O Preconceito No Cotidiano Escolar

Publicado em: 01/12/2009 |Comentário: 3 | Acessos: 5,988 |

 

O Preconceito No Cotidiano Escolar

 Damião A. Leite

Resumo:

            As questões relacionadas às mais diversas formas de preconceito sempre estiveram enraizadas no terreno hostil do cotidiano escolar, nestes tempos de modernidade os atos e atitudes preconceituosas são chamados de    Bullying (palavra derivada do verbo inglês bully que significa usar a superioridade física ou verbal para intimidar alguém.) A violência pode se manifestar por desenhos, palavras, olhares, metáforas e símbolos além da força física.

Introdução

            Este artigo pretende discutir ainda que sinteticamente as questões dos múltiplos preconceitos existente no interior da escola. Atitudes preconceituosas são de certa forma um tipo de violência, seja ela explícita ou simbólica. O preconceito e a discriminação estão fortemente presentes entre estudantes, pais, professores, diretores e funcionários das escolas brasileiras. Os indivíduos que mais sofrem com esse tipo de manifestação são as pessoas com deficiência, principalmente mental, seguidas de negros e pardos.

 

Palavras-Chave:

Preconceito, Violência, Educação, Sociedade 

              Acreditamos que o preconceito não seja um objeto isolado das pessoas em seu cotidiano escolar, a sociedade como um todo é preconceituosa; se a escola é um desses aparelhos no bojo da sociedade ela também será uma produtora de atos preconceitosos com os sujeitos que ela (a escola) entende como fora dos padrões sociais. Entendemos que ninguém nasce com esse tipo de conduta, preferimos acreditar que seja um advento construido nas relações sociais. De acordo com (Freud, 1999, p. 86) “A nossa civilização é em grande parte responsável pelas nossas desgraças, seríamos muito mais felizes se a abandonássemos e retornássemos às condições primitivas.” Partido desta premissa acreditamos que muitas dessas ações são proferidas de maneira conscientes, deixando claro que o agressor vive em um mundo “civilizado”, porém ainda exerce atitudes primitivas, rudimentares em relação ao outro.

            Vejo que a escola em seu processo de promover a igualdade acaba muitas vezes fazendo exatamente o contrário, os atos preconceituosos no seio escolar é promovido entre os próprios educandos, educadores e alunos, funcionários e até certos gestores. Os atos atitudinais relacionados ao preconceito podem estar ligados a noção de valores e conceitos de mundo que o indivíduo tem de pessoa, bem como de sociedade e civilização. Segundo (Wallon, 2004, p. 63) "o ser humano é organicamente social e sua estrutura orgânica supõe a intervenção da cultura para se atualizar” 

            Entedemos ser dever da educação trazer a tona a concientização minimamente crítica, o discernimento e a capacidade de produção, de construção de culturas, cidadania e respeito multuo ao próximo. Cabe também a escola educar para se reipeitar as diferenças que naturalmente existe dentro do contexto escolar desde sempre.

            Vivemos em uma sociedade que quer a todo custo nos impor valores, crenças, estilo e tudo aquilo que de alguma maneira foge aos chamados padrões ditados pelo tecido áspero da humanidade. O preconceito nas dependências escolares são manifestados de diversas formas; racial, sexual, social etc. A escola sendo um ambiente que deve promover ações coletivas em um espaço social interativo, necessita que esta tenha atitudes que busquem a formação de cidadãos com uma visão de mundo aberta em amplitude para respeitar as diferenças inseridas no universo das interrelações. De acordo com (Vygotsky, 2000, p. 15) “A cultura fornece ao indivíduo os sistemas simbólicos de representação da realidade, ou seja, o universo de significações que permite construir a interpretação do mundo real”

            O preconceito não é natural do ser vivente e pensante, principalmete no ambiente escolar que deveria valorizar e promover a igualdade entre os povos, no entanto é justamente neste espaço que ocorre grande parte das ações no tocante as múltiplas formas de preconceito. Em linhas gerais indivíduos com atitudes preconceituosas estão muito ligado aos seus valores positivos ou negativos enquanto sujeito afetivo, social, cultural, moral e até econômico. Segundo (Piaget, 1998, p. 26) “A falta de consciência do eu e a consciência centrada na autoridade do outro impossibilitam a cooperação, em relação ao comum pois este não existe. A consciência centrada no outro anula a ação do indivíduo como sujeito “

            Temos percebidos que o precineito, a discriminação e a falta de respeito no ambiente escolar são ações cotidianas dentro de um universo que deveria fazer exatamente o oposto, é no seio escolar que indivíduos que nascem negros, pobres, homossexuais e alunos do EJA, são as principais vítimas. Em linhas gerais a institição escolar tem grande contribuição na promoção do preconceito na atmosfera educacional. 

  1.  

                       

Referências Bibliográficas

Freud, Sigmund. Psicologia das massas e análise do Eu. Rio de Janeiro Ed. Imago 1999

Piaget, Jean. Para onde vai a educação? Rio de Janeiro Ed. José Olympio 14ª 1998

Vygotsky, Lev Semynovich.  A formação social da mente. São Paulo Ed. Martins Fontes 2000

Wallon, Henri. Psicologia e educação. São Paulo Ed. Loyola 2004

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 8 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/o-preconceito-no-cotidiano-escolar-1526862.html

    Palavras-chave do artigo:

    preconceito

    ,

    violencia

    ,

    educacao

    Comentar sobre o artigo

    marlucia pontes gomes de jesus

    O artigo apresenta as opiniões de várias personalidades sobre o Parecer CNE/CEB nº. 15/ 2010 que dá "orientações para que a Secretaria de Educação do Distrito Federal se abstenha de utilizar material que não se coadune com as políticas públicas para uma educação antirracista", para, em seguida, apresentar os fundamentos em que o Conselho Nacional de Educação se baseou na elaboração do documento. Critica veementemente as pessoas e grupos que expressaram opiniõs sem conhecer o teor do documento.

    Por: marlucia pontes gomes de jesusl Educaçãol 25/03/2011 lAcessos: 1,589
    marlucia pontes gomes de jesus

    O artigo faz trata da legislação e dos documentos dos conselhos de educação que regulamentaram a obrigatoriedade da educação das relações étnicorraciais na educação básica, enfatizando a situação no Estado do Espírito Santo. O texto foi publicado no blog Damarlu Educação ( www.damarlueducar.blogspot) em 11 de maio de 2010.

    Por: marlucia pontes gomes de jesusl Educaçãol 13/03/2011 lAcessos: 1,666

    A atual política educacional brasileira orienta em superar o preconceito, a discriminação e o racismo que ainda imperam nas instituições de ensino. Dessa forma, as Leis 10.639/03 e 11.645/08 que incluem o ensino da História e Cultura Afro-brasileira e Indígena propõem que se acabe com os estigmas que negros e indígenas ainda sofrem. Dessa forma, se pretende, através desse artigo, refletir sobre as imagens dos negros contidos nos livros didáticos e paradidáticos.

    Por: JOANA PESSOA CARVALHOl Educação> Educação Infantill 28/05/2013 lAcessos: 160
    Gianno Nepomuceno

    O científico artigo tem como expor sobre, a influência da sociedade na formação e deformação do indivíduo dentro da sociedade plural e capitalista. Se os ambientes onde o indivíduo nasce, cresce e desenvolve, tem influência no seu desenvolvimento e na sua formação. A sociedade capitalista impõe padrões a ser seguido, e se o indivíduo não segue, ou não sendo aceito nas instituições de poder com suas indiferenças, o que essa exclusão causa e se volta contra a sociedade como violência...

    Por: Gianno Nepomucenol Direito> Doutrinal 29/08/2012 lAcessos: 304

    O presente artigo consiste na apresentação do resultado de estudos e intervenção pedagógica que analisa o uso de expressões e piadas relacionadas às populações negras como expressão naturalizada do preconceito racial no interior da escola e na sociedade. A finalidade deste texto é estabelecer a relação entre as teorias norteadoras do estudo, com o modo do povo brasileiro se perceber racista e preconceituoso, identificando causas, efeitos e seqüelas, buscando o entendimento por meio de reflexões.

    Por: DAVI SAMUELl Educação> Ensino Superiorl 12/07/2011 lAcessos: 2,189

    Qualquer que seja a definição adotada é possível entender a antropologia como uma forma de conhecimento sobre a diversidade cultural, isto é, a busca de respostas para entendermos o que somos a partir do espelho fornecido pelo "Outro"; uma maneira de se situar na fronteira de vários mundos sociais e culturais, abrindo janelas entre eles, através das quais podemos alargar nossas possibilidades de sentir, agir e refletir sobre o que, afinal de contas, nos torna seres singulares, humanos.

    Por: Carlosl Educação> Ensino Superiorl 18/09/2013 lAcessos: 49
    MARIA DAS GRAÇAS TELES MARTINS

    Este texto, originário de uma entrevista com alunos, tem como foco o desenvolvimento da temática da agressão entre alunos no ambiente escolar e virtual -o bullying e cyberbullying. O fenômeno Cyberbullying vem se tornando mais constante e presente fora do ambiente escolar acarretando diversas conseqüências físicas e psíquicas, o que é, sem dúvida, prejudicial para a vida de crianças, adolescentes e jovens.

    Por: MARIA DAS GRAÇAS TELES MARTINSl Educação> Educação Infantill 25/03/2012 lAcessos: 415

    RESUMO A ação dos gestores diante do problema da violência escolar é de fundamental importância para a vida dos alunos que a ele possam ter acesso. Não é necessário uma análise profunda de nossa sociedade para perceber o quanto a violência está latente. O índice crescente da violência na sociedade, nas mais diversas formas, já passa dos limites concebíveis. Alguns livros e revistas nos mostram essa dura realidade, entre eles concentramo-nos, principalmente nos cinco seguintes, que nos mostram i

    Por: Ana Lidia Silva Duartel Educação> Ciêncial 22/06/2010 lAcessos: 7,659 lComentário: 1
    Silvane dos Santos Matias

    A violência intrafamiliar vem se apresentando de forma desordenada em nossa sociedade. Muitas crianças são vivem sob o medo, a falta de segurança e de proteção necessários.Seus direitos são violados ainda em tenra idade.. Esse artigo tem como objetivos abordar sobre a violência intrafamiliar na primeira infância enfocando o abuso sexual, como também ressaltar a importância do enfermeiro nesse contexto. Metodologia: Revisão bibliográfica baseada em: Azevedo e Guerra (1989), Ribeiro e Reis (2004),

    Por: Silvane dos Santos Matiasl Saúde e Bem Estarl 23/07/2010 lAcessos: 931
    Erineia nascimento da Silva

    O aluno especial tem algumas necessidade de auto realização igual aos demais alunos, assim como ele precisa ter sua autoestima valorizada para contribuir na definição de suas habilidades intelectuais, a interação social com a comunidade escola lhe dará segurança, o apoio dos pais e fundamental nesse processo.

    Por: Erineia nascimento da Silval Educaçãol 11/09/2014
    Erineia nascimento da Silva

    Cérebro é o órgão onde se forma a cognição, o órgão mais organizado do corpo humano. Portando a cognição pode emergir no cérebro e nele acontece dinâmicas evolutivas que permitem ao ser humano revelar-se como um ser auto-eco-organizador, para isso e necessário o envolvimento das funções bio-psico-sociais ou bioantropologicas.

    Por: Erineia nascimento da Silval Educaçãol 08/09/2014
    Formacerta.pt

    Este artigo informa sobre o curso de Formação Pedagógica Inicial de Formadores, uma formação frequentemente procurada (e essencial) por indivíduos que querem entrar no mercado de formação profissional.

    Por: Formacerta.ptl Educaçãol 08/09/2014

    O presente texto aborda sobre Saúde em Educação, como incentivo entre desenvolvimento social, psicológico, cultural e saúde educacional. Pois o artigo preocupa-se e questiona-se sobre a formação de crianças e adolescentes e a saúde pública escolar.

    Por: Reginaldo Posol Educaçãol 07/09/2014

    O presente texto possui uma abordagem reflexiva simples e ao mesmo tempo um foco informativo sobre as três áreas de "ciências" Psicopedagogia, Psicologia Transpessoal e Educação, numa prespectiva relacionada á Educação de maneira prática e explicativa.

    Por: Reginaldo Posol Educaçãol 07/09/2014

    O objetivo deste estudo foi verificar como a mídia influencia o desenvolvimento moral da criança, quando da sua exposição nos meios de comunicação a partir de uma denúncia não verídica de violência sexual em uma escola infantil do município de Vila Velha, Espírito Santo. Trata de um estudo descritivo, desenvolvido na Unidade Municipal de Educação Infantil "José Silvério Machado", Jardim Marilândia, Vila Velha, ES. Participaram do estudo 10 professores.

    Por: ADRIANA CHAGAS MEIRELES ZURLOl Educaçãol 28/08/2014 lAcessos: 12

    O objetivo deste estudo foi contribuir para o entendimento de quais são os fatores que determinam o sucesso escolar de alunos dos meios populares, por meio da percepção dos educadores. Trata de um estudo descritivo, quantitativo e qualitativo. O instrumento de coleta dos dados foi um questionário estruturado com perguntas objetivas e subjetivas As perguntas objetivas se relacionam a identidade dos professores e vivência no ambiente escolar. As subjetivas buscam conhecer quais os fatores que poss

    Por: SANDRA MARIA TEIXEIRA GRADIMl Educaçãol 28/08/2014

    O objetivo deste artigo é relatar a experiência de participação no projeto de psicologia escolar, denominado Mundo Imaginário, que ocorreu entre maio e junho de 2013. A proposta de intervenção em Psicologia Escolar/Educacional envolveu basicamente a aplicação de atividades para as crianças que fazem parte do preparatório para o primeiro ano do ensino fundamental, em uma escola filantrópica de Teresina-Pi, a partir de demandas relatadas e observadas pelos professores de tais turmas.

    Por: Daniel Soaresl Educaçãol 26/08/2014
    Damião A. Leite

    A administração escolar tradicional vem passando por diversas mudanças ao longo dos anos, tendo como principal metamorfose no bojo das vivências educacionais a gestão democrática que tem como pano de fundo a promoção do indíviduo rumo a cidadania, a autonomia e a criticidade por meio do envolvimento de todos os interessados na melhoria do ensino em sentidos múltiplos, construindo os afazeres pedagógicos com educandos, educadores, pais e a comunidade em geral praticando o trabalho coletivo.

    Por: Damião A. Leitel Educaçãol 16/11/2009 lAcessos: 5,290 lComentário: 1

    Comments on this article

    1
    nathalia 19/09/2011
    Eu acho que nós devemos começar uma nova era, e parar com esse tipo de bobagem de preconceitos e sim ligar para o futuro.Sou uma menina de apenas 9 anos mais sei o que preconceito na escola ja sofri com isso e vejo ourtos crianças sofrendo crianças menores que eu sofrem mais por serem mais indefessas as crianças mais fortes sao aquelas que praaticam muito mais que preconceito e sim bullying!!! Meninas mais bonitas e mais altas batiam nas menininhas menores eu so olhava e via tambeim que as vezes meninas comiam seus lnches no bnheiro com medo de que os meninos os peguem.
    -1
    kelvin 13/07/2011
    É disto que trata o livro, leitura obrigatória para quem quer ver a escola sem os véus que a encobrem e não se conforma com o fracasso escolar .
    -1
    kelvin 13/07/2011
    nao pode cometer esse tipo de preconceito
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast