Vygotsky E A Motivação Escolar

Publicado em: 23/07/2009 |Comentário: 2 | Acessos: 14,536 |

 

 

 

Vygotsky foi um renomado psicólogo russo que aplicou-se no estudo das formas de aprendizagem, focalizando-as em seu caráter psicológico. O seu trabalho se volta mais para uma concepção sociocultural do desenvolvimento psicológico do indivíduo do que uma abordagem puramente biológica. Isso permitiu a ele ir a fundo na compreensão e natureza das funções psicológicas superiores. Uma de suas idéias consistiu na quebra do paradigma até então aceito pela maioria dos cientistas de que o desenvolvimento psicológico era fruto de um processo que ocorria no interior do sujeito, de forma subjetiva. Vygotsky substitui essa noção mostrando que o desenvolvimento psicológico começa pela interação interpsicológica para depois intrapsicológica.

 O enfoque sociocultural do desenvolvimento psicológico foi considerado por Vygotsky uma forma mais plausível de se compreender os fenômenos de aprendizagem. Ele acreditava que o desenvolvimento era um processo evolutivo e que as funções psicológicas superiores – como a atenção, a memória, o pensamento, por exemplo -, se dava a partir de um plano interpsicológico de desenvolvimento (ou seja, através da interação da criança, no caso, com o outro). A partir dessa idéia, nasce a concepção de Zona de Desenvolvimento Proximal, que elucida a distância entre o desenvolvimento real (aquele que torna o indivíduo capaz de enfrentar situações aplicando seu conhecimento de maneira autônoma) e o desenvolvimento potencial (aquele que o indivíduo possui, mas que encontra-se em processo).

 Em síntese, a Zona de Desenvolvimento Proximal é basicamente tudo aquilo que, em termos intelectuais, a criança pode adquirir com a ajuda de um suporte educacional qualificado.

 Vygotsky fala sobre dois estágios de formação pedagógica do indivíduo: um que se centra nas interações do mesmo com a família e o outro que se pauta nas interações com as instituições sociais de ensino, entre elas a Escola.

 Como a Zona de Desenvolvimento Proximal proposta por Vygotsky é aquela em que a criança engaja o aprendizado através da relação com outro (relação interpsicológica), poderíamos nos questionar: qual o papel da motivação nesse âmbito educacional? Quais os tipos de motivação existentes?

 Existem dois tipos claros de motivação: a motivação intrínseca (chamada também de pessoal ou inconsciente e representa o desejo interior de atingir algum objetivo ou satisfazer determinada necessidade; é a força psíquica que todos nós possuímos) e a motivação extrínseca (motivação caracterizada por fatores predominantemente externos; é conhecida também como motivação ambiental ou consciente). O professor tem um papel maior na motivação extrínseca, pois é ele quem deve produzir uma aula que desperte interesse nos alunos. A motivação intrínseca é fundamental porque dela depende todo o processo de aprendizagem. O aluno precisa estar motivado a aprender, embora nem sempre os motivos sejam o aprender em si.

Há também a perspectiva atribucional imposta aos alunos por si mesmos. Eles se auto-avaliam ou avaliam o que aprenderam a partir dos resultados concretos de suas ações ou tarefas. Esses resultados podem ser tanto negativos quanto positivos e se transformam no critério primeiro desses alunos, que se sentem ou bem sucedidos ou fracassados. O que mede a aprendizagem dos jovens é a balança do êxito. Esses juízos prévios acabam desmotivando alguns deles na maioria das vezes.

Como vimos, os alunos têm diversos métodos individuais de avaliação do que fazem ou produzem. Para a maioria deles, o que fazem precisa ser interessante, de pouco esforço e de alguma utilidade. Dessa forma, eles criam certo afeto pelo que foram designados a fazer, e isso os conduz até mesmo a bons resultados.

 Alguns psicólogos fazem uma notável distinção entre dois tipos de alunos: o que se empenha tendo como objetivo primeiro aprender e o que busca obter boas qualificações, notoriedade, aquele carregado com desejo de ganhar aprovação de outros, além de, em alguns casos, evitar castigos. Os alunos que se enquadram no primeiro tipo são os que traçam metas de aprendizagem e como resultado obtêm sempre bom desempenho, excelentes notas e motivação. Geralmente esses alunos estão sempre abertos às correções e não se frustram com facilidade. Os alunos que apenas se preocupam com resultados concretos e aparentes, quando recebem nota baixa ou não vêem êxito no que fizeram, se frustram e não extraem nada de bom com essa experiência, o que desmotiva-os.

 Além dos já citados, outros paradigmas povoam as mentes dos alunos, entre eles o conceito de inteligência. Alguns concebem a inteligência como algo dado por graça divina, algo herdado geneticamente e que é inalcançável para os que não foram contemplados. Isso fomenta as aceitações de erros como incapacidade. Esse tipo de coisa precisa ser tratado imediatamente, pois afeta muito a forma do aluno encarar a si mesmo como um ser que tenha competência para aprender apesar dos erros e fracassos.

 O que a Escola necessita fazer é concentrar esforços na motivação dos alunos. Isso impulsiona e ativa recursos cognitivos. A motivação deve – quase sempre – ser encarada como algo muito importante no processo de aprendizagem, a não ser quando haja excessos. As motivações tanto intrínseca quanto extrínseca em excesso trazem malefícios aos alunos. O que deve haver é um equilíbrio entre ambos.

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 11 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-artigos/vygotsky-e-a-motivacao-escolar-1063195.html

    Palavras-chave do artigo:

    vygotsky

    ,

    motivacao escolar

    Comentar sobre o artigo

    Tania Maria da Silva Nogueira

    Esta pesquisa trata-se de um estudo qualitativo e visa investigar a motivação dos alunos em uma escola pública do Distrito Federal, Centro de Apoio Integral à Criança Santa Maria - CAIC, quanto as suas produções artísticas, assim como a dinâmica de incentivo oportunizada a estes alunos diante da realização de trabalhos desenvolvidos no âmbito escolar com a exposição desses trabalhos na comunidade escolar. Para viabilizar esse estudo, utilizou-se a entrevista por meio de roteiro de pesquisa com o

    Por: Tania Maria da Silva Nogueiral Educação> Ensino Superiorl 05/03/2014 lAcessos: 50
    SANDRA VAZ DE LIMA

    O artigo a seguir trata sobre a importância da motivação no processo de aprendizagem, uma vez que este processo é desencadeado a partir da motivação, que se dá no interior do sujeito, estando intimamente ligado às relações de troca que o mesmo estabelece com o meio, principalmente, seus professores e colegas. Nas situações escolares, o interesse é indispensável para que o aluno tenha motivos de ação no sentido de apropriar-se do conhecimento.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 25/02/2008 lAcessos: 639,743 lComentário: 43

    O presente artigo objetiva-se por em pauta a importância do brincar para o desenvolvimento completo da criança em seu aspecto social, emocional, intelectual e cognitivo. Articulando, assim, sobre a importância da brinquedoteca escolar como meio de suprir parte dessa carência lúdica; visto que as crianças de hoje em dia quase não brincam e não criam em função de receberem tudo pronto, onde só precisam dar um comando e tudo funciona maravilhosamente bem.

    Por: Edna Amaral Simonl Educação> Educação Infantill 02/10/2012 lAcessos: 2,052

    As práticas de leitura e produção de textos orais e escritos na escola têm sido, cada dia mais, desafiadoras para os professores. A grande ocorrência de textos fora da escola, carregados de múltiplas e atrativas formas de apresentação e de múltiplos sentidos e significados, acaba por esvaziar ou ameaçar, de certo modo, o trabalho proposto pelos professores. Por tais razões, faz-se necessária uma melhor escuta sobre a temática da produção textual no contexto escolar.

    Por: Selmo Alvesl Educação> Línguasl 29/09/2010 lAcessos: 7,235

    Este Artigo retrata a realidade das quintas séries do Ensino Fundamental nas Instituições Escolares hoje.

    Por: João do Rozario Limal Educaçãol 05/04/2008 lAcessos: 1,673 lComentário: 1
    Nathália Alves de Oliveira

    O texto discute conceitos fundamentais para a aplicação da afetividade na escola entre professor-aluno e toda a equipe escolar. Demonstra a compreensão da dimensão afetiva e sua relevância no desenvolvimento do processo ensino-aprendizagem. A primeira parte analisa o processo ensino-aprendizagem como unidade, na qual a relação interpessoal professor-aluno é fator determinante. A segunda identifica o papel do professor na relação de troca com seus alunos de forma que valorize a afetividade ...''

    Por: Nathália Alves de Oliveiral Educação> Educação Infantill 08/02/2012 lAcessos: 3,049

    Este relato descreve as experiências vividas no estágio supervisionado que representa para nós uma etapa importante no desenvolvimento das competências do ensino, onde utilizamos o jogo didático para facilitar o aprendizado musical nas aulas de canto coral e tornar as aulas mais atrativas e dinâmicas para os alunos.

    Por: BARTOLOMEU RODRIGUES LIMAl Arte& Entretenimento> Músical 25/11/2014

    Este relato tem como interesse socializar a experiência da Educação Física, na construção de um projeto pedagógico voltado à Educação Infantil em creche.

    Por: IVO NASCIMENTO NETOl Educaçãol 03/04/2010 lAcessos: 6,056

    Este trabalho de conclusão de curso apresenta um estudo de uma proposta interdisciplinar, motivadora, onde levaremos educadores e educandos a refletir e contextualizar as propostas, em que a teoria seja estudada em sala de aula e a prática conhecida através do que denominamos Passeio Cultural. Acreditamos que para se ter uma educação de qualidade é necessário entender que os alunos aprendem quando relacionem fatos, confrontam pontos de vista e refletem criticamente o que aprenderam.

    Por: Edméa Cristina Reis Ferreiral Educaçãol 16/10/2009 lAcessos: 8,346

    Com o advento da globalização, a educação é tida como o maior recurso de que se dispõe para enfrentar essa nova estruturação mundial. Objetiva-se evidenciar a importância dos alunos encontrarem na escola não só evidências de seu próprio mundo, mas também aparato capaz de os "cunharem" para uma participação social plena e não "fatiada", como sugere o estudo por disciplinas. Jovens e adultos, público cada vez mais informatizado, exige que as disciplinas deixem de ser apresentadas de forma isolada.

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    A expressão artística faz parte da história humana desde os tempos mais remotos. Sendo assim, a Arte é um dos modos de conhecimento ao qual os estudantes devem também ter acesso, assumindo-se como sujeitos capazes de apreciação estética e criação artística, articuladas aos processos e mediações da cultura contemporânea. Diante das mudanças pelas quais o ensino-aprendizagem de Arte passou, vê-se a necessidade de discorrer a respeito da presença desta disciplina no currículo escolar, revendo sua i

    Por: KÁTIA CÉLIA FERREIRAl Educaçãol 18/12/2014

    Sabe-se que a educação é responsável pela formação do aluno enquanto cidadão, de maneira a prepará-lo para a vida em sociedade, para que saiba atuar criticamente nesse meio. Assim, a escola inclusiva busca complementar a formação do aluno por meio das relações de convivência, uma vez que conviver com o diferente é parte desse processo de formação, até porque, como já mencionamos, é na escola que o aluno desenvolve seus aspectos cognitivos, motores e psicológicos.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    As revela à existência de ações políticas e sociais que possam concretizar e promover a efetividade da inclusão social da pessoa com necessidade educacional especial. Vejo que a sociedade deve compreender como se dá o processo de ensino-aprendizagem da criança com Síndrome de Down na Educação Básica, as dificuldades enfrentadas e as possibilidades e mecanismos de reconhecimento e aceitação dessas limitaçõ

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    No processo de inclusão a escola propõe a conviver com o "diferente", aceitá-lo, auxiliá-lo, e muitas vezes aprender algo com essas crianças. Entretanto para oferecer uma inclusão verdadeira é preciso entender as particularidades das crianças, mediar a socialização de forma que todos trabalham para o aprendizado de cada uma delas, em benefício de todos. Pretendo contribuir com as discussões éticas e educacionais que envolvem a formação da criança Down por meio da educação.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    A educação escolar é um dos contextos em que a criança aprende e desenvolve-se nos aspectos cognitivos, emocional e social. Por isso a necessidade de incluir a criança com necessidades especiais na escola, pois atender a todos é parte do processo educativo, por isso a diversidade cultural e outras questões sociais precisam ser vivenciadas também em sala de aula.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    Apresento algumas características que identificam a criança Down, o conceito de Educação Inclusiva e Educação básica, e da diversidade na educação. Relacionam-se aspectos positivos da inclusão da criança Down na Educação Básica e como deve acontecer essa inclusão, enumerando as dificuldades no processo de inclusão da criança Down na Educação Básica. Conceitua-se a Síndrome de Down e sua identificação, bem como o tratamento e a motivação para inserir a criança com deficiência na Educação Básica.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014

    O estudo realizado teve como foco principal compreender os avanços no processo de construção do conhecimento dos alunos de uma turma de 3º ano, através dos jogos matemáticos, priorizando, desse modo, a ludicidade no ensino. A pesquisa foi desenvolvida durante o estágio realizado pela acadêmica e pesquisadora junto a uma turma de 3º ano.

    Por: Luziane Da Silva Costal Educaçãol 15/12/2014 lAcessos: 11
    Bruno Santos

    O presente artigo discute o mito heróico presente no romance Ubirajara, de José de Alencar.

    Por: Bruno Santosl Literatural 23/02/2010 lAcessos: 442 lComentário: 1
    Bruno Santos

    O Homem duplicado é um romance moderno escrito em 2002 pelo ganhador do prêmio nobel, José Saramago, que substitui a temática dos problemas sociais contemporâneos como em Ensaio sobre a cegueira, A caverna e Ensaio sobre a lucidez pela análise do homem contemporâneo, com todas suas mazelas psíquicas, seu caráter multifacetado, sua perda de identidade.

    Por: Bruno Santosl Literatural 18/09/2009 lAcessos: 3,810 lComentário: 1
    Bruno Santos

    Com o Manifesto Pau-brasil, publicado por Oswald de Andrade em 1924, abre-se um leque de questionamentos sobre as nossas origens. Oswald questiona, em seus poemas, o primeiro documento histórico escrito em solo brasileiro: a Carta de Caminha. O presente artigo explana esses questionamentos e incita-nos a olhar as origens do Brasil sobre outra visão: a crítica.

    Por: Bruno Santosl Literatural 23/07/2009 lAcessos: 4,037 lComentário: 1

    Comments on this article

    0
    taya 24/09/2009
    O texto ta d+.Parabens. Finalmente consegui aprender ao sobre Vygotsky.
    2
    solange livino alves 07/09/2009
    o desencanto da nação

    estamos acorrentados perante o poder daqueles q nos venera,adotamos isso e ñ adianta querer voltar atrás do q ñ tem mais jeito.
    só nos resta fechar os olhos e fazer de conta q está tudo bem,quando na verdade queremos nascer de novo...
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast