Vygotsky E A Motivação Escolar

Publicado em: 23/07/2009 |Comentário: 2 | Acessos: 14,397 |

 

 

 

Vygotsky foi um renomado psicólogo russo que aplicou-se no estudo das formas de aprendizagem, focalizando-as em seu caráter psicológico. O seu trabalho se volta mais para uma concepção sociocultural do desenvolvimento psicológico do indivíduo do que uma abordagem puramente biológica. Isso permitiu a ele ir a fundo na compreensão e natureza das funções psicológicas superiores. Uma de suas idéias consistiu na quebra do paradigma até então aceito pela maioria dos cientistas de que o desenvolvimento psicológico era fruto de um processo que ocorria no interior do sujeito, de forma subjetiva. Vygotsky substitui essa noção mostrando que o desenvolvimento psicológico começa pela interação interpsicológica para depois intrapsicológica.

 O enfoque sociocultural do desenvolvimento psicológico foi considerado por Vygotsky uma forma mais plausível de se compreender os fenômenos de aprendizagem. Ele acreditava que o desenvolvimento era um processo evolutivo e que as funções psicológicas superiores – como a atenção, a memória, o pensamento, por exemplo -, se dava a partir de um plano interpsicológico de desenvolvimento (ou seja, através da interação da criança, no caso, com o outro). A partir dessa idéia, nasce a concepção de Zona de Desenvolvimento Proximal, que elucida a distância entre o desenvolvimento real (aquele que torna o indivíduo capaz de enfrentar situações aplicando seu conhecimento de maneira autônoma) e o desenvolvimento potencial (aquele que o indivíduo possui, mas que encontra-se em processo).

 Em síntese, a Zona de Desenvolvimento Proximal é basicamente tudo aquilo que, em termos intelectuais, a criança pode adquirir com a ajuda de um suporte educacional qualificado.

 Vygotsky fala sobre dois estágios de formação pedagógica do indivíduo: um que se centra nas interações do mesmo com a família e o outro que se pauta nas interações com as instituições sociais de ensino, entre elas a Escola.

 Como a Zona de Desenvolvimento Proximal proposta por Vygotsky é aquela em que a criança engaja o aprendizado através da relação com outro (relação interpsicológica), poderíamos nos questionar: qual o papel da motivação nesse âmbito educacional? Quais os tipos de motivação existentes?

 Existem dois tipos claros de motivação: a motivação intrínseca (chamada também de pessoal ou inconsciente e representa o desejo interior de atingir algum objetivo ou satisfazer determinada necessidade; é a força psíquica que todos nós possuímos) e a motivação extrínseca (motivação caracterizada por fatores predominantemente externos; é conhecida também como motivação ambiental ou consciente). O professor tem um papel maior na motivação extrínseca, pois é ele quem deve produzir uma aula que desperte interesse nos alunos. A motivação intrínseca é fundamental porque dela depende todo o processo de aprendizagem. O aluno precisa estar motivado a aprender, embora nem sempre os motivos sejam o aprender em si.

Há também a perspectiva atribucional imposta aos alunos por si mesmos. Eles se auto-avaliam ou avaliam o que aprenderam a partir dos resultados concretos de suas ações ou tarefas. Esses resultados podem ser tanto negativos quanto positivos e se transformam no critério primeiro desses alunos, que se sentem ou bem sucedidos ou fracassados. O que mede a aprendizagem dos jovens é a balança do êxito. Esses juízos prévios acabam desmotivando alguns deles na maioria das vezes.

Como vimos, os alunos têm diversos métodos individuais de avaliação do que fazem ou produzem. Para a maioria deles, o que fazem precisa ser interessante, de pouco esforço e de alguma utilidade. Dessa forma, eles criam certo afeto pelo que foram designados a fazer, e isso os conduz até mesmo a bons resultados.

 Alguns psicólogos fazem uma notável distinção entre dois tipos de alunos: o que se empenha tendo como objetivo primeiro aprender e o que busca obter boas qualificações, notoriedade, aquele carregado com desejo de ganhar aprovação de outros, além de, em alguns casos, evitar castigos. Os alunos que se enquadram no primeiro tipo são os que traçam metas de aprendizagem e como resultado obtêm sempre bom desempenho, excelentes notas e motivação. Geralmente esses alunos estão sempre abertos às correções e não se frustram com facilidade. Os alunos que apenas se preocupam com resultados concretos e aparentes, quando recebem nota baixa ou não vêem êxito no que fizeram, se frustram e não extraem nada de bom com essa experiência, o que desmotiva-os.

 Além dos já citados, outros paradigmas povoam as mentes dos alunos, entre eles o conceito de inteligência. Alguns concebem a inteligência como algo dado por graça divina, algo herdado geneticamente e que é inalcançável para os que não foram contemplados. Isso fomenta as aceitações de erros como incapacidade. Esse tipo de coisa precisa ser tratado imediatamente, pois afeta muito a forma do aluno encarar a si mesmo como um ser que tenha competência para aprender apesar dos erros e fracassos.

 O que a Escola necessita fazer é concentrar esforços na motivação dos alunos. Isso impulsiona e ativa recursos cognitivos. A motivação deve – quase sempre – ser encarada como algo muito importante no processo de aprendizagem, a não ser quando haja excessos. As motivações tanto intrínseca quanto extrínseca em excesso trazem malefícios aos alunos. O que deve haver é um equilíbrio entre ambos.

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 11 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/vygotsky-e-a-motivacao-escolar-1063195.html

    Palavras-chave do artigo:

    vygotsky

    ,

    motivacao escolar

    Comentar sobre o artigo

    Tania Maria da Silva Nogueira

    Esta pesquisa trata-se de um estudo qualitativo e visa investigar a motivação dos alunos em uma escola pública do Distrito Federal, Centro de Apoio Integral à Criança Santa Maria - CAIC, quanto as suas produções artísticas, assim como a dinâmica de incentivo oportunizada a estes alunos diante da realização de trabalhos desenvolvidos no âmbito escolar com a exposição desses trabalhos na comunidade escolar. Para viabilizar esse estudo, utilizou-se a entrevista por meio de roteiro de pesquisa com o

    Por: Tania Maria da Silva Nogueiral Educação> Ensino Superiorl 05/03/2014 lAcessos: 33
    SANDRA VAZ DE LIMA

    O artigo a seguir trata sobre a importância da motivação no processo de aprendizagem, uma vez que este processo é desencadeado a partir da motivação, que se dá no interior do sujeito, estando intimamente ligado às relações de troca que o mesmo estabelece com o meio, principalmente, seus professores e colegas. Nas situações escolares, o interesse é indispensável para que o aluno tenha motivos de ação no sentido de apropriar-se do conhecimento.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 25/02/2008 lAcessos: 638,152 lComentário: 43

    O presente artigo objetiva-se por em pauta a importância do brincar para o desenvolvimento completo da criança em seu aspecto social, emocional, intelectual e cognitivo. Articulando, assim, sobre a importância da brinquedoteca escolar como meio de suprir parte dessa carência lúdica; visto que as crianças de hoje em dia quase não brincam e não criam em função de receberem tudo pronto, onde só precisam dar um comando e tudo funciona maravilhosamente bem.

    Por: Edna Amaral Simonl Educação> Educação Infantill 02/10/2012 lAcessos: 1,513

    As práticas de leitura e produção de textos orais e escritos na escola têm sido, cada dia mais, desafiadoras para os professores. A grande ocorrência de textos fora da escola, carregados de múltiplas e atrativas formas de apresentação e de múltiplos sentidos e significados, acaba por esvaziar ou ameaçar, de certo modo, o trabalho proposto pelos professores. Por tais razões, faz-se necessária uma melhor escuta sobre a temática da produção textual no contexto escolar.

    Por: Selmo Alvesl Educação> Línguasl 29/09/2010 lAcessos: 7,076

    Este Artigo retrata a realidade das quintas séries do Ensino Fundamental nas Instituições Escolares hoje.

    Por: João do Rozario Limal Educaçãol 05/04/2008 lAcessos: 1,659 lComentário: 1
    Nathália Alves de Oliveira

    O texto discute conceitos fundamentais para a aplicação da afetividade na escola entre professor-aluno e toda a equipe escolar. Demonstra a compreensão da dimensão afetiva e sua relevância no desenvolvimento do processo ensino-aprendizagem. A primeira parte analisa o processo ensino-aprendizagem como unidade, na qual a relação interpessoal professor-aluno é fator determinante. A segunda identifica o papel do professor na relação de troca com seus alunos de forma que valorize a afetividade ...''

    Por: Nathália Alves de Oliveiral Educação> Educação Infantill 08/02/2012 lAcessos: 2,784

    Este relato tem como interesse socializar a experiência da Educação Física, na construção de um projeto pedagógico voltado à Educação Infantil em creche.

    Por: IVO NASCIMENTO NETOl Educaçãol 03/04/2010 lAcessos: 6,015

    Este trabalho de conclusão de curso apresenta um estudo de uma proposta interdisciplinar, motivadora, onde levaremos educadores e educandos a refletir e contextualizar as propostas, em que a teoria seja estudada em sala de aula e a prática conhecida através do que denominamos Passeio Cultural. Acreditamos que para se ter uma educação de qualidade é necessário entender que os alunos aprendem quando relacionem fatos, confrontam pontos de vista e refletem criticamente o que aprenderam.

    Por: Edméa Cristina Reis Ferreiral Educaçãol 16/10/2009 lAcessos: 8,152

    O presente estudo propõem uma reflexão sobre as limitações e possibilidades do ensino de Geografia na Educação Infantil. São objetivos da pesquisa através de leituras, caracterizar as etapas da criança segundo teorias do desenvolvimento de Vygotsky e Piaget; especificar os conceitos importantes para auxiliar obter noções espaciais; analisar a importância da orientação espacial e temporal; pesquisar estratégias para trabalhar o ensino de Geografia na Educação Infantil.

    Por: maristela brum peroniol Educação> Educação Infantill 28/03/2011 lAcessos: 9,149 lComentário: 1
    Erineia nascimento da Silva

    O aluno especial tem algumas necessidade de auto realização igual aos demais alunos, assim como ele precisa ter sua autoestima valorizada para contribuir na definição de suas habilidades intelectuais, a interação social com a comunidade escola lhe dará segurança, o apoio dos pais e fundamental nesse processo.

    Por: Erineia nascimento da Silval Educaçãol 11/09/2014
    Erineia nascimento da Silva

    Cérebro é o órgão onde se forma a cognição, o órgão mais organizado do corpo humano. Portando a cognição pode emergir no cérebro e nele acontece dinâmicas evolutivas que permitem ao ser humano revelar-se como um ser auto-eco-organizador, para isso e necessário o envolvimento das funções bio-psico-sociais ou bioantropologicas.

    Por: Erineia nascimento da Silval Educaçãol 08/09/2014
    Formacerta.pt

    Este artigo informa sobre o curso de Formação Pedagógica Inicial de Formadores, uma formação frequentemente procurada (e essencial) por indivíduos que querem entrar no mercado de formação profissional.

    Por: Formacerta.ptl Educaçãol 08/09/2014

    O presente texto aborda sobre Saúde em Educação, como incentivo entre desenvolvimento social, psicológico, cultural e saúde educacional. Pois o artigo preocupa-se e questiona-se sobre a formação de crianças e adolescentes e a saúde pública escolar.

    Por: Reginaldo Posol Educaçãol 07/09/2014

    O presente texto possui uma abordagem reflexiva simples e ao mesmo tempo um foco informativo sobre as três áreas de "ciências" Psicopedagogia, Psicologia Transpessoal e Educação, numa prespectiva relacionada á Educação de maneira prática e explicativa.

    Por: Reginaldo Posol Educaçãol 07/09/2014

    O objetivo deste estudo foi verificar como a mídia influencia o desenvolvimento moral da criança, quando da sua exposição nos meios de comunicação a partir de uma denúncia não verídica de violência sexual em uma escola infantil do município de Vila Velha, Espírito Santo. Trata de um estudo descritivo, desenvolvido na Unidade Municipal de Educação Infantil "José Silvério Machado", Jardim Marilândia, Vila Velha, ES. Participaram do estudo 10 professores.

    Por: ADRIANA CHAGAS MEIRELES ZURLOl Educaçãol 28/08/2014 lAcessos: 12

    O objetivo deste estudo foi contribuir para o entendimento de quais são os fatores que determinam o sucesso escolar de alunos dos meios populares, por meio da percepção dos educadores. Trata de um estudo descritivo, quantitativo e qualitativo. O instrumento de coleta dos dados foi um questionário estruturado com perguntas objetivas e subjetivas As perguntas objetivas se relacionam a identidade dos professores e vivência no ambiente escolar. As subjetivas buscam conhecer quais os fatores que poss

    Por: SANDRA MARIA TEIXEIRA GRADIMl Educaçãol 28/08/2014

    O objetivo deste artigo é relatar a experiência de participação no projeto de psicologia escolar, denominado Mundo Imaginário, que ocorreu entre maio e junho de 2013. A proposta de intervenção em Psicologia Escolar/Educacional envolveu basicamente a aplicação de atividades para as crianças que fazem parte do preparatório para o primeiro ano do ensino fundamental, em uma escola filantrópica de Teresina-Pi, a partir de demandas relatadas e observadas pelos professores de tais turmas.

    Por: Daniel Soaresl Educaçãol 26/08/2014
    Bruno Santos

    O presente artigo discute o mito heróico presente no romance Ubirajara, de José de Alencar.

    Por: Bruno Santosl Literatural 23/02/2010 lAcessos: 429 lComentário: 1
    Bruno Santos

    O Homem duplicado é um romance moderno escrito em 2002 pelo ganhador do prêmio nobel, José Saramago, que substitui a temática dos problemas sociais contemporâneos como em Ensaio sobre a cegueira, A caverna e Ensaio sobre a lucidez pela análise do homem contemporâneo, com todas suas mazelas psíquicas, seu caráter multifacetado, sua perda de identidade.

    Por: Bruno Santosl Literatural 18/09/2009 lAcessos: 3,753 lComentário: 1
    Bruno Santos

    Com o Manifesto Pau-brasil, publicado por Oswald de Andrade em 1924, abre-se um leque de questionamentos sobre as nossas origens. Oswald questiona, em seus poemas, o primeiro documento histórico escrito em solo brasileiro: a Carta de Caminha. O presente artigo explana esses questionamentos e incita-nos a olhar as origens do Brasil sobre outra visão: a crítica.

    Por: Bruno Santosl Literatural 23/07/2009 lAcessos: 3,983 lComentário: 1

    Comments on this article

    0
    taya 24/09/2009
    O texto ta d+.Parabens. Finalmente consegui aprender ao sobre Vygotsky.
    2
    solange livino alves 07/09/2009
    o desencanto da nação

    estamos acorrentados perante o poder daqueles q nos venera,adotamos isso e ñ adianta querer voltar atrás do q ñ tem mais jeito.
    só nos resta fechar os olhos e fazer de conta q está tudo bem,quando na verdade queremos nascer de novo...
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast