agente de fomento da atividade econômica, um defensor do país nas questões externas, capaz de defender os interesses da sociedade brasileira.

A educação pelo pensar ou aprender a aprender são referências indispensáveis para quem deseja tornar o processo de ensino e aprendizagem um ato transformacional e não apenas transacional, portanto a educação deve ser mais encantadora e eficaz.

A educação deve se transformar em um desejo contínuo pelo aprender. Isso nos levará ao aprendizado verdadeiro, diferentemente do processo de memorização mecânica e superficial de informações sem qualquer propósito, a não ser o de acumular dados, sem saber a sua finalidade.

As profundas transformações tecnológicas e econômicas pelas quais vem passando o mundo deverão, necessariamente, ser acompanhadas também por mudanças radicais em todos os setores da educação no país.

É inevitável e urgente a adoção de um programa de educação formal e profissional que qualifique o trabalhador à nova realidade mundial e às necessidades das empresas, para tanto, não basta "adestrar" os trabalhadores, preparados para executarem as mesmas tarefas durante anos, como nas visões taylorista.

O papel da educação no Brasil é criar condições de preparar a próxima geração para assumir responsabilidades na criação de uma sociedade civil responsável e solidária, levando a exercer plenamente a cidadania.

O Estado precisa propiciar educação aos jovens, prolongando sua entrada no mercado de trabalho, fazendo-os permanecerem o maior tempo possível na escola, a fim de ingressarem nesse mercado cada vez mais competitivo e exigente.

O equacionamento do problema populacional no país engloba um planejamento familiar baseado na ampliação do ensino formal, na consciência das famílias quanto ao número de filhos que querem ter, na alfabetização de adultos, no acesso à cultura e lazer, fatores que certamente representarão uma diminuição no distanciamento cada vez maior entre ricos e pobres.

A atual crise em que passa a região do ABC tem, entre vários motivos, o esgotamento do processo de industrialização focada fundamentalmente nas indústrias do setor automobilístico, que a partir dos anos de 1980 passam por um complexo processo de transformações.

Alteração combinada com a e desaceleração do crescimento industrial, essencialmente ligada ao longo período de estagnação econômica e de inflação descontrolada, com a redução do ritmo do crescimento industrial, fator esse que veio a contribuir decisivamente para a alteração do perfil econômico da região do ABC, com o crescimento do setor terciário, principalmente as atividades comerciais e de serviços.

Ao analisarmos a relação entre demografia e mercado de trabalho, devemos considerar duas questões importantíssimas ao processo econômico, porém, com relativa diferenciação: 1. deve-se procurar estabelecer de que maneira incide o crescimento da população sobre o emprego; 2. até que ponto se pode explicar o comportamento da taxa de natalidade no país.

A população numerosa e concentrada aumenta a demanda por empregos, mas na contramão, as empresas em virtude do novo contexto competitivo, investem mais recursos na automação do setor produtivo, ampliando a competitividade, reduzindo a utilização de mão-de-obra.

Considerando o atual contexto da economia brasileira, não nos resta alternativa senão juntarmos esforços para integrar o Brasil à economia mundial, mas deve-se ressaltar que esta integração deve ocorrer sem colocar em risco a soberania nacional, sem tornar o país refém do capital externo.

Nos capítulos a seguir trataremos da questão do desemprego no Brasil e suas inter-relações com o emprego, a educação e a demografia.

 

Perfil do Autor

Valdec Romero Castelo Branco

Professor universitário formado em administração de empresas; mestre em administração de empresas; mestre em educação, administração e comunicação (multidisciplinar); pós-graduação Lato Sensu em Docência do Ensino Superior e consultor na área de gestão de pessoas. Trabalha, desde 1995, como consultor associado, prestando consultoria e assessoria nas áreas de gestão de pessoas: treinamentos, palestras, seminários, workshops, cursos in company etc. profvaldec@uol.com.br