A Importância Da Música No Desenvolvimento Infantil

Publicado em: 15/02/2010 |Comentário: 9 | Acessos: 21,351 |

Snyders (1997, p. 104) afirma que:

A música não pinta o amor ou a aspiração de um dado individuo em dadas circunstâncias, ela pinta a própria paixão, o próprio amor, a própria aspiração. A música supera as particularidades que certamente distinguem, mas também estreitam. Transcendendo as variações acidentais, acessórias, ela nos faz viver uma generalidade, porém concreta, imediata; o que a generalidade do conceito ou da palavra não chega a realizar.

Através da música o ser humano consegue uma forma de expressar-se sentimentalmente, traz consigo a possibilidade de exteriorizar as alegrias, as tristezas e as emoções mais profundas, emergindo emoções e sentimentos que as palavras são muitas vezes incapazes de evocar. Além disso impulsiona a expressão corporal e faz com que o corpo vibre com a excitação que o abala.

Quanto à musicalização nas escolas, as opiniões foram diversificadas:

É um dos valiosos instrumentos que ajuda na aprendizagem, pois ela favorece ao aluno o ato de aprender.

É importantíssima, porém faz-se necessário ressaltar que deve ser direcionada, para não ser apenas uma aula de curtição.

A música é importante para trabalhar temas atuais, assim o aluno desperta o senso critico, analisando a letra da música. Relacionando-as com a realidade da sociedade.

É uma linguagem cujo o conhecimento se constrói  e não um produto pronto e acabado. Então a musicalização na escola é essencial.

Traz alegria, descontração, entusiasmo, tudo o que precisa-se para o trabalho escolar.

Através da musicalização os alunos ampliam suas relações com o espaço natural ou construído, até mesmo se expressando a partir de seu esquema corporal, não percebendo que assim, estará transferindo os elementos expressivos encontrados nos estímulos sonoros das composições musicais.

Percebe-se que a musicalização para todos os envolvidos na pesquisa possui um valor significativo, quanto o processo de ensino e aprendizagem do alunado. Através da educação musical é possível despertar o interesse do aluno pela música, fazendo com que conheça a pluralidade da linguagem musical. Além disso a escola deve criar situações para que o aluno possa vivenciar, analisar e compreender a produção artística musical.

Todos os professores envolvidos na pesquisa afirmam que gostam de trabalhar a música em sala de aula, buscando alcançar os objetivos propostos. Segundo as respostas, a música:

Aumenta o interesse pela aprendizagem;

Facilita a assimilação;

Descontrai;

Desenvolve ritmos;

Torna a aprendizagem significativa;

Melhora a interação e a confiança em si mesmo;

Estimula o desenvolvimento corporal;

Amplia as experiências sensoriais, afetivas e intelectuais.

A música é um poderoso veículo para criar situações onde os alunos tornam-se sensíveis, adaptados, produtivos e felizes, por isso precisa-se arregaçar as mangas e trabalhar, buscando novas formas de ensinar, propiciando ao aluno a afirmação de sua identidade, domínio, controle, desenvolvimento da parte afetiva, cognitiva, motor e social.

Através da música o educador tem uma forma privilegiada de alcançar seus objetivos, podendo explorar e desenvolver características no aluno. O individuo com a educação musical cresce emocionalmente, afetivamente e cognitivamente, desenvolve coordenação motora, acuidade visual e auditiva, bem como memória e atenção, e ainda criatividade e capacidade de comunicação.

O ensino da música deve ser considerado na educação escolar da mesma forma que outras áreas do conhecimento, como a Matemática, a Língua Portuguesa, a História, etc., a escola é uma instituição na qual pode desenvolver a musicalização, sendo instituído e adquirido.

A LDB vem dar essa garantia na medida em que torna o conhecimento artístico obrigatório no currículo do Ensino Fundamental. Isso requer um maior interesse por parte da escola e dos professores pelo ensino da música na escola.

Nas palavras de Saviani (2000):

A educação musical deverá ter um lugar próprio no currículo escolar. Além disso, porém, penso ser necessário considerar uma outra alternativa organizacional que envolve a escola como um todo e que, no texto preliminar que redigi para encaminhar para a discussão do projeto da nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, traduzi através do enunciado do artigo 18 do anteprojeto, nos seguintes termos: os poderes públicos providenciarão para que as escolas progressivamente sejam convertidas em centros educacionais dotados de toda a infra-estrutura física, técnica e de serviços necessária ao desenvolvimento de todas as etapas da educação básica.(Revista Presença Pedagógica, 2004, p. 17)

Com isso percebe-se que a música não pode estar dissociada das práticas cotidianas dos alunos, uma vez que atividades musicais que envolvem o canto, a dança, o movimento e a improvisação já fazem parte do ambiente das crianças, no meio familiar ou fora dele.

O trabalho com a música deve ser desenvolvido nas escolas, dentro do planejamento, envolvendo os conteúdos de acordo com o nível de escolaridade do aluno. Com o intuito de fazer com que os alunos consigam captar com mais facilidade os objetivos a serem atingidos. Desta forma constata-se que a música é utilizada como meio incentivador na aprendizagem dos alunos, onde segundo as respostas:

Cantando, a gente brinca, brincando eles aprendem;

A música é riquíssima, quando se coloca a música certa para o conteúdo adequado, os dois geram uma aprendizagem para o aluno, pois é um meio gostoso;

Iniciar um projeto com música é importante, o cantar a música é um excelente treino à leitura;

Através da música as crianças, mesmo as mais tímidas, começam a expressar-se e participar da aula.

Pela música podemos tirar muitos talentos em sala de aula

Toda e qualquer música cantada na sala de aula deve buscar um espaço para evocar, pensar, criar meios próprios de expressão, para representar o movimento interior de compreensão de situações vivenciadas.

Ao criar um ambiente musical na escola, pode-se notar que o interesse das crianças aumenta e a participação flui de maneira mais livre e solta. Desta forma através da criatividade o professor pode tornar as aulas mais ricas e interessantes, através da música a sensibilidade e atenção dos alunos crescem, e desenvolve sua capacidade de concentração, raciocínio, memória, os benefícios da utilização da música na educação se estendem por todas as áreas de aprendizagem.

Os tipos de músicas mais utilizadas em sala de aula, de acordo com os questionários, são:

Cantigas de roda;

Músicas Popular Brasileira;

Músicas Religiosas;

Músicas diversificadas, escolhidas pelos alunos;

Poemas musicados de Vinicius de Moraes;

Músicas Gospel;

Músicas Clássicas;

Músicas Infantis.

Os estilos de músicas trabalhadas pelos professores são escolhidos de acordo com o interesse da maioria dos alunos, pois desta forma há maior participação e desenvolvimento no processo de ensino e aprendizagem. Entretanto faz-se necessário mostrar a importância de trabalhar vários estilos de músicas, mostrando as diferentes sensações que elas causam.

O professor deve manter-se atento aos interesses e às necessidades dos alunos, para que eles venham a ter prazer pelas atividades propostas. O educador pode, utilizando-se da música realizar um excelente trabalho e conseguir em suas aulas um ambiente tranqüilo e ao mesmo tempo ativo.

De acordo com Penna (apud Revista Presença Pedagógica, 2002, p. 41):

O mais importante é que o professor, consciente de seus objetivos e dos fundamentos de sua prática – onde a música deve ser encarada como uma produção e um meio educativo para a formação mais ampla do individuo – assuma os riscos – a dificuldade e a insegurança – de construir o seu caminho do dia-a-dia, em constante reavaliação.

As atividades pedagógicas propiciadas através da linguagem musical dizem respeito à relação entre o sujeito e o objeto do conhecimento. O modo de conceber o processo e o objeto dessa aprendizagem é que valoriza a ação pedagógica inserida na prática social concreta, tornando-a mediadora entre o individual e o social.

Professor e aluno devem buscar um consenso ao selecionar um repertório, ou mesmo um tema a ser abordado em sala de aula, o processo de ensino e aprendizagem envolve uma conscientização e disposição para esclarecer a real proposta da educação musical, estando em sintonia com as necessidades, as expectativas e a formação integral do aluno.

Percebe-se através das respostas que praticamente todos os alunos participam de aula musicada, até mesmo os mais tímidos, que aos poucos vão se soltando e demonstrando interesse pela música.

Para Tourinho, 1995 (Revista Presença Pedagógica, 2002, p. 45), trabalhar com a música de que o aluno gosta é uma forma de trazer motivação para o processo de ensino-aprendizagem.

Neste contexto nota-se que na prática educativa deve-se procurar, através dos conteúdos e métodos, respeitar os interesses dos alunos e da comunidade onde vivem e constroem suas experiências.

Os professores podem e devem trabalhar todo o tipo de música: “popular”, “clássica”, “massa”, “folclórica”, “consumo”, “vanguarda”, “religiosa”, entre outras, pois reforçam a pluralidade do universo musical.

Beineke (2001) afirma que:

A música ajuda a demarcar ‘territórios culturais’, identificando grupos e formas de vida. Trabalhando-se com adolescentes, por exemplo, pode-se observar a quantidade de rotulações que eles dão à música, como ‘música de criança’, ‘música de velho’, ‘música de amor’, ‘música de gay’, ‘música de igreja’, ‘música de dançar’, ‘música pra dormir’, entre tantas outras. Às vezes o professor não tem acesso às representações que a música tem para os alunos ou não questiona a forma como essas representações são construídas, o que pode envolver uma série de estereótipos que não são explicitados e discutidos criticamente.

Dessa forma entende-se que o professor deve procurar conhecer todos os tipos de músicas envolvidas no meio social dos alunos, bem como as representações utilizadas por eles, observando os objetivos da educação para a compreensão da cultura musical e buscando encontrar a idéia-chave que sirva para que os alunos estabeleçam correspondência com outros conhecimentos e com sua própria vida.

 

 

 

 

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 20 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-infantil-artigos/a-importancia-da-musica-no-desenvolvimento-infantil-1863813.html

    Palavras-chave do artigo:

    importancia infancia musica

    Comentar sobre o artigo

    Pensar sobre as práticas pedagógicas desenvolvidas num sistema de educação popular e os desdobramentos delas decorrentes para os sujeitos significa pensar sobre as relações que se estabelecem entre educadores, educandos e os saberes emanados das experiências de ambos. Este artigo tem como objetivo conhecer os pressupostos teórico-metodológicos que sustentam a prática pedagógica de educadoras que atuam com crianças em situação de vulnerabilidade social assistidas pelo Projeto Monte Pascoal.

    Por: islene dos santos roquel Educaçãol 06/10/2013 lAcessos: 39

    O presente artigo apresenta um conjunto de observações realizadas com crianças da educação infantil de uma escola do sistema municipal de ensino de Montes Claros. Seu principal objetivo é posicionarmos de forma crítica quanto a uma concepção de criança passiva frente aos processos de socialização, recortada por etapas já pré-determinadas de crescimento, vivida por um sujeito sem "voz".

    Por: Rosimar Nádila O. Saraival Educação> Educação Infantill 20/09/2010 lAcessos: 816
    Paccico, V.T.

    A história sobre a criança, a diferença entre adultos era somente pelo tamanho. Não havia distinção entre eles. Os autores comentam a didática (Comênio); a história sobre a infância e juventude (Cagnolati); Sentimento de infância (Ariés) e sobre o filme Abelardo e Heloísa, fazendo assim uma reflexão de antigamente com a modernidade.

    Por: Paccico, V.T.l Educaçãol 09/10/2012 lAcessos: 35
    SANDRA VAZ DE LIMA

    A leitura exerce papel relevante na vida de qualquer indivíduo, seja durante a vida estudantil ou depois dela. A pessoa que lê exercita o cérebro, alimenta a intelectualidade, enriquece a linguagem, expande sua visão e compreensão das coisas e do mundo, abrindo horizontes para o raciocínio, a contextualização e a argumentação.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 15/02/2010 lAcessos: 2,926
    Rosilene Coimbra Costa Pinto

    É notória a crise pela qual a educação vem passando nos dias atuais: professores descontentes, alunos desmotivados, pais preocupados. No entanto, acredita-se que para uma possível melhora deste quadro se faz necessário, além da formação contínua dos professores, a introdução da ludicidade como subsídio no processo de construção do conhecimento cognitivo, físico, social e psicomotor, desenvolvendo nos educandos o prazer ao construir o próprio aprendizado de forma mais atraente e estimuladora.

    Por: Rosilene Coimbra Costa Pintol Educação> Educação Infantill 02/03/2012 lAcessos: 4,239

    Este texto tem por objetivo ajudar o professos uma forma mais recreativa para ensinar a Disciplina de Educação Fisica.

    Por: João do Rozario Limal Educaçãol 13/04/2008 lAcessos: 241,244 lComentário: 61
    Rosimeire Moreira Quintela

    RESUMO Esta pesquisa visa transformar métodos tradicionais contidos na escola levando os professores a participarem de pesquisas, práticas pedagógicas, inovações para que suas aulas se tornem mais criativas e produtivas. O objetivo é de auxiliar na superação do fracasso escolar em relação à leitura, pois se acredita na possibilidade de sucesso de todas as crianças...

    Por: Rosimeire Moreira Quintelal Educação> Educação Infantill 11/01/2012 lAcessos: 1,151

    Este artigo tem como tema "A importância dos contos para a formação de valores e o desenvolvimento psíquico Infantil", abordando, a relevância que a contação de história demonstra na dimensão lúdica nos aspectos que favorecem o desenvolvimento infantil. Apresenta uma abordagem teórica, que favorece a reflexão e análise do tema. O questionamento que motivou a escolha dessa temática foi: qual é a importância da fantasia no desenvolvimento infantil? A pesquisa bibliográfica fundamentou a elaboração

    Por: Vilma vianal Educação> Educação Infantill 27/02/2014 lAcessos: 214

    Este artigo realiza uma discussão sobre a importância do lúdico no processo de ensino e aprendizagem escolar. Mostra, a seguir, a importância das brincadeiras, dos brinquedos com a participação do professor. Destaca, por fim, a importância dos jogos pedagógicos para a aquisição da aprendizagem

    Por: Tatianal Educação> Educação Infantill 15/07/2013 lAcessos: 113

    O transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) é uma doença cercada de controvérsia. Por atingir principalmente crianças, muito pais enxergam problemas onde eles não existem — sintomas isolados são comuns nesta fase da vida. Também há quem não preste atenção ao conjunto de sintomas que a caracterizam: quadros de desatenção, hiperatividade e impulsividade de maneira exacerbada.

    Por: Jania Gasques bordonil Educação> Educação Infantill 14/09/2014

    Receber os estudantes com deficiência é um avanço. Mas faltam fazer da inclusão uma realidade e assegurar o direito à Educação

    Por: Jania Gasques bordonil Educação> Educação Infantill 14/09/2014
    Isabel Cristina

    Atualmente, a proposta de educação inclusiva tem gerado polêmicas discussões entre os que adotam uma posição integracionista, os que defendem a escola inclusiva ou ainda aqueles que sentem a importância de uma educação especializada para o aluno com necessidades educacionais especiais . No longo caminho a ser percorrido muitas são as dificuldades a serem enfrentadas, principalmente as que dizem respeito às barreiras físicas e atitudinais,constituídas dos estigmas, preconceitos e estereótipos.

    Por: Isabel Cristinal Educação> Educação Infantill 29/08/2014 lAcessos: 13

    O objetivo deste estudo foi conhecer como se insere e desenvolve a educação ambiental na educação infantil em escolas públicas de dois municípios no Estado do Espirito Santo, Brasil. Trata de um estudo descritivo quantitativo. O universo da pesquisa foi 58 professores de Educação Infantil. O instrumento de coleta de dados foi um questionário de autopreenchimento com 13 perguntas objetivas sobre educação ambiental na comunidade escolar. Solicitou-se a assinatura do termo de consentimento livre e

    Por: DANIELE DE ALMEIDA NUNESl Educação> Educação Infantill 28/08/2014

    O que acontece pode ser considerado como bastante simples, sendo que o alfabeto ilustrado acaba por se tratar de um papel ou até mesmo uma fita decorativa que poderá ser utilizada na parede, ou até mesmo em um móvel.

    Por: anamarial Educação> Educação Infantill 27/08/2014
    Ariane David

    Para que o professor possa ser mediador no contato com a leitura, precisa dominar alguns conceitos, saber o que é leitura, como ela acontece e quando, que sensação ela deve acarretar em nós, a abrangência que o ato de ler possui; ler não é decodificar, lemos tudo a nossa volta e com todos os nossos sentidos, na verdade lemos sem saber ler. A criação de um ambiente alfabetizador é um dos caminhos para esse contato com o mundo letrado dentro da sala de aula.

    Por: Ariane Davidl Educação> Educação Infantill 25/08/2014 lAcessos: 12

    O presente artigo visa analisara importância do brincar no desenvolvimento e aprendizagem na educação infantil. Tem como objetivo conhecer o significado do brincar, conceituar os principais termos utilizados para designar o ato de brincar, tornando-se também fundamental compreender o universo lúdico

    Por: Sandra Maria dos Reis Bernardol Educação> Educação Infantill 22/08/2014 lAcessos: 21
    Carla Cardoso Gomes

    O presente artigo tem como objetivo apresentar os principais fatores que influenciam nas dificuldades dos discentes nos processos de aprendizagem. Uma pessoa que não conseguiu desenvolver todas as habilidades de leitura e noção matemática encontrará muitas dificuldades e desafios para relacionar-se com a sociedade de um modo geral. Quando a Escola não ajuda com um atendimento personalizado e especifico, a criança deixa de vivenciar situações de construção da identidade.

    Por: Carla Cardoso Gomesl Educação> Educação Infantill 05/08/2014 lAcessos: 34
    SANDRA VAZ DE LIMA

    Empreendedores são pessoas que desejam participar ativamente da construção de um mundo novo, não apenas como expectadores, mas como atores das mudanças globais da atualidade. De modo geral a pesquisa busca conhecer as ações dos empreendedores nas organizações e dessa forma, saber como eles podem e devem contribuir para o crescimento e desenvolvimento. Especificamente buscou-se: diagnosticar o perfil "empreendedor"; identificar os desafios que a administração propõe ao gestor público.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 20/08/2013 lAcessos: 122
    SANDRA VAZ DE LIMA

    A Educação Especial é uma modalidade da Educação Básica, fundamentada no princípio da atenção à diversidade. Integram-se o Ensino Regular e a Educação Especial numa concepção da Educação Inclusiva, buscando a participação e permanência de todos os alunos na escola, numa educação de qualidade, onde o atendimento as pessoas com necessidades especiais não requer um ambiente especifico e único, mas sim necessita de recursos físicos, humanos e materiais para que seja possível atender a todos, adaptan

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 2,290
    SANDRA VAZ DE LIMA

    A Tecnologia Educacional é entendida como a área que estuda a aplicação das Tecnologias da Informação e Comunicação - TIC - na educação, a partir de um embasamento da didática, psicologia da aprendizagem e desenvolvimento tecnológico. Assim, as alterações no sistema educativo visam levar em conta as diferenças pessoais, estilos cognitivos, ritmos de aprendizagem, afinidades, áreas de interesse, estratégias de pensamento e motivação.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 158
    SANDRA VAZ DE LIMA

    Não existe uma única concepção sobre a EaD, pois o conceito evoluiu ao longo do tempo, influenciado pelo avanço das tecnologias da informação e da comunicação. Além disso, a concepção de educação a distância pode variar conforme o autor, sua base teórico-conceitual e sua concepção do que significam educação, ensino e aprendizagem.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 172
    SANDRA VAZ DE LIMA

    A expectativa é ao mesmo tempo ligada a pessoa e ao interpessoal, também a expectativa se realiza no hoje, e futuro presente, voltado para o ainda-não, para o não experimentado, para o que apenas pode ser previsto. Assim, percebe-se que a expectativa é um sentimento que surge diante de novidades, do diferente.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 84
    SANDRA VAZ DE LIMA

    Com os anos as análises históricas sofreram inúmeras mudanças, tendo historiadores como Jules Michelet que se preocupavam com histórias nacionais, espírito do povo, representando heróis. Tal autor chamou a atenção por identificar um agente sem rosto – o povo, as massas, como personagem da história e como protagonista dos acontecimentos.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 161
    SANDRA VAZ DE LIMA

    Conforme o texto "Correntes, campos temáticos e fontes", a escrita e a leitura são indivisíveis e estão contidas no texto, permitindo a comunicação e veicula representações, onde o historiador pergunta sobre quem fala e de onde fala, discutindo sobre ela. As relações entre essas instancias não são diretas nem reflexas, mas sim intermediadas pelo discurso narrativo, e para o entendimento da História Cultural pode ser o da metáfora, pois o discurso explica, fala de algo que se percebe e se entende

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 195
    SANDRA VAZ DE LIMA

    Entende-se que a História é construída conforme as práticas, as culturas de um determinado povo, uma organização social, onde o habitus integra os espaços de experiências, funcionando a cada momento vivido como matriz de sensações.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 67

    Comments on this article

    2
    Mirriam 12/04/2011
    gostei do artigo é de grande importâcia o olhar de refletir nas praticas pedagogicas parabéns
    0
    Emilia 11/03/2011
    olá Sandra gostei do seu texto. gostaria que me informasse algum autor ou nomes de livros que tratem desse tema. obrigado, agradeço.
    1
    Verônica Haus Leker 16/10/2010
    Saudações Sandra!
    Sou Professora universitária no Estado do Rio Grande do Sul. Especialista nesta área onde abordara o tema já explicado, Mestre e Doutora em Educação. Digo que gosto de pessoas ousadas como você. Além de poder presenciar a criatividade e diversidade de idéias de outras entendedoras do assunto, vejo a importância da discussão que gera-se ao decorrer da análise e da busca constante de outros formandos pelo mesmo assunto. O conhecimento múltiplo e a união de profissionais da educação fazem da nossa visão pedagógica reconhecer o futuro educacional próspero e esperançoso.
    Obrigada pela sua contribuição.
    Bye
    7
    Lucia 26/09/2010
    Referencias bibliograficas????
    7
    NEIDE 26/05/2010
    tAMBÉM ESTOU CURSANDO A FACULDADE DE PEDAGOGIA E MEU PROJETO É JUSTAMENTE SOBRE A IMPORTANCIA DA MUSICA EM TODA A EDUCAÇÃO,PRINCIPALMENTE NA INFANTIL.AMEI SUA FORMA CLARA E OBJETIVA DE ESCREVER.
    3
    Alexandre Vieira 03/05/2010
    Olá Sandra, parabéns pelo seu artigo. Vc pode por favor entrar em contato comigo. Tenho trabalhos sobre o seu tema. Fico no aguardo. Abçs e obrigado.
    4
    Alexandre Vieira 28/04/2010
    Olá profa. Sandra. Meu nome é Alexandre Vieira, sou prof. universitário no Estado de S.P. Gostaria de parabenizá-la sobre o excepcional artigo e dizer-lhe que estou com um projeto sobre um livro sobre o tema que abordou. Peço por gentileza que entre em contato comigo p/ passar maiores informações. vieira76@ig.com.br
    Grato pela atenção.
    Att.
    2
    Ana 11/04/2010
    Oi, adorei o artigo, parabéns
    0
    Renata 08/04/2010
    Adorei o seu jeito de escrever, estou fazendo Pedagogia e estou pesquisando sobre Música, então, estou texto me ajudou bastante, um abraço.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast