Concepções de jogo conforme vigotsky, piaget, wallon

Publicado em: 18/02/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 2,731 |

CONCEPÇÕES DE JOGO CONFORME VIGOTSKY, PIAGET, WALLON.

Desde que a criança nasce está presente à atividade lúdica, por isso a importância de desenvolvermos os estudos sobre os tipos de jogos nas diferentes concepções, dados a importância dos mesmos no desenvolvimento infantil.

O JOGO NA CONCEPÇÃO DE PIAGET

Para Piaget (1978) as origens das manifestações lúdicas acompanham o desenvolvimento da inteligência vinculando-se aos estágios do desenvolvimento cognitivo. Cada etapa do desenvolvimento está relacionada a um tipo de atividade lúdica que se sucede da mesma maneira para todos os indivíduos.

Piaget identifica três grandes tipos de estruturas mentais que surgem sucessivamente na evolução do brincar infantil: o exercício, o símbolo e a regra.

a) jogos de exercício,

b) jogos simbólicos e

c) jogos de regras.

 

a) O jogo de exercício

Representa a forma inicial do jogo na criança e caracteriza o período sensório-motor do desenvolvimento cognitivo. Manifesta-se na faixa etária de zero a dois anos e acompanha o ser humano durante toda a sua existência — da infância à idade adulta.

A característica principal do jogo de exercício é a repetição de movimentos e ações que exercitam as funções tais como andar, correr, saltar e outras pelo simples prazer funcional.

 

b) O jogo simbólico

Tem início com o aparecimento da função simbólica, no final do segundo ano de vida, quando a criança entra na etapa pré-operatória do desenvolvimento cognitivo. Um dos marcos da função simbólica é a habilidade de estabelecer a diferença entre alguma coisa usada como símbolo e o que ela representa seu significado.

 

c) O jogo de regras

Constituem-se os jogos do ser socializado e se manifestam quando, por volta dos 4 anos, acontece um declínio nos jogos simbólicos e a criança começa a se interessar pelas regras. Desenvolvem-se por volta dos 7/11 anos, caracterizando o estágio operatório-concreto.

 

O JOGO NA CONCEPÇÃO DE WALLON

 

Para Wallon, o fator mais importante para a formação da personalidade não é o meio físico, mas sim o social. O autor chama a atenção para o aspecto emocional, afetivo e sensível do ser humano e elege a afetividade, intimamente fundida com a motricidade, como desencadeadora da ação e do desenvolvimento da ação e do desenvolvimento psicológico da criança.

Para o autor, a personalidade humana é um processo de construção progressiva, onde se realiza a integração de duas funções principais:

  • A afetividade, vinculada à sensibilidade interna e orientada pelo social;
  • A inteligência, vinculada às sensibilidades externas, orientada para o mundo físico, para a construção do objeto.

Wallon enfoca a motricidade no desenvolvimento da criança, ressaltando o papel que as aquisições motoras desempenham progressivamente para o desenvolvimento individual. Segundo ele, é pelo corpo e pela sua projeção motora que a criança estabelece a primeira comunicação (diálogo tônico) com o meio, apoio fundamental do desenvolvimento da linguagem. É a incessante ligação da motricidade com as emoções, que prepara a gênese das representações que, simultaneamente, precede a construção da ação, na medida em que significa um investimento, em relação ao mundo exterior.

Na concepção de Wallon, infantil é sinônimo de lúdico. Toda atividade da criança é lúdica, no sentido que se exerce por si mesma antes de poder integrar-se em um projeto de ação mais extensivo que a subordine e transforme em meio.

Deste modo, ao postular a natureza livre do jogo, Wallon o define como uma atividade voluntária da criança. Se imposta, deixa de ser jogo; é trabalho ou ensino.

 

Wallon, ao classificar os jogos infantis, apresenta quatro categorias:

  • Jogos funcionais;
  • Jogos de ficção
  • Jogos de aquisição
  • Jogos de fabricação.

 

a) Jogos funcionais

Caracterizam-se por movimentos simples de exploração do corpo, através dos sentidos. A criança descobre o prazer de executar as funções que a evolução da motricidade lhe possibilita e sente necessidade de pôr em ação as novas aquisições, tais como: os sons, quando ela grita, a exploração dos objetos, o movimento do seu corpo. Esta atividade lúdica identifica-se com a "lei do efeito". Quando a criança percebe os efeitos agradáveis e interessantes obtidos nas suas ações gestuais, sua tendência é procurar o prazer repetindo suas ações.

 

b) Jogos de ficção

Atividades lúdicas caracterizadas pela ênfase no faz-de-conta, na presença da situação imaginária. Ela surge com o aparecimento da representação e a criança assume papéis presentes no seu contexto social, brincando de "imitar adultos", "casinha", "escolinha", etc.

 

c) Jogos de aquisição

Desde que o bebê, "todo olhos, todo ouvidos", como descreve Wallon, se empenha para compreender, conhecer, imitar canções, gestos, sons, imagens e histórias, começam os jogos de aquisição.

 

d) Jogos de fabricação

São jogos onde a criança se entretém com atividades manuais de criar, combinar, juntar e transformar objetos. Os jogos de fabricação são quase sempre as causas ou conseqüências do jogo de ficção, ou se confundem num só. Quando a criança cria e improvisa o seu brinquedo: a boneca, os animais que podem ser modelados, isto é, transforma matéria real em objetos dotados de vida fictícia.

 

O JOGO NA CONCEPÇÃO DE VYGOTSKI

 

A partir de suas investigações sobre o desenvolvimento dos processos superiores do ser humano, Vygotski apresenta estudos sobre o papel psicológico do jogo para o desenvolvimento da criança.

O autor enfatiza a importância de se investigar as necessidades, motivações e tendências que as crianças manifestam e como se satisfazem nos jogos, a fim de compreendermos os avanços nos diferentes estágios de seu desenvolvimento.

Caracterizando o brincar da criança como imaginação em ação, Vygotski elege a situação imaginária como um dos elementos fundamentais das brincadeiras e jogos.

Segundo Vygotski, o brinquedo que comporta uma situação imaginária também comporta uma regra relacionada com o que está sendo representado. Assim, quando a criança brinca de médico, busca agir de modo muito próximo daquele que ela observou nos médicos do contexto real. A criança cria e se submete às regras do jogo ao representar diferentes papéis.

Para Vygotski, a brincadeira se configura como uma situação privilegiada de aprendizagem infantil, à medida que fornece uma estrutura básica para mudanças das necessidades e da consciência.

Outro aspecto evidenciado pelo estudioso é o papel essencial da imitação na brincadeira, na medida em que, inicialmente, a criança faz aquilo que ela viu o outro fazer, mesmo sem ter clareza do significado da ação. À proporção que deixa de repetir por imitação, passa a realizar a atividade conscientemente, criando novas possibilidades e combinações. Dessa forma, a imitação não é considerada uma atividade mecânica ou de simples cópia de modelo, uma vez que ao realizá-la, a criança está construindo, em nível individual, o que nos observaram outros.

É, portanto, na situação de brincar que as crianças se colocam questões e desafios além de seu comportamento diário, levantando hipóteses, na tentativa de compreender os problemas que lhes são propostos pela realidade na qual interagem. Assim, ao brincarem, constroem a consciência da realidade e, ao mesmo tempo, vivenciam a possibilidade de transformá-la.

Fazendo referência à característica de prazer, presente nas brincadeiras, Vygotski afirma que nem sempre há satisfação nos jogos, e que quando estes têm resultado desfavorável, ocorre desprazer e frustração.

PARA SABER MAIS
Proposições de Wallon para o estudo do psiquismo humano – Categoria: Humanidades
Galvão, Izabel. Henri Wallon: Uma Concepção Dialética do Desenvolvimento Infantil, Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.jogos-educativos-011.jpg

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-infantil-artigos/concepcoes-de-jogo-conforme-vigotsky-piaget-wallon-4261130.html

    Palavras-chave do artigo:

    crianca

    ,

    jogos

    ,

    desenvolvimento infantil

    Comentar sobre o artigo

    O brincar e o brinquedo sempre estiveram presentes no universo infantil, mas hoje com o surgimento das tecnologias, eles até se desvinculam de seu sentido real. Na Educação Infantil, o brincar é tido por leigos como apenas diversão, distração e que não é possível com ele que a criança aprenda e nem descubra valores e regras como a convivência em grupo ou até mesmo aprender a desenvolver situações que envolvam sentimentos e decisões.

    Por: Lúbia de Medeiros Maia Sousal Educação> Educação Infantill 11/12/2011 lAcessos: 1,802
    Ismael dos Santos

    Este trabalho abordará a importância do brincar para o desenvolvimento infantil, um fator indispensável e fundamental ao desenvolvimento de aspectos físico-motor, intelectual, afetivo-emocional, e social da criança, procurando verificar o papel da família e também dos educadores no processo de inclusão do brincar na vida do mesmo e apresentar as influências e vantagens que essas brincadeiras proporcionam para que tal desenvolvimento ocorra de maneira adequada.

    Por: Ismael dos Santosl Educação> Educação Infantill 24/02/2011 lAcessos: 2,759 lComentário: 1
    Ozéias Costa da Silva

    Acredita que é de fundamental importância que as crianças desenvolva a brincadeira livre.Não temos nada dirigido.Durante a brincadeira,a criança traz situações de seu cotidiano,imta os adultos cria problemas e ela própria cria iniciativa para solução.

    Por: Ozéias Costa da Silval Educação> Educação Infantill 25/10/2009 lAcessos: 1,604
    Eliaquim Barbosa Pereira

    Este trabalho teve a finalidade de fazer uma pesquisa bibliográfica sobre desenvolvimento da coordenação motora fina, como uma proposta relevante para o crescimento da criança da pré-escola. Buscando em diversas bibliografias a opinião de autores sobre como é realizado o trabalho de estimulo e incentivo ao desenvolvimento da coordenação motora dos alunos da educação infantil. Busca-se abordar aspectos necessários para diagnosticar e discutir a aplicação de ações, tanto por parte da família quant

    Por: Eliaquim Barbosa Pereiral Educação> Ciêncial 27/02/2010 lAcessos: 10,302

    As Brincadeiras estimulam o Desenvolvimento Infantil e devem ser praticadas no dia-a-dia. Saiba mais sobre a importância das Brincadeiras para as Crianças.

    Por: Beatriz Gonzalesl Saúde e Bem Estarl 02/12/2009 lAcessos: 2,260
    TALITA MARIA PEREIRA

    A brincadeira lúdica oportuniza as crianças as se desenvolverem integralmente como seres pensantes e atuantes. As brincadeiras faz com que as crianças se movam constantes ampliando a coordenação e conhecimento, onde futuramente consigam criar soluções para eventuais problemas. O professor deve propor as crianças brincadeiras desafiadoras, dinâmicas, para que se interagem frequentemente umas com as outras.

    Por: TALITA MARIA PEREIRAl Educação> Educação Infantill 18/11/2013 lAcessos: 173
    Orleine R. Alcântara

    Este artigo tem o intuito de promover, e despertar a importância que os jogos e as brincadeiras têm no desenvolvimento dos educandos, lembrando que os jogos quando desenvolvido em sala de aulas devera ter o objetivo de informação e aprendizado, os jogos consistem numa simples assimilação funcional, num exercício das ações individuais já aprendidas gerando, ainda, um sentimento de prazer pela ação lúdica em si e pelo domínio sobre as ações.

    Por: Orleine R. Alcântaral Educaçãol 17/06/2010 lAcessos: 6,679
    Liamara Lucia de Almeida Cacho

    Esse artigo pretende mostrar a importância de se criar cantinhos na Educação Infantil e também nos anos iniciais, uma vez que a sala de aula deve ser um ambiente prazeroso para se desenvolver todas as atividades. Como brincadeiras tradicionais, modernas, brinquedos pedagógicos, filmes, leituras, informática e oficinas. Brincar e interagir com as crianças são experiências agradáveis e incomparáveis com qualquer outro tipo de atividade já realizada durante o curso de Pedagogia.

    Por: Liamara Lucia de Almeida Cachol Educação> Educação Infantill 03/12/2013 lAcessos: 100

    O artigo nos demonstra o quão importância é o estimulo externo feito pelos educadores para o desenvolvimento cognitivo das crianças.

    Por: Naiane Aparecida N. de Moural Educação> Educação Infantill 17/11/2013 lAcessos: 49
    Simone Andrade R. S. Rodrigues

    No cenário educativo, os jogos ajudam a criança no seu desenvolvimento físico, afetivo, intelectual e social, pois, por meio das atividades lúdicas, a criança forma conceitos, reforça habilidades, estabelece relações lógicas, além de desenvolver a expressão oral e corporal.

    Por: Simone Andrade R. S. Rodriguesl Educação> Educação Infantill 27/10/2014
    Simone Andrade R. S. Rodrigues

    Entende-se por racismo no futebol, qualquer prática racista oriunda de xingamentos ou algum tipo de sinal obsceno, praticada em campo durante alguma partida de futebol ou ainda nas arquibancadas, direcionada a algum dos participantes diretos da partida. A rivalidade entre times pode ser uma das explicações, mas alguns casos se tornaram tão polêmicos que atingiram em cheio a mídia e as pessoas pela revolta do ato completamente errôneo.

    Por: Simone Andrade R. S. Rodriguesl Educação> Educação Infantill 26/10/2014
    Simone Andrade R. S. Rodrigues

    Iniciamos esta discussão indagando aos nossos leitores se em algum momento pararam para observar as inúmeras expressões faciais que docentes e educandos protagonizam em sala de aula? Frente a isto nos questionamos: o que aconteceu com nossos alunos? O que houve com a docilidade, amabilidade, respeito, e admiração com a figura docente? Por quais caminhos se dispersaram? E por que não dizer a humanização do ambiente escolar?

    Por: Simone Andrade R. S. Rodriguesl Educação> Educação Infantill 26/10/2014
    edivaldo coelho da silva

    EDUCAÇÃO NAS ESCOLAS SOBRE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CRIANÇAS PARA AS MESMAS AO CHEGAS DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES ESTAREM PREPARADAS PARA AS ADVERSIDADES DOS RISCOS ENCONTRADOS NAS ATIVIDADES LABORAIS A ATUAR COM SEGURANÇA.

    Por: edivaldo coelho da silval Educação> Educação Infantill 26/10/2014 lAcessos: 11
    ELISETE AMADOR PEREIRA

    Nosso artigo de opinião vem tratando do perfil ou papel do Coordenador Pedagógico em nossa escola, na cidade de Alto Araguaia- MT. Percebemos que o papel do Coordenador Pedagógico em nossa escola tem sido diferente do que realmente deve ser, ou seja, o Coordenador Pedagógico tem desempenhado funções alheias às suas, fazendo mais o papel administrativo e burocrático do que o pedagógico. é sobre isso que falaremos aqui, dando nossa opinião.

    Por: ELISETE AMADOR PEREIRAl Educação> Educação Infantill 23/10/2014

    O presente artigo aborda o sistema de ensino de língua portuguesa envolvendo o aluno com dislexia e os professores que atuam na 5º serie, no contexto educacional de nível fundamental II.Visa investigar, as metodologias adotadas em sala nas aulas de língua portuguesa e se são suficientes para proporcionar aulas apropriadas quão grandemente necessárias, para contemplar as especificidades do aluno disléxico, de maneira a assegurar o seu aprendizado.

    Por: Taynara Freitas de Souzal Educação> Educação Infantill 22/10/2014 lAcessos: 15

    As conexões entre brincar, aprender e ensinar são perceptíveis quando o educador consegue conciliar os objetivos pedagógicos com os objetivos dos alunos. Ensinando a aprender contribuindo para o desenvolvimento da subjetividade, para a construção do ser humano autônomo e criativo, preparando para o exercício da cidadania e da vida coletiva incentivando a buscar justiça social e igualdade com o respeito à diferença.

    Por: Rosana Maciel Averl Educação> Educação Infantill 12/10/2014 lAcessos: 39

    Este artigo tem como objetivo apresentar a pesquisa sobre o impacto do programa escola da família na vida de crianças e adolescentes da Escola Vicente Minicucci na cidade de Franca . A pesquisa foi desenvolvida na Escola Estadual Vicente Minicucci, na cidade de Franca - SP. Seguindo os métodos de observação e questionário aplicados aos responsáveis e participantes do programa. Foi possível perceber que esse programa tem sido de suma importância pelo fato de tirar as crianças da rua, lugar

    Por: Leticia Oliveiral Educação> Educação Infantill 06/10/2014 lAcessos: 24
    Soraya Mendonça

    LDB PASSO A PASSO – 3ª EDIÇÃO ATUALIZADA ATUALIZAÇÕES ATÉ 31/AGOSTO/2009 Legislação e Comentários Nota da Editora: Os acréscimos de texto no livro em relação à 3ª edição atualizada estão grafados aqui em vermelho, respeitando a ordem cronológica de publicação das leis. PÁG. 86: LEI Nº 11.525 DE 25 DE SETEMBRO DE 2007 Acrescenta § [...]

    Por: Soraya Mendonçal Educação> Educação Infantill 23/02/2011 lAcessos: 10,648 lComentário: 1
    Soraya Mendonça

    Ensino Fundamental Estarão prontas este ano quatro obras didáticas sobre a temática étnico-racial, história e cultura afro-brasileira para uso de professores e estudantes do ensino fundamental das redes públicas. A criação desses materiais é de responsabilidade do Núcleo de Estudos Afro-brasileiros (Neab) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). A instituição foi selecionada por edital, em 2008.

    Por: Soraya Mendonçal Educação> Educação Infantill 19/02/2011 lAcessos: 154
    Soraya Mendonça

    As Cem Linguagens da Criança A abordagem de Reggio Emília na educação da primeira infânciaO programa para a primeira infância realizado em Reggio Emilia (Itália) tornou-se reconhecido como um dos melhores sistemas educacionais no mundo.

    Por: Soraya Mendonçal Educação> Educação Infantill 18/02/2011 lAcessos: 1,448
    Soraya Mendonça

    A formação inicial e em serviço do professor/educador para uma Educação Infantil de qualidade. O processo de construção de um projeto educacional de qualidade para a criança de 0 a 6 anos tem de ser contínuo. A formação inicial básica em nível superior, como proposto pela nova LDB, ou o retorno dos educadores para escola através de programas supletivos especiais, embora essenciais, não bastam.

    Por: Soraya Mendonçal Educação> Educação Infantill 14/02/2011 lAcessos: 3,041 lComentário: 2
    Soraya Mendonça

    ÁREA DO CONHECIMENTO   OBJETIVO   CONTEÚDO 0-3 ANOS

    Por: Soraya Mendonçal Educação> Educação Infantill 30/01/2011 lAcessos: 1,169 lComentário: 1
    Soraya Mendonça

    A partir da leitura do texto intitulado "Onde a crítica começa: ideologia, reprodução, resistência" (pág. 29-36). 1.Qual o contexto situacional da década de 60 que influenciou o surgimento de livros, ensaios e teorizações que colocavam em "xeque" o pensamento e a estrutura educacional tradicionais? Resposta: Os anos 60 foi uma década marcada por muitas mudanças na educação e surgimento de muitos movimentos culturais  que teorizavam e colocavam em xeque a estrutura educacional.É nesse contexto, q

    Por: Soraya Mendonçal Educação> Ensino Superiorl 30/01/2011 lAcessos: 1,586
    Soraya Mendonça

    "Nosso século presenciou o triunfo da ação à distância. Hoje, aperta-se um botão e entra-se em comunicação com Pequim. Aperta-se um botão e um país inteiro explode. Aperta-se um botão e um foguete é lançado a Marte. A ação a distância salva numerosas vidas, mas irresponsabiliza o crime." (Umberto Eco).

    Por: Soraya Mendonçal Educação> Educação Infantill 30/01/2011 lAcessos: 412
    Soraya Mendonça

    Do que foi visto é possível afirmar que tanto Piaget quanto Vigotsky concebem a criança como um ser ativo, atento, que constantemente cria hipóteses sobre seu ambiente. Há, no entanto, grandes diferenças na maneira de conhecer o processo de desenvolvimento.  Piaget privilegia a maturação biológica; Vigotsky, o ambiente social. Piaget, por aceitar que os fatores internos preponderam sobre os externos, postula que o desenvolvimento segue uma sequências fixa e universal de estágios. Vigotsky, ao s

    Por: Soraya Mendonçal Educação> Ensino Superiorl 27/01/2011 lAcessos: 1,383
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast