A Língua Evoluí e Sempre Evoluirá!

19/09/2011 • Por • 161 Acessos

Aponta-se uma diferença entre a linguagem da escola e a linguagem da criança quando consideramos a linguagem não como sistema forma, objeto de estudo, mas como sistema que reflete a nossa relação com o mundo, a nossa cultura. Um exemplo nítido de como essas diferenças acontece é quando nós professores apenas utilizamos o esquema de perguntas e respostas próprias do contexto curricular.

Depois de se compreender a importância de levar em conta todos os conhecimentos do aluno posso adentrar no mundo da linguagem sim porque tudo que falamos ou fazemos de certa forma é uma representação da linguagem. A linguagem é de certa forma essencial para que haja comunicação não ficando presa somente a um olhar, mais a um olhar multicultural. Não é só a linguagem um simples instrumento condutor da comunicação, que tem recursos secundários para expressar idéias, é a própria dimensão na qual se envolve a vida humana aquela que por excelência faz o mundo ser, só há mundo onde há linguagem no sentido especificamente humano.

No entanto para se construir uma formação cultural é preciso, uma reconstrução do mundo por meio da linguagem. O que demanda a desconstrução de verdades percebe-se a sabedoria nas populações indígenas, ou para desarticularmos a sinonímia entre a palavra "escravo" e os povos Afro descendentes no Brasil (...) manda quem pode obedece quem tem juízo (...) por uma educação (...) a língua evolui e sempre continuará a evoluir, pois a língua é como uma borboleta no casulo pronta para desabrochar nesse vasto universo da linguagem assim é percebível as constantes oscilações nas palavras.

Acredita-se que com o uso da internet, no futuro, próximo à essas mudanças provavelmente também interferirá na oralidade, porque na maior parte as pessoas tendem a escrever como falam uma vez falado desta forma certamente irá escrever da mesma forma. Pode-se constatar ao ver a maneira que os jovens não se preocupam mais com as palavras como um todo, pois estes sempre as reduzem o máximo que podem, exemplo disso são os torpedos enviados, as conversas no msn que delimitam uma quantidade de palavras a ser escritas e isso faz com que eles criem suas expressões escritas saindo totalmente das regras gramaticais, ou seja, há uma redução dos vocábulos, neste caso é pertinente o uso frequentemente dos metaplasmos.

Apesar de tudo e de todas as regras o mundo da linguagem evolui com uma enorme proporção, pois o que se diz agora amanhã já não terá tanto efeito como hoje por exemplo, as músicas da mídia em que utilizam de recursos da língua para fazerem sucessos, músicas estas que as vezes sem letra e nem melodia que o caso da música "creu" que se repete várias vezes a mesma palavra e as pessoas acham lindas e dançam apenas com uma palavra e outra, também são as melodias românticas que através da linguagem utilizada mexe com o sentimento do ser deixando apático a situação do momento.

Outro exemplo é a música da cantora Ivete Sangalo que na maioria das vezes mexe com os sentimentos, mas que empregam uma ortografia corretamente, não que obedeçam as regras gramaticais visto que se aproximam mais, observe no trecho "Se eu não te amasse tanto assim..." neste caso a cantora emprega o uso do pronome pessoal não ficando apagado, mas sim explícito que quem ama é ela e não o outro.

Partindo desta perspectiva serve para nós professores refletirmos sobre nossas práticas pedagógicas, principalmente no que se refere ao fato de agora estamos trabalhando sob a luz dos PCNS, cabe ressaltar também que os PCNS são compostos por uma parte comum a todos os territórios, constituindo assim a parte básica obrigatória a ser desenvolvida em qualquer região e a parte diversificada que vai variar de região para região para poder assim assegurar uma educação de qualidade e funcional para a vida das pessoas.

 

Perfil do Autor

Rojane da Silva Carvalho

Rojane da Silva Carvalho Graduada em Letras Vernáculas Especializando em Educação Bilíngue Para Surdos: Libras/ Português Escrito