Alfabetização: dificuldades dos anos iniciais

Publicado em: 04/06/2013 |Comentário: 0 | Acessos: 165 |

INTRODUÇÃO

 O Artigo Científico tem como objetivo finalizar toda nossa etapa de estágios e práticas desenvolvidas no campo escolar e salas de aulas, onde durantes este períodos nos deparamos com dificuldades da aprendizagem nos anos iniciais, nos depararmos com queixas de que uma criança, ao final da alfabetização, escreve, mas não lê, apresentam dificuldades na escrita e principalmente leitura, torando-se muitas vezes totalmente dependentes do professor para realizar esta, por eles, o que implica mais tarde em alunos com grandes dificuldades de interpretação de texto e tantas outras matérias, uma vez que a leitura e a interpretação adequada refletem diretamente na educação das crianças e jovens. Assim devido tal problemática levou-nos a escolha do tema: Alfabetização: Dificuldades dos Anos Iniciais. Com embasamento na Psicologia Cognitiva e nos estudos do Letramento, o artigo tem como objetivo apresentar um estudo sobre a dicotomia da aprendizagem da leitura e da escrita inicial. Primeiramente, faz-se uma revisão do embasamento teórico sobre a aprendizagem da escrita, posteriormente dos processos de leitura e seguindo, faz-se uma análise das dificuldades iniciais que envolvem a não-aprendizagem da leitura.

  Ao se propor o presente artigo, acreditamos que se pode contribuir de forma bastante significativa para a superação das dificuldades de aprendizagem apresentadas por crianças nas series iniciais. Acreditamos que para a superação dos problemas do ensino para crianças faz necessário um estudo sobre as dificuldades do ensino nas series iniciais investigar sobre as teorias de aprendizagem e colocá-las em prática, conhecendo as individualidades de cada criança e desenvolvendo estratégias de ensino que atuem de forma dinâmica e eficiente para o aprendizado do educando.

  O presente trabalho foi baseado nas práticas e atividades realizadas no período de Estágios Supervisionado e principalmente em um estudo Bibliográfico fundamentado em literaturas de bases especificas a respeito do tema abordado tais como livros, artigos, teses e dissertações de autores especialistas e específicos da área como: Coelho, Ferreiro, Moll, Zilberman.

OS DESAFIOS DA ALFABETIZAÇÃO

 A aprendizagem e a construção do conhecimento são processos naturais e espontâneos do ser humano que desde muito cedo aprende a mamar, falar, andar, pensar, garantindo, assim, a sua sobrevivência. Com aproximadamente três anos, as crianças são capazes de construir as primeiras hipóteses e já começam a questionar sobre a existência. A aprendizagem escolar também é considerada um processo natural, que resulta de uma complexa atividade mental, na qual o pensamento, a percepção, as emoções, a memória, a motricidade e os conhecimentos prévios estão envolvidos e onde a criança deva sentir o prazer em aprender (COELHO, 1997).

 A aprendizagem escolar é considerada um processo natural da criança, porém observarmos durante nosso período de estágio que muitos alunos sentem grandes dificuldades nas séries iniciais do Ensino Fundamental com relação à leitura e à escrita.

 Segundo FERREIRO (1993), os professores partem do pressuposto de que enquanto a criança não domina a leitura e a escrita, é necessário que eles como profissionais educadores conduzam a leitura ate que o educando possua autonomia para também ler de forma a expandir seus horizontes na construção do conhecimento.

 Existem diversas técnicas e formas de se iniciar a leitura e a escrita no processo de alfabetização. No entanto muitos educadores se mantêm convictos de que a alfabetização só ocorre através da decodificação das famílias silábicas (GUERRA, 2002).

 Sendo assim nos como profissionais da educação devemos compreender que a alfabetização não é um processo baseado em perceber e memorizar e, para aprender a ler e escrever, o aluno precisa construir um conhecimento de natureza conceitual: ele precisa compreender não só o que a escrita representa, mas também de que forma ela representa graficamente a linguagem, como cita ZILBERMAN (1985):

 "A criança é vista como um ser em formação cujo potencial deve se desenvolver a formação em liberdade, orientando no sentindo de alcance de total plenitude em sua realização" (p. 27).

 Só um avanço contínuo no sentido de se criar novas propostas e de pensar na importância do letramento, impedirá que a criança chegue ao 4° ou 5° ano sem saber ler e escrever. Um bom caminho para crianças que tem dificuldade de aprendizagem, de acordo com a proposta do letramento, seria contemplá-las com aquilo que elas não fazem uso dentro de seu meio social. Um exemplo é inserir em uma comunidade carente livros, revistas, jornais, material impresso de todo tipo de leitura que será apresentada às crianças e as mesmas farão uso daquela que mais se identifica e tem sentido para ela (GANÉ, 1975).

 MOLL (1996) afirma que:

 "A criança que vive num ambiente estimulador vai construindo prazerosamente seu conhecimento do mundo. Quando a escrita faz parte de seu universo cultural também constrói conhecimento sobre a escrita e a leitura. Ler é conhecer. Quando mais tarde ela aprender a ler a palavra, já enriquecida por tantas leituras anteriores, apropriar-se á de mais um instrumento de conhecimento do mundo (p.69)."

 Um dos elementos imprescindíveis à alfabetização é o processo de compreensão do funcionamento do sistema de escrita, ou seja, para se apropriar dessa linguagem é preciso pensar sobre ela e compreendê-la.

 Há um provérbio chinês que diz: "Só se aprende Praticando", ou seja, a forma de aprendizagem se dá de forma diferente para cada aluno cada qual com suas dificuldades individuais sendo assim nos professores devemos estar atentos quanto o processo de aprendizagem, tentando descobrir novas estratégias, novos recursos que levem a criança ao aprendizado.

 Consciente do nosso papel no processo de alfabetizar, o educador pode realizar um trabalho de ação pedagógica com enfoque no desenvolvimento e construção da linguagem. Ao deixar de lado uma metodologia imposta por uma cartilha e partindo da leitura de mundo das crianças, o educador passa a medir e participar no processo espontâneo de conceituação da língua escrita (GANÉ, 1975).

 Há muitas formas de se dar a alfabetização. Inseri-las para o benefício do aluno é o nosso dever fundamental.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

 Conclui-se que nos como futuros professores devemos respeitar as dificuldades apresentadas nas crianças, respeitar o ritmo de cada criança. Pois o professor precisa ter idéias claras a respeito do que significa assumir um ou outro comportamento metodológico no processo escolar. É fundamental saber tirar todas as vantagens dos métodos, bem como conhecer as limitações de cada um.

 A realização de novas propostas de alfabetização se concretiza através da interatividade entre professor e aluno como sujeitos de uma prática cooperativa instaurada na ação e na reflexão que ambos exercem sobre o objeto do conhecimento a ser desvelado.

 Faz-se valido ressaltar que o importante não são cartilhas, cargas horárias e conteúdo curricular "exigido" e sim um bom ensino e aprendizado para as crianças de forma que elas aprendam e não apenas decorem uma determinada matéria, de forma que coloquem em pratica os conhecimentos adquiridos dentro do âmbito escolar tornando-se cidadãos autônomos e capazes de interagir com qualquer objeto de seu conhecimento.

REFERÊNCIAS BIBLÍOGRAFICAS

  COELHO, M. T. e ASSUNÇÃO, J. E. Problemas de Aprendizagem. São Paulo: Ática, 1997.

  FERREIRO, Emília. Com todas as letras. Editora Cortez. São Paulo. 1993.

  GUERRA, L.B. A criança com dificuldades de aprendizagem. Rio de Janeiro: Enelivros, 2002.

  MOLL, Jaqueline. Alfabetização possível: reinventando o ensinar e o aprender. Porto Alegre: Ed. Mediação, 1996.

  ZILBERMAN, Regina. A literatura infantil na escola. São Paulo: Global, 1995.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-infantil-artigos/alfabetizacao-dificuldades-dos-anos-iniciais-6624969.html

    Palavras-chave do artigo:

    leitura

    ,

    ensino

    ,

    crianca

    Comentar sobre o artigo

    Alana Sardinha Freitas

    O artigo relata experiências vivenciadas numa escola de Educação Infantil na cidade de Itapetinga, Ba, durante a aplicação de um Projeto de Leitura"Histórias Infantis no Contexto da Pré-escola: Janelas Abertas Para Novos Leitores",com objetivo de despertar nas crianças hábitos de leitura e um olhar crítico sobre o mundo. Contribuindo para o desenvolvimento da autonomia, da criatividade, das múltiplas habilidades, o uso das potencialidades na realização das atividades propostas. Apresenta ainda o

    Por: Alana Sardinha Freitasl Educação> Educação Infantill 31/10/2011 lAcessos: 2,070

    A pesquisa apresenta uma análise das dificuldades de aprendizagem na leitura no ensino fundamental. esta pesquisa serve para nos orientar para projeto de monografia do curso de pedagogia.

    Por: maria aparecidal Educação> Educação Infantill 12/12/2011 lAcessos: 4,823

    A tentativa de esclarecer dúvidas, mostrar aos educadores o sentido real de alfabetizar e como fazer isso, justifica a efetivação deste trabalho, visto que muitos discentes estão empenhados em mudar, mas não sabem como fazer porque não tem um referencial acerca do assunto.

    Por: edilma de moura de oliveiral Educação> Educação Infantill 05/02/2013 lAcessos: 205

    O presente trabalho tem por objetivo apresentar a aquisição da leitura e da escrita, onde a mesma se inicia muito antes do que geralmente se imagina, quando a criança, antes mesmo de entrar na escola, começa a tomar contato com materiais escritos. O processo de aprendizagem da leitura e da escrita tem o propósito de observar a evolução do aprendizado, sendo assim, necessário diagnosticar os fatores que podem estar interferindo para poder fazer com que a criança evolua e acompanhe o que é pedido.

    Por: ARIUSKA SOARES BRASILEIROl Educaçãol 20/04/2011 lAcessos: 2,689

    Através da leitura testamos nossos próprios valores e experiências com os outros, a leitura é um dos principais instrumentos para que o individuo construa seu conhecimento e aprenda a exercer cidadania, daí a importância de despertar o prazer pela leitura nas crianças das séries iniciais. Esse trabalho deve ser feito em conjunto, pais crianças e professores. cada um destes tem um papel fundamental na construção desse novo leitor.

    Por: Aurilene f. barros rodriguesl Educação> Educação Infantill 24/11/2011 lAcessos: 8,047

    O presente artigo tem com objetivo levantar algumas questões sobre a construção da leitura e da escrita e a formação de professores, buscando compreender não só os fatores que têm contribuído para o fracasso escolar das crianças, como também verificar as possibilidade de a escola garantir a todos, indistintamente, o direito de se tornarem leitores e escritores, com seu sucesso.

    Por: ROSANA MARIA GOMES MOREIRAl Educação> Ensino Superiorl 01/02/2012 lAcessos: 1,694
    Meire Viana Alves

    O presente artigo tem por finalidade compreender o papel da leitura nas séries iniciais do ensino fundamental, sendo-a considerada cada vez mais importante para todos, pois, é o ponto de partida do conhecimento. Partindo deste pressuposto, utilizamos Mary Kato (2007) ; Paulo Freire (2005); Edmir Perrati (1990) . Entende-se que é necessário estimular nos alunos a leitura como instrumento primordial num processo de ensino-aprendizagem.

    Por: Meire Viana Alvesl Educação> Ensino Superiorl 14/08/2010 lAcessos: 2,706

    A leitura e a escrita são hoje um dos maiores desafios das escolas, visto que quando estimulada de forma criativa, possibilita a redescoberta e o prazer de ler, a utilização da escrita e a inserção do aluno no mundo letrado. Pensando nesse contexto, o projeto torna-se necessário e viável, pois pretende fomentar a leitura, interpretação e a escrita por meio da contação de história. Durante o desenvolvimento do projeto procuramos incentivar os alunos empréstimo de livros uma vez na semana.

    Por: Isaura do Prado Almeidal Educação> Línguasl 13/11/2014
    Rita de Cássia Santos Almeida

    Este artigo se refere a aplicação de um jogo de leitura, cujo objetivo principal fora motivar os alunos de uma classe de quinto ano do ensino fundamental para lerem um livro e demonstrarem que realmente o haviam lido na íntegra e o compreendido. Além disso, observar até que ponto uma avaliação diferenciada possibilita ao professor conhecer o quanto o aluno foi capaz de apreender aquilo que se esperava.

    Por: Rita de Cássia Santos Almeidal Educaçãol 09/09/2013 lAcessos: 46
    Antonio Carlos Machado

    Pretende-se evidenciar as práticas de Leitura, Produção Escrita e Análise Linguística do aspecto Morfológico Estrutural das palavras em poemas de Cecília Meireles, identificando os morfemas lexicais, classificatórios, flexionais e derivacionais; de acordo com a visão científica de alguns teóricos da língua portuguesa como Irandé Antunes, Câmara Jr., Ingedore Villaça, Maria Cecília, Geraldi e dentre outros, através de uma experiência aplicada em sala de aula.

    Por: Antonio Carlos Machadol Educação> Línguasl 12/03/2012 lAcessos: 1,243

    Como obter as informações de que necessitamos para acompanhar os percursos dos estudantes? Como apreender os modos como eles representam os conceitos? Como saber o que pensam sobre o que ensinamos para pensarmos nas possibilidades pedagógicas que assegurariam a qualidade do ensino-aprendizagem? Como proceder para que os estudantes evidenciem seus avanços e suas dificuldades?

    Por: Maria Cristinal Educação> Educação Infantill 18/11/2014

    Aprender com prazer, aprender brincando, brincar aprendendo, aprender a aprender, aprender a crescer: a escola é, sim, espaço de aprendizagem. Assim, é fundamental que cada professor se sinta desafiado a repensar o tempo pedagógico, analisando se ensina o que é de direito para os estudantes e se a seleção de conteúdos, capacidades e habilidades é de fato importante naquele momento.

    Por: Maria Cristinal Educação> Educação Infantill 18/11/2014

    A prática educativa está fortemente relacionada a processos de comunicação e interação entre os seres, que a utilizam para assimilar seus saberes, habilidades, técnicas, valores, atitudes, e, através disso, construir novos saberes. Sendo assim, não se pode reduzir a educação ao simples ato de ensinar e a pedagogia como um conjunto de métodos que possibilita o ensino. Sendo assim, surge um questionamento essencial a todo aquele que quer compreender, viver e fazer pedagogia: quem é o pedagogo?

    Por: Maria Cristinal Educação> Educação Infantill 18/11/2014

    A questão da inclusão de pessoas portadoras de necessidades especiais em todos os recursos da sociedade ainda é muito incipiente no Brasil. Movimentos nacionais e internacionais têm buscado um consenso para formatar uma política de inclusão de pessoas portadoras de deficiência na escola regular.

    Por: Jania Gasques bordonil Educação> Educação Infantill 17/11/2014
    Liamara Lucia de Almeida Cacho

    Nos anos iniciais, a disciplina que trabalha as noções históricas, de espaço e tempo é chamada de Estudos Sociais. Neste período o professor deve transmitir aos alunos noções fundamentais de organização da vida em sociedade, de como se organiza o próprio município, da atuação das autoridades, organizações e hierarquias, noções de respeito e educação cidadã, além dos deveres e direitos humanos.

    Por: Liamara Lucia de Almeida Cachol Educação> Educação Infantill 14/11/2014 lAcessos: 11
    Liamara Lucia de Almeida Cacho

    Como todos já sabem e ouviu-se muito falar, a educação autônoma é a mais viável e satisfatória nos dias de hoje. Com tantas transformações ocorrendo em tempo real, e em nível econômico, político e social, além de cultural também. Com base nisto, quero colocar alguns dos meus pensamentos sobre a educação.

    Por: Liamara Lucia de Almeida Cachol Educação> Educação Infantill 14/11/2014
    Liamara Lucia de Almeida Cacho

    Há tempos busca-se formar integralmente o homem, provavelmente, nenhuma palavra expressa mais essa ideia de formação humana que a palavra, oriunda da Cultura Grega, Paídeia, que exprimia o ideal de desenvolver no ser homem aquilo que era considerado próprio da sua natureza, essa ideia perpassou o humanismo renascentista chegando até aos nossos dias atuais. Diante disso, cabe perguntar: O que significa essa totalização da formação humana? Pode ser definido em um único conceito?

    Por: Liamara Lucia de Almeida Cachol Educação> Educação Infantill 14/11/2014

    A educação inclusiva é voltada de todos para todos, os ditos "normais" e as pessoas com algum tipo de deficiência poderão aprender em conjunto. Uma pessoa dependerá da outra para que realmente exista uma educação de qualidade. A função de separar e classificar os alunos, rotulando-os como menos ou mais capazes, dá lugar a de escolher cada um, valorizando suas potencialidades, sua linguagem, suas diferenças, bem como os instrumentos que ampliam suas possibilidades de aprender, de comunicar e de i

    Por: Darci Martinsl Educação> Educação Infantill 14/11/2014 lAcessos: 13

    A educação em arte propicia o desenvolvimento do pensamento artístico e da percepção estética, onde caracterizam um modo próprio de ordenar e dar sentido a experiência humana. Entretanto, o aluno desenvolve sua sensibilidade, percepção e imaginação.Tanto ao realizar formas artísticas quanto na ação de apreciar e conhecer as formas produzidas por eles e pelos colegas,pela natureza e nas diferentes culturas.

    Por: Andria Oliveira Ramosl Educaçãol 04/07/2013 lAcessos: 19

    Entender a infância e as crianças na sociedade contemporânea, de modo que possamos compreender a delicada complexidade da infância e a dimensão criadora das ações infantis. Encontramos na obra de Walter Benjamin interessantes contribuições, muitos de seus textos expressam uma visão peculiar da infância e da cultura infantil,oferecendo importantes eixos que orientam outra maneira de ver as crianças.

    Por: Andria Oliveira Ramosl Educaçãol 04/07/2013 lAcessos: 34

    A linguagem oral configura-se como elemento constitutivo do sujeito, por essa razão as praticas orais devem integrar as propostas de intervenção pedagógica, no sentido de levar o aluno a refletir acerca do falar e do escutar, considerando a diversidade de interlocutores e situações de produção formal e informal.

    Por: Andria Oliveira Ramosl Educaçãol 04/07/2013 lAcessos: 40

    A Articulação entre a construção interpessoal,do conhecimento e a proposta de´´alfabetização letrando``,tomando os gêneros do discurso como objeto de ensino,faz-se premente a discussão sobre a avaliação decorrente desse modo de olhar o processo ensino-aprendizagem. Torna-se fundamental contemplar e analisar caminhos percorridos pelos alunos em relação a sócio-construção de conhecimento sobre a alfabetização. A avaliação toma como pressuposto a leitura e a escrita,pois são dois processos que se c

    Por: Andria Oliveira Ramosl Educaçãol 04/07/2013 lAcessos: 39

    As praticas na escola:a natureza ortográfica A natureza da escrita ressalta os aspectos centrados na dimensão ortográfica,e é neste sentido que Morais(2000)contribui e merece destaque. Onde o intuito de assegurar a pertinência do estudo da ortografia,o autor afirma que a ortografia funciona assim como um recurso capaz de cristalizar na escrita,as diferentes maneiras de falar dos usuários de uma mesma língua,pois escreve de forma unificada,assim podemos nos comunicar facilmente.

    Por: Andria Oliveira Ramosl Educaçãol 04/07/2013 lAcessos: 30

    Família A Família é uma instituição que todos consideram obvia e ninguém se pergunta o que é, pois definir a família é mais complicado do que o senso comum faz acreditar. Essa dificuldade tem muito a ver com seu caráter dinâmico e histórico e com a diversidade dos padrões familiares encontrados em diferentes sociedades e modelos culturais. Os estudiosos costumam discutir se a família é um fenômeno natural/biológico ou uma instituição cultural e social.

    Por: Andria Oliveira Ramosl Lar e Famílial 27/06/2013 lAcessos: 41

    Resumo Compreender o brinquedo e a brincadeira como ferramentas que possibilitam a criança a construção e a apropriação do conhecimento, Perceber a importância do ato de brincar e demonstrar a relação entre a ação de brincar e o brinquedo na educação infantil. O principal indicador da brincadeira, entre as crianças, é o papel que assumem enquanto brincam. A brincadeira favorece a auto-estima das crianças, auxiliando-as a superar progressivamente suas aquisições de forma criativa.

    Por: Andria Oliveira Ramosl Educaçãol 20/06/2013 lAcessos: 49

    Este artigo aborda o tema violência nas escolas, foi feita uma revisão bibliografia, em artigos e periódicos para a elaboração desta pesquisa, foi focado na família e na escola, dois elementos principais e indissociáveis da temática, o objetivo principal do trabalho é fazer um estudo teórico sobre a violência nas escolas, e ter uma visão sobre o papel da escola e da família nas causas dessa violência.

    Por: Andria Oliveira Ramosl Educação> Ensino Superiorl 04/06/2013 lAcessos: 83
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast