Sete De Setembro

Publicado em: 30/01/2009 |Comentário: 1 | Acessos: 2,399 |

Sete de Setembro






            Dia Sete de Setembro de 1822, dia da Independência do Brasil, dia em que às margens do rio Ipiranga, D. Pedro I deu o famoso grito “Independência ou morte!”. No Brasil o dia Sete de Setembro foi transformado em feriado nacional e é celebrado com desfiles por todo o território. O desfile de sete de setembro era obrigatório na época que o Edevânio estudava. A população prestigiava em peso, margeando toda a Avenida Celso Ramos, da Delegacia à Prefeitura, para ver o desfile, que tradicionalmente era aberto pela Banda do 62º Batalhão de Joinville.


Os desfiles implicitamente externavam qual classe social os alunos pertenciam. Vamos começar pelo ápice da pirâmide para que você entenda melhor. Na parte superior estavam os alunos com maior poder aquisitivo/econômico, ou seja, eram aqueles alunos convidados para desfilarem fantasiados de: D. Pedro I, D. Pedro II, Princesa Leopoldina, Princesa Isabel, Tiradentes, José Bonifácio, Rui Barbosa, enfim toda a nobreza imperial e os heróis da república. Logo abaixo estava os da classe média que geralmente abriam os pelotões como balizas, porta-bandeiras e não podemos esquecer da fanfarra. Neste grupo os alunos menos favorecidos não eram totalmente excluídos, mas só podiam participar se fossem patrocinados por alguém. O desfile ganhava volume e beleza, quando era completado pela classe dos alunos menos favorecidos , que era a grande maioria. Naquela época, os alunos não ganhavam uniformes e tinham que comprar. Os uniformes novos tinham que ser azul e branco e o calçado era a famosa conga, que também tinha nas cores, azul e branco. Mas havia também uma classe menos favorecida ainda, que geralmente não podia comprar o tal uniforme, então eram fantasiados de índios para participarem do desfile, e neste seleto grupo estavam presentes nossos heróis destemidos, Edevânio e Elízio, isto mesmo, o Edevânio e o seu primo Ida, aquele que deu no pé, no primeiro ano lembram?


Mas como tudo tem um fim, os dias do Edevânio desfilar de Índio terminaram, não que ele tenha vergonha da sua classe social ou de usar as roupas de índio que sua mãe fazia, ainda que aquela sainha rodeada de penas o deixasse muito constrangido. Acontece que ele foi promovido e agora ele fazia parte de um outro grupo, onde ele iria desfilar pelo time infantil do CTG, um clube muito conhecido em Garuva nas décadas de 70 e 80. Estava todo orgulhoso, levantou bem cedo, pois mal conseguiu dormir, se arrumou sem que sua mãe se preocupasse e foi ao clube. Chegando lá ganhou uma camisa, um shorts, meias e pela primeira vez na vida calçou um par de chuteiras, e aguardava ansioso para sair dali, formar o pelotão e desfilar.


O ex-indiozinho já estava na fila e tudo estava pronto para o desfile, quando derrepente seu sonho começou a se tornar um pesadelo. Quando todos já estavam vestidos e prontos para começar a desfilar, uniu-se ao grupo o filho do prefeito, e ele também queria desfilar de jogador, porém não tinha mais uniforme. Atendendo a um pedido superior o responsável pelo grupo foi olhando no rostinho de cada criança do grupo e por ironia do destino seu olhar parou no nosso ex-indiozinho, que teve que tirar o uniforme e entregar ao primeiro menino do município.


Edevânio teve que voltar para casa, e uma vez que não iria mais desfilar de jogador, e também não tinha comprado uniforme, adivinhem o que estava esperando por ele? A sua fantasia de índio. Quando chegou em casa começou a chorar, chorou pela perda de um sonho, por sua decepção  e humilhação . Sua mãe ao vê-lo naquela situação chorou junto, e abraçados sua mãe dizia que aquilo iria passar e que tudo isso tinha acontecido porque o pelotão de indiozinhos não podia desfilar sem ele. Ela então o arrumou colocou sua sainha de penas, seu cocar, seu arco e flechas e disse: Filho, você é o indiozinho mais lindo do mundo!


Edevânio foi à escola, explicou o que tinha ocorrido à professora e juntou-se a sua tribo, que o recebeu de braços abertos. O seu primo Ida, que ficava a sua frente na formação do desfile, não entendeu por que o Edevânio não desfilou de jogador e também nunca perguntou.


Na Segunda-feira seguinte ao desfile, o prefeito ficou sabendo do acontecido e querendo compensar, levou-lhe de presente uma bola de futebol nº. 5 novinha! Ele aceitou, porque criança não tem orgulho, e se não tem como pode feri-lo! Mas sem dúvida, a maior compensação que ganhou com aquele dia, foi à lição que Edevânio aprendeu com sua mãe, que lhe ensinou: “Não importa o que fazem ou que deixem de fazer, o que dão ou que tirem de você. O importante é que aqueles te amam sempre farão mais e darão coisas melhores ainda do que você merece!”.


Mais Informações:
http://historianovicente.blog.terra.com.br/perfil/

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/sete-de-setembro-748283.html

    Palavras-chave do artigo:

    desfile

    ,

    d pedro i

    ,

    classe social

    Comentar sobre o artigo

    Eduardo Veronese da Silva

    NÃO É NOVIDADE DE QUE GRANDE PARTE DAS MORTES ENVOLVENDO O USO E CONSUMO DE DROGAS TEM REGISTRADO COMO VÍTIMAS JOVENS ADOLESCENTES DO SEXO MASCULINO. NO ENTANTO, UMA NOVA CLIENTELA TEM SURGIDO DE UNS ANOS PARA CÁ, MULHERES ADOLESCENTES. EM ALGUNS CASOS POR SE ENVOLVEREM EM RELACIONAMENTOS AMOROSOS COM TRAFICANTES DE DROGAS. QUANDO QUEREM TERMINAR O RELACIONAMENTO E SAIR DESSA REDE CRIMINOSA, SÃO MORTAS PELOS PRÓPRIOS TRAFICANTES.

    Por: Eduardo Veronese da Silval Notícias & Sociedade> Cotidianol 24/06/2011 lAcessos: 371
    Claudio Bezerra de Menezes

    O instituto da Arbitragem é apresentado em boa-fé como um relevante instrumento popular de dizer o Direito, tendo como suportes importantes a Celeridade do processo e satisfação latu e strictu sensu do jurisdicionado quanto ao acesso à justiça. A defesa ardorosa em prol da popularização do instituto da Arbitragem tem como objetivo maior suprir alternativamente a carência dos menos afortunados em recorrerem à Justiça para tentarem dirimir seus litígios.

    Por: Claudio Bezerra de Menezesl Direito> Doutrinal 16/07/2011 lAcessos: 234
    Antonio Cunha

    Observa-se com relação ao local escolhido para estudo de caso, a necessidade de esclarecer pontos norteadores de pesquisa, os projetos pioneiros e os de continuidade, na tentativa de avaliar a situação em que vivem muitas famílias inseridas no contexto urbano da cidade, na Regional Pinheirinho, especialmente neste recorte urbano, que é a inserção do Ribeirão do Padilhas na Região do Xapinhal. Observa-se sim a clivagem de classes, que atinge vários dos segmentos da sociedade brasileira, fragmen

    Por: Antonio Cunhal Notícias & Sociedade> Meio Ambientel 10/08/2009 lAcessos: 1,166
    Escritorcampos

    Estamos vivendo na eternidade, sendo o momento, o que nos importa.

    Por: Escritorcamposl Religião & Esoterismo> Meditaçãol 06/05/2010 lAcessos: 320

    O estudo relacionado a história da fortaleza de são josé de macapá é um fato muito importante, pois retrata, a defesa dos portugueses contra os invasores em busca de novas terras para exploração dos recursos minerais, além da mão de obra que foi utilizada na construção do forte como negros, indos, militares etc. A fortaleza de são José de Macapá durante a história passou por diversas transformações hoje ela é considerada um patrimônio histórico da humanidade a fortaleza de São José de Macapá, em

    Por: R.Baratal Educação> Ensino Superiorl 02/03/2012 lAcessos: 706

    Com o advento da globalização, a educação é tida como o maior recurso de que se dispõe para enfrentar essa nova estruturação mundial. Objetiva-se evidenciar a importância dos alunos encontrarem na escola não só evidências de seu próprio mundo, mas também aparato capaz de os "cunharem" para uma participação social plena e não "fatiada", como sugere o estudo por disciplinas. Jovens e adultos, público cada vez mais informatizado, exige que as disciplinas deixem de ser apresentadas de forma isolada.

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    A expressão artística faz parte da história humana desde os tempos mais remotos. Sendo assim, a Arte é um dos modos de conhecimento ao qual os estudantes devem também ter acesso, assumindo-se como sujeitos capazes de apreciação estética e criação artística, articuladas aos processos e mediações da cultura contemporânea. Diante das mudanças pelas quais o ensino-aprendizagem de Arte passou, vê-se a necessidade de discorrer a respeito da presença desta disciplina no currículo escolar, revendo sua i

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    Sabe-se que a educação é responsável pela formação do aluno enquanto cidadão, de maneira a prepará-lo para a vida em sociedade, para que saiba atuar criticamente nesse meio. Assim, a escola inclusiva busca complementar a formação do aluno por meio das relações de convivência, uma vez que conviver com o diferente é parte desse processo de formação, até porque, como já mencionamos, é na escola que o aluno desenvolve seus aspectos cognitivos, motores e psicológicos.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    As revela à existência de ações políticas e sociais que possam concretizar e promover a efetividade da inclusão social da pessoa com necessidade educacional especial. Vejo que a sociedade deve compreender como se dá o processo de ensino-aprendizagem da criança com Síndrome de Down na Educação Básica, as dificuldades enfrentadas e as possibilidades e mecanismos de reconhecimento e aceitação dessas limitaçõ

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    No processo de inclusão a escola propõe a conviver com o "diferente", aceitá-lo, auxiliá-lo, e muitas vezes aprender algo com essas crianças. Entretanto para oferecer uma inclusão verdadeira é preciso entender as particularidades das crianças, mediar a socialização de forma que todos trabalham para o aprendizado de cada uma delas, em benefício de todos. Pretendo contribuir com as discussões éticas e educacionais que envolvem a formação da criança Down por meio da educação.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    A educação escolar é um dos contextos em que a criança aprende e desenvolve-se nos aspectos cognitivos, emocional e social. Por isso a necessidade de incluir a criança com necessidades especiais na escola, pois atender a todos é parte do processo educativo, por isso a diversidade cultural e outras questões sociais precisam ser vivenciadas também em sala de aula.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    Apresento algumas características que identificam a criança Down, o conceito de Educação Inclusiva e Educação básica, e da diversidade na educação. Relacionam-se aspectos positivos da inclusão da criança Down na Educação Básica e como deve acontecer essa inclusão, enumerando as dificuldades no processo de inclusão da criança Down na Educação Básica. Conceitua-se a Síndrome de Down e sua identificação, bem como o tratamento e a motivação para inserir a criança com deficiência na Educação Básica.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    O estudo realizado teve como foco principal compreender os avanços no processo de construção do conhecimento dos alunos de uma turma de 3º ano, através dos jogos matemáticos, priorizando, desse modo, a ludicidade no ensino. A pesquisa foi desenvolvida durante o estágio realizado pela acadêmica e pesquisadora junto a uma turma de 3º ano.

    Por: Luziane Da Silva Costal Educaçãol 15/12/2014 lAcessos: 11

    A Professora Maria Corrêa Saad, vislumbrou o nascimento de um município ajudando-o a construir sua História. Perseverante e abnegada, sempre lutou pelo direito à educação para todos. Por tudo isso, a Professora Maria Corrêa Saad é o trabalho Nº 01 da Série: Garuvenses Ilustres.Esta Série visa resgatar a vida e a obra das personalidades pioneiras qua ajudaram a construir um lar em meio à Natureza. Você vai se emocionar com ela!

    Por: Edevânio Francisconi Arcenol Educação> Educação Infantill 05/02/2011 lAcessos: 100

    No sábado de 09 de Abril de 1966, o novo município de Garuva, juntou seus legisladores para uma reunião extraordinária. A ordem do dia era fazer uma Moção de Repúdio a um dos deputados mais conceituados de Santa Catarina, o Dr. Pedro Paulo Hings Colin.

    Por: Edevânio Francisconi Arcenol Educação> Educação Onlinel 21/01/2011 lAcessos: 165

    Podemos responder filosoficamente dizendo que a Diferença é o inominável, restando-nos apenas saber que ela existe, ou seja, Diferença é um conceito em construção. Também podemos ser práticos e dizer que a Diferença é tudo aquilo que não é igual, porém a igualdade é subjetiva, pois nem sempre o igual é igual, e o diferente é totalmente diferente.Mas, o que nós torna iguais ou diferentes? Seria a Cultura?

    Por: Edevânio Francisconi Arcenol Educação> Ensino Superiorl 26/06/2010 lAcessos: 801

    Muitas vezes dizemos e fazemos coisas, que não sabemos ao certo o porquê as dissemos e fazemos!Isto é incrível, pois reproduzimos conceitos, comportamentos e posturas como se fossem verdades absolutas sem sequer refletir sobre elas. Quantas vezes ouvimos indagações como: “Isto é roupa de menino?”; “Jeito de menino?”; “Cor de menino?”, etc. Muitos creditam estas credencies aos livros didáticos, que insistem em demonstrar os meninos usando calça com boné azul, jogando bola na frente de casa, enquanto espera seu pai vir do trabalho. Na verdade estas distinções ilustrativas são mais remotas do que os tais livros, pois fazem parte de uma construção histórica “natural” da superioridade masculina contraposto à “natural” inferioridade feminina.

    Por: Edevânio Francisconi Arcenol Educaçãol 05/12/2009 lAcessos: 545

    Atualmente quando ouvimos a música que diz: “Você não vale nada, mas eu gosto de você”, automaticamente vem à nossa memória o casal Norminha e Abel, personagens da novela global Caminho das Índias. Aproveitando à popularidade deste casal fictício, que conquistou o Brasil, mencionaremos seu relacionamento contraditório com a relação intensa e conflituosa entre História e Memória.

    Por: Edevânio Francisconi Arcenol Educaçãol 30/09/2009 lAcessos: 353

    Alguns a definem como bi-sexual ousamos dizer que Frida estava, além disso, pois nem Ela própria sabia o que era e tão pouco queria saber, e quem disse que temos que ser Homem ou Mulher!A moral, os bons costumes?E quem diz que os costumes são bons ou ruins? Quem ousaria dizer a Frida o que fazer!Tudo isto ela retrata em sua obra, sentimentos conflituosos, desesperanças, saudades, frustrações, mas ainda assim ela deixa bem claro: “Frida está no domínio de tudo”.

    Por: Edevânio Francisconi Arcenol Educaçãol 30/09/2009 lAcessos: 7,955 lComentário: 1

    O que fabrica um historiador? É a pergunta que norteia o trabalho do historiador Durval Muniz de Albuquerque Júnior. Quando Michel de Certeau fez o mesmo questionamento, obviamente estava tentando passar a visão de que o historiador é um construtor, alguém que cria a partir de algo, pois toda construção surgi a partir de algo, enquanto Marx diz que a própria História é a máquina de construção, ao historiador cabe apenas o papel de engrenagem.

    Por: Edevânio Francisconi Arcenol Educaçãol 30/09/2009 lAcessos: 239

    Quem não desejou um dia atravessar a “Ponte para Terabítia” e viver as mais loucas aventuras em um mundo completamente imaginário. Quem quiser ousar, não precisa ir muito longe, pois este mundo pode estar a sua frente, talvez não tenha nem que atravessar o rio. Basta abrir um livro e viajar por reinos fantásticos, repleto das mais variadas culturas em qualquer tempo e espaço. Nesta viagem quem determina o tempo é o leitor.

    Por: Edevânio Francisconi Arcenol Educaçãol 30/09/2009 lAcessos: 306

    Comments on this article

    0
    aleh 28/08/2009
    oi adorei
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast