SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO: Análise dos fundamentos legais da gestão democrática

Publicado em: 08/05/2012 |Comentário: 0 | Acessos: 206 |

1 INTRODUÇÃO

Este estudo pequeno tem por objetivo aprofundar uma análise sobre os fundamentos teóricos que sustentam o modelo de gestão da educação brasileira, o qual, nos termos das Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 e da Lei nº. 9.394 – das Diretrizes e Bases da Educação nacional de 1996, deve ser efetivado com ampla participação da sociedade, de onde se infere que tal modelo de gestão se configura como democrático.

O modelo de gestão democrática que se tenta efetivar no âmbito da gestão educacional permeia diversas instâncias, inclusive os conselhos de classe formados por professores, as associações de pais e mestre, os grêmios estudantis, os conselhos escolares, e, de forma mais ampla, os conselhos municipais de educação (CMEs), cuja participação na gestão da educação, se estende desde a autorização de unidades escolares, até a concepção e normatização das políticas superiores de educação no âmbito de sua esfera de competência, a saber, o ente federativo municipal.

Isto se mostra muito importante, exatamente porque o sistema municipal de ensino é legalmente responsável pelos primeiros níveis da educação básica, a educação infantil e o ensino fundamental, instâncias educativas que se configuram como o alicerce de toda a educação formal da pessoa. Assim, a participação social e comunitária é fundamental, na medida em contribui para a tomada de decisões que digam respeito não apenas aos interesses, mas ao direito subjetivo que todo cidadão possui de acesso a uma educação pública e gratuita de qualidade.

Além disso, a participação social e comunitária no sistema de gestão da educação lhe confere transparência e legitimidade, uma vez que o cidadão comum é o maior interessado em que a educação dê certo e que o tipo de gestão adotado pelo sistema permita a condição de participação da sociedade civil, sem nenhuma restrição, de onde se depreende que os órgãos colegiados, embora pertençam à estrutura administrava do município, devem ter a necessária autonomia.

2 AGESTÃO DEMOCRÁTICA DA EDUCAÇÃO

A gestão da educação, quase sempe, consciente ou inconscientemente seguiu a trilha aberta pelos princípios norteadores da administração de empresas. Tanto é verdade, que ao longo do tempo ela seguiu ou tentou seguir as teorias e modelos adotados pela empresa capitalista privada, desde o teylorismo, a administração científica, o fordismo, e, mais recentemente, o toyotismo japonês lastreado nos princípios da qualidade total.

Naturalmente isto estaria perfeitamente correto se a escola se constituísse como uma empresa criada nos moldes do sistema de produção capitalista em que se prima pela eficiência técnica e pela política de resultados imediatos que visam a acumulação, e não com seres humanos, em tudo diferentes de insumos, de linhas de montagem e capital, mesmo que este capital venha travestido de capital humano.

O certo é que, via de regra, os princípios da administração de empresas adotados pela gestão escolar não renderam os resultados esperados, com a agravante de que eles quase nunca se prestam à efetivação de uma educação democrática com qualidade. No trato com o ser humano, compreende-se que sempre alcançará melhores resultados, não os gestores que impõem, mas os que se dispõem.

Cabe ressaltar que democratização da gestão tem início com a democratização de oportunidades, ou seja, com a universalização da oportunidade de acesso, em princípio à educação básica e posteriormente, logo que possível, ao ensino superior, o que ainda se configura como um ideal a ser alcançado no caso brasileiro. Neste sentido afirma Oliveira (2002, p. 13) que "[…] se a gestão democrática da educação deve se pautar pela universalização do ensino básico a toda a população, não poderia fazê-lo, desconsiderando a numerosa soma de adultos analfabetos alijados do ensino regular".

A autora tem razão, especialmente em se considerando o momento em que a obra foi publicada. De lá até a atualidade o quadro se modificou, embora se reconheça que ainda se constata grande quantidade de adultos não alfabetizados, ou de analfabetos funcionais que estão excluídos, tanto da educação formal, quanto de programas de educação informal e não-formal, o que se coloca como um entrave à democratização da educação brasileira.

No que se refere ao ensino obrigatório, compreendido pelos nove anos do ensino fundamental, há de se reconhecer que mais de 97% das pessoas entre 6 e 15 anos estão frequentado a escola, mas nem sempre essas escolas podem ser consideradas de qualidade, quer em termos de estrutura física, didática e administrativa. Ou seja, a própria estrutura dos estabelecimentos, a formação dos profissionais do magistério, bem como a forma como são geridos, não contribuem para a efetivação de uma gestão realmente democrática.

No plano específico da gestão das escolas, para se garantir sua democratização, em primeiro lugar, se faz necessário alguns elementos como a conscientização e a participação social. Do ponto de vista freireano,

A conscientização é mais que uma simples tomada de consciência. Supõe, por sua vez, o superar a falsa consciência, quer dizer, o estado de consciência semi-intrasitivo ou transitivo-ingênuo, e uma melhor inserção crítica da pessoa numa realidade desmistificada (FREIRE, 1980, p. 90).

Ou seja, a participação das pessoas na vida da escola requer uma postura consciente capaz de retirá-la do âmbito do senso comum e da falsa consciência para, dotada de uma postura crítica diante da realidade constatada, contribuir positivamente para sua modificação. Já a participação social é definida por Toro A. e Werneck (1997, p. 26) como

[…] um processo de mobilização social, é ao mesmo tempo meta e meio. Por isso, não podemos falar da participação apenas como pressuposto, como condição intrínseca e essencial de um processo de mobilização. Ela de fato o é. Mas ela cresce em abrangência e profundidade ao longo do processo, o que faz destas duas qualidades (abrangência e profundidade) um resultado desejado e esperado.

Sabe-se que só pode haver democracia em uma sociedade regida por princípios normativos inspirados em um estado de direito que se encontre em plena vigência. Para se vivenciar a democracia em sentido amplo, e a gestão escolar democrática em sentido restrito, se faz necessária a existência de um ordenamento jurídico apropriado, mas ao mesmo tempo, que haja a consciência, a conscientização de que a democracia só pode ser vivenciada a partir da mobilização e da participação social.

Ou seja, não há como fazer democracia por imposição normativa, até porque isso seria antidemocrático, mas não há como efetivá-la sem o suporte jurídico adequado e sem a mobilização de todos os segmentos sociais interessados na construção de uma convivência democrática.

  

3 ANÁLISES E DISCUSSÕES

A história do Brasil, desde seu descobrimento por Portugal em 1.500, tem sido marcada por profundas mudanças políticas e administrativas. Em primeiro lugar, o País que nasceu como colônia da Coroa Portuguesa, transformou-se em império sob a égide de um príncipe português. Depois se transformouem República. ComoRepública, vivenciou momentos políticos em que se alternaram condições de democracia e de ditadura. Tal alternância parece ter sofrido um momento de estagnação, pois desde os anos 1980 o Brasil vive a experiência de construção/reconstrução de um sistema democrático representativo que começou a se consolidar de fato e de direito, com a promulgação da Constituição da República Federativa do Brasil em 1988.

Naturalmente a educação iniciada pelos jesuítas no Brasil - Colônia, de forma mais ou menos intensa, tem também sua história profundamente marcada por períodos em que seu sistema de gestão de sido mais fechado, portanto, menos democrático e mais aberto à participação, e, em decorrência, mais democrático. Assim como ocorreu na história política, a história da educação brasileira passou a apresentar contornos mais democráticos, justamente com a promulgação da Carta Constitucional de 1988, com a Lei nº. 9.394/96 – das Diretrizes e Bases da Educação Nacional de 1996 e com os Parâmetros Curriculares Nacionais que começaram a ser publicados em 1997.

A Lei de Diretrizes e Bases, concebida para regulamentar os dispositivos constitucionais relacionados à educação nacional, criou os sistemas de ensino e regulamentou o dispositivo constitucional Inciso VI do Artigo 206, que prevê a gestão democrática das escolas públicas brasileira, nos seguintes termos: o ensino deve ser ministrado com base em alguns princípios, dentre os quais, a gestão democrática, a ser definida na forma da Lei (BRASIL, 2003).

Pois bem. A Lei de Diretrizes e Bases, quando trata dos princípios e fins da educação nacional, no Inciso VIII do Artigo 3º confirma que a gestão democrática do ensino público deve-se dar na forma desta Lei e de acordo com a legislação ordinária regulamentadora dos sistemas de ensino, e quando trata da incumbência dos estabelecimentos de ensino com a educação,em seu Artigo12, aponta para a gestão democrática em vários de seus Incisos. A relativa autonomia destes estabelecimentos lhes permite elabora e executar sua proposta pedagógica, administrar seus recursos, humanos, financeiros e materiais e promover articulação com as famílias e a comunidade, de forma se criar mecanismos de integração da sociedade com escola (BRASIL, 1996a).

A LDB ao estabelecer a incumbência dos docentes,em seu Artigo13 determina que a eles, dentre outras, incumbe participar da elaboração da proposta pedagógica da escola e participar de forma efetiva com as atividades que visem a articulação entre a escola, as famílias e a comunidade, com a finalidade de, à medida que se garante a presença da família e da comunidade, no âmbito da escola, promove a participação, portanto, a possibilidade de gestão democrática (BRASIL, 1996a).

Como se percebe, a gestão democrática da escola brasileira está perfeitamente contemplada na legislação educacional em todos os níveis, desde a Constituição até as Leis Orgânicas dos municípios. No entanto, isto não se configura ainda como uma realidade. A despeito da legislação educacional estabelecer os princípios para a gestão democrática, a escola brasileira ainda caminha a passos lentos rumo à sua democratização, o que leva a concordar com o entendimento de Paulo Freire (2003) de que a democracia se constitui como um saber que só se incorpora ao homem através da experimentação e da vivência. Ou seja, não basta a determinação legal para sua efetivação, mas a disposição do cidadão para vivenciá-la na pratica do cotidiano.

Mesmo assim, a gestão da educação brasileira, de forma não linear e ininterrupta, tem sofrido tentativas de democratização, desde antes da existência de legislação ordinária regulamentadora, visto que desde muito antes da promulgação da LDB em 1996, alguns estados e municípios já vinham criando e implantado conselhos escolares os quais se configuraram como uma instância de participação da comunidade escolar na vida da escola, os quais possuíam caráter consultivo e deliberativo.

No entanto, esses conselhos, a despeito de sua formação paritária, pois composto por representantes dos vários segmentos componentes da comunidade escolar, tinham pouco poder decisório, portanto, limitada participação. Tal realidade começou a ser modificada com o repasse de recursos financeiros às escolas. Isto estimulou a participação dos conselhos na gestão, inclusive com o poder de decidir sobre as formas de aplicação de recursos, observados os princípios do direito público, mas ao mesmo tempo, muitos desses conselhos começaram a ser manipulados, uma vez que o poder dos diretores de escolas terminava por influenciar na escolha de seus membros.

A gestão democrática ainda embrionária, que nasceu da articulação dos conselhos escolares, ganhou forças com a promulgação da Lei nº. 9.424/96 que criou o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (FUNDEF) (BRSIL, 1996b), a qual criou mecanismos que garantissem recursos financeiros aos vários sistemas de ensino, e, para gerir o Fundo, em nível municipal, foram criados os conselhos do FUNDEF, com a finalidade de fiscalizar a aplicação dos recursos e com o poder de influenciar sobre a aprovação ou não das contas dos gestores municipais.

No entanto, uma das principais iniciativas para a democratização da gestão dos sistemas municipais de ensino foi a criação dos conselhos municipais de educação, cuja iniciativa não nasceu na legislação atual, mas já estava prevista no Artigo 77 da Lei 5.692/71 – das Diretrizes e Bases da Educação Nacional, cuja criação dependia de anuência do conselho estadual de educação, visto que à época, a educação municipal fazia parte do sistema estadual de ensino.

Pois bem, a atual LDB, a Lei nº. 9.394/96 criou mecanismos (Artigo 11) para que os sistemas municipais de ensino pudessem se organizar de três formas diferentes: fazer parte do sistema estadual, organizar-se em regime de colaboração com o sistema estadual ou de maneira independente, inclusive com o poder de complementar a legislação federal e estadual no que couber e estabelecer normas para o funcionamento das instituições de ensino, inclusive para a adoção de medidas capazes de garantir a gestão democrática da educação.

Muitos municípios brasileiros optaram por organizar seus próprios sistemas de forma autônoma, mas a despeito do poder dos conselhos municipais, uma vez que eles são responsáveis pela concepção das políticas superiores da educação municipal e possuírem caráter consultivo, deliberativo, normativo e fiscalizador, não se conseguiu efetivar de fato a gestão democrática da escola, mesmo quando o município dispõe de legislação complementar adequada e de resoluções específicas, especialmente quanto ao que se refere à eleição de diretores de estabelecimentos de ensino.

Embora praticamente todas as Leis Orgânicas – leis maiores – dos municípios contemplem a eleição de gestores das escolas públicas e muitos dos municípios brasileiros tenham realizado uma ou algumas vezes essas eleições, aos poucos elas deixaram de ser realizadas, quase sempre sob a alegação de que ela não garantiria a gestão democrática aliada à eficiência administrativa em flagrante desrespeito à legislação e quase sempre com a finalidade de garantir a ingerência de prefeitos e secretários de educação na escolha de gestores e consequente consolidação de apoiamento de ordem político-partidária.

Um exemplo do que se afirma acima é o caso de Imperatriz, Estado do Maranhão, cuja Lei Orgânica determina textualmente no Caput do Artigo 170 que "Os diretores das escolas municipais serão eleitos por voto direto e secreto da comunidade escolar (professores, pais ou responsáveis, alunos com mais de 15 anos)" (BARROS, 2005, p. 189). Na prática os gestores de escolas eram eleitos para mandatos de dois anos. No entanto, com o passar do tempo, as eleições foram deixando de ser realizadas, e na atualidade, ninguém fala mais nisso e o prefeito nomeia diretamente as pessoas de sua preferência para suprimento dos cargos de direção das escolas.   

4 CONCLUSÃO

A história da educação brasileira, já se disse, não é linear, mas passou por diversos tipos de orientação pedagógica e administrativa, desde o Brasil colonial até a atualidade em que se vive um momento de aprendizagem da convivência democrática, movimento iniciado nos anos 1980, mas que ainda não alcançou seu ponto culminante. Na verdade, a consciência de uma atitude participativa ainda está em estado de formação, possivelmente pela falta de hábito, por falta de uma cultura democrática.

O certo é que mesmo com a existência de uma legislação educação bastante moderna, que garante as formas de participação social nas instâncias mais diversificadas da coisa pública, ainda há resistência por parte dos cidadãos, por comodismo ou conivência. Por outro lado, os próprios gestores das instituições de ensino, talvez por serem ainda herdeiro de um modelo de gestão mais centralizado, terminam por inviabilizar, em grande parte, a participação da comunidade escolar na e nos destinos da escola.  

Na verdade, a busca da autonomia da gestão escolar compartilhada por todos os seguimentos da sociedade, que parece ser um anseio do povo brasileiro, ainda não se constitui como uma realidade aqui e agora, mas como um ideal a ser alcançado pela sociedade civil organizada e/ou pelo esforço de cidadãos isolados, neste caso, sempre com menor possibilidade de êxito.

REFERÊNCIAS

 BARROS, Miguel Daladier. (Org.). Lei Orgânica do município de Imperatriz. Imperatriz: Halley, 2005.

 BRASIL, Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988 / obra coletiva de autoria da editora Saraiva com a colaboração de Antonio Luiz de Toledo Pinto et al. 31. ed. São Paulo: Saraiva, 2003.

 ________ . Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996 - das Diretrizes e Bases da Educação Nacional: legislação básica. 2. ed. Brasília: PROEP, 1996a.

 ________ . Lei nº. 9.424, de 24 de dezembro de 1996 - que criou o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (FUNDEF): legislação básica. 2. ed. Brasília: PROEP, 1996b.

 ________ . Lei nº. 5.692/71 – das Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1971.

 FREIRE, Paulo. Conscientização: teoria e prática da libertação – uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. 3. ed. São Paulo: Moraes, 1980.

 OLIVEIRA, Dalila Andrade. (Org.). Gestão democrática da educação: desafios contemporâneos. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 1997.

 TORO, A. José Bernardo; WERNECK, Nízia Maria Duarte. Mobilização social: um modo de construir a democracia e a participação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, Recursos, 1997.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/sistema-municipal-de-ensino-analise-dos-fundamentos-legais-da-gestao-democratica-5890537.html

    Palavras-chave do artigo:

    gestao escolar gestao democratica mobilizacao social participacao social marcos legais

    Comentar sobre o artigo

    Adomair O. Ogunbiyi

    Estudo de Caso sobre o Conselho Municipal das Populações Afrodescendentes (COMAFRO) com enfoque nas políticas públicas e na gestão democrática. O artigo analisa como se dão as políticas públicas relativas à população afro-brasileira nas áreas da educação e da saúde, dentro do escopo de políticas universalistas da Gestão Pública Municipal, de São Luís, Maranhão – Brasil, durante o período de 2004 a 2008, cotejando-as com as propostas oriundas de uma instituição de controle social como o Conselho

    Por: Adomair O. Ogunbiyil Negócios> Gestãol 22/07/2011 lAcessos: 989

    O Estatuto da Cidade (Lei 10.257/2001) exige que haja participação popular na elaboração e revisão do plano diretor participativo nos municípios brasileiros. Porém são inúmeros os casos de ações judiciais impetradas no Ministério Público contra governos que não o promovem. A fim de minimizar tais problemas, o Conselho das Cidades, ligado ao Ministério das Cidades, emitiu a Resolução 25/2005, que traz recomendações ao poder público municipal para disciplinar esse processo de participação.

    Por: Rodrigo Cesar de Limal Direito> Legislaçãol 27/09/2010 lAcessos: 874
    Ereci Coelho

    Neste artigo serão abordados os desafios de uma equipe diretiva e a importância de uma reflexão quanto à democracia escolar na prática diária. Tem como objetivo principal demonstrar por que na prática a escola não possui uma ação democrática e na teoria (documental) a mesma se mostra democrática. Nessa perspectiva, também será analisado se o Projeto Político Pedagógico tem sido utilizado pelas escolas de forma clara, objetiva e transparente com toda a comunidade escolar...

    Por: Ereci Coelhol Educação> Ensino Superiorl 15/08/2012 lAcessos: 3,520

    O estudo objetivou analisar os tipos de violência praticados contra a criança e o adolescente, e identificar as políticas de atendimento a essas vítimas, para tanto se utilizou a metodologia da pesquisa bibliográfica com pesquisas realizadas em bibliotecas virtuais de diversas universidades conceituadas. De modo geral a pesquisa demonstrou que em 80% dos casos de violência intrafamiliar os principais agressores são as mães e ou pais e violência ocorreu predominantemente na residência da vítima.

    Por: Ceres Ribeiro de Moraesl Educaçãol 11/11/2012 lAcessos: 837
    marlucia pontes gomes de jesus

    O artigo faz trata da legislação e dos documentos dos conselhos de educação que regulamentaram a obrigatoriedade da educação das relações étnicorraciais na educação básica, enfatizando a situação no Estado do Espírito Santo. O texto foi publicado no blog Damarlu Educação ( www.damarlueducar.blogspot) em 11 de maio de 2010.

    Por: marlucia pontes gomes de jesusl Educaçãol 13/03/2011 lAcessos: 1,675

    RESUMO: Este estudo tem sua importância na crescente discussão sobre o aumento da utilização da Terceirização de mão-de-obra nos mais variados ramos de atuação organizacional, no enfraquecimento dos sindicatos, na crescente precarização do trabalho no Brasil, na responsabilidade social intrínseca a normas reguladoras vigentes que preconizam o Trabalho decente.

    Por: João Carlos Peixel Notícias & Sociedade> Polítical 02/08/2011 lAcessos: 773

    O presente trabalho aborda um assunto de estrema importância para o avanço dos direitos educacionais garantidos na Constituição Brasileira, quando se entende que a educação é direito de todos. Em um breve histórico, que versa sobre o contexto no qual fizeram parte as pessoas com deficiência rumo ao processo de inclusão na educação superior, buscaremos apresentar os avanços relacionados à inclusão dos mesmos, como também as atenções voltadas para esse público de discente.

    Por: Duanne Granjal Educação> Ensino Superiorl 21/07/2011 lAcessos: 585

    Neste artigo, apresenta-se algumas relações entre a ditadura militar, as tendências pedagógicas e os reflexos do regime e das tendências na Educação contemporânea.

    Por: Gustavo H. de Toledo Ferreiral Educaçãol 17/11/2014

    Velocidade escalar média é a relação entre uma variação de espaço e o intervalo de tempo no qual ocorreu esta variação. Os alunos no inicio do estudo referente a velocidade média tendem a ter um bloqueio de conhecimento, pois se trata de algo novo para eles pois os mesmos acabaram de sair do ensino fundamental.

    Por: anacleil Educaçãol 17/11/2014

    Em 2014, dando continuidade ao projeto o tema escolhido foi cultura,que tem por objetivo resgatar as tradições artísticas, os costumes e a valorização do ser humano. Sendo assim foi proposta aos alunos dos primeiros e segundos anos do Ensino Médio uma pesquisa investigativa sobre o contexto histórico e cultural da cidade de Vila Bela da Santíssima Trindade.

    Por: Lilian Fiirstl Educaçãol 14/11/2014
    Benedicto Ismael Camargo Dutra

    Enfrentamos a estagnação econômica que avança pelo mundo, e fica mais difícil sair do subdesenvolvimento. Faltam estadistas e melhor preparo. As novas gerações são impacientes, sem humildade, querem resultado imediato com mínimo esforço.

    Por: Benedicto Ismael Camargo Dutral Educaçãol 14/11/2014

    As atividades experimentais, quando bem planejadas, são recursos importantíssimos no ensino. As aulas práticas são mais um aprendizado na vida do estudante, pois além da teórica ele exercer o que lhe foi ensinado fará com que ele absorva melhor o conteúdo e leve adiante o conhecimento adquirido. (FALA et al 2010.) Para tanto, este trabalho visou analisar, pesquisar e apresentar a importância e tipos diferentes de aulas práticas em uma escola pública no município de Tangará da Serra.

    Por: Patrícia Maria Barros Piovezanl Educaçãol 14/11/2014

    O jornalismo investigativo tem várias áreas a serem desenvolvidas. A Reprodução Simulada dos Fatos, mais conhecida como Reconstituição é uma dessas vertentes, onde o jornalista se expõe, e muitas vezes coloca em risco a sua integridade física em detrimento da função. A abordagem da temática tem relevância para uma melhor entendimento da atuação da perícia técnica, delegados, testemunhas e indiciados que podem mentir e o jornalista, compreendendo um pouco do assunto, poderá ter ferrament

    Por: Vânia Santosl Educaçãol 13/11/2014

    O lixo eletrônico tem se tornado um problema bastante sério, pois cresce em ritmo acelerado devido aos avanços tecnológicos dos equipamentos tornando os mesmos ultrapassados em tão pouco tempo. Esses objetos têm sido descartados na maioria das vezes de forma incorreta, provocando contaminação e poluição ao meio ambiente e prejudicando a saúde das pessoas, já que possuem substâncias químicas (chumbo, cádmio, mercúrio, berílio, etc.).

    Por: Fernandal Educaçãol 13/11/2014

    O projeto "Conquistando um sorriso" está sendo desenvolvido no segundo semestre do ano de 2014 na Escola Estadual 29 de Novembro pelos professores e alunos do ensino médio, turno matutino, visando ampliá-lo para o ano de 2015. Ele tem a perspectiva de mostrar aos alunos a importância de doar um pouco de si em projetos sociais, e ainda percebendo que a escola assume hoje um papel importante na sociedade é que nós decidimos colocar em prática este projeto.

    Por: anacleil Educaçãol 13/11/2014
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast