O professor como mediador da aprendizagem

20/12/2011 • Por • 127 Acessos

Para mediar devem sobretudo o professor, estar voltado para o trabalho que os alunos realizam por iniciativa própria, como atividade específica de aprendizagem. É dessa maneira que o processo de ensino, através da mediação do professor, interfere no processo de aprendizagem levado adiante pelo aluno. Quando o aluno tem uma dificuldade ou não sabe realizar uma tarefa,é preciso que o professor interfira explicando adequadamente para que o aluno possa progredir em seus conhecimentos.

O que fazer com o erro

É necessário o professor procurar explicações adequadas, requer saber abordar um problemas de muitas maneiras diferentes, seguir caminhos alternativos. Se, apesar de todo o esforço e competência do professor, ele ainda cosntatar que determinado ponto não está sendo devidamente entendido por um aluno ou classe. Muitas vezes para se entender algo aparentemente simples é necessário ter informações complementares que o professor obviamente tem, e o aluno não. Frenquentemente, é preciso ter conhecimentos presupostos ou até mesmo saber relacionar coisas já conhecidas de uma forma determinada para que o novo conhecimento possa ser assimilado e aplicado.

Diante das dificuldades, o impasse pode se estabelecer sérias consequencias para o processo de aprendizagem. Nessas circunstancias o melhor a fazer é partir para outros tipos de explicações pois, enfim os alunos acabarão aprendendo aquela questão incompleta.

A verdadeira aprendizagem proporciona ao aluno generalizar o processo de tal maneira que a intermediação do professor vai, aos poucos, cendendo à sua própria independencia e competencia para buscar as explicações adequadas por si mesmo e a construir seu próprio saber.Quanto mais sedo o aprendiz chegar a essa autonomia melhor será para ele: aprenderá melhor e mais rápido.

Para que o aprendiz possa tomar suas decisões é preciso que a escola tenha um espaço especial em sua programação destinado a essa atividade. Na alfabetização é fundamental que ps alunos produzam trabalhos espontâneos, façam atividades apartir de sua iniciativa do jeito que acharem melhor. Nesta perspectiva permite ao aluno expressão individual, liberdade de realização.

Perfil do Autor

Elizabeth Pinheiro

Formada em Pedagogia e especializada em Psicopedagogia.