O Sentido Da Existência Sem Sentido

Publicado em: 11/12/2008 |Comentário: 0 | Acessos: 1,067 |

O sentido da existência sem sentido



Qual é o sentido da existência humana? Qual o sentido da vida?


Com indagações dessa natureza é que, muitas vezes, começamos nossas aulas de filosofia.


É claro que os acadêmicos, recém chegados à faculdade nos tomam por louco. Ou ficam sem entender o que estamos querendo dizer. E, antes de responder sua incompreensão, continuamos as indagações: Por que exercemos nossas atividades profissionais? Por que queremos estudar, preparando-nos para bem exercer uma profissão? Por que fazemos, cotidianamente as mesmas atividades, mesmo algumas que não nos dão prazer?


A essas indagações, as respostas começam a surgir: “trabalhamos para ganhar dinheiro.” “Estudamos para nos preparar e exercer bem nossa profissão e, além de ser bons profissionais, ganharmos mais e com isso termos melhor nossa qualidade de vida”; “fazemos isso para sermos reconhecidos em nossa profissão e, graças a isso nos realizarmos profissional e financeiramente”.


Frente a essas respostas te convido a me ajudar a responder a essas indagações: por que queremos realização pessoal? Por que queremos dinheiro? Qual o sentido disso?


Aqui podemos acrescentar as indagações da música “Você”, do Raul Seixas:


“Você alguma vez se perguntou por quê
Faz sempre aquelas mesmas coisas sem gostar?
Mas você faz, sem saber por que você faz; e a vida é curta!
Por que deixar que o mundo lhe acorrente os pés
Finge que é normal estar insatisfeito
Será direito, o que você faz com você?
Por que você faz isso, por quê?”

Ao introduzir essa situação existencial, é possível que você reaja e procure, a todo custo, dar uma resposta que nos satisfaça, pensando que estamos querendo uma resposta correta, como se fosse uma prova. Mas nossa indagação vai para além disso.


“Deixa, deixa, deixa eu dizer o que penso desta vida


preciso demais desabafar!


Suportei meu sofrimento


de face mostrada e riso inteiro


se hoje canto meu lamento


coração cantou primeiro


e você não tem direito


de calar a minha boca


afinal me dói no peito


uma dor que não é pouca


tem dó! (Claudia)


A cantora não pedia dó, como a pedir tenha pena ou compaixão, mas como um convite à reflexão, como quem diz: “dá um tempo, e pene!”. E aqui a nossa indagação se baseia exatamente na necessidade de sentido para essa loucura que é nossa vida, sem sentido. Nossa indagação vem para afirmar o sem sentido da vida. Pare, pense e, honestamente, verifique se tem sentido de tudo o que você faz, o que nós fazemos...


A pessoa nasce, cresce e começa a enfrentar mil e tantos problemas: nos relacionamentos (namoro, casamento, filhos, amigos), na escola (“pra quê estudar tudo isso se nunca vou usar?” – tem até aqueles versos do Raul Seixas, falando do “dicionário cheio de palavras que eu sei que nunca vou usar!”), no trabalho (patrão chato, funcionário desleal e/ou descompromissado)... E, depois de alguns anos de trabalho, de sofrimento e superação, de entrega total, de dedicação; depois de conseguir um lugar ao sol... a pessoa morre! E o que acontece com tudo que fez? O que sobra de tudo que ajuntou?


Nesta altura você já deve estar arrumando argumentos para nos dizer que se sente uma pessoa realizada e não vê sentido nessas indagações. Nossa resposta a isso é: uma pessoa realizada é aquela que já alcançou seus objetivos. Uma pessoa que alcançou os objetivos da sua vida, não tem mais por quê lutar. Está, portanto, pronta para a morte; ou melhor, a pessoa que não tem objetivos, já está morta!


Outros, provavelmente nos dirão que dinheiro não é tudo. Concordamos! Mesmo porque não estamos falando sobre dinheiro. Estamos buscando o sentido disso tudo e constatamos que, mesmo o dinheiro, o poder que ele confere ou que pode comprar, não tem sentido. Tanto o mendigo, que passou a vida esfomeado como o mais rico dos homens dirigem-se para um ponto comum: a morte.


Essa busca de sentido para a existência não é recente. Ela acompanha a humanidade desde os mais antigos pensadores e pelas várias manifestações religiosas. O salmista (salmo 8,5), indaga a seu Deus: “que é o homem, para que dele vos lembreis? Um filho de homem, para que o venhas visitar?


O propósito desta reflexão se deve à época em que nos encontramos. Estamos nos aproximando do natal; fim de um ano e começo de um novo. Tempo de avaliar e planejar. E como não temos resposta para o sem sentido da vida, podemos dizer que, embora nada tenha sentido, cabe a nós darmos sentido à nossa existência. E o final do ano é tempo de redefinir prioridades. E aqui podemos nos deparar com um problema: já que viver não tem sentido qual o sentido que podemos dar à nossa existência?


Neri de Paula Carneiro – Mestre em Educação, Filósofo, Teólogo, Historiador.


Leia mais: <http://www.webartigos.com/authors/1189/Neri-de-Paula-Carneiro>;  <www.brasilescola.com.br>



Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/o-sentido-da-existencia-sem-sentido-680272.html

    Palavras-chave do artigo:

    natal

    ,

    reflexoes natalinas

    ,

    o sentido da vida

    Comentar sobre o artigo

    O dia de natal e um dia especial pois as pessoas ficam alegres, felizes,deveriamos viver todos os outros dias como se fosse o dia de natal.

    Por: Julio Nerisl Religião & Esoterismo> Evangelhol 30/11/2009 lAcessos: 357

    Uma estrela guiou os magos ate JESUS,hoje nos como estrelas de DEUS devemos guiar as pessoas a JESUS.

    Por: Julio Nerisl Religião & Esoterismo> Evangelhol 30/11/2009 lAcessos: 1,213 lComentário: 1

    Com o advento da globalização, a educação é tida como o maior recurso de que se dispõe para enfrentar essa nova estruturação mundial. Objetiva-se evidenciar a importância dos alunos encontrarem na escola não só evidências de seu próprio mundo, mas também aparato capaz de os "cunharem" para uma participação social plena e não "fatiada", como sugere o estudo por disciplinas. Jovens e adultos, público cada vez mais informatizado, exige que as disciplinas deixem de ser apresentadas de forma isolada.

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    A expressão artística faz parte da história humana desde os tempos mais remotos. Sendo assim, a Arte é um dos modos de conhecimento ao qual os estudantes devem também ter acesso, assumindo-se como sujeitos capazes de apreciação estética e criação artística, articuladas aos processos e mediações da cultura contemporânea. Diante das mudanças pelas quais o ensino-aprendizagem de Arte passou, vê-se a necessidade de discorrer a respeito da presença desta disciplina no currículo escolar, revendo sua i

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    Sabe-se que a educação é responsável pela formação do aluno enquanto cidadão, de maneira a prepará-lo para a vida em sociedade, para que saiba atuar criticamente nesse meio. Assim, a escola inclusiva busca complementar a formação do aluno por meio das relações de convivência, uma vez que conviver com o diferente é parte desse processo de formação, até porque, como já mencionamos, é na escola que o aluno desenvolve seus aspectos cognitivos, motores e psicológicos.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    As revela à existência de ações políticas e sociais que possam concretizar e promover a efetividade da inclusão social da pessoa com necessidade educacional especial. Vejo que a sociedade deve compreender como se dá o processo de ensino-aprendizagem da criança com Síndrome de Down na Educação Básica, as dificuldades enfrentadas e as possibilidades e mecanismos de reconhecimento e aceitação dessas limitaçõ

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    No processo de inclusão a escola propõe a conviver com o "diferente", aceitá-lo, auxiliá-lo, e muitas vezes aprender algo com essas crianças. Entretanto para oferecer uma inclusão verdadeira é preciso entender as particularidades das crianças, mediar a socialização de forma que todos trabalham para o aprendizado de cada uma delas, em benefício de todos. Pretendo contribuir com as discussões éticas e educacionais que envolvem a formação da criança Down por meio da educação.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    A educação escolar é um dos contextos em que a criança aprende e desenvolve-se nos aspectos cognitivos, emocional e social. Por isso a necessidade de incluir a criança com necessidades especiais na escola, pois atender a todos é parte do processo educativo, por isso a diversidade cultural e outras questões sociais precisam ser vivenciadas também em sala de aula.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    Apresento algumas características que identificam a criança Down, o conceito de Educação Inclusiva e Educação básica, e da diversidade na educação. Relacionam-se aspectos positivos da inclusão da criança Down na Educação Básica e como deve acontecer essa inclusão, enumerando as dificuldades no processo de inclusão da criança Down na Educação Básica. Conceitua-se a Síndrome de Down e sua identificação, bem como o tratamento e a motivação para inserir a criança com deficiência na Educação Básica.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    O estudo realizado teve como foco principal compreender os avanços no processo de construção do conhecimento dos alunos de uma turma de 3º ano, através dos jogos matemáticos, priorizando, desse modo, a ludicidade no ensino. A pesquisa foi desenvolvida durante o estágio realizado pela acadêmica e pesquisadora junto a uma turma de 3º ano.

    Por: Luziane Da Silva Costal Educaçãol 15/12/2014 lAcessos: 11

    Sugestões com técnicas de estudo e leitura. Texto destinado a estudantes do ensino médio. pode ser aproveitado por todo leitor

    Por: NERI P. CARNEIROl Educação> Ciêncial 10/08/2014 lAcessos: 21

    A III Conferencia Nacional da Cultura nos propõe algumas reflexões não só sobre cultura, mas principalmente sobre o direito à cultura

    Por: NERI P. CARNEIROl Educaçãol 07/07/2013 lAcessos: 43

    Percebeste o crescimento da violência em nossa sociedade? para minimizar a violência nos tornamos mais violentos. Isso não é novo, apenas evidencia uma característica do ser humano: a crueldade que produz violência. Produz situações de maldade e age violentamente de forma intencional. Não falo apenas pelo que fazem os bandidos, mas também a partir dos tiros da polícia, institucionalisando a violência. Maquiavel e Nietzsche, comentam isso.

    Por: NERI P. CARNEIROl Educaçãol 12/10/2009 lAcessos: 463

    Faço aqui um manifesto ecológico em favor das sacolas de plástico. E não estou louco – a não ser de ira contra os aproveitadores!!! Um equívoco está se alastrando: a necessidade de por fim às sacolas plásticas, no comércio. Isso é engodo em nome do lucro.

    Por: NERI P. CARNEIROl Educaçãol 09/10/2009 lAcessos: 720 lComentário: 1

    Para nós que as enfrentamos ou sofremos suas conseqüências, as crises, catástrofes, cataclismos, tragédias, ou grandes acidentes – depende de como as queiramos denominar – não são bem vindas. Mas as tragédias são o prato principal, do qual se nutre a imprensa e são esperadas ou buscadas – ou fabricadas – para deleite do sensacionalismo, principalmente televisivo. Exemplo típico está ocorrendo agora.

    Por: NERI P. CARNEIROl Educação> Ciêncial 11/05/2009 lAcessos: 391

    No livro de Atos dos Apóstolos encontramos uma das passagens mais controvertidas, discutidas e, ao mesmo tempo, belas, do Novo testamento. Trata-se At, 2,1-11 que se popularizou como fundamentação para a festa do Pentecostes.

    Por: NERI P. CARNEIROl Religião & Esoterismo> Religiãol 22/01/2009 lAcessos: 1,109 lComentário: 2

    Em se tratando de estudos bíblicos nem tudo são certezas e unanimidade. Existem contradições em relação às opiniões e conclusões. Uma delas é em relação a Lucas e à autoria do evangelho de Lucas e os Atos dos Apóstolos. A tradição cristã atribui tanto o texto do quarto Evangelho como o de Atos dos Apóstolos a Lucas, médico mencionado por Paulo em 2Tm 4,11; Cl 4,14 e Fm 24. Alguns autores, entretanto, preferem dizer que ambos são personagens distintos

    Por: NERI P. CARNEIROl Religião & Esoterismo> Religiãol 22/01/2009 lAcessos: 4,248

    A historicidade da Bíblia é, muitas vezes, colocada como argumento de fé. Muitas vezes a Bíblia é usada de forma definitiva, sem considerar elementos simbólicos e textuais que não podem ser desconsiderados. Se for encarada dessa forma tanto a fé como a razão tem que se submeter a algumas contradições textuais que estão presentes no texto bíblico.

    Por: NERI P. CARNEIROl Religião & Esoterismo> Religiãol 22/01/2009 lAcessos: 1,736 lComentário: 1
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast