O Jogo E As Brincadeiras Como Ferramentas Da Psicomotricidade

Publicado em: 02/07/2009 |Comentário: 0 | Acessos: 23,725 |

Introdução

A presente revisão discute alguns aspectos fundamentais na estruturação do processo de ensino-aprendizagem tendo em vista a construção do conhecimento e do saber por parte da criança através do uso das brincadeiras e jogos. Observou-se que algumas dificuldades de aprendizagem estão associadas a elementos da psicomotricidade, como por exemplo ao esquema corporal, à lateralidade, à aspectos perceptivos e outros, estão por vezes relacionados à aspectos como inversão de letras, dificuldades em relação a escrita, à leitura, à linguagem e outros.

A fase pré-escolar e de alfabetização são importantes no desenvolvimento da criança de uma forma geral e primordiais no processo de aprendizagem das mesmas, e as brincadeiras e jogos teêm um papel fundamental neste processo.

Outro ponto importante é se os profissionais que atuam neste segmento (especializados ou não) têm conhecimento da relação entre as brincadeiras e jogos e o processo de aprendizagem do aluno, no sentido de minimizar ou reduzir as possíveis dificuldades de aprendizagem.

Percebe-se que na escola de primeira infância, crianças não sabem saltar, correr, lanças, trepar, etc. É importante para o desenvolvimento pleno do aluno brincar, como um organismo integrado, levando-se em conta que tais habilidades são consideradas como formas de expressão de um ser humano.

Portanto, este trabalho discutira a importância dos jogos e brincadeiras como intervenção pedagógica no desenvolvimento e aprendizagem de crianças na educação infantil.

A importância do brincar?

Existe uma relação estreita entre o brincar e a aprendizagem. Se no passado estes termos eram dicotômicos e se contradiziam, no mundo contemporâneo se entrelaçam, pois nos dias de hoje. onde as exigências cognitivas são precoces, a criança perde o espaço do brincar para o espaço da aprendizagem interfererindo na dinâmica natural do desenvolvimento psicológico da criança (OLIVEIRA, 2008: 01).

Para VYGOTSKY (s/d apud KISHIMOTO, 2002: 51), “ a imaginação em ação ou brinquedo é a primeira possibilidade de ação da criança numa esfera cognitiva que lhe permite ultrapassar a dimensão perceptiva motora do comportamento. De acordo com este pensamento FRIEDMANN (2003), coloca que as brincadeiras são essenciais a saúde física, emocional e intelectual do ser humano. Brincando dos reequilibramos, reciclamos nossas emoções e nossa necessidade de conhecer e inventar.brincar é essencial à saúde física, emocional e intelectual do ser humano.

Brincar é a representação em atos, através do jogo simbólico, a primeira possibilidade de pensamento propriamente dito, marcando a passagem de uma inteligência sensório-motora, baseada nos cinco sentidos e na motricidade, para uma inteligência representativa pós-operatória (material e intuitiva) mediada por símbolos subjetivos , caminho para a construção da inteligência operatória mediada por signos históricos arbitrários.

Segundo KISHIMOTO (2002), representar, brincar é dar forma às experiência humanas significativas; é reapresentar, tornar novamente presente, presentificar vivencias que, por sua experiência, mereçam ser permanentemente lembradas. O imaginário não se confunde com o real, ele é um instrumento para a compreensão e a tomada de consciência real.

Consoante com este pensamento, Oliveira (2008) entende o brincar como o viver, é o prazer da ação, é a vivência da dimensão psíquica nas relações da criança com o mundo, onde ao brincar a criança vive o prazer de agir simultaneamente com o prazer de projetar-se no mundo em uma dinâmica interna que promove a evolução e a maturação psicomotora e psicológica dela.

O brincar consiste em um sistema que proporciona a integração entre a vida social da criança, sendo transmitida de uma geração para outra ou aprendida nos grupos infantis, na rua, nos parques, escolas, festas e etc; é incorporada pelas crianças de forma espontânea (FRIEDMANN, 2003).

O brincar como instrumento de aprendizagem

Quando as crianças brincam, criam regras e adaptam seu pensamento de acordo com as situações encontradas. De acordo com o nível da brincadeira, a criança utiliza seus conhecimentos pré-aprendidos e adapta-os a nova situação.

A relevância de brinquedos e brincadeiras como indispensáveis para a criação da situação imaginária. Revela que o imaginário só se desenvolve quando se dispõe de experiências que se reorganizam. A riqueza dos contos, lendas e o acervo de brincadeiras constituirão o banco de dados de imagens culturais utilizados nas situações interativas. Dispor de tais imagens é fundamental para instrumentalizar a criança para a construção do conhecimento e sua socialização. Ao brincar a criança movimenta-se em busca de parceria e na exploração de objetos; comunica-se com seus pares; expressa-se através de múltiplas linguagens; descobre regras e toma decisões (VYGOTSKY 1988, citado por,  FRIEDMANN, 2003 ).

Ao se pensar na evolução do brincar, deve-se voltar ao passado, época no qual o brincar era uma atividade característica tanto das crianças quanto dos adultos, representando para ambos um importante segmento da vida. As crianças participavam das festividades, lazer e jogos dos adultos, mas tinham, ao mesmo tempo, uma esfera separada de jogos. As brincadeiras eram formulas condensadas de vida, modelos em miniatura da história e destino da humanidade. A brincadeira era o fenômeno social do qual todos participavam e foi só bem mais tarde que ela perdeu seus vínculos comunitários e seu simbolismo religioso, tornando-se individual (FRIEDMANN, 2003: 28).

Segundo Neto (2001), o brincar através dos movimentos, permite a criança um conjunto de relações (sujeito, as coisas, o espaço) necessárias ao seu desenvolvimento motor, aprendendo a perceber e a interacionar o vívido, o operatório e o mental. A riqueza de aquisições processa de forma continua e em plasticidade, permitindo mais tarde uma cultura motora fundamental a tarefas mais precisas e que solicitem maior exigência das diversas estruturas ou componentes da motricidade.

Assim as brincadeiras fazem parte do patrimônio lúdico-cultural, traduzindo valores, costumes e formas de pensamento e ensinamentos, proporcionando às crianças uma cultura motora fundamental ao seu desenvolvimento e a sua aprendizagem.

O brincar na escola

De acordo com Moyles (2002: 26), existem três formas de brincar na escola onde destaca-se:

Forma Básica

Detalhe

Exemplos

Brincar Físico

Motor amplo

Construção e Destruição

Blocos de montar, argila, areia e madeira.

Motor fino

Manipulação e Coordenação

Blocos de encaixar, instrumentos musicais.

Psicomotor

Aventura, Movimento criativo, Exploração sensorial, Brincar com objetos

Aparelhos de subir, dança, modelagem com sucata e mesa de descobertas.

Forma Básica

Detalhes

Exemplos

Brincar Intelectual

Lingüístico

Comunicação, função,

Explicação, aquisição.

Ouvir, contar histórias.

Científico

Exploração, investigação, resolução de problemas.

Brincar com água, cozinhar.

Simbólico/

matemático

Representação faz de conta, minimundos.

Casa de boneca, casinha, teatros, jogos de números.

Criativo

Estética, imaginação, fantasia, realidade e inovação.

Pintura, desenho, design, modelagem.

Forma Básica

Detalhes

Exemplos

Brincar Social,

Emocional

Terapêutico

Agressão, regressão, relaxamento, solidão, brincar paralelo.

Madeira, argila, música.

Lingüístico

Comunicação, interação, cooperação.

Marionetes, telefone.

Repetitivo

Domínio, controle.

Qualquer coisa.

Emparático

Simpatia, sensibilidade.

Animais de estimação, outras crianças.

Autoconceito

Papéis, emulação, moralidade, etnicidade.

Cantinho da casa, oficinas de serviços, discussão.

Jogos

Competição, regras.

Jogos de palavras e números.

Deve-se observar que existe uma significativa sobreposição em todas as áreas, impossível de representar de forma figurativa. Os leitores talvez desejem construir uma roda de brincar, três círculos sobrepostos, mas de tamanhos decrescentes, separados por cunhas, cada contendo os itens básicos e detalhados apresentados acima, podendo ser rotados em dentro do outro, o que representa mais adequadamente o relacionamento entre as áreas.

O que se percebe com a transformação do brincar, é que com o avanço da tecnologia e o crescimento desordenado das cidades, fica cada vez mais difícil encontrar espaços para brincar, e que esta falta de espaço contribui para que as crianças se atenham a jogos eletrônicos, que limitam a uma aprendizagem motora; a escola por sua vez, se vê pressionada a trabalhar conteúdos que proporcionarão os alunos um lugar no campo de trabalho e prestação de vestibulares e não se atendo a necessidade da criança brincar.

Dentro da escola o brincar tem sofrido essas transformações, sendo que a brincadeira integra um espaço de trabalho: a brincadeira livre passa a ser considerada uma atividade não produtiva.

O brincar livre deve acontecer na escola?

Para Moyles (2002), talvez não, se a visão do professor for à de um instrutor ou doador de conhecimentos. Entretanto, dentro da noção do professor como um mediador e iniciador da aprendizagem, o brincar livre e o dirigido são aspectos essenciais da interação do professor/criança, porque o professor tanto permite quanto proporciona os recursos necessários e apropriados.

“Houve um avanço no que se refere aos estudos e pesquisas a respeito da importância e compreensão do brincar, para a preservação histórico-cultural, à educação, o desenvolvimento integral infantil, a aprendizagem, a reeducação, a segurança na fabricação de brinquedos, a adequação dos brinquedos à diferentes faixas etárias. No que se refere aos fatores esternos do brincar – tempo, temática, espaço, parceiros, objetos -, as condições de modernidade comprometeram, de certa forma, as oportunidades lúdicas” (FRIEDMANN, 2003).

Para Neto (2001: 46), o brincar proporciona um desenvolvimento multidimensional de ser criativo, aspirando à autonomia, à liberdade e apto a viver em relação estreita com a comunidade. Segundo o mesmo autor, cabe ao professor proporcionar atividades que permitam o brincar livre e o brincar dirigido de acordo com objetivos previamente propostos.

Psicomotricidade e Aprendizagem

A psicomotricidade é uma abordagem educacional que tem como objetivo promover o desenvolvimento dos alunos auxiliando-os no processo de alfabetização (ASSIS, SILVA e LIMA, 2008).

Segundo Molinari e Sens (2003, citado por ASSIS, SILVA e LIMA, 2008), a educação psicomotora proporciona o desenvolvimento do esquema corporal, muito útil na coordenação motora, as noções de tempo , espaço e ritmo auxiliam nas situações concretas na aprendizagem e dos cálculos; a organização espacial e temporal contribui na efetuação dos cálculos matemáticos como também na colocação dos números em séries e na combinação das formas para fazer construções geométricas, além de desenvolver a socialização e aspectos afetivos.

Desta forma, quando a criança brinca, ela se desenvolve de forma integrada nos aspectos cognitivos, afetivos, físicos-motores, morais, lingüísticos e sociais. Este processo de desenvolvimento se dá a partir da construção que a criança faz na sua interação com o meio físico e social. A criança vai conhecendo o mundo a partir da sua ação sobre ele. Nessa interação sujeito objeto (ou meio), a criança vai assimilando determinadas informações, segundo o seu estágio de desenvolvimento (FRIEDMANN, 2003: 72).

Consoante com este pensamento Moyles (2002: 36), diz que o brincar “aberto”, aquele que poderíamos chamar de a verdadeira de brincar, apresenta uma esfera de possibilidades para a criança, satisfazendo suas necessidades de aprendizagem e tornando mais clara a sua aprendizagem explícita. De acordo com Lee (1977: 340, citado por MOYLES, 2002: 374):

O brincar é a principal atividade da criança na vida; através do brincar ela aprende as habilidades para sobreviver e descobre algum padrão no mundo confuso em que nasceu.

Este pensamento esta de acordo com Oliveira (2008), “o brincar é o principal meio de aprendizagem da criança”, onde esta gradualmente desenvolve conceitos de relacionamentos causais, o poder de discriminar, de fazer julgamentos, de analisar e sintetizar, de imaginar e formular.

Então, o brincar é de fundamental importância do desenvolvimento da criança, que através do lúdico, cria mecanismos de aprendizagem que proporcionarão o seu desenvolvimento integral.

De acordo Barreto (2000, citado por MONTEIRO, 2007) o desenvolvimento psicomotor é importante na prevenção de problemas de aprendizagem e que a psicomotricidade nas aulas de Educação Física pode auxiliar na aprendizagem escolar, contribuindo para um fenômeno cultural que consiste de ações psicomotoras exercidas sobre o ser humano de maneira a favorecer comportamentos e transformações.

A Educação Física Escolar nos dias atuais vem sendo pensada como ação educativa integral do ser humano, assim como a psicomotricidade que relaciona o individuo como um ser completo e único capaz de pensar e agir, deixando de lado as características de dualidade de corpo e mente, e sim como um ser capaz de integrar-se com si próprio e com o meio (MONTEIRO, 2007).

O brincar permite à criança um enorme gama de situações, que proporcionarão um desenvolvimento harmônico e geral da criança. Moyles (2002), destaca em seu livro que as escolas onde o brincar era subvalorizado, as possibilidades matemáticas presentes no brincar das crianças não se desenvolviam.

De acordo com este pensamento, Neto (2001), as escolas estão centradas em aprendizagens formais e seguindo dimensões voltadas para uma “excelência acadêmica” em espaços restritos.

Considera-se então fundamental que os professores de Educação Física tenham um melhor conhecimento sobre o valor do jogo e das brincadeiras como conteúdos da psicomotricidade e que estes são fundamentais para o desenvolvimento cognitivo, motor e psicológico do aluno em sua integralidade.

Conclusão

O estudo permitiu concluir que os jogos e brincadeiras que são conteúdos da psicomotricidade permitem o desenvolvimento integral do aluno, contribuindo positivamente para o processo de aprendizagem.

Percebe-se que com o desenvolvimento tecnológico o brincar perdeu espaço para os jogos eletrônicos, o brincar na escola está estigmatizado como uma atividade sem objetivos bem definidos.

É fundamental ao Professor de Educação Física trabalhe atividades que visem o desenvolvimento integral do aluno e para tanto a psicomotricidade é um elemento de grande relevância dentro da Educação Física.

Referências Bibliográficas

FRIDMANN, A. O direito de brincar: a brinquedoteca. São Paulo: Ed. Vozes, 2003.

MONTEIRO, V.A. A psicomotricidade nas aulas de Educação Física Escolar: uma ferramenta de auxílio na aprendizagem. In: http://www.efdeportes.com. Acesso em 22 de out. de 2008.

MOYLES, J. Só Brincar? O papel do brincar na educação infantil. Porto Alegre: Artmed, 2002.

NETO, C. A. F. Motricidade e jogo na infância. Rio de Janeiro: Sprint, 3ª Ed: 2001.

OLIVEIRA, M. C. S. M. Do prazer de brincar ao prazer de aprender. IN: http://www.psicomotricidade.com.br. Acesso em 25 de out. de 2008.

ASSIS, A. P. P. SILVA, F. V. LIMA, J. F. SILVA, S. S. CASTRO, G. A. A. DESTRO, D. S. Importância da Educação Física para as séries iniciais a partir das contribuições da psicomotricidade. In: http://www.faminas.edu.br. Acesso em 27 de out. de 2008.

Avaliar artigo
5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 9 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/o-jogo-e-as-brincadeiras-como-ferramentas-da-psicomotricidade-1009408.html

    Palavras-chave do artigo:

    brincadeiras

    ,

    jogos

    ,

    psicomotricidade e desenvolvimento motor

    Comentar sobre o artigo

    Fayson Merege

    Considerando que o movimento, a corporeidade e o lúdico são de suma importância para o desenvolvimento da criança e que a Educação Física é parte do processo de cultura e humanização da mesma, o presente estudo busca construir e consolidar uma parceria entre a Pedagogia e a Educação Física na Educação Infantil. Pela importância que a infância representa na formação da personalidade do indivíduo, buscam-se respaldos por uma "nova práxis pedagógica" que leve a uma organização didática.

    Por: Fayson Meregel Educação> Educação Infantill 13/06/2012 lAcessos: 710

    Este trabalho toma como percurso a descrição da prática docente na utilização dos jogos tradicionais, em instituição particular, na cidade de Salvador-Bahia. As discussões estão pautadas em Kishimoto; Friedmann; Chateau; Freire; Piaget e Vigotsky. Partindo do pressuposto de que se as aprendizagens são variadas, é necessário que o professor esteja em constante renovação e reflexão de sua prática, para que alcance as necessidades da criança.

    Por: Geraldo Francisco dos Santosl Educação> Educação Infantill 22/04/2011 lAcessos: 7,289 lComentário: 1
    Marcia Soares

    A criança com dificuldade de aprendizagem só será capaz de se apropriar da linguagem simbólica após a apropriação e domínio das habilidades motoras, tal pensamento nos remete a uma reflexão acerca da importância das aulas de educação física para que os alunos com ou sem dificuldades de aprendizagem, alcancem um desenvolvimento global satisfatório. Através do estimulo motor nas aulas de educação física é possível corrigir a disfunção psicomotora e promover a maturação neurofuncional nas crianças

    Por: Marcia Soaresl Educação> Educação Infantill 05/11/2012 lAcessos: 440

    O esquema corporal é um elemento básico indispensável para a formação da personalidade da criança. É a representação relativamente global, científica e diferenciada que a criança tem de seu próprio corpo.

    Por: Rosimar Nádila O. Saraival Educação> Educação Infantill 19/10/2010 lAcessos: 2,708
    Tamiris Lima

    Este estudo mostra a importância da psicomotricidade nas aulas de Educação Física escolar, a psicomotricidade tem uma revelância grandiosa na vida do individuou, algums dos seus inúmeros objetivos é motivar a percepção através de atividades, a integração dos movimentos corporais.

    Por: Tamiris Limal Educação> Educação Infantill 24/02/2010 lAcessos: 5,299 lComentário: 7
    GUTEMBERG MARTINS DE SALES

    RESUMO O artigo discorre sobre a psicomotricidade, sua evolução e importância para o desenvolvimento educacional focando sua contribuição de maneira expressiva para a formação e estruturação do esquema corporal, facilitando a orientação espacial. O desenvolvimento infantil justifica que ao longo do desenvolvimento, o indivíduo sofre mudanças que não são apenas quantitativas, mas principalmente qualitativas. O desenvolvimento cognitivo e o desenvolvimento afetivo social.

    Por: GUTEMBERG MARTINS DE SALESl Educação> Educação Infantill 07/07/2011 lAcessos: 5,773
    EDINALVA COSTA DE ANDRADE

    RESUMO: O presente artigo tem por objetivo apresentar algumas reflexões a respeito da psicomotricidade na Educação infantil. As reflexões tecidas ao longo deste trabalho, mostrou que o conceito de Educação Motora tem sofrido mudanças significativas, de um paradigma onde esta educação se dava limitada ao conceito do físico apenas, tem extrapolado outros âmbitos, passando a considerar o ser humano como um todo constituído, de corpo e alma. Sendo assim, o termo educação psicomotora engloba a necess

    Por: EDINALVA COSTA DE ANDRADEl Educação> Educação Infantill 20/11/2014 lAcessos: 25
    Ismael dos Santos

    Este trabalho abordará a importância do brincar para o desenvolvimento infantil, um fator indispensável e fundamental ao desenvolvimento de aspectos físico-motor, intelectual, afetivo-emocional, e social da criança, procurando verificar o papel da família e também dos educadores no processo de inclusão do brincar na vida do mesmo e apresentar as influências e vantagens que essas brincadeiras proporcionam para que tal desenvolvimento ocorra de maneira adequada.

    Por: Ismael dos Santosl Educação> Educação Infantill 24/02/2011 lAcessos: 2,811 lComentário: 1

    O estudo da psicomotricidade é de fundamental importância para se averiguar o desenvolvimento das competências e habilidades das crianças. Para efeito de estudo, tem-se por referencial teórico-metodológico as reflexões elaboradas por Henri Wallon, dentre outros teóricos ligados ao assunto em questão, cujos trabalhos utilizamos na elaboração e no desenvolvimento do presente artigo.

    Por: Jeniffer Souzal Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 07/10/2014 lAcessos: 39
    Fernando Corrêa manarim

    afirmamos que existem outras formas de jogar xadrez além da competição, ou seja, que o xadrez é uma ferramenta que pode trabalhar o praticante pedagógica e terapeuticamente, ensinando a se conhecer, conhecer os outros e conhecer o mundo a qual pertence. Isso pode ser comprovado na Lenda de criação do xadrez, conhecida como a Lenda de Lahur Sessa, lenda que pode ser encontrada na obra de Malba Tahan, "O Homem que calculava".

    Por: Fernando Corrêa manariml Educaçãol 16/03/2015

    1. Por que o regime de ciclos e a progressão continuada são tão criticados? 2. Qual a real eficácia da progressão continuada e quais são os problemas gerados por esta prática? 3. Quais suas implicações políticas? 4. Quais os aspectos negativos deste sistema? 5. Qual o papel do professor, do coordenador e supervisor escolar? 6. Qual a importância da avaliação neste processo?

    Por: EULER DE CASTRO SANTOSl Educaçãol 15/03/2015 lAcessos: 12

    RESUMO A violência é sem duvida, além de uma das grandes preocupações da sociedade, o grande problema a ser enfrentado, principalmente na dura realidade das escolas públicas do Brasil. Atinge a todos na escola, contudo a grande vitima deste problema é o professor, cada vez mais desmotivado e que se encontra quase sempre acuado e de mãos atadas diante do problema. Ocorre de maneira velada e de diversos modos, sendo, obviamente causada pela falta de limites e de ações efetivas para enfrentar o pro

    Por: EULER DE CASTRO SANTOSl Educaçãol 15/03/2015 lAcessos: 11

    Nesta Sociedade de Informação a comunicação assume um papel no desenvolvimento humano como ferramenta de leitura social numa intervenção libertadora na perspectiva social sobre a tecnologia num processo de diminuição das disparidades sociais na criação de políticas publica para a formação de uma cidadania. Atuando numa dimensão social e política através de programas sociais de inclusão digital para reduzir os problemas sociais relativos à marginalização e pobreza

    Por: Daniela Rosseti silval Educaçãol 12/03/2015
    Alinne do Rosário Brito

    O presente artigo tem como finalidade analisar as fases de ensino nas aulas de educação física escolar tendo como base os PCN`S, para facilitar este processo nas instituições de ensino. Portanto é um convite para refletir sobre à pratica pedagógica , ou seja, o processo de alfabetização especificamente no ensino fundamental através deste componente curricular.

    Por: Alinne do Rosário Britol Educaçãol 11/03/2015

    O fundamentalismo islâmico é a maior ameaça a democracia e os direitos humanos desde o fim da Guerra Fria.Esse artigo tem por objetivo expor de forma breve,as suas origens durante o processo de partilha afro-asiática promovida pelos países europeu até a sua expansão na era da globalização sob a hegemonia dos EUA.

    Por: Mauricio Mendes de Oliveiral Educaçãol 09/03/2015
    Marlete Turmina Outeiro

    O artigo conta a história de uma família especifica, que venceram as adversidades e os preconceitos sociais, demonstraram a importância de unir-se em favor de um ideal coletivo, cujo objetivo apresenta memória histórica marco de 1985 a 2011, no Município de Abelardo Luz/SC. Os resultados discorrem a partir de um recorte da obra "A Inclusão Social pela Reforma Agrária: a saga de uma família sem-terra, escrito com base nos fatos que constam no diário da Sra. Rosa Turmina.

    Por: Marlete Turmina Outeirol Educaçãol 07/03/2015 lAcessos: 12

    A tecnologia mais especificamente a tecnologia de informação e comunicação assume papel no desenvolvimento humano como ferramenta de leitura e práxis social numa intervenção libertadora na perspectiva social sobre a tecnologia num processo de diminuição das disparidades sociais na criação de políticas publica para a formação de uma cidadania. Atuando numa dimensão social e política através de programas sociais de inclusão digital para reduzir os problemas sociais relativos à marginalização e pob

    Por: Daniela Rosseti silval Educaçãol 02/03/2015
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast