BRINCADEIRAS E JOGOS NO PARQUE

Publicado em: 12/05/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 7,895 |

Os espaços do parque sempre existiam nas instituições de educação infantil, mas suas funções e objetivos têm conotações diferentes em função da evolução das propostas pedagógicas e do lugar que a brincadeira ocupa no desenvolvimento da criança. Durante muito tempo, a brincadeira no parque esteve associada à necessidade da criança de extravasar energias contidas na sala de aula ou desencadear do trabalho pedagógico. A utilização do espaço externo acontecia à margem do processo educacional, por isso não exigia um planejamento de ações, mas apenas o controle da segurança e da disciplina.

Entendemos que a brincadeira é um componente socialmente construído, que ajuda a criança a entender a si mesma e ao universo cultural em que está inserida, podendo se mais ou menos rica em função dos materiais, tempo, espaço e parceiros de que dispõe. Este novo olhar sobre o brincar mostra a importância de planejarmos ambientes lúdicos adequados às necessidades e interesses da criança.

Analisar e planejar intervenções no uso dos equipamentos, pisos, volumes, elementos naturais e brinquedos do parque possibilitam que a estruturação do ambiente esteja conectada aos objetivos gerais da instituição e dos diferentes eixos de trabalho da educação infantil. Para tanto o ideal é que o planejamento do parque envolva tomadas de decisões tendo em vista diferentes caminhos. Este processo pode ser facilitado quando seguimos alguns passos:

1. Definição de metas e objetivos

 

  • Relacionar os objetivos gerais da instituição às atividades exercidas no parque;
  • Definir as possibilidades de brincadeiras, projeto e seqüências de atividades ao longo do ano.

 

2. Avaliação qualitativa do espaço

 

  • Observar os brinquedos, suas formas, cores e texturas, sons e cores, tipos de piso, relevos e elementos naturais; pesquisar locais de iluminação e sombra;
  • Levantar problemas: locais em que as crianças se machucam, dificuldades do professor, existência de conflitos entre as crianças;
  • Verificar se existem cantos estruturados com diferentes atividades conforme o interesse das crianças: brincadeiras de faz-de-conta, jogos tradicionais, brincadeiras com materiais.

 

3. Observação o uso do espaço pelas crianças

 

  • Listar as brincadeiras mais presentes, observar se há estímulos para as brincadeiras de faz-de-conta e para a ampliação do repertório de movimentos e brincadeiras;
  • Verificar se os materiais de manipulação, como brinquedos tradicionais, caixas de papelão ou de plástico, tecidos, fantasias etc, que permitem a construção de ambientes e brincadeiras pelas próprias crianças, estão realmente acessíveis a elas e sejam seguros e ao mesmo tempo desafiadores;
  • Observar a variedade de movimentos, individualmente ou em cooperação, proporcionados pela organização do espaço.

 

4. Definição de horários, grupos e momentos da rotina.

 

  • Decidir se vai uma para o parque uma classe por vez, duas ou mais; decidir como será a composição do gruo que vai brincar, todos da mesma idade ou de várias idades;
  • Pensar em quanto tempo para cada grupo e em que momentos da rotina.

 

5. Seleção de materiais e formas de utilização

 

  • Pesquisar, adquirir e/ou confeccionar materiais estruturadores de ambientes (tecidos, pneus, redes de balanças, cordas...), brinquedos tradicionais (pião, bolinha de gude, corda, sapato de lata, vai e vem, pipa, bola, bambolês, giz para desenha...) e materiais de faz-de-conta (brinquedos de areis, elementos para casinha, fantasias, espadas de jornal...);
  • Definir modos de organização e ofertas de materiais;
  • Pensar em formas de conexão entre os elementos industriais (equipamentos) e os elementos da natureza (árvores, aclives e declives), criando vínculos entre os espaços, a criança e a brincadeira.

 

6. Definição de regras e atitudes do professor

 

  • O professor deve saber como intervir em situações de conflito ou de perigo e, ainda, como sugerir desafios e brincadeiras;
  • Além disso, o adulto que acompanha as crianças no parque também deve dividir com as crianças as responsabilidades em relação à oferta de materiais.

 

Exercícios de planejamento: Transformando um parque tradicional em um espaço repleto de estímulos para brincadeiras tradicionais e de faz-de-conta, desafios de movimento e descobertas sensoriais.

 

Labirinto de tiras:

O labirinto é um recurso interessante para a construção de relações espaciais. Neste exemplo, a trama integrada ao trepa-trepa surpreende a criança criando caminhos mais sinuosos que no brinquedo tradicional. Pode ser instalado nas árvores, através de amarrações simples ou a ganchos e argolas fixadas no piso ou na parede.

Brincadeiras tradicionais com regras:

Acontecem, geralmente, nos espaços abertos. É interessante observar o repertório que as crianças apresentam, procurando enriquece-los através da intervenção direta: relembrando regras, ajudando a resolver conflitos, chamando a atenção para estratégias que determinadas crianças adotam ou oferecendo materiais.

Para saber mais:

  • A Cidade e a Criança. Mayumi W. de Souza Lima. Ed. Nobel, São Paulo, 1989.
  • A Arte Lúdica. Elvira Almeida. EDUSP, São Paulo, 1997.
  • Espaços Lúdicos ao ar livre na Educação Infantil. Isabel Porto Filgueiras. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Educação da USP, 1998.
  • E Espaço do Brincar. Adriana Freyberger. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP, 2000.

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 3 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-infantil-artigos/brincadeiras-e-jogos-no-parque-2358279.html

    Palavras-chave do artigo:

    brincadeiras e criancas

    Comentar sobre o artigo

    A presente monografia vem demonstrar que o brinquedo e a brincadeira na pré-escola é de um aspecto muito importante na interação da criança com o adulto, com o outro. E a brincadeira em grupo serve para socializar crianças e a compreensão de regras. Elas aprendem a lidar com os sentimentos, interagir, resolver conflitos e desenvolver a imaginação e criatividade para resolver problemas. E, portanto, contra este pensamento que buscamos e é de fundamental importância que professores tenham conhe.

    Por: João do Rozario Limal Educação> Educação Onlinel 01/06/2008 lAcessos: 126,580 lComentário: 14

    Brincar é fundamental para as crianças. Portanto, entreter o seu filho com brincadeiras saudáveis e jogos educativos também é essencial. Veja aqui algumas dicas de como estimular as brincadeiras de seus filhos e tornar o aprendizado algo mais divertido e prazeroso.

    Por: Beatriz Gonzalesl Relacionamentosl 10/09/2009 lAcessos: 6,350
    Fabiana Saturnino da Silva

    O presente trabalho é uma pesquisa que tem como objeto de estudo o brincar no desenvolvimento infantil. A pesquisa aborda o papel do brincar na Educação Infantil, uma vez que os jogos e as brincadeiras são excelentes oportunidades de mediação entre o prazer e o conhecimento historicamente construído.

    Por: Fabiana Saturnino da Silval Educação> Educação Infantill 16/02/2015 lAcessos: 17

    É inegável a influência do brincar no desenvolvimento infantil. Esta influência pode ser constatada nas inúmeras produções teóricas que tratam do tema em foco, sejam elas direcionadas para a área da educação de modo geral ou da educação infantil em particular, contribuindo assim para que os profissionais "envolvidos" com a educação da criança possam desenvolver uma ação adequada em relação a esta etapa de ensino.

    Por: LUCINETE ARAGÃO MASCARENHASl Educação> Educação Infantill 17/02/2015 lAcessos: 27

    Brincadeira de criança… Como é bom, como é bom… Quem nunca viu aquele antigo filme em que o menino "pilotava" Helicópteros de brinquedo e ficava voando por ai… Ou melhor, quem nunca quis um desses?

    Por: Ricardo Prates Moraisl Internet> Comércio Eletrônicol 18/03/2011 lAcessos: 130

    Observando o comportamento das crianças no cotidiano, percebe-se que elas, na era da informatização, passam cada dia mais tempo na frente de um computador, de uma televisão ou se entretendo com brinquedos eletrônicos. Fazendo com que brinquem menos e socializem-se menos com outras crianças. Com isso a criança perdeu o hábito saudável de brincar outras brincadeiras, até mesmo de ver o mundo além da janela. Sendo assim, surge a idéia de uma prática de mudanças no brincar. Resgatando as brincadeiras antigas: Propor às crianças um jeito diferente de brincar, resgatando, conhecendo e valorizando brincadeiras infantis antigas possibilitando momentos que desenvolvam suas habilidades cognitivas, seu potencial de reflexão e de construção do conhecimento, pois é com o lúdico que ela experimenta a vida, resolve problemas e desenvolve a sua socialização atitudinal própria e coletiva.

    Por: claumiranda batista limal Educação> Educação Infantill 08/01/2009 lAcessos: 76,609 lComentário: 17

    Piscina é algo que todos gostam, inclusive os pequenos, mas estes não podem ficar sós quando tomam banho, independente do tamanho e da profundidade. Com alguns meses de vida, o bebê já pode ser estimulado a aproveitar os benefícios da água em abundância e não é só isso. Uma pesquisa feita pelo Institute for Educational Research, na Austrália, mostrou que quanto mais cedo a criança aprende a nadar, melhor será o seu desenvolvimento intelectual.

    Por: 3xcelerl Casa & Jardiml 19/09/2014 lAcessos: 21

    No Brasil estamos vendo o grande descaso que nossas "crianças" tem feito... são "crianças" que saem para a balada cada dia mais cedo, já aos 12 ou 13 anos, vemos essas "crianças" nas festas e bares com atitudes que muitos de nós só começamos a ter após os 17 ou 18 anos.

    Por: Ruben Zevallos Jr.l Lar e Família> Adolescentesl 24/01/2009 lAcessos: 600 lComentário: 1

    As Brincadeiras estimulam o Desenvolvimento Infantil e devem ser praticadas no dia-a-dia. Saiba mais sobre a importância das Brincadeiras para as Crianças.

    Por: Beatriz Gonzalesl Saúde e Bem Estarl 02/12/2009 lAcessos: 2,290

    Os contos nasceram, em geral, dos mitos; representam simbolicamente os acontecimentos humanos e sociais e reproduzem, em personagens e situações, valores que atravessam os séculos, porque correspondem a características permanentes do ser humano. Nelly Novaes Coelho, em seu livro Literatura Infantil: teoria, análise, didática, divide esse tipo de narrativa em contos de encantamento, contos maravilhosos e contos de fadas.

    Por: Alexandrina M. P. de Fariasl Educação> Educação Infantill 08/03/2015 lAcessos: 13

    Uma das características mais marcantes da sociedade atual é seu alto grau de racionalização, isto é, cada vez mais de organiza em função do melhor aproveitamento do tempo. A busca incessante do lucro e de uma maior produtividade submete todos os setores da vida social às mais variadas formas de planejamento. A Educação na fica fora dessa tendência e nem escapa dessa racionalização.

    Por: Alexandrina M. P. de Fariasl Educação> Educação Infantill 08/03/2015

    A escola tem sido responsabilizada há algum tempo pelos desvios de comportamento que se observa na vida social. Mas será sempre ela que tem essa responsabilidade? Ou será que ela responsabilidade foi imposta sem maiores questionamentos e agora de quem deve ser cobrada a recuperação dos indivíduos que não tem o comportamento esperado pela sociedade?

    Por: Alexandrina M. P. de Fariasl Educação> Educação Infantill 08/03/2015 lAcessos: 21

    Criar sempre foi uma característica do ser humano. Com essa capacidade o homem cria mas precisa ser despertado e isso só acontece com sua interação com o mundo. Desde o inicio dos tempos o homem cria e produz novas tecnologias. Sempre movido por suas necessidades e desejos. Assim, através dos objetos inventados modifica o mundo e sua relação com o universo. Desde as mais antigas ferramentas até os mais modernos aparelhos percebe-se que a tecnologia é útil, necessária e fascinante.

    Por: Alexandrina M. P. de Fariasl Educação> Educação Infantill 08/03/2015 lAcessos: 14

    Ao longo da institucionalização da Sociologia como ciência no Brasil, várias pesquisas tiveram como objeto de estudo o professor e seu papel dentro das instituições educacionais e na sociedade global. Mas parece que ainda precisamos saber muito sobre essa profissão tão paradoxal: para uns é fundamental em qualquer sociedade que se proponha séria; para outros, uma profissão como outra qualquer, sem nenhuma especificidade e, para completar, em qualquer caso, quase sempre mal remunerada.

    Por: Alexandrina M. P. de Fariasl Educação> Educação Infantill 08/03/2015

    Por muito tempo discutiu-se a Educação no Brasil negligenciando sua relação com a economia. Porém, num certo momento, ficou impossível continuar a tentar analisar e explicar o processo educativo descolado da realidade econômica do país no qual ele se inseria. As implicações do desenvolvimento econômico do país de certa maneira apareceram na Educação, de uma forma ou de outra, particularmente quando se avalia os resultados do processo educativo.

    Por: Alexandrina M. P. de Fariasl Educação> Educação Infantill 08/03/2015 lAcessos: 17
    Irineu Correia

    Este artigo analisa as contribuições de Vygostsky e Piaget para a construção do conhecimento na escola.

    Por: Irineu Correial Educação> Educação Infantill 07/03/2015 lAcessos: 17

    As ações afirmativas e a aplicação da Lei 10.639/03 que determina que seja ensinada nas escolas a história e cultura dos povos africanos ,ainda são pouco difundidas e claras para a maioria dos educadores no Brasil.Assim,esse artigo procura fazer um exame dos motivos para tal paralisia e tenta apontar caminhos para suprir essas lacunas.

    Por: Mauricio Mendes de Oliveiral Educação> Educação Infantill 06/03/2015
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast