Paulo Freire: Da História Às Concepções Sobre Eja

21/01/2010 • Por • 13,880 Acessos

       Falar em Paulo Freire junto a grupos de educação de adultos é sinônimo de estar engajado em um trabalho de jovens e adultos não escolarizados visando à transformação da realidade daqueles que socialmente se encontravam marginalizados de uma sociedade letrada e, na maioria dos casos, vivendoum processo de exclusão social.

       Paulo Freire, pernambucano, nasceu em Recife, em 19 de setembro de 1921. De familia humilde, teve uma infancia marcada por dificuldades economicas e desde cedo conheceu a pobreza de perto. Foi alfabetizado em casa, por seus pais, escrevendocom gravetos, no chão de terra debaixo das mangueiras do quintal. Como gostava muito de estudar, assim que concluiu a escola secundaria, tornou-se professor. Formou-se em Direito, mas não exerceu a profissão. Optou por se engajar na formação de Jovens e Adultos trabalhadores e por atuar em projetos  de alfabetização. A partir de sua pratica, com uma metodologia diferente, criou uma teoria epistemológica (estudo critico dos métodos empregados nas ciências) que o tornou conhecido internacionalmente.

       No entanto, "tudo começou", no hoje denominado Perído das Luzes da Educação de Adultos - EDA (1959-1964), marcado pelo Congresso de EDA (1958) que se caracterizou pela "intensa busca de maior eficiencia metodologica e por inovações importantes neste terreno, pela reintrodução da reflexão sobre o social no pensamento pedagogico brasileiro e pelos esforços realizados pelos mais diversos grupos em favor da educação da população adulta". (FREIRE, 2001. p.17)

       Participando intensamente desse momento turbulento, Paulo Freire nos traz varios debates sobre a pratica da alfabetização de adultos, numa proposta de pedagogia critico-libertadora que inclui elementos filosoficos fundamentais como a dialogicidade, a leitura da palavra não dissociada da leitura do mundo, a importancia do saber e da cultura do educando, o educando enquanto sujeito de sua historia e tantos outros que estas referencias acabaram por se transformar, no imaginario de muitos educadores, também em um metodo de alfabetizar o alduto.

       Apesar do golpe militar de 1964 e de seu exilio, Paulo Freire continua sua luta por uma educação libertadora nas suas andanças pelo mundo e, no Brasil, nas décadas de 1960 a 1980, os movimentos populares e inumeros militantes continuam seus trabalhos de alfabetização de aldultos na clandestinidade. Momentos extremamente duros, mas que foram muito alimentados pelo ideário e pelas experiencias do grande educador, que mesmo longe não deixava de contribuir para a resistencia de um trabalho politico-social-educativo em um mundo que precisava ser transformado e humanizado.

       A Constituição Federal de 1988 previa em seu artigo 208, inciso 1º, que o Ensino Fundamental fosse obrigatorio e gratuito, inclusive para os que a ele não tiveram acesso em idade própria e,  praticamente, da mesma forma. Em Educação de Jovens e Adultos, a figura do professor  Paulo Freire representava para muitos, e principalmente para aqueles que se constituiram em grupos de resistencia às praticas educativas calcadas no ideario do Mobral, a possibilidade da definição de uma politica que incorporasse a importancia da educação de Jovens e Adultos na transformação social da cidade e não somente uma educação visando o processo produtivo do país.

       Isso porque, "a pratica educativa", reconhecendo-se como "pratica politica", se recusa a deixar-se aprisionar na estreiteza burocratica de procedimentos escolarizantes; lidando com o processo de conhecer, a pratica educativa é tão interessada em possibilitar o ensino de conteúdos às pessoas quanto em sua conscientização.(FREIRE, 1983, p. 27)

       Ao ser anunciado para Secretário de Educação o nome do professor Paulo Reglus Neves Freire- conhecido  pela existência politica de varios dos movimentos existentes -  a expectativa de todos os educadores tornou-se enorme. Os movimentos imediatamente se reuniram e, antes mesmo de iniciar a gestão, lideranças dos movimentos populares discutiam um projeto em que estes tivessem participação mefetiva no processo de Alfabetização de Jovens e Adultos.

       A educação de jovens e adultos é um debate que se concentra na situação de miseria  social, das precarias condiçoes de vida da maioria da população e nos resultados do sistema público regular de ensino, não existindo uma discussão consistente sobre qual educação é necessaria a esse segmento excluido do sistema escolar. [...] Então, qualquer educação oferecida a les já é considerada um dado significativo, usando-se a logica que, aos pobres, qualquer "educação" basta, principalmente dirigindo-se a adultos que pouca possibilidade de aprendizado apresentam. (FREIRE,1996)

       Isto significava, na concepção politico-filosofica de Paulo Freire, uma educação que reconhecia a pluralidade de experiencias que o educando jovem e adulto traz de sua vida, articulando sua vivencia, detectando sua realidade e seus saberes, para a partir deles ampliálos, permitindo uma leitura critica do mundo e uma apropriação e criação de conhecimentos que melhor capacitem o educando à ação transformadora de sua realidade social.

       Para tanto, o processo de formação não foi concebido como mais um trabalho voltado para educadores, mas construido e organizado coletivamente, em busca de uma pratica que avançasse na qualidade desse atendimento e na construção de uma educação pública democratica. Sua palavra chave foi participação, uma lição que os movimentos sabiam ensinar e ensinaram.

       O Brasil deve a Paulo Freire a inclusão na categoria de lutadores sociais de milhões de brasileiros que compreenderam o que é ser sujeito de sua própria historia. Permitiu a um numero expressivo de pessoas que pertenciam aos " de baixo" enxergarem-se como agentes transformadores na busca por uma sociedade mais justa e igualitaria. Deu-lhes a  chance  de escolher seu proprio caminho, em vez  de ficarem sempre presos às alternativas impostas pelas elites para perpetuar sua dominação de classe e a brutal exclusão social que sofrem os trabalhadores no Brasil, e me toda periferia capitalista.

       Já era de se esperar que os interessados em manter seus privilegios e o desinteresse pelas questões politicas e sociais do homem e da sociedade brasileira viram logo no seu "método" um perigo iminente a predominacia dominante do estado atual, uma ameaça sem precedentes a seus valores e instrumentos  de dominação, uma verdadeira "revolta contra o poder constituido", pois se tratava não só de alfabetizar com rapidez e eficacia, mas, estimular o processo de conscientização. O medo das elites se agravava quantomais crescia a aceitação de sua metodologia. Freire se refere a este fenomeno afirmando que "se não tivesse sido interrompido pelo golpe de 64, naquele ano, deveria estar em funcionamente vinte mil circulos da cultura em todo país" (Freire, 1987).

       Paulo Freire como intelectual organico e, mais do que isso, como militante politico, ao colocar seus conhecimentos em pratica, valorizando o homem do povo, aprendendo com a vida, formandoeducadores engajados e respeitadores da experiencia e da sabedoria popular, tranformava valores, atacava o sistema de acesso a cargos e posições sociais, o autoritarismo e a hierarquização nas relaçoes. Revoltava-se contra o poder constituido, do fascinio capitalista, valorizando o homem e a natureza.

       Uma caracteristica do pensar e do agir, da maneira de se relacionar e aprender em Paulo Freire, diz respeito à forma como ele vê o outro. O aprender a ouvir, a valorização dos saberes que vêm da experiencia e da cultura popular, a abertura para o dialogo com os diferentes e com os adversarios para melhor apreenser os antagonismos, são caracteristicas essenciais do projeto educativo de Paulo Freire.

       Por fim, fica claro que o educador sabe que no meio do carater coletivo, convivem elementos de bom senso na experiencia popular, ou seja, a participação exercida como  senso comum de todos. Por outro lado, o dialogo, o aprendizado e o respeito ao saber popular, não podem levar o educador a uma visão copmplacente que não contribua para inflamar o debate e o despertar para descobertas fantasticas. Pois aprender com o  outro, no dialogo com seus semelhantes nos faz perceber que "ninguem educa a ninguem, ninguem tampouco se educa sozinho, os homens e as mulheres se educam entre si, mediatizados pelo mundo". Freire (1993)

Perfil do Autor

LÍVIA FERREIRA

Pedagoga pós graduada em Docencia do Ensino Superior.