O Mito Como Forma De Explicar A História

18/10/2009 • Por • 546 Acessos

O Mito como forma de explicar a História

As narrações míticas estão povoadas dos deuses, fenômenos da natureza divinizados, heróis e seres fantásticos, nos quais se vê implícita a consciência coletiva de uma nação, bem como sua concepção de homem.

Os textos míticos, obviamente, em virtude dos elementos acima descritos, não apresentam o rigor lógico-epistemológico das obras históricas. Porém, sob certo ponto de vista, são mas ricas que as mesmas, porque de seus próprios elementos fantásticos se depreende o grau de desenvolvimento intelectual a que chegou tal povo, a unidade, amplitude do nacionalismo, e outros temas abordados que fornecem dados imprescindíveis aos estudo de qualquer povo ou civilização.

Tomando como exemplo (mais uma vez a nação helênica, por ser a de maior brilhantismo intelectual de todos os tempos), se percebe, em Hesíodo, o alto grau de abstração alcançada pela rapsódia de seu tempo, as quais redundaram na brilhante em sempre atual cosmologia pré-socrática.

Homero descreve uma batalha que realmente ocorreu, nas regiões hoje pertencentes a Itália e Turquia, sendo que em duas epopéias foi muito além da simples narração histórica e heróica, demonstrando detidamente os conflitos internos e universais do homem, a Providência Divina na história, o código moral do povo grego, bem como suas condições sócio-econômicas, relação com outras nações, desenvolvimento literário e artístico, e seu próprio declínio.

A Odisséia é a consolidação da Nação Helênica pós guerra de Tróia, e um tratado acerca da virtude, sem prejuízo de elementos descritos por outros exegetas.

Neste ponto, cabe o testemunho preciso do historiador Heródoto acerca de tão grandes poetas e homens da humanidade:

“Parece-me que Hesíodo e Homero, quanto à idade, foram mais velhos do que eu em quatrocentos anos, e não mais. Eles são os que compuseram a Teogonia para os gregos, deram os nomes aos Deuses, distinguiram-lhe as honras e artes, e indicaram suas figuras.” [1]

[1] HERÓDOTO II, 53.

Perfil do Autor

Victor Alexandre Araujo Abrantes

Professor de Filosofia, Biólogo, Advogado, Artista Plástico, pos-graduando em Arte e Educação e especializando...