Sugestões De Trabalho Com A Música No Processo De Ensino E Aprendizagem

Publicado em: 16/02/2010 |Comentário: 6 | Acessos: 7,783 |

 

A música na educação não tem um fim em si mesma, não visa a formação de músicos precoces ou de profundos conhecedores de música. Sua utilização deve ser feita como meio para alcançar uma série de objetivos da educação, como:

  • Sensibilidade do ouvido;
  • Socialização;
  • Expressão corporal;
  • Ampliação do vocabulário;
  • Desenvolvimento do ritmo;
  • Autodisciplina;
  • Retenção de conhecimentos;
  • Desenvolvimento do gosto pela música;
  • Aquisição de cultura;
  • Aquisição de formas de lazer.

As crianças rodopiam e cantam canções que têm temas pra lá de variados, além de um ótimo exercício físico, as brincadeiras musicadas ajudam a desenvolver a fala.

Marangon (Revista Nova Escola) destaca:

Mais que passatempos, as brincadeiras de roda desenvolvem a expressão oral, a audição e o ritmo dos pequenos. Enquanto rodam no pátio, cantando as divertidas canções, eles se exercitam trabalhando o equilíbrio e a coordenação motora.

Sugestões: explorando o universo da música

  • Barulho e silêncio

Peça às crianças que façam barulho utilizando a voz, as mãos, as pernas e objetos, em seguida; em seguida, peça-lhes silencio.

Pergunte:

O que é necessário para haver barulho?

O que é necessário para haver silêncio?

É possível fazer barulho sem movimento?

As respostas das crianças podem ser várias. Algumas acharão que é possível falar e gritar sem se mexer. Argumente perguntando-lhes se não estão fazendo algum movimento com a boca etc.

A idéia é levar a criança a perceber que o som vem do movimento. A criança tentará ouvir o silêncio, prestará atenção no seu corpo e nos movimentos.

Se o barulho na classe for tal que você não consiga se comunicar com as crianças, não o aumente gritando com elas. Inicie uma batida regular de palmas ou com algum objeto que chame a atenção das crianças. Assim que elas forem prestando atenção ao som, diminua a intensidade até chegar ao silêncio.

 

 

  • Brincando com objeto

Arrume a sala de aula com vários objetos, de tal forma que as crianças possam manipulá-los com facilidade. Deixe-as pesquisarem á vontade, observando o que fazem. Depois bata em alguns objetos, de forma variada, pedindo-lhes que o imitem.

O espaço da sala de aula deve permitir também que a criança se movimente livremente, "vivendo" os nos e os ritmos que experimentar ou que você sugerir.

A criança pequena, mesmo cercada por outras que tocam ou manipulam instrumentos, percute e experimenta os objetos sozinha. Pode encontrar estímulo vendo outra criança produzir um som, mas não o faz para entrosar com seu colega. Eis por que se deve colocar à disposição das crianças de pré-escola bastante material e objetos sonoros que não sejam especificamente instrumentos musicais: chaves, tubos de PVC, pedaços de madeira e metal, garrafas plásticas, pedaços de bambu, etc.

A criança sente curiosidade pelo som. Procura sua fonte de emissão, seu sustento, sua evolução. Deve, para isso, ser favorecida e incentivada.

 

 

  • Os sons da boca

Sentados em roda, peça aos alunos que experimentem os sons que podem produzir com a boca, que são variados e gostosos.

Cada criança mostra uma possibilidade, e as outras devem imitá-la. Elas gostam muito de vibrar os lábios com os dedos com os dedos, de estalar a língua, de bater nas bochechas cheias de ar.

Pergunte o que acharam de cada som, qual mais gostaram de ouvir e de fazer.

A seguir, uma das crianças produzirá um som com a boca, sem que as outras a vejam. O jogo consiste em descobrir o que o colega fez e tentar imitá-lo.

Esta atividade incentiva a criança a produzir sons, a se expressar, verificando as possibilidades sonoras com a boca.

 

 

  • Brincadeira de roda

Nosso repertório cultural é muito vasto em cantigas de roda. A movimentação, o canto e o ritmo podem ser simples ou complexos, mas sempre agradam às crianças.

Sempre que possível, aproveite o repertório das crianças e vá introduzindo novas canções.

Por exemplo, brincando de "Onde está a Margarida", combine com as crianças que uma de cada vez irá dizer o que a Margarida está fazendo, e todas, ao mesmo tempo, farão o gesto:

Onde está a Margarida?

Olé, olé, olá.

Onde está a Margarida?

Olé, olé, olá.

Ela está nos eu castelo.

Olé, olé, olá.

O que ela está fazendo?

Olé, olé, olá.

Ela está tomando banho.

Olé, olé, olá.

O que ela está fazendo?

Olé, olé, olá.

Ela está se enxugando.

E assim por diante, até que a brincadeira se esgote.

Esta atividade envolve, além da memorização, a improvisação, a expressão gestual e a socialização, pois a criança tem que estar atenta ao que os outros fazem e esperar sua vez para se expressar.

 

 

  • Marcha soldado

A cantiga "Marcha soldado" é muito conhecida. Inicialmente peça que as crianças a cantem normalmente. Depois, diga-lhes que o soldado está muito cansado da marcha. Como devem ser o canto e os passos?

Agora o soldado está com muita pressa. O que vai acontecer? Depois ele está feliz, e marcha alegremente.

De que outras formas os soldados podem marchar? Passos largos e curtos também podem aparecer. Deixe que as crianças verifiquem as várias possibilidades.

Converse com as crianças para saber o que elas acharam da marcha do soldado.

Esta atividade trabalha a noção de andamento: normal, lento e rápido.

 

 

  • Atenção * * * Concentração * * *

A brincadeira "atenção-concentracao" é usada para explorar batidas com as mãos em diferentes partes do corpo. Quando se fala atenção, bate-se palma três vezes; sem perder o ritmo, diz-se concentração e batem-se mais três palmas. Faça assim algumas vezes. A seguir, no mesmo ritmo, peça:

Batam palmas * * *;

Batam nas coxas * * *;

Batam no rosto * * *;

Batam no pé * * *;

Batam na barriga * * *;

Batam no peito * * *;

E assim por diante. Para criar maior dificuldade, faça o jogo cada vez mais rápido.

Se a criança encontrar dificuldade em bater o ritmo, o professor poderá bater suavemente o ritmo no ombro ou na palma da mão da criança.

Esta atividade desenvolve a atenção da criança, o conhecimento do esquema corporal, a noção de andamento do ritmo.

 

  • As caixas de som de Maria Montessori

Consiga 12 vidros ou caixinhas iguais. Pinte seis de vermelho e seis de azul, de tal forma que não seja possível ver o que eles contêm.

No primeiro par (azul e vermelho) não coloque nada; no segundo, coloque três grãos de arroz em cada um; no terceiro, três grãos de feijão. No quarto, dois botões; no quinto, três preguinhos; no sexto, cinco alfinetes em cada um.

Misture os vidrinhos. A criança vai sacudi-los e descobrir, através do som, o vidro vermelho correspondente ao azul.

Mais tarde a atividade pode ser complicada; o professor pede à criança que, além de formar os pares, arrume os vidrinhos formando uma escadinha de sons, ou seja, indo do mais grave para o mais agudo.

Esta atividade envolve as noções de classificação e seriação.

 

  • Passeando entre as casas

Esta atividade pode ser realizada na sala de aula ou ao ar livre, com o espaço estruturado por elementos como: pauzinhos, cadeiras, caminhos traçados com fita crepe, bambolês, ou simplesmente desenhando no chão, com giz, formas, casas, ninhos.

Em seguida, ande com as crianças por entre as casas, cantando ou escutando uma música.

 

A Revista Nova Escola (Edição Especial, 2005) traz várias sugestões de atividades com a música:

 

  • A Barata

Que bicho! Só conta mentira e nem liga se ninguém acredita

 

Música

A barata diz que tem

A barata diz que tem

A barata diz que tem

Sete saias de filó.

Uma cama de marfim.

Um sapato de fivela.

É mentira da barata,

É mentira da barata,

É mentira da barata,

Ela tem é uma só.

Ela tem é de capim.

O sapato é da mãe dela.

(bis)

(bis)

(bis)

Ah! Ah! Ah!

Ah! Ah! Ah!

Ah! Ah! Ah!

Oh! Oh! Oh!

Oh! Oh! Oh!

Oh! Oh! Oh!

Ela tem é uma só.

Ela tem é de capim.

O sapato é da mãe dela.

 

Participantes:No mínimo dois

Organização: Em roda ou livre

Como brincar: As crianças cantam e, de mãos dadas, vão rodando ao ritmo da canção. Quando chegam no verso "Ah! Ah! Ah! / Oh! Oh! Oh!", elas se soltam, param de rodar e fingem dar risadas. Depois, você pode estimular a garotada a criar outras coreografias para essa canção.

 

  • A Canoa Virou

Esta roda é diferente: tem gente de frente e de costas. O desafio é não perder o passo.

 

Música

A canoa virou,

Se eu fosse um peixinho

Por deixa-la virar,

E soubesse nadar,

Foi por causa do Pedrinho,

Tirava o Pedrinho

Que não soube remar

Do fundo do mar.

 

Participantes:No mínimo dois

Organização: Em roda

Como brincar: As crianças giram cantando somente a primeira parte da música até o verso"Que não soube remar". Elas trocam "Pedrinho" pelo nome de um colega. O escolhido se solta, vira-se de costas para o centro da roda e dá as mãos novamente para os vizinhos. A cantoria recomeça e o grupo vai elegendo um a um os companheiros até que todos tenham sido chamados e estejam de costas. Ainda girando, eles começam a cantar a segunda parte da canção, chamando novamente os colegas, um a um. O escolhido se solta dos amigos e volta à posição original. A brincadeira termina quando todos estiverem novamente de frente para o centro da roda.

 

  • A Carrocinha

Nessa brincadeira, a criançada gira pra lá e pra cá e até pula com uma perna só.

 

Música

 

(bis)

(bis)

A carrocinha pegou

Tralalá,

Três cachorros de uma vez

Que gente é essa.

 

Tralalá,

 

  • Que gente má!

 

Participantes:No mínimo seis

Organização: Duas rodas. A menor dentro da maior

Como brincar: As duas rodas giram em sentidos opostos cantando a música. Quando chegam em "Que gente é esta", cada um dos que estão na roda menor escolhe um colega da maior e, de braços dados, as duplas rodopiam. Depois, as crianças escolhidas trocam de lugar com as que estavam na roda menor. Há outra opção. Ao chegar ao verso "Que gente é esta", todos soltam as mãos: os da roda maior batem palmas e os da menor, com as mãos na cintura e virados de frente para os seus companheiros, saltam ora com um pé, ora com outro.

 

  • A Galinha do Vizinho

Ela é um espanto: bota ovo amarelo!

Com ela, a turminha vai aprender a contar.

 

Música

A galinha do vizinho

Bota ovo amarelinho,

Bota um, bota dois, bota três,

Bota quatro, bota cinco, bota seis,

Bota sete, bota oito, bota nove

Bota dez!

Participantes:No mínimo seis

Organização: Em roda

Como brincar: As crianças cantam a música e ao chegar ao número dez dão um pulo e se agacham.

 

  • A Linda Rosa

A cantiga tem princesa, rei e, claro, uma bruxa má.

 

Música

A linda Rosa juvenil, juvenil, juvenil

O tempo passou a correr, a correr, a correr

A linda Rosa juvenil, juvenil

O tempo passou a correr, a correr.

 

 

Vivia alegre no seu lar, no seu lar, no seu lar,

E o mato cresceu ao redor, ao redor, ao redor.

Vivia alegre no seu lar, no seu lar.

E o mato cresceu ao redor, ao redor.

 

 

Mas uma feiticeira má, muito má, muito má,

Um dia veio um belo rei, belo rei, belo rei

Mas uma feiticeira má, muito má.

Um dia veio um belo rei, belo rei.

 

 

Adormeceu a Rosa assim, bem assim, bem assim,

Que despertou a rosa assim,

Adormeceu a Rosa assim, bem assim.

Bem assim, bem assim,

 

Que despertou a Rosa assim, bem assim

Não há de acordar jamais, nunca mais, nunca mais,

 

Não há de acordar jamais, nunca mais.

 

 

Participantes: No mínimo seis

Organização: Três crianças representam a Rosa, o rei e a feiticeira. As demais se organizam em roda, com a Rosa no centro.

Como brincar: As crianças cantam a cantiga em roda representando alguns trechos. Quando chegam ao verso "Adormeceu a Rosa assim...", a feiticeira entra no círculo e joga um feitiço na Rosa, que "dorme" deitando no chão. Ao cantar "E o mato cresceu ao redor...", as que estão na roda mostram o mato crescido esticando os bracinhos sobre a Rosa. No final, a Rosa e o rei saltam ou fazem um corrupio mostrando o quanto estão felizes.

 

  • A Mão Direita

A ciranda termina com um braço no amigo. Quem ganha o carinho vai para o centro.

 

Música

A mão direita tem uma roseira,

Entrai na roda, ó, linda roseira!

A mais faceira eu não abraço,

A mão direita tem uma roseira.

Entrai na roda, ó, linda roseira!

A mais faceira eu não abraço,

Que dá flor na primavera,

Abraçai a mais faceira,

Abraço a boa companheira,

Que dá flor na primavera.

Abraçai a mais faceira.

Abraço a boa companheira.

 

Participantes: No mínimo três.

Organização: Em roda, com um do lado de fora.

Como brincar: Enquanto a roda gira, quem está do lado de fora segura o braço direito de um colega acompanhando o sentido da roda. No verso "Entrai na roda, ó, linda roseira!", a criança que estava fora vai para o centro do círculo. A última quadrilha é cantada só por ela, que escolhe um colega para abraçar, como diz a letra. O eleito será o seu substituto.

 

  • Ai, Eu Entrei na Roda

Não é preciso saber dançar para entrar nessa roda que abre e fecha

 

Música

(estribilho)

 

Ai, eu entrei na roda

Todo mundo se admira

Para ver como se dança,

Da macaca fazer renda

Eu entrei na "rodadança",

Eu já vi uma perua

Mas não sei dançar.

Ser caixeira de uma venda.

 

 

Sete e sete são quatorze,

Lá vai uma, lá vão duas,

Com mais sete, vinte e um,

Lá vão três pela terceira,

Tenho sete namorados,

Lá se vai o meu amor,

Só posso casar com um.

De vapor pra cachoeira.

 

Participantes: No mínimo dois.

Organização: Em roda.

Como brincar: Na hora do estribilho, as crianças param e dão alguns passos em direção ao centro. Em seguida, voltam, de costas, à posição inicial e recomeçam a girar.

 

  • Atirei o Pau no Gato

Os pequenos giram e cantam, mas o que mais eles gostam é de imitar o berro do gato.

 

Música

Atirei o pau no gato-to

Mas o gato-to não morreu-reu-reu,

Dona Chica-ca admirou-se-se

Do berro, do berro que o gato deu:

Miau!

 

Participantes: No mínimo dois.

Organização: Em roda.

Como brincar: As crianças cantam e rodam. No final, agacham e gritam "miau!"

 

 

  • A Mão Direita

Quem está no centro da roda pula num pé só. O resto bate palmas, desenvolvendo o ritmo.

A ciranda termina com um braço no amigo. Quem ganha o carinho vai para o centro.

Música

Cachorrinho está latindo

Ô esquindô lê, lê!

Lá no fundo do quintal.

Ô esquindô lê, lê, lá, lá!

Cala a boca, cachorrinho,

Ô esquindô lê, lê!

Deixa o meu benzinho entrar

Não sou eu que caio lá!

 

Participantes: No mínimo três.

Organização: Em roda com uma criança no centro.

Como brincar: A turma gira e canta. No verso "Ô esquindô lê, lê!", as crianças batem palmas. A do centro escolhe um colega. Os dois cantam essa parte pulando ora com um pé, ora com outro. A criança do centro cede o seu lugar para a escolhida da roda e todos recomeçam.

 

 

  • Caranguejo

Será que caranguejo é peixe? Aqui não importa.

 

Música

Caranguejo não é peixe,

Ora, palma, palma, palma!

Caranguejo peixe é.

Ora, pé, pé, pé!

Caranguejo só é peixe

Ora, roda, roda, roda,

Na enchente da maré.

Caranguejo peixe é!

 

Participantes: No mínimo dois.

Organização: Em roda.

Como brincar: As crianças giram e, no verso "Ora palma, palma, palma!", todas batem palmas; em "Ora pé, pé, pé!" batem os pés no chão; e ao cantar "Ora, roda, roda, roda!", giram de mãos dadas até o fim da música. No último verso, "Caranguejo peixe é!", elas agacham.

 

 

  • Carneirinho, Carneirão

O rei manda e os "súditos" obedecem: ajoelham, levantam e sentam.

 

Música

Carneirinho, carneirão-neirão-neirão;

Carneirinho, carneirão-neirão-neirão;

Olhai pro céu, pro chão, pro chão, pro chão,

Olhai pro céu, pro chão, pro chão, pro chão,

Manda o Rei, Nosso Senhor, Senhor, Senhor,

Manda o Rei, Nosso Senhor, Senhor, Senhor,

Para todos se ajoelhar.

Para todos se sentar.

 

 

Carneirinho, carneirão-neirão-neirão;

Carneirinho, carneirão-neirão-neirão;

Olhai pro céu, pro chão, pro chão, pro chão,

Olhai pro céu, pro chão, pro chão, pro chão,

Manda o Rei, Nosso Senhor, Senhor, Senhor,

Manda o Rei, Nosso Senhor, Senhor, Senhor,

Para todos se levantar.

Para todos se levantar.

 

Participantes: No mínimo dois.

Organização: Em roda ou livre.

Como brincar: O grupo canta, roda e faz o que diz a letra: ajoelha, levanta e senta.

 

 

  • Ciranda, Cirandinha

A meninada recita um verso no fim da música. Quem conhece as quadrinhas mais bonitas?

 

Música

Ciranda, cirandinha,

O anel que tu me deste

Por isso, dona Ana,

Vamos todos cirandar.

Era vidro e se quebrou.

Entre dentro dessa roda,

Vamos dar a meia-volta,

O amor que tu me tinhas

Diga um verso bem bonito,

Volta e meia vamos dar.

Era pouco e se acabou

Diga adeus e vá-se embora.

 

Participantes: No mínimo três.

Organização: Em roda.

Como brincar: As crianças giram e cantam. No verso "Por isso, dona Ana", elas colocam o nome de um colega, que entra na roda e, assim que termina a canção, recita um verso.

 

  • De Abóbora Faz Melão

O doce pode ser de qualquer sabor, mas é preciso mexê-lo direitinho.

Será que caranguejo é peixe? Aqui não importa.

 

Música

(bis)

(bis)

De abóbora faz melão,

Quem quiser aprender a dançar

De melão faz melancia.

Vai á casa de seu Juquinha.

 

 

(bis)

(bis)

Faz doce, sinhá, faz doce, sinhá,

Ele pula, ele roda,

Faz doce de maracujá.

Ele faz requebradinho.

 

Participantes: No mínimo dois.

Organização: Em roda.

Como brincar: No verso "Faz doce, sinhá, faz doce, sinhá", as crianças imitam uma pessoa mexendo com uma colher em uma panela. Depois, dão as mãos e voltam a girar até o verso "Ele pula, ele roda". Nesse momento, elas fazem o que a letra da música manda: pulam, giram no próprio lugar e requebram com as mãos na cintura.

 

  • Escravos de Jó

Atenção, muita atenção para não errar os movimentos.

Música

Escravos de Jô

(bis)

Jogavam o caxangá:

Guerreiros com guerreiros

Tira, põe,

Fazem zigue, zigue, zá!

Deixa ficar!

 

 

Material: Uma pedrinha para cada criança ou qualquer outro objeto pequeno.

Participantes: No mínimo dois.

Organização: Em círculo, sentados no chão.

Como brincar: Cada um coloca uma pedrinha à sua frente. Enquanto canta, a criança pega a sua pedra e coloca na frente do colega, sentado à sua direita. Nos versos "Tira, põe/ Deixa ficar!", todas tiram a pedrinha da frente do colega, colocam na sua frente e a deixam ali por alguns segundos. Quando cantam "Guerreiros com guerreiros", as crianças retornam os movimentos até o verso "Fazem zigue, zigue, zá!" Nesse momento, os participantes seguram a pedra movimentando-a de lá para cá e deixando-a, por fim, na frente do colega.

 

  • Eu sou pobre, pobre

Duas crianças dançam em vaivém. Enquanto isso, as demais torcem para serem escolhidas.

 

 

Música

Eu sou pobre, pobre, pobre

Eu queria uma de vossas filhas,

Eu de pobre fiquei rica

De marré, marré, marré,

De marré, marré, marré,

De marré, marré, marré,

Eu sou pobre, pobre, pobre

Eu queria uma de vossas filhas,

Eu de pobre fiquei rica

De marré deci.

De marré deci.

De marré deci.

 

 

 

Eu sou rica, rica, rica

Escolhei a qual quiser,

 

De marré, marré, marré,

De marré, marré, marré,

 

Eu sou rica, rica, rica

Escolhei a qual quiser,

 

De marré deci.

De marré deci.

 

 

Participantes: No mínimo quatro.

Organização: Duas crianças de frente: a mãe rica e a pobre. As demais ficam atrás da mãe pobre.

Como brincar: A mãe pobre anda em direção à rica e canta os primeiros versos. Ao chegar perto ela se afasta. A segunda quadra é cantada pela outra, que avança em direção à pobre. Elas se alternam até a rica escolher alguém. Essa canta a última parte da música e tudo recomeça.

 

  • Fui no Itororó

O escolhido pelos amigos vai para o centro da roda, mas logo leva alguém para dançar com ele.

 

Música

Fui no Itororó,

Ó, dona Maria,

(bis)

Beber água, não achei,

Ó, Mariazinha,

Põe aqui o seu pezinho,

Achei bela morena

Entrarás na roda,

Bem juntinho ao pé do meu

Que no Itororó deixei.

Ficarás sozinha!

E depois não vá dizer

 

 

Que você se arrependeu

Aproveita, minha gente,

Sozinha eu não fico

 

Que uma noite não é nada,

Nem hei de ficar

 

Se não dormir agora,

Porque tenho Pedro

 

Dormirás de madrugada.

Para ser meu par.

 

 

Participantes: No mínimo quatro.

Organização: Em roda.

Como brincar: O grupo troca "Maria" e "Mariazinha" pelo nome de um colega, que entra na roda. Esse escolhe um outro para dançar com ele colocando o pé á direita e á esquerda do pé.

 

  • Marcha, soldado

Um atrás do outro, os pequenos vão marchando.

 

Música

Marcha, soldado,

Cabeça de papel!

Quem não marchar direito

Vai preso pro quartel.

 

Participantes: No mínimo dois.

Organização: Em fileiras.

Como brincar: As crianças marcham enquanto cantam a música

 

  • O Cravo brigou com a Rosa

Briga, reconciliação e...lágrimas.

 

Música

o cravo brigou com a rosa

O cravo ficou doente,

Debaixo de uma sacada.

A rosa foi visitar.

O cravo saiu ferido

O cravo teve um desmaio

E a rosa despedaçada.

E a rosa pôs-se a chorar.

 

Participantes: No mínimo seis.

Organização: Em roda.

Como brincar: As crianças giram cantando. Duas, no centro, representam o cravo e a rosa.

 

  • Onde está a Margarida?

Corrida, palmas e representação. Esses são os ingredientes dessa brincadeira.

 

Música

Onde está a Margarida?

Eu queria vê-la,

Tirando uma pedra,

Apareceu a Margarida,

Olê, olê, olá!

Olê, olê, olá!

Olê, olê, olá!

Olê, olê, olá!

Onde está a Margarida?

Eu queria vê-la,

Tirando uma pedra,

Apareceu a Margarida,

Olê, seus cavaleiros!

Olê, seus cavaleiros!

Olê, seus cavaleiros!

Olê, seus cavaleiros!

 

 

 

 

Ela está em seu castelo,

Mas o muro é muito alto,

Uma pedra não faz falta,

 

Olê, olê, olá!

Olê, olê, olá!

Olê, olê, olá!

 

Ela está em seu castelo,

Mas o muro é muito alto,

Uma pedra não faz falta,

 

Olê, seus cavaleiros!

Olê, seus cavaleiros!

Olê, seus cavaleiros!

 

 

Participantes: No mínimo cinco.

Organização: Em círculo: um junto ao outro, representando um muro. Uma criança fica no centro, no papel de Margarida, e a outra do lado de fora.

Como brincar: A que está fora canta a primeira estrofe e corre sozinha em volta da roda. Quando termina, as que estão na roda cantam a segunda. Depois, se alternam nas próximas duas. Em "Tirando uma pedra", o de fora escolhe um colega, dá a mão a ele e, juntos, dão voltas. A muralha responde com a próxima quadra. Assim segue até que todas as "pedras" sejam tiradas.

 

 

  • Passa, Passa, Gavião

O que faz um cavaleiro ou um carpinteiro? As crianças imitam esses e outros trabalhadores .

 

Música

(estribilho)

 

 

Passa, passa, Gavião,

 

 

Todo mundo passa.

 

 

 

 

 

Os cavaleiros fazem assim,

Os carpinteiros fazem assim,

Os sapateiros fazem assim,

Os cavaleiros fazem assim,

Os carpinteiros fazem assim,

Os sapateiros fazem assim,

Assim, assim,

Assim, assim,

Assim, assim,

Assim, assim.

Assim, assim,

Assim, assim,

 

Participantes: No mínimo dois.

Organização: Em roda.

Como brincar: As crianças giram e cantam sempre imitando um ofício.

 

  • Peixe Vivo

Com a letra na ponta língua, os pequenos vão se divertir inventando cenas e passos de danças.

 

Música

Como pode o peixe vivo

Os pastores desta aldeia,

Viver fora d'água fria?

Já me fazem zombaria,

Como pode o peixe vivo

Por me ver assim chorando,

Viver fora d'água fria?

Por me ver assim chorando.

 

 

Como poderei viver?

Sem a tua, sem a tua,

Como poderei viver?

Sem a tua companhia

Sem a tua, sem a tua,

 

Sem a tua companhia.

 

 

Participantes: No mínimo dois.

Organização: Livre.

Como brincar: As crianças cantam a música enquanto encenam ou dançam livremente.

 

 

  • Samba Lelê

A garotada acompanha a música com palmas. Quem está no centro mostra que tem samba no pé.

 

Música

Samba Lelê ta doente,

Ó, morena bonita,

Ó, morena bonita,

Ta com a cabeça quebrada,

Como é que se namora?

Onde é que você mora?

Samba Lelê precisava,

Põe o lencinho no bolso.

Moro na praia Formosa,

É de umas boas palmadas.

Deixa a pontinha de fora.

Digo adeus e vou-me embora.

Samba, samba, samba, ô Lelê!

Samba, samba, samba, ô Lelê!

Samba, samba, samba, ô Lelê!

Pisa na barra da saia, ô Lalá!

Pisa na barra da saia, ô Lalá!

Pisa na barra da saia, ô Lalá!

 

Participantes: No mínimo três.

Organização: Em roda com uma criança no centro.

Como brincar: No final de cada quadra, as da roda batem palmas e quem está no centro samba.

 

 

  • Sapo Cururu

Cada um representa um sapinho diferente durante

 

Música

Sapo Cururu

A mulher do sapo

Na beira do rio.

É que está lá dentro

Quando o sapo grita, ó, maninha!

Fazendo rendinha, ó, maninha,

É que está com frio.

Pro seu casamento

 

Participantes: No mínimo dois.

Organização: Livre.

Como brincar: As crianças cantam a música enquanto encenam ou dançam livremente.

 

  • Se Esta Rua Fosse Minha

Os pequenos giram e esperam ser escolhidos por quem está no centro.

 

Música

Se esta rua,

Nesta rua,

Se eu roubei,

Se esta rua fosse minha,

Nesta rua tem um bosque,

Se eu roubei teu coração,

Eu mandava,

Que se chama,

Tu também,

Eu mandava ladrilhar,

Que se chama solidão,

Tu também roubaste o meu,

Com pedrinhas,

Dentro dele,

Se eu roubei,

Com pedrinhas de brilhantes

Dentro dele mora um anjo,

Se eu roubei teu coração,

Para o meu,

Que roubou,

É porque,

Para o meu amor passar.

Que roubou meu coração.

É porque te quero bem.

 

Participantes: No mínimo três.

Organização: Em roda com uma criança no centro.

Como brincar: A última parte é cantada apenas por quem está no centro. Quando termina de cantar, ela abraça um colega que a substitui.

 

  • Senhora Dona Sancha

De olhos vendados, dona Sancha escolhe um colega e tenta adivinhar quem é ele.

 

Música

Senhora dona Sancha,

Que anjos são esses,

Somos filhos de um rei,

Coberta de ouro e prata,

Que andam rodeando

E netos do visconde

Descubra seu rosto,

De noite e de dia,

E o "seu" rei mandou dizer

Queremos ver sua cara.

Padre-Nosso, Ave-Maria!

Para todos se esconder.

 

Participantes: No mínimo quatro.

Organização: Em roda com uma criança no centro.

Como brincar: A roda canta a primeira quadra. De olhos vendados, quem está no centro canta a segunda. As crianças cantam a última, param e trocam de lugar. A de olhos vendados toca um colega e tenta reconhecê-lo.

 

  • Terezinha de Jesus

As crianças giram e, no fim da música, quem está no centro escolhe seu substituto.

 

Música

Terezinha de Jesus,

O primeiro, foi seu pai,

De uma queda,

O segundo, seu irmão,

Foi ao chão.

O terceiro, foi aquele

Acudiram três cavalheiros,

Que a Tereza deu a mão.

Todos os três de chapéu na mão.

 

 

Participantes: No mínimo três.

Organização: Em roda com uma criança no centro.

Como brincar: O grupo gira cantando. No fim da cantoria, a criança do centro puxa para o meio a que deverá substituí-la.

 

 

 

 

A Revista do Professor: Nova escola. Edição Especial. Jogos e Brincadeiras. 2005.p. 30-39

JEANDOT, Nicole.Explorando o universo da música.São Paulo: Scipione, 1990, p. 65-95

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 5 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/sugestoes-de-trabalho-com-a-musica-no-processo-de-ensino-e-aprendizagem-1863876.html

    Palavras-chave do artigo:

    aprendizagem ensino sugestoes musica

    Comentar sobre o artigo

    A musicalização contribui com a construção de conhecimentos e das múltiplas inteligências do indivíduo. A música não pode ser privilégio de poucos, mas de forma democrática deve chegar a todos, independente de classe social. A música proporciona ao aluno análise crítica e senso reflexivo de diversas opiniões, situações, formas e costumes de diversos povos, regiões e religiões e pode ser usada na construção de conhecimentos. Este trabalho propõe o uso e pesquisa com professores o uso do recurso.

    Por: Carlos Humberto Biagolinil Educação> Educação Infantill 14/08/2010 lAcessos: 3,884

    Esta pesquisa tem como objetivo trabalhar com a dislexia, apresentando seu conceito, sua classificação como forma de auxiliar os professores e a família, facilitando o diagnóstico e entendimento desse distúrbio de aprendizagem que afeta no Brasil, cerca de 40% das crianças em séries iniciais de alfabetização, e, em países mais desenvolvidos, a porcentagem diminui 20% em relação ao número total de crianças também em séries iniciais.

    Por: RANILDAl Educaçãol 17/09/2010 lAcessos: 8,687

    A tentativa de esclarecer dúvidas, mostrar aos educadores o sentido real de alfabetizar e como fazer isso, justifica a efetivação deste trabalho, visto que muitos discentes estão empenhados em mudar, mas não sabem como fazer porque não tem um referencial acerca do assunto.

    Por: edilma de moura de oliveiral Educação> Educação Infantill 05/02/2013 lAcessos: 191
    MARCOS ANTONIO DOS SANTOS LIMA

    O trabalho que aqui venho apresentar é parte de minhas investigações a respeito da importância da Informática no Ensino de História. Na pesquisa, que teve como um dos seus frutos meu estudo a respeito do Uso da Informática no Ensino de História, pude abordar e desvendar alguns caminhos apontados pelo referencial bibliográfico sobre a temática que abrangia. O mundo contemporâneo passa por um processo de grandes transformações provocadas pela informática e pela revolução nas telecomunicações.

    Por: MARCOS ANTONIO DOS SANTOS LIMAl Educação> Ensino Superiorl 08/12/2010 lAcessos: 2,121
    Simone Lucas

    Resumo O estágio supervisionado do curso de Pedagogia tem como objetivo principal, aprimorar os conhecimentos do acadêmico, oportunizando compartilhar construções de aprendizagem, bem como a aplicação do aprendizado teórico na prática da profissão escolhida.

    Por: Simone Lucasl Educação> Educação Onlinel 28/06/2012 lAcessos: 7,596
    Educa

    Atividades e sugestões para educação infantil, planejamento semanal para berçário, maternal I, maternal II, jardim I e jardim II. Material de Apoio para professores da educação infantil e mais 6 e-books grátis. Kit planejamento infantil mais pesquisa para educação infantil. Kit pesquisa para educação infantil. Plano para gestores - área administrativa pedagógica e comunitária. Planejamento a partir de projetos. Modelos de enfeites de natal

    Por: Educal Educação> Educação Infantill 05/12/2011 lAcessos: 1,065

    O presente artigo trata de aspectos da história e da cultura indígena e da forma como estes assuntos estão sendo abordados nas escolas, bem como a imagem do índio nos livros didáticos. A Lei n° 11.645/08 que torna obrigatório o ensino da história e da cultura indígena é uma iniciativa rica que vai gerar novas abordagens sobre o tema. Através desta perspectiva, comparou-se como o tema é discutido no material didático, apontando as deficiências e visões equivocadas e assim trazendo sugestões.

    Por: Ana Paula Delgadol Educação> Ensino Superiorl 11/04/2011 lAcessos: 3,440
    SANDRA MARA DALLE CORT DENARDI

    Esta pesquisa abrange os problemas relacionados aos distúrbios de aprendizagem de leitura, a dislexia. A dislexia é um distúrbio de aprendizagem que, por envolver áreas básicas da linguagem, pode tornar árduo esse processo; porém, com acompanhamento adequado, a criança pode redescobrir suas capacidades e o prazer de aprender. O disléxico é potencialmente um mau leitor, embora consiga ler. O disléxico lê, mas lê mal, sua leitura é lenta e sofrível. Jogos, leituras, compartilhadas, atividades espe

    Por: SANDRA MARA DALLE CORT DENARDIl Educação> Educação Infantill 18/01/2011 lAcessos: 6,028

    RESUMO: Este trabalho foi realizado durante o estágio, na Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio “Prof.º André Avelino Ribeiro” no município de Cuiabá-MT, Bairro CPA I, em que foram direcionados aos alunos, professora e coordenação questionários com o objetivo de acionar uma reflexão acerca do ensino de língua espanhola, o qual se encontra em fase de implantação em nosso estado, visando demonstrar a importância desta língua e como ela vem sendo ensinada nas unidades escolares principalmente nas escolas públicas, o referido estágio foi realizado por mim discente do Centro Universitário UNIVAG, que está cursando o 7º semestre do curso de Letras português/ espanhol.

    Por: Marta Nunes e Sirleide Carvalhol Educaçãol 21/08/2009 lAcessos: 2,264
    Erineia nascimento da Silva

    O lúdico proveniente da palavra latina "ludus" que significa jogos. Que segundo DANTAS, 1988, representa liberdade para brincar livremente, gratuitamente, prazerosamente. Tornando a brincadeira uma expressão máxima do lúdico, desde da antiga Roma e Grécia em períodos remotos da civilização ocidental utilizava os brinquedos na educação com base nas idéias de Platão e Aristóteles.

    Por: Erineia nascimento da Silval Educaçãol 28/10/2014
    Sebastiana Braga

    A formação profissional não consiste apenas em ouvir palestra ou fazer determinados cursos. Pelo contrario, ela é um processo continuo e progressivo, onde através da aprendizagem se acumula conhecimento e este por sua vez vai sendo transformado em práticas bem sucedidas. Dessa forma deve ser pensado numa multiplicidade de saberes que através de um projeto para formação continuada que se complemente e que aborde um tema central a todas as áreas no intuito do melhoramento do ensino aprendizagem.

    Por: Sebastiana Bragal Educaçãol 27/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Sei o quanto. Tudo isso não significa nada. Apesar da interminável beleza dos universos. Contínuos. Sei do insignificado das coisas. Do delírio dos deuses. Das franquezas das razões não lógicas. A metafísica não indutiva.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educaçãol 25/10/2014
    Amanda Souza Machado

    Este trabalho é uma continuação das discussões, pesquisas e reflexões ocorridas durante a elaboração do artigo científico sobre como os educadores exploram as fantasias das crianças, produzidas a partir dos programas de televisão. O artigo propõe-se a apresentar as influências da TV no imaginário das crianças e qual é o papel dos educadores neste momento.

    Por: Amanda Souza Machadol Educaçãol 23/10/2014

    O presente artigo é um estudo bibliográfico que tem como objetivo principal abordar conceitos educacionais e metodologias desenvolvidas em sala de aula usando o lúdico como alternativa de metodologia. O trabalho justifica-se pela necessidade de se entender e adequar a aprendizagem às atuais demandas da educação é necessário conhecer alguns caminhos já percorridos pelo ensino e que se levam a uma redefinição dos objetivos, conteúdo e metodológicos.

    Por: Graciele de Miranda Oliveiral Educaçãol 21/10/2014 lAcessos: 14
    Alinne do Rosário Brito

    O artigo busca pesquisar e relatar o que é o Programa Mesa Brasil SESC e dialogar com as ações do Governo do Estado do Amapá para que a segurança alimentar seja implementada atendendo as leis nacionais e as respectivas atuações das politicas públicas que o regem quanto a tentativa de diminuição da miséria na cidade de Macapá.

    Por: Alinne do Rosário Britol Educaçãol 21/10/2014 lAcessos: 17
    Tania R. Steinke

    Promover a valorização da formação continuada dos docentes e coordenadores pedagógicos que atuam no Ensino Médio das escolas públicas.

    Por: Tania R. Steinkel Educaçãol 19/10/2014

    Este artigo analisa de forma breve a teoria das Representações sociais, realizada por alguns estudiosos que contribuíram para a o avanço das representações sociais, bem como, os teóricos que tinham como base as investigações de como as pessoas transformam os conhecimentos científicos em conhecimento de senso comum na década de 60, e também a forma como adota a perspectiva comunicativa "genética" na apreensão do conhecimento veiculado a dinâmica do cotidiano.

    Por: Elizabeth Almeida dos Santosl Educaçãol 14/10/2014 lAcessos: 12
    SANDRA VAZ DE LIMA

    Empreendedores são pessoas que desejam participar ativamente da construção de um mundo novo, não apenas como expectadores, mas como atores das mudanças globais da atualidade. De modo geral a pesquisa busca conhecer as ações dos empreendedores nas organizações e dessa forma, saber como eles podem e devem contribuir para o crescimento e desenvolvimento. Especificamente buscou-se: diagnosticar o perfil "empreendedor"; identificar os desafios que a administração propõe ao gestor público.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 20/08/2013 lAcessos: 150
    SANDRA VAZ DE LIMA

    A Educação Especial é uma modalidade da Educação Básica, fundamentada no princípio da atenção à diversidade. Integram-se o Ensino Regular e a Educação Especial numa concepção da Educação Inclusiva, buscando a participação e permanência de todos os alunos na escola, numa educação de qualidade, onde o atendimento as pessoas com necessidades especiais não requer um ambiente especifico e único, mas sim necessita de recursos físicos, humanos e materiais para que seja possível atender a todos, adaptan

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 2,339
    SANDRA VAZ DE LIMA

    A Tecnologia Educacional é entendida como a área que estuda a aplicação das Tecnologias da Informação e Comunicação - TIC - na educação, a partir de um embasamento da didática, psicologia da aprendizagem e desenvolvimento tecnológico. Assim, as alterações no sistema educativo visam levar em conta as diferenças pessoais, estilos cognitivos, ritmos de aprendizagem, afinidades, áreas de interesse, estratégias de pensamento e motivação.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 167
    SANDRA VAZ DE LIMA

    Não existe uma única concepção sobre a EaD, pois o conceito evoluiu ao longo do tempo, influenciado pelo avanço das tecnologias da informação e da comunicação. Além disso, a concepção de educação a distância pode variar conforme o autor, sua base teórico-conceitual e sua concepção do que significam educação, ensino e aprendizagem.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 182
    SANDRA VAZ DE LIMA

    A expectativa é ao mesmo tempo ligada a pessoa e ao interpessoal, também a expectativa se realiza no hoje, e futuro presente, voltado para o ainda-não, para o não experimentado, para o que apenas pode ser previsto. Assim, percebe-se que a expectativa é um sentimento que surge diante de novidades, do diferente.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 87
    SANDRA VAZ DE LIMA

    Com os anos as análises históricas sofreram inúmeras mudanças, tendo historiadores como Jules Michelet que se preocupavam com histórias nacionais, espírito do povo, representando heróis. Tal autor chamou a atenção por identificar um agente sem rosto – o povo, as massas, como personagem da história e como protagonista dos acontecimentos.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 172
    SANDRA VAZ DE LIMA

    Conforme o texto "Correntes, campos temáticos e fontes", a escrita e a leitura são indivisíveis e estão contidas no texto, permitindo a comunicação e veicula representações, onde o historiador pergunta sobre quem fala e de onde fala, discutindo sobre ela. As relações entre essas instancias não são diretas nem reflexas, mas sim intermediadas pelo discurso narrativo, e para o entendimento da História Cultural pode ser o da metáfora, pois o discurso explica, fala de algo que se percebe e se entende

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 212
    SANDRA VAZ DE LIMA

    Entende-se que a História é construída conforme as práticas, as culturas de um determinado povo, uma organização social, onde o habitus integra os espaços de experiências, funcionando a cada momento vivido como matriz de sensações.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 70

    Comments on this article

    0
    Joana 06/04/2010
    Adorei este artigo, mt bom...
    0
    Mariana 17/02/2010
    Olá, adorei as sugestões, foram mt validas...
    2
    Iris 16/02/2010
    Bom dia, leciono na Ed. Inf. e gosto mt de trabalhar música, as sugestões são ótimas, obrigada...
    2
    Fabiana Santos 16/02/2010
    Oi, estou desenvolvendo um projeto sobre musicalização na escola, adorei as sugestões... Parabéns
    2
    Mateus 16/02/2010
    Oi, adoro música... Gostei mt das sugestões apresentadas. parabéns...
    2
    Emanuele 16/02/2010
    Olá, adorei as sugestões, vou aproveitar todas...
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast