Planejamento

16/04/2012 • Por • 676 Acessos

 GLORIA DE DOURADOS-MS

2012

   O autor destaca pontos importantes sobre o Planejamento Educacional, a sua contribuição busca converter - se métodos antigos em novas fontes de conhecimentos. Priorizando essa prática educativa no contexto da realidade social, as possibilidades de superação das injustiças sociais surgirão, objetivando-se a valorização da pessoa humana.

(...), as possibilidades estão dadas na realidade, mas não são automaticamente transformadas em alternativas profissionais. Cabe aos profissionais apropriarem-se dessas possibilidades, é como sujeitos, desenvolve-las transformando-as em projetos e frentes de trabalho. (IAMAMOTO, 1998, p.21).

Esse plano surge como um processo de desenvolvimento da humanidade ao esclarecer um determinado assunto, mesmo dando resultado em longo prazo. Nele aparecem três grandes linhas: o gerenciamento da qualidade total, o planejamento estratégico e o participativo que se somam ao operacional. Cada um deles comporta possibilidades de transformação social ou de conservação dos modelos existentes, utilizando o planejamento como meio organizacional.

 Um dos maiores desafios que o Assistente Social vive no presente é desenvolver sua capacidade de decifrar a realidade e construir propostas de trabalho criativas e capazes de preservar e efetivar direitos, a partir de demandas emergentes no cotidiano. Enfim, ser um profissional propositivo e não só executivo. (IAMAMOTO,1998, p.20)

   O Assistente social tem como objeto de trabalho a questão social, atua no campo das políticas sociais com o objetivo de garantir e viabilizar os direitos da população. No entanto o planejamento deve estar sempre presente na sua atuação, pois implica em transformar e realidade existente, propor novas formas para essa prática profissional, atuar em busca de igualdade e justiça social.

A próxima etapa tem como objetivo facilitar a apresentação na elaboração e processo de um planejamento participativo cientifico e de globalidade com as devidas importâncias de cada passo a seguir:

    Uma Preparação é totalmente necessária se a instituição ou o grupo está iniciando um processo mais globalizado e mais participativo de planejamento. Mais tarde ela pode ser omitida, embora o aprofundamento das questões básicas não seja desagradável nem inútil, para as pessoas, quando for levado a efeito com senso de oportunidade, com clareza e com objetivos bem definidos. O objetivo desta etapa é promover a análise dos pontos básicos de um processo científico e participativo, a fim de que cresça a motivação para o planejamento e para que se possibilite a eficiência nas etapas seguintes.

   Em Elaboração de um marco referencial entende que se trabalha com uma população grande, onde os participantes vão opinar, pelos tópicos escolhidos tendo um marco referencial e a dinâmica da participação, do grupo ou do individuo o material acolhido tem o objetivo de juntar as ideias e compartilhar com todo o grupo ou indivíduo depois avaliar o que esta bem e o que esta mal, aonde irá se destacar um texto onde será corrigido, que será um marco referencial como se faz em uma conferência.

  A programação é mais que necessário se fazem, da parte da coordenação, a precisão e o rigor técnicos. Os conceitos que vamos manejar têm muitas conotações, dificultando o trabalho. Mais é necessário à clareza extrema (ver "A programação"). Talvez se deva aqui retomar, para todos os participantes, os principais conceitos: objetivos, políticas, estratégias, determinações gerais etc. Buscando-se a compreensão das ideias, não tanto das palavras. Para mais elementos técnicos nas Outra forma para elaborar uma programação.  É preciso ter bem definida a duração do plano que se está elaborando, uma vez que se não se pode propor uma ação para um período de tempo que se não esteja determinado (ver "Duração e abrangência de planos e sua relação"). Entretanto para elaboração de uma programação, antes de tudo deve-se conhecer o local onde realizará o evento ou ação, planejar, novas ideias ou critérios sempre avaliando os seus possíveis resultados. Corresponder as perspectiva da ação, no tempo determinado. Portanto um diagnóstico é essencial que o grupo tenha transparência sobre o que seja, Além do que ficou claro na etapa da preparação, é indispensável que seja lembrado de que o diagnóstico não é uma descrição da realidade, mas entender sobre a instituição, Que resulta da comparação de sua realidade presente com a realidade desejada, apresentada no marco operativo. Para a equipe de coordenação, convém retomar o capítulo. A questão do diagnóstico deste livro, diferentemente do que acontece em relação ao marco referencial, a bibliografia sobre o diagnóstico é abundante, embora a maioria do que está escrito para a educação pense de um modo muito pouco produtivo. Trata de grupos ou de instituições pequenas, como escolas. Para instituições maiores não se pode prescindir de uma preparação prévia maior, como se anota nos textos indicados acima. Como sempre, indico algumas técnicas que podem ser substituídas por outras, conforme as necessidades e conveniências.

 É necessário Revisão e prudência, depois de preparados estes textos, do qual o conjunto é um plano global de médio prazo, e fazer uma analise em grupos, com alguns possíveis acertos no texto. De modo suficiente, Em geral umas duas horas e meia de trabalho: meia hora para o estudo final em plenário, 80 minutos de avaliação nos subgrupos e 40 minutos de plenário em que se ouçam os subgrupos, sempre depois de constituir uma opinião para a redação final. Alem de auxiliar e aperfeiçoar alguns pontos é preciso ter Economia minuciosa de pequenas coisas. Este procedimento serve para uma apropriação maior do plano por aqueles que participam. Este roteiro está preparado para se elaborar um plano de médio prazo, com as pessoas participantes reunidas por uma semana ou mais, o que é possível, por exemplo, em escolas e entre outras.

Diante do contexto o tema social escolhido é este:

 Violência Doméstica de Criança e Adolescente a níveis de conhecimentos dos pais nas Escolas pública e privada.

 Violência Doméstica de Criança e Adolescente apresentam várias faces, manifestando-se de maneira estrutural, intrafamiliar, institucional a delinquência, geralmente são provocados pelas pessoas mais próximas à maioria das vezes acontece na família, esses casos é mais visado quando chega à escola, por ser uma Violência física deixando marcas expostas no corpo, já quando se trata de uma Violência psicológica altera os comportamentos das Crianças e do Adolescente, aonde geralmente os educadores vêm a perceber as reações que eles passam ter, por isso a Escola é fundamental para auxiliar os seus direitos. Foi criado um projeto, para ajudar as crianças e adolescentes que tem o seu direito violado, com o intuito de proteger, e defender os seus direitos no ECA Estatuto da Criança e Adolescente, Lei 8.069 13 de Julho de 1990. Ampara no artigo 17. O direito ao respeito consiste na inviolabilidade da integridade física, psíquica e moral da criança e do adolescente, abrangendo a preservação da imagem, da identidade, da autonomia, dos valores, ideias e crenças, dos espaços e objetos pessoais. E no artigo 18. É dever de todos zela pela dignidade da criança e do adolescente, pondo-os a salvo de qualquer tratamento desumano, violento, aterrorizante, vexatório ou constrangedor. Podemos ver que nas Escolas pública e privada crianças e adolescentes estão bem orientados e conscientizado sobre violência doméstica.

O ultimo texto aborda uma analise de programação e objetivos gerais de Planos de curto prazo e setoriais.

O Plano de curto prazo tem que estar elaborado antes do tempo de vigência em nível de planejamento operacional em relação ao planejamento estratégico onde contém uma programação. Pois pode variar o plano de curto prazo pela instituição da sua cultura e de seu tamanho. Plano Setorial refere-se à divisão de uma instituição, em parte subdivididas de setores as diferentes secretarias em relação a um estado ou município. Cada setor estabelece um referencial a sua pratica como meio organizacional, um exemplo é uma escola dividida entre salas de aula, secretária, bibliotecas etc. A mesma esta adaptada a varias formas de aprendizagem e aos profissionais que nelas trabalham. As formas como os setores desenvolvem suas atividades, derivam das metodologias adquiridas, como planejamento, elaboração da programação, estratégias e participação.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS:

Aprenda a usar as Normas da ABNT: Citação (2 de 4)www.tecmundo.com.br › Tutorial.acessado 04/04/2012

   GANDIN,Danilo gandin A Pratica do planejamento:na educação e outras instituições grupos e movimentos dos campos cultural,social,político,religioso e governamental/ Danilo Gandin,19 ed.-petropolis,RJ:vozes,2011

Iamamoto, 1998, p1.

Iamamoto 1998, pg.

Normas Abnt No Word www.slideshare.net/AnneBravo/normas-abnt-no-word

Acessado em 10/04/2012

      Violência doméstica contra crianças: nível de conhecimento dos pais de crianças em escolas pública e privada. Disponível em:

<https://docs.google.com/a/aedu.com/viewer?a=v&pid=explorer&chrome=true&srcid=0B615vhmWOCF -YTM0NDk5YmMtY2I1Zi00MWYyLTgyOTAtYTBkMWFhYmM1OGFm&hl=en_US>

Acessado em 30/03/2012.

Perfil do Autor

ana cristina da cruz santos

ESTAGIARIA DO SERVIÇO SOCIAL GLORIA DE DOURADOS-MS