A Contribuição Da Psicopedagogia Para O Processo De Alfabetização E Letramento

Publicado em: 28/12/2009 |Comentário: 0 | Acessos: 8,301 |

1.0 INTRODUÇÃO

 

            Pretende-se no referido artigo analisar o processo e as concepções da leitura e escrita numa perspectiva psicopedagógica , assim como também, levar em consideração todos os aspectos relevantes de determinadas atividades, tanto para o educando quanto para o educador na escola.

            Sabemos que a criança passa por uma série de desafios até que a aprendizagem da leitura e escrita se concretize, um dos desafios encarados pelos educadores atuais é a socialização com o outro e com o meio escolar. Daí se percebe que cabe ao educador e educando envolver-se e pensar naquilo que presencia constantemente na escola, para que a partir destes desafios e realizações a aprendizagem aconteça naturalmente sem restrições e inseguranças.

            A aprendizagem da leitura e escrita tem sido encarada pelos educadores atuais como um desafio de tão grande complexidade que merece atenção especial. Antigamente, poucas preocupações se tinham com este processo. Porém, nas últimas décadas este vem sendo um ponto chave para discussão.

            De forma geral, a Psicopedagogia trouxe contribuições para as discussões sobre a aprendizagem da leitura e da escrita e tem trazido grandes reflexões, principalmente no caso dos problemas que normalmente atingem as crianças em fase de alfabetização.

 

 

2.0 A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

 

A aprendizagem da leitura e escrita, nos dias de hoje, tem se tornado cada vez mais acessível, visto que é considerada uma atividade essencial para a comunicação humana. Nos diversos aspectos do ensino-aprendizagem, seja do conhecimento formal ou informal, de modo que temos muitos meios influenciáveis aos processos citados, a exemplo dos tipos de escritos existentes no meio social e os de ordem sistemáticos utilizados na escola. Assim, cabe aos indivíduos interagirem com os recursos existentes para que o uso da leitura e da escrita esteja presente.

O domínio de tais habilidades, além de permitir ao homem uma melhor compreensão do seu universo, leva-o a encarar com outros olhos, horizontes que considerava antes não existirem, a exemplo das informações jornalísticas, científicas, etc.

Dominar a leitura e a escrita, nos dias de hoje, é relacionar fatos, tendo em vista, sempre, objetivos a alcançar. Assim, podemos afirmar que para atuar em meio às sociedades com o domínio da leitura e escrita é preciso ter determinação e objetivos, pois a leitura e a escrita só são importantes porque têm grande utilidade nas relações humanas, comunicação e socialização tanto com os outros quanto com os elementos que surgem constantemente e cada vez mais elaborados.

Teberosky e Colomer (2003, p. 27) afirmam que:

As situações de interação cotidiana, quando se vai às compras, por exemplo, quando se guardam na cozinha as mercadorias adquiridas ou quando se prepara a refeição, que podem ser uma oportunidade para aprender outras formas de classificar e interagir com o texto escrito.

 

Nota-se que os meios, tanto de comunicação escrita, como o acesso à tevê, rádio e computador, todos têm a sua relevância no universo do leitor, pois para desenvolver as demais atividades de leitura e escrita, principalmente com mais facilidade é necessário que se conviva constantemente com elas no intuito de praticá-las devidamente e levar a sério suas funções na escola e na sociedade.

O domínio da leitura e da escrita requer esforço dos alunos que fazem parte do espaço escolar e social, pois sem o seu domínio de tais atividades fica difícil entender o que se apresenta constantemente.

Os tipos de informações são diversificados, quer seja em casa, na rua ou na escola. Teberosky e Colomer (2003) destacam que outro tipo de material consiste nos portadores de textos encontrados em casa, a exemplo dos rótulos, signos, marcas e logotipos feitos sobre embalagens impressas de uma grande diversidade de materiais como: papel, madeira, lata, vidro, plástico, pano, cerâmica, etc. e também folhetos, material publicitário, manuais com diversas fontes e cores.

Temos em meio às sociedades uma diversidade infinita de textos, produzidos pelo próprio homem e que servem de suporte para a prática informal da leitura. Interpretar as leituras apresentadas diariamente é tarefa fundamental para aqueles que consideram que a aprendizagem tanto da leitura quanto da escrita é essencial para uma melhor qualidade de vida. As leituras feitas diariamente também têm, além da sua relevância para o processamento de informações úteis, influência sobre o comportamento humano, nas suas colocações, participação ativa em assuntos que tem mais intimidade. Isso acontece quando o leitor se depara com assuntos que compreende sua função, bem como outros aspectos ligados ao conteúdo em destaque. Em suma, a leitura é a arte de compreender os escritos e os escritos cumprem em sua grande maioria com uma função social, seja de ensinar, informar, comover, etc.

 

3.0 O processo de alfabetização e letramento na escola

 

            O desafio de alfabetizar e letrar na escola para Simonetti (2005) é o de conseguir que as crianças leiam e escrevam de forma espontânea, criativa, construtiva e que possam inserir-se no universo da cultura escrita. Nesse sentido a autora ainda se ainda se posiciona completando que para nós, alfabetizar e letrar na Educação Infantil é, antes de qualquer coisa, provocar e despertar nas crianças o desejo além do prazer de ler e escrever, inserindo-as de forma dinâmica no universo da leitura e da escrita. Soares apud Simonetti (2005, p.14) ressalta, chamando atenção para:

... a última avaliação do (SAEB) Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica , denunciando que aproximadamente 33% dos alunos com quatro anos de escolaridade são analfabetos, ou seja, a criança termina analfabeta a 4ª série. Além do que os alunos chegam à 8ª série com nível de escolaridade insatisfatório. Apresentamos esses dados estatísticos para não nos acostumarmos com essa situação, mesmo que se diga: “Ah, isso a gente já sabe...” Sabemos, mais o que fazemos? Na maioria das vezes nada, apenas nos acomodamos.

 

 

            A preocupação da qualidade do ensino da leitura e escrita deve ser uma preocupação tanto da escola quanto da família e da própria sociedade, de modo que se tenha um ideal coletivo referente à qualidade do ensino de determinadas atividades, pois, vivemos numa sociedade politicamente democrática, onde os indivíduos tem liberdade de expressar os seus pensamentos e idéias sobre assuntos relevantes para o andamento e a boa qualidade do ensino no país.

            O processo de alfabetização e letramento como atividades que fazem parte da vida dos indivíduos de forma direta, no caso tanto na escola como na sociedade. Uma criança em seu contexto escolar está sujeita ao domínio da leitura e escrita, visto que é através do processo de alfabetização que a criança ou o adulto analfabeto na escola passa a encarar as letras não como unidades isoladas, mas sim como uma parte de um todo.

 

 

 

 

 

4.0 Como a psicopedagogia pode ajudar no processo de alfabetização e                        letramento

                Sendo a Psicopedagogia responsável pelos métodos estratégicos para crianças com dificuldades na aprendizagem, pode-se afirmar que a sua função na escola, em especial no processo de alfabetização e letramento é mediar as capacidades das crianças, levando-as a partir daí a sentir-se estimulada através da escola juntamente com o professor psicopedagogo numa construção significativa e de acordo com a sua capacidade de desenvolvimento.

No ensino-aprendizagem da alfabetização e letramento nas escolas hoje é notório as teorias da aprendizagem baseadas nos princípios psicogenéticos a exemplo do PCN (1997, p. 43) que explica:

     

            Conforme a concepção acima mencionada, podemos perceber claramente a relevância da psicologia genética na compreensão do processo de desenvolvimento da criança, isso implica afirmar que as escolas atualmente estão oportunizadas a adotarem meios assegurados não apenas pelo educador individualmente, mas sim pelo conjunto de idéias advindas de estudos voltados para as necessidades especiais envolvendo a criança e a sua aprendizagem.

            No processo de alfabetização e letramento a Psicopedagogia contribui levando o educador a refletir sobre os seus atos como professor e avaliador da aprendizagem de crianças com dificuldades tanto de aprendizagem quanto de outras habilidades ligadas direta e indiretamente à escola envolvendo a escrita.

            A Psicopedagogia como uma atividade voltada para um atendimento personalizado àqueles alunos que merecem uma atenção especial, exerce forte influência em todo o processo de ensino-aprendizagem, visto quer através da valorização do aspecto cognitivo como foco de reflexão. Tanto o educador quanto o aluno passam a viver experiências relevantes não apenas para o processo de ensino-aprendizagem na escola, mas também para uma convivência maior que envolve o indivíduo e o seu meio numa construção significativa de aprendizagens através das experiências vivenciadas diariamente com o mundo e com as coisas nele existentes.

 

 

5.0 CONSIDERAÇÕES FINAIS

 

            A contribuição da Psicopedagogia no processo da alfabetização e letramento nos dias de hoje tem sido destaque nas escolas em geral. Isso porque através de estudos da pedagogia juntamente com a psicologia o atendimento à criança com necessidade de atendimento especial se aperfeiçoou, visto que uma das preocupações dos educadores e envolvidos diretamente ao processo de ensino-aprendizagem está centralizado no desenvolvimento cognitivo do aluno nas diversas modalidades de ensino.

            Evidentemente, tais afirmações têm relações com o objetivo que se fundamenta às escolas, de modo que o aprendizado do aluno esteja sempre voltado para um fim significativo e promissor. Os problemas da educação vêm de muito tempo se apresentando nas sociedades e os interesses dos educadores pelos problemas psicológicos no processo de ensino da leitura e escrita, assim como qualquer outra atividade mediada pela escola ainda está em foco, pois o objetivo do professor é fazer com que o seu aluno aprenda, independentemente de cor, raça, classe social ou diferenças individuais, no caso, necessidades relevantes de apoio maior e mais qualificado.

            O desafio da Psicopedagogia no processo de ensino-aprendizagem, em especial no campo da leitura e da escrita, tem sido o de encarar com naturalidade os problemas enfrentados na escola com crianças com dificuldades de desenvolvimento cognitivo, porém, do outro lado, a escola atualmente investe em saídas mais humanas, no caso a preparação profissional do educador para lidar com problemas psicológicos que antes era considerado um desafio bem maior e em muitos casos, sem saída para o educador, visto que a deficiência não só era do aluno em se desenvolver nas atividades propostas pela escola, mas também do educador em encarar as diferenças individuais como um fator relevante a se pensar no ensino como oportunidade de integração social dos educandos com necessidades de atendimentos mais qualitativos, no caso, psicológicos. 

              

                                                    REFERÊNCIAS

 

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Língua portuguesa. Ensino de primeira à quarta série. Brasília: MEC/SEF, 1997.

______. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1997.

SIMONETTI, Amália [et. al.]. O Desafio de Alfabetizar e Letrar. Fortaleza: Edições Livro Técnico, 2005.

TEBEROSKY, Ana & COLOMER, Teresa. Aprender a ler e a escrever: uma proposta construtivista. Porto Alegre: Artmed, 2003.

 

 

Avaliar artigo
5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 8 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-infantil-artigos/a-contribuicao-da-psicopedagogia-para-o-processo-de-alfabetizacao-e-letramento-1635982.html

    Palavras-chave do artigo:

    alfabetizacao

    ,

    letramento e aprendizagem

    Comentar sobre o artigo

    A alfabetização e o letramento são processos distintos da escolarização. A alfabetização preocupa-se com a aquisição da escrita pelo indivíduo ou grupo de pessoas. O letramento preocupa-se com a aquisição de um sistema escrito por uma sociedade. A Universidade Estadual da Paraiba está contribuindo para a mudança do histórico do analfabetismo na Paraíba, implantando nos seus cursos de licenciatura componente curricular que exigirá do aluno a efetiva realização de letramento de jovens e adultos.

    Por: Ailton Elisiario de Sousal Educação> Ensino Superiorl 02/08/2011 lAcessos: 204

    Sem o menor desejo de conceituar ou inibir qualquer discussão e outras reflexões a respeito do que estar exposto no seguinte texto, este artigo apresenta a alfabetização e o letramento como duas unidades que se encontram indissociáveis numa abordagem de reflexão pedagógica e análise teórica do que seria ler, escrever, interpretar e socializar. Saberes que o ser humano vai adquirindo no seu contexto social de forma empírica ou ingênua que pode contribuir para o encontro com os conhecimentos siste

    Por: Andrade Cavalcantel Educação> Educação Infantill 04/08/2013 lAcessos: 91

    RESUMO Este artigo foi realizado pelas alunas do 7º semestre do curso de Letras português/espanhol do Centro Universitário _UNIVAG, realizado durante o estágio supervisionado, ma Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio “Profº Nilo Povoas”, no município de Cuiabá_mt. As perspectivas são: questões de linguagem a serem trabalhadas no ensino Línguas estrangeiras como uma habilidade básica descontextualizada; concepção de linguagem como prática social imersa em condições locais (letramento). As divergências encontradas referem-se: ao conceito de alfabetização/letramento, ao potencial atribuído à alfabetização para o desenvolvimento nacional e melhoria das condições sociais, à possibilidade de uma medida padronizada válida das habilidades de alfabetização, e ao poder do contexto na determinação do letramento como uma prática estável.

    Por: Marta Nunes e Sirleide Carvalhol Educaçãol 21/08/2009 lAcessos: 1,939
    Antonio Reinaldo Santos Alves

    Este ensaio discute as relações entre a alfabetização e letramento em visa da aprendizagem de alunos jovens e adultos, tratando deste tema como um dos eixos para a formação de professores alfabetizadores. Queremos, portanto discutir a partir da prática dos professores alfabetizadores as possibilidades de se trabalhar estes conceitos ao mesmo tempo tão distintos, mas que se converge para o bom aproveitamento escolar, e perceber com são efetivadas as práticas e os eventos de letramento em EJA.

    Por: Antonio Reinaldo Santos Alvesl Educação> Ensino Superiorl 05/11/2011 lAcessos: 364

    O conhecimento da origem do Letramento no Brasil oportuniza aos professores alfabetizadores a conscientização a importância de se trabalhar com textos cotidianos na alfabetização bem como evidencia a diferenciação conceitual e procedimental existente entre essas duas "facetas" do ensino-aprendizagem da leitura e da escrita. A clareza de diferenciação da natureza da alfabetização e do letramento dá aos professores instrumentos para que possam favorecer aos alunos a reflexão sobre o funcionamento

    Por: Ivânia Pereira Midon de Souzal Educação> Educação Infantill 16/08/2010 lAcessos: 5,111

    A alfabetização/ letramento tem sido alvo de inúmeras contestações teóricas e metodológicas, exigindo que a escola e, sobretudo, aqueles os docentes que lidam com o desafio de alfabetizar/ letrar se posicionem em relação às mesmas, o que com certeza traz implicações para as práticas pedagógicas que optam por adotar.

    Por: MARCELO FERREIRA ORMONDl Educação> Educação Infantill 05/11/2013 lAcessos: 151
    Maria Alves

    O presente artigo aborda reflexões que resultaram de uma proposta de formação continuada na qual se trabalhou a Importância dos Jogos e Brincadeiras no Processo de Alfabetização e Letramento. A proposta possibilitou aos professores e a equipe pedagógica perceber a importância de explorar os Jogos e as Brincadeiras no desenvolvimento das atividades pedagógicas utilizando a ludicidade com os discentes nos processos de ensino e aprendizagens.

    Por: Maria Alvesl Educaçãol 13/08/2013 lAcessos: 388

    O presente artigo discute a dificuldade que os professores sentem em alfabetizar e letrar, ao mesmo tempo, em sala de aula.O letramento vai além da simples alfabetização, do ato de ler e escrever, uma vez que seu conceito engloba a compreensão dos textos e seus contextos. Encontrar alternativas para tornar pessoas alfabetizadas em letradas, ainda em sala de aula, é um desafio que os educadores parecem dispostos a enfrentar, pois o letramento faz evoluir da simples decodificação das palavras para

    Por: LURDES MARIA DE SOUZAl Educação> Ensino Superiorl 01/11/2012 lAcessos: 797

    O presente trabalho abordará a idéia de letramento defendida por Paulo Freire e Magda Soares, percebendo-se que há uma crise de plausibilidade no sistema educacional brasileiro, nisto, há uma crescente produção de indivíduos alfabetizados apenas. É nesse contexto que este trabalho pretende ser relevante — estabelecer pontes entre o aluno de ensino de base e o Letra-mento propiciado por uma visão que associa o saber ao cotidiano do indivíduo.

    Por: Alcides Silval Educaçãol 17/11/2008 lAcessos: 6,728 lComentário: 3

    Como obter as informações de que necessitamos para acompanhar os percursos dos estudantes? Como apreender os modos como eles representam os conceitos? Como saber o que pensam sobre o que ensinamos para pensarmos nas possibilidades pedagógicas que assegurariam a qualidade do ensino-aprendizagem? Como proceder para que os estudantes evidenciem seus avanços e suas dificuldades?

    Por: Maria Cristinal Educação> Educação Infantill 18/11/2014

    Aprender com prazer, aprender brincando, brincar aprendendo, aprender a aprender, aprender a crescer: a escola é, sim, espaço de aprendizagem. Assim, é fundamental que cada professor se sinta desafiado a repensar o tempo pedagógico, analisando se ensina o que é de direito para os estudantes e se a seleção de conteúdos, capacidades e habilidades é de fato importante naquele momento.

    Por: Maria Cristinal Educação> Educação Infantill 18/11/2014

    A prática educativa está fortemente relacionada a processos de comunicação e interação entre os seres, que a utilizam para assimilar seus saberes, habilidades, técnicas, valores, atitudes, e, através disso, construir novos saberes. Sendo assim, não se pode reduzir a educação ao simples ato de ensinar e a pedagogia como um conjunto de métodos que possibilita o ensino. Sendo assim, surge um questionamento essencial a todo aquele que quer compreender, viver e fazer pedagogia: quem é o pedagogo?

    Por: Maria Cristinal Educação> Educação Infantill 18/11/2014

    A questão da inclusão de pessoas portadoras de necessidades especiais em todos os recursos da sociedade ainda é muito incipiente no Brasil. Movimentos nacionais e internacionais têm buscado um consenso para formatar uma política de inclusão de pessoas portadoras de deficiência na escola regular.

    Por: Jania Gasques bordonil Educação> Educação Infantill 17/11/2014
    Liamara Lucia de Almeida Cacho

    Nos anos iniciais, a disciplina que trabalha as noções históricas, de espaço e tempo é chamada de Estudos Sociais. Neste período o professor deve transmitir aos alunos noções fundamentais de organização da vida em sociedade, de como se organiza o próprio município, da atuação das autoridades, organizações e hierarquias, noções de respeito e educação cidadã, além dos deveres e direitos humanos.

    Por: Liamara Lucia de Almeida Cachol Educação> Educação Infantill 14/11/2014 lAcessos: 11
    Liamara Lucia de Almeida Cacho

    Como todos já sabem e ouviu-se muito falar, a educação autônoma é a mais viável e satisfatória nos dias de hoje. Com tantas transformações ocorrendo em tempo real, e em nível econômico, político e social, além de cultural também. Com base nisto, quero colocar alguns dos meus pensamentos sobre a educação.

    Por: Liamara Lucia de Almeida Cachol Educação> Educação Infantill 14/11/2014
    Liamara Lucia de Almeida Cacho

    Há tempos busca-se formar integralmente o homem, provavelmente, nenhuma palavra expressa mais essa ideia de formação humana que a palavra, oriunda da Cultura Grega, Paídeia, que exprimia o ideal de desenvolver no ser homem aquilo que era considerado próprio da sua natureza, essa ideia perpassou o humanismo renascentista chegando até aos nossos dias atuais. Diante disso, cabe perguntar: O que significa essa totalização da formação humana? Pode ser definido em um único conceito?

    Por: Liamara Lucia de Almeida Cachol Educação> Educação Infantill 14/11/2014

    A educação inclusiva é voltada de todos para todos, os ditos "normais" e as pessoas com algum tipo de deficiência poderão aprender em conjunto. Uma pessoa dependerá da outra para que realmente exista uma educação de qualidade. A função de separar e classificar os alunos, rotulando-os como menos ou mais capazes, dá lugar a de escolher cada um, valorizando suas potencialidades, sua linguagem, suas diferenças, bem como os instrumentos que ampliam suas possibilidades de aprender, de comunicar e de i

    Por: Darci Martinsl Educação> Educação Infantill 14/11/2014 lAcessos: 13
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast