Anáise Crítica E Possíveis Soluções Para Uma Boa Qualidade De Ensino-Aprendizagem Baseada Na Lei Das Dirtrizes E Base Da Educação 9394/96

Publicado em: 28/06/2009 |Comentário: 3 | Acessos: 15,926 |

1 INTRODUÇÃO

 A Constituição Federal de 1988 defendeu a Educação como um direito subjetivo do cidadão, ou seja, um direito inalienável, sendo dever de o Estado garantir o cumprimento deste direito, não podendo jamais ser relativizado nem colocado em segundo plano. Claro que em termos de política, isto demanda uma implementação que leva tempo, mas que aos poucos vai se tornando uma prática. Entretanto, ao se democratizar a Educação, nem sempre se pautou pela busca e permanência da qualidade de ensino. As escolas públicas da Educação Básica não oferecem, de modo geral, a mesma qualidade de ensino das instituições privadas.

A LDB 9394/96 é também chamada de Carta Magna da Educação. Inspirada e defendida pelo antropólogo Darcy Ribeiro, que conseguiu manter suas idéias em um texto legal e bem sintetizado, permitindo uma generalização e flexibilidade e com repercussões políticas. (FAGUNDES, 2008)

Ao mesmo tempo em que se busca uma educação de qualidade se visa uma transformação da ordem social, pois um povo mais educado se torna mais responsável e mais consciente de seus direitos e defende com mais convicção a cidadania, enquanto um espaço de participação política e democrática. A prática docente pode influenciar neste processo por serem os professores os formadores de opinião, os responsáveis pela educação e formação dos valores de seus alunos.

Este trabalho tem como objetivo realizar uma análise crítica e salientar possíveis soluções para uma boa qualidade de ensino/aprendizagem baseadas na Lei das Diretrizes e Base da Educação Nacional (LDB) 9.394/96 tendo como premissa o Título II “Dos princípios e fins da educação nacional” artigos 2º e 3º.

 

 1. 1 A educação: família e o Estado

 O artigo 2º da LDB define a pessoa humana pela tríplice capacidade de: a) adquirir pleno desenvolvimento pessoal; b) inserir-se nas relações políticas; c) qualificar-se para o trabalho. Educa-se o povo para capacitar qualquer pessoa para desenvolver a plenitude de si mesma; envolver-se com as demais e produzir. Essa definição permite o atual debate pedagógico sobre o ensino de valores, inclusão social, competências, habilidades, etc...

Para os conservadores, a família seria o lugar natural da criança, a estrutura ideal para o desenvolvimento normal da infância. A educação é um processo social de permanente humanização (LDB, art. 1º) na família, escola e sociedade. O artigo 3º, inciso X, impõe aos sistemas educacionais a “valorização da experiência extra-escolar”, outra proposição epistemológica da Educação Popular. Nova mudança paradigmática se produziu no direito à educação.

Somos remetidos à uma realidade inexistente, utópica. A lei indica o Estado e a família como os responsáveis pela educação, tirando parte de sua responsabilidade. E ainda garante igualdade de condições para o acesso e permanência escolar, liberdade de aprendizagem, respeito à liberdade, valorização do profissional de educação, gestão democrática e qualidade de ensino e vinculação entre educação escolar, trabalho e práticas sociais. Porém o que observamos é que nada disso acontece; se realmente fosse do jeito como descrito na lei, nossa educação seria uma maravilha. Quem dera nosso profissional da educação fosse valorizado e se nossos alunos tivessem igualdade de condição para o acesso e permanência escolar.

O artigo 2º, que coloca a educação como dever do Estado e da família, repete o mandamento da Constituição. O acrescimento “inspirada nos princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade humana”, apenas repete o que a LDB de 1961 já dizia, repetição do artigo 166 da Constituição de 1946.  Tal conceituação, no entanto, àquela época recebeu uma definição melhor, já que o Art. 2º. do projeto de LDB que o poder executivo remeteu ao Congresso Nacional em 1948, definia liberdade como aquilo que “favorecerá as condições de plena realização da personalidade humana, dentro de um clima democrático, de modo a assegurar o integral desenvolvimento do indivíduo e seu ajustamento social” e, definia solidariedade humana como “aquilo que incentiva a coesão da família e a formação de vínculos culturais e afetivos, favorecerá a consciência da continuidade histórica da nação e o amor a paz e coibirá o tratamento desigual por motivo de convicção religiosa, filosófica ou política, bem como os preceitos de classe e raça. São, portanto, princípios tradicionais da educação nacional, universalmente válidos.

As finalidades da educação mantêm o que o artigo 205 da Constituição diz, pois se temia a época que uma nova discussão só atrasasse o processo de lei. Daí que o artigo 2º é praticamente uma cópia do artigo 206 da Constituição Federal, com alguns acréscimos, como o inciso IV, que inclui como principio básico o “respeito a liberdade e apreço a tolerância e o Inciso X, que adicionou o principio da “valorização da experiência extra-escolar”. Eles reforçam o apoio ao pluralismo cultural, a necessidade de incluir o respeito as crenças e costumes de todas as culturas, reformando o caráter democrático do processo educativo. Por exemplo, estas observações repercutem para escolas confessionais, que não podem por nenhum motivo obrigar seus alunos a práticas que contrariem sua liberdade de fé. Por isso também, a ênfase a tolerância, a diferença dos pontos de vistas e sua mútua compreensão, o que inclui os erros que por ventura cada um possa cometer.

Outras considerações menores implicaram na substituição de expressões como “profissionais de ensino” por “profissionais de educação escolar”.  Exigências diversas, como para ingresso na carreira do magistério foram deixadas para o Art. 67 da mesma LDB ou a gestão democrática, foram definidas especialmente para instituições federais, cabendo a cada estado criar legislação própria. O Estado, ainda que incentive, resignou-se a não interferir na questão da gestão democrática da escola particular, com o receio de recair  em ação de inconstitucionalidade e injuridicidade, extrapolando seus direitos constitucionais.

Um dos principais problemas que a LDB enfrenta é relativa ao inciso IX, que prevê o ensino com base na garantia de padrão de qualidade. Mesmo para as escolas particulares, tal princípio é evidente. “Tudo indica que a conquista da qualidade percebida pelo cliente gera ótimos lucros em qualquer setor... é a força motriz muito mais importante na conquista de uma posição competitiva”. A respeito, Anísio Teixeira em “Plano e Finanças da Educação”, dizia em 1963 que “em verdade, [a escola] é o lugar para aprender, mas aprender envolve experiência de viver, e deste modo todas as atividades da vida, desde as do trabalho até as da recreação, e muitas vezes, as da própria casa”. Por isso, Motta, em direito Educacional, salienta o mérito de Eneida Macedo Tito, da Escola Municipal Gilberto Jorge, que recebeu o Premio Nacional de Incentivo ao Ensino Fundamental, do MEC, em vista da motivação dos seus alunos.

A educação como direito social, conforme o artigo 6º, da Constituição Federal, deverá ser garantido para todos e de forma equânime, por isso os princípios do direito à educação constante na LDB, nos artigos 2º e 3º.

 

2 CONSIDERAÇÕES FINAIS

 Nesse aspecto o texto da lei limita-se, praticamente, a repetir os artigos 205 e 206 da Constituição Federal, com alguma adaptação redacional e acrescentando, em consonância com o conceito de educação do artigo primeiro e seu parágrafo segundo, os princípios da “valorização da experiência extra-escolar” e “vinculação entre educação escolar, o trabalho e as práticas sociais”.

Chama atenção, porém, a modificação de alguns detalhes no texto constitucional.

O primeiro deles é a inversão operada no enunciado do art. 205. Enquanto ali se lê que a educação é “dever do Estado e da família”, na lei está escrito, “dever da família e do Estado” Dir-se-ia que tanto faz, que a ordem dos fatores não altera o produto. Pode ser. Mas não deixa de ser estranho. Se a ordem é indiferente então por que inverter apenas nesse caso, uma vez que nos demais casos se transcreveram pura e simplesmente?

A questão aumenta de importância quando nos recordamos da momentosa polêmica entre os defensores da escola pública e da escola particular na discussão do projeto de LDB que resultou na lei aprovada em 1961. A Igreja Católica, justificando os interesses privatistas, afirmava a precedência da família em matéria de educação, situando o Estado em posição subsidiária.

Coincidência ou não, o fato é que o grande mentor, ao lado de Hayek, do neoliberalismo, Milton Friedman, também defende explicitamente a precedência da família sobre o Estado em matéria de educação.

Outra modificação, contudo, parece trazer maiores implicações. Trata-se do princípio expresso no inciso V do artigo 206 da Constituição: “Valorização dos profissionais de ensino, garantindo, na forma da lei, planos de carreira para o magistério público, com piso salarial profissional e ingresso exclusivamente por concurso público de provas e títulos, assegurado regime jurídico único para todas as instituições mantidas pela União”. Na LDB esse princípio foi reduzido para “valorização do profissional da educação escolar” (Art. 3º, inciso VII).

Observe-se que no projeto aprovado no Senado (Substitutivo Darcy Ribeiro) constava “valorização dos profissionais da educação, garantindo, na forma da lei e respeitada a autonomia universitária, plano de carreira para magistério público, com piso salarial profissional” (Art. 3º inciso VII).

A LDB deu nova legitimidade jurídica para que forças sociais transformadoras conquistem mais espaço político para atuarem nos sistemas de ensino.

No artigo 2º, declara que a finalidade da educação é o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho.

E, ainda que o ensino deva ser ministrado com observância de princípios de: igualdade de condições para acesso e permanência na escola; liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar a cultura, o pensamento, a arte e o saber; pluralismo de idéias e de concepções pedagógicas; respeito à liberdade e apreço à tolerância; coexistência de instituições públicas e privadas de ensino; gratuidade do ensino público nos estabelecimentos oficiais; valorização do profissional da educação escolar; gestão democrática do ensino público na forma dessa lei e da legislação dos sistemas de ensino; garantia de padrão de qualidade; valorização da experiência extra-escolar; vinculação entre a educação escolar, o trabalho e as práticas sociais.

O conteúdo da LDB reporta-se às questões relativas aos objetivos e ao direito à educação, ao lugar e peso do público no processo educacional, às questões de ordem administrativa, financeira, de formação docente, acesso e permanência dos alunos, situando a educação formal no universo de práticas sociais e institucionais que lidam com o processo de formação humana em geral.

A escolarização obrigatória não é universal e não garante o direito à permanência e ao sucesso na escola. A condição de possibilidade para o exercício para a cidadania é a capacidade do educando fazer uso público da razão. Além da análise quantitativa, há necessidade da avaliação qualitativa da habilitação para o uso público da razão. O fracasso da cidadania brasileira é também fracasso da escola. Por isso, o problema do acesso não se resolve simplesmente com professores e vagas nas escolas. É necessário, também, que os candidatos à escola tenham condições de ingressar e permanecer na escola, com sucesso, pelo tempo a que têm direito. É verdade, mas não é toda a verdade, (...). É necessário também lembrar as situações nada incomuns de trabalho infantil, em que crianças de 10 a 14 anos, e até de menos de 10 anos, antes mesmo do ingresso na escola ou logo nos primeiros anos de escolarização, são desafiadas à difícil conciliação entre trabalho e escola ou, não raro, postas ante o dilema de ter que optar entre trabalho e escola (FERRARO, 2002, p. 217-218).

 

3 CONCLUSÕES

 A população em geral tem informação fragmentada e pontual sobre educação. Essa união dá um recado para todos: cada um de nós, pessoa física ou jurídica, deveria deixar seus interesses particulares de lado e tomar a iniciativa, dentro de sua área de atuação, de discutir a educação no Brasil.

A sociedade, por sua vez, em grande parte por causa do aligeiramento com que a mídia trata a questão, é mal informada e tende a confundir aparência com essência. Temos ainda os interesses corporativistas, a estrutura precária de formação do educador, o mito das "causas nobres" como o Ensino Fundamental de nove anos e a educação em tempo integral que às vezes aparecem como possíveis soluções. A qualidade ainda é confundida com um ensino de elite, o que só colabora para a nossa educação ficar fora de sintonia com o século 21.

Teria de ser uma formação que preparasse o professor para dar respostas diferentes, dependendo da realidade da criança e de suas necessidades. Ele precisa saber fazer a transposição didática dos conhecimentos universais que serão ensinados em sala de aula, transformando-os em conhecimentos significativos para os alunos, quaisquer que sejam suas origens e condições socioeconômicas. Ninguém ensina o que não aprendeu. Por isso o curso de formação precisa dar peso grande ao conteúdo que vai ser ensinado.

Ter uma instituição de ensino superior dedicada exclusivamente à formação de professores, os Institutos Superiores de Educação (ISEs), velho sonho de Darcy Ribeiro, que foram criados na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Essas instituições não devem ter as fragmentações disciplinares que ocorrem na universidade. São obrigatoriamente multidisciplinares. Mas só isso não basta. É indispensável municiar o professor com orientações didáticas para o trabalho em sala de aula, que sugiram planos e seqüências didáticas, que apontem boas práticas e exemplifiquem com a experiência de quem já fez e deu certo. Esse processo é parte importante da educação continuada e deveria ocorrer cotidianamente, no chão da sala de aula.

Além de ser feita nos ISEs, essa formação precisa estar acoplada a um sistema de certificação. Exames desse tipo deveriam ser exigidos para entrar e progredir na carreira, com bolsas de auxílio para aperfeiçoamento dos que não conseguissem desempenho satisfatório ou estímulo salarial para os que fossem bem-sucedidos nesses exames.

É uma questão de bom senso, confiança e projeto comum. Os pais precisam estar cientes de todos os problemas e sempre que possível contribuir para as discussões das soluções que serão implementadas. É preciso que exista uma relação de confiança entre a escola e os pais, para que estes se sintam seguros quanto ao acerto de decisões estritamente técnicas.

Não adianta manter as crianças por mais tempo na escola se o que ela oferece continuar a não ter qualidade. Sem contar a Educação Infantil, o Ensino Fundamental e o Médio somam juntos 11 anos. É preciso indagar: o que fazer para todos permanecerem no sistema de ensino esses anos e conseguir ter aprendizagens significativas? Adianta prolongar em um ano a permanência na escola se o dinheiro, por exemplo para pagar os professores, continuar o mesmo, assim como os recursos didáticos que são usados em sala de aula? Essas são as ditas "causas nobres" que não resolvem os problemas e ainda contribuem para desviar a atenção das questões que realmente importam.

 

4 REFERÊNCIAS

 FAGUNDES, Augusta Isabel Junqueira. LDB - Dez anos em ação. Disponível em: <http://www.ipae.com.br/ldb/augustafagundes.doc>. Acesso em: 23 mai 2009.

 BRASIL. LDB 9394/96. Disponível em: <http://www.mec.gov.br>. Acesso em: 23 mai 2009.

 FERRARO, Alceu R. & MACHADO, Nádie C. F. Da universalização do acesso à escola no Brasil. Educação & Sociedade, ano XXIII, nº 79, Agosto/2002, p. 213-241.

 ABRÃO, Bernadette S. História da filosofia. São Paulo: Editora Nova Cultural, 2004.

 ARENDT, Hannah. Lições sobre a filosofia política de Kant. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1993.

 BOURDIEU, Pierre. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 1996.

 BRAYNER, Flávio. Da criança-cidadã ao fim da infância. Educação & Sociedade, ano XXII, nº 76, Outubro/2001, p. 197-211.

 CERIZARA, Ana B. Rousseau. A Educação na Infância. São Paulo, Scipione, 1990.

 DECLARAÇÃO Universal dos Direitos da Criança. ONU, 1959. Disponível em: <http://www.mj.gov.br/sedh/dca/dircria.htm>. Acesso em: 23 mai 2009.

 FERNANDES, Heloísa R. Sintoma social dominante e moralização infantil: Um estudo sobre a educação moral em Émile Durkheim. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo: Editora Escuta, 1994.

 FERNANDES, Rubem C. Privado porém público:  o terceiro setor na América Latina. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994.

 FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 11ª Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

 GOMES, Candido A. A nova Lei de Diretrizes e Bases e o cumprimento da obrigatoriedade escolar. Revista de Informação Legislativa. Brasília a. 35 n. 137 jan./mar. 1998. p. 185-194.

 IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Associativismo, Representação de Interesses e Intermediação Política. Rio de Janeiro: IBGE, Abril de 1996. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/indicadoresminimos/suppme/analiseresultados1.shtm em 07.07.2005>. Acesso em: 23 mai 2009.

 ___. Indicadores de desenvolvimento sustentável: Brasil 2002. Rio de Janeiro: IBGE, 2002.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 4 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-infantil-artigos/anaise-critica-e-possiveis-solucoes-para-uma-boa-qualidade-de-ensino-aprendizagem-baseada-na-lei-das-dirtrizes-e-base-da-educacao-939496-999055.html

    Palavras-chave do artigo:

    leis das diretrizes e base da educacao nacional

    Comentar sobre o artigo

    Por meio de uma leitura e análise crítica da Lei das Diretrizes e Base da Educação Nacional 9.394/96, apresentando um caráter bibliográfico, a partir dos princípios comentados da nova diretriz relacionada a estruturação do ensino brasileiro e ensino para os jovens. Este trabalho tem como objetivo verificar o que a LDB ressalta a respeito do ensino técnico. Nessa análise, apontam-se a formação do ensino técnico e atuação dos jovens no mercado de trabalho. A conclusão propõe o aprimoramento e educação continuada do profissional de educação.

    Por: Shirley da Rocha Afonsol Educaçãol 12/09/2009 lAcessos: 3,787 lComentário: 1

    Políticas educacionais permeiam, há décadas, as discussões pedagógicas e políticas no Brasil e em diversos outros países. Com as reformas educacionais no cenário brasileiro, notamos movimentos governamentais na direção de mudanças ou reformas do sistema educacional como um todo, que acabam gerando, em algumas circunstâncias, marcas das alterações pretendidas ou implementadas para atender necessidades da sociedade principalmente no currículo escolar.

    Por: Shirley da Rocha Afonsol Educaçãol 28/06/2009 lAcessos: 42,872 lComentário: 4
    NÚBIA DA SILVA CRUZ

    O presente artigo objetiva fortalecer e ampliar as discussões relacionadas à inserção da Língua Espanhola, em caráter obrigatório, no currículo do Ensino Médio, em cumprimento à lei 11. 161 de cinco de agosto de 2005. O debate que se propõe, neste trabalho, compreende tal iniciativa como instrumento de democratização do ensino de línguas na Escola Pública, além de nos conduzir, ainda que de forma inicial, à reflexão acerca da real função social do ensino/aprendizagem de idiomas neste contexto es

    Por: NÚBIA DA SILVA CRUZl Educação> Línguasl 09/03/2010 lAcessos: 1,754

    O presente artigo discorre sobre a eficiencia e eficácia da formação dos conselhos de escola na rede pública de ensino. Até que ponto eles revertem situações como a evasão, qualidade das aulas, ausencia de projetos pedagógicos?

    Por: Maria da Gloria barbosa Matosol Educação> Ensino Superiorl 19/10/2011 lAcessos: 223

    Contínuas mudanças econômicas, políticas e culturais estão causando grandes transformações no funcionamento das famílias e na educação das crianças na Educação Infantil, em todas as camadas sociais. Estas transformações têm contribuído para uma reorganização e acima de tudo, reflexão crítica aos pressupostos metodológicos que deveriam embasar o ensino da Educação Infantil brasileira, no contexto da prática e avaliação.

    Por: Rosania Richa Virginio de Barrosl Educaçãol 14/10/2009 lAcessos: 7,710 lComentário: 1
    JORGE ELISSANDER N. BALBINO

    Nesse estudo, procurou-se evidenciar a evolução do segmento de educação infantil especificamente no município de Juiz de Fora, Minas Gerais, analisando sobre a educação infantil no Brasil e no município e as relações entre os profissionais da educação infantil.

    Por: JORGE ELISSANDER N. BALBINOl Educação> Ensino Superiorl 16/02/2011 lAcessos: 1,974
    Máira Leilaine

    Este trabalho tem por objetivo principal a implantação em toda a Rede Municipal de Ensino de uma cartilha sobre todo o Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural do município de São Luiz do Paraitinga/SP, tendo como eixo principal a prática e teoria através de atividades e exercícios propostos por educadores empenhados em dar sentido as significações culturais luizenses.

    Por: Máira Leilainel Educação> Ensino Superiorl 22/07/2013 lAcessos: 75

    Os incentivos trazidos para a sala de aula, não contempla a necessidade estrutural da sociedade a partir da escola, com a prevenção de formar cidadões e cidadães livres e voltadas a fazer uma nova convivência e se tornar um trabalhador, trabalhadora qualificada para o seu exercício profissional e exercer sua cidadania.

    Por: Jorge Rocha Gonçalvesl Educação> Ensino Superiorl 05/06/2010 lAcessos: 1,679 lComentário: 1

    A gestão educacional apresenta-se diferente de outras formas de administração por ter características próprias, quando refletimos sobre ela entendemos que é um processo complexo , pois, não se limita apenas ao campo intra-escolar, ela abrange um cenário mais amplo e trata-se de um cenário com várias perspectivas e concepções.

    Por: Odair José Barletal Educação> Ensino Superiorl 08/06/2011 lAcessos: 1,397
    Simoni Caldeira da Fonseca

    O referente trabalho aborda a importância da gestão escolar para a organização pedagógica da Educação Infantil, pois a criança necessita de todo cuidado específico para sua idade e na escola ela deve encontrar este amparo. O gestor escolar tem a função de proporcionar à criança um ambiente todo aconchegante, colorido, organizado, com atividades permanentes, enfim, tudo o que é necessário para que ela tenha um desenvolvimento adequado.

    Por: Simoni Caldeira da Fonsecal Educação> Educação Infantill 11/12/2014

    COM A INTRODUÇÃO DA CRIANÇA NA ESCOLA INICIA-SE O PROCESSO DE SOCIALIZAÇÃO E COM ELE MUITAS VEZES EMERGEM OS PROBLEMAS DE COMPORTAMENTO. CABE AOS PAIS EM SINTONIA COM A ESCOLA BUSCAR ALTERNATIVAS PARA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA, UMA DAS INDICAÇÕES É ATRAVÉS DA ORIENTAÇÃO A PAIS.

    Por: DABDA TAIS BORBAl Educação> Educação Infantill 10/12/2014
    marli frageri

    valorização de calculos na educação infantil sem sequencia logica.Cada criança cria a sua própria estratégia combinatória baseando no raciocínio logico multiplicativo contando sempre em sequencia descontinua ou seja números que para ela e de fácil pronuncia.

    Por: marli frageril Educação> Educação Infantill 04/12/2014 lAcessos: 12

    O presente resumo refere-se aos problemas relacionados a alunos da Escola 29 Novembro que tem problemas de comportamento e aprendizagem porque muitas os pais ou responsáveis não dão a devida atenção.

    Por: Sortineide Navarro Segural Educação> Educação Infantill 04/12/2014

    A musica esta dentro de cada cultura e tradição de um povo, a musica desenvolve vários fatores de uma criança.

    Por: Domingos Paulol Educação> Educação Infantill 04/12/2014 lAcessos: 13

    Compreende-se, que há inúmeras dificuldades dos alunos, relacionadas à capacidade de resolver operações matemáticas. Nesta área, a Discalculia, ganha destaque, pois afeta as condições de desenvolvimento da capacidade cognitiva do aluno, impedindo que tenha melhor construção de ações que facilite sua aprendizagem.

    Por: Soraya Borba E. Serranol Educação> Educação Infantill 03/12/2014 lAcessos: 13
    marli frageri

    a arte de nao esta emde sala mas tambem atraves de brincadeiras e materiais concretos, a criança ja vem de casa com uma bagagem de cpnhecimentos e cabe ao educador completar e enriquecer sua cultura.

    Por: marli frageril Educação> Educação Infantill 03/12/2014
    marli frageri

    melhorias e sugestoes para uma melhor aprendizagem que tenhamos menas evasão nas escolas tudo depende de um excelente desempenho do professor que trabalhe e se dedique a cada educando com muito amor.

    Por: marli frageril Educação> Educação Infantill 03/12/2014

    O atual artigo propõe refletir os principais aspectos pertinentes à discussão teórica do Estado Nacional, nos aspectos gerais e, a formação filosófica do Estado brasileiro, no aspecto particular.

    Por: Shirley da Rocha Afonsol Educaçãol 12/09/2009 lAcessos: 14,635 lComentário: 3

    Por meio de uma leitura e análise crítica da Lei das Diretrizes e Base da Educação Nacional 9.394/96, apresentando um caráter bibliográfico, a partir dos princípios comentados da nova diretriz relacionada a estruturação do ensino brasileiro e ensino para os jovens. Este trabalho tem como objetivo verificar o que a LDB ressalta a respeito do ensino técnico. Nessa análise, apontam-se a formação do ensino técnico e atuação dos jovens no mercado de trabalho. A conclusão propõe o aprimoramento e educação continuada do profissional de educação.

    Por: Shirley da Rocha Afonsol Educaçãol 12/09/2009 lAcessos: 3,787 lComentário: 1

    Políticas educacionais permeiam, há décadas, as discussões pedagógicas e políticas no Brasil e em diversos outros países. Com as reformas educacionais no cenário brasileiro, notamos movimentos governamentais na direção de mudanças ou reformas do sistema educacional como um todo, que acabam gerando, em algumas circunstâncias, marcas das alterações pretendidas ou implementadas para atender necessidades da sociedade principalmente no currículo escolar.

    Por: Shirley da Rocha Afonsol Educaçãol 28/06/2009 lAcessos: 42,872 lComentário: 4

    Comments on this article

    0
    Therezinha Barros da Silva 20/09/2011
    Sou Educadora e tenho encantamento com as mudanças ocorridas provocadas pelo advento das novas tecnologias da Informação e da Comunicação. No entanto, observo tudo que emerge, analise e reflito sobre as mudanças comportamentais. No fundo do tunel vejo que há um sinal indicsndo que hoje, século XXI, a Educação é para ser e não somente para ter. A globalização valoriza o ter, mas o Educador orienta para o ser. Educar é orientar para a construção dos valores na vida. Parabéns, pela riqueza desse Artigo. Therezinha
    1
    lourdes melo 02/11/2009
    Ação reflexiva em torno do direcionamento da LDB. Realmente precisamos pensar juntos. Conscientes de que podemos fazer algo pelos os nossos jovens. Ainda acredito na escola a partir do momento que ela tem compromisso de ser transformadora.Um abraço...
    -1
    maria de lourdes 10/09/2009
    maravilhoso este artigo , vou utilizar como referencia no meu trabalho e citarei o autor com certeza.
    Obrigada.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast