O Sistema Educacional No Brasil Antes E Depois Da Implementação Da Ldb 9394/96

Publicado em: 28/06/2009 |Comentário: 4 | Acessos: 42,874 |

INTRODUÇÃO

Vale lembrar que alterações curriculares acabam representando objetos de grande destaque para discussão na maioria das reformas no âmbito escolar, talvez por representarem uma etapa de concretude visível ao serem colocadas em prática nas salas de aula, onde os professores e os estudantes são os atores principais.

Apesar deste contexto de particularização do trabalho na escola, dentro das salas de aula, devemos lembrar que a organização escolar envolve idéias, opiniões e tradições advindos de seus vários componentes. Assim, inúmeros são os setores da sociedade (como universidades, grupos de pesquisas, organizações não governamentais, meios de comunicação, etc.) que acabam influenciando na organização da escola e, conseqüentemente, do seu currículo disciplinar. Atualmente, sob a influência de diversos meios como fatores formativos do currículo escolar, a escola tem papel ímpar de formação das políticas do que deve ser ensinado no Brasil, o currículo. Notamos que políticas educacionais brasileiras dos diversos períodos históricos foram influenciadas por regionalismos culturais, socioeconômicos e históricos, levando a diversas reinterpretações dos mais variados documentos oficiais que tinham como objetivo guiar o ensino brasileiro.

Neste contexto, não basta conhecer teoricamente as legislações que permeiam as atividades de ensino. Faz-se necessário saber também sobre o contexto histórico em que as mais diversas iniciativas governamentais foram tomadas, para que se entenda um pouco mais sobre certas características dos diversos períodos do sistema educacional brasileiro e seja possível aproveitar as experiências bem sucedidas, evitando reincidir nos erros passados. Assim, para compreender um pouco das marcas dos movimentos das políticas governamentais em nosso sistema educacional, é válido rever alguns aspectos históricos das principais mudanças educacionais e, principalmente, curriculares.

Importantes ações voltadas para a educação brasileira datam da década de 1930 com a criação do Ministério da Educação e a reforma de 1931, conhecida por Reforma Francisco Campos, com a proposta de ensino voltado para a vida cotidiana, como pode ser notado em trechos no texto sugerindo aplicações da Ciência no dia-a-dia. Em 1942, outra política educacional foi lançada, destacando-se dentre outros aspectos, a reforma dos ensinos secundário e universitário, com a criação da Universidade do Brasil, atual Universidade Federal do Rio de Janeiro em 1945. A chamada Reforma Capanema, assim como a anterior, centrava o ensino em questões do cotidiano, tendo sido considerada por muitos como um sistema educacional que correspondia à divisão econômico-social do trabalho.

Em 1961, surgiu a primeira Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira, a Lei 4024/61 ou simplesmente LDB/61, como resultado do trabalho de dois grupos com orientações de filosofia partidária distinta. Os estatistas eram esquerdistas e defendiam que a finalidade da educação era preparar o indivíduo para o bem da sociedade e que só o Estado deve educar. Os liberalistas eram de centro/direita e defendiam os direitos naturais e que não cabe ao Estado garanti-los ou negá-los, mas simplesmente respeitá-los. Após quase 16 anos de disputa entre essas correntes, as idéias dos liberalistas acabaram representando a maior parte do texto aprovado pelo Congresso. A LDB/61 trouxe como principais mudanças a possibilidade de acesso ao nível superior para egressos do ensino técnico e a criação do Conselho Federal de Educação e dos Conselhos Estaduais, num esquema de rígido controle do sistema educacional brasileiro. A demora para aprovação da LDB/61 trouxe-lhe uma conotação de desatualização e, logo após sua promulgação, outras ações no âmbito de políticas educacionais públicas surgiram, desta vez, inseridas no cenário político de domínio militar. Por exemplo, em 1968, a Lei 5540/68 criou o vestibular e, em 1971, surgiu a Lei 5692/71, conhecida também como LDB/71, cuja função foi atualizar a antiga LDB/61, como resultado do trabalho de membros do governo indicados pelo então Ministro da Educação Coronel Jarbas Passarinho

A LDB/71 definia os currículos como constituídos por disciplinas de obrigatoriedade nacional, escolhidas pelo Conselho Federal de Educação (análogas ao atual núcleo comum). Além disso, os Estados podiam indicar disciplinas obrigatórias em suas jurisdições (análogo à atual parte diversificada do currículo), porém sob rígido controle dos governos estaduais. Também na década de 1970, surgiu uma política de valorização do ensino técnico profissionalizante e, especificamente com relação ao ensino de Química, passou a valer um caráter mais científico da disciplina. Nesta época, o Conselho Estadual de Educação do Estado de São Paulo criou o Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (CEETEPS) para fortalecer o crescimento industrial paulista, pela possibilidade de formação profissional.

Na seqüência das políticas educacionais, em 1996, foi sancionada a Lei 9394/96, a LDB/96, que buscou reestruturar o sistema educacional brasileiro, com regulamentações tanto nas áreas de formação de professores e gestão escolar quanto nas áreas de currículo, a partir do resultado de debates realizados ao longo de oito anos, especificamente entre duas propostas distintas. Uma delas envolvia debates abertos com a sociedade, defendendo maior participação da sociedade civil nos mecanismos de controle do sistema de ensino, enquanto a outra proposta resultava de articulações entre Senado e MEC, sem a participação popular, defendendo o poder sobre a educação mais centralizado, a qual acabou vencendo a "disputa" de idéi. Com a LDB/96, mais uma vez foram modificadas as denominações do sistema de ensino brasileiro que passou a envolver a educação básica que consiste da educação infantil (até 6 anos), ensino fundamental (8 séries do antigo primário) e ensino médio (3 séries); ensino técnico (agora obrigatoriamente desvinculado do ensino médio), além do ensino superior. A LDB/96 é considerada a mais importante lei educacional brasileira e fundamenta as subseqüentes ações dos governamentais no âmbito educacional discutidas a seguir, como os Parâmetros Curriculares Nacionais – Ensino Médio, PCNEM, as Orientações Curriculares Nacionais para o Ensino Médio e a Proposta Curricular do Estado de São Paulo de 2008.

Em 1999, o PCNEM surge como conseqüência da LDB/96 numa proposta visando unir qualidade do ensino e formação de cidadãos aptos ao novo mundo do trabalho globalizado, com a organização do ensino voltado para o desenvolvimento de competências e habilidades nos estudantes. “Competências e habilidades” foram introduzidas como novos paradigmas educacionais e assumiram papel central para discussão da proposta, principalmente entre os professores.

O currículo por competências é um formato integrado, onde as competências não estão intimamente ligadas a um conteúdo específico, mas sim a um conjunto de conteúdos, advindos de disciplinas diversas. Sobre o currículo por competências e habilidades.

 Após a publicação do PCNEM, surgiu, em 2002, com foco no ensino médio, um novo documento: o PCNEM com orientações complementares ao PCNEM, trazendo as competências e habilidades recontextualizadas, ou seja, com esquemas de propostas para o desenvolvimento de conceitos em sala de aula. Apresentado em volumes específicos para as três grandes áreas, o PCNEM+ de certa forma complementava o PCNEM, trazendo os pressupostos teóricos da proposta geral para um nível mais concreto, com uma sugestão para organização curricular, o que os professores, de modo geral, buscavam, com algum grau de definição, para organizar suas aulas em termos de conteúdos curriculares.

Em 2004, foi lançado um novo documento para substituir o PCNEM: as Orientações Curriculares Nacionais para o Ensino Médio que trata de alguns pontos controversos da proposta de 1999, como a idéia de todos os problemas educacionais são resolvidos com reforma curricular e a falta de explicitação de orientações para aplicação dos conceitos de habilidades e competências na sala de aula. Assim, esse novo documento, com vigência atual, coloca em foco mudanças para a reorganização curricular, como a priorização da diversidade cultural dentro da escola, utilizando-se do currículo como complemento às políticas sócio-culturais; as mudanças no enfoque da avaliação (passando de quantitativa para qualitativa) e o estímulo à formação continuada de professores e gestores, dentre outros aspectos.

Como subsídio adicional para organização dos currículos dos ensinos fundamental e médio, surgiu em fevereiro de 2008 a Proposta Curricular do Estado de São de Paulo. Para o ensino médio, esta proposta, coordenada por Maria Inês Fini, foi elaborada por pesquisadores da área de educação que atuam no Estado, juntamente com membros do governo paulista. O material tem volumes específicos para cada disciplina, com organização dividida em 4 bimestres das 3 séries, de acordo com um tema central a ser desenvolvido em conteúdos gerais e específicos.

CONCLUSÃO

A área de pesquisa em políticas públicas no Brasil é grande e cresceu muito na última década onde se observa a criação de vários centros e núcleos de estudo no país, que buscam analisar a questão político-institucional do estado brasileiro na formulação e gestão de políticas sociais sob vários aspectos.

Portanto, trabalhar com políticas públicas exige muita investigação para se chegar aos motivos mais próximos da verdade que ajudem a explicar porque apesar do Brasil possuir uma rede de políticas sociais ainda permanece com tanta desigualdade social, com tantas pessoas passando necessidades diversas que podiam ser atendidas pelo Estado.

A Lei de Diretrizes e Bases da educação Nacional (LDB), promulgada em 1996, é uma lei emanada do Congresso Nacional. Como lei 9.394/96, deve ser cumprida e respeitada. No entanto, para os educadores, deve ser tomada, também, como uma espécie de livro sagrado e, sendo assim, reverenciada.

Na Lei da Educação, são muitas as acepções de aprender que podemos depreender a partir da leitura de seus dispositivos legais referentes à educação escolar, porém a lei pode ser mudada para proporcionar melhorias e um ensino de melhor qualidade.

REFERÊNCIAS

BRASIL. Lei de diretrizes e bases da educação nacional, Lei n° 9.394, de 20 de dezembro de 1996.

 

CARRERI, A. V. Cotidiano escolar e políticas curriculares: táticas entre professores e consumidores. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Educação - UNICAMP, 2007.

 

MARTINS, M. C. A CENP e a criação do currículo de História: a descontinuidade de um projeto educacional. Revista Brasileira de História, vol. 18, n. 36, 1998.

 

PASSOS, R. D. F. O Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (Ceeteps): breve História e perspectivas. Disponível em: http://www.trinolex.com. Acesso em: 10/09/2008. 

BRASIL. Lei de diretrizes e bases da educação nacional, Lei n° 9.394, de 20 de dezembro de 1996.

 

CARRERI, A. V. Cotidiano escolar e políticas curriculares: táticas entre professores e consumidores. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Educação - UNICAMP, 2007.

 

MARTINS, M. C. A CENP e a criação do currículo de História: a descontinuidade de um projeto educacional. Revista Brasileira de História, vol. 18, n. 36, 1998.

 

PASSOS, R. D. F. O Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (Ceeteps): breve História e perspectivas. Disponível em: http://www.trinolex.com. Acesso em: 10/09/2008.

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 16 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/o-sistema-educacional-no-brasil-antes-e-depois-da-implementacao-da-ldb-939496-999011.html

    Palavras-chave do artigo:

    educacao

    ,

    evolucao historica

    ,

    ldb 9394 96

    Comentar sobre o artigo

    Hellen Bessa de Oliveira

    Este trabalho tem como objetivo apresentar uma leitura sobre como está sendo tratada a questão da sexualidade na escola.

    Por: Hellen Bessa de Oliveiral Educação> Educação Infantill 28/05/2013 lAcessos: 140

    Pessoas com necessidades especiais, durante muito tempo, consideradas diferentes ao logo do tempo, numa sociedade discriminatória, A conquista e o reconhecimento de direitos das pessoas se às necessidades do alunado, respeitar o ritmo e os processos de aprendizagem, propondo uma pedagogia centrada nas potencialidades humanas, em com deficiência no Brasil tornaram-se componentes integrantes de políticas sociais a partir da metade do século passado.

    Por: CLEA MARCIA PEREIRA CAMARAl Educação> Ensino Superiorl 14/03/2012 lAcessos: 1,049
    JORGE ELISSANDER N. BALBINO

    Nesse estudo, procurou-se evidenciar a evolução do segmento de educação infantil especificamente no município de Juiz de Fora, Minas Gerais, analisando sobre a educação infantil no Brasil e no município e as relações entre os profissionais da educação infantil.

    Por: JORGE ELISSANDER N. BALBINOl Educação> Ensino Superiorl 16/02/2011 lAcessos: 1,974
    SANDRA VAZ DE LIMA

    A Proposta Pedagógica que fundamenta o trabalho na Educação Infantil em Telêmaco Borba tem em princípio o homem como um ser histórico, intimamente ligado às relações sociais, políticas, históricas e culturais, às contradições e ao movimento que emanam do processo pedagógico.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 15/02/2010 lAcessos: 7,066 lComentário: 4
    SANDRA VAZ DE LIMA

    Historicamente a função de educar, mesmo informalmente, era desenvolvida pela família, igreja, trabalho, lazer e meios de comunicação. A instituição escolar, que oferece a educação formal, surgiu de forma gradativa, ganhando força a partir do século XVI, momento em que a constituição de modo de vida passou a ter um novo contexto social.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educação> Educação Infantill 29/05/2009 lAcessos: 13,263 lComentário: 2
    ANGELA DA SILVA SOARES

    Este trabalho tem como objetivo apresentar um estudo sobre concepção de infância e Educação Infantil, demonstrando a evolução histórica do sentimento de infância e sua repercussão no atendimento às crianças pequenas. As transformações ocorridas no campo da Educação Infantil estão estritamente ligadas à visão que se tem da criança. De um quase anonimato, a criança passa a ser percebida de uma forma romântica e evolui para um sujeito histórico-cultural, com status de cidadão. Diante desse panorama, a Educação Infantil teve que acompanhar as novas especificidades no tratamento destinado às crianças, originando um novo perfil de educador, que tem que se apropriar dos pressupostos pedagógicos necessários para o desenvolvimento de uma prática docente de qualidade.

    Por: ANGELA DA SILVA SOARESl Educação> Educação Infantill 29/07/2009 lAcessos: 91,759 lComentário: 5

    O artigo é uma reflexão preliminar que faz parte de uma pesquisa mais ampla em que se busca investigar a parceria entre setor público e privado na área educacional para uso de material didático apostilado. O estudo se baseia em pesquisas já realizadas sobre o tema e nos dados coletados. A pesquisa inicial demonstra que, em nível global, a parceria público-privada faz parte de um conjunto de estratégias utilizadas pelos governantes para o enfrentamento da crise do capitalismo moderno.

    Por: Neide Pena Cárial Educaçãol 06/07/2011 lAcessos: 785
    ANGELA DA SILVA SOARES

    Este trabalho procura fazer uma discussaõ sobre o processo de inclusão de crianças com deficiência na rede regular de ensino. Partindo de um estudo histórico sobre a evlução do atendimento prestasdo às crianças com deficiência, que culminou com o processo de inclusão escolar.

    Por: ANGELA DA SILVA SOARESl Educaçãol 29/07/2009 lAcessos: 17,905 lComentário: 1

    Contínuas mudanças econômicas, políticas e culturais estão causando grandes transformações no funcionamento das famílias e na educação das crianças na Educação Infantil, em todas as camadas sociais. Estas transformações têm contribuído para uma reorganização e acima de tudo, reflexão crítica aos pressupostos metodológicos que deveriam embasar o ensino da Educação Infantil brasileira, no contexto da prática e avaliação.

    Por: Rosania Richa Virginio de Barrosl Educaçãol 14/10/2009 lAcessos: 7,710 lComentário: 1

    Com o advento da globalização, a educação é tida como o maior recurso de que se dispõe para enfrentar essa nova estruturação mundial. Objetiva-se evidenciar a importância dos alunos encontrarem na escola não só evidências de seu próprio mundo, mas também aparato capaz de os "cunharem" para uma participação social plena e não "fatiada", como sugere o estudo por disciplinas. Jovens e adultos, público cada vez mais informatizado, exige que as disciplinas deixem de ser apresentadas de forma isolada.

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    A expressão artística faz parte da história humana desde os tempos mais remotos. Sendo assim, a Arte é um dos modos de conhecimento ao qual os estudantes devem também ter acesso, assumindo-se como sujeitos capazes de apreciação estética e criação artística, articuladas aos processos e mediações da cultura contemporânea. Diante das mudanças pelas quais o ensino-aprendizagem de Arte passou, vê-se a necessidade de discorrer a respeito da presença desta disciplina no currículo escolar, revendo sua i

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    Sabe-se que a educação é responsável pela formação do aluno enquanto cidadão, de maneira a prepará-lo para a vida em sociedade, para que saiba atuar criticamente nesse meio. Assim, a escola inclusiva busca complementar a formação do aluno por meio das relações de convivência, uma vez que conviver com o diferente é parte desse processo de formação, até porque, como já mencionamos, é na escola que o aluno desenvolve seus aspectos cognitivos, motores e psicológicos.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    As revela à existência de ações políticas e sociais que possam concretizar e promover a efetividade da inclusão social da pessoa com necessidade educacional especial. Vejo que a sociedade deve compreender como se dá o processo de ensino-aprendizagem da criança com Síndrome de Down na Educação Básica, as dificuldades enfrentadas e as possibilidades e mecanismos de reconhecimento e aceitação dessas limitaçõ

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    No processo de inclusão a escola propõe a conviver com o "diferente", aceitá-lo, auxiliá-lo, e muitas vezes aprender algo com essas crianças. Entretanto para oferecer uma inclusão verdadeira é preciso entender as particularidades das crianças, mediar a socialização de forma que todos trabalham para o aprendizado de cada uma delas, em benefício de todos. Pretendo contribuir com as discussões éticas e educacionais que envolvem a formação da criança Down por meio da educação.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    A educação escolar é um dos contextos em que a criança aprende e desenvolve-se nos aspectos cognitivos, emocional e social. Por isso a necessidade de incluir a criança com necessidades especiais na escola, pois atender a todos é parte do processo educativo, por isso a diversidade cultural e outras questões sociais precisam ser vivenciadas também em sala de aula.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    Apresento algumas características que identificam a criança Down, o conceito de Educação Inclusiva e Educação básica, e da diversidade na educação. Relacionam-se aspectos positivos da inclusão da criança Down na Educação Básica e como deve acontecer essa inclusão, enumerando as dificuldades no processo de inclusão da criança Down na Educação Básica. Conceitua-se a Síndrome de Down e sua identificação, bem como o tratamento e a motivação para inserir a criança com deficiência na Educação Básica.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    O estudo realizado teve como foco principal compreender os avanços no processo de construção do conhecimento dos alunos de uma turma de 3º ano, através dos jogos matemáticos, priorizando, desse modo, a ludicidade no ensino. A pesquisa foi desenvolvida durante o estágio realizado pela acadêmica e pesquisadora junto a uma turma de 3º ano.

    Por: Luziane Da Silva Costal Educaçãol 15/12/2014 lAcessos: 11

    O atual artigo propõe refletir os principais aspectos pertinentes à discussão teórica do Estado Nacional, nos aspectos gerais e, a formação filosófica do Estado brasileiro, no aspecto particular.

    Por: Shirley da Rocha Afonsol Educaçãol 12/09/2009 lAcessos: 14,635 lComentário: 3

    Por meio de uma leitura e análise crítica da Lei das Diretrizes e Base da Educação Nacional 9.394/96, apresentando um caráter bibliográfico, a partir dos princípios comentados da nova diretriz relacionada a estruturação do ensino brasileiro e ensino para os jovens. Este trabalho tem como objetivo verificar o que a LDB ressalta a respeito do ensino técnico. Nessa análise, apontam-se a formação do ensino técnico e atuação dos jovens no mercado de trabalho. A conclusão propõe o aprimoramento e educação continuada do profissional de educação.

    Por: Shirley da Rocha Afonsol Educaçãol 12/09/2009 lAcessos: 3,787 lComentário: 1

    Por meio de uma análise crítica da Lei das Diretrizes e Base da Educação Nacional 9.394/96, apresentando um caráter bibliográfico, a partir dos princípios comentados da nova diretriz relacionada a estruturação do ensino brasileiro. Nessa análise, apontam-se as possíveis soluções para uma boa qualidade de ensino/aprendizagem. O estudo discute a formação para a cidadania a partir da escolarização obrigatória, diante desta incongruência encontrada na LDB. A conclusão propõe a superação dessa incongruência pela moral republicana inerente à formação para cidadania no contexto social das liberdades democráticas reforçando o aprimoramento e educação continuada do profissional de educação.

    Por: Shirley da Rocha Afonsol Educação> Educação Infantill 28/06/2009 lAcessos: 15,926 lComentário: 3

    Comments on this article

    7
    Valdeciro Carvalho de Santana 28/04/2011
    gostaria de saber qual a conclusao atual da organizaçao do sistema escolar Brasileiro.
    -2
    bruna 04/03/2011
    isso e muita coisa par ler gostaria que metesse menos coisas para ler looooooool
    buuuuuuur
    3
    vandra 06/12/2010
    parabens pelo excelente trabalho
    3
    deyciane 02/02/2010
    por a ldb nao é publicada pa todos as crianças?
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast