O Papel Social Do Educador

Publicado em: 24/11/2008 |Comentário: 0 | Acessos: 33,132 |

O papel social do educador



A sociedade atual encontra-se em profunda crise que nos remete a pensar nossos valores e atitudes. Nesse contexto incerto, o papel do professor é fundamental, por isso novos recursos e atitudes didático-pedagógicos necessitam ser pensados. O professor pode ascender à sociedade usando o ensino como instrumento de luta e transformação social, levando os alunos a uma consciência crítica que supere o senso comum para que possam não somente ver os acontecimentos, mas enxergá-los de maneira mais crítica e reflexiva.



Nessa perspectiva, entende-se que as crianças, de posse de um saber mais elaborado, poderão ter condições de se protegerem contra a opressão e a exploração das classes dominantes, organizando-se para a construção de uma sociedade melhor, menos excludente e realmente democrática.



Não se pode esperar que uma sociedade mais justa brote naturalmente, mas por meio da educação que caminhe com a prática política do povo. Sendo assim, o professor assume um papel, sobretudo político e social. Professores e professoras precisam encorajar-se social e politicamente, percebendo as possibilidades da ação social e cultural, na luta pela transformação das estruturas opressivas da sociedade brasileira. Para isso, é necessário que conheçam a sociedade em que vivem e atuam em nível social, econômico e cultural de seus alunos e alunas.



Os professores, principais sujeitos informantes deste trabalho, devem trabalhar a partir da consciência de que não há conhecimento absoluto, pois tudo está em constante transformação. Dessa forma não há saber nem ignorância absoluta, e sim uma relativização do saber ou da ignorância. Por isso, os professores não podem se colocar na posição de seres superiores, que transmitem o conhecimento a um grupo de ignorantes, mas sim adotar uma postura humilde, daqueles que comunicam um saber relativo a outros que são portadores de outros saberes relativos. Outra convicção a que os professores não podem se furtar é a de não se confundir informação com educação, pois para transmitir informação estão à mão jornais e revistas, televisão e internet.



Costumeiramente credenciamos características próprias de determinado profissional quanto a sua conduta e responsabilidade social. Como profissional da educação, quero estabelecer um debate acerca de aspectos que considero essenciais para o professor: o comprometimento com a educação, a prática da leitura e da escrita.



O educador trás consigo um grande número de responsabilidades diante de uma educação de qualidade, muito mais libertária e crítica, do que de conteúdo e disciplinadora. Um ensino que coloca os alunos diante de mestres mal preparados leva à submissão e à diminuição da liberdade de agir e pensar por si mesmo. Ou seja, a “grande arma” do educador é desenvolver nos estudantes o pensamento crítico e a capacidade de reagir diante das contradições da sociedade em que vivemos.



No entanto, essa proposta educativa não será possível se o educador não estiver imbuído do espírito da leitura e da escrita. Ele estará sendo hipócrita, enganando a si e ao corpo discente, exigindo que os mesmos leiam e escrevam, sendo que ele próprio não os faz pratica. O professor precisa indicar e citar livros, autores, confeccionar textos transpostos didaticamente a partir de suas experiências próprias. Ação essa que certamente irá estimular os alunos alimentará a auto-estima e a confiança do professor, além de tornar a atividade profissional dinâmica e empolgante.



A formação do educador não se restringe apenas à sua área de atuação, abrange também campos diversos do conhecimento. A formação do profissional da educação deve ser considerada somente pelo curso de graduação, mas deve ser pensada de forma continuada para que ele garanta uma constante atualização teórica e prática refletindo na formação dos alunos.



Uma ótima maneira para que o profissional da educação – nesse caso específico o professor – tem para desenvolver seu trabalho de uma maneira mais atual, é se baseando na comunicação que deve desenvolver junto a seus alunos. A comunicação em sala de aula não deve apenas reproduzir expressões ou ideologias, mas sim técnicas que proporcionem aos alunos a possibilidade de se perceberem enquanto indivíduos pensantes capazes produzir e questionar.



 É necessário que o professor conheça ao máximo a realidade de cada um de seus alunos para que possa desenvolver e utilizar ferramentas que reduzam a defasagem no aprendizado e o “abismo” que separa professores e alunos. Dentre essas ferramentas, a comunicação colabora, de forma acentuada, para que professores e alunos consigam conviver dentro da sala de aula de forma “harmônica”. Durante sua formação o contato que professores de História têm com outros campos do conhecimento devem ser utilizados como instrumentos para transformar a coexistência na sala de aula em algo prazeroso.



Ensinar é explicitar aos alunos a razão de ser de sua disciplina para responder perguntas “inocentes”. Para atender aos anseios dos alunos é necessário que professores busquem novas maneiras de lidar com a disciplina e seu ensino.



Os professores devem reorganizar novas maneiras de se estudar e ensinar, fazendo com que o aluno não complete o edifício do conhecimento como algo já pronto, mas sim ensinar-lhes a construir seu próprio edifício. O professor deve ensinar o aluno ou a criança a edificar seu próprio ponto de vista, o que não significa ensinar soluções, nem significa dar explicações sobre como e por que se chegou a uma determinada conclusão. Ensinar a construir o próprio ponto de vista, significa colaborar para que o aluno construa conceitos e aplique-os nas situações do cotidiano, significa ensinar a solucionar, relacionar, interpretar as informações sobre o momento estudado para se chegar a um maior nível de entendimento do mundo. Significa por fim, dar-lhes condições para que possam perceber-se o máximo possível como cidadãos detentores de direitos e deveres membros de uma sociedade. É papel social do professor l munir os alunos de instrumentos para libertação.




Professor Thiago Luiz M. de Oliveira


Cursando o 8º período do curso de História no UNI BH, professor do ensino fundamental II no Colégio Abgar Renault, autor do capítulo 11 “Consumo consciente” do livro Gestão do trabalho com projetos: a experiência da equipe do colégio Abgar Renault.

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 12 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/o-papel-social-do-educador-655699.html

    Palavras-chave do artigo:

    professor

    ,

    sociedade

    ,

    conhecimento

    Comentar sobre o artigo

    O presente estudo tem como objetivo investigar as características que compõem o perfil do "bom professor" na percepção dos acadêmicos do curso de Pedagogia de uma Instituição de Ensino Superior em Anápolis, Go. identificando os métodos e linhas pedagógicas adotadas e a influência da atuação dos docentes na formação desses acadêmicos.

    Por: Ana Cláudia Oliveira Nunesl Educação> Ensino Superiorl 04/01/2011 lAcessos: 12,771 lComentário: 1
    Antonio Rosemir do Carmo

    O objetivo deste trabalho é refletir sobre o papel da escola e do professor na construção do saber crítico do aluno. Hoje, sabemos, o saber sistematizado aprendido nos bancos escolares, precisa levar o educando à sua emancipação enquanto sujeito de múltiplas relações e a escola no desempenho de sua função de ensinar e o professor no exercício de sua função, facilitarão a apreensão desse conhecimento e fomentando o exercício pleno da cidadania nos espaços escolares.

    Por: Antonio Rosemir do Carmol Educaçãol 21/10/2009 lAcessos: 52,142 lComentário: 8

    Discutir o conceito de professor na sociedade atendente, conturbada por novas exigências, nos faz questionar qual é mesmo o verdadeiro papel do professor? Um profissional da educação ou um gestor de sonhos? Professor ou gestor? A escola é aqui entendida como uma organização onde pessoas com diferentes sonhos, desejos e necessidades se aglomeram em busca da construção do conhecimento. Diretamente envolvido nesta construção esta a figura do professor.

    Por: ISAURA FRANCISCO DE OLIVIERAl Educação> Ensino Superiorl 15/09/2008 lAcessos: 44,195 lComentário: 5
    SANDRA

    Discutimos sobre a prática dos profissionais da educação visando uma análise da disntância entre teoria e prática numa perspectiva teórico-metodológica.

    Por: SANDRAl Educaçãol 13/11/2011 lAcessos: 129
    Alessandro Neves de Araujo

    Zabala (1998) apud Etchepare (2003) afirma que a escola, através da educação engloba os aspectos referentes à formação de cidadãos, desprezando as capacidades de isolamento e envolvendo uma boa relação entre o professor-criança, que ao longo dos anos vem ocorrendo grandes transformações, pois antigamente tanto a escola como o professor possuíam todo o domínio sobre o aluno.

    Por: Alessandro Neves de Araujol Educação> Educação Infantill 25/07/2013 lAcessos: 46

    Trabalhar com a questão da sexualidade é muito complexo tendo em vista a grande banalização do erotismo ocorrida pela mídia e meios de comunicação, são músicas com gestos promíscuos, letras detrativas, com teor de sexo implícito. Diante disso crianças são submetidas a uma cultura onde a sexualidade denota poder de comando e autoridade.

    Por: Maria Zilda da Silva Barbosal Educação> Educação Infantill 20/07/2014 lAcessos: 56
    Darlonson Moraes

    O fato das tecnologias na sociedade da informação estarem facilitando a criação de um aprendizado Diante disso, a dimensão da revolução da tecnologia da informação destina-se a promover uma interação entre tecnologia e sociedade. Ambas se completam no que diz respeito à sociedade da informação. As formas e os suportes dela decorrentes estão redefinindo os paradigmas atuais sobre informação e tecnologia, fazendo surgir, paralelo à sociedade de hoje.

    Por: Darlonson Moraesl Educação> Ensino Superiorl 11/06/2009 lAcessos: 2,112

    Este trabalho propõe analisar a escola enquanto instituição educacional vinculada à sociedade e a realidade de seus educandos; identificando as principais correntes de ensino bem como suas aplicabilidades, da corrente filosófica Positivista e Construtivista. Compreendendo a educação além de pura transmissão de conhecimentos, e sim como uma construção constante, onde a troca é elemento fundamental para o crescimento de educador e educando, oferecendo opções didáticas para desenvolver transformar.

    Por: HELENOl Educação> Ensino Superiorl 16/11/2012 lAcessos: 14
    Elizeu Vieira Moreira

    O governo brasileiro adotou os discursos sobre a pedagogia das competências produzidos em outros países e, a esses, juntou alguns fundamentos da teoria da Qualidade Total para dar uma determinada direção aos processos escolares e, por conta disso, reestruturar a educação dando-lhe uma qualidade educacional associada aos princípios mercadológicos de produtividade e rentabilidade, introduzindo nas escolas a lógica da concorrência.

    Por: Elizeu Vieira Moreiral Educação> Ciêncial 29/10/2013 lAcessos: 30
    Elizeu Vieira Moreira

    As mudanças ocorridas na sociedade a partir de 1980 definiram uma nova reorganização do mundo do trabalho que causou um impacto direto na formação humana e profissional e, por extensão, na função pedagógica da escola, passando a demandar novas concepções de educação, novas práticas formativas etc., e, especialmente, uma nova organização do espaço e da espacialidade escolares direcionadas para a realização e produção de mais-valia...,

    Por: Elizeu Vieira Moreiral Educação> Ciêncial 29/10/2013 lAcessos: 28

    Com o advento da globalização, a educação é tida como o maior recurso de que se dispõe para enfrentar essa nova estruturação mundial. Objetiva-se evidenciar a importância dos alunos encontrarem na escola não só evidências de seu próprio mundo, mas também aparato capaz de os "cunharem" para uma participação social plena e não "fatiada", como sugere o estudo por disciplinas. Jovens e adultos, público cada vez mais informatizado, exige que as disciplinas deixem de ser apresentadas de forma isolada.

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    A expressão artística faz parte da história humana desde os tempos mais remotos. Sendo assim, a Arte é um dos modos de conhecimento ao qual os estudantes devem também ter acesso, assumindo-se como sujeitos capazes de apreciação estética e criação artística, articuladas aos processos e mediações da cultura contemporânea. Diante das mudanças pelas quais o ensino-aprendizagem de Arte passou, vê-se a necessidade de discorrer a respeito da presença desta disciplina no currículo escolar, revendo sua i

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    Sabe-se que a educação é responsável pela formação do aluno enquanto cidadão, de maneira a prepará-lo para a vida em sociedade, para que saiba atuar criticamente nesse meio. Assim, a escola inclusiva busca complementar a formação do aluno por meio das relações de convivência, uma vez que conviver com o diferente é parte desse processo de formação, até porque, como já mencionamos, é na escola que o aluno desenvolve seus aspectos cognitivos, motores e psicológicos.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    As revela à existência de ações políticas e sociais que possam concretizar e promover a efetividade da inclusão social da pessoa com necessidade educacional especial. Vejo que a sociedade deve compreender como se dá o processo de ensino-aprendizagem da criança com Síndrome de Down na Educação Básica, as dificuldades enfrentadas e as possibilidades e mecanismos de reconhecimento e aceitação dessas limitaçõ

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    No processo de inclusão a escola propõe a conviver com o "diferente", aceitá-lo, auxiliá-lo, e muitas vezes aprender algo com essas crianças. Entretanto para oferecer uma inclusão verdadeira é preciso entender as particularidades das crianças, mediar a socialização de forma que todos trabalham para o aprendizado de cada uma delas, em benefício de todos. Pretendo contribuir com as discussões éticas e educacionais que envolvem a formação da criança Down por meio da educação.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    A educação escolar é um dos contextos em que a criança aprende e desenvolve-se nos aspectos cognitivos, emocional e social. Por isso a necessidade de incluir a criança com necessidades especiais na escola, pois atender a todos é parte do processo educativo, por isso a diversidade cultural e outras questões sociais precisam ser vivenciadas também em sala de aula.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    Apresento algumas características que identificam a criança Down, o conceito de Educação Inclusiva e Educação básica, e da diversidade na educação. Relacionam-se aspectos positivos da inclusão da criança Down na Educação Básica e como deve acontecer essa inclusão, enumerando as dificuldades no processo de inclusão da criança Down na Educação Básica. Conceitua-se a Síndrome de Down e sua identificação, bem como o tratamento e a motivação para inserir a criança com deficiência na Educação Básica.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    O estudo realizado teve como foco principal compreender os avanços no processo de construção do conhecimento dos alunos de uma turma de 3º ano, através dos jogos matemáticos, priorizando, desse modo, a ludicidade no ensino. A pesquisa foi desenvolvida durante o estágio realizado pela acadêmica e pesquisadora junto a uma turma de 3º ano.

    Por: Luziane Da Silva Costal Educaçãol 15/12/2014 lAcessos: 11
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast