A literatura infantil: entre o real e o imaginário

Publicado em: 23/05/2012 |Comentário: 0 | Acessos: 4,161 |

A LITERATURA INFANTIL: ENTRE O REAL E O IMAGINÁRIO

 Elma Dourado Nery e Francisco Cleiton Alves 

RESUMO:

Este artigo emerge da necessidade em entender o desenvolvimento infantil partindo da contribuição dos estudos de Vygotsky, que são subsídios fundamentais para o professor que deseja estimular o conhecimento da criança, através do processo da interação sócio-histórica vygotskyana, estabelecendo uma relação dialógica com o aluno, com sua cultura e com sua realidade. Trabalhando a contação de história como elemento facilitador para uma instigação de sentidos que auxilie no desenvolvimento emocional e cognitivo da criança, impulsionando o processo de desenvolvimento da aprendizagem e criando condições para que eles lidem com a história a partir de seus pontos de vista, trocando impressões sobre ela, assumindo posições e personagens para na exploração simbólica da fantasia e da imaginação trabalhar as emoções para poder enriquecer a vida.

PALAVRAS-CHAVES: Vygotsky. Desenvolvimento infantil. Educação.

INTRODUÇÃO

Contar história pode parecer um fato sem importância do ponto de vista de muitos adultos, mas é uma atividade de grande valor educativo, pois através dos contos a criança constrói o mundo das idéias abstratas e vivem experiências que enriquecem seu conhecimento real, estimulando sua imaginação com elementos da fantasia.

Mas muitos professores não vêem a literatura como atividade pedagógica e a usam somente para ocupar um tempo ocioso entre uma atividade e outra, pois segundo RCNEI (Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil. pág. 21) que "As crianças constroem o conhecimento a partir das interações que estabelecem com as outras pessoas e com o meio em que vivem. O conhecimento não se constitui em cópia da realidade, mas sim, fruto de um intenso trabalho de criação, significação e ressignificação." A literatura infantil é um caminho que leva a criança a desenvolver a imaginação, emoções e sentimentos de forma prazerosa e significativa.

Para crianças não-alfabetizadas, o professor é o elo ao mundo da fantasia e isso poderá ser usada como estratégia para motivar as atividades de leitura e interpretação, pois a literatura infantil contribui em vários aspectos da educação do aluno como afetividade, compreensão e inteligência. É comum perceber que a literatura infantil não é um campo de estudo explorado e na maioria das vezes é usada na escola sem nenhuma relação com o ensino, pois não é reconhecida com estimulador cognitivo e pedagógico para o desenvolvimento infantil e não é entendido como atividade da leitura enquanto postura reflexiva.

  

A LITERATURA INFANTIL: ENTRE O REAL E O IMAGINÁRIO

  

Contar história é uma arte milenar, mas o que muitos não sabem é sua contribuição no desenvolvimento das crianças. Os estudos de Vygotsky demonstram que a criança aprende pela interação social. Para ele, o desenvolvimento da criança é produto de instituições sociais e sistemas educacionais, como a família, escola, igreja que ajudam a construir o próprio pensamento e descobrir o significado da ação do outro e da própria ação. Sobre a interação social REGO expõe que:

É por essa razão que Vygotsky afirma que os processos de funcionamento mental do homem são favorecidos pela cultura, através da mediação simbólica. A partir de sua inserção num dado contexto cultural, de sua interação com os membros de seu grupo e de sua participação em práticas sociais historicamente construídas, a criança incorpora ativamente as formas de comportamento já consolidada na experiência humana. (2007, p.55)

Assim a teoria vygotskyana do desenvolvimento parte da concepção de que todo organismo estabelece contínua interação entre as condições sociais, que são a base do comportamento humano. Havendo então o processo de maturação e a partir daí formam-se novas e mais complexas funções mentais, dependendo da natureza das experiências sociais de cada criança. Um dos conceitos fundamentais da psicologia sócio-histórica é o de mediação, ou seja, do "processo de intervenção de um elemento intermediário numa relação" (OLIVEIRA, 1997, p.26).

Na visão de REGO (2007), quando aborda a questão da mediação simbólica afirma que é pela mediação que o indivíduo se relaciona com o ambiente, pois, enquanto sujeito do conhecimento, ele não tem acesso direto aos objetos, mas, apenas, a sistemas simbólicos que representam à realidade. É por meio dos signos, da palavra, dos instrumentos, que ocorre o contato com a cultura. Na concepção de Vygotsky, a aprendizagem impulsiona, possibilita e movimenta o processo de desenvolvimento, sendo a escola considerada essencial na construção do ser psicológico e racional.

No entanto, o nível de desenvolvimento potencial é definido pelo nível em que a criança alcança sucesso numa tarefa com a ajuda de outros mais experientes (pai, professor, colega). "A distância entre aquilo que ela é capaz de fazer de forma autônoma (nível de desenvolvimento real) e aquilo que ela realiza em colaboração com outros elementos de seu grupo social (nível de desenvolvimento potencial) caracteriza" o que Vygotsky denomina de zona de desenvolvimento proximal. (REGO, 2007, p.73). Por isso, a proposta do termo zona de desenvolvimento proximal (ZDP) em sua teoria, é aquela em que a escola deve atuar. É no mesmo espaço que o professor, agente mediador (por meio da linguagem, material cultural), intervém e auxilia na construção e elaboração de estratégias pedagógicas no desenvolvimento do aluno.

Por conseguinte, a escola, funcionando como uma instituição incentivadora de novas conquistas psicológicas, deve dirigir o ensino não para etapas intelectuais já alcançadas, mas sim para estágios de desenvolvimento, ainda não incorporados pelos alunos. A escola, num primeiro momento, deveria partir do nível de desenvolvimento real da criança (em relação ao conteúdo) e chegar aos objetivos da aula, ou seja, chegar ao potencial da criança. É atribuído ao professor, o papel explícito de interferir na zona de desenvolvimento proximal (ZDP) dos alunos, provocando conseqüentemente, avanços que não ocorreriam espontaneamente.

A Literatura Infantil estimula vários sentidos: seu estilo singular pode mostrar a criança uma nova gramática da comunicação sem regras fixas unindo, dessa forma, o verbal, o imaginario, e o sensorial. Como afirma CANDIDO no blog.cancaonova.com "a literatura infantil instiga sentidos, auxilia o desenvolvimento emocional e cognitivo: é o universo lúdico rompendo os obstáculos da aprendizagem".

Ainda assim podemos ver o sentido atribuído à literatura infantil (estimular o exercício da mente, despertar a criatividade...). O que importa, entretanto, é ver que o livro pode ser um objeto para que a criança reflita sua própria condição pessoal (e a imagem projetada nela pelo adulto) e a sociedade em que vive.

A criança não tem ainda o domínio do código linguagem verbal e escrita, logo o que prende a sua atenção é o mundo imaginário, as figuras e todo encantamento.

Através da brincadeira, da vivência corporal, da imitação, da exploração pela repetição, à criança descobre a funcionalidade do seu corpo e a propriedade dos objetos, estabelecendo relações e ordenando aos poucos seu mundo real. Assim, ela vai reorganiza seu pensamento, busca condições de adaptação à vida e vai construindo seu repertório de conhecimento. Nessa busca pelo conhecer e conhecer-se, a criança sai à procura de seu significado no mundo. Quando não consegue encontrá-lo, adequadamente, sente muitas dificuldades em enfrentar obstáculos: sente-se fraca e incapaz de utilizar todo seu potencial de aprendizagem (cognição, emoção, criatividade etc.), prejudicando seu desenvolvimento. CANDIDO (blog.cancaonova.com)

A literatura infantil pode ser um elemento facilitador para uma instigação de sentidos que auxilie no desenvolvimento emocional e cognitivo da criança. A ludicidade presente nessa literatura pode quebrar de imediato alguns obstáculos que impedem a aprendizagem.

Para crianças não-alfabetizadas, o professor é o elo ao mundo da fantasia e isso poderá ser usada como estratégia para motivar as atividades de leitura e interpretação, pois a literatura infantil contribui em vários aspectos da educação do aluno como afetividade, compreensão e inteligência. É comum perceber que a literatura infantil não é um campo de estudo explorado e na maioria das vezes é usada na escola sem nenhuma relação com o ensino, pois não é reconhecida com estimulador cognitivo e pedagógico para o desenvolvimento infantil e não é entendido como atividade da leitura enquanto postura reflexiva.

Quando se conta uma historia, começa-se abrir espaço para o pensamento mágico. A palavra, com seu poder de evocar imagens, vai instaurando uma ordem mágico poética, que resulta do gesto sonoro e do gesto corporal, em balados por uma emissão emocional, capaz de levar o ouvinte uma suspensão temporal. Não é mais o tempo cronológico que interessa e, sim, o tempo afetivo. É ele o elo da comunicação.  (SISTO, 2005, p. 28)

Quando o contador se coloca como veículo do texto e faz uso somente da voz para dar-lhe vida, o ouvinte tem a possibilidade de, através de suas próprias imagens mentais, atuar como co-criador, segundo a estética da recepção, preenchendo as lacunas do texto através de configurações, representações, que lhe são próprias, implicando-se no texto e, dessa forma, participando do ato de leitura, pois ouvir contos é uma forma de ler.

Mas, segundo SISTO (2005, p. 37) "Contar historia não é uma tarefa fácil, e estamos cada vez mais convencidos de que é preciso uma certa habilidade, exercício, e preparo para controlar todos os mecanismos que entram em jogo cada vez que se quer "comunicar' uma história a uma platéia".

Ao lidar com a literatura infantil em sala de aula, o professor estabelece a relação dialógica com o aluno, com sua cultura e com sua realidade quando, para além de contar ou ler a história (informar os alunos sobre ela), cria condições para que eles lidem com a história a partir de seus pontos de vista, trocando impressões sobre ela, assumindo posições e personagens, criando novas situações através das quais eles vão descobrindo a história original.

Assim faz se necessária técnica e experiência. E é preciso ensaiar muito e fazer com que voz e corpo possam contar juntos. Todo professor tem dentro de si um contador de histórias, apenas precisa encontrá-lo e aprimorá-lo. Para que isto aconteça pode-se levar em consideração, segundo MALBA TAHAN, Educativa: a revista do professor, ano I – nº 05, (2009, p.7) para ser um bom contador de histórias basta:

1ª - Sentir, ou melhor, viver a história; ter a expressão viva, ardente, sugestiva: Logo, a história tem de despertar a sensibilidade de quem a conta. Caso não haja emoção no ato, também não haverá sucesso na atividade.

2ª - Narrar com naturalidade, sem afetação: Lembrando-se sempre que, o vocabulário deve ser adequado ao público ouvinte.

3ª - Conhecer com absoluta confiança o enredo. Na oralidade, além de ser claro e objetivo, às vezes, é necessário completar as idéias da história. Portanto, o contador deve estar seguro sobre o que vai contar. Do contrário é melhor nem tentar.

4ª - Dominar o interesse do público: O contador deve buscar maneiras de fazer com que os ouvintes permaneçam concentrados na história

5ª - Contar dramaticamente: Nesse caso, o contador pode se passar por algum dos personagens ou por todos, para obter o efeito desejado.

6ª - Falar com voz adequada, clara e agradável: Não é conveniente falar em falsete ou impostando a voz, a não ser que seja em momentos específicos, para caracterizar um determinado personagem.

7ª - Ser comedido nos gestos: Se o contador exagera em gestos sem objetivos, quando fizer um que, realmente, seja necessário para melhor entender a história, provavelmente, não será notado.

8ª - Ter espírito inventivo e original: Principalmente par contar histórias com suas próprias palavras, dando uma roupagem nova ao tradicional. Dessa forma, ao utilizar um livro, ainda se faz necessário adaptar a história, porque a linguagem escrita é totalmente diferente da oral.

9ª - Ter estudado a história: Apenas note que, não é preciso decorá-la, porque há diversas possibilidades de exploração oral para fazer a contação com espontaneidade.

 É na relação lúdica e prazerosa da criança coma obra literária que se forma o leitor; é na exploração simbólica da fantasia e da imaginação que desabrocha o ato criador e se intensifica a comunicação entre texto e leitor.

A linguagem constante na literatura infantil, auxilia o educador a levar a criança a reconstruir (construir um novo ponto de vista) das percepções de objeto, espaço e tempo. As histórias mostram à criança que as pessoas são diferentes e que cabe a nós fazermos nossa opção de vida. Ensinam a enfrentar os problemas acreditando na vitória do bem: o obstáculo enfrentado e vencido nos fortalece para enfrentarmos novos obstáculos. Ajudam a criança a abandonar sua condição de dependência infantil e a crescer com mais confiança interior. Sabemos que a história desperta a curiosidade para prender a atenção da criança. Mas, mais que isso, ela estimula a imaginação e trabalha as emoções para poder enriquecer a vida.

  

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Ouvir histórias é ingressar em um mundo fascinante, cheio ou não de segredos e surpresas, mas sempre muito interessante, curioso, que diverte e ensina. É durante o ato de ler e escutar histórias que a imaginação flui, e apesar de a literatura ser uma complexa atividade de lidar com palavras, exigindo capacidades crescentes de abstração, criança e literatura combinam muito bem, pois seu encontro realiza-se no âmbito da arte, do sensível, lúdico, enfim, do imaginário. Assim a educação é um meio de ascensão social, e a literatura, um instrumento de difusão de seus valores, tais como a importância da alfabetização, da leitura e do conhecimento.

COELHO fala que "quando inconscientemente a criança tenta construir sua própria imagem ou identidade e se depara com muitos estímulos e interdições", nesse período de amadurecimento interior da criança é que a Literatura Infantil e principalmente os contos de fadas podem ser decisivos para a formação da criança em relação a si mesma e ao mundo a sua volta facilitando a ela a compreensão de certos valores básicos da conduta humana ou convívio social, que possibilite o entendimento do mundo e que construam, aos poucos, seu próprio conhecimento. Para alcançarmos um ensino de qualidade, se faz necessário que o professor descubra critérios e que saiba selecionar as obras literárias a serem trabalhadas com as crianças.

É preciso que a educação seja um espaço para descobertas obtidas através da participação e colaboração ativa de cada criança com seus parceiros em todos os momentos, possibilitando, assim, a construção de sujeitos autônomos e cooperativos, assim a literatura infantil ganhará um sentido maior na vida das crianças. A partir do confronto de opiniões, da motivação, das interações sociais e do trabalho cooperativo possibilitarão à criança condições que asseguram o caráter formativo das atividades, através de uma boa orientação do professor, tendo a finalidade de esclarecer aos alunos o que devem fazer, como devem fazer, por que e para que fazer tal atividade, e na literatura infantil, portanto, a criança aprende brincando em um mundo de imaginação, sonhos e fantasias.

Contar histórias é um meio muito eficiente de transmitir uma idéia, de levar novos conhecimentos e ensinamentos, é um meio de resgatar a memória e todo bom contador de histórias deve ser também um bom ouvinte de si mesmo, do mundo e de outras pessoas. O contador deve ser sensível para ouvir e falar, contar simplesmente porque gosta de contar e o  narrador deve estar ciente de que o importante é a história.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICA:

BRASIL. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (RCNEI). Brasília: MEC/SEF, 1998.

CÂNDIDO, Maria Amélia Fernandes. Mais além: a especificidade da literatura infantil como instrumento de estímulo ao desenvolvimento da linguagem. Disponível em http://blog.cancaonova.com/sergiofernandes/2007/08/30/maisalem-a-especificidade-da-literatura-infantil-como-instrumento-de-estimulo-aodesenvolvimento-da-linguagem/

COELHO, Nelly Novaes. Literatura Infantil: teoria, análise, didática. 6ª ed São Paulo: Editora Ática, 1993. (Series Fundamentos)

OLIVEIRA, Marta Kohl de. (1993). Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento um processo sócio-histórico. São Paulo: Scipione. (Série pensamento e ação no magistério).

REGO, Teresa Cristina. (1998). Vygotsky: uma perspectiva histórico-cultural da educação. 18. ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2007.

SISTO, Celso. Textos e pretextos sobre a arte de contar histórias. 2ª ed. Curitiba: Positivo, 2005. 

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 8 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-infantil-artigos/a-literatura-infantil-entre-o-real-e-o-imaginario-5929761.html

    Palavras-chave do artigo:

    vygotsky

    ,

    desenvolvimento infantil

    ,

    educacao

    Comentar sobre o artigo

    Daniel Verneque Dias

    A partir do conceito de zona de desenvolvimento proximal proposto por Vygotski, a importância da interação, explica o autor, é pelo fato de que a linguagem da criança não acontecer de forma espontânea, ou seja, a linguagem é derivada das relações sociais que a criança faz parte. Isso não quer dizer que a criança apenas reproduz passivamente o que observou através das interações com seu grupo social, ela recria suas observações através de suas ações.

    Por: Daniel Verneque Diasl Educação> Educação Infantill 17/12/2013 lAcessos: 67

    O brincar e o brinquedo sempre estiveram presentes no universo infantil, mas hoje com o surgimento das tecnologias, eles até se desvinculam de seu sentido real. Na Educação Infantil, o brincar é tido por leigos como apenas diversão, distração e que não é possível com ele que a criança aprenda e nem descubra valores e regras como a convivência em grupo ou até mesmo aprender a desenvolver situações que envolvam sentimentos e decisões.

    Por: Lúbia de Medeiros Maia Sousal Educação> Educação Infantill 11/12/2011 lAcessos: 2,073

    O presente artigo visa analisara importância do brincar no desenvolvimento e aprendizagem na educação infantil. Tem como objetivo conhecer o significado do brincar, conceituar os principais termos utilizados para designar o ato de brincar, tornando-se também fundamental compreender o universo lúdico

    Por: Sandra Maria dos Reis Bernardol Educação> Educação Infantill 22/08/2014 lAcessos: 68

    O objetivo deste estudo foi conhecer como se insere e desenvolve a educação ambiental na educação infantil em escolas públicas de dois municípios no Estado do Espirito Santo, Brasil. Trata de um estudo descritivo quantitativo. O universo da pesquisa foi 58 professores de Educação Infantil. O instrumento de coleta de dados foi um questionário de autopreenchimento com 13 perguntas objetivas sobre educação ambiental na comunidade escolar. Solicitou-se a assinatura do termo de consentimento livre e

    Por: DANIELE DE ALMEIDA NUNESl Educação> Educação Infantill 28/08/2014 lAcessos: 44

    O objetivo deste artigo é discutir a importância de brincar nas escolas de educação infantil. Estas atividades ajudam a construir o conhecimento, podem ser entendidas como situações em que as crianças possam expressar diferentes sentimentos, podendo, gradativamente, aceitar a existência do outro. São atividades lúdicas que visam melhorar a socialização entre as crianças, fazendo com que vivenciem situações de colaboração, trabalho em equipe e respeito.

    Por: ELIZABETH P. DE O. SILVAl Educaçãol 14/11/2012 lAcessos: 168

    O presente estudo propõem uma reflexão sobre as limitações e possibilidades do ensino de Geografia na Educação Infantil. São objetivos da pesquisa através de leituras, caracterizar as etapas da criança segundo teorias do desenvolvimento de Vygotsky e Piaget; especificar os conceitos importantes para auxiliar obter noções espaciais; analisar a importância da orientação espacial e temporal; pesquisar estratégias para trabalhar o ensino de Geografia na Educação Infantil.

    Por: maristela brum peroniol Educação> Educação Infantill 28/03/2011 lAcessos: 9,940 lComentário: 1
    Fabiana Saturnino da Silva

    O presente trabalho é uma pesquisa que tem como objeto de estudo o brincar no desenvolvimento infantil. A pesquisa aborda o papel do brincar na Educação Infantil, uma vez que os jogos e as brincadeiras são excelentes oportunidades de mediação entre o prazer e o conhecimento historicamente construído.

    Por: Fabiana Saturnino da Silval Educação> Educação Infantill 16/02/2015
    Marcia Soares

    A criança com dificuldade de aprendizagem só será capaz de se apropriar da linguagem simbólica após a apropriação e domínio das habilidades motoras, tal pensamento nos remete a uma reflexão acerca da importância das aulas de educação física para que os alunos com ou sem dificuldades de aprendizagem, alcancem um desenvolvimento global satisfatório. Através do estimulo motor nas aulas de educação física é possível corrigir a disfunção psicomotora e promover a maturação neurofuncional nas crianças

    Por: Marcia Soaresl Educação> Educação Infantill 05/11/2012 lAcessos: 421
    Fábia Utsch

    A infância é a idade das brincadeiras. Pretendemos demonstrar que através delas a criança satisfaz, em grande parte, seus interesses necessidades e desejos. As brincadeiras dão a oportunidade de as crianças refletirem sobre o mundo. É através do lúdico que ela ordena, desorganiza, destrói e reconstrói o mundo. Nosso objetivo é dar ao educador a oportunidade de compreender a importância das atividades lúdicas na educação infantil. Muitos professores encontram dificuldades em compartilhar certos.

    Por: Fábia Utschl Educação> Educação Infantill 28/11/2012 lAcessos: 428
    Jeane Correia Teixeira

    Multiculturalismos (ou pluralismo cultural) é um termo que descreve a existência de muitas culturas numa localidade, cidade ou país, com no mínimo uma predominante. (Wikipédia) O mundo é multicultural, uma verdadeira mistura de costumes, valores e individualidades. Vivemos em uma sociedade complexa, onde a escola é um dos locais onde os fenômenos sociais e diversas maneiras e concepções de vida social são compartilhadas. O preconceito étnico segue essas diferenças, onde o diferente para muito é

    Por: Jeane Correia Teixeiral Educação> Educação Infantill 01/03/2015
    Jeane Correia Teixeira

    Este artigo tem como objetivo principal comentar sobre importância da utilização de jogos, brincadeiras e objetos de aprendizagem para educandos surdos, afim de que se obtenham seu desenvolvimento e uma integração social entre elas e os ouvintes no ato de brincar e até mesmo a possibilidade de educar através destes. Visto que há na escola grandes dificuldades em se obter melhor aprendizagem dos surdos, interação com os ouvintes e que existem grandes dificuldades no seu letramento. A ideia para e

    Por: Jeane Correia Teixeiral Educação> Educação Infantill 01/03/2015

    O início do ano letivo é um momento de adaptação tanto para alunos quanto para professores, no qual escola e família devem trabalhar em conjunto para preparar as crianças e jovens para o retorno à rotina escolar

    Por: Central Pressl Educação> Educação Infantill 26/02/2015

    A utilização da musica de forma cognitiva na construção do conhecimento do educando na busca de uma liberdade Autônoma.

    Por: Daniela Rosseti silval Educação> Educação Infantill 25/02/2015 lAcessos: 12
    Genilda Vieira Rodrigues

    Segundo os estudiosos da educação infantil, a música não está só relacionada somente ao ensino e aprendizagem, mas em todos os momentos da vida do individuo. O presente artigo foi elaborado a partir da necessidade de compreender a importância da música na educação infantil, especialmente as cantigas de roda e tem como problemática: Até que ponto os docentes inserem na sua prática pedagógica as cantigas de roda como elemento norteador para o processo de ensino aprendizagem das crianças de 4 a 5 a

    Por: Genilda Vieira Rodriguesl Educação> Educação Infantill 21/02/2015
    Fabiana Saturnino da Silva

    O presente projeto foi desenvolvido com crianças de dois e três anos, tem como objetivo desenvolver hábitos saudáveis de higiene bucal na rotina da criança.

    Por: Fabiana Saturnino da Silval Educação> Educação Infantill 18/02/2015

    O presente artigo visa apresentar algumas reflexões acerca da indisciplina em sala de aula, a partir da implementação do Projeto de Intervenção na escola, que propôs uma observação e analise de como se processam as relações interpessoais na sala de aula. Abordará a postura do educador no enfrentamento do problema, enfocando a organização do trabalho coletivo como elemento norteador desse processo.

    Por: Arlete Luiza de Souzal Educação> Educação Infantill 17/02/2015 lAcessos: 14

    Os jogos, brinquedos e brincadeiras são inerentes ao universo infantil, sendo assim, o artigo intitulado "A importância das atividades lúdicas no universo da educação infantil" pretende investigar como a ludicidade contribui para a construção do conhecimento na educação infantil

    Por: Arlete Luiza de Souzal Educação> Educação Infantill 17/02/2015 lAcessos: 22
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast