Brincadeiras De Criança

Publicado em: 08/01/2009 |Comentário: 17 | Acessos: 76,428 |

Observando o comportamento das crianças no cotidiano, percebe-se que elas, na era da informatização, passam cada dia mais tempo na frente de um computador, de uma televisão ou se entretendo com brinquedos eletrônicos. Fazendo com que brinquem menos e socializem-se menos com outras crianças. Com isso a criança perdeu o hábito saudável de brincar outras brincadeiras, até mesmo de ver o mundo além da janela. Sendo assim, surge a idéia de uma prática de mudanças no brincar.


Resgatando as brincadeiras antigas:


Propor às crianças um jeito diferente de brincar, resgatando, conhecendo e valorizando brincadeiras infantis antigas possibilitando momentos que desenvolvam suas habilidades cognitivas, seu potencial de reflexão e de construção do conhecimento, pois é com o lúdico que ela experimenta a vida, resolve problemas e desenvolve a sua socialização atitudinal própria e coletiva.


BRINCADIRAS:


Corrida da centopéia:


-Dado o sinal pra começar, todas as equipes deve devem estar formadas, por exemplos, em grupos de 5 crianças.
-Cada equipe deve formar uma “fila” (um atrás do outro), estando cada criança com a mão na cintura do colega da frente.
-Deve ir em direção á linha de chegada sem ser desfeita a fila.
-Caso a corrente se rompa (se uma se uma das crianças soltar o colega da frente), a equipe deve voltar ao lugar de partida e recomeçar o trajeto.
-vencerá a equipe que chegar primeiro a linha de chegada sem romper a fila.


 Corrida de jornal:


Cada criança deve estar com duas folhas de jornal nas mãos.
-Ao sinal de inicio, devem colocar no chão, á sua frente, uma das folhas de jornal, pisar sobre ela.
Depois colocar a outra, dar um passo à frente pisando sobre ela, e apanhar a que ficou atrás, para tornar a colocá-la no chão à sua frente e pisar sobre ela e apanhar a que ficou atrás.
-Farão a troca de jornal ate atingir a chegada.
-Vencerá quem chegar primeiro sem rasgar o jornal.


Corrida de bonde:


Providencie algumas cadeiras e arrume-as assim:
a) Coloque-as uma ao  lado da outra formando a primeira fila;
b) Forme a segunda fileira de cadeira (uma ao lado da outra) de frente para a primeira fileira.
c) Deixe um espaço de 2 ou 3 metros entre as duas fileiras.
- Deve haver uma cadeira a menos a menos que o numero de participantes.
- Cada criança deve sentar-se numa cadeira, com exceção de uma que permanece em pé no espaço entre as duas fileiras.
- A criança que ficar em pé deve contar uma história, e no meio da história deve gritar: ”Olha o bonde!” Quando esta frase for pronunciada, as crianças que estão sentadas trocam de lugar, mudando de uma fileira para outra.
- A criança que estava em pé  também deve correr para tentar se sentar.
- Quem ficar em pé deve continuar a história da criança anterior ou contar outra.
- Para haver um vencedor, é necessário retirar uma cadeira a cada troca...


Corrida da latinha:


Providencie várias latinhas de extrato de tomate pequenas (dessas que vem com a tampinha, pois as outras, em que é preciso usar o abridor, podem causar cortes nas mãos das crianças!)
- Divida a turma em dois (ou mais grupos)
- Os participantes de ambos os grupos devem formar duas filas (uma fila em cada grupo)
- Dado o sinal de partida, um integrante de cada grupo deve colocar uma latinha na palma da mão (sem segurá-la) e caminhar até um determinado lugar e voltar sem derrubar a latinha. Se a latinha cair ele deve recomeçar o trajeto, porém com duas latinhas. O seguinte com três e assim por diante.
- Vencerá a equipe que fizer a tarefa primeira, sem derrubar as latinhas!


Imitando os animais:


Todas as crianças podem está em pé ou sentadas, formando um círculo.
- Dizer no ouvido de cada um o nome de um animal, e a um sinal dado todos deverão imitar o grito do animal soprado no ouvido.
- A seguir, dizer novamente no ouvido de cada criança o nome de outro animal. (na verdade, dizer no ouvido de cada um para ficar quieto, menos no ouvido de uma das crianças. Talvez a mais esportiva ou gaiata, pedir para imitar um galo ou um bode)
- Uma vez que tiver passado a falar no ouvido de todos, pedir que cada qual imite com toda força o grito do animal soprado no ouvido.
- O resultado será bem divertido, pois todos ficarão calados e somente um imitará o animal.




Telefone sem fio:



O grupo deve formar uma roda e escolher o iniciante, aquele que vai falar a


frase (ou uma noticia, uma informação) ao primeiro da roda.
Cada um deve falar no ouvido do outro a mensagem recebida. No final, o ultimo comunica ao grupo a mensagem e todos podem comprovar que: “Quem conta um conto, aumenta um ponto.”
Comente isso com seu educador e seus colegas:
O telefone sem fio é uma brincadeira muito engraçada que, além de divertir, nos ensina que, muitas vezes, perdemos nosso tempo com fofocas desnecessárias, que não acrescentam nada; pelo contrário, só diminuem o valor que temos como cidadãos.


Passa anel:


O grupo deve está sentado em círculo.
Um participante será o passador, que terá nas mãos um anel ou um objeto pequeno qualquer.
O passador vai passando de mão em mão até deixar o anel com um dos participantes. Todos os demais participantes ficarão com as mãos juntas e não abrirão até que se identifique com quem está o anel.
Depois de ter passado em todas as mãos, ele pergunta: - com quem está o anel? E todos, sem abrirem as mãos, devem tentar descobrir, “inclusive, aquele que estiver com o anel”, para tentar confundir os companheiros.
Quem descobrir será o próximo passador.


Prova de fogo:


Regras:
Cada participante deverá cumprir a prova de fogo no menor tempo possível.
Os melhores das equipes ficarão para a final.
O educador deverá marcar o tempo e orientar os grupos.
O grupo todo participará da seqüência das atividades. Em primeiro lugar dividi-se o grupo em duas ou mais equipes (dependendo do número de participantes)
Como será a prova?
A prova consiste em passar por quatro tipos diferentes de obstáculos no menor tempo possível.
Você vai precisar de: um colchão (tatame), um banco, cinco bambolês, cinco obstáculos (cones, latas...)
- Virar uma cambalhota no colchão.
- Contornar obstáculos em ziguezague.
- Passar pelos bambolês saltando com um pé de cada vez.
- Passar sobre o banco sem cair.
O vencedor será conhecido após a disputa entre os melhores das equipes.
Quem fizer o menor tempo será o vencedor.


Vira latas:


O ideal é organizar as latas num local que mais alto da cintura da criança (mureta, mesa ou até cadeira).
Organize as latas em cima da mesa, formando uma pirâmide.
O grupo deve combinar a distancia a ser respeitada para jogar (mais ou menos 5 metros) e marcar o chão para que ninguém ultrapasse.
Cada participante arremessa a bola procurando derrubar todas as latas.
Quem arremessa deve deixar as latas arrumadas para o próximo companheiro.
Ganha quem conseguir derrubar todas as latas com o menor numera de arremessos.


Bamboleando:


O grupo deverá estar bem dividido pelo ambiente. (brincar com bambolê exige espaço.) a dica é começar pelos movimentos mais fáceis:
- Comece girando o bambolê em torno do braço.
- Gire em torno do pescoço.
- Gire em torno da perna esquerda e depois da perna direita.
- Agora, tente mantê-lo rodando em volta da cintura!
- Vamos ver quem consegue ficar mais tempo bamboleando?


Coelhinho na toca:


O grupo é dividido em subgrupos de três para brincar. Um participante deve sobrar.
Desenham-se cinco círculos no chão. Em cada circulo (toca) devem três participantes.
Dois fazem a toca e um é o coelhinho.
Quando estiverem nas tocas e preparados dizem juntos:
- Coelhinho na toca 1, 2, 3...!
Imediatamente todos os coelhinhos que estiverem dentro da toca devem sair e “trocar de toca”.
Nessa movimentação, “o coelhinho que estava sobrando” deve tentar encontrar uma toca. Assim que um coelhinho entrar as mãos são abaixadas indicando que não pode entrar outro coelhinho.
A brincadeira recomeça e novamente o coelhinho que sobrou deve tentar encontrar sua toca.


Tatu quer sair:


O grupo faz uma Roda. Todos de maus dadas.
Um grupo participante será o tatu e ficara no centro da roda. O objetivo do tatu é sair de qualquer jeito.
Ele deve tentar romper as mãos dadas e ganhar a liberdade. A cada tentativa, segurar firme as mãos, para impedir a saída do tatu.
Antes de forçar, o grupo pergunta:
-Tatu quer sair?
-Quero!
-Tenho chave para abrir?
-Tenho... (a chave é imaginária)
Depois de três tentativas ele força a saída. Quem deixá-lo sair fica em seu lugar.



Observando o comportamento das crianças no cotidiano, percebe-se que elas, na era da informatização, passam cada dia mais tempo na frente de um computador, de uma televisão ou se entretendo com brinquedos eletrônicos. Fazendo com que brinquem menos e socializem-se menos com outras crianças. Com isso a criança perdeu o hábito saudável de brincar outras brincadeiras, até mesmo de ver o mundo além da janela. Sendo assim, surge a idéia de uma prática de mudanças no brincar.


Resgatando as brincadeiras antigas:


Propor às crianças um jeito diferente de brincar, resgatando, conhecendo e valorizando brincadeiras infantis antigas possibilitando momentos que desenvolvam suas habilidades cognitivas, seu potencial de reflexão e de construção do conhecimento, pois é com o lúdico que ela experimenta a vida, resolve problemas e desenvolve a sua socialização atitudinal própria e coletiva.


BRINCADIRAS:


Corrida da centopéia:


-Dado o sinal pra começar, todas as equipes deve devem estar formadas, por exemplos, em grupos de 5 crianças.
-Cada equipe deve formar uma “fila” (um atrás do outro), estando cada criança com a mão na cintura do colega da frente.
-Deve ir em direção á linha de chegada sem ser desfeita a fila.
-Caso a corrente se rompa (se uma se uma das crianças soltar o colega da frente), a equipe deve voltar ao lugar de partida e recomeçar o trajeto.
-vencerá a equipe que chegar primeiro a linha de chegada sem romper a fila.


 Corrida de jornal:


Cada criança deve estar com duas folhas de jornal nas mãos.
-Ao sinal de inicio, devem colocar no chão, á sua frente, uma das folhas de jornal, pisar sobre ela.
Depois colocar a outra, dar um passo à frente pisando sobre ela, e apanhar a que ficou atrás, para tornar a colocá-la no chão à sua frente e pisar sobre ela e apanhar a que ficou atrás.
-Farão a troca de jornal ate atingir a chegada.
-Vencerá quem chegar primeiro sem rasgar o jornal.


Corrida de bonde:


Providencie algumas cadeiras e arrume-as assim:
a) Coloque-as uma ao  lado da outra formando a primeira fila;
b) Forme a segunda fileira de cadeira (uma ao lado da outra) de frente para a primeira fileira.
c) Deixe um espaço de 2 ou 3 metros entre as duas fileiras.
- Deve haver uma cadeira a menos a menos que o numero de participantes.
- Cada criança deve sentar-se numa cadeira, com exceção de uma que permanece em pé no espaço entre as duas fileiras.
- A criança que ficar em pé deve contar uma história, e no meio da história deve gritar: ”Olha o bonde!” Quando esta frase for pronunciada, as crianças que estão sentadas trocam de lugar, mudando de uma fileira para outra.
- A criança que estava em pé  também deve correr para tentar se sentar.
- Quem ficar em pé deve continuar a história da criança anterior ou contar outra.
- Para haver um vencedor, é necessário retirar uma cadeira a cada troca...


Corrida da latinha:


Providencie várias latinhas de extrato de tomate pequenas (dessas que vem com a tampinha, pois as outras, em que é preciso usar o abridor, podem causar cortes nas mãos das crianças!)
- Divida a turma em dois (ou mais grupos)
- Os participantes de ambos os grupos devem formar duas filas (uma fila em cada grupo)
- Dado o sinal de partida, um integrante de cada grupo deve colocar uma latinha na palma da mão (sem segurá-la) e caminhar até um determinado lugar e voltar sem derrubar a latinha. Se a latinha cair ele deve recomeçar o trajeto, porém com duas latinhas. O seguinte com três e assim por diante.
- Vencerá a equipe que fizer a tarefa primeira, sem derrubar as latinhas!


Imitando os animais:


Todas as crianças podem está em pé ou sentadas, formando um círculo.
- Dizer no ouvido de cada um o nome de um animal, e a um sinal dado todos deverão imitar o grito do animal soprado no ouvido.
- A seguir, dizer novamente no ouvido de cada criança o nome de outro animal. (na verdade, dizer no ouvido de cada um para ficar quieto, menos no ouvido de uma das crianças. Talvez a mais esportiva ou gaiata, pedir para imitar um galo ou um bode)
- Uma vez que tiver passado a falar no ouvido de todos, pedir que cada qual imite com toda força o grito do animal soprado no ouvido.
- O resultado será bem divertido, pois todos ficarão calados e somente um imitará o animal.




Telefone sem fio:



O grupo deve formar uma roda e escolher o iniciante, aquele que vai falar a


frase (ou uma noticia, uma informação) ao primeiro da roda.
Cada um deve falar no ouvido do outro a mensagem recebida. No final, o ultimo comunica ao grupo a mensagem e todos podem comprovar que: “Quem conta um conto, aumenta um ponto.”
Comente isso com seu educador e seus colegas:
O telefone sem fio é uma brincadeira muito engraçada que, além de divertir, nos ensina que, muitas vezes, perdemos nosso tempo com fofocas desnecessárias, que não acrescentam nada; pelo contrário, só diminuem o valor que temos como cidadãos.


Passa anel:


O grupo deve está sentado em círculo.
Um participante será o passador, que terá nas mãos um anel ou um objeto pequeno qualquer.
O passador vai passando de mão em mão até deixar o anel com um dos participantes. Todos os demais participantes ficarão com as mãos juntas e não abrirão até que se identifique com quem está o anel.
Depois de ter passado em todas as mãos, ele pergunta: - com quem está o anel? E todos, sem abrirem as mãos, devem tentar descobrir, “inclusive, aquele que estiver com o anel”, para tentar confundir os companheiros.
Quem descobrir será o próximo passador.


Prova de fogo:


Regras:
Cada participante deverá cumprir a prova de fogo no menor tempo possível.
Os melhores das equipes ficarão para a final.
O educador deverá marcar o tempo e orientar os grupos.
O grupo todo participará da seqüência das atividades. Em primeiro lugar dividi-se o grupo em duas ou mais equipes (dependendo do número de participantes)
Como será a prova?
A prova consiste em passar por quatro tipos diferentes de obstáculos no menor tempo possível.
Você vai precisar de: um colchão (tatame), um banco, cinco bambolês, cinco obstáculos (cones, latas...)
- Virar uma cambalhota no colchão.
- Contornar obstáculos em ziguezague.
- Passar pelos bambolês saltando com um pé de cada vez.
- Passar sobre o banco sem cair.
O vencedor será conhecido após a disputa entre os melhores das equipes.
Quem fizer o menor tempo será o vencedor.


Vira latas:


O ideal é organizar as latas num local que mais alto da cintura da criança (mureta, mesa ou até cadeira).
Organize as latas em cima da mesa, formando uma pirâmide.
O grupo deve combinar a distancia a ser respeitada para jogar (mais ou menos 5 metros) e marcar o chão para que ninguém ultrapasse.
Cada participante arremessa a bola procurando derrubar todas as latas.
Quem arremessa deve deixar as latas arrumadas para o próximo companheiro.
Ganha quem conseguir derrubar todas as latas com o menor numera de arremessos.


Bamboleando:


O grupo deverá estar bem dividido pelo ambiente. (brincar com bambolê exige espaço.) a dica é começar pelos movimentos mais fáceis:
- Comece girando o bambolê em torno do braço.
- Gire em torno do pescoço.
- Gire em torno da perna esquerda e depois da perna direita.
- Agora, tente mantê-lo rodando em volta da cintura!
- Vamos ver quem consegue ficar mais tempo bamboleando?


Coelhinho na toca:


O grupo é dividido em subgrupos de três para brincar. Um participante deve sobrar.
Desenham-se cinco círculos no chão. Em cada circulo (toca) devem três participantes.
Dois fazem a toca e um é o coelhinho.
Quando estiverem nas tocas e preparados dizem juntos:
- Coelhinho na toca 1, 2, 3...!
Imediatamente todos os coelhinhos que estiverem dentro da toca devem sair e “trocar de toca”.
Nessa movimentação, “o coelhinho que estava sobrando” deve tentar encontrar uma toca. Assim que um coelhinho entrar as mãos são abaixadas indicando que não pode entrar outro coelhinho.
A brincadeira recomeça e novamente o coelhinho que sobrou deve tentar encontrar sua toca.


Tatu quer sair:


O grupo faz uma Roda. Todos de maus dadas.
Um grupo participante será o tatu e ficara no centro da roda. O objetivo do tatu é sair de qualquer jeito.
Ele deve tentar romper as mãos dadas e ganhar a liberdade. A cada tentativa, segurar firme as mãos, para impedir a saída do tatu.
Antes de forçar, o grupo pergunta:
-Tatu quer sair?
-Quero!
-Tenho chave para abrir?
-Tenho... (a chave é imaginária)
Depois de três tentativas ele força a saída. Quem deixá-lo sair fica em seu lugar.




Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 17 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-infantil-artigos/brincadeiras-de-crianca-716012.html

    Palavras-chave do artigo:

    resgatando brincadeiras antigas

    Comentar sobre o artigo

    A presente monografia vem demonstrar que o brinquedo e a brincadeira na pré-escola é de um aspecto muito importante na interação da criança com o adulto, com o outro. E a brincadeira em grupo serve para socializar crianças e a compreensão de regras. Elas aprendem a lidar com os sentimentos, interagir, resolver conflitos e desenvolver a imaginação e criatividade para resolver problemas. E, portanto, contra este pensamento que buscamos e é de fundamental importância que professores tenham conhe.

    Por: João do Rozario Limal Educação> Educação Onlinel 01/06/2008 lAcessos: 126,333 lComentário: 14
    Rosilene Coimbra Costa Pinto

    É notória a crise pela qual a educação vem passando nos dias atuais: professores descontentes, alunos desmotivados, pais preocupados. No entanto, acredita-se que para uma possível melhora deste quadro se faz necessário, além da formação contínua dos professores, a introdução da ludicidade como subsídio no processo de construção do conhecimento cognitivo, físico, social e psicomotor, desenvolvendo nos educandos o prazer ao construir o próprio aprendizado de forma mais atraente e estimuladora.

    Por: Rosilene Coimbra Costa Pintol Educação> Educação Infantill 02/03/2012 lAcessos: 4,468
    João Beauclair

    Escrever este artigo, "para chegar aos olhos, ouvidos e coração dos professores, educadores, psicopedagogos," enfim, sujeitos em interação com a aprendizagem humana foi um desafio aceito por ser esta uma das missões que buscamos realizar. Cabe-nos, à medida que nos posicionamos no ato de caminhar, e seguir caminhando depois de já ter percorridos alguns percursos, autorizarmo-nos ao sentipensar probabilidades e (im)possibilidades de sistematização de uma Didática do Assombro.

    Por: João Beauclairl Educação> Ensino Superiorl 25/07/2012 lAcessos: 154
    Simone Andrade R. S. Rodrigues

    No cenário educativo, os jogos ajudam a criança no seu desenvolvimento físico, afetivo, intelectual e social, pois, por meio das atividades lúdicas, a criança forma conceitos, reforça habilidades, estabelece relações lógicas, além de desenvolver a expressão oral e corporal.

    Por: Simone Andrade R. S. Rodriguesl Educação> Educação Infantill 27/10/2014
    Simone Andrade R. S. Rodrigues

    Entende-se por racismo no futebol, qualquer prática racista oriunda de xingamentos ou algum tipo de sinal obsceno, praticada em campo durante alguma partida de futebol ou ainda nas arquibancadas, direcionada a algum dos participantes diretos da partida. A rivalidade entre times pode ser uma das explicações, mas alguns casos se tornaram tão polêmicos que atingiram em cheio a mídia e as pessoas pela revolta do ato completamente errôneo.

    Por: Simone Andrade R. S. Rodriguesl Educação> Educação Infantill 26/10/2014
    Simone Andrade R. S. Rodrigues

    Iniciamos esta discussão indagando aos nossos leitores se em algum momento pararam para observar as inúmeras expressões faciais que docentes e educandos protagonizam em sala de aula? Frente a isto nos questionamos: o que aconteceu com nossos alunos? O que houve com a docilidade, amabilidade, respeito, e admiração com a figura docente? Por quais caminhos se dispersaram? E por que não dizer a humanização do ambiente escolar?

    Por: Simone Andrade R. S. Rodriguesl Educação> Educação Infantill 26/10/2014
    edivaldo coelho da silva

    EDUCAÇÃO NAS ESCOLAS SOBRE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CRIANÇAS PARA AS MESMAS AO CHEGAS DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES ESTAREM PREPARADAS PARA AS ADVERSIDADES DOS RISCOS ENCONTRADOS NAS ATIVIDADES LABORAIS A ATUAR COM SEGURANÇA.

    Por: edivaldo coelho da silval Educação> Educação Infantill 26/10/2014 lAcessos: 11
    ELISETE AMADOR PEREIRA

    Nosso artigo de opinião vem tratando do perfil ou papel do Coordenador Pedagógico em nossa escola, na cidade de Alto Araguaia- MT. Percebemos que o papel do Coordenador Pedagógico em nossa escola tem sido diferente do que realmente deve ser, ou seja, o Coordenador Pedagógico tem desempenhado funções alheias às suas, fazendo mais o papel administrativo e burocrático do que o pedagógico. é sobre isso que falaremos aqui, dando nossa opinião.

    Por: ELISETE AMADOR PEREIRAl Educação> Educação Infantill 23/10/2014

    O presente artigo aborda o sistema de ensino de língua portuguesa envolvendo o aluno com dislexia e os professores que atuam na 5º serie, no contexto educacional de nível fundamental II.Visa investigar, as metodologias adotadas em sala nas aulas de língua portuguesa e se são suficientes para proporcionar aulas apropriadas quão grandemente necessárias, para contemplar as especificidades do aluno disléxico, de maneira a assegurar o seu aprendizado.

    Por: Taynara Freitas de Souzal Educação> Educação Infantill 22/10/2014 lAcessos: 15

    As conexões entre brincar, aprender e ensinar são perceptíveis quando o educador consegue conciliar os objetivos pedagógicos com os objetivos dos alunos. Ensinando a aprender contribuindo para o desenvolvimento da subjetividade, para a construção do ser humano autônomo e criativo, preparando para o exercício da cidadania e da vida coletiva incentivando a buscar justiça social e igualdade com o respeito à diferença.

    Por: Rosana Maciel Averl Educação> Educação Infantill 12/10/2014 lAcessos: 39

    Este artigo tem como objetivo apresentar a pesquisa sobre o impacto do programa escola da família na vida de crianças e adolescentes da Escola Vicente Minicucci na cidade de Franca . A pesquisa foi desenvolvida na Escola Estadual Vicente Minicucci, na cidade de Franca - SP. Seguindo os métodos de observação e questionário aplicados aos responsáveis e participantes do programa. Foi possível perceber que esse programa tem sido de suma importância pelo fato de tirar as crianças da rua, lugar

    Por: Leticia Oliveiral Educação> Educação Infantill 06/10/2014 lAcessos: 24

    Comments on this article

    -1
    Edna Rodrigues 25/10/2011
    Bom dia
    Amei, pois estou trabalhando Brincadeiras do Ler e Escrever que tem poucas atividades.
    Obrigada, pois disto que o educador precisa. Brincar, brincar e brincar para nos tornarmos crianças para crianças. Parabéns.
    -1
    Adriana Viana 05/08/2011
    Adorei as atividades.
    -1
    Gabriela 10/06/2011
    É muito bom ver que ainda existem pessoas que se importam em resgatar as brincadeiras antigas ! Elas também fazem parte da nossa história!
    PARABÉNS ...
    -1
    Rafella Donati Macena 07/06/2011
    Achei legal me ajudou um pouco,acho que poderia ter mais brincadeirs de bambolês
    0
    Zildete Mendonça 07/04/2011
    Amei! Obrigada por repartir conosco.
    0
    Ana Paula de Alvarenga 25/03/2011
    oi bom dia eu gostaria de saber onde surgiu algumas brincadeiras como o coelhinho sai da toca bjos
    0
    eliane 16/02/2011
    Boa noite,muito bom lembrar da minha infância.Estava eu aqui pesquisando sobre algumas brincadeiras e lembrei de como era feliz quando brincava com minhas amiguinhas.
    Abraços e parabéns pelo trabalho de resgate dessas bricadeiras...
    3
    jackeline 06/02/2011
    Parabéns...as brincadeirs são bem divertidas e muito bem elaboradas....
    Quem deras se as crianças de hoje tivessem mais apresso pelas brincadeiras antigas.
    Mas quem sabe possamos resgatar essa infaincias e mostrar a elas que podem sim se divertir sem precisar de um computador,um videogame,etc..
    2
    Lucimara c2 Gustavo{AmooO eleeE!♥ 23/11/2010
    muito bom ameii amei amei
    gosteii me ajudouu muitoo
    parabéens professora.
    ♥♥♥♥
    1
    gabryela 17/10/2010
    gostei muito desse sait preciso de mais brincadeiras urgente.
    1
    Sueli 10/10/2010
    Amei este artigo! São brincadeiras realmente saudáveis, até nós adultos podemos encarar algumas para relembrar os tempos de criança ( que aliás eram bem mais aproveitados ). Se possível, gostaria que me enviasse as brincadeiras por email: sueli.fsn@hotmail.com
    Obrigada!
    -2
    nao interessa 05/10/2010
    nao sao tao legais!!!ou melhor sao pessimos sao orriveis,sao a pior coisa do mundo!!nao gostei e nunca vou gostar!!!querem reclamar?meu email é :sasuke@hotmail.com
    0
    igor 20/09/2010
    suado muito suado (*-* )
    1
    lorranny carla pereira gomes 06/06/2010
    esse tipo de bricadeira é bom pra quem gosta mesmo de brincar!!
    É bom pra apreder mais das brincadeiras antigas para que as crianças se
    se envolver-se mais .....
    2
    eduardo 03/03/2010
    eu adorei todas as brincadeiras elas sao muito legais
    2
    Isabel 26/10/2009
    Olá boa noite tdo ok??Olha gostei muito das brincadeiras..Poderia por favor me enviar no meu email...profbela2009@hotmail.com
    0
    carlos alberto pereira lima 30/01/2009
    Parabéns professora claumiranda, nos dias atuais e de suma importancia abordar temas que nos leva a uma reflexição do que poderia ser mais saudáveis aos nossos filhos e sem duvida nenhuma repensar as brincadeiras, nos preucupar quanto tempo os nossos filhos ficam diante de jogos eletrônicos e outros mais.Pois na atualidade é so internet e jogos eletronico as crinças ficam confinadas dentro de casa.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast