O Papel Do Professor No Processo De Inclusão

Publicado em: 23/11/2009 |Comentário: 1 | Acessos: 4,682 |
Refletir sobre o papel do professor de construção de uma escola e uma sociedade inclusiva é o mesmo que tentar achar resposta para questões levantadas em todo o nosso estudo: como fazer uma escola inclusiva e de qualidade.

 

É dentro de um cenário amplo como podemos visualizar, o qual pressiona as mudanças de paradigmas na educação brasileira e, que ao mesmo tempo , de forma contraditória, leva-nos a questionar sobre quais vias devem caminhar tais mudanças, que podemos entender parte do que significa o movimento  inclusivo; de um lado a urgência de se construir uma igualdade para todos de acesso e permanência na escola, garantindo ainda um ensino   de qualidade e de outro, a política econômica Neoliberal Norteando os rumos que a educação deve tomar, com um discurso democratizaste, mas que na verdade se subordinada ás regras do mercado, tentando garantir mão-de-obra especializada. É nesse “caldeirão’ de contradições que se encontra também a figura do professor, talvez ainda perplexo, ás vezes discordante, ou ainda tentando compreender um pouco sobre este processo de transmissão pela qual passa a educação brasileira.

 

Acredita-se que portanto, que a conscientização, a sensibilidade dos professores da necessidade de se criarem condições  pedagógicas adequadas que permitiam aos alunos com deficiência, o acesso e a permanência, com sucesso na atitude de apenas libertar-se de preconceitos, e nem tão pouco, somente de uma disponibilidade “interna”( não que estas atitudes sejam menos importantes, pois levantamos o questionamento sobre o que mais assusta o professor, checando a criar um impacto, não seria  a visualização de que não haveria mecanismo adequados de apoio para o profissional. Esta visualização transforma-se numa “quase” pois o professor na sua pratica, esta habituado a arcar com todas as responsabilidades como se fosse uma espécie de salvador da pátria , criando –se também uma certa resistência a tudo se refere á inclusão. Este questionamento serve de justificativa para olharmos de forma critica, uma perspectiva ditada pelo documento que ratifica o II CONGRESO BRASILEIRO SOBRE EDUCAÇÃO ESPECIAL, 1998, onde defendem algumas idéias.

 

Essas discussões é evidente, atingem também as questões pedagógicas envolvidas nessas situações e abrem caminhos, que o professor não está conseguindo vislumbrar, diante de seu estado emocional e da falta de hábitos de refletir e de conceber novas maneiras de tangenciar seu objetivo educacional.

 

Será que estas reações contrarias a inclusão existiram, de forma tão irrefletidas, se em nosso país profissional da educação fosse respeitado, se ele tivesse reais condições de aperfeiçoar, de atuar num ambiente de trabalho onde fosse possível trabalhar, competentemente, com as diferenças individuais ( o que atualmente é inviável numa sala de aula com 40 alunos, em media )? e ainda nem tocamos na questão salarial... É preciso que se deixe de apenas ressaltar a existência de preconceito e discriminação negativa na escola e que se comece a conhecer os principais obstáculos para efetivação de uma escola inclusiva e suas justificativas.

 

A chave da demonstração do ensino – aprendizagem, alem da vontade do professor, inclui fora uma reformulação da proposta educativa. Na verdade, mesmo que o professor deseje e esteja capacitado individualmente e sem a cumplicidade do contexto, fará menos do que o necessário. A concepção de educação, em geral, precisa ser significativa, particularmente num mundo que tente á universalização.

 

O processo de revisão de o nosso fazer escolar inclui, necessariamente, a politização de todos educadores, sejam professores ou gestores da educação.

 

Dentre inúmeras e complexas preocupações, destacam-se as que dizem respeito aos baixos salários, as condições das escolas e ao tamanho das turmas. È muito difícil atender as diferenças individuais em turmas de 30 e 40 alunos.

 

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/o-papel-do-professor-no-processo-de-inclusao-1495269.html

    Palavras-chave do artigo:

    contradicao

    ,

    visao

    ,

    fracasso

    Comentar sobre o artigo

    A estrutura do Sistema Educacional Brasileiro é resultado de uma série de mudanças ao longo da história da educação no Brasil. Ao desenvolver este trabalho foi fundamental a concepção dos aspectos sobre as fases e contextualização deste sistema na seleção dos conteúdos e até na estruturação deste trabalho.

    Por: Alexandrel Educaçãol 26/05/2011 lAcessos: 1,358

    Este trabalho nos traz uma visão geral sobre o delito de bigamia possibilitando adentrar, na atual conjuntura, em suas especificidades; o que diz a lei, o posicionamento da doutrina majoritária, como tem se posicionado nossos julgadores e alguns julgados, a visão das ciências sociais a respeito do casamento e da família.

    Por: DIONESMAIAl Direitol 09/12/2009 lAcessos: 285
    JAIR APARECIDO RIBEIRO

    Este trabalho tem a finalidade, em mostrar um pouco o Sistema Penitenciário Paranaense, suas políticas públicas desenvolvidas que valorizam o trabalho prisional, a assistência educacional formal e profissionalizante, com incentivos ao esporte, e ao lazer em referência a LEP (Lei de execução Penal). Tendo como objetivo principal deste trabalho, demonstrar como o tratamento penal nas diversas unidades penais do Estado do Paraná, na forma de um ideal científico, nos moldes da LEP.

    Por: JAIR APARECIDO RIBEIROl Direitol 29/11/2009 lAcessos: 1,793
    Marcelo Gomes González

    O Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil é um documento que equivale aos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs), já que foi criado pelo MEC em 1998. No entanto, há um debate ferrenho entre as grandes esferas da administração é o fato desse nível de ensino compor a Educação Básica, mas ser posta de forma facultada, fazendo com que, muita das vezes, não seja cursada pela criança, que fica com um ensino deficitário na base do conhecimento.

    Por: Marcelo Gomes Gonzálezl Educação> Educação Infantill 17/10/2012 lAcessos: 666
    Soraya Mendonça

    A partir da leitura do texto intitulado "Onde a crítica começa: ideologia, reprodução, resistência" (pág. 29-36). 1.Qual o contexto situacional da década de 60 que influenciou o surgimento de livros, ensaios e teorizações que colocavam em "xeque" o pensamento e a estrutura educacional tradicionais? Resposta: Os anos 60 foi uma década marcada por muitas mudanças na educação e surgimento de muitos movimentos culturais  que teorizavam e colocavam em xeque a estrutura educacional.É nesse contexto, q

    Por: Soraya Mendonçal Educação> Ensino Superiorl 30/01/2011 lAcessos: 1,598

    RESUMO: Este estudo tem sua importância na crescente discussão sobre o aumento da utilização da Terceirização de mão-de-obra nos mais variados ramos de atuação organizacional, no enfraquecimento dos sindicatos, na crescente precarização do trabalho no Brasil, na responsabilidade social intrínseca a normas reguladoras vigentes que preconizam o Trabalho decente.

    Por: João Carlos Peixel Notícias & Sociedade> Polítical 02/08/2011 lAcessos: 779

    BAUMAN (2001) ao analisar a configuração atual dos moldes sociais e suas tendências, projeta-se sobre o conceito de modernidade líquida ou "modernidade fluida", no intuito de demonstrar um avançado processo de desintegração das estruturas que permearam a modernidade. Portanto estaríamos diante de um momento onde as formas ditas "sólidas", estão se "fundindo", produzindo como consequências a reestruturação das instâncias sociais, porém sob uma nova ótica.

    Por: Cristiano Pinheiro Corrêal Educação> Ensino Superiorl 30/11/2011 lAcessos: 207

    O presente estudo vem a ser uma resposta que desejo dar a mim mesma desde quando iniciei minha carreira de professora, sempre vi os professores acarretados de tarefas, na preparação de aula, preocupados com novas dinâmicas de ensino para tornar a aula mais interessante, mais atraente aos olhos dos alunos. Como resultado desses esforços sempre via os professores infelizes e desanimados, porque as atividades não foram recebidas como o planejado pelo professor, enfim este teve suas expectativas fru

    Por: MARRUSHl Educação> Educação Infantill 10/06/2012 lAcessos: 440
    GUTEMBERG MARTINS DE SALES

    O artigo destaca a avaliação, tema esse voltado às séries do ensino fundamental. Consiste nas interrogativas sobre o que é avaliação da aprendizagem, avaliação do rendimento e auto-avaliação e sua eficácia. Apresentamos também os critérios para uma avaliação qualitativa, buscando mostrar através das concepções dos autores pesquisados a importância do preparo do educador.

    Por: GUTEMBERG MARTINS DE SALESl Educação> Educação Infantill 22/05/2011 lAcessos: 3,494

    Nesta aula estudaremos a intervenção de Deus durante o reinado de Nabucodonosor, rei da Babilônia em 605 a.C, quando Daniel com a idade aproximadamente de 20 anos de idade, recebe a revelação de Deus sobre o conteúdo do sonho e interpretação que aquele rei havia sonhado. Se trata da cronologia dos acontecimentos mundiais, desde o seu reinado até o reino de Cristo sobre a Terra, que chamamos de Milênio.

    Por: alan fabianol Religião & Esoterismo> Evangelhol 18/10/2014 lAcessos: 24

    Com o advento da globalização, a educação é tida como o maior recurso de que se dispõe para enfrentar essa nova estruturação mundial. Objetiva-se evidenciar a importância dos alunos encontrarem na escola não só evidências de seu próprio mundo, mas também aparato capaz de os "cunharem" para uma participação social plena e não "fatiada", como sugere o estudo por disciplinas. Jovens e adultos, público cada vez mais informatizado, exige que as disciplinas deixem de ser apresentadas de forma isolada.

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    A expressão artística faz parte da história humana desde os tempos mais remotos. Sendo assim, a Arte é um dos modos de conhecimento ao qual os estudantes devem também ter acesso, assumindo-se como sujeitos capazes de apreciação estética e criação artística, articuladas aos processos e mediações da cultura contemporânea. Diante das mudanças pelas quais o ensino-aprendizagem de Arte passou, vê-se a necessidade de discorrer a respeito da presença desta disciplina no currículo escolar, revendo sua i

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    Sabe-se que a educação é responsável pela formação do aluno enquanto cidadão, de maneira a prepará-lo para a vida em sociedade, para que saiba atuar criticamente nesse meio. Assim, a escola inclusiva busca complementar a formação do aluno por meio das relações de convivência, uma vez que conviver com o diferente é parte desse processo de formação, até porque, como já mencionamos, é na escola que o aluno desenvolve seus aspectos cognitivos, motores e psicológicos.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    As revela à existência de ações políticas e sociais que possam concretizar e promover a efetividade da inclusão social da pessoa com necessidade educacional especial. Vejo que a sociedade deve compreender como se dá o processo de ensino-aprendizagem da criança com Síndrome de Down na Educação Básica, as dificuldades enfrentadas e as possibilidades e mecanismos de reconhecimento e aceitação dessas limitaçõ

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    No processo de inclusão a escola propõe a conviver com o "diferente", aceitá-lo, auxiliá-lo, e muitas vezes aprender algo com essas crianças. Entretanto para oferecer uma inclusão verdadeira é preciso entender as particularidades das crianças, mediar a socialização de forma que todos trabalham para o aprendizado de cada uma delas, em benefício de todos. Pretendo contribuir com as discussões éticas e educacionais que envolvem a formação da criança Down por meio da educação.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    A educação escolar é um dos contextos em que a criança aprende e desenvolve-se nos aspectos cognitivos, emocional e social. Por isso a necessidade de incluir a criança com necessidades especiais na escola, pois atender a todos é parte do processo educativo, por isso a diversidade cultural e outras questões sociais precisam ser vivenciadas também em sala de aula.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    Apresento algumas características que identificam a criança Down, o conceito de Educação Inclusiva e Educação básica, e da diversidade na educação. Relacionam-se aspectos positivos da inclusão da criança Down na Educação Básica e como deve acontecer essa inclusão, enumerando as dificuldades no processo de inclusão da criança Down na Educação Básica. Conceitua-se a Síndrome de Down e sua identificação, bem como o tratamento e a motivação para inserir a criança com deficiência na Educação Básica.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    O estudo realizado teve como foco principal compreender os avanços no processo de construção do conhecimento dos alunos de uma turma de 3º ano, através dos jogos matemáticos, priorizando, desse modo, a ludicidade no ensino. A pesquisa foi desenvolvida durante o estágio realizado pela acadêmica e pesquisadora junto a uma turma de 3º ano.

    Por: Luziane Da Silva Costal Educaçãol 15/12/2014 lAcessos: 11

    O desenvolvimento do ser humano está ligada a sobrevivência, período inicial da vida, provocando mudanças que prosseguem na contínua transformação e interação da vida com o meio.

    Por: Jane Maria de Campos Proençal Educaçãol 23/11/2009 lAcessos: 3,807

    A escola num todo não está preparada para atendimento da Pessoa com deficiência, portanto realizar capacitações beneficiará o professor para uma realidade educacional inclusa.

    Por: Jane Maria de Campos Proençal Educaçãol 23/11/2009 lAcessos: 1,062

    Comments on this article

    0
    clayton 04/11/2010
    Desculpe, mas seu texto está confuso. Você falou falou mas não disse realmente qual seria o papel do professor no processo de inclusão.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast