BRINCADEIRAS E JOGOS NO PARQUE

Publicado em: 12/05/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 7,636 |

Os espaços do parque sempre existiam nas instituições de educação infantil, mas suas funções e objetivos têm conotações diferentes em função da evolução das propostas pedagógicas e do lugar que a brincadeira ocupa no desenvolvimento da criança. Durante muito tempo, a brincadeira no parque esteve associada à necessidade da criança de extravasar energias contidas na sala de aula ou desencadear do trabalho pedagógico. A utilização do espaço externo acontecia à margem do processo educacional, por isso não exigia um planejamento de ações, mas apenas o controle da segurança e da disciplina.

Entendemos que a brincadeira é um componente socialmente construído, que ajuda a criança a entender a si mesma e ao universo cultural em que está inserida, podendo se mais ou menos rica em função dos materiais, tempo, espaço e parceiros de que dispõe. Este novo olhar sobre o brincar mostra a importância de planejarmos ambientes lúdicos adequados às necessidades e interesses da criança.

Analisar e planejar intervenções no uso dos equipamentos, pisos, volumes, elementos naturais e brinquedos do parque possibilitam que a estruturação do ambiente esteja conectada aos objetivos gerais da instituição e dos diferentes eixos de trabalho da educação infantil. Para tanto o ideal é que o planejamento do parque envolva tomadas de decisões tendo em vista diferentes caminhos. Este processo pode ser facilitado quando seguimos alguns passos:

1. Definição de metas e objetivos

 

  • Relacionar os objetivos gerais da instituição às atividades exercidas no parque;
  • Definir as possibilidades de brincadeiras, projeto e seqüências de atividades ao longo do ano.

 

2. Avaliação qualitativa do espaço

 

  • Observar os brinquedos, suas formas, cores e texturas, sons e cores, tipos de piso, relevos e elementos naturais; pesquisar locais de iluminação e sombra;
  • Levantar problemas: locais em que as crianças se machucam, dificuldades do professor, existência de conflitos entre as crianças;
  • Verificar se existem cantos estruturados com diferentes atividades conforme o interesse das crianças: brincadeiras de faz-de-conta, jogos tradicionais, brincadeiras com materiais.

 

3. Observação o uso do espaço pelas crianças

 

  • Listar as brincadeiras mais presentes, observar se há estímulos para as brincadeiras de faz-de-conta e para a ampliação do repertório de movimentos e brincadeiras;
  • Verificar se os materiais de manipulação, como brinquedos tradicionais, caixas de papelão ou de plástico, tecidos, fantasias etc, que permitem a construção de ambientes e brincadeiras pelas próprias crianças, estão realmente acessíveis a elas e sejam seguros e ao mesmo tempo desafiadores;
  • Observar a variedade de movimentos, individualmente ou em cooperação, proporcionados pela organização do espaço.

 

4. Definição de horários, grupos e momentos da rotina.

 

  • Decidir se vai uma para o parque uma classe por vez, duas ou mais; decidir como será a composição do gruo que vai brincar, todos da mesma idade ou de várias idades;
  • Pensar em quanto tempo para cada grupo e em que momentos da rotina.

 

5. Seleção de materiais e formas de utilização

 

  • Pesquisar, adquirir e/ou confeccionar materiais estruturadores de ambientes (tecidos, pneus, redes de balanças, cordas...), brinquedos tradicionais (pião, bolinha de gude, corda, sapato de lata, vai e vem, pipa, bola, bambolês, giz para desenha...) e materiais de faz-de-conta (brinquedos de areis, elementos para casinha, fantasias, espadas de jornal...);
  • Definir modos de organização e ofertas de materiais;
  • Pensar em formas de conexão entre os elementos industriais (equipamentos) e os elementos da natureza (árvores, aclives e declives), criando vínculos entre os espaços, a criança e a brincadeira.

 

6. Definição de regras e atitudes do professor

 

  • O professor deve saber como intervir em situações de conflito ou de perigo e, ainda, como sugerir desafios e brincadeiras;
  • Além disso, o adulto que acompanha as crianças no parque também deve dividir com as crianças as responsabilidades em relação à oferta de materiais.

 

Exercícios de planejamento: Transformando um parque tradicional em um espaço repleto de estímulos para brincadeiras tradicionais e de faz-de-conta, desafios de movimento e descobertas sensoriais.

 

Labirinto de tiras:

O labirinto é um recurso interessante para a construção de relações espaciais. Neste exemplo, a trama integrada ao trepa-trepa surpreende a criança criando caminhos mais sinuosos que no brinquedo tradicional. Pode ser instalado nas árvores, através de amarrações simples ou a ganchos e argolas fixadas no piso ou na parede.

Brincadeiras tradicionais com regras:

Acontecem, geralmente, nos espaços abertos. É interessante observar o repertório que as crianças apresentam, procurando enriquece-los através da intervenção direta: relembrando regras, ajudando a resolver conflitos, chamando a atenção para estratégias que determinadas crianças adotam ou oferecendo materiais.

Para saber mais:

  • A Cidade e a Criança. Mayumi W. de Souza Lima. Ed. Nobel, São Paulo, 1989.
  • A Arte Lúdica. Elvira Almeida. EDUSP, São Paulo, 1997.
  • Espaços Lúdicos ao ar livre na Educação Infantil. Isabel Porto Filgueiras. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Educação da USP, 1998.
  • E Espaço do Brincar. Adriana Freyberger. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP, 2000.

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 3 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-infantil-artigos/brincadeiras-e-jogos-no-parque-2358279.html

    Palavras-chave do artigo:

    brincadeiras e criancas

    Comentar sobre o artigo

    A presente monografia vem demonstrar que o brinquedo e a brincadeira na pré-escola é de um aspecto muito importante na interação da criança com o adulto, com o outro. E a brincadeira em grupo serve para socializar crianças e a compreensão de regras. Elas aprendem a lidar com os sentimentos, interagir, resolver conflitos e desenvolver a imaginação e criatividade para resolver problemas. E, portanto, contra este pensamento que buscamos e é de fundamental importância que professores tenham conhe.

    Por: João do Rozario Limal Educação> Educação Onlinel 01/06/2008 lAcessos: 126,411 lComentário: 14

    Brincar é fundamental para as crianças. Portanto, entreter o seu filho com brincadeiras saudáveis e jogos educativos também é essencial. Veja aqui algumas dicas de como estimular as brincadeiras de seus filhos e tornar o aprendizado algo mais divertido e prazeroso.

    Por: Beatriz Gonzalesl Relacionamentosl 10/09/2009 lAcessos: 6,322

    Brincadeira de criança… Como é bom, como é bom… Quem nunca viu aquele antigo filme em que o menino "pilotava" Helicópteros de brinquedo e ficava voando por ai… Ou melhor, quem nunca quis um desses?

    Por: Ricardo Prates Moraisl Internet> Comércio Eletrônicol 18/03/2011 lAcessos: 120

    Observando o comportamento das crianças no cotidiano, percebe-se que elas, na era da informatização, passam cada dia mais tempo na frente de um computador, de uma televisão ou se entretendo com brinquedos eletrônicos. Fazendo com que brinquem menos e socializem-se menos com outras crianças. Com isso a criança perdeu o hábito saudável de brincar outras brincadeiras, até mesmo de ver o mundo além da janela. Sendo assim, surge a idéia de uma prática de mudanças no brincar. Resgatando as brincadeiras antigas: Propor às crianças um jeito diferente de brincar, resgatando, conhecendo e valorizando brincadeiras infantis antigas possibilitando momentos que desenvolvam suas habilidades cognitivas, seu potencial de reflexão e de construção do conhecimento, pois é com o lúdico que ela experimenta a vida, resolve problemas e desenvolve a sua socialização atitudinal própria e coletiva.

    Por: claumiranda batista limal Educação> Educação Infantill 08/01/2009 lAcessos: 76,476 lComentário: 17

    Piscina é algo que todos gostam, inclusive os pequenos, mas estes não podem ficar sós quando tomam banho, independente do tamanho e da profundidade. Com alguns meses de vida, o bebê já pode ser estimulado a aproveitar os benefícios da água em abundância e não é só isso. Uma pesquisa feita pelo Institute for Educational Research, na Austrália, mostrou que quanto mais cedo a criança aprende a nadar, melhor será o seu desenvolvimento intelectual.

    Por: 3xcelerl Casa & Jardiml 19/09/2014

    No Brasil estamos vendo o grande descaso que nossas "crianças" tem feito... são "crianças" que saem para a balada cada dia mais cedo, já aos 12 ou 13 anos, vemos essas "crianças" nas festas e bares com atitudes que muitos de nós só começamos a ter após os 17 ou 18 anos.

    Por: Ruben Zevallos Jr.l Lar e Família> Adolescentesl 24/01/2009 lAcessos: 593 lComentário: 1

    As Brincadeiras estimulam o Desenvolvimento Infantil e devem ser praticadas no dia-a-dia. Saiba mais sobre a importância das Brincadeiras para as Crianças.

    Por: Beatriz Gonzalesl Saúde e Bem Estarl 02/12/2009 lAcessos: 2,268

    As brincadeiras são muito importantes para o desenvolvimento da criança - pois é através das brincadeiras que as crianças desenvolvem suas habilidades, inteligência, coordenação motora, além de outras características essenciais ao convívio em sociedade. Saiba porque brincar é uma atividade essencial ao desenvolvimento infantil.

    Por: Beatriz Gonzalesl Lar e Famílial 12/08/2009 lAcessos: 14,203 lComentário: 4

    As Brincadeiras de Cirança estimulam o intelecto e o corpo. Brinque Ao Ar Livre com seu filho e ajude-o em seu desenvolvimento. Veja mais neste artigo.

    Por: Gabi Batistal Lar e Famílial 05/03/2010 lAcessos: 1,492

    Como obter as informações de que necessitamos para acompanhar os percursos dos estudantes? Como apreender os modos como eles representam os conceitos? Como saber o que pensam sobre o que ensinamos para pensarmos nas possibilidades pedagógicas que assegurariam a qualidade do ensino-aprendizagem? Como proceder para que os estudantes evidenciem seus avanços e suas dificuldades?

    Por: Maria Cristinal Educação> Educação Infantill 18/11/2014 lAcessos: 11

    Aprender com prazer, aprender brincando, brincar aprendendo, aprender a aprender, aprender a crescer: a escola é, sim, espaço de aprendizagem. Assim, é fundamental que cada professor se sinta desafiado a repensar o tempo pedagógico, analisando se ensina o que é de direito para os estudantes e se a seleção de conteúdos, capacidades e habilidades é de fato importante naquele momento.

    Por: Maria Cristinal Educação> Educação Infantill 18/11/2014 lAcessos: 18

    A prática educativa está fortemente relacionada a processos de comunicação e interação entre os seres, que a utilizam para assimilar seus saberes, habilidades, técnicas, valores, atitudes, e, através disso, construir novos saberes. Sendo assim, não se pode reduzir a educação ao simples ato de ensinar e a pedagogia como um conjunto de métodos que possibilita o ensino. Sendo assim, surge um questionamento essencial a todo aquele que quer compreender, viver e fazer pedagogia: quem é o pedagogo?

    Por: Maria Cristinal Educação> Educação Infantill 18/11/2014

    A questão da inclusão de pessoas portadoras de necessidades especiais em todos os recursos da sociedade ainda é muito incipiente no Brasil. Movimentos nacionais e internacionais têm buscado um consenso para formatar uma política de inclusão de pessoas portadoras de deficiência na escola regular.

    Por: Jania Gasques bordonil Educação> Educação Infantill 17/11/2014
    Liamara Lucia de Almeida Cacho

    Nos anos iniciais, a disciplina que trabalha as noções históricas, de espaço e tempo é chamada de Estudos Sociais. Neste período o professor deve transmitir aos alunos noções fundamentais de organização da vida em sociedade, de como se organiza o próprio município, da atuação das autoridades, organizações e hierarquias, noções de respeito e educação cidadã, além dos deveres e direitos humanos.

    Por: Liamara Lucia de Almeida Cachol Educação> Educação Infantill 14/11/2014 lAcessos: 14
    Liamara Lucia de Almeida Cacho

    Como todos já sabem e ouviu-se muito falar, a educação autônoma é a mais viável e satisfatória nos dias de hoje. Com tantas transformações ocorrendo em tempo real, e em nível econômico, político e social, além de cultural também. Com base nisto, quero colocar alguns dos meus pensamentos sobre a educação.

    Por: Liamara Lucia de Almeida Cachol Educação> Educação Infantill 14/11/2014
    Liamara Lucia de Almeida Cacho

    Há tempos busca-se formar integralmente o homem, provavelmente, nenhuma palavra expressa mais essa ideia de formação humana que a palavra, oriunda da Cultura Grega, Paídeia, que exprimia o ideal de desenvolver no ser homem aquilo que era considerado próprio da sua natureza, essa ideia perpassou o humanismo renascentista chegando até aos nossos dias atuais. Diante disso, cabe perguntar: O que significa essa totalização da formação humana? Pode ser definido em um único conceito?

    Por: Liamara Lucia de Almeida Cachol Educação> Educação Infantill 14/11/2014 lAcessos: 11

    A educação inclusiva é voltada de todos para todos, os ditos "normais" e as pessoas com algum tipo de deficiência poderão aprender em conjunto. Uma pessoa dependerá da outra para que realmente exista uma educação de qualidade. A função de separar e classificar os alunos, rotulando-os como menos ou mais capazes, dá lugar a de escolher cada um, valorizando suas potencialidades, sua linguagem, suas diferenças, bem como os instrumentos que ampliam suas possibilidades de aprender, de comunicar e de i

    Por: Darci Martinsl Educação> Educação Infantill 14/11/2014 lAcessos: 17
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast