A História da Educação Infantil no Contexto Brasileiro

Publicado em: 12/09/2010 | Acessos: 8,160 |

As primeiras creches foram criadas no Brasil no final do século XIX e início do século XX, e tinham como finalidade retirar as crianças abandonadas da rua, diminuir a mortalidade infantil, formar hábitos higiênicos e morais nas famílias, alicerçado em um caráter extremamente assistencialista. Considerando que, nessa época, não se tinha um conceito bem definido sobre as especificidades da criança, a mesma era "[...] concebida como um objeto descartável, sem valor intrínseco de ser humano" (RIZZO, 2003, p. 37).

Com o avanço da industrialização e o aumento do número de mulheres da classe média no mercado de trabalho, aumentou a demanda pelo serviço das instituições de atendimento à infância.  Fatores como o alto índice de mortalidade infantil, a desnutrição generalizada e o número significativo de acidentes domésticos, fizeram com que alguns setores da sociedade, dentre eles os religiosos, os empresários e educadores, começassem a pensar num espaço de cuidados da criança fora do âmbito familiar. Foi com essa preocupação, ou com esse "[...] problema, que a criança começou a ser vista pela sociedade e com um sentimento filantrópico, caritativo, assistencial é que começou a ser atendida fora da família" (DIDONET, 2001, p. 13). Ainda segundo o autor:

Enquanto para as famílias mais abastadas pagavam uma babá, as pobres se viam na contingência de deixar os filhos sozinhos ou colocá-los numa instituição que deles cuidasse. Para os filhos das mulheres trabalhadoras, a creche tinha que ser de tempo integral; para os filhos de operárias de baixa renda, tinha que ser gratuita ou cobrar muito pouco; ou para cuidar da criança enquanto a mãe estava trabalhando fora de casa, tinha que zelar pela saúde, ensinar hábitos de higiene e alimentar a criança. A educação permanecia assunto de família. Essa origem determinou a associação creche, criança pobre e o caráter assistencial da creche. (DIDONET, 2001, p. 13)

Nesse sentido, vale ressaltar que uma das instituições brasileiras mais duradouras de atendimento à infância, que teve seu início antes da criação das creches, foi a "roda dos expostos" ou "roda dos excluídos", local onde se colocavam os bebês abandonados. Era composto por uma forma cilíndrica, dividida ao meio por uma divisória e fixado na janela da instituição ou das casas de amparo. Assim, a criança era entregue a esta instituição, sendo preservada a sua identidade.

Por mais de um século a roda de expostos foi a única instituição de assistência à criança abandonada no Brasil e, apesar dos movimentos contrários a essa instituição por parte de segmento da sociedade, foi somente no século XX, já em meados de 1950, que o Brasil efetivamente extinguiu-a, sendo o último país a acabar com o sistema da "roda dos excluídos".

Mesmo com o trabalho desenvolvido nas casas de amparo, por meio da roda dos expostos, um número significativo de creches foram criadas, não pelo poder público, mas exclusivamente por organizações filantrópicas. Destaca-se que, se por um lado, os programas de baixo custo, voltados para o atendimento às crianças pobres, surgiam no sentido de atender às mães trabalhadoras que não tinham onde deixar seus filhos, a criação dos jardins de infância foi defendida por alguns setores da sociedade, por acreditarem que os mesmos trariam vantagens para o desenvolvimento infantil; porém, ao mesmo tempo foi criticado por identificá-los com instituições européias.

Desde modo, as tendências que acompanharam a implantação de creches e jardins de infância, no final do século XIX e durante as primeiras décadas do século XX no Brasil, foram: a jurídico-policial, que defendia a infância moralmente abandonada, a médico-higienista e a religiosa, ambas tinham a intenção de combater o alto índice de mortalidade infantil, tanto no interior da família como nas instituições de atendimento à infância. Cada instituição, segundo KUHLMANN Jr., (1998), "[...] apresentava as suas justificativas para a implantação de creches, asilos e jardins de infância onde seus agentes promoveram a constituição de associações assistenciais privadas"( KUHLMANN Jr., 1998, p. 88),

KRAMER (1995) aponta que as crianças das diferentes classes sociais eram submetidas a contextos de desenvolvimento diferentes, já que, enquanto as crianças das classes menos favorecidas eram atendidas com propostas de trabalho que partiam de uma idéia de carência e deficiência, as crianças das classes sociais mais abastadas recebiam uma educação que privilegiava a criatividade e a sociabilidade infantil. Enquanto que as instituições públicas atendiam às crianças das camadas mais populares, as propostas das particulares, de cunho pedagógico, funcionavam em meio turno, dando ênfase à socialização e à preparação para o ensino regular.

Os jardins de infância, diferentemente das creches, cuja idéia européia chegou ao Brasil no final do século XIX, tinham, desde sua origem, finalidades essencialmente pedagógicas voltadas ao atendimento das camadas mais abastadas da população. Os primeiros jardins de infância foram fundados em 1875, no Rio de Janeiro/RJ, e em 1877, em São Paulo/SP, mantidos por entidades privadas. Mesmo os primeiros jardins-de-infância públicos, inspirados nas propostas de Froebel, criados em 1908, em Belo Horizonte e em 1909, no Rio de Janeiro, também atendiam a crianças de segmentos mais privilegiados economicamente.

A partir dos jardins, foram também criadas, durante os anos 20 e 30, salas pré-primárias que funcionavam junto às escolas primárias. Também, nesse período, sob a influência do ideário da Escola Nova, surgiu o atendimento em praças públicas, denominados de "Parques Infantis", para as crianças da classe operária (OLIVEIRA, 2002). Nestes estabelecimentos, a profissional era definida como professora e sua ação exigia formação pedagógica em Cursos Normais, em nível médio.

Apesar dessas iniciativas, a expansão da educação pública de crianças menores de seis anos, tanto em creches como em jardins-de-infância, foi se dando lentamente. Somente no final dos anos 70, se observa uma expansão das creches e pré-escolas no Brasil, em função de diversos fatores como a crise do regime militar, o crescimento urbano, a participação crescente das mulheres no mercado de trabalho, a reconfiguração do perfil familiar, a intensificação dos movimentos sociais organizados, em especial de grupos de mulheres, e a influência de políticas sociais de órgãos internacionais para países de terceiro mundo.

A partir da necessidade de novas estratégias governamentais para atender à crescente demanda por atendimento às crianças menores de 7 anos, foram desencadeadas políticas de cunho compensatório e emergencial que articulavam ampliação quantitativa do atendimento e baixo investimento público.

Durante os anos 80, como resultado das reivindicações de diversos setores da sociedade, efetuam-se conquistas históricas no plano legal relativas à criança e sua educação. Nesse sentido, a Constituição Federal de 1988 e o Estatuto da Criança e do Adolescente (1990), reconhecem a educação como direito da criança de 0 a 6 anos e como dever do Estado, sob a responsabilidade dos municípios, em regime de colaboração, a cumprir-se mediante o "atendimento em creches, (0 a 3 anos) e pré-escolas (4 a 6 anos)", definindo ambas como instituições educacionais.

REFERÊNCIAS

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil, promulgada em 5 de outubro de 1988. Disponível em <www.planalto.gov.br/legislação/leis> Acesso em 05.07.2010.

______. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei nº 8.069, de 13 de junho de 1990.

DIDONET, Vital. Creche: a que veio, para onde vai. In: Educação Infantil: a creche, um bom começo. Em Aberto/Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. v 18, n. 73. Brasília, 2001

KUHLMANN, JR, M. Infância e Educação Infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 1998

RIZZO, Gilda. Creche: organização, currículo, montagem e funcionamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

OLIVEIRA, Zilma Ramos de. Educação Infantil: Fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2002

 

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-infantil-artigos/a-historia-da-educacao-infantil-no-contexto-brasileiro-3252261.html

    Palavras-chave do artigo:

    educacao infantil

    ,

    historia da educacao infantil

    ,

    pedagogia

    Comentar sobre o artigo

    Ribamar Pinho

    É de extrema importância a presença da família no contexto escolar onde é imprescindível que os pais frequentem o ambiente escolar para saber de que maneira é desenvolvido o comportamento e aprendizagem de seus filhos. A presença da família na escola é significante porque demonstra apoio e preocupação com a aprendizagem da criança, sendo que, com a presença dos mesmos, a sociedade escolar, sentir-se-á honrada, compromissada e motivada para tratar o processo de ensino aprendizagem da criança.

    Por: Ribamar Pinhol Educação> Educação Infantill 20/01/2013 lAcessos: 1,103
    Elias Ribeiro Tork Filho

    O presente artigo apresenta como objetivo investigar a práxis pedagógica da Educação Física na 1ª Etapa da Educação de Jovens e Adultos (EJA), especificamente as dificuldades do professor em ministrar aulas à clientela da EJA. Pois, sabe-se que a Educação Física Escolar a partir da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei 9.394/96, apresenta-se como componente curricular obrigatório da educação básica. Com isso, analisa-se que a EJA ao fazer parte da educação básica precisa que o prof

    Por: Elias Ribeiro Tork Filhol Educação> Ensino Superiorl 17/12/2013 lAcessos: 194
    André Reis

    Este trabalho traz um estudo da matéria educação em todas as Constituições brasileiras considerando o cenário social, econômico e político de cada período. A finalidade deste artigo é proporcionar um entendimento de como o assunto se desenvolveu até culminar na atual Constituição - cuja temática educacional é tratada como direito fundamental e incluída no rol de direitos sociais.

    Por: André Reisl Direito> Doutrinal 18/01/2011 lAcessos: 1,457

    Este artigo propõe uma discussão sobre o processo de alfabetização na educação infantil a partir do trabalho com as diversas linguagens. Problematizando falas de diferentes sujeitos envolvidos na educação das crianças: docentes, coordenadores, direção e as próprias crianças bem como uma reflexão sobre o próprio cotidiano.

    Por: Julia Maria da Silval Educação> Educação Infantill 05/11/2013 lAcessos: 290

    Na educação infantil existem ainda diferenças de crianças de pré-escola e educadores que trabalham em creche com a não existência de uma formação específica. Toda proposta pedagógica tem uma história e, nela , a afirmação dos professores envolvidos está presente de maneira central, sobretudo quando oferece possibilidades de lembrar a trajetória e de refletir sobre a prática.

    Por: Rosângela L. da Silva Mirandal Educação> Educação Infantill 18/11/2014 lAcessos: 15

    Os incentivos trazidos para a sala de aula, não contempla a necessidade estrutural da sociedade a partir da escola, com a prevenção de formar cidadões e cidadães livres e voltadas a fazer uma nova convivência e se tornar um trabalhador, trabalhadora qualificada para o seu exercício profissional e exercer sua cidadania.

    Por: Jorge Rocha Gonçalvesl Educação> Ensino Superiorl 05/06/2010 lAcessos: 1,747 lComentário: 1

    O presente trabalho tem por objetivo apresentar a aquisição da leitura e da escrita, onde a mesma se inicia muito antes do que geralmente se imagina, quando a criança, antes mesmo de entrar na escola, começa a tomar contato com materiais escritos. O processo de aprendizagem da leitura e da escrita tem o propósito de observar a evolução do aprendizado, sendo assim, necessário diagnosticar os fatores que podem estar interferindo para poder fazer com que a criança evolua e acompanhe o que é pedido.

    Por: ARIUSKA SOARES BRASILEIROl Educaçãol 20/04/2011 lAcessos: 2,790
    Patricia Cassia Pereira Porto

    Todo discurso está impregnado de impressões muito pessoais, subjetivas; mas todo discurso também parte de uma cultura socializada, na qual, ideologicamente, as palavras simbolizam um universo coletivo. Os textos, principalmente os orais, estão marcados por valores éticos, estéticos, políticos, culturais, religiosos. Tanto nos estudos literários quanto nos estudos históricos notamos a crescente busca pelas marcas orais e sócio-temporais que não foram documentadas pelo registro da escrita.

    Por: Patricia Cassia Pereira Portol Educação> Línguasl 11/04/2011 lAcessos: 571

    Como se estruturou historicamente a Psicomotricidade na cidade de Uberlândia/MG nas décadas de 90 até os dias atuais e quais os principais avanços e dificuldades enfrentadas? Este artigo tem como objetivos conhecer a historia da Psicomotricidade na cidade de Uberlândia/MG.

    Por: JOSE BRAGA GUIMARAES NETOl Educação> Ensino Superiorl 17/12/2014 lAcessos: 41
    Paulo R. da Silva Bastos

    Foram algumas as direções tomadas pelos teóricos interessados no casamento da Psicanálise com a Educação. Criar uma nova disciplina, a Pedagogia Psicanalítica, o esforço de transmitir a pais e professores a teoria psicanalítica, imaginando que de posse desse conhecimento, pudessem evitar que as neuroses se instalassem em seus filhos e alunos. uma tentativa mais difusa de transmitir a Psicanálise a todos os representantes da cultura interessados em ampliar a sua visão de mundo.

    Por: Paulo R. da Silva Bastosl Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 06/04/2010 lAcessos: 5,986 lComentário: 1

    Acredito que o gosto pela leitura se apreende, é lendo que as pessoas aprendem a gostar de ler, e já de pequenos podemos, ou não, criar o hábito de leitura. Já dizia Carlos Drummond de Andrade que "a leitura é uma fonte inesgotável de prazer, mas por incrível que pareça, a quase totalidade não sente esta sede".

    Por: MARCIA AP.M.FARIASl Educação> Educação Infantill 25/03/2015

    Os contos nasceram, em geral, dos mitos; representam simbolicamente os acontecimentos humanos e sociais e reproduzem, em personagens e situações, valores que atravessam os séculos, porque correspondem a características permanentes do ser humano. Nelly Novaes Coelho, em seu livro Literatura Infantil: teoria, análise, didática, divide esse tipo de narrativa em contos de encantamento, contos maravilhosos e contos de fadas.

    Por: Alexandrina M. P. de Fariasl Educação> Educação Infantill 08/03/2015 lAcessos: 13

    Uma das características mais marcantes da sociedade atual é seu alto grau de racionalização, isto é, cada vez mais de organiza em função do melhor aproveitamento do tempo. A busca incessante do lucro e de uma maior produtividade submete todos os setores da vida social às mais variadas formas de planejamento. A Educação na fica fora dessa tendência e nem escapa dessa racionalização.

    Por: Alexandrina M. P. de Fariasl Educação> Educação Infantill 08/03/2015

    A escola tem sido responsabilizada há algum tempo pelos desvios de comportamento que se observa na vida social. Mas será sempre ela que tem essa responsabilidade? Ou será que ela responsabilidade foi imposta sem maiores questionamentos e agora de quem deve ser cobrada a recuperação dos indivíduos que não tem o comportamento esperado pela sociedade?

    Por: Alexandrina M. P. de Fariasl Educação> Educação Infantill 08/03/2015 lAcessos: 22

    Criar sempre foi uma característica do ser humano. Com essa capacidade o homem cria mas precisa ser despertado e isso só acontece com sua interação com o mundo. Desde o inicio dos tempos o homem cria e produz novas tecnologias. Sempre movido por suas necessidades e desejos. Assim, através dos objetos inventados modifica o mundo e sua relação com o universo. Desde as mais antigas ferramentas até os mais modernos aparelhos percebe-se que a tecnologia é útil, necessária e fascinante.

    Por: Alexandrina M. P. de Fariasl Educação> Educação Infantill 08/03/2015 lAcessos: 14

    Ao longo da institucionalização da Sociologia como ciência no Brasil, várias pesquisas tiveram como objeto de estudo o professor e seu papel dentro das instituições educacionais e na sociedade global. Mas parece que ainda precisamos saber muito sobre essa profissão tão paradoxal: para uns é fundamental em qualquer sociedade que se proponha séria; para outros, uma profissão como outra qualquer, sem nenhuma especificidade e, para completar, em qualquer caso, quase sempre mal remunerada.

    Por: Alexandrina M. P. de Fariasl Educação> Educação Infantill 08/03/2015 lAcessos: 11

    Por muito tempo discutiu-se a Educação no Brasil negligenciando sua relação com a economia. Porém, num certo momento, ficou impossível continuar a tentar analisar e explicar o processo educativo descolado da realidade econômica do país no qual ele se inseria. As implicações do desenvolvimento econômico do país de certa maneira apareceram na Educação, de uma forma ou de outra, particularmente quando se avalia os resultados do processo educativo.

    Por: Alexandrina M. P. de Fariasl Educação> Educação Infantill 08/03/2015 lAcessos: 18
    Irineu Correia

    Este artigo analisa as contribuições de Vygostsky e Piaget para a construção do conhecimento na escola.

    Por: Irineu Correial Educação> Educação Infantill 07/03/2015 lAcessos: 17

    A legislação atual acentua cada vez a Educação como indicador de desenvolvimento social e econômico do país. Nesse cenário, a Educação Infantil brasileira, considerada primeira etapa da Educação Básica, vem conquistando destaque e intensas transformações, em busca de qualidade e acesso a todos que dela precisam.

    Por: Daniela Feltrinl Educação> Educação Infantill 21/11/2011 lAcessos: 473

    Falar [...] da educação infantil é muito mais do que falar de uma instituição, de suas qualidades e defeitos, da sua necessidade social ou da sua importância educacional. É falar da criança. De um ser humano, pequenino, mas exuberante de vida. (DIDONET, 2001)

    Por: Daniela Feltrinl Educação> Educação Infantill 12/09/2010 lAcessos: 3,657

    Esse artigo tem como objetivo enfatizar a relevância das Artes Visuais nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, destacando a importância nesse processo de ensino-aprendizagem, oportunizando uma reflexão sobre a temática.

    Por: Daniela Feltrinl Educação> Educação Onlinel 17/05/2010 lAcessos: 2,364

    Este artigo tem como objetivo oportunizar uma reflexão do "ser docente" e os desafios que implicam a profissão professor. Nesse sentido, esse trabalho é cunho bibliográfico, aonde busco dialogar com alguns autores, elaborando uma sistematização de suas idéias e contribuições frente à temática, bem como construindo algumas considerações.

    Por: Daniela Feltrinl Educação> Ensino Superiorl 17/05/2010 lAcessos: 995
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast