Prática docente: tradicional ou humanista?

Publicado em: 15/11/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 2,129 |

Zeila Miranda Ferreira

O termo tendência pedagógica será aqui utilizado para se referir à disposição natural e instintiva do professor, em adotar um ou mais modelos educacionais que influenciam e determinam sua prática pedagógica (LIBÂNEO, 1984).

SAVIANI (1983) evidenciou as bases filosóficas presentes na educação brasileira no período de 1930 até 1977. Identificou as tendências pedagógicas, definidas pelo autor como determinações gerais de uma teoria e correntes ou abordagens pedagógicas, as determinações específicas de uma teoria.

O autor distinguiu quatro concepções de educação: concepção humanista tradicional, concepção humanista moderna, concepção analítica e concepção dialética. A partir destas concepções ou tendências, o autor propõe as abordagens: tradicional, comportamentalista, cognitivista, humanista e sócio-cultural, que embasam o processo ensino-aprendizagem e definem a prática pedagógica do professor no país.

Tais concepções nem sempre se explicitam de forma consciente e reflexiva, ou seja, para o autor, o professor parece não ter idéia clara dos princípios básicos dos fundamentos filosóficos e educacionais de sua prática. Muitas vezes, tem-se a impressão de que falta a muitos deles analisar a própria prática para (re)definir como será o seu fazer pedagógico.

Consciente ou não das raízes dos modelos educacionais, é na rotina diária, que o professor explicita entre outros, o que pensa sobre o aluno, o conhecimento, a escola, as relações professor-aluno, a aprendizagem, o ensino, os procedimentos pedagógicos e a avaliação. Ao lidar com estes elementos, o professor nem sempre percebe o cunho filosófico "intencional" que vem influenciando estas concepções, a sua prática pedagógica, suas atitudes, seu relacionamento interpessoal e o que o levou a adotá-los. Esse pensamento é confirmado por LIBÂNEO (1984, p. 25), quando diz que fica claro que o "modo como os professores realizam seu trabalho, selecionam e organizam o conteúdo das matérias, ou escolhem técnicas de ensino e avaliação, tem a ver com pressupostos teórico-metodológicos, explícita ou implicitamente."

De fato, não há como separar os fundamentos filosóficos, da ação de ensinar propriamente dita, pois segundo VÁZQUEZ (1990, p.202), são eles, juntamente com as finalidades, as percepções, as representações ou conceitos, que vão gerar hipóteses, teorias e métodos essenciais, vão direcionar a "escolha" didática e orientar qual é a abordagem pedagógica que fundamentará a ação do professor em sua prática.

A escola está inserida numa sociedade historicamente contextualizada; portanto, ela expressa e explicita os interesses das classes dominantes desta sociedade.  Neste sentido, as práticas escolares têm em sua essência, pressupostos filosóficos diferentes sobre o mundo, o homem e a sociedade, o que geram diferentes concepções sobre o papel da escola, do ensino, da aprendizagem, do professor, do aluno, da metodologia de ensino, da avaliação e da relação professor-aluno.

De acordo com a aplicação diferenciada destes fundamentos teóricos, pelos estudiosos e por grupos de professores em suas práticas, é no processo ensino-aprendizagem que vão sendo "estabelecidas" e efetivadas as tendências ou modelos pedagógicos educativos.

É bom lembrar que, não se pode classificar com rigor, os modelos educacionais revelados pelos professores, como sendo modelos puros ou específicos de uma determinada teoria pedagógica, assim como também não há uma única teoria que explique o fenômeno educativo em sua totalidade. SAVIANI (1983, p.65) explica as contradições:

"Os professores têm na cabeça o movimento e os princípios da escola nova. (...) porém, (...) a realidade em que atuam é tradicional. (...) A essa contradição se acrescenta uma outra: além de constatar que as condições concretas não correspondem à sua crença, o professor se vê pressionado pela pedagogia oficial que prega a racionalidade e a produtividade do sistema e do seu trabalho, isto é, ênfase nos meios (tecnicismo). (...) Aí está o quadro contraditório em que se encontra o professor: sua cabeça é escolanovista, a realidade é tradicional (...)"

Não há dúvidas de que as formas de ensino e suas "imagens" ficaram "gravadas" na memória social dos envolvidos com a educação, assim como os seus reflexos. Afinal, as construções simbólicas do passado ficam impressas e são reproduzidas na sensibilidade pessoal, profissional, histórica e cultural de cada indivíduo. Na docência, isso não é diferente.

Tudo indica que a educação e seus atores vêm carregando por anos a fio a interferência dos aspectos tradicionais no ensino, ainda vivos e presentes na escola, dirigindo e fundamentando a prática dos professores. Nesse sentido, é fundamental que os currículos dos cursos de formação inicial e contínua, possam ser elaborados visando dar ao docente, oportunidades de desenvolver e construir de forma global os diversos âmbitos do saber. Entre esses, o conhecimento sobre os sujeitos que educa, sobre a dimensão cultural, social, política, profissional e didático-pedagógica da educação. Só assim o professor terá critérios e conhecimentos para refletir acerca da própria prática, compreender, analisar e dominar as abordagens que embasam o processo ensino-aprendizagem.

 

Referências Bibliográficas

SAVIANI, Dermeval. "Tendências e correntes da educação brasileira". In:TRIGUEIRO, D.M. (org). Filosofia da educação brasileira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1983.

LIBÂNEO, J.C. "Tendências pedagógicas na prática escolar".  ANDE. n.6. p.11-19. 1984.

VÁZQUEZ, A. S.. Filosofia da praxis. São Paulo: Paz e Terra, 1990.

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/pratica-docente-tradicional-ou-humanista-3672165.html

    Palavras-chave do artigo:

    pratica docente abordagem tradicional abordagem humanista

    Comentar sobre o artigo

    Resumo: A expressão tendência pedagógica refere à disposição natural e instintiva do professor, em adotar um ou mais modelos educacionais que influenciam e determinam sua prática pedagógica. As concepções tradicionais ou transformadoras nem sempre se explicitam de forma consciente e reflexiva para o professor, com clareza dos princípios que embasam sua ação. Cabe ao docente analisar e refletir sobre a própria prática para transformá-la e (re)definir os seus saberes e fazeres pedagógicos.

    Por: Zeila Miranda Ferreiral Educação> Ensino Superiorl 19/11/2010 lAcessos: 2,952 lComentário: 1
    GUTEMBERG MARTINS DE SALES

    RESUMO O objetivo deste artigo é a busca pela compreensão sobre a prática docente da Educação Física no ensino superior. Para tal partiu-se do estudo sobre as noções sobre educação, delineando-se o papel do docente no ensino superior, destacando ainda algumas de suas funções didáticas metodológicas. Tudo isso sem deixar de mencionar sobre o papel e funções do Estado e do governo na universalização brasileira.

    Por: GUTEMBERG MARTINS DE SALESl Educação> Ensino Superiorl 06/07/2011 lAcessos: 313
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Veementemente oposição à chamada pedagogia tradicional, com metodologia diferenciada e conservadora, política e pedagógica na defesa das ideologias das classes sociais, como sustentáculos do modelo econômico.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 10/06/2012 lAcessos: 3,144
    Renan Poggi de Figueredo

    Este artigo vem trazer na sua abrangência uma percepção muito próprias e que Sá inovadoras para o gerenciamento de pessoas nos estados pertencentes a região nordeste especificamente Pernambuco. Esta percepção fundamentada em analise critica e experiências vivenciadas que fundamentaram o levantamento da hipótese defendida, um choque entre a cultura regional versos liderança carismática. Desta forma leva a crer que cada vez mais a liderança carismática é uma ferramenta útil e valorizada .

    Por: Renan Poggi de Figueredol Negócios> Gestãol 24/05/2013 lAcessos: 54

    O presente estudo vem a ser uma resposta que desejo dar a mim mesma desde quando iniciei minha carreira de professora, sempre vi os professores acarretados de tarefas, na preparação de aula, preocupados com novas dinâmicas de ensino para tornar a aula mais interessante, mais atraente aos olhos dos alunos. Como resultado desses esforços sempre via os professores infelizes e desanimados, porque as atividades não foram recebidas como o planejado pelo professor, enfim este teve suas expectativas fru

    Por: MARRUSHl Educação> Educação Infantill 10/06/2012 lAcessos: 438
    Antonio Cunha

    O presente trabalho tem como objetivo, rever as referências teóricas sobre o tema “emancipação” associadas à análise das políticas públicas educacionais adotadas pelo Governo Brasileiro, focando Curitiba-Pr, considerando a desigualdade e a diferença social da clientela das escolas públicas estaduais e federais, diante das demandas sociais e de mercado de trabalho, numa perspectiva de emancipação e esforços públicos.

    Por: Antonio Cunhal Educaçãol 10/08/2009 lAcessos: 4,835

    Este texto tem por objetivo mostrar ao professor que não se deve apenas aprovar ou reprovar o aluno mas sim servir como base para o professor descobrir as dificuldades do aluno e procurar técnicas diferenciadas para ajudar o aluno na aprendizagem.

    Por: João do Rozario Limal Educaçãol 11/04/2008 lAcessos: 96,233 lComentário: 7

    Resumo As modificações que estão ocorrendo no mercado de trabalho hoje em dia têm destacado uma exigência por parte do profissional da informática que vai além de uma formação especialista. Para que haja a formação de um profissional responsável e ético, deve-se incentivar a criatividade, a autonomia e a capacidade crítica, propiciando uma formação profissional com habilidades interpessoais. Como em toda profissão, exige-se um mínimo de convívio social, quer dizer, é impossível para qualquer

    Por: vanessa nascimentol Tecnologia> Tecnologiasl 30/07/2010 lAcessos: 671 lComentário: 2
    Felipe de Souza Ramão

    O livro "Documentos de identidade – Uma introdução às teorias de currículo" é uma excelente análise sobre a história do currículo. Assim, temos desde o período pré-institucionalização do currículo até hoje uma verdadeira multiplicação de perspectivas, tendências e correntes. O interessante é que em todas as fases e momentos as teorias de curículos estão atreladas ao poder, na maioria das vezes ao poder das classes dominantes. Porém, ainda há uma perspectiva de luta!

    Por: Felipe de Souza Ramãol Educação> Ciêncial 18/12/2009 lAcessos: 4,028

    Com o advento da globalização, a educação é tida como o maior recurso de que se dispõe para enfrentar essa nova estruturação mundial. Objetiva-se evidenciar a importância dos alunos encontrarem na escola não só evidências de seu próprio mundo, mas também aparato capaz de os "cunharem" para uma participação social plena e não "fatiada", como sugere o estudo por disciplinas. Jovens e adultos, público cada vez mais informatizado, exige que as disciplinas deixem de ser apresentadas de forma isolada.

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    A expressão artística faz parte da história humana desde os tempos mais remotos. Sendo assim, a Arte é um dos modos de conhecimento ao qual os estudantes devem também ter acesso, assumindo-se como sujeitos capazes de apreciação estética e criação artística, articuladas aos processos e mediações da cultura contemporânea. Diante das mudanças pelas quais o ensino-aprendizagem de Arte passou, vê-se a necessidade de discorrer a respeito da presença desta disciplina no currículo escolar, revendo sua i

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    Sabe-se que a educação é responsável pela formação do aluno enquanto cidadão, de maneira a prepará-lo para a vida em sociedade, para que saiba atuar criticamente nesse meio. Assim, a escola inclusiva busca complementar a formação do aluno por meio das relações de convivência, uma vez que conviver com o diferente é parte desse processo de formação, até porque, como já mencionamos, é na escola que o aluno desenvolve seus aspectos cognitivos, motores e psicológicos.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    As revela à existência de ações políticas e sociais que possam concretizar e promover a efetividade da inclusão social da pessoa com necessidade educacional especial. Vejo que a sociedade deve compreender como se dá o processo de ensino-aprendizagem da criança com Síndrome de Down na Educação Básica, as dificuldades enfrentadas e as possibilidades e mecanismos de reconhecimento e aceitação dessas limitaçõ

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    No processo de inclusão a escola propõe a conviver com o "diferente", aceitá-lo, auxiliá-lo, e muitas vezes aprender algo com essas crianças. Entretanto para oferecer uma inclusão verdadeira é preciso entender as particularidades das crianças, mediar a socialização de forma que todos trabalham para o aprendizado de cada uma delas, em benefício de todos. Pretendo contribuir com as discussões éticas e educacionais que envolvem a formação da criança Down por meio da educação.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    A educação escolar é um dos contextos em que a criança aprende e desenvolve-se nos aspectos cognitivos, emocional e social. Por isso a necessidade de incluir a criança com necessidades especiais na escola, pois atender a todos é parte do processo educativo, por isso a diversidade cultural e outras questões sociais precisam ser vivenciadas também em sala de aula.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    Apresento algumas características que identificam a criança Down, o conceito de Educação Inclusiva e Educação básica, e da diversidade na educação. Relacionam-se aspectos positivos da inclusão da criança Down na Educação Básica e como deve acontecer essa inclusão, enumerando as dificuldades no processo de inclusão da criança Down na Educação Básica. Conceitua-se a Síndrome de Down e sua identificação, bem como o tratamento e a motivação para inserir a criança com deficiência na Educação Básica.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    O estudo realizado teve como foco principal compreender os avanços no processo de construção do conhecimento dos alunos de uma turma de 3º ano, através dos jogos matemáticos, priorizando, desse modo, a ludicidade no ensino. A pesquisa foi desenvolvida durante o estágio realizado pela acadêmica e pesquisadora junto a uma turma de 3º ano.

    Por: Luziane Da Silva Costal Educaçãol 15/12/2014 lAcessos: 11

    O presente artigo pretende analisar o telejornal como recurso didático-pedagógico e tecnológico a ser utilizado por professores do Ensino Fundamental em sala de aula. Tal uso, na perspectiva de construção de conhecimentos contribui para a formação de alunos telespectadores críticos e autônomo.

    Por: Zeila Miranda Ferreiral Educação> Ciêncial 27/11/2010 lAcessos: 460

    Em seu livro, a autora Christine Hine faz a apresentação da investigação que realizou durante os alguns anos e esclarece acerca das concepções, conceitos iniciais da metodologia etnográfica até a escolha do objeto de estudo e de pesquisa por meio da etnografia virtual.

    Por: Zeila Miranda Ferreiral Educação> Ciêncial 20/11/2010 lAcessos: 533

    Ressaltamos a importância dos conhecimentos pedagógicos para o professor da básica para efetivar uma ação pedagógica competente, reflexiva e inovadora. Diante do contexto atual, torna-se urgente rever as propostas de formação inicial dos professores, transformando-as num saber-fazer permanente.

    Por: Zeila Miranda Ferreiral Educação> Ensino Superiorl 19/11/2010 lAcessos: 5,598 lComentário: 1

    Resumo: A expressão tendência pedagógica refere à disposição natural e instintiva do professor, em adotar um ou mais modelos educacionais que influenciam e determinam sua prática pedagógica. As concepções tradicionais ou transformadoras nem sempre se explicitam de forma consciente e reflexiva para o professor, com clareza dos princípios que embasam sua ação. Cabe ao docente analisar e refletir sobre a própria prática para transformá-la e (re)definir os seus saberes e fazeres pedagógicos.

    Por: Zeila Miranda Ferreiral Educação> Ensino Superiorl 19/11/2010 lAcessos: 2,952 lComentário: 1

    A Educação a Distância (EaD), oferece substanciais possibilidades de contribuir com a ressignificação da educação escolar e da formação de professores. Pode oferecer ao docente, oportunidade de estudo, atualização, qualificação, investimento em sua formação contínua em qualquer tempo e lugar, por meio de metodologias diversificadas e mediadas por recursos tecnológicos.

    Por: Zeila Miranda Ferreiral Educação> Ensino Superiorl 19/11/2010 lAcessos: 668

    Refletimos acerca da prática pedagógica do professor-tutor em EaD, do ponto de vista do trabalho do professor, uma atividade educativa, técnica, produtiva, socialmente útil e transformadora, que promove o homem como ser social.

    Por: Zeila Miranda Ferreiral Educação> Ensino Superiorl 18/11/2010 lAcessos: 1,466

    O texto trata do estilo cognitivo compreendido como meio preferido por uma pessoa para processar a informação. O estilo cognitivo é normalmente descrito como uma dimensão da personalidade que influencia atitudes, valores e a interação social. Teoricamente, os estilos cognitivos e de aprendizado podem ser usados para prever que tipos de estratégias ou procedimentos didáticos seriam mais efetivos para um dado indivíduo em sua aprendizagem.

    Por: Zeila Miranda Ferreiral Educaçãol 15/11/2010 lAcessos: 1,707
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast