A IMPORTÂNCIA DA PSICOMOTRICIDADE NA EDUCAÇÃO

Publicado em: 19/10/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 2,612 |

 

A IMPORTÂNCIA DA PSICOMOTRICIDADE NA EDUCAÇÃO

Escrever, marchar, correr, dançar, são atividades fundamentadas no movimento de uma atividade motriz. Simples em aparência, necessita constantemente da intervenção coordenada por um conjunto neuromuscular em função de cada uma das situações em que se enquadra o sujeito ativo.

A psicomotricidade é a capacidade psíquica de realizar movimentos. Não se trata da realização do movimento propriamente dito, mas a atividade psíquica que transforma a imagem para a ação em estímulos para os procedimentos musculares adequados.

O esquema corporal é um elemento básico indispensável para a formação da personalidade da criança. É a   representação   relativamente global,  científica e diferenciada que a criança tem de seu próprio corpo. A própria criança percebe-se e percebe as pessoas e as coisas que a cercam, em função de sua pessoa. Sua personalidade se desenvolverá graças a uma progressiva tomada de consciência de seu corpo, de seu ser, de suas possibilidades de agir e transformar o mundo à sua volta.
É muito comum que, visando garantir uma atmosfera de ordem e de harmonia, algumas práticas educativas procurem simplesmente suprimir o movimento, impondo às crianças de diferentes idades rígidas restrições posturais. Isso se traduz, por exemplo, na imposição de longos momentos de espera – em fila ou sentada- em que a criança deve ficar quieta, sem se mover, ou na realização de atividades mais sistematizadas, como de desenho, escrita ou leitura, em que qualquer deslocamento, gesto ou mudança de posição pode ser visto como desordem ou indisciplina.

Além do objetivo disciplinar apontando, a permanente exigência de concentração motora pode estar baseada na idéia de que o movimento impede a concentração e a atenção da criança, ou seja, que as manifestações motoras atrapalham a aprendizagem. Todavia, a julgar pelo papel que os gestos e as posturas desempenham junto `a percepção e `a representação, conclui-se que, ao contrário, e a impossibilidade de mover-se ou de gesticular que pode dificultar o pensamento e a manutenção da atenção.

Criada há 25 anos pelo Prof. André Lapierre, a Psicomotricidade Relacional trouxe uma nova visão científica e prática da relação Psicotônico-afetiva da criança com o adulto e com o mundo ao seu redor. Propagando-se com sucesso por vários países da Europa, a Psicomotricidade Relacional vem despertando interesse nos profissionais de educação, saúde e terapia mais atentos.

As principais funções psicomotoras são: um bom desenvolvimento da estruturação do esquema corporal que mostre a evolução da apresentação da imagem do corpo e o reconhecimento do próprio corpo, evolução de preensão e da coordenação óculo-manual que nos proporciona a fixação ocular e prensão e olhar e desenvolvimento da função tônico e da postura em pé e reflexos arcaicos da estruturação espaço-temporal (tempo, espaço, distância e retina)
Não podemos esquecer de citar a importância dos sentimentos da criança na fase do conhecimento de seu próprio corpo, pois um esquema corporal mal estruturado pode determinar na criança um certo desajeitamento e falta de coordenação, se sentindo insegura e isso poderá desencadear uma série de reações negativas como: agressividade, mal humor, apatia que às vezes parece ser algo tão simples poderá originar sérios problemas de motricidade que serão manifestados através do comportamento.

A criança percebe seu próprio corpo por meio de todos os sentidos. Seu corpo ocupa um espaço no ambiente em função do tempo, capta imagens, recebe sons, sente cheiros e sabores, dor e calor, movimenta-se. A entidade corpo é centro, o referencial. A noção do corpo está no centro do sentimento de mais ou menos disponibilidade e adaptação que temos de nosso corpo e está no centro da relação entre o vivido e o universo.

Para Jean LeBouch (1986), o esquema corporal é a organização das sensações relativas ao seu próprio corpo em relação com os dados do mundo exterior.
Hurtado (1991) no dicionário de psicomotricidade, define esquema corporal como elemento básico indispensável na criança para construção de sua personalidade. É a representação mais ou menos global, mais ou menos específica e diferenciada que ela apresenta do seu próprio corpo.

Etapas do Desenvolvimento do Esquema Corporal

1 - Etapa do corpo submisso (0 a 2 meses)

Os movimentos são estritamente automáticos, dependendo de bagagem inata (reflexos e automatismos de alimentação, de defesa e de equilíbrio). Daí resulta comportamento inteiramente dominado pelas necessidades orgânicas e ritmado pela alternância alimentação-sono. Nesta fase de impulsividade motora (ver desenvolvimento psicomotor segundo Wallon), os gestos são explosivos, não são orientados e se parecem mais a crises motoras que a movimentos coordenados.

2Etapa do corpo vivido (2 meses a 3 anos)

Caracterizada por comportamento motor global com repercussões emocionais fortes e mal controladas. A criança vai tomando consciência de seus movimentos. E, a medida que vai tomando a noção de lugar, vai virando também para os lados. A atividade traduz a expressão de uma necessidade fundamental de movimento e investigação (ver Pavlov).
A criança participa de tudo, de todos os movimentos ao seu redor. Dois aspectos a serem observados nessa fase:
a – atividade espontânea da criança - (movimentos não pensados). Levantar a barriga, rolar pelo berço, pegar objetos e levar à boca. Dessas atividades espontâneas é que ela vai adquirindo experiências.
b – importância da experiência vivida pela criança - Pela experiência vivida, enquanto distingue seu próprio corpo do mundo dos objetos é que se estabelece o primeiro esboço da imagem do corpo e a criança parte para a descoberta do mundo exterior.

3 - Etapa do Corpo Descoberto (3 a 6 anos)

A criança vai descobrindo seu corpo, començando a estruturar seu esquema corporal. Durante a fase do corpo vivido, a experiência emocional do corpo e do espaço, permite à criança sentir seu corpo como objeto total no mecanismo de relação. O reconhecimento de um objeto pelo lado dos sentidos, vai por sua vez, ser submetido a uma evolução rápida.
É nesta etapa que se desenvolve:
a) função de interiorização - É uma forma de atenção perceptiva centrali-
zada sobre o próprio corpo, que permite à criança tomar consciência de suas características corporais e verbalizá-las.
b) interiorização e localização -
c) interiorização e controle do desenvolvimento temporal do movimento -

4 - Etapa do Corpo Representado (6 a 12 anos)

Por volta dos 5-6 anos, as experiências tônicas e dados visuais produzem a primeira imagem sintética do corpo. Daí a representação de uma imagem mental do corpo em movimento.
No início ela poderá controlar voluntariamente sua atitude sem empregar tensões inúteis, a partir de um esquema postural, verdadeira imagem do corpo estático. Mas é preciso atingir a idade de 10 a 12 anos para que, no momento das aprendizagens praxiológicas, ela possa dispor de uma imagem mental do corpo em movimento permitindo uma verdadeira representação mental de uma sucessão motora.

Esquema Corporal Mal Definido

Apresenta-se sobre os planos da:

  • Percepção - deficiência da estruturação espaço-temporal

Motricidade - lentidão, coordenação psicomotora deficiente, atitudes inadequadas.
Relação com o outro - insegurança nas relações com o outro. A criança não conhece as partes do seu corpo, ignora o vocabulário corporal, não situa bem seus membros ao gesticular ou por falta de concentração, ou porque não descobriu todas as possibiblidades espaciais de seu corpo. Seus gestos não são harmônicos; é lenta não consegue agir rapidamente.

Transpondo para a prática, o professor precisa cuidar de sua expressão e posturas corporais ao se relacionar com as crianças. Não deve esquecer que seu corpo é um veículo expressivo valorizando e adequando os próprios gestos, mímicas e movimentos na comunicação com as crianças através de jogos, brincadeiras, histórias, refletindo sobre os tipos de movimentos ajudando as crianças a desenvolverem uma motricidade harmoniosa.


Psicomotricidade na Matemática

A matemática pode ser considerada uma linguagem cuja função é expressar relações de quantidade, espaço, tamanho, ordem, distância, etc. À medida em que brinca com formas, quebra-cabeças, caixas ou panelas, a criança adquire uma visão dos conceitos pré-simbólicos de tamanho, número e forma. Ela enfia contas no barbante ou coloca figuras em quadros e aprende sobre seqüência e ordem; aprende frases: acabou, não mais, muito, o que amplia suas idéias de quantidade.
A criança progride na medida do conhecimento lógico-matemático, pela coordenação das relações que anteriormente estabeleceu entre os objetos. Para que se construa o conhecimento físico (referente a cor, peso, etc.), a criança necessita ter um sistema de referência lógico-matemático que lhe possibilite relacionar novas observações com o conhecimento já existente; por exemplo: para perceber que um peixe é vermelho, ela necessita um esquema classificatório para distinguir o vermelho de todas as outras cores e outro esquema classificatório para distinguir o peixe de todos os demais objetos que conhece.


Psicomotricidade na  Alfabetização

As habilidades psicomotoras são essenciais ao bom desempenho no processo de alfabetização. A aprendizagem da leitura e da escrita exige habilidades tais como:
• dominância manual já estabelecida (área de lateralidade);
• conhecimento numérico suficiente para saber, por exemplo, quantas voltas existem nas letras m e n, ou quantas sílabas formam uma palavra (área de habilidades conceituais);
• movimentação dos olhos da esquerda para a direita, domínio de movimentos delicados adequados à escrita, acompanhamento das linhas de uma página com os olhos ou os dedos, preensão adequada para segurar lápis e papel e para folhear (área de coordenação visual e manual);
• discriminação de sons (área de percepção auditiva);
• adequação da escrita às dimensões do papel, reconhecimento das diferenças dos pares b/d, q/d, p/q etc., orientação da leitura e da escrita da esquerda para a direita, manutenção da proporção de altura e largura das letras, manutenção de espaço entre as palavras e escrita orientada pelas pautas (áreas de percepção visual, orientação espacial, lateralidade, habilidades conceituais);
• pronúncia adequada de vogais, consoantes, sílabas, palavras (área de comunicação e expressão);
• noção de linearidade da disposição sucessiva de letras, sílabas e palavras (área de orientação têmporo-espacial);
• capacidade de decompor palavras em sílabas e letras (análise);
• possibilidade de reunir letras e sílabas para formar novas palavras (síntese).

A psicomotricidade é imprescindível na educação para o desenvolvimento físico, cognitivo, afetivo da criança. O professor deve ter o cuidado de elaborar suas aulas fundamentando-se nestes aspectos para proporcionar ao aluno um desenvolvimento integral. Neste aspecto, a escola que acompanha as mudanças de um mundo onde os conhecimentos evoluem rapidamente, deve priorizar os pilares que a sustentam  (aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a ser, aprender a conviver juntos) de forma lúdica e prazerosa.

Referências Bibliográficas:

 

1. Hurtado, J.G.G.M. (1991). Dicionário de psicomotricidade. Porto Alegre: Prodil.
2. Aucouturier, B. e LaPierre, A. (1985). As Nuanças: da vivência à abstração através da Educação Psicomotora. São Paulo: Manole.
3. Le Bouch, J. (1986) . O desenvolvimento psicomotor: do nascimento até os 6 anos. Porto Alegre: Artes Médicas

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-infantil-artigos/a-importancia-da-psicomotricidade-na-educacao-3507750.html

    Palavras-chave do artigo:

    psicomotricidade

    ,

    educacao

    ,

    desenvolvimento motor

    Comentar sobre o artigo

    Marcia Soares

    O estudo a seguir aborda as dificuldades de aprendizagem no ensino fundamental, problema cada vez mais comum, e em que estes transtornos refletem nas aulas de educação física. Mostraremos algumas opiniões sobre este assunto, bem como as necessidades destes alunos e as possibilidades para o educador físico contribuir no seu desenvolvimento.

    Por: Marcia Soaresl Educaçãol 02/04/2012 lAcessos: 504
    Marcia Soares

    A criança com dificuldade de aprendizagem só será capaz de se apropriar da linguagem simbólica após a apropriação e domínio das habilidades motoras, tal pensamento nos remete a uma reflexão acerca da importância das aulas de educação física para que os alunos com ou sem dificuldades de aprendizagem, alcancem um desenvolvimento global satisfatório. Através do estimulo motor nas aulas de educação física é possível corrigir a disfunção psicomotora e promover a maturação neurofuncional nas crianças

    Por: Marcia Soaresl Educação> Educação Infantill 05/11/2012 lAcessos: 396

    O presente artigo é uma discussão acerca dos conteúdos da psicomotricidade no processo de aprendizagem e desenvolvimento do aluno. Partiu-se de uma revisão bibliográfica acerca do que é o brincar e sua relação direta no processo educacional, bem como sua função de desenvolver os aspectos psicomotores. A psicomotricidade é um conteúdo de vital importância na Educação Física Escolar que contribui para o desenvolvimento afetivo, cognitivo, motor e psicológico.

    Por: Izabel Ap. de C. Cândido Costal Educaçãol 02/07/2009 lAcessos: 23,545
    Hilton Andrade dos Santos

    Falar na relação de psicomotricidade e psicopedagogia é abrir um campo da psicopedagogia para apurar à dinâmica do movimento em especial, em que a criança pode ter implicações no seu crescimento e desenvolvimento motor. Muitos profissionais tanto na área de educação quanto na área da psicomotricidade, estudam a implicação do desenvolvimento motor infantil, que podem influenciar em distúrbios na aprendizagem infantil. Este artigo irá tratar de alguns distúrbios causados pela motricidade.

    Por: Hilton Andrade dos Santosl Educação> Educação Infantill 01/12/2010 lAcessos: 3,755 lComentário: 2
    Jonas Alfredo da Silva Santos

    Este Trabalho Cientifico fora baseado no projeto Aventura Educacional, desenvolvido 2009 SANTOS, na escola da rede Publica CEU GUARAPIRANGA, qual através de revisão bibilografica e observação discute os critérios de desenvolvimento motor, cognitivo e educacional dos alunos participantes do mesmo. Assim tendo como sua base cientifica o desenvolvimento motor e qual fora o desenvolvimento dos alunos expostos a atividades de aventura com objetivo multidisciplinar. Jonas Alfredo da Silva Santos

    Por: Jonas Alfredo da Silva Santosl Educação> Educação Infantill 07/08/2011 lAcessos: 674
    SANDRA VAZ DE LIMA

    A Psicomotricidade caracteriza-se por uma educação que se utiliza do movimento para atingir outras aquisições mais elaboradas, como as intelectuais. Por meio do desenvolvimento dos elementos corporais, proporcionando a criança o desenvolvimento/ aprimoramento das qualidades físicas, do esquema corporal da estruturação espaço temporal, além de uma conscientização dos movimentos apresentados pelo seu corpo, sendo a base indispensável dos exercícios individuais e de conjuntos.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 23/02/2008 lAcessos: 670,813 lComentário: 123
    Fayson Merege

    Considerando que o movimento, a corporeidade e o lúdico são de suma importância para o desenvolvimento da criança e que a Educação Física é parte do processo de cultura e humanização da mesma, o presente estudo busca construir e consolidar uma parceria entre a Pedagogia e a Educação Física na Educação Infantil. Pela importância que a infância representa na formação da personalidade do indivíduo, buscam-se respaldos por uma "nova práxis pedagógica" que leve a uma organização didática.

    Por: Fayson Meregel Educação> Educação Infantill 13/06/2012 lAcessos: 688

    Este estudo mostra a importância da psicomotricidade nas aulas de Educação Física escolar, a psicomotricidade tem uma revelância grandiosa na vida do individuou, algums dos seus inúmeros objetivos é motivar a percepção através de atividades, a integração dos movimentos corporais.

    Por: Tamiris Limal Educação> Educação Infantill 24/02/2010 lAcessos: 5,217 lComentário: 7
    EDINALVA COSTA DE ANDRADE

    RESUMO: O presente artigo tem por objetivo apresentar algumas reflexões a respeito da psicomotricidade na Educação infantil. As reflexões tecidas ao longo deste trabalho, mostrou que o conceito de Educação Motora tem sofrido mudanças significativas, de um paradigma onde esta educação se dava limitada ao conceito do físico apenas, tem extrapolado outros âmbitos, passando a considerar o ser humano como um todo constituído, de corpo e alma. Sendo assim, o termo educação psicomotora engloba a necess

    Por: EDINALVA COSTA DE ANDRADEl Educação> Educação Infantill 20/11/2014
    GUTEMBERG MARTINS DE SALES

    RESUMO O artigo discorre sobre a psicomotricidade, sua evolução e importância para o desenvolvimento educacional focando sua contribuição de maneira expressiva para a formação e estruturação do esquema corporal, facilitando a orientação espacial. O desenvolvimento infantil justifica que ao longo do desenvolvimento, o indivíduo sofre mudanças que não são apenas quantitativas, mas principalmente qualitativas. O desenvolvimento cognitivo e o desenvolvimento afetivo social.

    Por: GUTEMBERG MARTINS DE SALESl Educação> Educação Infantill 07/07/2011 lAcessos: 5,532
    Simoni Caldeira da Fonseca

    O referente trabalho aborda a importância da gestão escolar para a organização pedagógica da Educação Infantil, pois a criança necessita de todo cuidado específico para sua idade e na escola ela deve encontrar este amparo. O gestor escolar tem a função de proporcionar à criança um ambiente todo aconchegante, colorido, organizado, com atividades permanentes, enfim, tudo o que é necessário para que ela tenha um desenvolvimento adequado.

    Por: Simoni Caldeira da Fonsecal Educação> Educação Infantill 11/12/2014

    COM A INTRODUÇÃO DA CRIANÇA NA ESCOLA INICIA-SE O PROCESSO DE SOCIALIZAÇÃO E COM ELE MUITAS VEZES EMERGEM OS PROBLEMAS DE COMPORTAMENTO. CABE AOS PAIS EM SINTONIA COM A ESCOLA BUSCAR ALTERNATIVAS PARA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA, UMA DAS INDICAÇÕES É ATRAVÉS DA ORIENTAÇÃO A PAIS.

    Por: DABDA TAIS BORBAl Educação> Educação Infantill 10/12/2014
    marli frageri

    valorização de calculos na educação infantil sem sequencia logica.Cada criança cria a sua própria estratégia combinatória baseando no raciocínio logico multiplicativo contando sempre em sequencia descontinua ou seja números que para ela e de fácil pronuncia.

    Por: marli frageril Educação> Educação Infantill 04/12/2014 lAcessos: 12

    O presente resumo refere-se aos problemas relacionados a alunos da Escola 29 Novembro que tem problemas de comportamento e aprendizagem porque muitas os pais ou responsáveis não dão a devida atenção.

    Por: Sortineide Navarro Segural Educação> Educação Infantill 04/12/2014

    A musica esta dentro de cada cultura e tradição de um povo, a musica desenvolve vários fatores de uma criança.

    Por: Domingos Paulol Educação> Educação Infantill 04/12/2014 lAcessos: 15

    Compreende-se, que há inúmeras dificuldades dos alunos, relacionadas à capacidade de resolver operações matemáticas. Nesta área, a Discalculia, ganha destaque, pois afeta as condições de desenvolvimento da capacidade cognitiva do aluno, impedindo que tenha melhor construção de ações que facilite sua aprendizagem.

    Por: Soraya Borba E. Serranol Educação> Educação Infantill 03/12/2014 lAcessos: 13
    marli frageri

    a arte de nao esta emde sala mas tambem atraves de brincadeiras e materiais concretos, a criança ja vem de casa com uma bagagem de cpnhecimentos e cabe ao educador completar e enriquecer sua cultura.

    Por: marli frageril Educação> Educação Infantill 03/12/2014 lAcessos: 11
    marli frageri

    melhorias e sugestoes para uma melhor aprendizagem que tenhamos menas evasão nas escolas tudo depende de um excelente desempenho do professor que trabalhe e se dedique a cada educando com muito amor.

    Por: marli frageril Educação> Educação Infantill 03/12/2014

    Através da leitura, podemos aumentar enormemente a nossa compreensão de todas as palavras da nossa língua, podemos identificar e compreender o significado de textos, ir além do significado explícito , mas captar nas entrelinhas mensagens ocultas.

    Por: Rosimar Nádila O. Saraival Educação> Educação Infantill 19/10/2010 lAcessos: 429

    As idéias e descobertas da teoria construtivista de Jean Piaget e do sociointeracionismo de Lev Vygotsky expandem-se cada vez mais no universo educacional brasileiro e mundial. Ambos nos impulsionaram a buscar mudanças significativas e urgentes no fazer pedagógico das aulas em todas as modalidades e graus de ensino e, em especial, nas classes iniciais. Esses dois teóricos buscaram respostas às suas indagações na psicologia e acabaram elaborando teorias sobre o desenvolvimento intelectual .

    Por: Rosimar Nádila O. Saraival Educação> Educação Infantill 19/10/2010 lAcessos: 3,506

    A brincadeira deve ser encarada como um dos aliados mais importantes no processo educacional da criança.

    Por: Rosimar Nádila O. Saraival Educação> Educação Infantill 19/10/2010 lAcessos: 714

    Este estudo focaliza a formação do professor na educação infantil, visando analisar como ocorre esta formação num contexto escolar. A pesquisa teve como objetivo investigar quais estratégias didáticas são necessárias para que um professor seja bem sucedido na educação infantil.

    Por: Rosimar Nádila O. Saraival Educação> Educação Infantill 19/10/2010 lAcessos: 7,325

    O objetivo deste trabalho é demonstrar que o uso de recursos didáticos variados e a montagem de espaço lúdico para descobertas da matemática, estão aliados ao desenvolvimento de múltiplas inteligências em crianças de 4 a 6 anos.

    Por: Rosimar Nádila O. Saraival Educação> Educação Infantill 19/10/2010 lAcessos: 1,817

    O presente artigo apresenta um conjunto de observações realizadas com crianças da educação infantil de uma escola do sistema municipal de ensino de Montes Claros. Seu principal objetivo é posicionarmos de forma crítica quanto a uma concepção de criança passiva frente aos processos de socialização, recortada por etapas já pré-determinadas de crescimento, vivida por um sujeito sem "voz".

    Por: Rosimar Nádila O. Saraival Educação> Educação Infantill 20/09/2010 lAcessos: 831
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast