O Hábito Da Leitura No Primeiro Ciclo Do Ensino Fundamental

Publicado em: 02/02/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 5,344 |

1. JUSTIFICATIVA

O indivíduo que lê está contribuindo para o enriquecimento pessoal e para a sua compreensão do mundo: paralelamente o crescimento econômico e social de uma nação depende em grande parte do grau de instrução de seu povo. É a partir de uma boa leitura que se expressa, se escreve bem e se adquire novos conhecimentos. (Moacyr Scliar)

Portanto, Moacyr Scliar afirma categoricamente que é preciso “desenvolver no aluno a familiaridade com a linguagem escrita através da leitura de qualquer texto, numa quantidade tal que o faça gostar e perceber a importância da leitura para a vida.”

A leitura, elemento essencial para se adquirir conhecimento é um processo complexo que requer certas habilidades.

Saber ler é saber o que o texto diz e o que não diz, o que o constitui significativamente; e mais ainda, quando principiamos a estabelecer relações entre as experiências e tentamos resolver os problemas que se nos apresentam, então podemos dizer que estamos procedendo à leitura, habilitando-se a ler toda e qualquer coisa. (apud SOARES, 1998, p.26).

Ao realizar uma atividade acadêmica avaliativa através de seminário tendo como tema ESTRATÉGIAS DE LEITURA, ficou latente a necessidade de procurar identificar questões relacionadas ao hábito da leitura. Nesta atividade se evidenciaram problemas como dificuldade de expressão, escrita e colocação de idéias, as quais foram atribuídas, a priori, pala ausência do hábito de ler. Constatou-se ainda que pela falta deste hábito houve a dificuldade de assimilação, de entendimento da idéia central dos textos, de expressão das idéias através da escrita, pobreza do uso de vocabulário e de figuras de linguagem entre outros.

Como se ver, a lacuna resultante desta situação fez emergir situações inusitadas as quais se apresentaram como entraves dificultando assim em alguns momentos a exposição de tema no que concerne à argumentação.

Nesta perspectiva, algumas indagações foram suscitadas dentre as quais porque os alunos do ensino fundamental não são levados, ou melhor, incentivados a ler? Como isso se reflete no cotidiano estudantil? Por que se ler tão pouco? Que fatores interferem em tal prática?

Objetivando fazer suscitar a necessidade do hábito da leitura nesta faixa de ensino se tenciona desenvolver, bem como colocar em prática este projeto de modo que os elementos e as questões que se apresentam como entraves ao hábito da ler sejam desmistificados e apontados as falhas para uma posterior minimização da situação ou resolução do problema. Convém destacar que vários são os fatores que impedem o hábito de ler, quais sejam a falta de interesse, do conhecimento do que quer ler, do despertar para a leitura, da curiosidade, do incentivo e até da necessidade.

Observa-se que grande parte das escolas trabalha somente com textos literários e didáticos e muitas vezes selecionam esses materiais de forma burocrática, para atender a chamada grade curricular bem como a um programa previamente formulado. Há que se colocar também que aí existe uma relação de interesses entre editora, escola e até mesmo o professor.

Convém destacar ainda que este tipo de atitude não acontece de forma generalizada. Existem educadores que procuram desempenhar o seu papel de maneira responsável desenvolvendo estratégias e diferentes formas de realizar atividades de leitura de forma dinâmica e eficiente.

Diante disso, pode-se considerar a leitura como uma das mais importantes tarefas que a escola deveria colocar em prática, mas é importante ressaltar que para isso o professor deve ter consciência da necessidade, além de praticar com eficiência o hábito da leitura.

Enfim, é fundamental que o professor, ao lidar com a leitura na escola, apresente várias modalidades de textos, ofereça aos alunos a possibilidade de interagir com várias linguagens, como a música, a pintura, o desenho, à escritura, o teatro, a dança, o texto literário, facilitando, dessa maneira, a formação do aluno, pois as diversas formas de leituras, além de enriquecer o vocabulário, com diferentes modos de dizer, possibilitam ainda construção de texto sem erros em exageros. Permite, ainda, ao aluno transformar-se num escritor-crítico, pois as várias formas de leitura permitem que o mesmo reconheça e aprenda a utilizar dos diversos métodos de se construir um texto, pois a cada leitura realizada, o aluno acaba por construir um novo texto a partir de sua compreensão e entendimento da leitura desempenhada. (apud SOARES, 1998, p.26).

2. OBJETIVOS

  • Incentivar a prática do hábito da leitura nas séries iniciais do ensino fundamental;
  • Buscar uma nova metodologia objetivando trabalhar o hábito da leitura;
  • Fazer despertar a motivação para a prática da leitura de modo que a formação cultural e intelectual do educando possa lhe trazer uma visão de mundo;
  • Fazer com que o aluno, ao exercitar o hábito da leitura, sinta-se como elemento participante do texto;

3. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

Para alguns estudiosos existem três objetivos distintos para compreender a importância do hábito de ler: Ler por prazer; Ler para estudar; Ler para se informar.

Através da leitura realizada com prazer é possível desenvolver a imaginação, a escuta lenta, enriquecer o vocabulário, entender línguas diferentes, entre outros.

Dentre os fatores já citados que impedem o hábito de ler há que se colocar a questão estrutural na qual a escola está inserida como Aparelho Ideológico do Estado, cuja prática da leitura na maioria das vezes está voltada para o estudo dos conteúdos previamente elaborados através dos planos anuais que em alguns casos apresentam conteúdos que diferem do cotidiano do educando.

Dentre as formas de ler a leitura dinâmica se apresenta de forma descontraída, é uma das melhores formas de adquirir informações e esta prática nem sempre é usada nas escolas.

“Entende-se que o ideal é que se leiam textos informativos, artigos científicos, livros didáticos, paradidáticos, (...) etc.”, (Mundo educação. “Educação” A importância do hábito de ler), só que de forma geral as nossas escolas usam a pratica da leitura centrada ao livro didático desprezando outras fontes de leitura que por sua vez poderiam trazer algo interessante despertando no aluno o gosto pela leitura.

Mesmo assim é necessário destacar que “as leituras variam de pessoa para pessoa. Se um mesmo texto for lido por várias pessoas, cada um terá lido o texto à sua maneira, de acordo com sua visão de mundo (...)”. Barthes (apud SOARES, 1998, p.26.

Entende-se de um modo geral que o indivíduo que tem o hábito de ler está contribuindo para o seu enriquecimento pessoal e para a uma maior compreensão do mundo, de modo que o crescimento econômico e social de uma nação depende em grande parte do grau de instrução de seu povo. A leitura e os livros têm nos dias de hoje um novo e enorme significado e já não basta a uma pessoa completar sua educação escolar. A tarefa do futuro é a educação permanente, ou melhor, a auto-educação permanente.

Amanda Cieglinski afirma que 45% da população brasileira, conforme pesquisa RETRATOS DA LEITURA NO BRASIL não leram nenhum livro nos últimos três meses (Instituto pró livro e IBOPE inteligência, maio de 2008.).            Esta afirmação vem na realidade comprovar de forma categórica que nosso povo e, sobretudo nossos educandos não têm o hábito da leitura.

Em virtude da grande maioria dos nossos educando não possuírem o hábito de ler, se observa que esses alunos têm a dificuldade de colocarem suas idéias no papel, de escreverem e de certa forma se envergonham de fazer tamanha afirmativa, ou seja, de que não gosta de ler. A prática de escrever por si só é resultante do hábito de ler, ou seja, da prática da leitura, a qual se desenvolve em situações específicas, senão vejamos:

3.1 HÁBITO DA LEITURA - ELEMENTO ESSENCIAL NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO

O hábito de ler e por sua vez a leitura é um processo complexo que envolve situações diversificadas e certas habilidades. Saber ler é saber e entender de forma reflexiva o que o texto diz e o que não diz, o que o constitui. Quando o educando tem a capacidade de captar as idéias de um texto, diríamos que esse aluno está praticando na sua essência a leitura o que o leva a se habilitar a ler toda e qualquer coisa.

O leitor que de alguma forma apresenta um certo entendimento e compreensão do que lê apresenta por sua vez a habilidade e a capacidade de transformar o texto. Essa transformação, na maioria das vezes é extensiva a si própria, contribuindo dessa forma para a construção de um novo texto a partir de leitura realizada. Desse modo, a leitura se apresenta como uma prática essencial cuja conseqüência seria uma tomada de consciência, uma forma de compreender e interpretar textos de vários aspectos levando o educando a se sentir parte do cotidiano no campo da leitura.

De maneira geral o hábito de ler e por sua vez a leitura apresenta variações no que concerne a sua prática, de educando para educando. Entende-se que ao praticar a leitura de um determinado texto, cada aluno tem uma concepção diferente, ou seja, assimila de forma diferenciada o que acabou de ler, isso implica que cada um tem uma visão de mundo diferente.

Entretanto, para hábito da leitura, o educando antes de qualquer incentivo há que passar por uma tomada de consciência no sentido de entender de que essa prática, antes de tudo é uma necessidade. Além da tomada de consciência por parte do educando é preciso que o educador apresente ao aluno a importância da necessidade da prática da escrita resultante da leitura como forma de expor o seu senso crítico. Outro fator importante é que o hábito de ler seja praticado com competência e que não se leia simplesmente por ler.

Enfim, é e essencial e fundamental que o educador, ao inserir a prática da leitura procure apresentar uma diversidade de textos que ofereça ao educando a possibilidade de interagir com uma linguagem variada, como a música, as artes plásticas, à escrita, a arte cênica entre outros, resultando numa espécie de formação crítica e cultural desse aluno.

3.2              FORMAS DE EXERCER O HÁBITO DA LEITURA

O hábito de ler exerce uma construção da consciência. Para exercer esse hábito se faz necessário uma espécie de integração das diferentes possibilidades de leitura nas suas variadas formas de linguagem e a execução do mesmo deve passar por aspectos diversificados e variados os quais traga ao educando o enriquecimento da sua formação.

É bastante significativo o hábito de ler na formação do aluno. Há que se destacar também o do educador no processo. De forma elementar, a prática da leitura deve ser iniciada por aquilo que chame a atenção do educando. É necessário levar em consideração a ajuda do educador nessa etapa inicial cuja tarefa é despertar o prazer pela leitura, colocar o aluno em contato com diferentes linguagens, criar espaços para a formação do leitor. Essa formação está inserida na possibilidade do educando apresentar a capacidade de entender o mundo de forma crítica e consciente.

Dentre as formas de exercer o hábito da leitura algumas situações se apresentam de maneira interessante como ler jornais, revistas e autores os quais não se conhece e que ao ler alguns títulos surge à curiosidade da busca por outros. É interessante argumentar que quando se adquiri o hábito de ler o senso crítico é despertado.

3.3              SIGNIFICADO DO HÁBITO DE LER

O hábito de ler não se resume apenas em decifrar sinais, mas, sim, adquirir a capacidade de dar sentido a situações e fatos. Há que se afirmar que não se deve confundir o hábito de ler com dever, até porque esse último pressupõe obrigação. O hábito da leitura deve ser abrangente e divergente de obrigação.

“Ler é uma forma de interpretar, construir significados”(Soares, 2003). O texto por si só não tem significado; o significado é construído pelo leitor. A contribuição de quem lê é fundamental. No que concerne ao significado do hábito de ler, alguns aspectos devem ser levados em consideração, quais sejam:

  • Hábito de ler no ensino fundamental primeiro ciclo;
  • Hábito de ler e suas implicações para o processo de formação do educando;
  • Hábito de ler – necessidade ou paixão; e
  • Hábito de ler – gosto por livros.

“Quem ler entende conceitos, sinais do cotidiano, linguagem coloquial, situações de caráter social, político e econômico e está antenado com o mundo. Na vida prática o hábito da leitura é cobrado e exigido. É parte e elemento essencial para a formação humana. Ao executar o hábito de ler o educando participa de forma interativa com o mundo e com situações diversificadas e é capaz de emitir opiniões e recriar situações em cima do que acabou de ler”. REVISTA EDUCAÇÃO. http://www.unianhanguera.edu.br.

Sendo o ensino fundamental do primeiro ciclo uma espécie de etapa inicial da vida do educando é necessário procurar entender o ambiente primeiro no qual ele teve o seu desenvolvimento inicial, isso porque sua influência é vital na formação.

O gosto pelo hábito de ler, antes de qualquer situação elencada, recebe diretamente influência do meio. O educando em questão, ao ver desde cedo uma diversidade de livros, jornais, revistas, observando pessoas ao seu redor “gastando seu tempo” em ler e escrever, ao chegar à escola procura dar continuidade a essa prática. Tudo é fato. É importante que o educando tenha a oportunidade de vivenciar as múltiplas formas de leituras e suas inúmeras formas de interpretações. A formação crítica do educando na condição de elemento transformador e transformado passa pela questão da leitura e o hábito de praticá-la.

4. METODOLOGIA

A metodologia consiste em uma série de atividades inter relacionadas que abrangerão o trabalho de sensibilização à prática da leitura.

Com o despertar do interesse pela temática abordada se buscou fontes bibliográficas que levaram a um trabalho de pesquisa, cujo ponto de partida foi a realização de leitura deste material e o seu respectivo fichamento.

Objetivando uma melhor explanação, recorremos ao uso da internet e a conversas de caráter informal com pessoas do meio educacional.

O projeto será executado em instituições de ensino da rede pública localizadas na Cidade de Natal (RN), no bairro Planalto, em turmas do 5º. Ano do Ensino Fundamental com uma faixa de idade de 09 anos e com um grupo de 20 alunos aproximadamente.

Para tanto, a priori, delineiam-se algumas atividades:

1 – Levantamento inicial com uso da oralidade da situação em caráter empírico;

2 - Levantamento do material bibliográfico disponível;

3– Leitura e fichamento;

4 – Leitura de matérias acerca do tema em jornais, revistas, entre outros;

5 – Leitura e pesquisa na rede de computadores;

6 – Tabulação de dados mostrando o percentual do hábito de ler dos elementos envolvidos por:

6.1 – Faixa de idade;

6.2 – Sexo;

6.3 – Situação sócio econômica;

6.4 – Grau de escolaridade dos pais e ou responsáveis; e

6.5 – Ambiente onde vive.

As atividades de leitura e fichamento serão realizadas em material bibliográfico específico que servirão como subsídios teóricos e essenciais a execução do projeto.

Quanto às atividades em caráter de tabulação de dados e seus respectivos levantamentos, essas devem ser realizadas junto às escolas, famílias, bibliotecas ou serviços de informações existentes através de planilhas previamente elaboradas para a comparação de dados.

Vislumbram-se também a necessidade de mudanças na questão estrutural com a inserção de dinâmicas com fantoches, emprego e construção de jogos de ordenação de frases, histórias dramatizadas onde o aluno passe a vivenciar textos se sentido parte dele.

Entende-se que com o uso dessas dinâmicas o projeto apresenta uma concepção executável de forma que venha a despertar a necessidade e uma enorme busca pelo novo apresentado nos textos, cujo contributo seja a formação cultural e intelectual do educando, culminando com uma visão de mundo de forma clara, consciente e conseqüente.

5. CRONOGRAMA

ATIVIDADES

PERÍODO: 2009

AGOSTO

SETEMBRO

OUTUBRO

1. Definição do tema problema

X

2 . Levantamento Bibliográfico

X

X

3. Elaboração do Projeto de Pesquisa

X

X

4. Formatação e entrega do Projeto de Pesquisa

X

5. Apresentação do Projeto de Pesquisa

X

6. REFERÊNCIAS

AMORA, Soares. Minidicionário da Língua Portuguesa. 17ª. Ed. Saraiva SP, 2003, p. 422.

BAMBERGER, R. Como incentivar o hábito de leitura. 2. ed. São Paulo: Ática/UNESCO, 1986.

BORDINI, M. da G.; AGUIAR, V. T. de. Literatura: a formação do leitor: alternativas metodológicas. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1988.

CAGLIARI, L. C. Alfabetização e lingüística. São Paulo: Scipione, 1989.

FERREIRO, E. e GOMES, P. M. Os Processos de leitura e escrita. 3ed. Trad. Luiza

FREIRE, P. A importância do ato de ler: em três artigos que se complementam. São Paulo: Cortez, 1993.

LAJOLO, M. Tecendo a leitura: Teoria & Prática. Porto Alegre: Mercado Alberto, 1984.

REVISTA EDUCAÇÃO. Disponível em http://www.unianhanguera.edu.br. Acessado em 14 e 16/09/09.

SILVA. E. T. O ato de ler: fundamentos psicológicos para uma pedagogia de leitura. São Paulo: Cortez, Autores Associados. 1981.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/o-habito-da-leitura-no-primeiro-ciclo-do-ensino-fundamental-1812063.html

    Palavras-chave do artigo:

    habito de ler familiaridade com a linguagem estrategias de leitura educacao

    Comentar sobre o artigo

    Evilasio Ferreira de Sousa

    Aprender a ler o mundo é uma prática fundamental, a leitura e a escrita e uma pratica que contribui para a formação de cidadãos capazes de enfrentar a dominação econômica,social,cultural. Quando começamos a organizar os conhecimentos adquiridos, a partir das situações que a realidade impõe então estamos procedendo à leitura; A linguagem tem como objetivo principal a comunicação sendo socialmente construída e transmitida culturalmente. Portanto, o sentido da palavra instaura-se no contexto, apar

    Por: Evilasio Ferreira de Sousal Educação> Educação Infantill 18/10/2011 lAcessos: 3,162

    O advento das tecnologias de informação e comunicação e a disseminação dos cursos de formação para professores trouxeram novas perspectivas para a educação a distância, inclusive a utilização do suporte em ambientes digitais de aprendizagem acessados via internet, onde o hipertexto emerge como importante ferramenta de aprendizagem. Este artigo apresenta um breve histórico e algumas definições de hipertexto e reflete sobre a sua utilização na Educação a Distância, tomando por base o referencial t

    Por: Maria das Graças S. S. Seibertl Educação> Educação Onlinel 24/03/2011 lAcessos: 943
    Elaine Peres da Silva

    É indispensável ao desenvolvimento do ser humano o trabalho de sensibilização diante da sociedade, começando pela própria escola, o local de aprendizagem e formação do indivíduo. É preciso que o estudante, enquanto cidadão perceba a importância de sua participação nas questões que envolvem o meio ambiente, desde então, as pequenas ou grandes atitudes podem amenizar, mesmo que parcialmente, a contaminação da natureza.

    Por: Elaine Peres da Silval Educaçãol 27/03/2015 lAcessos: 11
    Fernando Corrêa manarim

    afirmamos que existem outras formas de jogar xadrez além da competição, ou seja, que o xadrez é uma ferramenta que pode trabalhar o praticante pedagógica e terapeuticamente, ensinando a se conhecer, conhecer os outros e conhecer o mundo a qual pertence. Isso pode ser comprovado na Lenda de criação do xadrez, conhecida como a Lenda de Lahur Sessa, lenda que pode ser encontrada na obra de Malba Tahan, "O Homem que calculava".

    Por: Fernando Corrêa manariml Educaçãol 16/03/2015

    1. Por que o regime de ciclos e a progressão continuada são tão criticados? 2. Qual a real eficácia da progressão continuada e quais são os problemas gerados por esta prática? 3. Quais suas implicações políticas? 4. Quais os aspectos negativos deste sistema? 5. Qual o papel do professor, do coordenador e supervisor escolar? 6. Qual a importância da avaliação neste processo?

    Por: EULER DE CASTRO SANTOSl Educaçãol 15/03/2015 lAcessos: 15

    RESUMO A violência é sem duvida, além de uma das grandes preocupações da sociedade, o grande problema a ser enfrentado, principalmente na dura realidade das escolas públicas do Brasil. Atinge a todos na escola, contudo a grande vitima deste problema é o professor, cada vez mais desmotivado e que se encontra quase sempre acuado e de mãos atadas diante do problema. Ocorre de maneira velada e de diversos modos, sendo, obviamente causada pela falta de limites e de ações efetivas para enfrentar o pro

    Por: EULER DE CASTRO SANTOSl Educaçãol 15/03/2015 lAcessos: 13

    Nesta Sociedade de Informação a comunicação assume um papel no desenvolvimento humano como ferramenta de leitura social numa intervenção libertadora na perspectiva social sobre a tecnologia num processo de diminuição das disparidades sociais na criação de políticas publica para a formação de uma cidadania. Atuando numa dimensão social e política através de programas sociais de inclusão digital para reduzir os problemas sociais relativos à marginalização e pobreza

    Por: Daniela Rosseti silval Educaçãol 12/03/2015
    Alinne do Rosário Brito

    O presente artigo tem como finalidade analisar as fases de ensino nas aulas de educação física escolar tendo como base os PCN`S, para facilitar este processo nas instituições de ensino. Portanto é um convite para refletir sobre à pratica pedagógica , ou seja, o processo de alfabetização especificamente no ensino fundamental através deste componente curricular.

    Por: Alinne do Rosário Britol Educaçãol 11/03/2015

    O fundamentalismo islâmico é a maior ameaça a democracia e os direitos humanos desde o fim da Guerra Fria.Esse artigo tem por objetivo expor de forma breve,as suas origens durante o processo de partilha afro-asiática promovida pelos países europeu até a sua expansão na era da globalização sob a hegemonia dos EUA.

    Por: Mauricio Mendes de Oliveiral Educaçãol 09/03/2015
    Marlete Turmina Outeiro

    O artigo conta a história de uma família especifica, que venceram as adversidades e os preconceitos sociais, demonstraram a importância de unir-se em favor de um ideal coletivo, cujo objetivo apresenta memória histórica marco de 1985 a 2011, no Município de Abelardo Luz/SC. Os resultados discorrem a partir de um recorte da obra "A Inclusão Social pela Reforma Agrária: a saga de uma família sem-terra, escrito com base nos fatos que constam no diário da Sra. Rosa Turmina.

    Por: Marlete Turmina Outeirol Educaçãol 07/03/2015 lAcessos: 14
    Gregório Guimarães

    Ali jaz uma rua E a putrefação daquela estrada Faz-se um mito (?) E num momento angustiante Mito se faz.

    Por: Gregório Guimarãesl Literatura> Poesial 20/08/2010 lAcessos: 39
    Gregório Guimarães

    A questão da motivação é um tema emergente no cotidiano. Sabe-se que todo e qualquer elemento que exerce atividade produtiva desprovido de motivação não realiza suas atividades a contento. O fato de não desenvolver suas atribuições de forma dinâmica, responsável e conseqüente é resultado de fatos geradores de caráter interno e externo, os quais influenciam diretamente na questão do comportamento e no ato de fazer.

    Por: Gregório Guimarãesl Educação> Ensino Superiorl 13/07/2010 lAcessos: 1,070
    Gregório Guimarães

    A arte é na verdade uma das maiores fontes de expressão humana. Todo e qualquer trabalho artístico é pra ser TRUCIDADO, ESPREMIDO, ESMAGADO, SUGADO e até CRUCIFICADO na sua essência. Esta forma de trucidar o artista, o faz entender o verdadeiro sentido do seu trabalho fazendo emerir avanços. Este fragmento de texto enfoca o trabalho do poeta e cantor de Cajazeiras, cidade do sertão Paraibano, intitulado ENTRE BALADAS E REPENTES.

    Por: Gregório Guimarãesl Literatura> Crônicasl 11/02/2010 lAcessos: 180
    Gregório Guimarães

    Através do enfoque narrativo se percebe que o filme ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA aponta aspectos e situações vivenciadas na sociedade e no dia-a-dia do homem comum.

    Por: Gregório Guimarãesl Literatura> Crônicasl 09/02/2010 lAcessos: 558
    Gregório Guimarães

    A Literatura de Cordel, através de seus autores e poetas populares tem revelado estórias interessantes. Dentre as várias estórias cantadas pelos, se é que podemos assim chamá-los, cordelistas, várias chamam a atenção, pois são retratadas de forma que seus enredos aprisionem o leitor de versos e causos. Lampião, "bandoleiro das terras nordestina" é motivo de várias estórias, ora cantada em versos, ora narrada por estudiosos da cultura popular. Esse trabalho é uma adptação para o teatro.

    Por: Gregório Guimarãesl Arte& Entretenimento> Artel 04/02/2010 lAcessos: 2,522 lComentário: 1
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast