Reflexões Em Paulo Freire

Publicado em: 23/03/2009 |Comentário: 1 | Acessos: 3,856 |

Em sua concepção bancária da Educação, Paulo Freire, revela o lado conteudista e reprodutivista do ensino. Sua visão crítica apresenta o atual modelo de docência como mero reprodutor de conceitos  e reverberador de uma ação docente embasada no objeto passivo, ou seja, tem o aluno como mero receptáculo de conteúdos, anulando-o como indivíduo pensante capaz de interagir com o professor na ação de produzir o conhecimento. 

Esta reflexão levanta questões muito profundas sobre a maneira como o ensino é transmitido, e, de como esse mesmo ensino é assimilado pelo educando. Considerando que o professor conforme nos descreve o escritor é a peça fundamental do processo em detrimento dos alunos, " objetos pacientes, ouvintes" ( Freire, 1987, p. 33); o ensino é apenas um depositar contínuo de informações que seguem sempre uma mesma direção traçada metodologicamente com a finalidade de conceder aprendizagem por meio da memorização e repetição daquilo que foi depositado na mente dos alunos. 

Segundo Paulo Freire, essa narrativa ininterrupta de conteúdos que é apresentada pelos educadores aos alunos, inviabiliza o processo de troca recíproca de saberes adquiridos e de crescimento do indivíduo como ser pensante, o que é danoso para o desenvolvimento de uma mentalidade dinâmica e afeita a mudanças paradigmáticas. Nesta visão, o sujeito que se deixa encher como mero recipiente de vontades alheias é o escravo-sujeito da ação desastrosa dos agentes do não pensar.  

O instrumento capaz de criar a mudança dentro desta concepção seria a ação de ser, de estar imiscuído no processo como ator e não como ouvinte. Os alunos devem ser reconhecidos como pessoas que fazem, que criam, que transformam-se através da dialética professor-aluno num intercambio de possibilidades infinitas. Caso contrário, afirma Freire (1987, p.33): "não há criatividade, não há transformação, não há saber". 

A Educação que aliena o indivíduo da realidade de produzir o saber, de se portar como um dos atores do processo é tudo menos Educação. Como o próprio Freire(1987, p33) define: "verbosidade alienada e alienante. Daí que seja mais som que significação". A apresentação de conteúdos de aprendizagem que visam apenas reproduzir as verdades que o professor concebe como absolutas e inalteráveis, sem espaço para a discussão ou para a discordância dos mesmos, em vez de possibilitar a dinamicidade da produção do conhecimento, engessa as mentes e torna o educando um fantoche obediente e passivo diante de seu mestre - 'poço profundo de conhecimento'!   

Uma das palavras que se encaixam perfeitamente nas palavras do renomado mestre em foco, seria o termo alteridade. Somente o reconhecimento das possibilidades do outro, da humanidade do outro, das capacidades do outro poderiam fazer a diferença no processo de educar. A Educação que desumaniza o sujeito cria mentes robotizadas, incapazes de reagir criticamente no mundo; e, portanto, objetos da manipulação e do controle dos que se julgam os donos do saber. 

A educação bancária de Freire aponta para a coisificação do ser humano através da manutenção da idéia de que alguns são mais sábios( professores) e os outros ignorantes(alunos). Os primeiros, por esta razão, precisam transmitir seu conhecimento porque se julgam superiores aos demais, perpetuando desta maneira o que Freire(1987, p.33) classificou de: "ideologia da opressão, absolutização da ignorância e alienação da ignorância". 

Tal educação, segundo o autor, é a arma dos opressores e a mola mestra que sustenta toda engrenagem de controle e domínio na sociedade. Enquanto existirem os ingênuos adestrados pelos experts ultramegasábios, que no afã de perpetuarem sua ação despótica, criam meros depositários de conteúdos sem nenhuma criticidade; existirá uma sociedade inebriada por um assistencialismo barato e insano, e também por uma ‘generosidade hipócrita' - carro chefe dos mantenedores do atraso e da incipiência das massas desqualificadas para o jogo dos tempos hodiernos.  

Notas Bibliográficas:

FREIRE, Paulo.Pedagogia do oprimido. 17.ed. Rio de Janeiro, Paz eTerra,1987. 

Blog:

http://pedagogiaemrevista.blogspot.com/

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/reflexoes-em-paulo-freire-830329.html

    Palavras-chave do artigo:

    pedagogia

    ,

    educacao bancaria

    ,

    dominacao

    Comentar sobre o artigo

    Janaina Silveira

    O presente artigo constitui-se um estudo acerca das relações paradoxais que existem entre escola e educação popular no Brasil na década de 1970. Ocorreu por meio de pesquisa bibliográfica onde foi investigada a literatura pedagógica no campo educacional para que essa fosse capaz de subsidiar a elaboração de um panorama histórico da educação popular nos anos 1970. Assim apresentam-se as concepções de escola de Louis Althusser e Antonio Gramsci e analisa-se a concepção e as características da educ

    Por: Janaina Silveiral Educaçãol 09/03/2011 lAcessos: 1,201
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Pelo contrário não sendo, favorece a outras ações políticas planejadas ideologicamente pelo sistema denominação. As ideologias de domínio não podem ser transmitidas pela lógica da sociedade produtiva.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 19/08/2013 lAcessos: 44
    ANTONIO PEREIRA DA SILVA FILHO

    Este artigo faz uma reflexão sobre o pensamento de Paulo Freire sobre a educação.

    Por: ANTONIO PEREIRA DA SILVA FILHOl Educaçãol 15/02/2011 lAcessos: 1,517
    Elizeu Vieira Moreira

    Reflete sobre habilidades de conversação em construir relações sociais saudáveis ​​e produtivas e os homens entre eles ea natureza, partindo do princípio que os alunos possam aprender a viver assuntos para transformar o mundo em co-laboração. Considera que a negação de habilidades de conversação causada pela educação bancária leva à desunião dos oprimidos entre si e com outros sujeitos da sociedade, contribuindo para a pedagogia da exclusão.

    Por: Elizeu Vieira Moreiral Educação> Ciêncial 29/06/2011 lAcessos: 261

    Este artigo tem como finalidade apresentar as formas de comunicação e linguagem da elite e da classe trabalhadora tal como elas atuam na sociedade e sua influência na educação.

    Por: Rogério Dantas de Souzal Educaçãol 07/05/2009 lAcessos: 6,789
    Wilian Junior

    Este estudo tem por finalidade tecer algumas considerações sobre a Educação e o ensino de História na Educação de Jovens e Adultos (EJA).

    Por: Wilian Juniorl Educação> Ensino Superiorl 21/01/2011 lAcessos: 2,643
    Elizeu Vieira Moreira

    Mais uma vez e como sempre aconteceram nas leis educacionais anteriores à atual LDB, a Educação de Jovens e Adultos (EJA) continua sendo negligenciada. Essa modalidade de ensino, no projeto de LDB da Câmara dos Deputados, aponta ara um currículo centrado na prática social, no trabalho e metodologia de ensino-aprendizagem adequado a um amadurecimento e experiência do aluno.

    Por: Elizeu Vieira Moreiral Educaçãol 21/05/2013 lAcessos: 30
    Edjar Dias de Vasconcelos

    O próprio método pedagógico já é em si um dos fatores do entendimento para a modificação da sociedade. Saber é mudar, e mudar é revolucionar.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 06/07/2012 lAcessos: 589

    As políticas sociais no Brasil têm funcionado como um artifício pelo qual o Estado minimiza as tensões sociais e lutas de classes. Nesse sentido, atendem apenas de forma limitada ao grande contingente de excluídos que delas dependem cotidianamente, conformando a pouca efetividade social e sua subordinação a interesses políticos e econômicos. Dentre as conseqüências criadas por este modelo econômico e político, está à população infanto-juvenil de rua que é uma das mais claras expressões d

    Por: Rodrigo Bravinl Educação> Educação Infantill 28/07/2010 lAcessos: 2,038 lComentário: 1

    Com o advento da globalização, a educação é tida como o maior recurso de que se dispõe para enfrentar essa nova estruturação mundial. Objetiva-se evidenciar a importância dos alunos encontrarem na escola não só evidências de seu próprio mundo, mas também aparato capaz de os "cunharem" para uma participação social plena e não "fatiada", como sugere o estudo por disciplinas. Jovens e adultos, público cada vez mais informatizado, exige que as disciplinas deixem de ser apresentadas de forma isolada.

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    A expressão artística faz parte da história humana desde os tempos mais remotos. Sendo assim, a Arte é um dos modos de conhecimento ao qual os estudantes devem também ter acesso, assumindo-se como sujeitos capazes de apreciação estética e criação artística, articuladas aos processos e mediações da cultura contemporânea. Diante das mudanças pelas quais o ensino-aprendizagem de Arte passou, vê-se a necessidade de discorrer a respeito da presença desta disciplina no currículo escolar, revendo sua i

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    Sabe-se que a educação é responsável pela formação do aluno enquanto cidadão, de maneira a prepará-lo para a vida em sociedade, para que saiba atuar criticamente nesse meio. Assim, a escola inclusiva busca complementar a formação do aluno por meio das relações de convivência, uma vez que conviver com o diferente é parte desse processo de formação, até porque, como já mencionamos, é na escola que o aluno desenvolve seus aspectos cognitivos, motores e psicológicos.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    As revela à existência de ações políticas e sociais que possam concretizar e promover a efetividade da inclusão social da pessoa com necessidade educacional especial. Vejo que a sociedade deve compreender como se dá o processo de ensino-aprendizagem da criança com Síndrome de Down na Educação Básica, as dificuldades enfrentadas e as possibilidades e mecanismos de reconhecimento e aceitação dessas limitaçõ

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    No processo de inclusão a escola propõe a conviver com o "diferente", aceitá-lo, auxiliá-lo, e muitas vezes aprender algo com essas crianças. Entretanto para oferecer uma inclusão verdadeira é preciso entender as particularidades das crianças, mediar a socialização de forma que todos trabalham para o aprendizado de cada uma delas, em benefício de todos. Pretendo contribuir com as discussões éticas e educacionais que envolvem a formação da criança Down por meio da educação.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    A educação escolar é um dos contextos em que a criança aprende e desenvolve-se nos aspectos cognitivos, emocional e social. Por isso a necessidade de incluir a criança com necessidades especiais na escola, pois atender a todos é parte do processo educativo, por isso a diversidade cultural e outras questões sociais precisam ser vivenciadas também em sala de aula.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    Apresento algumas características que identificam a criança Down, o conceito de Educação Inclusiva e Educação básica, e da diversidade na educação. Relacionam-se aspectos positivos da inclusão da criança Down na Educação Básica e como deve acontecer essa inclusão, enumerando as dificuldades no processo de inclusão da criança Down na Educação Básica. Conceitua-se a Síndrome de Down e sua identificação, bem como o tratamento e a motivação para inserir a criança com deficiência na Educação Básica.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    O estudo realizado teve como foco principal compreender os avanços no processo de construção do conhecimento dos alunos de uma turma de 3º ano, através dos jogos matemáticos, priorizando, desse modo, a ludicidade no ensino. A pesquisa foi desenvolvida durante o estágio realizado pela acadêmica e pesquisadora junto a uma turma de 3º ano.

    Por: Luziane Da Silva Costal Educaçãol 15/12/2014 lAcessos: 11
    Geovani Figueiredo dos Santos

    O artigo aborda questões éticas e morais que norteam o debate sobre os rumos do evangelicalismo denominacional na atualidade.

    Por: Geovani Figueiredo dos Santosl Religião & Esoterismo> Evangelhol 04/10/2009 lAcessos: 105
    Geovani Figueiredo dos Santos

    O artigo aborda questões sobre dominação e controle das massas por aqueles que perpetuam o status quo numa sociedade de marginalizados. Baseado na obra de Paulo Freire,procuro demonstrar os instrumentos de controle que subjazem nas intencionalidades vigentes deste país, instrumentos que em vida, Freire combateu.

    Por: Geovani Figueiredo dos Santosl Educaçãol 27/09/2009 lAcessos: 97
    Geovani Figueiredo dos Santos

    O texto pondera algumas questões referentes à pratica docente em seu cotidiano e a necessidade de contextualização do profissional engajado na ação de educar.

    Por: Geovani Figueiredo dos Santosl Educaçãol 26/03/2009 lAcessos: 1,919 lComentário: 1
    Geovani Figueiredo dos Santos

    Reflexão sobre a influência da cultura ao longo do processo sócio-histórico brasileiro e as suas repercussões sobre a sociedade e a educação.

    Por: Geovani Figueiredo dos Santosl Educaçãol 23/03/2009 lAcessos: 152

    Comments on this article

    1
    Aparecida Nascimento 13/06/2009
    Sou uma grande admiradora do pensamento Freiriano. Impossível falar em educação sem remetermos ao grande legado que Paulo Freire nos deixou. Parabéns pelas reflexões.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast