A Importância Da Psicomotricidade Na Educação Física Escolar

Publicado em: 24/02/2010 |Comentário: 7 | Acessos: 4,973 |

 

INTRODUÇÃO

         O indivíduo comunica-se por meio da linguagem verbal, por meio de gestos, movimentos, olhares, forma de caminhar isso demonstra sua linguagem corporal. Este convívio, de estar no mundo dentro do limite da corporeidade, espaço próprio do indivíduo, pode-se nominar psicomotricidade.

        Julian de Ajuriaguerra, psiquiatra, no ano de 1947, líder da escola de psicomotricidade, demarca com clareza os transtornos psicomotores que meneiam entre o neurológico e o psiquiátrico. A psicomotricidade com essas novas contribuições, diferencia-se de outras disciplinas, adquirindo sua própria especificidade e autonomia, amplia uma intensa atividade científica, avançando e permanecendo a obra de Wallon onde vai se consolidando os princípios e as bases da psicomotricidade.

        O desígnio primordial,é afirmar que a Educação Física possui uma imensa e essencial força no desenvolvimento, no conhecimento e ação, nos domínios cognitivos, na vida do individuou. Contudo o individuo fisicamente educado vai para uma vida ativa, saudável e bem-sucedida, designando uma integração segura e apropriada para o desenvolvimento de corpo, mente e espírito. Entretanto, a Educação Física, com as suas existentes possibilidade de desenvolver a dimensão psicomotora das pessoas, com os domínios cognitivos e sociais, é de suma importância no desenvolvimento da aprendizagem escolar.

       A educação física pode contribuir com psicomotricidade do aluno, com atividades que exigiam os aspectos motores, atividades essas que o corpo faz diversas movimentações com vários deslocamentos e o individuou, e nota as diferentes variações e noções de maneira interna. As aulas de Educação Física usando a psicomotricidade podem ser trabalhadas de uma forma terapêutica de influência corporal, principalmente quando se trabalha em grupo, onde podem ser utilizado o brincar, os movimentos são executados com prazer e expressividade, os jogos simbólicos tem uma suma importância de beneficiar várias descobertas de comunicação. A intenção de pesquisar sobre o tema proposto, partiu do interesse particular, da inclusão da psicomotricidade nas aulas de educação física escolar.

 

 

 

REFERENCIAL TEÓRICO

2.1 - CONCEITO

        A Psicomotricidade é a influência mútua de várias funções neurológicas, motrizes e psíquicas. É fundamental, a educação do movimento, ou por meio do movimento, que estimula um melhor uso das capacidades psíquicas.

        Segundo Ajuriaguerra (1983), médico psiquiatra, considerado pela comunidade científica como o "Pai da Psicomotricidade", define assim:

 "Psicomotricidade se conceitua como ciência da saúde e da educação, pois indiferentes das diversas escolas, psicológica, condutista, evolutista, genética, e etc, ela visa a representação e a expressão motora, através da utilização psíquica e mental do indivíduo."

          Inicialmente a psicomotricidade ater somente no desenvolvimento motor; com os passar do tempo, notou-se que era necessário e iniciou a estudar a relação entre o desenvolvimento motor e intelectual da criança, e hoje se estuda a lateralidade, estruturação espacial, orientação temporal e sua inclusão com o desenvolvimento intelectual da criança. A psicomotricidade é a competência psíquica de realizar movimentos, não se controvertendo da realização do movimento propriamente dito, mas de uma atividade psíquica que modificar-se a imagem para a ação em estímulos para os processos musculares apropriados.

        De acordo com Moraes (2002) é a capacidade de determinar e coordenar mentalmente os movimentos corporais; a atividade ou conjunto de funções psicomotoras.

         A fórmula de educar o físico tem uma extensão bem mais ampla do que meramente ensinar uma modalidade esportiva, aprimorar o tônus muscular, melhorar a resistência aeróbia e anaeróbia do indivíduo, levá-lo abominar o corpo em toda a sua extensão, seja executando os movimentos mais específicos, sejam os mais amplos, aperfeiçoando o controle neuromuscular.

         A psicomotricidade recentemente encontra-se permeada pela interdisciplinaridade, e essas linhas de análise distintas se cruzam nas práticas viventes. Práticas baseadas nos entendimentos psicomotores existentes acercar-se a considerar que as categóricas biológicas e culturais da criança contribuem dialeticamente na construção do motor, corpo, mente e inteligência da criança.

      Segundo Le Boulch (1969), a Psicomotricidade:

  "Se dá através de ações educativas de movimentos espontâneos e atitudes corporais da criança, proporcionando-lhe uma imagem do corpo contribuindo para a formação de sua personalidade. É uma prática pedagógica que visa contribuir para o desenvolvimento integral da criança no processo de ensino-aprendizagem, favorecendo os aspectos físicos, mental, afetivo-emocional e sócio-cultural, buscando estar sempre condizente com a realidade dos educandos."

       Os trabalhos iniciais realizados em psicomotricidade apresentavam uma proposta reeducativa e um caráter terapêutico, a maior preocupação era em reabilitar funções psicomotoras que se estavam prejudicadas. O público alvo dessa ação, eram indivíduos que apresentavam déficits motores e cognitivos. 

       De acordo com Fonseca (1988) em Psicomotricidade, o corpo não é entendido como fiel instrumento de adaptação ao meio envolvente ou como instrumento mecânico que é preciso educar, dominar, comandar, automatizar, treinar ou aperfeiçoar, pelo contrário, o seu enfoque centra-se na importância da qualidade relacional e na mediatização, visando à fluidez eutônica, a segurança gravitacional, a estruturação somatognósica e a organização práxica expressiva do indivíduo.

       O indivíduo comunica-se por meio da linguagem verbal, por meio de gestos, movimentos, olhares, forma de caminhar isso demonstra sua linguagem corporal. Este convívio, de estar no mundo dentro do limite da corporeidade, espaço próprio do indivíduo, pode-se nominar psicomotricidade.

         As práticas em psicomotricidade se estabelecem não somente como uma reeducação.

 

2.2 - HISTÓRICO DA PSICOMOTRICIDADE

     De acordo com a história a terminação psicomotricidade surgiu a partir do discurso médico, mais precisamente neurológico, quando foi necessário, no início do século XIX, indicar as zonas do córtex cerebral situadas mais além das regiões motoras. Só em pleno século XIX inicia-se a estudar o corpo, estudo esse  realizados por neurologistas, por necessidade de compreensão das estruturas cerebrais, e após por psiquiatras, para a classificação de fatores patológicos. A partir dessa necessidade médica de localizar uma área que esclareça certos fenômenos clínicos que se indica, pela primeira vez, a palavra PSICOMOTRICIDADE, no ano de 1870.

        Se originam as primeira pesquisas referente ao campo psicomotor correspondem a um foco de modo eminente neurológico.

         Na área patológico sobressair a figura de Dupré que em 1909, neuropsiquiatra, de fundamental relevância para o campo psicomotor, ele é quem afirma a independência da debilidade motora de um possível correlato neurológico e a nomenclatura ‘'Psicomotricidade'', assim como incluiu os primeiros estudos sobre a debilidade motora nos débeis mentais.

        Henry Wallon, médico psicólogo, no ano de 1925, foi possivelmente o grande pioneiro da psicomotricidade, se ocupa do movimento humano dando-lhe uma categoria fundante como um utensílio na construção do psiquismo. Essa constatação permite a Wallon relacionar o movimento ao afeto, à emoção, ao meio ambiente e aos hábitos do indivíduo. Para ele, o movimento é a única expressão, e o primeiro dispositivo do psiquismo, e que o desenvolvimento psicológico da criança é o implicação da oposição e substituição de atividades que precedem umas as outras.         Por meio do conceito do esquema corporal, introduz, possivelmente, dados neurológicos nas suas concepções psicológicas, que o caracteriza de outro grande vulto da psicologia, Jean Piaget influenciou bastante a teoria e prática da psicomotricidade. Wallon menciona o esquema corporal não como uma unidade biológica ou psíquica, mas como a construção, é o componente de base para o desenvolvimento da personalidade da criança.

       Em 1935, Eduard Guilmain, neurologista, elabora campos científicos para desenvolver reeducação psicomotora, onde sobressai exames psicomotor e através, desses exames tem como objetivos de diagnóstico, de indicação da terapêutica e de prognóstico.

      Julian de Ajuriaguerra, psiquiatra, no ano de 1947, líder da escola de psicomotricidade, demarca com clareza os transtornos psicomotores que meneiam entre o neurológico e o psiquiátrico. A psicomotricidade com essas novas contribuições,  diferencia-se de outras disciplinas, adquirindo sua própria especificidade e autonomia, amplia uma intensa atividade científica, avançando e permanecendo a obra de Wallon onde vai se consolidando os princípios e as bases da psicomotricidade.

       A psicomotricidade, para Wallon e Ajuriaguerra, idealiza as determinantes biológicas e culturais do desenvolvimento da criança como dialéticos e não redutíveis  as demais crianças.

        Com o crescimento da psicomotricidade, na década de 70, diversos autores definem a psicomotricidade como uma motricidade de relação. A partir daí, começa a ser delimitada uma contestação entre uma postura reeducativa e uma terapêutica que, ao despreocupar-se da técnica instrumentalista e ao ocupar-se do corpo de um indivíduo vai oferecendo progressivamente, uma maior relevância à relação, à afetividade e ao emocional. Para o psicomotricista, a criança compõe sua unidade a partir das influência mútua com o mundo externo e nas atuações do outro (mãe e substitutos) sobre ela.

       A psicomotricidade, produto de uma inclusão inteligível entre a criança e o meio, e ferramenta privilegiada através do qual a consciência se forma e materialize.

       É na integração transdiciplinar das áreas do saber que provavelmente se colocará no futuro a evolução e atualização do conceito de Psicomotricidade. A lateralização como resultado da integração bilateral postural do corpo é peculiar no ser humano e está implicitamente relacionada com a evolução e utilização de instrumentos, isto é, com integrações sensoriais complexas e com aquisições motoras unilaterais muito especializadas, dinâmicas e de origem social.

       A Psicomotricidade é uma ciência que procura em muitos campos de pesquisa dados, argumentos e teorias. As duas são as áreas que tem um grande envolvimento nestas pesquisas é a Educação Física e a Psicologia procura a cada dia elaboram mais pesquisas fazendo assim que suas atuações ações mais competentes para desenvolvimento do indivíduo.

 

2.3  - DESENVOLVIMENTO MOTOR

 

       O desenvolvimento motor é um processo sequencial e contínuo, pertinente à idade cronológica, consistir em que o indivíduo prossegue de um movimento simples e sem habilidade até atingir habilidades motoras complexas e organizadas. A adaptação destas habilidades vai acompanhar o indivíduo até seu envelhecimento, seguindo do inicio ao fim da vida; mais com passar dos anos o comportamento motor irá modificar.  Essas mudanças podem ser drásticas e ocorrem na etapa da infância e adolescência, algumas são mais módicas e acontecem na fase adulta, após percebe-se uma regressão nos movimentos com os anos da idade avançada. As mudanças que ocorrem no comportamento motor do indivíduo durante sua vida, são responsáveis pela alteração da coordenação motora.

                                                                                            

         Segundo Mello ( 2002 ) o desenvolvimento motor se define como:

        Um campo de investigação que estuda o comportamento motor (habilidades padrões generalizações motoras e capacidades físicas) em populações normais ou não em diferentes faixas etárias . Estuda as teorias que fundamentam o sentido/ significado do movimento humano no processo de desenvolvimento e aprendizagem humana. Estabelece princípios básicos para fundamentar a ação pedagógica.O desenvolvimento motor engloba um conjunto de transformações humanas ao longo da vida bem como, as influências de fatores genéticos e ambientais. São estudados os mecanismos adaptativos aos níveis, morfológico, maturacional e motor.

        Cada individuou apresenta seu padrão peculiar de desenvolvimento, ressaltando que as particularidades inerentes sofrem a influência constante de uma cadeia de transações que acontecem entre ela e o ambiente que a rodeia. Ainda assim, existem características particulares que admitem uma avaliação áspera do nível e da qualidade do desempenho infantil. Um individuou com um bom  desenvolvimento motor, o mesmo se reflete na vida futura da indivíduo nos aspectos sociais, intelectuais e culturais.

        O desenvolvimento motor vem baseado em fases. Que compõe a vida do individuou, comprometendo do inicio ao final da vida, diante disse, ressalta a importância de se trabalhar a psicomotricidade dentro das aulas de Educação Física, fazendo assim um individuou preparado e coordenado para os movimentos mais complexo.

2.4 - ESTÁGIOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO SEGUNDO JEAN PIAGET

        A teoria que surgi por Jean Piaget ( 1896 – 1980 ),  é a terceira visão, com uma linha interacionista que estabelece uma experimento de integrar as posições dicotômicas de duas convergências teóricas que permeiam a Psicologia em geral - o materialismo mecanicista e o idealismo, as duas distinguidas pela incompatibilidade inconciliável de seus postulados que abstraem de forma estanque o físico e o psíquico.

          Introduzindo uma terceira visão teórica representada pela linha interacionista, as ideias de Piaget contrapõem-se, conforme mencionamos mais acima, às visões de duas  correntes antagônicas e inconciliáveis que permeiam a Psicologia em geral: o objetivismo e o subjetivismo. Ambas as correntes são derivadas de duas grandes vertentes da Filosofia (o idealismo e o materialismo mecanicista) que, por sua vez, são herdadas do dualismo radical de Descartes que propôs a separação estanque entre corpo e alma, entre físico e psíquico. Assim sendo, a Psicologia objetivista, privilegia o dado externo, afirmando que todo conhecimento provém da experiência; e a Psicologia subjetivista, em contraste, calcada no substrato psíquico, entende que todo conhecimento é anterior à experiência, reconhecendo, portanto, a primazia do sujeito sobre o objeto (FREITAS, 2000) .

      Piaget pondera 4 períodos no processo da evolução Que é caracterizado, por ação em que o individuou executa  de uma melhor forma, no transcorrer das diferentes faixas etárias ao longo do seu processo de desenvolvimento humano. São eles:

·         1º período: Sensório-motor              (0 a 2 anos)

·         2º período: Pré-operatório                (2 a 7 anos)

·         3º período: Operações concretas     (7 a 11 ou 12 anos)

·         4º período: Operações formais         (11 ou 12 anos em diante).

       La Taille & Piaget (2003) a construção da inteligência ocorre em etapas contínuas com complexidades crescentes, conectadas uma nas outras, nomeada por ele de construtivismo sequencial.

Sensorial-motor (0 - 2 anos): Ao nascer, a criança tem padrões inatos de comportamento, como agarrar, sugar e atividades grosseiras do organismo, segundo Piaget. As alterações e o desenvolvimento do comportamento acontecem como resultado da interação desses padrões inatos (semelhantes a reflexos) com o meio ambiente. A criançam então começa a construir esquemas para assimilar o ambiente.

 Pré-operações (2 – 7 anos): O período pré – operatório inclui a idade de 2 a 7 anos e é dividido em dois períodos: o da Inteligência Simbólica (dos 2 aos 4 anos) e o período Intuitivo (dos 4 aos 7 anos).

Operações concretas (7 - 11 anos) : O individuo consolida as conservações de número, substancia, volume e peso. Desenvolvem igualmente noções de tempo, espaço, velocidade, ordem, casualidade. Organiza então o mundo de maneira lógica e operatória. É capaz de constituir compromissos, compreende as regras podendo ser fiel a elas.

Operações formais (11 – 15 anos): No período formal as estruturas cognitivas da criança alcançam seu nível mais elevado de desenvolvimento, e tornam-se aptas a aplicar o raciocínio lógico a todas as classes de problemas. Enfim, é a "abertura para todos os possíveis".

       A relevância definição de aprendizagem no entendimento de Jean Piaget, o mesmo, afasta o processo cognitivo inteligente em duas palavras: aprendizagem e desenvolvimento.  A aprendizagem comete referência a uma resposta particular, aprendida em colocação da experiência, obtida de forma sistematizada ou não. Já o desenvolvimento significaria uma aprendizagem de fato. assim sendo responsável pela ampliação do conhecimento.

 

2.5 - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

       Quando se incluiu a Educação Física no currículo escolar, tinha como objetivo e conteúdo a prática da ginástica, com a finalidade de deixar o corpo saudável.  Com passar dos anos, ocorrerão várias reformas das ideias da própria Educação Física, nos dias de hoje ela é uma disciplina complexa que deve, ao mesmo tempo, trabalhar as suas próprias especificidades e se inter-relacionar com os outros componentes curriculares. É de suma importância, reconhecer o valor da educação física dentro da escola, especialmente, nos primeiros anos da vida escolar do individuou, em que está se formando, a personalidade, o caráter, a moral, o conhecimento do próprio corpo e este no contexto social, assim dentro dos jogos e das brincadeiras o educador físico tem a ampla responsabilidade de auxiliar nesta formação.

        De acordo com Oliveira (2000) o processo pelo qual, o indivíduo adquire informações, habilidades, atitudes, valores, etc. a partir de seu contato com a realidade, o meio ambiente, as outras pessoas. É um processo que se diferencia dos fatores inatos (a capacidade de digestão, por exemplo, que já nasce com o indivíduo) e dos processos de maturação do organismo, independentes da informação do ambiente ( a maturação sexual, por exemplo).

       As aulas de educação física têm como característica importante o brincar, já que o mesmo costuma proporcionar momentos de alegria para a criança, poderão ser percebidos por ela como uma simples brincadeira, sendo esse a essência da educação física,  como afirma Vygotsky, o brinquedo coloca a criança em ação, ou seja, a criança interfere e é interferida diretamente durante a atividade, e até mesmo o espaço físico por ser diferente da sala de aula, onde cada criança senta individualmente em sua carteira, no pátio, na quadra ou no ginásio, esta solidão não acontece, pois, os trabalhos em grupos, com times, com os jogos, enfim, contribuem para a socialização e o desenvolvimento da aprendizagem destas crianças.

        O objetivo primordial, é afirmar que a Educação Física possui uma imensa  e essencial força no desenvolvimento, no conhecimento e ação, nos domínios cognitivos, na vida do individuou. Contudo o individuo fisicamente educado vai para uma vida ativa, saudável e bem-sucedida, designando uma integração segura e apropriada para o desenvolvimento de corpo, mente e espírito. Entretanto, a Educação Física, com as suas existentes possibilidade de desenvolver a dimensão psicomotora das pessoas, com os domínios cognitivos e sociais, é de suma importância no desenvolvimento da aprendizagem escolar.

        De acordo com Darido (2003) apesar de haver um entendimento geral quanto à relevância das atividades físicas na educação das crianças, essa disciplina é ainda objeto de um descaso enorme. A Educação Física que as pessoas do meio educacional e a sociedade em geral conhecem é essa que todos cursamos um dia, rígida, militarista discriminadora ou brincar sem objetivo algum. O papel da Educação Física na vida escolar do aluno é de suma importância, pois as atividades físicas ajudam ampliar também o cognitivo da criança. Na escola ela tem oportunidade de ser trabalhada de acordo com sua idade, sua cultura e aprimorando assim um espaço com mais autonomia. O papel do professor é criar no aluno condições de equilíbrio, desenvolver a interdisciplinaridade.

        educação física escolar possui uma vasta gama de informações motoras, sensoriais e culturais. Através da mesma a criança é introduzida no mundo dos jogos e dos esportes. Ela instruída a respeitar e valorizar o próximo, aprende a conviver com regras e também será capaz de descobrir  o significado da vitória e da derrota. Motiva ao interesse para se obter uma vida saudável,manifesta o trabalho em equipe, estimula-se o surgimento do interesse para liderança, estimula meio da exploração motora a criança amplia consciência do mundo que a cerca e de si própria.

         Segundo Gallahue (2001) se refere a importância da educação física no contexto escolar da seguinte forma:

         "A escola é o único lugar em que nós podemos garantir que todas as crianças terão um tempo dedicado à instrução. E as aulas de educação física na escola são diferentes do simples ato de brincar no quintal de casa, pois são instrutivas. Ensinam como as crianças podem mover o corpo. É o único lugar onde elas são instruídas o tempo inteiro. O ideal seria que os alunos tivessem mais do que apenas uma ou duas aulas de educação física na escola por semana. Isso faria com que eles se mexessem mais e o exercício físico se tornaria parte da vida deles. O professor de educação física é uma pessoa extremamente importante na comunidade escolar".

 

       Entretanto compete ressaltar, a verdadeira eficácia que é a educação física no contexto escolar e as modificações que vem acontecendo durante os anos, pois seu histórico nos mostra, a sua veia militarista e autoritária, contudo, temos nos dia de hoje profissionais que compreendem o seu aluno, como ser integral desenvolvendo uma educação física transformadora.

 

 2.6 - EDUCAÇÃO FÍSICA E A PSICOMOTRICIDADE

        Com o decorrer dos anos a educação física escolar vem se transformando, mais atenta aos interesses sociais, consentindo aos objetivos impostos pela sociedade e atendo as necessidades como a  parte estética, a disciplina, o lazer, a busca de medalhas, ou a promoção da saúde. Por meio desses eventuais objetivos, faço uma coligação entre a psicomotricidade a educação física escolar,  onde o trabalho do professor é compreender o aluno em sua globalidade, assim o mesmo irá corrigir e estimular de acordo com suas necessidades.

        É de uma relevância grandiosa a coligação da a psicomotricidade e a educação física escolar, tem como contribuir para a construção e reconstrução do saber, onde o indivíduo poderá transformar a si e a sociedade, em uma atuação mais intensificada, crítica e participativa.

        Seguindo essa premícia, Darido (2003) afirma que o indivíduo não será visto de maneira minimizada, mas como um ser falante, fala por seu corpo e seu corpo também fala por ele, como um ser que pertence a uma realidade social, que sofre influências, onde seu corpo, seus movimentos correspondem as suas vivências.

        A educação física pode contribuir com psicomotricidade do aluno, com atividades que exigiam os aspectos motores, atividades essas que o corpo faz diversas movimentações com vários deslocamentos e o individuou, e nota as diferentes variações e noções de maneira interna. As aulas de Educação Física usando a psicomotricidade podem ser trabalhadas de uma forma terapêutica de influência corporal, principalmente quando se trabalha em grupo, onde podem ser utilizado o brincar, os movimentos são executados com prazer e expressividade, os jogos simbólicos tem uma suma importância de beneficiar várias descobertas de comunicação.

       Dentro das aulas de Educação Física o individuou demonstra várias reações de sentimentos através do brincar e dos jogos, em qual o mesmo não demonstra no seu dia-a-dia.

Energia e vigor, elevado a alegria despreocupada até animação e euforia, caracterizam um sentimento vital. Alto-confiante , corajosa a criança utiliza agora, sua capacidade na aula de Educação Física, para aumentar seu sentimento de autoridade. ( FONSECA 1988 ) .

       As atividades recreativas conduzidas para o envolvendo jogos, brincadeiras dentro das aulas de educação física. Os benefícios que elas proporcionam às crianças são muito mais que cogitar as regras e limites, além disso, se destaca a interação e aceitação do outro, auxiliam  crianças  a se desenvolverem dentro da normalidade e, além disso, aos mais lentos proporcionam estímulos necessários ao seu desenvolvimento. Beneficiando a integração e a socialização da criança com o próximo.

       Segundo Le Bouche (1969) a Psicomotricidade se dá através de ações educativas de movimentos espontâneos e atitudes corporais da criança, proporcionando-lhe uma imagem do corpo contribuindo para a formação de sua personalidade.

       Os conteúdos a serem trabalhados nas aulas de educação física, são atividades que abrangem a lateralidade, orientação espacial, temporal, atividades sensório-motora até a escrita de letras, palavras e textos. Essas atividades são de suma importância na vida do individuou, onde se esses conteúdos não forem trabalhados de forma eficaz poderá ser prejudicial no decorrer de vida, afetando também a linguagem escrita e oral.  

       O professor de Educação Física como um dos mediadores do processo ensino-aprendizagem, deverá ser sempre cauteloso durante as etapas do desenvolvimento de seu aluno e colaborar de maneira positiva para seu êxito, apoiando-lhe e estimulando.

       A psicomotricidade tem uma importância imensa na vida do individuou, algums dos seus inúmeros objetivos é motivar a percepção através de atividades, a integração dos movimentos corporais. Aperfeiçoando  o comportamento da criança, controlar de  suas emoções e necessidades.

       A relevância de aulas de educação física escolar fundamentada na psicomotricidade, seguindo a prática pedagógica tendo como fundamento o gesto, o movimento e a motricidade. 

 

2.7 - ÁREAS PSICOMOTORAS

        A prática do movimento como atividade de um organismo total expressando a personalidade, proporcionado por distintos estímulos, raciocinar-se nas possibilidades das experiências de movimentos humanos básicos (andar, saltar, correr, rastejar, rebater, esquivar-se, quicar, equilibrar, chutar, passar, receber, transportar, agachar, trepar...) como modo de ampliar o ser todo a partir da compreensão das áreas psicomotoras.

       De acordo com Oliveira ( 2002) o individuou deve trabalhar apara desenvolver as seguintes áreas da psicomotoras:

  • Conhecimento Corporal: Conhecimento intelectual que se tem do próprio corpo.
  • Coordenação Motora Fina: Coordenação fina diz respeito à habilidade e destreza manual e constitui um aspecto particular da coordenação global.
  • Coordenação Motora Global: A coordenação global diz respeito à atividade dos grandes músculos e depende da capacidade de equilíbrio postural do indivíduo.
  • Estruturação Corporal: Relacionamento do individuo com o mundo exterior, conhecimento e controle do próprio corpo e de suas partes, adaptação do mesmo ambiente.
  •  Estruturação Espacial: A tomada de consciência da situação de seu próprio corpo em um meio ambiente, isto é, do lugar e da orientação que pode ter em relação às pessoas e coisas. A tomada de consciência da situação das coisas entre si. A possibilidade, para o sujeito, de organizar-se perante o mundo que o cerca, de organizar as coisas entre si, de colocá-las em um lugar, de movimentá-las.
  • Estruturação Temporal: É a orientação temporal que lhe garantirá uma experiência de localização dos acontecimentos passados, e uma capacidade de projetar-se para o futuro, fazendo planos e decidindo sobre sua vida.
  • Esquema Corporal: Resulta das experiências que possuímos, provenientes do corpo e das sensações que experimentamos. Não é um conceito aprendido e que depende de treinamento. Ele se organiza pela experienciação do corpo da criança. É uma construção mental que a criança realiza gradualmente, de acordo com o uso que faz de seu corpo.
  • Imagem Corporal: A experiência do individuo em relação ao próprio corpo sujeito, impressão subjetiva.
  • Lateralidade: é a propensão que o ser humano possui de utilizar preferencialmente mais um lado do corpo que o outro em três níveis: mão, olho e pé. Isto significa que existe um predomínio motor, ou melhor, uma dominância de um dos lados.

     Através de atividades recreativas ou exercícios é possível desenvolver ou aperfeiçoar as áreas psicomotoras de cada individuou. A educação ou reeducação pode ocorrer dentro das aulas de educação física escolar, assim será trabalhada com vigor, alegria e prazer através de jogos e brincadeiras.

 

 

METODOLOGIA

 

3.1 Métodos utilizados na pesquisa

          O tema proposto explora a necessidade de inserir a psicomotricidade dentro das aulas de educação física escolar, as aulas de Educação Física usando a psicomotricidade podem ser trabalhadas de uma forma terapêutica de influência corporal, principalmente quando se trabalha em grupo, onde podem ser utilizado o brincar, os movimentos são executados com prazer e expressividade, os jogos simbólicos tem uma suma importância de beneficiar várias descobertas de comunicação. O processo metodológico procura garantir ao pesquisador a objetividade necessária desses fatos sociais. Sendo assim, privilegiarão a pesquisa em curso os métodos sociológico, histórico, analógico e comparativo.

3. 2 Tipos de pesquisa                              

         A pesquisa foi desenvolvida, quanto à tipologia, será bibliográfica e documental e de caráter exploratório-descritivo, com uma metodologia de tipo qualitativo, baseada fundamentalmente em livros, artigos e relacionadas com o tema, permitindo assim um amplo conhecimento.

3.3  Fontes de pesquisa

        As fontes de pesquisa serão todas aquelas admitidas na pesquisa de Educação Física de natureza bibliográfica e documental: Psicomotricidade, conceitos, classificação, históricos e os benefícios.

3. 4 A análise dos dados coletados

        A análise do material coletado acontece de modo a que passe por todas as fases da leitura: exploratória, seletiva, analítica e reflexiva/interpretativa, permitindo a formulação de um ponderação de valor a respeito das obras estudadas.

 

CONCLUSÃO

         A Educação Física e a psicomotricidade são métodos que podem se interagirem, portanto, oferece vários benefícios no desenvolvimento dos aspectos motor, social, emocional, também proporcionando um equilíbrio dos movimentos corporais.

         As particularidades de uma aprendizagem significativa a psicomotricidade tem a relevância à medida em que aceita a estimulação a partir da superação dos limites nas relações com seu mundo interno e externo.

        Pode-se afirmar, que a Educação Física tem uma força positiva no pensamento, no conhecimento e ação, nos domínios cognitivos, na vida do individuou. Contudo o individuo fisicamente educado, terá uma vida futura ativa e saudável e produtiva, interagindo corpo, mente e espírito.    Portanto, a Educação Física, pelas suas possibilidades de desenvolver a dimensão psicomotora das pessoas, com os domínios cognitivos e sociais, é de grande importância no desenvolvimento da aprendizagem escolar.

         Entretanto, é de suma importância as aulas de Educação Física no processo de desenvolvimento do individuou, diante um programa de atividades lúdicas, visando a brincadeira ou o jogo como um método para desenvolver as áreas psicomotoras, e assim designando condições para que o individuou possa desenvolver  seu nível emocional, intelectual e social, e de tal modo, preparando o individuou para o futuro, deste modo o mesmo poder descobrir, enfrentar e conviver em uma sociedade.

    

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

- AJURIAGUERRA, Julian de. Manual de psiquiatria infantil. 1º edição. Masson do Brasil, São Paulo, 1983.

 - ALVES, Fátima. Psicomotricidade: corpo, ação e emoção. 1º edição, Wak, Rio de Janeiro, 2003

- ARAÚJO, Rogéria e VALADARES, Solange. Educação Física no cotidiano escolar. 1º edição, FAPI LTDA, São Paulo, 1999.

- COLL,C., GILLIÈRON. C. Jean Piaget: O desenvolvimento da inteligência e a construção do pensamento racional. Cortez, São Paulo, 1987.

- DARIDO, Suraya Cristina. Educação Física na escola: questões e reflexões. 1º edição. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 2003.

- FONSECA, Vitor. Psicomotricidade. 2ª ediçao. Martins Fontes, São Paulo, 1988.

- FREITAS, M.T.A. de. Vygotsky e Bakhtin: Psicologia e Educação: um intertexto. 1º edição. Ática, São Paulo, 2000.

- GALLAHUE, D. L. & OZMUN, J. C. Compreendendo o Desenvolvimento Motor. Bebês, crianças, adolescentes e adultos. 1º edição, Phorte, São Paulo, 2001.

- JAKUBOVICZ, R. Avaliação, Diagnóstico e Tratamento em Fonoaudiologia: Psicomotricidade, Deficiência de Audição, Atraso de Linguagem Simples e Gagueira Infantil. 1º edição, Revinter, Rio de Janeiro, 2002.

- LE BOULCH, Jean. Educação psicomotora: a psicocinética na idade pré-escolar. 1º edição, Artmed, Porto Alegre, 1969.

- LA TAILLE., Y. Prefácio. In, PIAGET, J. A construção do real na criança. 3.edição, Ática, São Paulo, 2003.

- MELLO, Alexandre Moraes de. Psicomotricidade: Educação Física: Jogos Infantis. 4ª edição. Ibrasa, São Paulo, 2002.

 - MORAES, Roberto Marques. Recreação e Jogos escolares: o movimento Infantil. 8º edição, CEITEC, Florianópolis-SC, 2002.

- NETO, Francisco Rosa. Manual de avaliação motora. 1º edição, Artmed, Porto Alegra, 2002.

- NICOLAU, Mônica. Psicomotricidade – Manual Básico. 1º edição, Revienter, Rio de Janeiro, 2004.

- OLIVEIRA, Gislene de Campos. Psicomotricidade: Educação e reeducação num enfoque psicopedagógico. 1º edição.Vozes, Petrópolis-RJ 2002.

- OLIVEIRA, Marta Kohl de Oliveira. Vygotsky: Aprendizado e desenvolvimento - Um processo sócio-histórico. 1º edição.  Scipione, São Paulo 2000.

- RIBEIRO, V.M. Alfabetismo e Atitudes. 2.edição, Papirus, São Paulo, 2002.

- SBP. SOCIEDADE BRASILEIRA DE PSICOMOTRICIDADE. Disponível em: www.psicomotricidade.com.br.  Acesso em: 18 de Novembro de 2013.

- VYGOTSKY, L.S. A formação social da mente. 6º edição, Martins Fontes, São Paulo, 2000.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-infantil-artigos/a-importancia-da-psicomotricidade-na-educacao-fisica-escolar-1904001.html

    Palavras-chave do artigo:

    psicomotricidade

    ,

    infantil

    ,

    ludicas

    Comentar sobre o artigo

    GUTEMBERG MARTINS DE SALES

    RESUMO O artigo discorre sobre a psicomotricidade, sua evolução e importância para o desenvolvimento educacional focando sua contribuição de maneira expressiva para a formação e estruturação do esquema corporal, facilitando a orientação espacial. O desenvolvimento infantil justifica que ao longo do desenvolvimento, o indivíduo sofre mudanças que não são apenas quantitativas, mas principalmente qualitativas. O desenvolvimento cognitivo e o desenvolvimento afetivo social.

    Por: GUTEMBERG MARTINS DE SALESl Educação> Educação Infantill 07/07/2011 lAcessos: 4,604
    Fayson Merege

    Considerando que o movimento, a corporeidade e o lúdico são de suma importância para o desenvolvimento da criança e que a Educação Física é parte do processo de cultura e humanização da mesma, o presente estudo busca construir e consolidar uma parceria entre a Pedagogia e a Educação Física na Educação Infantil. Pela importância que a infância representa na formação da personalidade do indivíduo, buscam-se respaldos por uma "nova práxis pedagógica" que leve a uma organização didática.

    Por: Fayson Meregel Educação> Educação Infantill 13/06/2012 lAcessos: 601
    WALERIA MARTINS RIBEIRO

    RESUMO O movimento corporal utilizada como estratégia para a passagem da Educação Infantil para 1ª série/2º ano do Ensino Fundamental, possibilita articular a movimentação do corpo na busca do saber, o que fará com que a criança desenvolva a personalidade, a conscientização de suas possibilidades de agir e transformar o mundo a sua volta, incentivando uma relação saudável com o próprio o corpo e o uso dele na aprendizagem. Dessa forma a Psicomotricidade se torna um importante instrumento de apr

    Por: WALERIA MARTINS RIBEIROl Educaçãol 15/07/2009 lAcessos: 1,757

    O presente artigo é uma discussão acerca dos conteúdos da psicomotricidade no processo de aprendizagem e desenvolvimento do aluno. Partiu-se de uma revisão bibliográfica acerca do que é o brincar e sua relação direta no processo educacional, bem como sua função de desenvolver os aspectos psicomotores. A psicomotricidade é um conteúdo de vital importância na Educação Física Escolar que contribui para o desenvolvimento afetivo, cognitivo, motor e psicológico.

    Por: Izabel Ap. de C. Cândido Costal Educaçãol 02/07/2009 lAcessos: 22,759

    A maioria das instituições responsáveis pela Educação Infantil prioriza a alfabetização, deixando de lado aspectos psicomotores que são indispensáveis a este processo. O "brincar" é facilmente trocado pelo "alfabetizar" e assim vão surgindo várias dificuldades na aprendizagem da criança.

    Por: Angela Adriana de Almeida Limal Educação> Educação Infantill 22/12/2008 lAcessos: 18,904 lComentário: 5
    Fábia Utsch

    A infância é a idade das brincadeiras. Pretendemos demonstrar que através delas a criança satisfaz, em grande parte, seus interesses necessidades e desejos. As brincadeiras dão a oportunidade de as crianças refletirem sobre o mundo. É através do lúdico que ela ordena, desorganiza, destrói e reconstrói o mundo. Nosso objetivo é dar ao educador a oportunidade de compreender a importância das atividades lúdicas na educação infantil. Muitos professores encontram dificuldades em compartilhar certos.

    Por: Fábia Utschl Educação> Educação Infantill 28/11/2012 lAcessos: 200
    TALITA MARIA PEREIRA

    A ampliação e desenvolvimento da coordenação motora possibilita à criança descobrir e adquirir a consciência do esquema corporal através de diversas brincadeiras, oportunizando as mesmas de crescerem gradativa e integralmente, estimulando os movimentos, cognição, psicológico e relação social, bem como manter o corpo em equilíbrio. Nessa perspectiva, o presente estudo buscou investigar a importância da coordenação motora no desenvolvimento corporal da criança e na aprendizagem durante o período e

    Por: TALITA MARIA PEREIRAl Educação> Educação Infantill 13/11/2013 lAcessos: 34
    TALITA MARIA PEREIRA

    A brincadeira lúdica oportuniza as crianças as se desenvolverem integralmente como seres pensantes e atuantes. As brincadeiras faz com que as crianças se movam constantes ampliando a coordenação e conhecimento, onde futuramente consigam criar soluções para eventuais problemas. O professor deve propor as crianças brincadeiras desafiadoras, dinâmicas, para que se interagem frequentemente umas com as outras.

    Por: TALITA MARIA PEREIRAl Educação> Educação Infantill 18/11/2013 lAcessos: 42

    Este trabalho toma como percurso a descrição da prática docente na utilização dos jogos tradicionais, em instituição particular, na cidade de Salvador-Bahia. As discussões estão pautadas em Kishimoto; Friedmann; Chateau; Freire; Piaget e Vigotsky. Partindo do pressuposto de que se as aprendizagens são variadas, é necessário que o professor esteja em constante renovação e reflexão de sua prática, para que alcance as necessidades da criança.

    Por: Geraldo Francisco dos Santosl Educação> Educação Infantill 22/04/2011 lAcessos: 6,231 lComentário: 1

    Este artigo pretende discutir a formação de leitores no ensino fundamental sob o ponto de vista dos Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa(PCNs) recomendado para a formação de leitores na escola. Apontando para a necessidade de a escola reconhecer essa ação e sua importância no desenvolvimento humano, e que por meio dela, o aluno é capaz de transpor conflitos, descobrir uma infinidade de informações e transformá-las em conhecimentos funcionais para sua vida.

    Por: Doralice da Silva Marianol Educação> Educação Infantill 19/03/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Explicação do Livro de Foucault: Vigiar e Punir e sua ação pedagógica discriminatória. Para Foucault como para diversos outros epistemólogos, o ser humano não nasce pronto, não tem essência Locke, muito menos uma natureza a qual é atribuído a ela um determinado fundamento, são tábuas rasas, os homens são desenvolvidos pelas suas próprias atividades, que estão relacionadas com o corpo humano, na função do vigiar e punir.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Educação Infantill 15/03/2014 lAcessos: 13
    Romilda Aparecida Lima

    Este artigo tem por objetivo refletir sobre as concepções de superioridade das elites sobre as percepções de infância e adolescência dos séculos XVI a XXI. Essas concepções apontam transformações socioeconômicas no Brasil, que pode nos assinalar a posição que encaixa os adolescentes enquanto seres. Nesta análise, percebe-se que de uma forma, ou de outra, continuam sendo válidas na atualidade, situações que não são novas, mas que se repetem séculos após séculos.

    Por: Romilda Aparecida Limal Educação> Educação Infantill 11/03/2014 lAcessos: 13

    Esse estudo objetivou-se fazer uma revisão bibliográfica sobre transtorno de déficit de atenção/hiperatividade focando na sua etiologia, diagnóstico e tratamento, além da prevalência. Essa pesquisa trouxe importantes contribuições para um melhor entendimento sobre o que seja o TDAH e suas causas.

    Por: Ana Cecília Melo de Mirandal Educação> Educação Infantill 05/03/2014 lAcessos: 16

    Este artigo tem como tema "A importância dos contos para a formação de valores e o desenvolvimento psíquico Infantil", abordando, a relevância que a contação de história demonstra na dimensão lúdica nos aspectos que favorecem o desenvolvimento infantil. Apresenta uma abordagem teórica, que favorece a reflexão e análise do tema. O questionamento que motivou a escolha dessa temática foi: qual é a importância da fantasia no desenvolvimento infantil? A pesquisa bibliográfica fundamentou a elaboração

    Por: Vilma vianal Educação> Educação Infantill 27/02/2014 lAcessos: 27
    Ademilson Rosa

    Quando falamos em educação, o Brasil ocupa sempre as últimas colocações. Todos querem saber de quem é a culpa, mas nem todos querem fazer a sua parte. Se existe alguém que é inocente nessa história, é o professor, pois ele vai para sala de aula transmitir seus conhecimentos, ao invés de ser bem recebido, ele é hostilizado por alunos sem educação.

    Por: Ademilson Rosal Educação> Educação Infantill 26/02/2014 lAcessos: 12

    Todo início de ano temos uma visão panorâmica das consequências da falta de planejamento e atitudes de nossos administradores públicos. Junto com as festas e comemorações, somos bombardeados pelas notícias de enchentes, quedas de barreiras, pessoas que perdem suas casas, seus bens e até mesmo suas vidas

    Por: Central Pressl Educação> Educação Infantill 17/02/2014 lAcessos: 20
    FABRÍCIO DE CARVALHO PIMENTA

    Alfabetização leitura do mundo, leitura da palavra é um livro de Paulo Freire com colaboração de Donaldo Macedo, publicado nos Estados Unidos e traduzido aqui no Brasil por Lólio Lourenço. Letramentos Múltiplos, escola e inclusão social é um livro da dra em Linguística Roxane Rojo. Tento aqui estabelecer uma relação analítica entre esses dois livros e aproximá-los no que se refere aos conceitos de alfabetização. O gênero do texto está muito mais para uma resenha do que propriamente um artigo.

    Por: FABRÍCIO DE CARVALHO PIMENTAl Educação> Educação Infantill 15/02/2014 lAcessos: 32

    Resumo Este estudo traz a importância de atividades lúdicas exercida na escola, para trabalhar com a criança o aspecto psicológico. Ensinando a mesma a interagir com o próximo, respeitar regras, desenvolver a imaginação, cooperação e com isso promover uma boa auto-estima. Fazendo com que aprendam de forma simples e natural a resolver problemas, pensar, criar e desenvolver o senso crítico. Através da melhoria do entendimento sobre o efeito que os jogos podem trazer, enriquecendo interações humanas.

    Por: Tamiris Limal Educação> Educação Infantill 26/01/2009 lAcessos: 31,656 lComentário: 9

    Comments on this article

    0
    Gustavo 14/09/2010
    Seu artigo etá ótimo.
    Tudo de bom linda!
    3
    Rosiane Francine 18/06/2010
    Ola tamiris professora de educação física e especialista em pscimotricidade e estou escrevendo sobre a "psicomotricidade em turmas escolares", você poderia me enviar seu o seu tramalho na integra, se eu for utiliza-lo pode ficar tranquila pois ele sera devidamente referenciado
    3
    Carlos Eduardo 18/05/2010
    Artigo show de bola!
    Bjo.
    1
    Roberta Silveira 16/04/2010
    Adorei seu artigo...Parabéns.
    Espero q vem posta outros!
    1
    Rachel Queiroz 31/03/2010
    Tamiris,ótimo artigo.
    Parabéns...E escrava mais viu?!
    Obrigada por ter me ajudado na minha mono.
    1
    Ricardo 30/03/2010
    Quero te parabenizar pelos artigos!!
    Estão ótimo,me ajudou bastante!
    Beijos.
    1
    Nino Aboargge 29/03/2010
    Minha linda...Parabéns pelo Artigo.
    Como digo sempre a vc...Sucesso já nasceu com!
    Beijos.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast