Reflexões Em Paulo Freire

Publicado em: 23/03/2009 |Comentário: 1 | Acessos: 3,863 |

Em sua concepção bancária da Educação, Paulo Freire, revela o lado conteudista e reprodutivista do ensino. Sua visão crítica apresenta o atual modelo de docência como mero reprodutor de conceitos  e reverberador de uma ação docente embasada no objeto passivo, ou seja, tem o aluno como mero receptáculo de conteúdos, anulando-o como indivíduo pensante capaz de interagir com o professor na ação de produzir o conhecimento. 

Esta reflexão levanta questões muito profundas sobre a maneira como o ensino é transmitido, e, de como esse mesmo ensino é assimilado pelo educando. Considerando que o professor conforme nos descreve o escritor é a peça fundamental do processo em detrimento dos alunos, " objetos pacientes, ouvintes" ( Freire, 1987, p. 33); o ensino é apenas um depositar contínuo de informações que seguem sempre uma mesma direção traçada metodologicamente com a finalidade de conceder aprendizagem por meio da memorização e repetição daquilo que foi depositado na mente dos alunos. 

Segundo Paulo Freire, essa narrativa ininterrupta de conteúdos que é apresentada pelos educadores aos alunos, inviabiliza o processo de troca recíproca de saberes adquiridos e de crescimento do indivíduo como ser pensante, o que é danoso para o desenvolvimento de uma mentalidade dinâmica e afeita a mudanças paradigmáticas. Nesta visão, o sujeito que se deixa encher como mero recipiente de vontades alheias é o escravo-sujeito da ação desastrosa dos agentes do não pensar.  

O instrumento capaz de criar a mudança dentro desta concepção seria a ação de ser, de estar imiscuído no processo como ator e não como ouvinte. Os alunos devem ser reconhecidos como pessoas que fazem, que criam, que transformam-se através da dialética professor-aluno num intercambio de possibilidades infinitas. Caso contrário, afirma Freire (1987, p.33): "não há criatividade, não há transformação, não há saber". 

A Educação que aliena o indivíduo da realidade de produzir o saber, de se portar como um dos atores do processo é tudo menos Educação. Como o próprio Freire(1987, p33) define: "verbosidade alienada e alienante. Daí que seja mais som que significação". A apresentação de conteúdos de aprendizagem que visam apenas reproduzir as verdades que o professor concebe como absolutas e inalteráveis, sem espaço para a discussão ou para a discordância dos mesmos, em vez de possibilitar a dinamicidade da produção do conhecimento, engessa as mentes e torna o educando um fantoche obediente e passivo diante de seu mestre - 'poço profundo de conhecimento'!   

Uma das palavras que se encaixam perfeitamente nas palavras do renomado mestre em foco, seria o termo alteridade. Somente o reconhecimento das possibilidades do outro, da humanidade do outro, das capacidades do outro poderiam fazer a diferença no processo de educar. A Educação que desumaniza o sujeito cria mentes robotizadas, incapazes de reagir criticamente no mundo; e, portanto, objetos da manipulação e do controle dos que se julgam os donos do saber. 

A educação bancária de Freire aponta para a coisificação do ser humano através da manutenção da idéia de que alguns são mais sábios( professores) e os outros ignorantes(alunos). Os primeiros, por esta razão, precisam transmitir seu conhecimento porque se julgam superiores aos demais, perpetuando desta maneira o que Freire(1987, p.33) classificou de: "ideologia da opressão, absolutização da ignorância e alienação da ignorância". 

Tal educação, segundo o autor, é a arma dos opressores e a mola mestra que sustenta toda engrenagem de controle e domínio na sociedade. Enquanto existirem os ingênuos adestrados pelos experts ultramegasábios, que no afã de perpetuarem sua ação despótica, criam meros depositários de conteúdos sem nenhuma criticidade; existirá uma sociedade inebriada por um assistencialismo barato e insano, e também por uma ‘generosidade hipócrita' - carro chefe dos mantenedores do atraso e da incipiência das massas desqualificadas para o jogo dos tempos hodiernos.  

Notas Bibliográficas:

FREIRE, Paulo.Pedagogia do oprimido. 17.ed. Rio de Janeiro, Paz eTerra,1987. 

Blog:

http://pedagogiaemrevista.blogspot.com/

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/reflexoes-em-paulo-freire-830329.html

    Palavras-chave do artigo:

    pedagogia

    ,

    educacao bancaria

    ,

    dominacao

    Comentar sobre o artigo

    Janaina Silveira

    O presente artigo constitui-se um estudo acerca das relações paradoxais que existem entre escola e educação popular no Brasil na década de 1970. Ocorreu por meio de pesquisa bibliográfica onde foi investigada a literatura pedagógica no campo educacional para que essa fosse capaz de subsidiar a elaboração de um panorama histórico da educação popular nos anos 1970. Assim apresentam-se as concepções de escola de Louis Althusser e Antonio Gramsci e analisa-se a concepção e as características da educ

    Por: Janaina Silveiral Educaçãol 09/03/2011 lAcessos: 1,216
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Pelo contrário não sendo, favorece a outras ações políticas planejadas ideologicamente pelo sistema denominação. As ideologias de domínio não podem ser transmitidas pela lógica da sociedade produtiva.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 19/08/2013 lAcessos: 52
    ANTONIO PEREIRA DA SILVA FILHO

    Este artigo faz uma reflexão sobre o pensamento de Paulo Freire sobre a educação.

    Por: ANTONIO PEREIRA DA SILVA FILHOl Educaçãol 15/02/2011 lAcessos: 1,528
    Elizeu Vieira Moreira

    Reflete sobre habilidades de conversação em construir relações sociais saudáveis ​​e produtivas e os homens entre eles ea natureza, partindo do princípio que os alunos possam aprender a viver assuntos para transformar o mundo em co-laboração. Considera que a negação de habilidades de conversação causada pela educação bancária leva à desunião dos oprimidos entre si e com outros sujeitos da sociedade, contribuindo para a pedagogia da exclusão.

    Por: Elizeu Vieira Moreiral Educação> Ciêncial 29/06/2011 lAcessos: 268

    Este artigo tem como finalidade apresentar as formas de comunicação e linguagem da elite e da classe trabalhadora tal como elas atuam na sociedade e sua influência na educação.

    Por: Rogério Dantas de Souzal Educaçãol 07/05/2009 lAcessos: 6,805
    Wilian Junior

    Este estudo tem por finalidade tecer algumas considerações sobre a Educação e o ensino de História na Educação de Jovens e Adultos (EJA).

    Por: Wilian Juniorl Educação> Ensino Superiorl 21/01/2011 lAcessos: 2,678
    Elizeu Vieira Moreira

    Mais uma vez e como sempre aconteceram nas leis educacionais anteriores à atual LDB, a Educação de Jovens e Adultos (EJA) continua sendo negligenciada. Essa modalidade de ensino, no projeto de LDB da Câmara dos Deputados, aponta ara um currículo centrado na prática social, no trabalho e metodologia de ensino-aprendizagem adequado a um amadurecimento e experiência do aluno.

    Por: Elizeu Vieira Moreiral Educaçãol 21/05/2013 lAcessos: 37
    Edjar Dias de Vasconcelos

    O próprio método pedagógico já é em si um dos fatores do entendimento para a modificação da sociedade. Saber é mudar, e mudar é revolucionar.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 06/07/2012 lAcessos: 615

    As políticas sociais no Brasil têm funcionado como um artifício pelo qual o Estado minimiza as tensões sociais e lutas de classes. Nesse sentido, atendem apenas de forma limitada ao grande contingente de excluídos que delas dependem cotidianamente, conformando a pouca efetividade social e sua subordinação a interesses políticos e econômicos. Dentre as conseqüências criadas por este modelo econômico e político, está à população infanto-juvenil de rua que é uma das mais claras expressões d

    Por: Rodrigo Bravinl Educação> Educação Infantill 28/07/2010 lAcessos: 2,055 lComentário: 1

    A tecnologia mais especificamente a tecnologia de informação e comunicação assume papel no desenvolvimento humano como ferramenta de leitura e práxis social numa intervenção libertadora na perspectiva social sobre a tecnologia num processo de diminuição das disparidades sociais na criação de políticas publica para a formação de uma cidadania. Atuando numa dimensão social e política através de programas sociais de inclusão digital para reduzir os problemas sociais relativos à marginalização e pob

    Por: Daniela Rosseti silval Educaçãol 02/03/2015
    Didasko Centro Educacional

    Sempre vemos muita gente com muitas dúvidas sobre a funcionalidade do ENEM,segue explicativo.

    Por: Didasko Centro Educacionall Educaçãol 26/02/2015
    Genilda Vieira Rodrigues

    Este artigo tem por objetivo apresentar estudos aprofundados sobre a educação inclusiva dando ênfase à questão envolvida no que se refere ao trabalho do professor com alunos portadores de deficiência. No decorrer da produção serão expostos conceitos de Educação Especial e Educação Inclusiva pontuando o saber fazer e o aprender diante das dificuldades encontradas em trabalhar com alunos portadores de necessidades especiais, ressaltando ainda mostrar alguns dos recursos e as estratégias utilizados

    Por: Genilda Vieira Rodriguesl Educaçãol 21/02/2015

    Propriedade vocabular é muito importante na hora de redigir o texto, uma vez que saber empregar as palavras mais adequadas no momento enriquece muito o conteúdo do texto e, além disso, torno-o mais clara e objetivo. Mesmo que o texto seja um mero exercício escolar, antes de construí-lo, pergunte-se: para quem escrevo? O tipo de receptor determina a forma de sua mensagem. Um panfleto dirigido a crianças precisa ter uma linguagem fácil, direta, sem rebuscamento.

    Por: Professor Leol Educaçãol 19/02/2015

    Quando se ouve falar em educação, pensamos em escola, em educação formal. E quando o assunto é família temos vários pensamentos. Educação e Família são dois temas bastante complexos, porque educação é muito mais que escolarização, letramento e formação, sendo que família é a instituição mais antiga da sociedade e sofre constantes transformações. Ambas tem a função de socializar e transformar o homem biológico em um ser social.

    Por: Alexandrina M. P. de Fariasl Educaçãol 16/02/2015

    Propostas Pedagógica e a Participação da Família no Resultado. A progressão escola é um instrumento que pode mudar a realidade desses estudantes que estão fora da faixa etária escolar. Determinadas escolas contemplam dentro do seu projeto político pedagógico, o sistema de progressão. Para que funcione a progressão em uma escola é necessário que haja engajamento por parte dos docentes, dos estudantes e da família. É importante ressaltar, que a família também tem um papel fundamental...

    Por: Elonir dutra terral Educaçãol 13/02/2015

    Diante dos agravos causados pela violência doméstica, tais entraves se estendem também ao processo educacional da criança e adolescente. Por outro lado, esta situação nem sempre é conhecida pelos seus educadores no campo acadêmico, causando assim uma lacuna no campo da avaliação pedagógica que, muitas vezes, abrangem somente o campo intelectual. Este trabalho tem por objetivo fazer uma análise sobre os impactos da violência doméstica no processo ensino-aprendizagem.

    Por: Jiane Martins Soaresl Educaçãol 12/02/2015
    ÁUREA MARIA SOARES LIMA

    A educação é um direito humano substancial, e como tal, precisa ser garantido universalmente. As conquistas das mulheres brasileiras em relação á educação, vêm crescendo consideravelmente e com isso, reduzindo significativamente o analfabetismo. O número de mulheres no mercado de trabalho cresceu gradativamente e isso ocorreu devido à determinação para conquistar seu espaço, milímetro a milímetro, dentro e fora de casa, e especialmente do empenho em subir novos degraus de instrução.

    Por: ÁUREA MARIA SOARES LIMAl Educaçãol 10/02/2015 lAcessos: 12
    Geovani Figueiredo dos Santos

    O artigo aborda questões éticas e morais que norteam o debate sobre os rumos do evangelicalismo denominacional na atualidade.

    Por: Geovani Figueiredo dos Santosl Religião & Esoterismo> Evangelhol 04/10/2009 lAcessos: 105
    Geovani Figueiredo dos Santos

    O artigo aborda questões sobre dominação e controle das massas por aqueles que perpetuam o status quo numa sociedade de marginalizados. Baseado na obra de Paulo Freire,procuro demonstrar os instrumentos de controle que subjazem nas intencionalidades vigentes deste país, instrumentos que em vida, Freire combateu.

    Por: Geovani Figueiredo dos Santosl Educaçãol 27/09/2009 lAcessos: 99
    Geovani Figueiredo dos Santos

    O texto pondera algumas questões referentes à pratica docente em seu cotidiano e a necessidade de contextualização do profissional engajado na ação de educar.

    Por: Geovani Figueiredo dos Santosl Educaçãol 26/03/2009 lAcessos: 1,927 lComentário: 1
    Geovani Figueiredo dos Santos

    Reflexão sobre a influência da cultura ao longo do processo sócio-histórico brasileiro e as suas repercussões sobre a sociedade e a educação.

    Por: Geovani Figueiredo dos Santosl Educaçãol 23/03/2009 lAcessos: 155

    Comments on this article

    1
    Aparecida Nascimento 13/06/2009
    Sou uma grande admiradora do pensamento Freiriano. Impossível falar em educação sem remetermos ao grande legado que Paulo Freire nos deixou. Parabéns pelas reflexões.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast