Pressupostos Teóricos E Metodológicos Da Educação Infantil

Publicado em: 14/10/2009 |Comentário: 1 | Acessos: 7,616 |

 

INTRODUÇÃO:

 

               Este artigo apresenta o resultado de um esforço de reunir uma parte do conhecimento que tem contribuído através, basicamente, de experiências, estudos de tópicos enviados do curso, de livros pesquisados, contatos com profissionais de diversos setores educacionais da Educação Infantil. Coube uma tentativa de síntese interdisciplinar e interprofissional, o que se buscaram dominadores comuns de atividades na teoria social dos grupos e comunidades, analisando assim, a metodologia aplicada no cotidiano das crianças da Educação Infantil, quanto a sua prática e a sua avaliação.

               Após largo hiato de indiferença pelos aspectos democráticos do desenvolvimento, pela formação de lideranças, pelos processos educacionais ancorados aos propósitos estabelecidos, assistimos hoje à promissora renovação das liberdades fundamentais e a um amplo anseio de mudanças e participações, que por si só, bastam justificar a presente apresentação deste artigo.

 

 

 

POLÍTICAS EDUCACIONAIS:

 

 

 

               Política para a Educação Infantil tem uma abordagem histórica. Analisando historicamente, a Constituição e a difusão de instituições de Educação Infantil, trazem elementos para reflexões acerca das recentes políticas públicas de educação e ainda, contribui para a discussão dessas políticas e  de  suas práticas atuais.

              Redigir sobre a Educação Infantil brasileira e no mundo tem trazido uma crescente evolução nas últimas décadas, constata a possibilidade do nascimento de uma Pedagogia da Educação Infantil que apresenta como resposta a várias tensões. Nos anos 70,  o despertar dos novos movimentos sociais, trouxe o tema  para a agenda de suas reinvindicações. Nos anos 80, pressões em diferentes sentidos provocam, de um lado, a expansão da Educação Infantil seguido, de modo geral, um modelo “a baixo custo” e, de outro, a consciência social da Educação Infantil como um direito das crianças à educação e um direito de assistência aos filhos de pais e mães trabalhadoras (Constituição de 1988). As tensões e suas consequências  que se faz  na história contemporânea brasileira como: a fase de expansão durante o governo militar; as inovações trazidas pela Constituição de 1988; o impacto das reformas educacionais contemporâneas. A descrição e análise desses momentos serão efetuadas no contexto de modelos propugnados pelas organizações multilaterais.

              A expansão da educação infantil no Brasil e no mundo tem sido de forma muito crescente, porque a sociedade está mais consciente da importância das experiências na mesma, o que motiva demandas por uma educação institucional.

               Na transição do século XIX para o XX, a escolarização começava também a ser alvo de discurso. Permitiu-se analisar as perespectivas recentes de áreas, indicando no campo pedagógico, o estudo das relações educativas na Educação Infantil, os contornos sociais e as dimensões culturais que constituem os sujeitos – crianças pelos profissionais e suas famílias, e ainda, as políticas sociais.

              O objetivo é entender o contexto social e cultural mais amplo no qual essa questão é mantida sob permanente tensão, em razão de algumas mudanças que marcam acentuadamente o avanço tecnológico brasileiro e que a Educação Infantil está inserida neste contexto social.

              A união destes fatores oferece um movimento da sociedade e de órgãos governamentais para que o atendimento às crianças da Educação Infantil fosse reconhecido na Constituição de 1988. A partir disto, a educação infantil passou a ser um ponto de vista legal, um dever do Estado e um direito da criança (artigo 208, inciso IV). O estatuto da Criança e do Adolescente, de 1990, destaca também o direito da criança a este atendimento.

               Com as mudanças, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação nacional, Lei nº 9.394, promulgada em dezembro de 1996, estabelece de forma incisiva o vínculo entre o atendimento às crianças da Educação Infantil a educação. Apresentam no texto, diversas referências específicas à Educação Infantil.

              A Educação infantil é considerada a primeira etapa da educação básica (título V, capítulo II, seção II, art. 29), tendo como finalidade o desenvolvimento integral da criança até seis anos de idade. O texto legal marca ainda a complementaridade entre as instituições de educação infantil e a família.

              Nesse contexto, os meios audiovisuais entre eles – a televisão – têm compartilhado cada vez mais com a família e com a escola em sua função educativa, ocasionando assim, para ambas, um grande desconforto , fazendo-se necessário mais do que nunca, repensar o lugar social que ocupam.

               Este artigo interessa a todos aqueles que são sensíveis à Educação da Educação Infantil, seja profissional que atua diretamente com as crianças, seja pesquisador que tenha interesse pela temática.

 

 

METODOLOGIA:

 

 

              Com a intenção de buscar um espaço de reflexão que possibilite um avanço de conhecimento e um aprofundamento de investigações sobre a Educação Infantil, temos que ressaltar sempre, as desigualdades entre as crianças, o seu contexto de vida etc.

              Conhecer as teorias e metodologias da Educação Infantil não é um fator isolado. Ela faz presente de um processo que se caracteriza fundamentalmente pela sua pessoalidade. Cada criança faz a sua própria construção, mas em constante troca com o outro, com o mundo em que  vive, com todo o contexto sócio-cultural que o cerca.

              Este artigo procura apresentar a construção de conhecimento que se refere ao ensino na Educação Infantil através de reflexão de criticada prática e de avaliação, ressaltando a importância do vínculo específico professor-aluno, no processo da aprendizagem, que compreende o aprender, o ensinar, o conhecer e o ouvir, através de uma pedagogia onde se exerce o desejo e a decisão.

 

 

 

REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA:

 

 

 

              A reflexão do educador infantil referente à escola, as crianças e a sua prática é fundamental para o aperfeiçoamento e, principalmente, a conscientização a respeito da importância deste artigo.

              Visando sempre a análise, sugerem-se algumas mudanças e/ou passos a serem adotados em um processo de reflexão do trabalho deste educador e a sua convivência com a criança. Além disto, mostra-se a importância que nem sempre os métodos adotados são eficientes para que a criança possa assimilar e com isto, acontecer a aprendizagem, buscando um caminho para que se possa atingir o objetivo da educação.

              O educador, por causa disto, às vezes, tem que modificar esses métodos no momento certo, instigando a  curiosidade de diversas formas, redefinir uma ação pedagógica que possa alcançar o desenvolvimento da criança, sendo sempre coerente ao “mundo” em que esta criança convive.

              Devemos sempre incentivar a criança, para que os objetivos possam ser sempre alcançados e acima de tudo, termos um conhecimento claro das mesmas. Se ocorrerem estes aspectos, estaremos cada vez mais próximos das crianças, acompanhando-as o ato da aprendizagem e da construção constante do seu conhecimento.

 

 

 

 

 

REFLEXÃO SOBRE A AVALIAÇÃO:

 

 

              A partir de estudos de dados coletado, à luz dos estudos teóricos e metodológicos realizados, foi possível destacar duas categorias para a reflexão: avaliação do desenvolvimento da Educação Infantil e as suas práticas de devolução da avaliação.

              Como já defendia Hoffmann (2000, p. 84) “Perceber a criança como centro da ação avaliativa consiste em observá-la curiosamente e refletir sobre o significado de cada momento de convivência com ela”.

              Refletir sobre a criança observando-a diariamente e seu acompanhamento da ação dessa criança deve ir seguido de observações e registros englobando todos os aspectos conjuntamente: campo afetivo, cognitivo e psicomotor. Estes três aspectos são indissociáveis no desenvolvimento infantil.

              Portanto não há como avaliar separadamente cada campo, no caso como ocorreu nos protocolos analisados (anteriormente), onde existe uma forte ênfase na “escolarização precoce”.

              Sem dúvida é urgente fomentar propostas para analisar o significado da avaliação no contexto próprio da Educação Infantil, resgatando seus pressupostos básicos e evitando tenazmente seguir modelos da prática classificatória do ensino.

              Diante do exposto, o ideal é olhar para a avaliação pensando na contribuição que esta venha trazer, desenvolvendo assim, o potencial máximo de cada criança, ampliar o nosso campo de observação e considerar as crianças não isoladamente, mas também, junto a outros aspectos, sobretudo uma atitude que conduz as diferenças das situações e as circunstâncias variadas.

              A avaliação tem servido como instrumento de controle social, pois produz seletividade e exclusão.

              Pode-se romper aos menos parcialmente, com essa visão ao ampliar a compreensão acerca das concepções do processo pedagógico, do acompanhamento da aprendizagem e também, ao repensar a ética e a responsabilidade social que temos como educador em avaliar, o ensinar e o transmitir de forma coerente com eficácia e eficiência, para depois sim, pensar na junção dos dados para cumprir a exigência dos procedimentos de fichas solicitadas pela Secretaria da Educação.

 

 

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS:

             

 

Dessa maneira se exigirá do educador o conhecimento das reações das crianças, percebendo suas tentativas, limites e possibilidades, planejando a ação pedagógica a partir dessas observações e reflexões.

              Concebemos a aprendizagem como resultado de uma construção pessoal e coletiva, que resulta em compreender, manipular e reconstruir os objetos do mundo físico e social que cercam as curiosidades e as relações que as crianças estabelecem entre si.

              Para tanto, a tarefa educativa precisa ser considerada um processo que necessita ser amplamente documentado e analisado. Isto porque, neste processo cada sujeito tem um percurso pessoal e independente, e seu acompanhamento é a única forma de não valorizar apenas o produto final.

              Alguns dos subsídios mais significativos para se compreender a especificidade da ação pedagógica comprometida com a luta pelas transformações sociais é a atividade mediadora que instrumentaliza intencionalmente os educadores para a sua prática social.

              A educação que temos hoje é a expressão das contribuições da sociedade em que vivemos. Lutar pela educação é tratar de lutar também, pela transformação da sociedade, na qual ela está inserida. É a condição para que se restabeleça a devida importância da Educação Infantil.

              Torna-se sempre uma aventura, cabendo enquanto educadores, fazer da educação um instrumento de compreensão, de interpretação, de explicação, de socialização do conhecimento e de transformação da realidade.

              E, finalmente, não existe como o trabalho do educador não esteja inserido dialeticamente na prática e na teoria, e sempre, em busca constante de reformulação e construção de seu próprio pensar e fazer, para que aconteça a aprendizagem, vinculada necessariamente às experiências e vivências das crianças.

              Existem muitas mãos e muitos olhares, abrangendo sempre, uma postura crítica, transformadora da época, onde possa trazer miríades olhares sobre a Educação Infantil das crianças brasileiras.

 

 

 

 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA:

 

- BRASIL, LEIO 9394/96. Diretrizes e Bases da Educação Nacional.

         Setembro de 1996. Editora do Brasil.

- FARIA, S. Histórias e políticas de educação infantil. In: C. Fazolo,

         E., Carvalho, M. C., Leite, M. I., Kramer, S. (orgs.). Educação em

         Curso. Rio de Janeiro: Rival, 1997

- DEIORS, Jaques. Educação: um tesouro a descobrir. São Paulo: Cor-

         Tez Editora, 2001.

- DIDONET, V. Coerência entre avaliação a finalidades da educação

  1.          Infantil. In: Pátio Educação Infantil. Porto Alegre: Artemed Editora,  

         Ano IV, n. 10, 2006.

  1. Brasília: MEC/SEF, 1998   vol. 3.
  2. Da nova LDB ao novo Plano Nacional de Educação: por uma outra política educacional.   Campinas, SP: Autores Associados, 2000.
  3. Brasília: MEC/SEF, 1998   vol. 3.

- BARBOSA, M. C. S. O Acompanhamento das aprendizagens e a avaliação. In: Pátio Educação Infantil. Porto Alegre: Artemed Editora, Ano II, n. 4, p. 16-19, abr/jul, 2004.

- BASSEDAS, E. A Avaliação e a Observação. In: CRAIDY, Carmem M. A Política de Educação Infantil no Brasil. In: Simpósio Nacional de

Educação Infantil, 1, Brasília, 1994. Anais, p 18-21.

- CERISARA, Ana Beatriz A educação infantil e as implicações pedagógicas do modelo Histórico-Cultural. Cadernos CEDES, São Paulo, n.35, p. 65-77, 1995.

- KRAMER, S. A Política do pré-escolar no Brasil: a arte do disfarce. 5. ed. São Paulo: Cortez,

1995.

- PARO, V. H. Parem de preparar para o trabalho!!! Reflexões acerca dos efeitos do neoliberalismo sobre a gestão e o papel da escola básica. In: FERRETTI, C. J. et al. (orgs.) Trabalho, formação e currículo: para onde vai a escola. São Paulo: Xamã, 1999. p.101-120.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/pressupostos-teoricos-e-metodologicos-da-educacao-infantil-1339170.html

    Palavras-chave do artigo:

    educacao

    ,

    reflexao critica da pratica e da avaliacao

    Comentar sobre o artigo

    Esta pesquisa apresenta uma análise sobre atuação do assistente social na Base Aérea de Boa Vista-BABV , tem como objetivo geral compreender a prática, as perspectiva e desafios do profissional Assistente Social na BABV, por meio deste foi definido três objetivos específicos, sendo desvelar os aspectos da história do Serviço Social no Brasil; Relatar a respeito da Força Aérea Brasileira: Espaço Sócio Ocupacional de atuação do assistente social e conhecer sua prática do profissional na BABV.

    Por: tamires almeidal Educação> Ensino Superiorl 21/08/2014 lAcessos: 107
    Telma Lobo

    É inegável a transcendência do trabalho do Orientador Educacional, e cada dia cobra se mais força, nos marcos da comunidade educativa, a necessidade de acrescentar o atendimento a instrumentação na pratica profissional pedagógica, de modo que conduza a obtenção de resultados desejados. Nesse sentido propomos por através deste trabalho, investigar sobre o trabalho do Orientador Educacional na comunidade escolar numa perspectiva mediadora e facilitadora do processo ensino-aprendizagem. Por meio

    Por: Telma Lobol Educação> Ensino Superiorl 04/01/2011 lAcessos: 15,464
    Natália de Souza Cardoso

    O artigo abordou como tema "a inclusão de crianças com síndrome de Down na educação física, com o propósito de mostrar à sociedade de que essas crianças são capazes de participar das aulas de educação física, apesar de todos os problemas que enfrentam no decorrer de sua vida.

    Por: Natália de Souza Cardosol Educação> Educação Infantill 22/08/2011 lAcessos: 1,637
    Paulo marcos Ferreira Andrade

    O presente texto enfoca a temática: O coordenador pedagógico frente aos desafios da gestão democrática.

    Por: Paulo marcos Ferreira Andradel Educação> Ensino Superiorl 04/07/2012 lAcessos: 4,625
    Fernando João de Jesus Santana

    RESUMO Este trabalho foi realizado através da pesquisa de campo, aplicando 30 questionários, que tratará da temática qualidade de vida como fatores sócio ambiental, o qual esta relacionada às questões ambientais, sociais, política, econômicas e culturais que interferem na vida de crianças da Escola Municipal Manoel de Paula Menezes Lima localizada na cidade de Lagarto/se, onde estas crianças e jovens possui uma vulnerabilidade social em linha geral, estas também possui suas condições não razoáve

    Por: Fernando João de Jesus Santanal Educação> Ciêncial 24/07/2011 lAcessos: 504
    Valdec Romero Castelo Branco

    Este artigo tem por objetivo analisar a incumbência do ensino corporativo, a aprendizagem organizacional, a gestão do conhecimento como um grande desafio empresarial contemporâneo. O princípio que pauta essa modalidade de ensino e aprendizagem, leva em consideração as recentes transformações causadas pelo processo de internacionalização das economias em curso, determinam novos valores, alta competitividade e desempenho entre as nações, empresas e profissionais.

    Por: Valdec Romero Castelo Brancol Negócios> Gestãol 20/07/2010 lAcessos: 4,623

    Os incentivos trazidos para a sala de aula, não contempla a necessidade estrutural da sociedade a partir da escola, com a prevenção de formar cidadões e cidadães livres e voltadas a fazer uma nova convivência e se tornar um trabalhador, trabalhadora qualificada para o seu exercício profissional e exercer sua cidadania.

    Por: Jorge Rocha Gonçalvesl Educação> Ensino Superiorl 05/06/2010 lAcessos: 1,649 lComentário: 1
    Ademir Gomes Ferraz

    Este trabalho teve o propósito de investigar a etnomatemática aplicada no uso do ofício de pedreiro no município de Arcoverde – PE, bem como analisar a problemática da prática versus teoria. Nestes casos buscamos responder como verificamos a importância da pratica no dia-a-dia do uso de um profissional que, ou não tinha nenhuma ou tinha alguma escolaridade sem, no entanto, haver passado, na escola, pela aplicação da matemática na vida real.

    Por: Ademir Gomes Ferrazl Educação> Ensino Superiorl 09/03/2011 lAcessos: 2,008 lComentário: 1

    Apresentação de algumas questões referentes à formação docente universitária, mas precisamente, identificar as atitudes na prática docente que o transforme em um intelectual transformador. Para isso, foi tomado como base legal a legislação atual sobre a formação de professsor universitário. Destacou-se os processos seletivos nas universidades de âmbito públicas e privadas no Munícipio de Niterói, do Estado do Rio de Janeiro. Evidenciou-se as concepções de docente como intelectual transformador.

    Por: Ana Paula Moreira Machadol Educação> Ensino Superiorl 21/05/2009 lAcessos: 12,818 lComentário: 6
    SANDRA VAZ DE LIMA

    A Proposta Pedagógica que fundamenta o trabalho na Educação Infantil em Telêmaco Borba tem em princípio o homem como um ser histórico, intimamente ligado às relações sociais, políticas, históricas e culturais, às contradições e ao movimento que emanam do processo pedagógico.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 15/02/2010 lAcessos: 7,047 lComentário: 4

    Este artigo analisa de forma breve a teoria das Representações sociais, realizada por alguns estudiosos que contribuíram para a o avanço das representações sociais, bem como, os teóricos que tinham como base as investigações de como as pessoas transformam os conhecimentos científicos em conhecimento de senso comum na década de 60, e também a forma como adota a perspectiva comunicativa "genética" na apreensão do conhecimento veiculado a dinâmica do cotidiano.

    Por: Elizabeth Almeida dos Santosl Educaçãol 14/10/2014
    Erineia nascimento da Silva

    Resumo O aumentou consideravelmente do número de alunos especiais matriculados no ensino regular foi de aproximadamente 70% em 2014, em relação aos anos anteriores. Essa chegada dos alunos nas instituições públicas de ensinos promoveu serias mudanças de paradigmas em todos os profissionais da educação, mas seguiu junto um profissional fundamental na implementação desse novo olhar sobre a educação especial e principalmente sobre a inclusão.

    Por: Erineia nascimento da Silval Educaçãol 10/10/2014

    O SENAI (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) ajuda a milhões de brasileiros todos os anos através de seus Cursos Gratuitos oferecendo modalidades presenciais ou EAD (Ensino a Distância) para realização dos mesmos. Conheça alguns cursos grátis para 2015

    Por: sitesjoaoepaulol Educaçãol 09/10/2014

    A avaliação na Escola Ciclada já vem redefinida, ou seja, já está incorporada com novas idéias e nas aspirações, sua perspectiva está muito além de atribuir uma nota por simples burocracia institucional ou por simplesmente conferir o que foi "aprendido" ou não.

    Por: Delimar da S. F. Magalhãesl Educaçãol 02/10/2014

    A MATEMÁTICA E A MÚSICA POSSUEM LAÇOS MUITO FORTES DESDE A ANTIGUIDADE E O INTERESSANTE É QUE TEM MUITOS ALUNOS QUE GOSTAM DE MÚSICA E DIZEM QUE NÃO GOSTAM DE MATEMÁTICA. ENTÃO, SENDO ASSIM, É BEM INTERESSANTE MOSTRÁ-LOS A ELES ESTA FORTE RELAÇÃO.

    Por: Josimara L. Furtado dos Santosl Educaçãol 02/10/2014 lAcessos: 11

    A transformação social trespassa a capacidade e preparação braçal de um trabalhador, e se funde além dessa capacidade acadêmica. Todo este saber se interage e com o conhecimento científico adquirido nos muros de uma universidade. Na atual movimentação social, se faz necessário um conjunto de fatores que contribuem para que se prepare alguém com conhecimento que lhe propicie enfrentar os

    Por: Clarice Gomes Silval Educaçãol 01/10/2014

    Os alunos têm muita dificuldades na disciplina de matemática, sendo assim, neste artigo foram descritas algumas ideias básicas para se ter sucesso em matemática. Já que esta disciplina está tão presente no cotidiano das pessoas, então é muito bom que os alunos levem mais a sério ao aprender a trabalhar com a matemática.

    Por: Josimara L. Furtado dos Santosl Educaçãol 01/10/2014

    Esta investigação teve como propósito o estudo sobre o dilema da teoria social, por meio de pesquisas bibliográficas e documental, com base nos artigos científicos de Dalbosco (2010), Carvalho (2013), Lília (2009), Morigi (2004), Netto (2012 e Maia in Connell (2009). Assim, este trabalho abordou sobre os dilemas que implicam a teoria social nas questões de definição do método que é um dos problemas centrais e polêmicos da teoria social, sua relação entre o estado de natureza e o estado social e

    Por: Carla Anne Marques Fariasl Educaçãol 28/09/2014 lAcessos: 18

    Palavras-chaves: Teoria, Intervenção, Aprender, Diagnóstico, Tratamento, Atuação do Psicopedagogo, Computador.

    Por: Rosania Richa Virginio de Barrosl Educaçãol 13/10/2009 lAcessos: 7,912

    Comments on this article

    0
    ediana lopes 15/04/2011
    todos esses artigos são ótimos.adorei todos os temas abordados.ediana lopes capistrano.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast