Resenha Do Contrato Social De Rousseau

Publicado em: 06/09/2009 |Comentário: 0 | Acessos: 33,528 |

ROUSSEAU, Jean-Jacques: O contrato Social (Título original Le Contrat Social revisado por Antonio Carlos Marquês) trad. Pietro Nasseti  20° ed. São Paulo -SP  Martin Claret, 2001. 128p

O autor é filósofo e músico de origem suíça natural da cidade de Genebra, considerado como um dos principais pensadores do século XVIII, e um dos principais críticos do movimento iluminista, no entanto sua forma de pensar influenciou fortemente a estética da escola romântica. Como escritor publicou várias obras entre eles O Discurso Sobre a Origem e Fundamento da Desigualdade entre os homens, A Nova Heloísa, Emílio entre outros.

A presente obra propõe para todos os homens refaçam um novo contrato social onde se defenda a liberdade do homem baseado na experiência política das antigas civilizações onde predomina o consenso e dessa forma garantir os direitos de todos os cidadãos. Este tratado se desdobra em quatro livros.

No primeiro livro “Onde se indaga como passa o homem do estado natural ao civil e quais são as condições essenciais desse pacto” (p.23-37) mostra como acontece a passagem do homem natural ao artificial e coloca os principais pontos essenciais para que exista esse contrato e Rousseau desenvolve esse livro  em nove capítulos.

No primeiro capitulo é abordado o objetivo central do livro que o homem é livre por natureza, apresenta uma questão como ele perdeu essa liberdade que é nata de todo ser humano e logo em seguida coloca uma de como o homem recupera sua liberdade tema que é tratado em todo livro.

No quarto capítulo o autor condena a escravidão do homem, pois o direito e a escravidão são palavras paradoxais entre si mesmas, por isso uma anula a outra. No quinto capitulo diz que o povo é que escolhe os seus representantes e forma de governo que acha melhor por meio de uma convenção.

No sexto capitulo os homens como uma forma de defesa contra aqueles que visam fazer o mau, surge no meio da multidão um grupo de homens se juntam e fazem um pacto social para se defenderem. No sétimo capitulo mostra um pouco sobre o papel do soberano, e como este deve agir para que a soberania do povo não seja prejudicada.

No oitavo capítulo mostra o principal motivo que leva o homem a passagem de estado natural para o civil, pois cada homem sente a necessidade de adquirir uma liberdade moral, pois somente desse modo todo homem se sente no direito em si. No nono capítulo coloca quais são as principais condições para pessoa ser dono de um terreno que são: ninguém habite nesse terreno; que ocupe somente o necessário para subsistência, tome posse não pela cerimônia, mas pelo trabalho; são os únicos sinais de propriedade que se deve respeitar.

No segundo livro “Onde se trata da legislação” (p.39-61), nesse livro Rousseau apresenta a parte jurídica do estado do Estado Civil e ela se desmembra em 12 capítulos. No primeiro capítulo apresenta que a soberania do povo é indivisível porque a vontade declarada é um ato de soberania e faz lei e o segundo motivo não  é mais que uma vontade particular por causa de um decreto.

No terceiro diz que a vontade geral não erra, só vai errar se for iludido por alguns demagogos, mas em sua essência ela é infalível. No quarto capítulo mostra um pouco sobre o limite do poder do soberano para que este não acabe com a soberania ou a vontade geral do povo.  No quinto capítulo coloca a questão da pena de morte. No sexto apresenta o conceito que Rousseau entende sobre lei que é a condição essencial para associação civil, pois o povo é submisso dela porque foi ele que criou.

No sétimo mostra o papel do legislador no Estado. No oitavo ao décimo trata sobre o povo trabalhando a questão territorial sobre a constituição e outro. No décimo primeiro apresenta os diversos sistemas de legislação. No décimo segundo coloca algumas divisões nas leis que encontram nesse Estado.

O livro terceiro “As formas de Governo” (p 63-97), nesse livro Rousseau mostra os principais pontos deste tratado, as formas de governo possíveis que pode ser encontrado. Este livro se desdobra em 18 capítulos.

No primeiro apresenta o conceito geral de governo e diz que a ação livre tem duas causas uma é a moral (vontade que determina o ato e a física que é a potencia que executa) mostra o conceito de poder legislativo que é a vontade de querer, e o executivo que executa essa vontade coloca a questão da extensão do Estado, diz que o governo deve ser o intermediário entre o povo e o soberano.

No segundo fala sobre o principio que constitui as diversas formas de governo, onde o corpo de magistrado pode ser composto de maior ou menor número de membro, e diz que a força total do governo e Estado nunca varia e que quanto maior o magistrado mais fraco é o governo.

Na terceira apresenta as formas de governo que são a democracia, aristocracia e monarquia. No quarto diz que a democracia só é possível juntar o povo com facilidade, ele salienta que nesse estado deve haver igualdade de classe, e a fortuna deve ser a mesma e não existir luxo nessa sociedade.

No quinto apresenta a aristocracia e coloca como um governo que requer menos virtudes do que a popular, a moderação dos ricos e o contentamento dos pobres, e se admite certa desigualdade nas fortunas.

No sexto é abordado o sistema de governo monárquico, nesta somente um individuo representa o ser coletivo de maneira de unidade moral que constitui a unidade física. No sétimo diz que o governo misto é a pior forma de governo, pois é mais fácil de ter uma revolução e conseqüente virar um caus.

No oitavo diz que cada forma de governo é diferente da outra apresenta os exemplos de como cada forma de governo funciona melhor. Na democracia ela é bom em cidades pequenas, aristocracia em Estados médios e a monarquia em Estados grandes. No nono diz que o principal objetivo da sociedade política é a conservação da propriedade de seus membros e ele consegue através com o número de sua população, ou seja, quando diminui esse número o Estado está fadado acabar.

No décimo mostra como o abuso de alguns governos pode degenerar o Estado. No décimo primeiro diz que o corpo político como o homem morre logo que trás consigo sua destruição. O Estado é uma obra de arte e ela pode prolongar se o homem quiser. No décimo segundo ao décimo terceiro mostra que o Estado se manter não deve  ter uma grande quantidade de população exemplo de Roma teve uma grande população acabou  se extinguindo e a autoridade soberana é simples e não pode ser destruído.

No décimo quarto o povo está legitimamente ligado junto ao corpo do soberano o executivo e determina o povo que deve ter horror aos chefes que são  desvelos, fazer forte objeções aos que são avaros e fracos de espírito, no entanto o povo deve ser amante do reparo da liberdade.

No décimo quinto Rousseau condena os deputados e outros representantes que dizem que são a favor do povo, no entanto só está preocupado com seu próprio bolso. No décimo sexto apresenta a idéia de instituição do governo é cumprir dois pontos que é estabelecer a lei e a execução dela. No décimo sétimo o autor apresenta meios de prevenir a usurpação do governo. O décimo oitavo os cidadãos são iguais e devem fazer tudo que está  precristo.

No quarto e último livro Jean Rousseau termina colocando com que age na democracia baseado no método político de algumas civilizações entre elas a grega e romana.

A obra é um subsidio para os estudantes de Filosofia, Ciência Política e Ciências Sociais.

No Plano Estrutural usa o método histórico comparativo além de muita especulação filosófica.

A linguagem da obra é ambígua é necessário o leitor ter muita atenção, pois sua escrita não simples.

Enfim, esse tratado é na verdade uma utopia política, pois ele propõe que o homem viva em sociedade, no entanto sem perder sua liberdade, esse tipo de pensamento é totalmente contraditório, pois como é possível que o homem exercer sua liberdade sem que este prejudique o próximo? É uma questão que o autor não responde no seu livro.

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 12 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/resenha-do-contrato-social-de-rousseau-1202200.html

    Palavras-chave do artigo:

    contrato social

    ,

    cidadania

    ,

    vontade geral

    Comentar sobre o artigo

    Este artigo aponta que é possível desenvolver Políticas Públicas na efetivação da garantia dos direitos da população LGBT. A impossibilidade da população LGBT de participar da vida ativa da cidade é negar o direito à igualdade de oportunidades. As cercas sociais existentes na cidade demonstram a falta de conhecimento do quanto ela não está adaptada ao homem. O caminho percorrido pelo Serviço Social é remeter a discussão ao âmbito da profissão, mas sem cometer o chamado messianismo profissional.

    Por: Solange Massaril Direitol 31/08/2009 lAcessos: 1,430
    frei fernancio

    O presente trabalho tem como objetivo discutir a participação popular na Lei Orgânica do Município de Lagoa de São Francisco. Teve como inspiração a prática política participativa com as lideranças comunitárias da cidade Lagoa de São Francisco desmembrada de Pedro II, em 1995. Neste artigo busca compreender os direitos que são necessários para aplicar o Cidadania com a necessidade de conhecer os direitos. O Estado significa poder tirado do povo com objetivo de criar leis e depois proibir atos qu

    Por: frei fernanciol Direitol 20/07/2009 lAcessos: 1,681
    Laine Reis Araújo

    Vivenciamos momentos de grandes transformações no cenário mundial. Cenário de transformações políticas, econômicas e sociais acontecimentos que diz respeito às diversas áreas do governo e também ao conjunto da sociedade brasileira. As Procuradorias Gerais Estaduais atuam buscando a defesa do interesse público impõe a verificação da eficiência do serviço ou a utilidade do ato administrativo, ainda que legítimo, exigindo a sua modificação ou supressão, em virtude de ser ineficiente inútil.

    Por: Laine Reis Araújol Direito> Doutrinal 17/07/2013 lAcessos: 63

    RESUMO Nos primeiros anos do século XXI, a sociedade brasileira aponta para a necessidade de transformação das relações sociais, convém refletir sobre a cidadania não como um reconhecimento de direitos, mas na busca por meios para executá-los. É importante compreender como este conceito se modifica ao longo da história e como influencia na formulação de políticas de Assistência.

    Por: Flavia Mattosl Direito> Legislaçãol 14/12/2013 lAcessos: 68

    A posse é um dos assuntos mais controvertidos na doutrina civilista. Um dos pontos ainda não sedimentados em relação à posse é o reconhecimento de sua função social, assunto este abordado no presente trabalho. Para tamanha pretensão, não se pode prescindir da ligação da posse (autônoma ou causal) com o direito de propriedade, ligação essa que promove o entendimento de que a função social reconhecida em relação à propriedade deve ser também feita em relação à posse.

    Por: MARIANAl Direitol 06/01/2015 lAcessos: 17

    Capítulos fichados do livro Ciência Politica de Paulo Bonavides Ciência Política. São Paulo: Malheiros, 2011. Capítulos: 3, 4, 5, 6, 8, 9, 10,11,12,13,14 COm o intuito melhor absorção do conteúdo dos capítulos a medida que linca-se de forma sistemática os principias tópicos de cada capitulo

    Por: Camila Cantanhede Lunal Direitol 30/05/2014 lAcessos: 140

    A singular formação do Estado Brasileiro, desde suas origens mais remotas, fundada nas raízes do Império Português, vem sido tratada por uma ampla parcela da teoria política nacional como resultado de um processo histórico no qual se verifica uma forte tendência em considerar nossa gestação como fruto de uma consolidada ordem patrimonial de cariz medievo. A temática do "patrimonialismo", cuja matriz teórica remonta à exsurgência do uso dos conceitos do jurista e sociólogo alemão Max Weber e qu

    Por: SEBASTIÃO FERNANDES SARDINHAl Educação> Ciêncial 14/05/2010 lAcessos: 425

    O acesso e conhecimento das diversas fontes de financiamento para empreendimentos são, de certa maneira, restritos e pulverizados. Neste artigo foram coletadas diversas fontes de financiamento com seus principais objetivos, aplicações e endereços na internet para consulta mais detalhada. Foram também coletadas instituições que incentivam e financiam projetos no terceiro setor (Assistência Social). www.sombreart.com.br - Sombreart - Seus melhores momentos na Sombra

    Por: kleber tercilio vicenzil Finanças> Créditol 28/06/2010 lAcessos: 3,206 lComentário: 1
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A teoria do Direito natural e do contrato ou jusnaturalismo, mostra na prática, a evidência de uma grande inovação, pelo menos formalmente do pensamento político, não se fala mais em comunidade mais sociedade.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 09/08/2013 lAcessos: 42
    Genilda Vieira Rodrigues

    Este artigo tem por objetivo apresentar estudos aprofundados sobre a educação inclusiva dando ênfase à questão envolvida no que se refere ao trabalho do professor com alunos portadores de deficiência. No decorrer da produção serão expostos conceitos de Educação Especial e Educação Inclusiva pontuando o saber fazer e o aprender diante das dificuldades encontradas em trabalhar com alunos portadores de necessidades especiais, ressaltando ainda mostrar alguns dos recursos e as estratégias utilizados

    Por: Genilda Vieira Rodriguesl Educaçãol 21/02/2015

    Propriedade vocabular é muito importante na hora de redigir o texto, uma vez que saber empregar as palavras mais adequadas no momento enriquece muito o conteúdo do texto e, além disso, torno-o mais clara e objetivo. Mesmo que o texto seja um mero exercício escolar, antes de construí-lo, pergunte-se: para quem escrevo? O tipo de receptor determina a forma de sua mensagem. Um panfleto dirigido a crianças precisa ter uma linguagem fácil, direta, sem rebuscamento.

    Por: Professor Leol Educaçãol 19/02/2015

    Quando se ouve falar em educação, pensamos em escola, em educação formal. E quando o assunto é família temos vários pensamentos. Educação e Família são dois temas bastante complexos, porque educação é muito mais que escolarização, letramento e formação, sendo que família é a instituição mais antiga da sociedade e sofre constantes transformações. Ambas tem a função de socializar e transformar o homem biológico em um ser social.

    Por: Alexandrina M. P. de Fariasl Educaçãol 16/02/2015

    Propostas Pedagógica e a Participação da Família no Resultado. A progressão escola é um instrumento que pode mudar a realidade desses estudantes que estão fora da faixa etária escolar. Determinadas escolas contemplam dentro do seu projeto político pedagógico, o sistema de progressão. Para que funcione a progressão em uma escola é necessário que haja engajamento por parte dos docentes, dos estudantes e da família. É importante ressaltar, que a família também tem um papel fundamental...

    Por: Elonir dutra terral Educaçãol 13/02/2015

    Diante dos agravos causados pela violência doméstica, tais entraves se estendem também ao processo educacional da criança e adolescente. Por outro lado, esta situação nem sempre é conhecida pelos seus educadores no campo acadêmico, causando assim uma lacuna no campo da avaliação pedagógica que, muitas vezes, abrangem somente o campo intelectual. Este trabalho tem por objetivo fazer uma análise sobre os impactos da violência doméstica no processo ensino-aprendizagem.

    Por: Jiane Martins Soaresl Educaçãol 12/02/2015
    ÁUREA MARIA SOARES LIMA

    A educação é um direito humano substancial, e como tal, precisa ser garantido universalmente. As conquistas das mulheres brasileiras em relação á educação, vêm crescendo consideravelmente e com isso, reduzindo significativamente o analfabetismo. O número de mulheres no mercado de trabalho cresceu gradativamente e isso ocorreu devido à determinação para conquistar seu espaço, milímetro a milímetro, dentro e fora de casa, e especialmente do empenho em subir novos degraus de instrução.

    Por: ÁUREA MARIA SOARES LIMAl Educaçãol 10/02/2015 lAcessos: 11
    ÁUREA MARIA SOARES LIMA

    O direito de trabalhar, obter formação intelectual e de atuar no cenário político do País, nem sempre foi concedido às mulheres. As mulheres que queriam reverter esta situação, buscando conquistar funções que tradicionalmente não lhes cabiam, devido à sociedade patriarcal, eram ridicularizadas e até difamada. A luta das mulheres brasileiras pelo reconhecimento de seus direitos políticos e civis é secular; a emancipação feminina nas ultimas décadas do séc. XIX era vista pelos mais diversos setore

    Por: ÁUREA MARIA SOARES LIMAl Educaçãol 10/02/2015 lAcessos: 15
    Carlos Henrique Araújo

    Não haverá uma educação de qualidade se não houver uma reforma do ensino no país. Um pacto entre a sociedade e os seus representantes políticos em prol de uma verdadeira reforma do ensino nacional deveria ser estabelecido. Na minha percepção, a reforma do ensino é a mãe de todas as reformas.

    Por: Carlos Henrique Araújol Educaçãol 03/02/2015 lAcessos: 12

    A presente resenha apresenta os principais pontos trabalhado por Montesquieu sobre o que ele entende sobre o Espírito das Leis.

    Por: Vicente Vagner Cruzl Notícias & Sociedade> Polítical 09/05/2011 lAcessos: 9,491

    O presente texto visa discutir a construção do método fenomenológico elaborado pelo filosofo alemão Edmund Husserl, e como esse método pode ser aplicado na parte metodológica do professor no momento em que elabora sua didática em sala de aula. Por isso a importância de conhecer esse método pelos professores de qualquer área do conhecimento como uma possibilidade da utilização esse método para melhor elaborar a sua didática e possibilitar a construção do conhecimento do discente.

    Por: Vicente Vagner Cruzl Educaçãol 07/09/2010 lAcessos: 1,383

    O sociólogo Carlos Benedito Martins apresenta o que é Sociologia, e mostra o seu conceito contraditório sobre essa ciência, que abre para a diversidade de interpretação.

    Por: Vicente Vagner Cruzl Notícias & Sociedade> Cotidianol 17/07/2010 lAcessos: 17,753

    A presente resenha mostra a visão do Antropologo Carlos Brandão sobre o que ele pensa sobre a educação.

    Por: Vicente Vagner Cruzl Educação> Ensino Superiorl 06/06/2010 lAcessos: 13,624 lComentário: 1

    O presente texto visa apresentar as idéias centrais debatida por ZUIN sobre o seu livro o trote na universidade em que por ocasião do ingresso de muitos jovens na universidade teve vários trotes em que levaram vários calouros à morte. O trote universitário que antes devia ser um rito de passagem para que os jovens calouros se tornem amigo dos veteranos em que conhecem uma nova forma de socialização com os outros (veteranos) se torna um rito de passagem marcado pela violência física e moral.

    Por: Vicente Vagner Cruzl Educação> Ensino Superiorl 01/04/2010 lAcessos: 966

    A presente resenha do livro faz uma reflexão sobre de como a didática do professor ajuda reproduzir a hostilidade entre professor e aluno. E isso mostra-se presente nas comunidades do orkut. A resenha contribui para a reflexão dos professores e que estes precisam revisar sua atitude diante de sala de aula.

    Por: Vicente Vagner Cruzl Educação> Ensino Superiorl 31/03/2010 lAcessos: 1,394

    A presente resenha apresenta um texto que é pouco conhecido dos leitores brasileiros sobre o tratado sobre a Educação, que não afasta muito da sua tese do imperativo categorico, em que mostra como os pais devem educar os seus filhos. Uma leitura essencial para todos aqueles que fazem licenciatura.

    Por: Vicente Vagner Cruzl Educaçãol 11/01/2010 lAcessos: 1,452

    O presente texto visa apresentar a resenha de um livro escrito por Fernando Henrique Cardoso falando sobre sua experiencia política, e diz o que é necessário que o jovem faça para se transforma um bom político.

    Por: Vicente Vagner Cruzl Notícias & Sociedade> Polítical 30/12/2009 lAcessos: 2,040 lComentário: 1
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast