O Que É Ser Diferente Na Sociedade Contemporânea E O Que É Gerir Uma Escola Tendo Como Foco A Diversidade

Publicado em: 29/04/2008 |Comentário: 2 | Acessos: 18,640 |

O Brasil é seguramente um dos países que mais instituiu leis que atendem ao clamor da população excluída. Refiro-me às pessoas com necessidades educacionais especiais. Exemplos disso são: a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB , que dedica particular atenção à Educação Especial, e o Plano Nacional de Educação – PNE – que estabelece 27 objetivos e metas para a educação de pessoas com necessidades educacionais especiais. No entanto, essa legislação, talvez por ser, de certo modo, recente, e por isso mesmo pouco conhecida, ainda não está bem disseminada. Segundo a Lei, a inclusão, mormente escolar, é para todos que se encontram excluídos do sistema educacional, independentemente de idade, gênero, etnia, condição econômica, social, física ou mental.
Todo o cabedal legal existente já representa um avanço extraordinário e uma conquista estupenda. Contudo, não podemos dizer com isso que já tenhamos conseguido resolver o problema da exclusão. De fato ainda estamos muito distantes da erradicação do problema — embora já tendo dado passos significativos. Tal esforço para a inclusão educacional de pessoas com necessidades educacionais especiais é louvável. Contudo, para que a inclusão de fato aconteça, tem-se que ir além da instituição de leis. A questão é mais conceitual que legislativa. Portanto, é mister rever alguns conceitos. Como considera Cláudia Werneck (2003, p.1) “praticar a inclusão é elaborar uma nova ética, inspirada na certeza de que a humanidade encontra infinitas formas de se manifestar” . Não se trata de simplesmente criar leis com o fito de mudar a realidade. É claro que as leis ajudam, mas não se bastam por si sós.
Nossa sociedade ainda conserva (pré)conceitos historicamente cristalizadas sobre quase tudo: negro, índio, pobre, deficiente físico, deficiente mental, nordestino, homossexual, empregada doméstica, gordo, idoso etc. A coisa toda tem a ver com a maneira como as pessoas aprenderam a ver o outro. A questão é: sob que prisma a sociedade aprendeu a enxergar o outro?
Toda a educação nacional foi elaborada e desenvolvida para manter a mente engessada. O individuo foi domesticado e doutrinado. Ele não aprendeu a pensar. Apenas apreendeu pensamentos. Assim, certo é o que alguém determinou que é certo. Do mesmo modo, errado é o que alguém determinou que é errado.
Essa mesma lógica vem para as relações humanas e valorização do potencial humano. O feio (aquele que não atende aos padrões de beleza ditados pela sociedade) é falto de inteligência, é inabilitado, é incompetente, é indigno. O mesmo prisma é usado para olhar o deficiente físico, o deficiente mental, o negro, o índio, o nortista, o nordestino, o pobre, a prostituta, o homossexual etc. Esse elenco não se encaixa nos padrões de normalidade e perfeição (física, mental, econômica, social e intelectual) criados e impostos pela sociedade. Logo, se não se encaixa, não serve. Se não serve, tem que ser deixado de lado — à margem.
Essa rejeição é manifestada de várias formas, porém uma das mais claras é quando as portas se fecham para a escolarização e para a carreira profissional. É quando o indivíduo é privado do seu direito. Desse modo, não basta só está na Lei, é preciso um esforço educacional a fim de se reeducar a sociedade almejando-se uma mudança de concepção. Pois, se mudarmos o modo de pensar (e de ver), mudamos o modo de agir (e reagir).
Não se pode esperar que todos sejamos iguais a fim de sermos aceitos. No mundo em que vivemos nem os gêmeos são iguais. Somos indivíduos, portanto, seres individuais, únicos, com características próprias no que tange a maneira de ser, de pensar, sentir, agir e reagir a tudo e a todos. Nesse sentido não há certo nem errado. Há apenas o diferente.
São conceitos, formas de pensar e de ver o mundo que precisam mudar. O ser humano é criativo e capaz. Uma deficiência, embora real, não significa absoluta incapacidade, mas, apenas e tão somente uma determinada limitação. A cor da pele, a condição sócio-econômica, a origem de uma pessoa, uma deficiência física, nada disso é determinante para se rotular o sujeito como inapto, incompetente, indigno. Alguém pode não ser capaz de usar as pernas, mas pode usar os braços, as mãos, a voz etc. Outro pode não ser capaz de usar a voz, mas pode usar as mãos, os braços, as pernas etc.

É mais fácil discriminar, segregar, marginalizar e excluir, que compreender, aceitar e incluir. O gordo é discriminado por ser gordo, o negro por ser negro, o pobre por ser pobre, o surdo por ser surdo e assim por diante. Logo, ser diferente em nossa sociedade é ser defeituoso, é ser excluso, é não ter direito a ter direitos. Mas, como diz Cláudia Werneck (2003, p.19), “todas as pessoas são gente, portanto, têm o direito de participar ativamente da sociedade contribuindo com o seu melhor talento para o bem comum, qualquer que seja ele” .
Na minha família tivemos que aprender a duras penas a enfrentar o preconceito e a discriminação. Minha mãe, tendo o braço direito ressecado desde a infância, teve de aprender a fazer tudo com o braço esquerdo. Não poucas vezes foi chamada de “aleijada”, “defeituosa”, “inapta para o trabalho”. Mesmo assim, tornou-se habilidosa e, cozinhando, lavando e passando roupa proveu sua casa e criou os quatro filhos (minhas três irmãs e eu).
Não bastasse nada disso, minha irmã caçula, ainda muito cedo, sofreu paralisia infantil, vindo a perder a habilidade de andar e de utilizar o braço direito e a voz. Foram anos de luta, discriminação, barreiras e inúmeras dificuldades. Mas, minha mãe continuou lutando e insistindo para que a menina fosse aceita na escola, pois, apesar de tudo, era uma menina lúcida e de mente ágil. Ela estudou, cresceu, voltou a andar, a falar, e a usar o braço direito. Foi tão competente que, dos quatro filhos que minha mãe teve, a caçula foi a primeira a ingressar na faculdade. Formou-se e foi a primeira mulher mecânica de avião no Estado do Amazonas.
Quando consideramos que deficiência é toda e qualquer perda ou anormalidade de uma estrutura ou mesmo de uma função psicológica, fisiológica ou anatômica que gere incapacidade para o desempenho de atividade, dentro do padrão considerado normal para o ser humano, então, somos todos deficientes. Porque em alguma coisa somos deficientes, limitados. Como podemos ver, vivemos um paradoxo. Pois, somos todos diferentes e, ao mesmo tempo, tão iguais.
Lembro-me quando em 1992, em uma escola na capital paulista, fui apresentado pela diretora a uma turma de alunos de nível médio, como o novo professor de Filosofia. Ao saberem que eu era natural do Estado do Amazonas, a turma toda se levantou e um aluno exclamou: — “Nós não aceitamos esse professor. Pois, o que é que um amazonense tem para nos ensinar?” Para eles o fato de eu ter um sotaque diferente, uma estatura física diferente e ser originário de uma região diferente da deles (norte), já significava que eu era inapto, indigno, réprobo ou incapaz de exercer o magistério, pelo menos naquele contexto. Pois bem, não só assumi a cadeira de Filosofia àquele ano, como dois anos depois assumi a direção daquela escola (com o apoio de todos os alunos e professores, inclusive daquela turma que me discriminara escancaradamente) em cuja função permaneci por quatro anos.
Assim é a sociedade contemporânea. Só têm valor os “normais”. Normal, do ponto de vista dessa sociedade, é todo aquele que se encaixa nos padrões estabelecidos por ela. O diferente é anormal. Pois representa “produto de terceira classe”, fora dos padrões, portanto, indesejável, defeituoso, desprezível, sem valor. Por conseguinte, tem que ficar à margem.
Se quisermos realmente incluir o indivíduo, necessariamente teremos de nos desvencilhar dessa forma de pensar excludente e marginalizante. Tais raciocínios, quando muito, só conseguem integrar, onde a simples presença física do sujeito no ambiente já basta. Porém, o que devemos de fato buscar é a inclusão. Nela há que se permitir, além da mudança de atitudes, uma mudança de mentalidade frente às diferenças e diversidades de ordem física, étnica, cultural, econômica e social. É preciso que o indivíduo se sinta parte do todo e não um agregado a ele.
Diante de todo o exposto, como gerir uma escola tendo como foco a diversidade? Considerando que não é fácil lidar com pessoas, muito menos fácil é gerir uma escola onde a diversidade é inevitável. Isto exige um preparo cada vez maior do gestor. Nesse desafio, Bray Stainback (2004, p.23), sugere que os administradores educacionais devem exercer o papel de “facilitadores do desenvolvimento e da implementação” da política de inclusão, a fim de que a diversidade seja aceita como conquista e não como obstáculo.
Por outro lado, o gestor não pode achar que ele é o único responsável pela criação da política que irá nortear a ação da inclusão educacional. Ele é sem dúvida o grande articulador, gerente, facilitador, incentivador etc. Mas, o poder de criar tais políticas está com todos — gestor, professores, alunos, pais e comunitários. Ou seja, é o conjunto, a escola como um todo, que têm força e poder para mudar o que os anos cristalizaram.
Considerando a responsabilidade social que a própria função confere ao gestor, é imperativo que este participe ativa e decisivamente da ação inclusiva. Como gestor ele precisa ser audaz, impetuoso, aguerrido. Precisa também estar aberto para as mudanças. Munir-se de cabedal intelectual que lhe dê fortes argumentos a fim de conscientizar a comunidade — professores, funcionários, alunos e pais — e derrubar alguns mitos que interferem no processo de inclusão, como a inverdade de que o deficiente vai atrapalhar a aprendizagem dos outros alunos. É preciso mostrar convincentemente que a presença do deficiente, em verdade, irá ajudar os alunos tidos como normais a “vivenciar uma nova experiência como ser humano solidário e respeitador das diferenças” .
Em suma, ser diferente na sociedade contemporânea é ser incapaz, inapto, alguém sem condição nenhuma de estar entre os “normais”. É urgente a necessidade de se implementar nos currículos escolares (da educação básica à superior) componentes que levem o educando a (re)construir sua mentalidade social onde ele seja capaz de ver o mundo constituído por grandes e reais diferenças mormente humanas, e que essas diferenças não significam má qualidade ou valor inferior, mas riqueza de valores, completude. O Universo é imenso e nessa imensidão são as diferenças que permitem que ele seja o que é — universo.
Gerir uma escola tendo como foco a diversidade é mais que um desafio, é um teste de aptidão. Só os aptos para mudanças sobrevivem, como dizia Charles Darwin. Sobreviver profissionalmente implica em ser capaz de mudar. Mudar conceitos, posturas, valores, ações. O mundo muda a todo instante. Tudo na natureza se ajusta a fim de que a vida possa continuar o seu curso. O gestor escolar precisa ajustar-se às mudanças e ver que as pessoas, que constituem a própria razão de ser da escola, são diferentes física, mental, intelectual, étnica, econômica e socialmente. São elas mesmas que dão sentido à existência da escola, e esta ao papel do gestor. Cumpre-lhe esforçar-se para que os seus pares compreendam e empreendam esforços a fim de que a inclusão sócio-educacional de fato aconteça.

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 18 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/o-que-e-ser-diferente-na-sociedade-contemporanea-e-o-que-e-gerir-uma-escola-tendo-como-foco-a-diversidade-399541.html

    Palavras-chave do artigo:

    educacao

    ,

    escola

    ,

    gestao

    Comentar sobre o artigo

    A consultoria prática vem ganhando novos contornos com a prática da consultoria, onde a tônica não é mais criar procedimentos e algemas de aplicação, mas a condução do processo com dinâmica de educação para gestão.

    Por: Ivan Postigol Negócios> Gestãol 17/12/2010 lAcessos: 25
    Regialice Moreira Correia

    O presente artigo tem como objetivo analisar o modelo de Gestão Democrática, advinda das tendências pedagógicas liberais do modelo de sociedade capitalista, paralelamente as concepções de educação bancária, observada na visão de Paulo Freire, a prática pedagógica vista como ferramenta para uma real democracia na perspectiva proposta por Luckesi, as relações entre a estrutura organizacional da escola e o modelo de gestão democrática. O foco da discussão é a formação de uma sociedade legitimamente

    Por: Regialice Moreira Correial Educaçãol 02/08/2013 lAcessos: 131
    marlucia pontes gomes de jesus

    O artigo faz um histórico do conceito da gestão democrática da educação enfatizanto as exigências legais e dos movimentos sociais. Nesse contexto, direciona o tema para uma análise da atuação e composição dos conselhos estaduais de educação no país e, em especial, no Estado do Espírito Santo.

    Por: marlucia pontes gomes de jesusl Educaçãol 29/04/2011 lAcessos: 1,953
    Eliaquim Barbosa Pereira

    Este estudo tem como objetivo Analisar o papel do gestor no contexto escolar da Escola Municipal Profª Edneide Sales Campêlo e Escola Estadual Desembargador Sadoc Pereira identificando sua contribuição para o processo educacional. Essa temática despertou em mim, o interesse e reflexão, uma vez que é uma forma de se compreender o estabelecimento e manutenção de uma prática participativa do gestor escolar e, sobretudo, o equilíbrio das dimensões de gestão escolar. Para tanto, apropriei-me da liter

    Por: Eliaquim Barbosa Pereiral Educação> Ciêncial 27/02/2010 lAcessos: 1,102

    Resumo: Este Trabalho de Conclusão do Curso de Pós-Graduação buscou pesquisar a Gestão Escolar e a Função Social da Escola, tendo por objetivo investigar a relação do processo escolar com o cumprimento da função social da escola e do gestor como elemento determinante para o bom clima organizacional.

    Por: maria das Graças Ribeirol Educaçãol 10/04/2011 lAcessos: 6,256
    GUTEMBERG MARTINS DE SALES

    Conhecendo-se as necessidades reais para que ocorra uma educação de qualidade e observando, no decorrer de nossa carreira, como se constrói uma imagem de ineficiência da escola pública, tornando-a figurativa dentro das comunidades mais desprovidas, começamos a questionar quais seriam as reais causas de um comportamento tão passivo diante de uma realidade que está sendo construída.

    Por: GUTEMBERG MARTINS DE SALESl Educação> Ensino Superiorl 28/12/2012 lAcessos: 285

    Este estudo se caracteriza como uma revisão de literatura, o qual se inscreve metodologicamente no âmbito da pesquisa qualitativa. Trata-se de questões relacionadas ao sistema municipal de ensino a partir da análise dos fundamentos legais da gestão escolar democrática. A educação brasileira, por diversos motivos, ao longo do tempo tem sofrido avanços e retrocessos no que se refere aos modelos de gestão adotados.

    Por: Sebastião Rodrigues de Sousal Educaçãol 08/05/2012 lAcessos: 193
    keilla michelle Passos

    O presente artigo tem como tema, a questão relativa à importância da Gestão Democrática, ou Participativa, no desenvolvimento e fortalecimento dos processos educacionais, delimitado ao decênio 1995-2005.

    Por: keilla michelle Passosl Educação> Ensino Superiorl 02/05/2010 lAcessos: 2,842

    RESUMO A ação dos gestores diante do problema da violência escolar é de fundamental importância para a vida dos alunos que a ele possam ter acesso. Não é necessário uma análise profunda de nossa sociedade para perceber o quanto a violência está latente. O índice crescente da violência na sociedade, nas mais diversas formas, já passa dos limites concebíveis. Alguns livros e revistas nos mostram essa dura realidade, entre eles concentramo-nos, principalmente nos cinco seguintes, que nos mostram i

    Por: Ana Lidia Silva Duartel Educação> Ciêncial 22/06/2010 lAcessos: 7,677 lComentário: 1
    MARISA GONÇALVES CRUZ

    Romper com o preceito racional positivista que gera posturas dominantes, desiguais e autoritárias e assentar as bases em um modelo de gestão que gere participação, co-responsabilidade e compromisso, é uma atitude que aponta para o verdadeiro resgate da qualidade do ensino e formação da cidadania. Dessa forma este artigo visa investigar como se processa a gestão na perspectiva democrática nas escolas públicas de maneira e verificar o perfil do gestor, identificar as concepções que embasam a práti

    Por: MARISA GONÇALVES CRUZl Educação> Educação Onlinel 07/09/2010 lAcessos: 1,885

    São inúmeros, mas iremos apontar os que consideramos como mais importantes: 1 – A qualidade de ensino em uma escola técnica (Etec) é considerada excelente. 2 – As Etec´s contam com equipes de Professores e Coordenadores muito bem preparadas e comuma estrutura completa de salas, laboratórios e equipamentos de última geração.

    Por: Thonny Siqueiral Educaçãol 17/09/2014
    Erineia nascimento da Silva

    O aluno especial tem algumas necessidade de auto realização igual aos demais alunos, assim como ele precisa ter sua autoestima valorizada para contribuir na definição de suas habilidades intelectuais, a interação social com a comunidade escola lhe dará segurança, o apoio dos pais e fundamental nesse processo.

    Por: Erineia nascimento da Silval Educaçãol 11/09/2014
    Erineia nascimento da Silva

    Cérebro é o órgão onde se forma a cognição, o órgão mais organizado do corpo humano. Portando a cognição pode emergir no cérebro e nele acontece dinâmicas evolutivas que permitem ao ser humano revelar-se como um ser auto-eco-organizador, para isso e necessário o envolvimento das funções bio-psico-sociais ou bioantropologicas.

    Por: Erineia nascimento da Silval Educaçãol 08/09/2014
    Formacerta.pt

    Este artigo informa sobre o curso de Formação Pedagógica Inicial de Formadores, uma formação frequentemente procurada (e essencial) por indivíduos que querem entrar no mercado de formação profissional.

    Por: Formacerta.ptl Educaçãol 08/09/2014

    O presente texto aborda sobre Saúde em Educação, como incentivo entre desenvolvimento social, psicológico, cultural e saúde educacional. Pois o artigo preocupa-se e questiona-se sobre a formação de crianças e adolescentes e a saúde pública escolar.

    Por: Reginaldo Posol Educaçãol 07/09/2014

    O presente texto possui uma abordagem reflexiva simples e ao mesmo tempo um foco informativo sobre as três áreas de "ciências" Psicopedagogia, Psicologia Transpessoal e Educação, numa prespectiva relacionada á Educação de maneira prática e explicativa.

    Por: Reginaldo Posol Educaçãol 07/09/2014

    O objetivo deste estudo foi verificar como a mídia influencia o desenvolvimento moral da criança, quando da sua exposição nos meios de comunicação a partir de uma denúncia não verídica de violência sexual em uma escola infantil do município de Vila Velha, Espírito Santo. Trata de um estudo descritivo, desenvolvido na Unidade Municipal de Educação Infantil "José Silvério Machado", Jardim Marilândia, Vila Velha, ES. Participaram do estudo 10 professores.

    Por: ADRIANA CHAGAS MEIRELES ZURLOl Educaçãol 28/08/2014 lAcessos: 16

    O objetivo deste estudo foi contribuir para o entendimento de quais são os fatores que determinam o sucesso escolar de alunos dos meios populares, por meio da percepção dos educadores. Trata de um estudo descritivo, quantitativo e qualitativo. O instrumento de coleta dos dados foi um questionário estruturado com perguntas objetivas e subjetivas As perguntas objetivas se relacionam a identidade dos professores e vivência no ambiente escolar. As subjetivas buscam conhecer quais os fatores que poss

    Por: SANDRA MARIA TEIXEIRA GRADIMl Educaçãol 28/08/2014

    Comments on this article

    1
    gabriela martins 27/09/2010
    Muuuuito Boooooom *-*
    0
    yolanda liquela 21/08/2010
    oi gostei muito do seu texto
    mas gostaria k entrasse no meu email e falasse melhor
    sobre o k e ser um ser diferente dos outrosparabens
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast