As estruturas afetivas e a socialização

Publicado em: 29/03/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 469 |

Até os dois anos, aproximadamente, as emoções e os sentimentos gerados do contato do bebê com a mãe são concentrados no próprio corpo da criança, constituindo esquemas afetivos e globais.

À medida que o corpo infantil se separa do corpo das outras pessoas ("eu" - "outro"), ocorre entre eles trocas que embora não sejam genuinamente sociais, fazem com que a vida afetiva se descentre do bebê e transfira para os outros.

Segundo Wadsworth (1998, p.74)  através da  teoria de Piaget  "o individuo não é um ser social ao nascer, mas torna-se progressivamente social". De um modo geral, todo recém nascido encontra um meio social com o qual interage. Inicialmente, as suas respostas ao meio limitam a reações reflexas e, enquanto tais, não são sociais. Já vimos que durante os dois primeiros meses de vida o bebê começa a fazer diferenciações no meio (como no ato do reflexo de sugar) e a estabelecer intercambio ativos com os pais. 

Alguns teóricos argumentam que existe um "instinto social" herdado, e explica a universalidade do comportamento social. Piaget acredita não ser este o caso, mais acredita que as crianças tornam-se sociais, progressivamente no decorrer dos anos: "o comportamento do bebê é condicionado desde o início por fatores sociais". Piaget entende que o desenvolvimento social age sobre o desenvolvimento cognitivo e afetivo, à medida que a criança estabelece intercâmbios com o meio social. Como o desenvolvimento afetivo não é separado do desenvolvimento cognitivo, o desenvolvimento social não é separado do desenvolvimento cognitivo e afetivo. O conhecimento social é construído pela criança á medida que ela interage com os adultos e com outras crianças. 

Em relação aos sentimentos interindividuais com o domínio da noção do objeto permanente, há uma separação do "eu" corporal em relação ao outro, dando início a um sistema de trocas sociais e afetivas. Essas trocas, porém, não são genuinamente sociais, pois são calcadas, sobretudo, na imitação de gestos.

Portanto, a imitação do ato da mãe de tocar o rosto do bebê gera-lhe prazer e leva a criança a repetir os gestos na própria mãe. Por isso, nesta fase, ocorre mais trocas de ações do que de intenções. Embora tais afetos possam ser evocados juntamente com a imagem da mãe, são pouco duradouros.

Em se tratando dos sentimentos intra-individuais a criança começa a valorizar a si mesma a partir dos sucessos e fracassos de suas próprias ações. Na aprendizagem do ato de andar, por exemplo, experimenta prazer e sucesso e fracassos ao conseguir dar vários passos, sem uma queda. A autovalorização gera maior confiança em si e facilitará o prosseguimento da aprendizagem.

A criança inicia a autodesvalorização ao experimentar impressões desagradáveis, decorrentes dos insucessos ou das quedas. Isto repercutirá no processo de aprendizagem, levando-o a um retardamento.

A regra motora, em seus primórdios, confunde-se com o hábito. Este abrange uma seqüência de ações que, ritualizadas e cristalizadas, conduzem a uma adaptação, como o ato de andar por exemplo.

Para Piaget, citado por Rodrigues (2001, p.37) um hábito se se transforma em regra quando há consciência da regularidade na sucessão das ações, acompanhada do sentimento de obrigatoriedade. Isto  só ocorre quando existe uma oposição, à realização das seqüências de ações e, especialmente quando o individuo sai de si mesmo para conviver com o outro. Em outras palavras, a criança, ao nascer, não é boa nem má do ponto de vista intelectual ou moral, mas é "dona" do seu "destino". 

Segundo Rodrigues (2001, p.24), o bebê só toma conhecimento de um objeto levado à sua boca em função das sensações gustativas ou sinestésicas experimentadas. Também não tem conhecimento das pernas, braços, mãos, como domínio de seu próprio corpo. As mãos chegam a provocar susto ao atingirem ocasionalmente o seu rosto.

Naturalmente, de acordo com o tempo, esses atos assimilativos reflexos sofrerá pequenas alterações.

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-infantil-artigos/as-estruturas-afetivas-e-a-socializacao-4500050.html

    Palavras-chave do artigo:

    afetividade

    ,

    socializacao

    Comentar sobre o artigo

    Berenice Neves Grisoste

    Este artigo relata a relação afetiva entre aluno/professor que é de extrema importância para o desenvolvimento de aprendizagem saudável entre os educandos, e adaptação dos mesmos ao meio físico e social. O desenvolvimento do aluno tem um valor imprescindível para o processo de construção de conhecimentos e da realidade em que ele vive. Percebe-se que o afeto é um grande laço que liga o professor e aluno, é um conjunto onde estão relacionados á autoestima, amor, sentimentos e valores, são essas r

    Por: Berenice Neves Grisostel Educação> Educação Infantill 24/11/2013 lAcessos: 126
    Nathália Alves de Oliveira

    O texto discute conceitos fundamentais para a aplicação da afetividade na escola entre professor-aluno e toda a equipe escolar. Demonstra a compreensão da dimensão afetiva e sua relevância no desenvolvimento do processo ensino-aprendizagem. A primeira parte analisa o processo ensino-aprendizagem como unidade, na qual a relação interpessoal professor-aluno é fator determinante. A segunda identifica o papel do professor na relação de troca com seus alunos de forma que valorize a afetividade ...''

    Por: Nathália Alves de Oliveiral Educação> Educação Infantill 08/02/2012 lAcessos: 2,935

    Existe uma grande divergência quanto à conceituação dos fenômenos afetivos. Podemos observar que na teoria Waloniana a afetividade é o ponto de partida do desenvolvimento do indivíduo. Todo trabalho desenvolvido pelo professor na escola depende de envolvimento afetivo, por parte do trabalhador. Deve ficar claro que depende da afetividade da professora, para que o aprendizado desta criança seja efetivo.

    Por: Eunice Martins de Moura Taiarl Educaçãol 04/05/2009 lAcessos: 50,676 lComentário: 13
    Vanessa dos Santos

    O presente artigo traça uma breve reflexão acerca da questão da afetividade e a construção de valores em sala de aula, observando a importância desse tema para o bom desempenho do educando na vida escolar, já que interfere diretamente no desenvolvimento do aluno.O educador precisa ter muito cuidado com a forma de se relacionar com seus alunos, já que o mesmo também é responsável por auxiliar o desenvolvimento desses seres humanos.

    Por: Vanessa dos Santosl Educaçãol 07/11/2011 lAcessos: 417

    Apresentação do trabalho. O livro Fundamentos Biológicos da Educação, da autora Marta Pires Relvas, demonstra de modo lúdico a plasticidade cerebral, como a capacidade do sistema nervoso pode alterar o sistema motor e que através de estudos baseados em mudanças de ambiente, seja fazendo mudanças em nós mesmos,ou mudando o ambiente,e achando um novo ambiente, podemos nos adaptar, pois o cérebro usa todas essas funções ou seja, inteligência não é um processo mental único, é uma combinação de muito

    Por: Dirce Portol Educação> Educação Onlinel 04/07/2010 lAcessos: 1,830
    Bruno Lima Rocha

    Antes do início da corrida eleitoral deste ano, muito se especulou a respeito de usos e benefícios advindos do ambiente da internet aplicado na política. A perspectiva era – como de costume – sempre superior das reais possibilidades de ampliação do debate e da intervenção do eleitorado através desse meio. Embora não esteja dentre os céticos, longe disso, entendo que o diferencial cognitivo ainda é superior ao aumento de tráfego de dados e velocidade de banda. Diante dessa consideração, faço dois

    Por: Bruno Lima Rochal Notícias & Sociedade> Polítical 10/09/2010 lAcessos: 51

    Este artigo discute e analisa a importância da afetividade para a aquisição da leitura e da escrita e o papel fundamental da paternidade como sendo mais um dos elementos motivadores da procura pelos cursos de EJA.

    Por: Joilson Aleixo da Silval Educaçãol 14/01/2009 lAcessos: 6,635 lComentário: 1
    Antonia Matos

    Este trabalho tem finalidade de fazer uma breve reflexão sobre o papel da escola e da família no processo ensino-aprendizagem, a importância do trabalho conjunto dessas duas instituições tendo objetivos, estratégias e planos de ação conjuntos objetivando o sucesso acadêmico de seus filhos/alunos. Também será analisado o papel do psicopedagogo neste processo.

    Por: Antonia Matosl Educação> Ensino Superiorl 15/10/2012 lAcessos: 1,190

    A presente monografia vem demonstrar que o brinquedo e a brincadeira na pré-escola é de um aspecto muito importante na interação da criança com o adulto, com o outro. E a brincadeira em grupo serve para socializar crianças e a compreensão de regras. Elas aprendem a lidar com os sentimentos, interagir, resolver conflitos e desenvolver a imaginação e criatividade para resolver problemas. E, portanto, contra este pensamento que buscamos e é de fundamental importância que professores tenham conhe.

    Por: João do Rozario Limal Educação> Educação Onlinel 01/06/2008 lAcessos: 126,332 lComentário: 14
    Simone Andrade R. S. Rodrigues

    No cenário educativo, os jogos ajudam a criança no seu desenvolvimento físico, afetivo, intelectual e social, pois, por meio das atividades lúdicas, a criança forma conceitos, reforça habilidades, estabelece relações lógicas, além de desenvolver a expressão oral e corporal.

    Por: Simone Andrade R. S. Rodriguesl Educação> Educação Infantill 27/10/2014
    Simone Andrade R. S. Rodrigues

    Entende-se por racismo no futebol, qualquer prática racista oriunda de xingamentos ou algum tipo de sinal obsceno, praticada em campo durante alguma partida de futebol ou ainda nas arquibancadas, direcionada a algum dos participantes diretos da partida. A rivalidade entre times pode ser uma das explicações, mas alguns casos se tornaram tão polêmicos que atingiram em cheio a mídia e as pessoas pela revolta do ato completamente errôneo.

    Por: Simone Andrade R. S. Rodriguesl Educação> Educação Infantill 26/10/2014
    Simone Andrade R. S. Rodrigues

    Iniciamos esta discussão indagando aos nossos leitores se em algum momento pararam para observar as inúmeras expressões faciais que docentes e educandos protagonizam em sala de aula? Frente a isto nos questionamos: o que aconteceu com nossos alunos? O que houve com a docilidade, amabilidade, respeito, e admiração com a figura docente? Por quais caminhos se dispersaram? E por que não dizer a humanização do ambiente escolar?

    Por: Simone Andrade R. S. Rodriguesl Educação> Educação Infantill 26/10/2014
    edivaldo coelho da silva

    EDUCAÇÃO NAS ESCOLAS SOBRE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CRIANÇAS PARA AS MESMAS AO CHEGAS DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES ESTAREM PREPARADAS PARA AS ADVERSIDADES DOS RISCOS ENCONTRADOS NAS ATIVIDADES LABORAIS A ATUAR COM SEGURANÇA.

    Por: edivaldo coelho da silval Educação> Educação Infantill 26/10/2014 lAcessos: 11
    ELISETE AMADOR PEREIRA

    Nosso artigo de opinião vem tratando do perfil ou papel do Coordenador Pedagógico em nossa escola, na cidade de Alto Araguaia- MT. Percebemos que o papel do Coordenador Pedagógico em nossa escola tem sido diferente do que realmente deve ser, ou seja, o Coordenador Pedagógico tem desempenhado funções alheias às suas, fazendo mais o papel administrativo e burocrático do que o pedagógico. é sobre isso que falaremos aqui, dando nossa opinião.

    Por: ELISETE AMADOR PEREIRAl Educação> Educação Infantill 23/10/2014

    O presente artigo aborda o sistema de ensino de língua portuguesa envolvendo o aluno com dislexia e os professores que atuam na 5º serie, no contexto educacional de nível fundamental II.Visa investigar, as metodologias adotadas em sala nas aulas de língua portuguesa e se são suficientes para proporcionar aulas apropriadas quão grandemente necessárias, para contemplar as especificidades do aluno disléxico, de maneira a assegurar o seu aprendizado.

    Por: Taynara Freitas de Souzal Educação> Educação Infantill 22/10/2014 lAcessos: 15

    As conexões entre brincar, aprender e ensinar são perceptíveis quando o educador consegue conciliar os objetivos pedagógicos com os objetivos dos alunos. Ensinando a aprender contribuindo para o desenvolvimento da subjetividade, para a construção do ser humano autônomo e criativo, preparando para o exercício da cidadania e da vida coletiva incentivando a buscar justiça social e igualdade com o respeito à diferença.

    Por: Rosana Maciel Averl Educação> Educação Infantill 12/10/2014 lAcessos: 39

    Este artigo tem como objetivo apresentar a pesquisa sobre o impacto do programa escola da família na vida de crianças e adolescentes da Escola Vicente Minicucci na cidade de Franca . A pesquisa foi desenvolvida na Escola Estadual Vicente Minicucci, na cidade de Franca - SP. Seguindo os métodos de observação e questionário aplicados aos responsáveis e participantes do programa. Foi possível perceber que esse programa tem sido de suma importância pelo fato de tirar as crianças da rua, lugar

    Por: Leticia Oliveiral Educação> Educação Infantill 06/10/2014 lAcessos: 24
    Glésia Pierera Santos da Cruz

    "As relações entre quem ensina e quem aprende repercutem sempre na aprendizagem". Bruner, 1969.

    Por: Glésia Pierera Santos da Cruzl Educação> Educação Onlinel 29/03/2011 lAcessos: 149
    Glésia Pierera Santos da Cruz

    A arte-educação propicia o desenvolvimento do pensamento artístico e da percepção estética, que caracterizam um modo próprio de ordenar e dar sentido à experiência humana.

    Por: Glésia Pierera Santos da Cruzl Educação> Ensino Superiorl 29/03/2011 lAcessos: 1,057
    Glésia Pierera Santos da Cruz

    Algumas considerações que retratam a importância da escola respeitar, valorizar e inserir em seu curriculo as contribuições emergidas do saber popular. A "Cultura popular e a escolarização", valoriza a cultura da comunidade, conduzindo-a a escola na perspectiva de resgatar o saber popular e suas contribuições para a preservação da memória de um povo.

    Por: Glésia Pierera Santos da Cruzl Educação> Ciêncial 29/03/2011 lAcessos: 240
    Glésia Pierera Santos da Cruz

    É graça divina começar bem as coisas. Graça maior é persistir no caminho certo. Mas, a graça das graças é não desistir." (D. Helder Câmara)

    Por: Glésia Pierera Santos da Cruzl Educação> Educação Infantill 29/03/2011 lAcessos: 394
    Glésia Pierera Santos da Cruz

    O talento da criança é como o ouro puro ou diamante bruto escondidos nos veios de uma mina. Á medida que se desenterra esse talento inato, manifesta-se a individualidade de cada filho.

    Por: Glésia Pierera Santos da Cruzl Educação> Educação Infantill 14/02/2011 lAcessos: 169
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast