O Papel Social Do Educador

Publicado em: 24/11/2008 |Comentário: 0 | Acessos: 33,038 |

O papel social do educador



A sociedade atual encontra-se em profunda crise que nos remete a pensar nossos valores e atitudes. Nesse contexto incerto, o papel do professor é fundamental, por isso novos recursos e atitudes didático-pedagógicos necessitam ser pensados. O professor pode ascender à sociedade usando o ensino como instrumento de luta e transformação social, levando os alunos a uma consciência crítica que supere o senso comum para que possam não somente ver os acontecimentos, mas enxergá-los de maneira mais crítica e reflexiva.



Nessa perspectiva, entende-se que as crianças, de posse de um saber mais elaborado, poderão ter condições de se protegerem contra a opressão e a exploração das classes dominantes, organizando-se para a construção de uma sociedade melhor, menos excludente e realmente democrática.



Não se pode esperar que uma sociedade mais justa brote naturalmente, mas por meio da educação que caminhe com a prática política do povo. Sendo assim, o professor assume um papel, sobretudo político e social. Professores e professoras precisam encorajar-se social e politicamente, percebendo as possibilidades da ação social e cultural, na luta pela transformação das estruturas opressivas da sociedade brasileira. Para isso, é necessário que conheçam a sociedade em que vivem e atuam em nível social, econômico e cultural de seus alunos e alunas.



Os professores, principais sujeitos informantes deste trabalho, devem trabalhar a partir da consciência de que não há conhecimento absoluto, pois tudo está em constante transformação. Dessa forma não há saber nem ignorância absoluta, e sim uma relativização do saber ou da ignorância. Por isso, os professores não podem se colocar na posição de seres superiores, que transmitem o conhecimento a um grupo de ignorantes, mas sim adotar uma postura humilde, daqueles que comunicam um saber relativo a outros que são portadores de outros saberes relativos. Outra convicção a que os professores não podem se furtar é a de não se confundir informação com educação, pois para transmitir informação estão à mão jornais e revistas, televisão e internet.



Costumeiramente credenciamos características próprias de determinado profissional quanto a sua conduta e responsabilidade social. Como profissional da educação, quero estabelecer um debate acerca de aspectos que considero essenciais para o professor: o comprometimento com a educação, a prática da leitura e da escrita.



O educador trás consigo um grande número de responsabilidades diante de uma educação de qualidade, muito mais libertária e crítica, do que de conteúdo e disciplinadora. Um ensino que coloca os alunos diante de mestres mal preparados leva à submissão e à diminuição da liberdade de agir e pensar por si mesmo. Ou seja, a “grande arma” do educador é desenvolver nos estudantes o pensamento crítico e a capacidade de reagir diante das contradições da sociedade em que vivemos.



No entanto, essa proposta educativa não será possível se o educador não estiver imbuído do espírito da leitura e da escrita. Ele estará sendo hipócrita, enganando a si e ao corpo discente, exigindo que os mesmos leiam e escrevam, sendo que ele próprio não os faz pratica. O professor precisa indicar e citar livros, autores, confeccionar textos transpostos didaticamente a partir de suas experiências próprias. Ação essa que certamente irá estimular os alunos alimentará a auto-estima e a confiança do professor, além de tornar a atividade profissional dinâmica e empolgante.



A formação do educador não se restringe apenas à sua área de atuação, abrange também campos diversos do conhecimento. A formação do profissional da educação deve ser considerada somente pelo curso de graduação, mas deve ser pensada de forma continuada para que ele garanta uma constante atualização teórica e prática refletindo na formação dos alunos.



Uma ótima maneira para que o profissional da educação – nesse caso específico o professor – tem para desenvolver seu trabalho de uma maneira mais atual, é se baseando na comunicação que deve desenvolver junto a seus alunos. A comunicação em sala de aula não deve apenas reproduzir expressões ou ideologias, mas sim técnicas que proporcionem aos alunos a possibilidade de se perceberem enquanto indivíduos pensantes capazes produzir e questionar.



 É necessário que o professor conheça ao máximo a realidade de cada um de seus alunos para que possa desenvolver e utilizar ferramentas que reduzam a defasagem no aprendizado e o “abismo” que separa professores e alunos. Dentre essas ferramentas, a comunicação colabora, de forma acentuada, para que professores e alunos consigam conviver dentro da sala de aula de forma “harmônica”. Durante sua formação o contato que professores de História têm com outros campos do conhecimento devem ser utilizados como instrumentos para transformar a coexistência na sala de aula em algo prazeroso.



Ensinar é explicitar aos alunos a razão de ser de sua disciplina para responder perguntas “inocentes”. Para atender aos anseios dos alunos é necessário que professores busquem novas maneiras de lidar com a disciplina e seu ensino.



Os professores devem reorganizar novas maneiras de se estudar e ensinar, fazendo com que o aluno não complete o edifício do conhecimento como algo já pronto, mas sim ensinar-lhes a construir seu próprio edifício. O professor deve ensinar o aluno ou a criança a edificar seu próprio ponto de vista, o que não significa ensinar soluções, nem significa dar explicações sobre como e por que se chegou a uma determinada conclusão. Ensinar a construir o próprio ponto de vista, significa colaborar para que o aluno construa conceitos e aplique-os nas situações do cotidiano, significa ensinar a solucionar, relacionar, interpretar as informações sobre o momento estudado para se chegar a um maior nível de entendimento do mundo. Significa por fim, dar-lhes condições para que possam perceber-se o máximo possível como cidadãos detentores de direitos e deveres membros de uma sociedade. É papel social do professor l munir os alunos de instrumentos para libertação.




Professor Thiago Luiz M. de Oliveira


Cursando o 8º período do curso de História no UNI BH, professor do ensino fundamental II no Colégio Abgar Renault, autor do capítulo 11 “Consumo consciente” do livro Gestão do trabalho com projetos: a experiência da equipe do colégio Abgar Renault.

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 12 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/o-papel-social-do-educador-655699.html

    Palavras-chave do artigo:

    professor

    ,

    sociedade

    ,

    conhecimento

    Comentar sobre o artigo

    O presente estudo tem como objetivo investigar as características que compõem o perfil do "bom professor" na percepção dos acadêmicos do curso de Pedagogia de uma Instituição de Ensino Superior em Anápolis, Go. identificando os métodos e linhas pedagógicas adotadas e a influência da atuação dos docentes na formação desses acadêmicos.

    Por: Ana Cláudia Oliveira Nunesl Educação> Ensino Superiorl 04/01/2011 lAcessos: 12,566 lComentário: 1
    Antonio Rosemir do Carmo

    O objetivo deste trabalho é refletir sobre o papel da escola e do professor na construção do saber crítico do aluno. Hoje, sabemos, o saber sistematizado aprendido nos bancos escolares, precisa levar o educando à sua emancipação enquanto sujeito de múltiplas relações e a escola no desempenho de sua função de ensinar e o professor no exercício de sua função, facilitarão a apreensão desse conhecimento e fomentando o exercício pleno da cidadania nos espaços escolares.

    Por: Antonio Rosemir do Carmol Educaçãol 21/10/2009 lAcessos: 51,562 lComentário: 8

    Discutir o conceito de professor na sociedade atendente, conturbada por novas exigências, nos faz questionar qual é mesmo o verdadeiro papel do professor? Um profissional da educação ou um gestor de sonhos? Professor ou gestor? A escola é aqui entendida como uma organização onde pessoas com diferentes sonhos, desejos e necessidades se aglomeram em busca da construção do conhecimento. Diretamente envolvido nesta construção esta a figura do professor.

    Por: ISAURA FRANCISCO DE OLIVIERAl Educação> Ensino Superiorl 15/09/2008 lAcessos: 44,154 lComentário: 5
    SANDRA

    Discutimos sobre a prática dos profissionais da educação visando uma análise da disntância entre teoria e prática numa perspectiva teórico-metodológica.

    Por: SANDRAl Educaçãol 13/11/2011 lAcessos: 124
    Alessandro Neves de Araujo

    Zabala (1998) apud Etchepare (2003) afirma que a escola, através da educação engloba os aspectos referentes à formação de cidadãos, desprezando as capacidades de isolamento e envolvendo uma boa relação entre o professor-criança, que ao longo dos anos vem ocorrendo grandes transformações, pois antigamente tanto a escola como o professor possuíam todo o domínio sobre o aluno.

    Por: Alessandro Neves de Araujol Educação> Educação Infantill 25/07/2013 lAcessos: 40

    Trabalhar com a questão da sexualidade é muito complexo tendo em vista a grande banalização do erotismo ocorrida pela mídia e meios de comunicação, são músicas com gestos promíscuos, letras detrativas, com teor de sexo implícito. Diante disso crianças são submetidas a uma cultura onde a sexualidade denota poder de comando e autoridade.

    Por: Maria Zilda da Silva Barbosal Educação> Educação Infantill 20/07/2014 lAcessos: 39
    Darlonson Moraes

    O fato das tecnologias na sociedade da informação estarem facilitando a criação de um aprendizado Diante disso, a dimensão da revolução da tecnologia da informação destina-se a promover uma interação entre tecnologia e sociedade. Ambas se completam no que diz respeito à sociedade da informação. As formas e os suportes dela decorrentes estão redefinindo os paradigmas atuais sobre informação e tecnologia, fazendo surgir, paralelo à sociedade de hoje.

    Por: Darlonson Moraesl Educação> Ensino Superiorl 11/06/2009 lAcessos: 2,105

    Este trabalho propõe analisar a escola enquanto instituição educacional vinculada à sociedade e a realidade de seus educandos; identificando as principais correntes de ensino bem como suas aplicabilidades, da corrente filosófica Positivista e Construtivista. Compreendendo a educação além de pura transmissão de conhecimentos, e sim como uma construção constante, onde a troca é elemento fundamental para o crescimento de educador e educando, oferecendo opções didáticas para desenvolver transformar.

    Por: HELENOl Educação> Ensino Superiorl 16/11/2012 lAcessos: 14
    Elizeu Vieira Moreira

    O governo brasileiro adotou os discursos sobre a pedagogia das competências produzidos em outros países e, a esses, juntou alguns fundamentos da teoria da Qualidade Total para dar uma determinada direção aos processos escolares e, por conta disso, reestruturar a educação dando-lhe uma qualidade educacional associada aos princípios mercadológicos de produtividade e rentabilidade, introduzindo nas escolas a lógica da concorrência.

    Por: Elizeu Vieira Moreiral Educação> Ciêncial 29/10/2013 lAcessos: 25
    Elizeu Vieira Moreira

    As mudanças ocorridas na sociedade a partir de 1980 definiram uma nova reorganização do mundo do trabalho que causou um impacto direto na formação humana e profissional e, por extensão, na função pedagógica da escola, passando a demandar novas concepções de educação, novas práticas formativas etc., e, especialmente, uma nova organização do espaço e da espacialidade escolares direcionadas para a realização e produção de mais-valia...,

    Por: Elizeu Vieira Moreiral Educação> Ciêncial 29/10/2013 lAcessos: 22

    Depressão é uma doença psiquiátrica, crônica e recorrente, que altera o humor e costuma estar associada com baixa autoestima e culpa, e normalmente traz consigo distúrbios do apetite (comer demais, ou praticamente nada), e de sono (dormir demais, ou quase nada), entretanto um dos aspectos mais nocivos é a falta de perspectivas, um sentimento de ausência de futuro, de impossibilidade de solução dos problemas, que muitas vezes leva até ao suicídio.

    Por: Central Pressl Educaçãol 31/10/2014
    Erineia nascimento da Silva

    O lúdico proveniente da palavra latina "ludus" que significa jogos. Que segundo DANTAS, 1988, representa liberdade para brincar livremente, gratuitamente, prazerosamente. Tornando a brincadeira uma expressão máxima do lúdico, desde da antiga Roma e Grécia em períodos remotos da civilização ocidental utilizava os brinquedos na educação com base nas idéias de Platão e Aristóteles.

    Por: Erineia nascimento da Silval Educaçãol 28/10/2014
    Sebastiana Braga

    A formação profissional não consiste apenas em ouvir palestra ou fazer determinados cursos. Pelo contrario, ela é um processo continuo e progressivo, onde através da aprendizagem se acumula conhecimento e este por sua vez vai sendo transformado em práticas bem sucedidas. Dessa forma deve ser pensado numa multiplicidade de saberes que através de um projeto para formação continuada que se complemente e que aborde um tema central a todas as áreas no intuito do melhoramento do ensino aprendizagem.

    Por: Sebastiana Bragal Educaçãol 27/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Sei o quanto. Tudo isso não significa nada. Apesar da interminável beleza dos universos. Contínuos. Sei do insignificado das coisas. Do delírio dos deuses. Das franquezas das razões não lógicas. A metafísica não indutiva.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educaçãol 25/10/2014
    Amanda Souza Machado

    Este trabalho é uma continuação das discussões, pesquisas e reflexões ocorridas durante a elaboração do artigo científico sobre como os educadores exploram as fantasias das crianças, produzidas a partir dos programas de televisão. O artigo propõe-se a apresentar as influências da TV no imaginário das crianças e qual é o papel dos educadores neste momento.

    Por: Amanda Souza Machadol Educaçãol 23/10/2014

    O presente artigo é um estudo bibliográfico que tem como objetivo principal abordar conceitos educacionais e metodologias desenvolvidas em sala de aula usando o lúdico como alternativa de metodologia. O trabalho justifica-se pela necessidade de se entender e adequar a aprendizagem às atuais demandas da educação é necessário conhecer alguns caminhos já percorridos pelo ensino e que se levam a uma redefinição dos objetivos, conteúdo e metodológicos.

    Por: Graciele de Miranda Oliveiral Educaçãol 21/10/2014 lAcessos: 14
    Alinne do Rosário Brito

    O artigo busca pesquisar e relatar o que é o Programa Mesa Brasil SESC e dialogar com as ações do Governo do Estado do Amapá para que a segurança alimentar seja implementada atendendo as leis nacionais e as respectivas atuações das politicas públicas que o regem quanto a tentativa de diminuição da miséria na cidade de Macapá.

    Por: Alinne do Rosário Britol Educaçãol 21/10/2014 lAcessos: 17
    Tania R. Steinke

    Promover a valorização da formação continuada dos docentes e coordenadores pedagógicos que atuam no Ensino Médio das escolas públicas.

    Por: Tania R. Steinkel Educaçãol 19/10/2014
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast