O Papel Do Professor No Processo De Inclusão

Publicado em: 23/11/2009 |Comentário: 1 | Acessos: 4,721 |
Refletir sobre o papel do professor de construção de uma escola e uma sociedade inclusiva é o mesmo que tentar achar resposta para questões levantadas em todo o nosso estudo: como fazer uma escola inclusiva e de qualidade.

 

É dentro de um cenário amplo como podemos visualizar, o qual pressiona as mudanças de paradigmas na educação brasileira e, que ao mesmo tempo , de forma contraditória, leva-nos a questionar sobre quais vias devem caminhar tais mudanças, que podemos entender parte do que significa o movimento  inclusivo; de um lado a urgência de se construir uma igualdade para todos de acesso e permanência na escola, garantindo ainda um ensino   de qualidade e de outro, a política econômica Neoliberal Norteando os rumos que a educação deve tomar, com um discurso democratizaste, mas que na verdade se subordinada ás regras do mercado, tentando garantir mão-de-obra especializada. É nesse “caldeirão’ de contradições que se encontra também a figura do professor, talvez ainda perplexo, ás vezes discordante, ou ainda tentando compreender um pouco sobre este processo de transmissão pela qual passa a educação brasileira.

 

Acredita-se que portanto, que a conscientização, a sensibilidade dos professores da necessidade de se criarem condições  pedagógicas adequadas que permitiam aos alunos com deficiência, o acesso e a permanência, com sucesso na atitude de apenas libertar-se de preconceitos, e nem tão pouco, somente de uma disponibilidade “interna”( não que estas atitudes sejam menos importantes, pois levantamos o questionamento sobre o que mais assusta o professor, checando a criar um impacto, não seria  a visualização de que não haveria mecanismo adequados de apoio para o profissional. Esta visualização transforma-se numa “quase” pois o professor na sua pratica, esta habituado a arcar com todas as responsabilidades como se fosse uma espécie de salvador da pátria , criando –se também uma certa resistência a tudo se refere á inclusão. Este questionamento serve de justificativa para olharmos de forma critica, uma perspectiva ditada pelo documento que ratifica o II CONGRESO BRASILEIRO SOBRE EDUCAÇÃO ESPECIAL, 1998, onde defendem algumas idéias.

 

Essas discussões é evidente, atingem também as questões pedagógicas envolvidas nessas situações e abrem caminhos, que o professor não está conseguindo vislumbrar, diante de seu estado emocional e da falta de hábitos de refletir e de conceber novas maneiras de tangenciar seu objetivo educacional.

 

Será que estas reações contrarias a inclusão existiram, de forma tão irrefletidas, se em nosso país profissional da educação fosse respeitado, se ele tivesse reais condições de aperfeiçoar, de atuar num ambiente de trabalho onde fosse possível trabalhar, competentemente, com as diferenças individuais ( o que atualmente é inviável numa sala de aula com 40 alunos, em media )? e ainda nem tocamos na questão salarial... É preciso que se deixe de apenas ressaltar a existência de preconceito e discriminação negativa na escola e que se comece a conhecer os principais obstáculos para efetivação de uma escola inclusiva e suas justificativas.

 

A chave da demonstração do ensino – aprendizagem, alem da vontade do professor, inclui fora uma reformulação da proposta educativa. Na verdade, mesmo que o professor deseje e esteja capacitado individualmente e sem a cumplicidade do contexto, fará menos do que o necessário. A concepção de educação, em geral, precisa ser significativa, particularmente num mundo que tente á universalização.

 

O processo de revisão de o nosso fazer escolar inclui, necessariamente, a politização de todos educadores, sejam professores ou gestores da educação.

 

Dentre inúmeras e complexas preocupações, destacam-se as que dizem respeito aos baixos salários, as condições das escolas e ao tamanho das turmas. È muito difícil atender as diferenças individuais em turmas de 30 e 40 alunos.

 

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/o-papel-do-professor-no-processo-de-inclusao-1495269.html

    Palavras-chave do artigo:

    contradicao

    ,

    visao

    ,

    fracasso

    Comentar sobre o artigo

    A estrutura do Sistema Educacional Brasileiro é resultado de uma série de mudanças ao longo da história da educação no Brasil. Ao desenvolver este trabalho foi fundamental a concepção dos aspectos sobre as fases e contextualização deste sistema na seleção dos conteúdos e até na estruturação deste trabalho.

    Por: Alexandrel Educaçãol 26/05/2011 lAcessos: 1,373

    Este trabalho nos traz uma visão geral sobre o delito de bigamia possibilitando adentrar, na atual conjuntura, em suas especificidades; o que diz a lei, o posicionamento da doutrina majoritária, como tem se posicionado nossos julgadores e alguns julgados, a visão das ciências sociais a respeito do casamento e da família.

    Por: DIONESMAIAl Direitol 09/12/2009 lAcessos: 289
    JAIR APARECIDO RIBEIRO

    Este trabalho tem a finalidade, em mostrar um pouco o Sistema Penitenciário Paranaense, suas políticas públicas desenvolvidas que valorizam o trabalho prisional, a assistência educacional formal e profissionalizante, com incentivos ao esporte, e ao lazer em referência a LEP (Lei de execução Penal). Tendo como objetivo principal deste trabalho, demonstrar como o tratamento penal nas diversas unidades penais do Estado do Paraná, na forma de um ideal científico, nos moldes da LEP.

    Por: JAIR APARECIDO RIBEIROl Direitol 29/11/2009 lAcessos: 1,812

    O presente artigo tem como objetivo compreender os sentidos e significados do modelo de prática adotado na construção do conhecimento, na eja, modalidade de ensino desenvolvido em todo Brasil. O foco principal do artigo é baseado na pedagogia de Paulo Freire, que tem um dialogo como fio condutor das relações de aprendizagens e interações sociais.

    Por: cirlene araujo de oliveiral Educação> Ensino Superiorl 07/02/2015 lAcessos: 14
    Marcelo Gomes González

    O Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil é um documento que equivale aos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs), já que foi criado pelo MEC em 1998. No entanto, há um debate ferrenho entre as grandes esferas da administração é o fato desse nível de ensino compor a Educação Básica, mas ser posta de forma facultada, fazendo com que, muita das vezes, não seja cursada pela criança, que fica com um ensino deficitário na base do conhecimento.

    Por: Marcelo Gomes Gonzálezl Educação> Educação Infantill 17/10/2012 lAcessos: 732
    Soraya Mendonça

    A partir da leitura do texto intitulado "Onde a crítica começa: ideologia, reprodução, resistência" (pág. 29-36). 1.Qual o contexto situacional da década de 60 que influenciou o surgimento de livros, ensaios e teorizações que colocavam em "xeque" o pensamento e a estrutura educacional tradicionais? Resposta: Os anos 60 foi uma década marcada por muitas mudanças na educação e surgimento de muitos movimentos culturais  que teorizavam e colocavam em xeque a estrutura educacional.É nesse contexto, q

    Por: Soraya Mendonçal Educação> Ensino Superiorl 30/01/2011 lAcessos: 1,632

    RESUMO: Este estudo tem sua importância na crescente discussão sobre o aumento da utilização da Terceirização de mão-de-obra nos mais variados ramos de atuação organizacional, no enfraquecimento dos sindicatos, na crescente precarização do trabalho no Brasil, na responsabilidade social intrínseca a normas reguladoras vigentes que preconizam o Trabalho decente.

    Por: João Carlos Peixel Notícias & Sociedade> Polítical 02/08/2011 lAcessos: 794

    BAUMAN (2001) ao analisar a configuração atual dos moldes sociais e suas tendências, projeta-se sobre o conceito de modernidade líquida ou "modernidade fluida", no intuito de demonstrar um avançado processo de desintegração das estruturas que permearam a modernidade. Portanto estaríamos diante de um momento onde as formas ditas "sólidas", estão se "fundindo", produzindo como consequências a reestruturação das instâncias sociais, porém sob uma nova ótica.

    Por: Cristiano Pinheiro Corrêal Educação> Ensino Superiorl 30/11/2011 lAcessos: 225

    O presente estudo vem a ser uma resposta que desejo dar a mim mesma desde quando iniciei minha carreira de professora, sempre vi os professores acarretados de tarefas, na preparação de aula, preocupados com novas dinâmicas de ensino para tornar a aula mais interessante, mais atraente aos olhos dos alunos. Como resultado desses esforços sempre via os professores infelizes e desanimados, porque as atividades não foram recebidas como o planejado pelo professor, enfim este teve suas expectativas fru

    Por: MARRUSHl Educação> Educação Infantill 10/06/2012 lAcessos: 455
    GUTEMBERG MARTINS DE SALES

    O artigo destaca a avaliação, tema esse voltado às séries do ensino fundamental. Consiste nas interrogativas sobre o que é avaliação da aprendizagem, avaliação do rendimento e auto-avaliação e sua eficácia. Apresentamos também os critérios para uma avaliação qualitativa, buscando mostrar através das concepções dos autores pesquisados a importância do preparo do educador.

    Por: GUTEMBERG MARTINS DE SALESl Educação> Educação Infantill 22/05/2011 lAcessos: 3,554
    Fernando Corrêa manarim

    afirmamos que existem outras formas de jogar xadrez além da competição, ou seja, que o xadrez é uma ferramenta que pode trabalhar o praticante pedagógica e terapeuticamente, ensinando a se conhecer, conhecer os outros e conhecer o mundo a qual pertence. Isso pode ser comprovado na Lenda de criação do xadrez, conhecida como a Lenda de Lahur Sessa, lenda que pode ser encontrada na obra de Malba Tahan, "O Homem que calculava".

    Por: Fernando Corrêa manariml Educaçãol 16/03/2015

    1. Por que o regime de ciclos e a progressão continuada são tão criticados? 2. Qual a real eficácia da progressão continuada e quais são os problemas gerados por esta prática? 3. Quais suas implicações políticas? 4. Quais os aspectos negativos deste sistema? 5. Qual o papel do professor, do coordenador e supervisor escolar? 6. Qual a importância da avaliação neste processo?

    Por: EULER DE CASTRO SANTOSl Educaçãol 15/03/2015

    RESUMO A violência é sem duvida, além de uma das grandes preocupações da sociedade, o grande problema a ser enfrentado, principalmente na dura realidade das escolas públicas do Brasil. Atinge a todos na escola, contudo a grande vitima deste problema é o professor, cada vez mais desmotivado e que se encontra quase sempre acuado e de mãos atadas diante do problema. Ocorre de maneira velada e de diversos modos, sendo, obviamente causada pela falta de limites e de ações efetivas para enfrentar o pro

    Por: EULER DE CASTRO SANTOSl Educaçãol 15/03/2015

    Nesta Sociedade de Informação a comunicação assume um papel no desenvolvimento humano como ferramenta de leitura social numa intervenção libertadora na perspectiva social sobre a tecnologia num processo de diminuição das disparidades sociais na criação de políticas publica para a formação de uma cidadania. Atuando numa dimensão social e política através de programas sociais de inclusão digital para reduzir os problemas sociais relativos à marginalização e pobreza

    Por: Daniela Rosseti silval Educaçãol 12/03/2015
    Alinne do Rosário Brito

    O presente artigo tem como finalidade analisar as fases de ensino nas aulas de educação física escolar tendo como base os PCN`S, para facilitar este processo nas instituições de ensino. Portanto é um convite para refletir sobre à pratica pedagógica , ou seja, o processo de alfabetização especificamente no ensino fundamental através deste componente curricular.

    Por: Alinne do Rosário Britol Educaçãol 11/03/2015

    O fundamentalismo islâmico é a maior ameaça a democracia e os direitos humanos desde o fim da Guerra Fria.Esse artigo tem por objetivo expor de forma breve,as suas origens durante o processo de partilha afro-asiática promovida pelos países europeu até a sua expansão na era da globalização sob a hegemonia dos EUA.

    Por: Mauricio Mendes de Oliveiral Educaçãol 09/03/2015
    Marlete Turmina Outeiro

    O artigo conta a história de uma família especifica, que venceram as adversidades e os preconceitos sociais, demonstraram a importância de unir-se em favor de um ideal coletivo, cujo objetivo apresenta memória histórica marco de 1985 a 2011, no Município de Abelardo Luz/SC. Os resultados discorrem a partir de um recorte da obra "A Inclusão Social pela Reforma Agrária: a saga de uma família sem-terra, escrito com base nos fatos que constam no diário da Sra. Rosa Turmina.

    Por: Marlete Turmina Outeirol Educaçãol 07/03/2015 lAcessos: 12

    A tecnologia mais especificamente a tecnologia de informação e comunicação assume papel no desenvolvimento humano como ferramenta de leitura e práxis social numa intervenção libertadora na perspectiva social sobre a tecnologia num processo de diminuição das disparidades sociais na criação de políticas publica para a formação de uma cidadania. Atuando numa dimensão social e política através de programas sociais de inclusão digital para reduzir os problemas sociais relativos à marginalização e pob

    Por: Daniela Rosseti silval Educaçãol 02/03/2015

    O desenvolvimento do ser humano está ligada a sobrevivência, período inicial da vida, provocando mudanças que prosseguem na contínua transformação e interação da vida com o meio.

    Por: Jane Maria de Campos Proençal Educaçãol 23/11/2009 lAcessos: 3,838

    A escola num todo não está preparada para atendimento da Pessoa com deficiência, portanto realizar capacitações beneficiará o professor para uma realidade educacional inclusa.

    Por: Jane Maria de Campos Proençal Educaçãol 23/11/2009 lAcessos: 1,072

    Comments on this article

    0
    clayton 04/11/2010
    Desculpe, mas seu texto está confuso. Você falou falou mas não disse realmente qual seria o papel do professor no processo de inclusão.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast