O MARQUÊS DE POMBAL

Publicado em: 16/10/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 635 |

16 de outubro de 1769: o Ministro Sebastião José de Carvalho e Melo, no reinado de D. José I, Rei de Portugal, recebe o título de Marquês de Pombal.


A transformação econômica do século XVIII acontecia paralelamente a uma agitação no nível das idéias. Tal agitação foi conhecida como Iluminismo filosófico, cuja missão era o impulso a uma nova visão de mundo e do homem, baseando-se no retorno à razão.

Em 1750, em Portugal, ocorria o fim do reinado absolutista de D. João V. Momento que ocorria também a transição modernizadora do Estado português. Este, um país atrasado por causa da dependência política e econômica em relação à Inglaterra, de uma imensa burocracia administrativa e de um conservadorismo mental católico, dentre outras causas.

Dentro dessa transição, Portugal já sentia o clima do Iluminismo e do "despotismo esclarecido". Os "déspotas esclarecidos" eram monarcas e ministros influenciados pelo Iluminismo. O Ministro Sebastião José de Carvalho, no reinado de D. José I, é feito Marquês de Pombal. Este, um seguidor das idéias Iluministas, as mesmas dos filósofos Diderot, Lock, Hume, Voltaire, Rousseau, Montesquieu, Helvetius e outros.

O Estado português encontrava-se enfraquecido, e Pombal buscava revigorá-lo, aperfeiçoando o mercantilismo, no plano econômico, e medidas do espírito iluminista, no campo administrativo. Buscava ainda libertar o Estado da influência direta e impositiva da Igreja Católica que era quase um Estado paralelo. Para isso expulsou os jesuitas de Portugal e do Brasil, pois o ensino era dominado pela Igreja, passando, então, a ser responsabilidade do Estado. A Universidade de Coimbra, por exemplo, foi reformada dentro dos padrões iluministas. No seu ministério foi criada a Real Fazenda, o incentivo à produção do vinho e manufaturas. No Brasil colonial, Pombal estimulou a criação de usinas de beneficiamento de produtos primários destinados à exportação (arroz, couro, fumo etc.), criou novas companhias de comércio, diversificou as atividades agrícolas e artesanais. Também intensificou a opressão fiscal contra a colônia.


Durante 27 anos, Pombal, como principal ministro e homem forte do governo português, buscou reformas, atuando como um "déspota esclarecido".

Temos, apesar das contradições, erros e interesses, um avanço cultural, social e político. Os fatos históricos, culturais, filosóficos não param no tempo. Há uma constante mudança de maneiras de pensar e ver o mundo. E o Iluminismo, aqui ilustrado na figura do Marquês de Pombal, levou sua Ilustração ou Filosofia das Luzes como um gesto alternativo a um mundo obscuro, feudal, supersticioso e repleto de tradições intocáveis.

As bases rumo à Revolução Francesa estavam prontas, e o "Antigo Regime" estava em vias de cair. O termo "Antigo Regime" (Ancien Régime) era usado para nomear a situação econômica, social e política anterior a 1789. Ou seja, o mercantilismo monopolista, o Pacto Colonial, os restos do feudalismo, e a predominância parasitária do clero e da nobreza.

O Iluminismo, na verdade, reforçou e foi reforçado pela Revolução Francesa. Suas idéias e ideais eram constantemente condenados e reprimidos pela Igreja. Impressos e livros (Enciclopédia) eram constantemente queimados. Entretanto, graças a diversos "clubes de idéias ilustradas" e à Maçonaria, os ideais iluministas continuaram a propagar-se.

Se por um lado o Iluminismo e a Revolução Francesa exageraram em alguns aspectos, ou deram muita ênfase ao racional e a busca de uma liberdade sem limites ou sem responsabilidade em alguns setores, como o econômico, por outro lado o atraso, a ignorância, o luxo desenfreado, os abusos do clero e da nobreza, a situação miserável e escrava das classes trabalhadoras eram insuportáveis.

Assim, o mundo via pela primeira vez algumas mudanças substanciais em diversos setores: nas questões jurídicas, pois começava a garantia legal dos direitos e deveres dos cidadãos; no "esclarecimento" que difundia-se em vários países europeus e americanos; na criação das bases ideológicas da Revolução Francesa e independência das colônias americanas; na educação, cultura e ciências; e na limitação do poder político da Igreja.

O mundo estava precisando de um pouco de Razão e Progresso; de Liberdade, Igualdade e Fraternidade. Os povos precisavam dar oportunidade à razão que há muito estava sufocada pela intolerância religiosa prepotente.

O progresso do homem só será garantido através do livre exercício de suas faculdades, a partir da liberdade de pensar.


Prof. Hermes Edgar Machado Junior


Referências e sugestões bibliográficas:
"O Brasil em Perspectiva", Carlos Guilherme Mota (org.)
"Síntese de História da Cultura Brasileira", Nelson Werneck Sodré
"A Etiqueta no Antigo Regime: do sangue à doce vida", Renato Janine Ribeiro
"O Sistema Colonial", José Roberto do Amaral Lapa
"História do Brasil Colonial", Luiz Roberto Lopez
"O Iluminismo e os Reis Filósofos", Luiz R. Salinas Fortes
"As Grandes Correntes do Pensamento", Voltaire Schilling
"A Era das Revoluções", Eric J. Hobsbawm

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/o-marques-de-pombal-3487366.html

    Palavras-chave do artigo:

    portugal

    ,

    colonia

    ,

    brasil colonia

    Comentar sobre o artigo

    Meio News RJ

    O Brasil Colônia compreende o período entre a chegada dos portugueses, em 1500, e a independência do país, em 1822. De 1500 a 1530, a exploração do território, então chamado Terra de Santa Cruz, era limitada a expedições para coleta e transporte de pau-brasil, madeira nobre muito apreciada no continente europeu.

    Por: Meio News RJl Notícias & Sociedadel 19/04/2012 lAcessos: 50

    Este artigo é sobre a contribuição da Companhia de Jesus na história da educação no Brasil. São apontadas algumas particularidades do ensino jesuítico como o trabalho catequético na língua dos nativos e a fundação das missões jesuíticas, que aumentaram consideravelmente a eficácia da missão evangelizadora na conquista do Brasil pelos portugueses. Daí se conclui que apesar das imensas contribuições dos jesuítas na "civilização" dos povos indígenas não foram poupados pelas reformas pombalinas.

    Por: Alberto Amoriml Educaçãol 29/11/2010 lAcessos: 5,190

    RESUMO: Neste presente trabalho pretendo abordar, num primeiro momento, a chegada do protestantismo ao Brasil. De forma mais específica, o protestantismo histórico de denominação Batista, buscando suas origens históricas na Reforma Protestante ( Europa, século XVI). Num segundo momento, pretendo apontar a chegada desta forma de protestantismo à cidade de Cajazeiras na primeira metade do século XX, abordando o contexto histórico no qual se inseriu.

    Por: Kellyane Christhina Alves de Limal Religião & Esoterismo> Religiãol 12/11/2009 lAcessos: 2,912 lComentário: 1

    No início do cristianismo, a catequese era o período em que se estruturava a conversão. Os já evangelizados eram iniciados no mistério da salvação e num estilo evangélico de ser: experiência de vida cristã, ensinamento sistematizado, mudança de vida, crescimento na comunidade, constância na oração, alegre celebração da fé e engajamento missionário. Este longo processo de iniciação, chamado catecumenato, se concluía com a imersão no mistério pascal através dos três grandes Sacramentos: Batismo, Confirmação e Eucaristia. A catequese estava a serviço da igreja visando a iniciação cristã.

    Por: Robson Stigarl Religião & Esoterismo> Religiãol 04/01/2009 lAcessos: 10,820 lComentário: 3

    O presente ensaio visa apresentar a visão de quatro historiadores sobre a visão do Imperio do Brasil.

    Por: Vicente Vagner Cruzl Educaçãol 21/12/2009 lAcessos: 1,199

    Estudo de muitas confusões encontradas na TV, na Rede mundial de deturpação da Língua pátria, na Entrevista, no Catálogo Telefônico da Capital, no Guia Turístico, no Jornal, na Publicidade  até na Lei  e demais mídias, especialmente no tema Brasília e DF.

    Por: Euetu Nósl Educação> Ciêncial 15/08/2008 lAcessos: 3,476
    Jose Luiz Esteves Esteves

    História do Brasil Colônia, a história do descobrimento do Brasil, os primeiros contatos entre portugueses e índios, o escambo, a exploração do pau-brasil. Primeiros contatos entre portugueses e índios Em 22 de abril de 1500 chegava ao Brasil 13 caravelas portuguesas lideradas por Pedro Álvares Cabral. A primeira vista, eles acreditavam tratar-se de um grande monte, e chamaram-no de Monte Pascoal. No dia 26 de abril, foi celebrada a primeira missa no Brasil.

    Por: Jose Luiz Esteves Estevesl Literatura> Poesial 23/04/2011 lAcessos: 127

    Da mesma forma que na França, quando aconteceu que queda da Bastilha e por em seguida a queda do regime monárquico, o Brasil está vivendo uma fase semelhante, mas não somente pela insatisfação do povo devido a falta de caráter dos governantes e sim, devido a falta de interesse de ambos os lados.

    Por: Ruben Zevallos Jr.l Notícias & Sociedadel 11/03/2008 lAcessos: 2,494 lComentário: 7
    Mauro Kiithi

    O propósito do autor é analisar a situação política peculiar do Congo durante a segunda metade do século 19, em especial após a intensificação das conquistas territoriais diretas pelas potências europeias.

    Por: Mauro Kiithil Notícias & Sociedade> Polítical 25/11/2014

    A evolução histórica dos direitos dos animais desde a colonização do Brasil por Portugal até os dias atuais.

    Por: Micheli Spellmeierl Direito> Legislaçãol 23/11/2013 lAcessos: 233

    O estudo realizado teve como foco principal compreender os avanços no processo de construção do conhecimento dos alunos de uma turma de 3º ano, através dos jogos matemáticos, priorizando, desse modo, a ludicidade no ensino. A pesquisa foi desenvolvida durante o estágio realizado pela acadêmica e pesquisadora junto a uma turma de 3º ano.

    Por: Luziane Da Silva Costal Educaçãol 15/12/2014
    Idalina Gonçalves Fernandes

    A educação em nosso país necessita ser trabalhada, observando outros princípios como a virtualidade, considerando que as relações com os alunos, o ensino aprendizagem se dissociam cada vez mais da presença física, cujos limites de espaço e tempo servem como subterfúgio, como antiquados rituais, velhas metodologias de ensino, contraproducentes, frente às atuais exigências de autonomia, flexibilidade e criatividade com as quais os alunos são bombardeados.

    Por: Idalina Gonçalves Fernandesl Educaçãol 06/12/2014

    RESUMO A Educação de Jovens e Adultos tem uma especificidade própria, uma vez que os jovens e adultos já têm um repertório de conhecimentos e vivências que exige do professor um tipo de relação pedagógica diferenciada da que é trabalhada com crianças na Educação Infantil e no Ensino Fundamental. Além disso, a sociedade contemporânea tem exigido uma maior capacitação das pessoas para o mercado de trabalho, que a cada dia que passa se torna mais concorrido, tornando a vida mais difícil.

    Por: Giseli Matosl Educaçãol 05/12/2014 lAcessos: 15

    Este artigo de pesquisa analisa o problema gerada pela inserção da disciplina Ensino Religioso na educação pública no Brasil . Demonstra algumas concepções de especialistas sobre a disciplina, seus problemas sócio-pedagógicos e como ela pode ser trabalhada por meio dos temas transversais da educação como valores morais e éticos dentro de uma sociedade igualitária.

    Por: Sortineide Navarro Segural Educaçãol 05/12/2014

    Atualmente o uso dos celulares é um dos temas discutidos por muitos educadores, pois o mesmo atrapalha o andamento das aulas, visto que atrapalha não só quem atende, mas todos os que estão ao seu redor. Há escolas que comprovam o índice do rendimento escolar como negativo , sendo assim chegaram a um bom senso de que o aparelho atrapalha.

    Por: millena bastos mattosl Educaçãol 04/12/2014

    Considerando a importância do espaço escolar na formação do ser humano , onde cada um fazendo a sua parte podemos construir um mundo melhor e o processo ensino aprendizagem se completa quando passamos a conviver coletivamente na busca de um mesmo objetivo. A necessidade de preservação onde todos envolvidos na Unidade Escolar podem contribuir havendo uma interação social.

    Por: millena bastos mattosl Educaçãol 04/12/2014

    A Biblioteca escolar é um local apropriado para facilitar a prática da leitura de forma que a escolha seja livre ou orientada, é o espaço que pode favorecer a aquisição de conhecimento , diversão, há uma variedade de livros, revistas, de diversos assuntos ou temas, onde os estudantes ou até mesmo pessoas da comunidade escolar tem a liberdade de escolher qualquer livro para ler , é o ambiente que pode desenvolver no estudante o gosto pela leitura,

    Por: millena bastos mattosl Educaçãol 04/12/2014

    Respeitar para ser respeitado, ter amor próprio e para com o próximo, sentir a responsabilidade e o comprometimento da vida despertando o espírito humanitário, sensibilizar para necessidade de escolher uma religião a seguir. A família e a escola necessitam estar juntas neste processo de restabelecimento da questão do cultivo dos principais valores sociais, mas se não estiver , cabe ainda a escola despertar a necessidade de promover projetos voltados para este aspecto.

    Por: millena bastos mattosl Educaçãol 04/12/2014 lAcessos: 21
    Prof. Hermes Edgar Machado Jr.

    "... a abolição libertou os brancos do fardo da escravidão e abandonou os negros à sua própria sorte." (Florestan Fernandes)

    Por: Prof. Hermes Edgar Machado Jr.l Educaçãol 13/05/2011 lAcessos: 244
    Prof. Hermes Edgar Machado Jr.

    O nazifascismo chegou ao Brasil na primeira metade do século 20, em 1932, dentro do contexto dos acontecimentos europeus e inspirado principalmente no fascismo italiano: nascia a Ação Integralista Brasileira (AIB), através de um Manifesto à Nação Brasileira, de autoria do escritor Plínio Salgado e a partir de reuniões de vários grupos da direita política.

    Por: Prof. Hermes Edgar Machado Jr.l Educaçãol 04/03/2011 lAcessos: 354
    Prof. Hermes Edgar Machado Jr.

    Inevitável é a solidão em "espírito" que em determinada fase do caminho cada discípulo experimentará, nos ensina praticamente todas as tradições espirituais.

    Por: Prof. Hermes Edgar Machado Jr.l Religião & Esoterismol 09/02/2011 lAcessos: 78
    Prof. Hermes Edgar Machado Jr.

    O Mahabhárata, a "Grande Índia", é um dos dois maiores épicos clássicos da mundo. Mahabhárata provém do sânscrito "maha", grande, e "bhárata", Índia. O texto é enorme, e se for incluído o seu anexo, o Harivamsa, poderá ser considerado o maior volume de texto em uma única obra. É o texto sagrado de maior importância no hinduísmo, estimado por todos os esotéricos e ainda um verdadeiro manual de psicologia e descrição da evolução humana. No Mahabhárata encontramos a Bagavad Gita ("Sublime Canção").

    Por: Prof. Hermes Edgar Machado Jr.l Religião & Esoterismol 24/01/2011 lAcessos: 101
    Prof. Hermes Edgar Machado Jr.

    O verdadeiro crescimento e evolução espiritual é muito diferente de simplesmente gostar de uma tradição espiritual qualquer, de seguir uma cartilha determinada, ou comodamente ler lindas mensagens. Sabe-se que nenhum instrutor desperdiçará seu tempo com pessoas sem um objetivo claro na vida espiritual. Por isso nós nos auto-qualificamos ou nós nos auto-desqualificamos para a caminhada espiritual. Mas tudo tem seu tempo.

    Por: Prof. Hermes Edgar Machado Jr.l Religião & Esoterismol 21/12/2010 lAcessos: 233
    Prof. Hermes Edgar Machado Jr.

    As Escrituras Sagradas, de todas as tradições, revelam verdades eternas, atemporais, tais como as leis do ser, as experiências místicas interiores e a evolução dos mundos e seres. O mito, os símbolos e as histórias são pano de fundo para mostrar, aos que têm olhos e condições evolutivas de ver mais além da "letra morta", operações do Altíssimo na natureza, universos e seres. Mostram as operações e experiências místicas e esotéricas do gênero humano em geral, o despertar gradual da consciência.

    Por: Prof. Hermes Edgar Machado Jr.l Religião & Esoterismol 11/11/2010 lAcessos: 493
    Prof. Hermes Edgar Machado Jr.

    É comum, entre os historiadores, dizer que o Estado monárquico era caritativo e paternalista. A vida se processava numa relação de troca, numa negociação entre o povo e o Império, pois o Estado monárquico promovia, de certa maneira, os auxílios e amparos públicos. Por outro lado, com o Estado republicano, o Brasil mudava a forma de governo sem revolucionar a sociedade. O povo continuava pobre e as elites na prosperidade.

    Por: Prof. Hermes Edgar Machado Jr.l Educaçãol 06/11/2010 lAcessos: 238
    Prof. Hermes Edgar Machado Jr.

    Podemos dizer que o fim do governo de D. Pedro II foi marcado por uma série de contestações ao regime imperial. Contestações tendo por base a campanha abolicionista, a "questão religiosa", a "questão militar", a insatisfação da oligarquia cafeeira, a insatisfação das elites dos setores produtivos das províncias e as tranformações sociais e econômicas a partir da Revolução Industrial. Mas, o que realmente movia o Império rumo à República?

    Por: Prof. Hermes Edgar Machado Jr.l Educaçãol 28/10/2010 lAcessos: 3,117 lComentário: 1
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast