O Sentido Da Existência Sem Sentido

Publicado em: 11/12/2008 |Comentário: 0 | Acessos: 1,074 |

O sentido da existência sem sentido



Qual é o sentido da existência humana? Qual o sentido da vida?


Com indagações dessa natureza é que, muitas vezes, começamos nossas aulas de filosofia.


É claro que os acadêmicos, recém chegados à faculdade nos tomam por louco. Ou ficam sem entender o que estamos querendo dizer. E, antes de responder sua incompreensão, continuamos as indagações: Por que exercemos nossas atividades profissionais? Por que queremos estudar, preparando-nos para bem exercer uma profissão? Por que fazemos, cotidianamente as mesmas atividades, mesmo algumas que não nos dão prazer?


A essas indagações, as respostas começam a surgir: “trabalhamos para ganhar dinheiro.” “Estudamos para nos preparar e exercer bem nossa profissão e, além de ser bons profissionais, ganharmos mais e com isso termos melhor nossa qualidade de vida”; “fazemos isso para sermos reconhecidos em nossa profissão e, graças a isso nos realizarmos profissional e financeiramente”.


Frente a essas respostas te convido a me ajudar a responder a essas indagações: por que queremos realização pessoal? Por que queremos dinheiro? Qual o sentido disso?


Aqui podemos acrescentar as indagações da música “Você”, do Raul Seixas:


“Você alguma vez se perguntou por quê
Faz sempre aquelas mesmas coisas sem gostar?
Mas você faz, sem saber por que você faz; e a vida é curta!
Por que deixar que o mundo lhe acorrente os pés
Finge que é normal estar insatisfeito
Será direito, o que você faz com você?
Por que você faz isso, por quê?”

Ao introduzir essa situação existencial, é possível que você reaja e procure, a todo custo, dar uma resposta que nos satisfaça, pensando que estamos querendo uma resposta correta, como se fosse uma prova. Mas nossa indagação vai para além disso.


“Deixa, deixa, deixa eu dizer o que penso desta vida


preciso demais desabafar!


Suportei meu sofrimento


de face mostrada e riso inteiro


se hoje canto meu lamento


coração cantou primeiro


e você não tem direito


de calar a minha boca


afinal me dói no peito


uma dor que não é pouca


tem dó! (Claudia)


A cantora não pedia dó, como a pedir tenha pena ou compaixão, mas como um convite à reflexão, como quem diz: “dá um tempo, e pene!”. E aqui a nossa indagação se baseia exatamente na necessidade de sentido para essa loucura que é nossa vida, sem sentido. Nossa indagação vem para afirmar o sem sentido da vida. Pare, pense e, honestamente, verifique se tem sentido de tudo o que você faz, o que nós fazemos...


A pessoa nasce, cresce e começa a enfrentar mil e tantos problemas: nos relacionamentos (namoro, casamento, filhos, amigos), na escola (“pra quê estudar tudo isso se nunca vou usar?” – tem até aqueles versos do Raul Seixas, falando do “dicionário cheio de palavras que eu sei que nunca vou usar!”), no trabalho (patrão chato, funcionário desleal e/ou descompromissado)... E, depois de alguns anos de trabalho, de sofrimento e superação, de entrega total, de dedicação; depois de conseguir um lugar ao sol... a pessoa morre! E o que acontece com tudo que fez? O que sobra de tudo que ajuntou?


Nesta altura você já deve estar arrumando argumentos para nos dizer que se sente uma pessoa realizada e não vê sentido nessas indagações. Nossa resposta a isso é: uma pessoa realizada é aquela que já alcançou seus objetivos. Uma pessoa que alcançou os objetivos da sua vida, não tem mais por quê lutar. Está, portanto, pronta para a morte; ou melhor, a pessoa que não tem objetivos, já está morta!


Outros, provavelmente nos dirão que dinheiro não é tudo. Concordamos! Mesmo porque não estamos falando sobre dinheiro. Estamos buscando o sentido disso tudo e constatamos que, mesmo o dinheiro, o poder que ele confere ou que pode comprar, não tem sentido. Tanto o mendigo, que passou a vida esfomeado como o mais rico dos homens dirigem-se para um ponto comum: a morte.


Essa busca de sentido para a existência não é recente. Ela acompanha a humanidade desde os mais antigos pensadores e pelas várias manifestações religiosas. O salmista (salmo 8,5), indaga a seu Deus: “que é o homem, para que dele vos lembreis? Um filho de homem, para que o venhas visitar?


O propósito desta reflexão se deve à época em que nos encontramos. Estamos nos aproximando do natal; fim de um ano e começo de um novo. Tempo de avaliar e planejar. E como não temos resposta para o sem sentido da vida, podemos dizer que, embora nada tenha sentido, cabe a nós darmos sentido à nossa existência. E o final do ano é tempo de redefinir prioridades. E aqui podemos nos deparar com um problema: já que viver não tem sentido qual o sentido que podemos dar à nossa existência?


Neri de Paula Carneiro – Mestre em Educação, Filósofo, Teólogo, Historiador.


Leia mais: <http://www.webartigos.com/authors/1189/Neri-de-Paula-Carneiro>;  <www.brasilescola.com.br>



Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/o-sentido-da-existencia-sem-sentido-680272.html

    Palavras-chave do artigo:

    natal

    ,

    reflexoes natalinas

    ,

    o sentido da vida

    Comentar sobre o artigo

    O dia de natal e um dia especial pois as pessoas ficam alegres, felizes,deveriamos viver todos os outros dias como se fosse o dia de natal.

    Por: Julio Nerisl Religião & Esoterismo> Evangelhol 30/11/2009 lAcessos: 361

    Uma estrela guiou os magos ate JESUS,hoje nos como estrelas de DEUS devemos guiar as pessoas a JESUS.

    Por: Julio Nerisl Religião & Esoterismo> Evangelhol 30/11/2009 lAcessos: 1,246 lComentário: 1
    Elaine Peres da Silva

    É indispensável ao desenvolvimento do ser humano o trabalho de sensibilização diante da sociedade, começando pela própria escola, o local de aprendizagem e formação do indivíduo. É preciso que o estudante, enquanto cidadão perceba a importância de sua participação nas questões que envolvem o meio ambiente, desde então, as pequenas ou grandes atitudes podem amenizar, mesmo que parcialmente, a contaminação da natureza.

    Por: Elaine Peres da Silval Educaçãol 27/03/2015
    Fernando Corrêa manarim

    afirmamos que existem outras formas de jogar xadrez além da competição, ou seja, que o xadrez é uma ferramenta que pode trabalhar o praticante pedagógica e terapeuticamente, ensinando a se conhecer, conhecer os outros e conhecer o mundo a qual pertence. Isso pode ser comprovado na Lenda de criação do xadrez, conhecida como a Lenda de Lahur Sessa, lenda que pode ser encontrada na obra de Malba Tahan, "O Homem que calculava".

    Por: Fernando Corrêa manariml Educaçãol 16/03/2015

    1. Por que o regime de ciclos e a progressão continuada são tão criticados? 2. Qual a real eficácia da progressão continuada e quais são os problemas gerados por esta prática? 3. Quais suas implicações políticas? 4. Quais os aspectos negativos deste sistema? 5. Qual o papel do professor, do coordenador e supervisor escolar? 6. Qual a importância da avaliação neste processo?

    Por: EULER DE CASTRO SANTOSl Educaçãol 15/03/2015 lAcessos: 14

    RESUMO A violência é sem duvida, além de uma das grandes preocupações da sociedade, o grande problema a ser enfrentado, principalmente na dura realidade das escolas públicas do Brasil. Atinge a todos na escola, contudo a grande vitima deste problema é o professor, cada vez mais desmotivado e que se encontra quase sempre acuado e de mãos atadas diante do problema. Ocorre de maneira velada e de diversos modos, sendo, obviamente causada pela falta de limites e de ações efetivas para enfrentar o pro

    Por: EULER DE CASTRO SANTOSl Educaçãol 15/03/2015 lAcessos: 13

    Nesta Sociedade de Informação a comunicação assume um papel no desenvolvimento humano como ferramenta de leitura social numa intervenção libertadora na perspectiva social sobre a tecnologia num processo de diminuição das disparidades sociais na criação de políticas publica para a formação de uma cidadania. Atuando numa dimensão social e política através de programas sociais de inclusão digital para reduzir os problemas sociais relativos à marginalização e pobreza

    Por: Daniela Rosseti silval Educaçãol 12/03/2015
    Alinne do Rosário Brito

    O presente artigo tem como finalidade analisar as fases de ensino nas aulas de educação física escolar tendo como base os PCN`S, para facilitar este processo nas instituições de ensino. Portanto é um convite para refletir sobre à pratica pedagógica , ou seja, o processo de alfabetização especificamente no ensino fundamental através deste componente curricular.

    Por: Alinne do Rosário Britol Educaçãol 11/03/2015

    O fundamentalismo islâmico é a maior ameaça a democracia e os direitos humanos desde o fim da Guerra Fria.Esse artigo tem por objetivo expor de forma breve,as suas origens durante o processo de partilha afro-asiática promovida pelos países europeu até a sua expansão na era da globalização sob a hegemonia dos EUA.

    Por: Mauricio Mendes de Oliveiral Educaçãol 09/03/2015
    Marlete Turmina Outeiro

    O artigo conta a história de uma família especifica, que venceram as adversidades e os preconceitos sociais, demonstraram a importância de unir-se em favor de um ideal coletivo, cujo objetivo apresenta memória histórica marco de 1985 a 2011, no Município de Abelardo Luz/SC. Os resultados discorrem a partir de um recorte da obra "A Inclusão Social pela Reforma Agrária: a saga de uma família sem-terra, escrito com base nos fatos que constam no diário da Sra. Rosa Turmina.

    Por: Marlete Turmina Outeirol Educaçãol 07/03/2015 lAcessos: 12

    Sugestões com técnicas de estudo e leitura. Texto destinado a estudantes do ensino médio. pode ser aproveitado por todo leitor

    Por: NERI P. CARNEIROl Educação> Ciêncial 10/08/2014 lAcessos: 31

    A III Conferencia Nacional da Cultura nos propõe algumas reflexões não só sobre cultura, mas principalmente sobre o direito à cultura

    Por: NERI P. CARNEIROl Educaçãol 07/07/2013 lAcessos: 52

    Percebeste o crescimento da violência em nossa sociedade? para minimizar a violência nos tornamos mais violentos. Isso não é novo, apenas evidencia uma característica do ser humano: a crueldade que produz violência. Produz situações de maldade e age violentamente de forma intencional. Não falo apenas pelo que fazem os bandidos, mas também a partir dos tiros da polícia, institucionalisando a violência. Maquiavel e Nietzsche, comentam isso.

    Por: NERI P. CARNEIROl Educaçãol 12/10/2009 lAcessos: 466

    Faço aqui um manifesto ecológico em favor das sacolas de plástico. E não estou louco – a não ser de ira contra os aproveitadores!!! Um equívoco está se alastrando: a necessidade de por fim às sacolas plásticas, no comércio. Isso é engodo em nome do lucro.

    Por: NERI P. CARNEIROl Educaçãol 09/10/2009 lAcessos: 724 lComentário: 1

    Para nós que as enfrentamos ou sofremos suas conseqüências, as crises, catástrofes, cataclismos, tragédias, ou grandes acidentes – depende de como as queiramos denominar – não são bem vindas. Mas as tragédias são o prato principal, do qual se nutre a imprensa e são esperadas ou buscadas – ou fabricadas – para deleite do sensacionalismo, principalmente televisivo. Exemplo típico está ocorrendo agora.

    Por: NERI P. CARNEIROl Educação> Ciêncial 11/05/2009 lAcessos: 396

    No livro de Atos dos Apóstolos encontramos uma das passagens mais controvertidas, discutidas e, ao mesmo tempo, belas, do Novo testamento. Trata-se At, 2,1-11 que se popularizou como fundamentação para a festa do Pentecostes.

    Por: NERI P. CARNEIROl Religião & Esoterismo> Religiãol 22/01/2009 lAcessos: 1,116 lComentário: 2

    Em se tratando de estudos bíblicos nem tudo são certezas e unanimidade. Existem contradições em relação às opiniões e conclusões. Uma delas é em relação a Lucas e à autoria do evangelho de Lucas e os Atos dos Apóstolos. A tradição cristã atribui tanto o texto do quarto Evangelho como o de Atos dos Apóstolos a Lucas, médico mencionado por Paulo em 2Tm 4,11; Cl 4,14 e Fm 24. Alguns autores, entretanto, preferem dizer que ambos são personagens distintos

    Por: NERI P. CARNEIROl Religião & Esoterismo> Religiãol 22/01/2009 lAcessos: 4,255

    A historicidade da Bíblia é, muitas vezes, colocada como argumento de fé. Muitas vezes a Bíblia é usada de forma definitiva, sem considerar elementos simbólicos e textuais que não podem ser desconsiderados. Se for encarada dessa forma tanto a fé como a razão tem que se submeter a algumas contradições textuais que estão presentes no texto bíblico.

    Por: NERI P. CARNEIROl Religião & Esoterismo> Religiãol 22/01/2009 lAcessos: 1,743 lComentário: 1
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast